segunda-feira, 23 de abril de 2018

O pé da Luisinha Carneiro


Ontem, ao voltar a página, rápida e indiferentemente, sem ler o texto da notícia, de um jornal que referia em título os mais de 60 mortos num atentado suicida no Afeganistão, pensei para mim mesmo: será que já estou conquistado pela síndroma “Luisinha Carneiro”? Mas quem é Luisa Carneiro?

Num texto que ficou para a história pela sua genialidade, Eça de Queiroz imaginou um dia uma cena de província, com uma senhora a dar conta, num grupo reunido em sua casa, das notícias que vinham no jornal local, acabado de chegar. Os “horrores” dos vários desastres pelo mundo (o “Correio da Manhã” não nasceu do nada, podem crer!) sucediam-se, com apartes de aborrecimento e ar pesaroso dos circunstantes, mas não muito mais: um terramoto que matara duas mil pessoas na ilha de Java, na Hungria um rio transbordara e causara vítimas e prejuízos sem fim, na Bélgica greves e repressão, um descarrilamento trágico no sul de França, etc. 

A senhora sobre quem convergiam as atenções, que permanecia agarrada ao jornal, do qual extraía todas aquelas pouco excitantes notícias, de súbito “solta um grito, leva as mãos à cabeça: Santo Deus!” Eça relata a cena com deliciosos pormenores: “Todos nos erguemos, num sobressalto. E ela, no seu espanto e terror, balbuciando: ‘foi a Luísa Carneiro, da Bela Vista, torceu um pé!’ Então a sala inteira se alvoroçou, num tumulto de surpresa e desgosto”. É que “todos nós conhecíamos a Luisinha” e ninguém sabia quem eram os javanezes, os húngaros, os belgas ou os franceses atingidos pelas tragédias distantes.

Os meus “javanezes”, ontem, foram os afegãos mortos em Cabul, entretanto já sepultados pela minha indiferença. E a “minha” Luísa Carneiro está, com certeza, numa novidade de proximidade da perna partida de um amogo que alguém me traga, daqui a pouco. Este é um mundo que nunca muda muito.

3 comentários:

Anónimo disse...

Bom o Eça morreu nos finais do Regime monárquico tempo no qual os intelectuais de esquerda já mostravam o mundo dificil de então para que a população não tivesse sepreocupação com as acções da carbonária [terrorismo].
O que muda são as leis.
As mentalidades quando os ideais de republica são os mesmos é que não mudam....

Anónimo disse...

Cada vez estou mais convencido que por uma larga falange da população portuguesa ter sido obrigada a ler na escola, entre outros, Garrett (As viagens na minha terra), Eça (Os Maias) e Camões (Os Lusíadas) é que hoje em dia é essa mesma falange que não pode ver um livro à frente.

Anónimo disse...

É de facto pena que se pense que literatura é aquilo que os autores portugueses escrevem.
Não sei se em Portugal há um organismo como em França há, que se chama "Centre National du Livre". Serve para que um júri de intelectuais nomeados pelo Estado francês, dê acordo para que os livros propostos pelas editoras ganhem subsiios para a sua edição.
Haverá lápis azuis ainda?