domingo, 30 de setembro de 2018

Restaurantes

Gosto de comer bem, confesso.

Gosto de (bons) restaurantes, sofisticados, até mesmo algo pretensiosos, de “fine dining”, com “reduções” e “espumas”, mão de ‘chef”, cheios de “efes e erres” (“Enquanto vê o menu, posso  trazer-lhe uma flûte de Veuve Clicquot?”). 

Gosto de tascas, desde que limpas, com ruído e berros, toalhas de papel, serrim no chão (“Sai meia de chanfana, aqui pó shotôr!”). 

Gosto de restaurantes “média-alta”, com mesas sossegadas, estacionamento fácil, onde entro “em casa” (“Temos a mesa junto à janela de que sei que o senhor gosta”). 

E, cada vez mais, aprecio o estabelecimento classe-média-à-hora-de-almoço, lista previsível, serviço de manga arregaçada, simples mas atento, com o “para si, não!”, em voz baixa, olhando para o lado, não vá o patrão topar a cumplicidade: “Não! O senhor embaixador hoje não vai comer o polvo! Já a vitela ou o cabrito recomendo...”

É isso. Gosto de comer bem. Quando sou tentado a reprimir esta confissão, recordo-me dos textos de Taki, no “The Spectator”, e sinto-me logo absolvido deste meu modesto tropismo burguês.

Fleming


Acabo de ler que foi precisamente há 90 anos que Alexander Fleming descobriu a penicilina, invenção que revolucionou a medicina.

Em criança, ouvi várias vezes o meu pai dizer que eu devia a minha vida a Fleming. Com poucos meses, em Vila Real, aí por 1949, terei tido uma pneumonia que quase me levou desta para melhor. Terá sido a penicilina, então não muito comum em Portugal, trazida do Porto “em ampolas” pela mão de um recoveiro (quem não souber o que é, pode ir ao dicionário), que me salvou. Por isso, o meu pai manifestou sempre o desejo de vir, um dia, a pôr um ramo de flores na sua campa.

Quando nos anos 90 vivi em Londres, fui com os meus pais visitar a Catedral de S. Paulo. Para nossa imensa surpresa, deparámos, dentro da igreja, com o túmulo de Alexander Fleming. Recordo que houve alguma emoção nesse instante, embora, infelizmente, não tivéssemos à mão as flores devidas para o homenagear. Mas nunca esqueci o que, como muitos milhões de pessoas, fiquei a dever a Alexander Fleming.

sábado, 29 de setembro de 2018

Alves Barbosa


O ciclismo português assistiu a dois duelos históricos, bem antes de época áurea de Joaquim Agostinho: nos anos 30, o despique entre José Maria Nicolau e Alfredo Trindade e, nos anos 50, a rivalidade entre Ribeiro da Silva e Alves Barbosa.

Ribeiro da Silva morreu tragicamente, num acidente, em 1958. Alves Barbosa sobreviveu-lhe 60 anos, morrendo agora, aos 86 anos. 

Alves Barbosa ganhou três voltas a Portugal e fez um fantástico 10° lugar na Volta à França. 

Vivendo depois na sua Bairrada de sempre, onde um dia o vislumbrei de bicicleta (ele, claro!), fez durante anos o acompanhamento crítico do ciclismo na televisão.

Grande Alves Barbosa!

Marquês

Com alguma ironia à mistura (coisa que não costuma “passar” nas redes sociais), pode dizer-se que o Ministério Público é o grande “vencedor” da escolha do juíz Ivo Rosa para a instrução da Operação Marquês.

Se, no termo do julgamento, vier a haver condenações, conhecida que é a importância que Ivo Rosa confere ao seu papel como “juíz das liberdades” dos acusados, isso conferirá uma extraordinária legitimidade à acusação. Alguns dirão, contudo, que as eventuais condenações ocorreram “apesar de” Ivo Rosa.

Caso diferente, mas também “a favor” do Ministério Público, acontecerá se predominarem as absolvições ou vier a prevalecer uma fragilização das acusações. Nesta circunstância, a infirmação das provas será atribuída à conhecida tendência de Ivo Rosa de privilegiar provas diretas, o que o tem, com regularidade, colocado em confronto com a orientação do Ministério Público.

Nestas circunstâncias, acho que Joana Marques Vidal tem motivos para ter ficado satisfeita com o sorteio de Ivo Rosa. Ah! e também Carlos Alexandre pode sorrir: sempre dirá, no primeiro desfecho, que “eu é que tinha razão” ou, no segundo caso, que “eu é que devia ter ficado com o assunto a meu cargo”. 

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Um barómetro

A semana em que os principais dirigentes políticos mundiais se dirigem à Assembleia Geral da ONU é um tempo de discursos. Os presidentes, primeiros-ministros, ministros ou embaixadores que, por essa altura, ali falam tentam meter “o Rossio na Betesga”, naquele raramente respeitado quarto-de-hora de evidência, sumariando prioridades externas, procurando passar mensagens que só por acaso são lidas fora das próprias fronteiras. Em regra, essas intervenções seguem um linguarejar que se torna pouco apelativo e que até chega a disfarçar reais novidades escondidas na “langue de bois”. Outras vezes, procuram chamar a atenção através do recurso a fórmulas estilísticas mais criativas, e até chocantes, cuja eficácia funciona na razão direta da importância objetiva do respetivo país no quadro internacional.

Tendo já trabalhado na preparação desse tipo de intervenções e tendo sido ouvinte, às vezes sofredor, dessas ondas de discursos, aprendi, como os outros, a fazer a triagem entre o que, por ali, vale a pena ouvir e aquilo que não é mais do que retórica, mais ou menos balofa, para conforto de opiniões públicas internas. A regra é estar atento àquilo que diz quem realmente conta no quadro mundial de poderes e, às vezes, de novos sinais transmitidos por Estados que, conjunturalmente, estão sob holofotes políticos. Quanto ao que sobeja, resta tentar perceber se há mesmo alguma novidade naquilo que esperamos seja a reiteração do óbvio ou no que projeta uma média relevante de consenso – como é o caso da intervenção em nome da União Europeia.

Sem surpresas, o que os Estados Unidos dizem é sempre importante, pelo seu poder, “ordenador” e condicionador, à escala global, quer nos contextos bilaterais a cujo detalhe os discursos dos líderes americanos quase nunca fogem, quer pelo modo como por daí se pode detetar o grau de relevo que atribuem às instituições multilaterais, refúgio protetor das pequenas e médias potências. Claro que também importa aquilo que a Rússia e a China digam: a exegese do discurso do primeiro costuma ser mais interessante do que o caráter frequentemente críptico do segundo. 

A França, hélas!, quer-se sempre uma caixa de surpresas, com um tropismo para a singularidade que se esforça por assumir. A Alemanha, tem anos: algumas vezes, faz transparecer, por antecipação, aquilo que pretende da futura atitude europeia, através da qual objetiva muito da sua política externa, noutros dá sinais sobre inquietações que lhe suscitam os quadros geopolíticos de proximidade, face aos quais, como se sabe, é sempre mais reativa do que pró-ativa. Da Europa, tendo a Itália desaparecido como entidade relevante, resta o Reino Unido, que no passado foi sempre muito previsível, mas que, no atual quadro de solidão estratégica em que caiu, suscita apenas alguma curiosidade.

É triste dizê-lo, mas neste referencial do estado do mundo em que a Assembleia Geral da ONU se transforma, poucas são as restantes vozes interessantes. 

Na América Latina, salvo alguma curiosidade sobre a atitude venezuelana e aquilo que possa sobrar para além da retórica cubana, com um México ainda entre presidentes, um Brasil sem direção política e uma Argentina em nova crise, nada parece justificar atenção.

Da África, infelizmente, também não se espera muito. Para nós, importa anotar a imagem que a “nova” Angola queira fazer transparecer. Mas, para o mundo, já foi mais importante ouvir o que digam países como o Egito ou a África do Sul.

Na Ásia, para além da China, será curioso observar a linguagem das duas Coreias e os sinais pelos quais o Japão queira transmitir a sua preocupação com os desafios geopolíticos da vizinhança. Será ainda de anotar o que diz a Índia, eventuais sinais do Paquistão, bem como a reação de Myanmar ao seu acossamento. 

Resta, e não é pouco, o Médio Oriente. Aí, há que estar atento ao Irão, a Israel, à Arábia Saudita e, curiosamente, à Turquia, esse errático poder “adolescente”. O resto é irrelevante.
É assim, com realismo, o espetáculo onusino anual. Porque revela as pressões do tempo que corre, acaba por servir de bom barómetro.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

É dos livros !


Foi numa capital europeia. Notava-se que aquele funcionário português, ali colocado, andara todo o dia a passarinhar à volta da figura política que chefiava a delegação vinda de Lisboa. Era uma evidência que queria agradar-lhe, talvez para poder ter algum apoio futuro na sua carreira profissional. Compreensível, mas menos bonito de observar. 

Íamos em grupo, numa rua. A certo momento, o político viu uma livraria e disse que ia entrar, por um instante. Ficámos cá fora, à espera. O tal funcionário, que vinha um pouco atrás, inquiriu onde estava o governante. Ao saber que tinha entrado na livraria, apressou-se a juntar-se-lhe. 

O gesto, pelo caráter impulsivo da coreografia assumida, surpreendeu-nos a todos, mas talvez mais a alguém que, em voz alta, se interrogou sobre o que levara o homem a entrar com aquele afã na livraria. 

Recordo o “esclarecimento” de uma outra pessoa, concedo que um tanto cruel: “Felicitem-se por termos sido testemunhas de um momento único”. Interrogativos, olhámos para ele, que logo concluiu e elucidou: “Ver aquele tipo entrar numa livraria é uma ocasião histórica”. Logo um terceiro, mais maldoso ainda, acrescentou: “Só ultrapassado pelo dia glorioso em que ele, de facto, vier a ler um livro...” 

Há gente muito mazinha...

Políticos & livros


Ontem foi notícia que Marcelo Rebelo de Sousa foi à livraria Strand, em Nova Iorque, tida como a maior do mundo, com bem mais de 20 kms de estantes. E, ao que parece, o nosso presidente terá comprado lá o “Fear”, de Bob Woodward. Fez bem, vale a pena, acabei de o ler na semana passada.

A Strand é imensa mas é uma livraria muito pouco glamorosa. Em charme, está nos antípodas da Rizzoli, da Argosy ou de outras pequenas casas. Para mim, foi sempre um lugar para descobrir livros usados ou em saldo, muito embora as últimas novidades também acabem por estar por lá. Desde que a visitei, pela primeira vez, em dezembro de 1972, sempre me recordo de acabar empoleirado nas perigosas escadas de acesso às prateleiras superiores, quase sempre para “apanhar” coisas escritas sobre Portugal ou memórias políticas (um vício velho). É dessa primeira visita, há quase 46 anos, que data a aquisição do “Missão em Portugal”, de Álvaro Lins, editado no Brasil, onde o antigo embaixador em Lisboa conta a odisseia de ter dado asilo político a Humberto Delgado. O livro era então proibido em Portugal.

Marcelo Rebelo de Sousa é um amante de livros, como é sabido. Mas não é só ele (Soares era “viciado”). Ao tempo em que vivi em Nova Iorque, alguns dos nossos políticos de passagem gostavam que os levasse às livrarias, nos intervalos das reuniões. Nem todos... Recordo-me bem de ter mostrado a Strand a António Guterres e que Jaime Gama preferia a variedade mais atual de uma Barnes & Noble ou da saudosa Borders. E que fui com Paulo Portas a uma pequena mas muito interessante livraria na Lexington Avenue.

A Jorge Sampaio, ao tempo de George W. Bush, sugeri uma livraria (agora não recordo o nome) no Upper West Side que era tida por ser “de esquerda”. Nem sequer era verdade, era apenas uma livraria universitária, perto de Columbia. Quem ficou preocupado com o caráter “liberal” (“liberal”, nos EUA, significa “esquerda”) do local foi o pessoal do “Secret Service” (embora pareça estranho, eles trazem essa designação na lapela) que o acompanhava, que entendia o lugar pouco “frequentável” e que se mostrou nervoso durante toda a visita. Foi um belo momento e o então presidente saiu carregado de aquisições.

A minha tese foi sempre esta: felizes os países cujos políticos gostam de livros.

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Helena Almeida


A batalha da Mancha


O Brexit começou por ser uma ideia impensável. Depois, era uma implausibilidade, num país que se de alguma coisa sempre foi acusado foi de excesso de realismo. Finalmente, numa noite impossível, impôs-se-nos como um facto. 

Fruto da bravata de um homem a quem a Europa fica a dever um incomensurável erro histórico, David Cameron, o Brexit trouxe ao de cima todo um mal-estar conjuntural vivido na sociedade britânica - por motivos contraditórios, com a cumulação de argumentos antagónicos, um espetáculo de rejeição emotiva da relação do Reino Unido com um espaço político-económico onde, nas últimas décadas, foi gerada grande parte da sua riqueza. Porque é importante sublinhar isto: Londres é um dos grandes ganhadores da integração europeia. 

Dizer mal “de Bruxelas” - como se não fossem os ministros nacionais quem aí toma as decisões - é, desde há muito, um escape fácil para justificar coisas impopulares nas opiniões públicas. Assim sucede, um pouco por toda a Europa. Porém, o Reino Unido, além disso, fez da excecionalidade o seu modo europeu de vida, de Schengen ao euro, passando por outros “opt out”. Mais do que isso: conseguiu vender internamente que o que valia a pena era estar sempre a bater o pé a Bruxelas, numa atitude de permanente resistência a um poder adverso. Com essa atitude, Bruxelas inculcou-se, do discurso político aos títulos dos tablóides, como o inimigo permanente de uma soberania ameaçada. No dia em que um referendo, naquilo que este sempre tem de apuramento sincrónico e emotivo das vontades, permitiu aos britânicos expressar o sentimento que vinham a aculturar desde há muito, o resultado foi o Brexit. O mundo, e creio que também os britânicos, só a posteriori entenderam a importância do que verdadeiramente se passou.

Sendo uma expressão de vontade unilateral britânica, o Brexit não deixa de ser um imenso problema europeu. E o Reino Unido sabe isto. À sua frente tem uma primeira-ministra que é um “genérico” de Margareth Thatcher e que, como todos os líderes frágeis, tem uma imensa dificuldade em fazer compromissos. Do lado dos “27”, que também respondem perante opiniões públicas, de solidez governativa muito variável e que não se querem confrontar com novos problemas de que não foram fautores, parece haver uma compreensível rigidez negocial, na lógica futebolística de que não se pode “beneficiar o infrator”.

Na sua aparência económica, esta é uma imensa questão política, o maior desafio com que a Europa integrada se confronta, desde a sua criação.

Orelha de aço

O plenário da Assembleia Geral das Nações Unidas é um espetáculo, historicamente sempre iniciado pelo representante brasileiro, que se prolonga por vários dias. Na semana mais importante, que agora decorre, inicia-se a audição dos representantes de vários Estados, que debitam por ali os seus discursos - através de presidentes, primeiros-ministros, ministros dos Negócios Estrangeiros ou embaixadores. Em princípio, o limite de cada um é de 15 minutos, mas esse tempo raramente é respeitado. O record é de Fidel de Castro, que falou várias horas...

A ordem das inscrições para intervir é sempre objeto de critérios misteriosos de agendamento, que faz com que, não obstante os países serem todos “iguais”, alguns sejam sempre “mais iguais” do que outros, isto é, quem tem força fala mais cedo, a horas “simpáticas”. Em regra, a importância de um país mede-se pela colocação que consegue obter na ordem das inscrições, para representantes de nível protocolar idêntico. E, aos olhos dos governantes que se deslocam a Nova Iorque, a “performance” de um embaixador é sempre discretamente medida à luz da capacidade de fazê-los “subir” na lista, que acabará também por ser uma prova indireta de “influência” de que disfrutam no secretariado-geral.

Nas horas nobres dos primeiros dias, a sala da Assembleia Geral está relativamente cheia. Mas quando, ao final do dia, o delegado de uma pobre ilha do Pacífico ou das Caraíbas, ou de uma obscura República perdida em África ou na Ásia Central, toma a palavra, vai deparar-se com um deserto nas cadeiras. Ou então, apenas verá, atrás de algumas placas, um delegado de “décima linha”, um diplomata novato, que os países deixam sentado, apenas para fazer número. Porquê? Porque o país desse delegado, numa eleição futura para qualquer órgão do universo onusino, pode precisar no voto do país interventor e o gesto de simpatia de ter tido alguém a ouvi-lo pode acabar por ter um reconhecimento. Ah! E há sempre que ter lá alguém a ouvir os países amigos e, no caso de Portugal, temos muitos.

Esses diplomatas anónimos, que ali ficam por uma escala obrigatória, com um auscultador de plástico, horas seguidas, a ouvir platitudes de figuras de países que com toda a certeza nada dirão de relevante, alguns chamam, no jargão dos corredores da organização, os “orelhas de aço”, porque é preciso ter uma estrutura forte nas cartilagens auditivas para suportar o incómodo daquele plástico cinzento (não sei se a cor ainda é essa).

Na imagem, um “orelha de aço” vietnamita sucumbiu, talvez momentaneamente, ao bombardeamento de palavras e exerceu o seu direito à sesta. Porém, como a fotografia está já a correr mundo e Hanói não brinca em serviço, quem sabe se, daqui a meses, o seu destino não será um posto em Tashkent ou Ouagadougou?

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Encontro na Europa

Dei hoje um curto testemunho, para um documentário televisivo, sobre Francisco Lucas Pires, alguém que nos deixou cedo (morreu em 1998, com 53 anos) e que me atrevo a dizer que fez bastante falta à política portuguesa.

Lembrei-me de um depoimento que escrevi, já há uns anos, num livro feito em sua homenagem:

“Conheci pessoalmente Francisco Lucas Pires em andanças europeias, na segunda metade dos anos 90. Era uma figura que, há muitos anos, me intrigava, política e intelectualmente. Dele tinha desenhado uma primeira imagem caricatural, ligada à aventura conservadora da “Cidadela” coimbrã. Bem mais tarde, pareceu-me poder ler, no discurso que desenvolvia como ministro da Cultura da AD, um tom saudavelmente heterodoxo, particularmente num tempo governativo que chegou a ter inquietantes derivas radicais. Como líder do CDS, fiquei com a sensação de que nem sempre se sentia muito confortável com o espartilho partidário, esforçando-se para compatibilizar o formalismo da função com a intransigente vontade de pensar as coisas pela sua própria cabeça. Mas foi como Deputado europeu que Lucas Pires verdadeiramente me surpreendeu.

Porque oriundo de uma escola de pensamento nacionalista, foi uma revelação encontrar em Francisco Lucas Pires uma das reflexões mais originais sobre o posicionamento de Portugal na Europa. Era um tempo em que, para muitos, o “europeísmo” era apenas um sinónimo de comodidade cínica com os fundos comunitários. Posso imaginar que a sua formação germânica o tenha ajudado a perceber melhor as virtualidades do processo integrador do continente. Mas terá sido, sobretudo, a sua inteligência que o levou a formular a defesa empenhada numa postura pró-activa de Portugal na aventura europeia, convocando em seu apoio clássicos que de que estivera distante, como António Sérgio, Vitorino Magalhães Godinho ou Eduardo Lourenço.

A imagem essencial que me ficou de Francisco Lucas Pires é a de um cultor obsessivo da liberdade, um espírito agudo e irónico, alguém que apreciava a vida e que, talvez por isso, se impacientava muito com a estupidez dos que a não sabiam viver. Um dia, num colóquio em Bruxelas, em que éramos os dois oradores convidados, perante a irrelevância e o paroquialismo pateta de algumas perguntas, sussurrou-me: “Veja você o que nós sofremos pela Europa…”. “

Brasil


O quadro, de há horas, explica, quase sem sombra de dúvida, que Bolsonaro e Haddad estarão na segunda volta.

Imaginemos que este resultado era o do voto em 7 de outubro: Bolsonaro teria de “crescer” 20 pontos e Haddad 26.

Quem poderá ter mais facilidade de chegar aos 50,1%?

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Os nomes


Encontrei-o na sala de espera da nossa embaixada em Luanda, aí por 1983, quando eu por lá trabalhava. Estava à espera de ser recebido por um colega meu. Tinha havido uma situação imprevista e ele tinha ainda para uma boa meia hora de espera. Perguntei-lhe se não queria, entretanto, ficar no meu gabinete. E para lá fomos.

Era uma figura bastante conhecida e muito respeitada na vida angolana. Haviamo-nos conhecido em algumas ocasiões sociais e mantínhamos uma relação de simpatia, se bem que não próxima. A queimar tempo, fomos conversando. Falámos de algumas pessoas que ele tinha conhecido na embaixada. 

A certo passo, disse-me: “Sabe com quem estou um pouco aborrecido? Com o seu colega Seixas da Costa!”. Divertido, alimentei o equívoco: “Ah sim?! E porquê? O que é que se passou?”. Explicou: “Depois que ele saiu de Luanda, escrevi-lhe uma carta e nada! Não esperava isso do Seixas da Costa!”. Maladro, dei “gás”, por uns segundos mais, à confusão de nomes: “Sabe como são os correios! Conheço bem o Seixas da Costa e sei que ele não deixaria de responder. Quer que lhe diga alguma coisa?”. Que não, que ia escrever-lhe de novo...

A confusão desfez-se logo depois. Ele queria referir-se a um colega meu que, anos antes, passara pela embaixada, mas o nome, na minha presença, saiu-lhe trocado. Acabámos a rir, comigo a achar imensamente graça a ouvir-me falar de mim como outra pessoa...

Portugal no Brasil (5)

(Correio Braziliense, 12 de Março de 2008)

No cafezinho

Olha que coisa mais linda…/ No Rio de Janeiro para participar da organização das solenidades que marcam os 200 anos da chegada da família real ao Brasil, o embaixador de Portugal, Francisco Seixas Costa, foi abordado por um estudante que lhe fez uma provocação, dizendo que o Brasil seria melhor se tivesse outros colonizadores, como os holandeses. 

Seixas da Costa não perdeu a fleuma. Depois de sugerir ao jovem que estudasse mais a história do continente, saiu-se com esta: "Queria ver você cantar Garota de Ipanema em holandês!"

Portugal no Brasil (4)

Polémica com o senador Ney Suassuna

O senador do PMDB, Ney Suassuna, criticou a atuação da polícia brasileira, numa Comissão Parlamentar de Inquérito transmitida pela televisão. A certo passo, disse, de forma depreciativa: “Até parece a polícia portuguesa!”

O embaixador de Portugal mandou-lhe a seguinte mensagem (1 de julho de 2005):

Senhor Senador 

Tomei nota, com um sentimento de espanto e tristeza, do comentário com que V. Exa. atingiu os Portugueses, há poucos minutos, durante o debate na CPI dos Correios. Portugal e os Portugueses que aqui vivem, e que muito deram e dão para a construção deste grande País, não eram merecedores que um representante político do seu gabarito recorresse a preconceitos que nos habituamos a ver ecoados nas graçolas debaixo nível, nos cómicos de televisão ou por escribas recalcados. Nem a Polícia portuguesa, cuja estreita cooperação a sua congénere brasileira se não cansa de elogiar, merecia ser tratada como o foi. Dirá V. Exa. que se tratou de um comentário sem intenção, sem sentido insultuoso, na passada do discurso. Mas o comentário lá ficou, feito por um político altamente responsável, representante qualificado de um partido político central da democracia brasileira. Como embaixador de Portugal, não posso deixar de o lamentar e registar. 

Com respeitosos cumprimentos 

Francisco Seixas da Costa
Embaixador de Portugal no Brasil 

O senador retratou-se quase de imediato:

Senhor Embaixador

Infelizmente, a palavra lançada, flecha que fere, não se pode recolhê-la. Não sabe Vossa Excelência o quanto me dói constatar a sabedoria embutida nesse provérbio popular, de origem ancestral, quando reconheço a infelicidade do comentário que fiz durante a minha interpelação ao Deputado Roberto Jefferson, pela injustiça à amada Pátria portuguesa e a sua gente irmã e amiga, nossos ascendentes diretos. Dói-me mais profundamente por não refletir o meu pensamento e a minha relação de respeito, cordialidade e admiração pelo povo e pela nação portuguesa, mãe saudosa do nosso jovem país, de quem sem dúvida herdamos, pelo exemplo, alguns dos nossos melhores atributos. Senhor Embaixador, acredito que não serão as palavras, mas o sentimento de enorme desconforto que ora me aflige que poderá redimir-me perante a delicada e acolhedora alma portuguesa. Aceite as minhas sinceras desculpas, transmitindo-as ao povo e ao Presidente de Portugal, e à colônia portuguesa aqui residente, que com extraordinário talento, entusiasmo, generosidade e força de trabalho foi determinante na construção do Brasil. 

Respeitosamente
Senador Ney Suassuna

Portugal no Brasil (3)

A terceira "polémica"

Artigo no "Estado de S. Paulo" (31 de Agosto de 2008)

Ao ler no editorial do "Estado de S. Paulo", de sábado, 23 de Agosto, que o nepotismo era o produto residual "arraigado" da herança colonial portuguesa, senti reproduzida, pela multi-enésima vez, a referência à expressão em que Pêro Vaz de Caminha pede ao rei, na sua famosa Carta, destino para um seu parente.

Talvez «porque hoje é sábado», como diria Vinícius, dia em que os jornais se lêem com maior vagar, detive-me a reflectir um pouco no verdadeiro conteúdo do que foi escrito pelo cronista do "Achamento". Ao formular a sua reverente petição ao rei, Caminha não estava a nomear ninguém para um cargo público, a colocar filho ou primo num gabinete ou numa sinecura paga pelo erário, na rentável administração de uma estatal, estava longe de pretender falsear um concurso público. Limitava-se a solicitar ao soberano, num tempo em que só a este cabia prover discricionariamente todos os lugares, no seu livre e indisputado arbítrio, um destino para pessoa ligada à sua família. Assim acontecia em todo o mundo, de que Portugal não era excepção.

O pedido de Caminha, que se tornou num bordão referencial da ética pública brasileira, mesmo de quantos se não deram ao trabalho de ler o texto da Carta, passou a representar o exemplo tipificado de nepotismo, não obstante incontáveis contribuições posteriores terem ajudado a recortar, com bem maior sofisticação, essa histórica prática - e não apenas no Brasil, é claro. Para alguns, porém, a frase de Caminha permaneceu como um ferrete que terá marcado, por uma misteriosa eternidade, o DNA brasileiro, transformando-se numa herança ético-administrativa de raiz pecaminosa. Ela reemerge sempre como pernicioso ranço luso, nas horas em que a retórica de alguns oradores já esgotou os clássicos bebidos no "Reader's Digest". Não é este, como é óbvio, o caso do "Estado de S. Paulo".

Neste reiterado uso do exemplo de Caminha subsiste, porém, um pequeno, embora quiçá despiciendo, pormenor: «nepotismo» não é nada isso. Trata-se de aproveitar a titularidade de lugares da administração pública para oferecer livre colocação a parentes (etimologicamente, a sobrinhos), passando a alimentá-los à mesa do orçamento. Nem mais, nem menos. E disso, convenhamos, Pêro Vaz de Caminha está inocente, sem necessidade de liminares ou recursos.

Longe de mim, como actual embaixador de Portugal, arvorar-me numa espécie de advogado-geral do tempo colonial. Bem me tem bastado, ao longo desde ano, ajudar à gestão póstuma das obras e graças do senhor dom João VI… Mas enquanto usufrutuário comum da bela língua que nos une, sinto-me no dever de colocar os pontos nos is, enquanto um novo Acordo Ortográfico os não abolir. E relembrar que, no século 16, ser solicitado um emprego para alguém - familiar, amigo ou correligionário -, pedido formulado a quem tinha então o legítimo poder para o conceder, não configurava nada que se pudesse identificar com o conceito de nepotismo, nem sequer com a ideia de fisiologismo - impressiva expressão brasileira que passo os dias a tentar traduzir aos meus perplexos compatriotas, a quem a prática não é alheia, mas para a qual não dispunham de tão interessante instrumento qualificativo. Por isso, entendamo-nos de vez: Caminha não praticou nepotismo. Para confirmar isso, basta ler o vosso excelente Aurélio ou o nosso magnífico Moraes.

Mas por que razão, estarão a perguntar-se os leitores, terá o embaixador de Portugal tomado o "Estadão" como alvo deste seu preciosismo terminológico, quando o tema é recorrente em tanta outra imprensa? Por um motivo de oportunidade, que nada tem a ver com o nepotismo, mas que se prende com o emprego.

Sem que tal represente menor consideração pela restante imprensa brasileira, cuja qualidade é reconhecida internacionalmente, talvez neste país se desconheça que muitos de nós, portugueses, sempre olhámos para o "Estado de S. Paulo" de forma muito particular. Nos longos anos em que, em Portugal, a liberdade não passava de uma miragem que se mantinha no horizonte longínquo, o Brasil acolheu, com imensa generosidade, muitas figuras que a ditadura salazarista alienava da vida cívica portuguesa. Nesse tempo, o "Estado de S. Paulo" destacou-se como porto de abrigo para algumas dessas personalidades, as quais, frequentemente, eram menos bem acolhidas por alguns compatriotas, aqui residentes, que não partilhavam ou rejeitavam mesmo o progressismo das suas ideias, porque haviam optado por se manterem próximos do regime que vigorava em Portugal.

Foi o "Estado de S. Paulo", foi a figura honrada de Júlio de Mesquita Filho quem deu então uma mão solidária a vários profissionais exilados da imprensa portuguesa, bem como a outras figuras da Oposição ao salazarismo, oferecendo-lhes emprego, ajudando-os a reconstituir a sua vida e a sustentar o seu quotidiano. Nada disso era feito por adesão ideológica ou doutrinária, por qualquer interesse ou favoritismo, mas simplesmente por um sentimento de simpatia e pela partilha de uma magnífica e rara ética de solidariedade. Nomes como Vítor Cunha Rego, Miguel Urbano Rodrigues, João Alves das Neves, Carlos Maria de Araújo, João Santana Mota ou mesmo Henrique Galvão, puderam encontrar no "Estadão" um apoio essencial, nesse tempo de turbulência de suas vidas.

Por essa razão, por essa memória grata e afectiva que os democratas portugueses devotam ao "Estado de S. Paulo", sentimo-nos livres para pedir que, quando um capítulo da nossa História em comum vem a lume, num dos seus editoriais, aliás sempre redigidos num excelente «português de lei», o máximo rigor seja mantido. Achamo-nos, assim, no direito de exigir ao "Estadão", com toda a cordialidade e imensa simpatia, a absolvição póstuma de Pêro Vaz de Caminha, que nunca pisou os terrenos pantanosos do nepotismo e se limitou a exercer o direito à solicitação um singelo pedido.

Portugal no Brasil (2)

Aqui deixo a segunda polémica.

Prezado Senhor Mino Carta
Director de Redacção da Carta Capital

Leitor atento da vossa revista, acabo de ler o artigo do vosso colaborador Miguel Sanches Neto, sob o título de ‘Brasil recolonizado’, no último número da Carta Capital. Gostaria de ter o direito de réplica a essa peça, pelo que lhe envio em anexo um texto cuja publicação muito agradeceria. Com os melhores cumprimentos.

Francisco Seixas da Costa
Embaixador de Portugal no Brasil

*** 

Quem tem medo de Inês Pedrosa?

No Brasil há menos de um ano, aprendi rápido que a abertura ao mundo constitui uma das matrizes deste país, fruto da sua permanente convivência descomplexada com a diferença. A brasilidade fez-se e firmou-se sobre todas as marcas e referências que aqui chegaram, usando-as e transformando-as num magma cultural original, com uma identidade fortíssima, que hoje não precisa de defesas artificiais para se afirmar.

Por tudo isso, foi com alguma surpresa que li o artigo de Miguel Sanches Neto, ‘Brasil recolonizado’, onde é feita uma aberta apologia do proteccionismo linguístico, do fechamento da fronteira cultural do Brasil à nova literatura portuguesa, tida por poluente veículo de uma estética convencional, apoiada numa norma escrita já decrépita, fechada à sacralização da oralidade. A crer no autor, urge afundar no horizonte, pela crítica profilática, as novas naus de letras que agora trazem por aí Inês Pedrosa, Sousa Tavares, Lídia Jorge, Lobo Antunes, Hélder Macedo, Gonçalo M. Tavares, José Luís Peixoto, Francisco José Viegas, Rui Zink e tantos e tantos outros, com o usurpador nobélico Saramago na proa. Por que não se deixa que sejam os leitores brasileiros a usar a sua maturidade para separar o trigo do joio, o que gostam ou não, sem necessitarem de filtros tutelares preventivos?

Faço a justiça de não colocar Sanches Neto nos cultores do despeito atávico pelo que vem da ‘terrinha’, coisa velha em algumas mentalidades residuais, onde o anti-portuguesismo – essa doença infantil da brasilidade – se mantém recorrente, espreitando pelas esquinas do preconceito, sobrevivendo em algumas vozes e penas, no desespero em tentar fazer do Brasil e de Portugal dois países separados por uma língua comum. Mas é bem triste ver adubada e ajudada essa mesma deriva por figuras da cultura, dando verniz ideológico e intelectual ao preconceito.

Deixo apenas uma nota mais.

Na minha juventude em Portugal, a ditadura não se atrevia a privar-nos de Amado, Guimarães Rosa ou Veríssimo, a afastar-nos da Pasárgada da esperança acenada por Bandeira, que nos ajudava a sonhar longe dos ‘mortos de sobrecasaca’ que nos rondavam os dias. Se alguém hoje ousasse por lá dizer que Nélida Piñon, Ferreira Gullar, Lygia Fagundes Telles, Rubem Fonseca, João Ubaldo Ribeiro ou o outro Veríssimo afectavam a estética literária caseira teria, como resposta, uma gargalhada do tamanho do Atlântico, ouvida no Além pela velhinha de Taubaté*.

(*) A "velhinha de Taubaté" foi uma figura suscitada em textos de Luiz Fernando Veríssimo, que, à época, era muito conhecida no Brasil

Portugal no Brasil

Ao "limpar" mensagens antigas no email, depararam-se-me os textos de algumas polémicas que, enquanto embaixador português no Brasil, por lá fui tendo.

Porque o blogue da Embaixada em Brasília, onde estes textos estavam registados, já foi apagado, decidi recuperá-los para este meu blogue.

Aqui fica o primeiro "caso", uma polémica com um jornalista brasileiro, ocorrida em 2006. 

Tudo começou com um texto de Políbio Braga:

"Portugal não merece ser visitada e os portugueses não merecem nosso reconhecimento"

Há apenas uma semana, em apenas quatro anos, o editor desta página visitou pela quinta vez Lisboa, arrependendo-se pela quarta vez de ter feito isto.Portugal não merece ser visitada e os portugueses não merecem nosso reconhecimento. É como visitar a casa de um parente malquisto, invejoso e mal educado. Na sexta e no sábado, dias 24 e 25, Portugal submergiu diante de um dilúvio e mais uma vez mostrou suas mazelas. O País real ficou diante de todos. Portugal é bonito por fora e podre por dentro. O dinheiro que a União Européia alcançou generosamente para que os portugueses saíssem do buraco e alcançassem seus sócios, foi desperdiçado em obras desnecessárias ou suntuosas. Hoje, existe obra demais e dinheiro de menos. O pior de tudo é que foi essa gente que descobriu e colonizou o Brasil. É impossível saber se o pior para os brasileiros foi a herança maldita portuguesa ou a herança maldita católica. Talvez as duas.

Esta Nota mereceu a seguinte resposta do embaixador português no Brasil, em 8 de Dezembro de 2006

Senhor Políbio Braga

Um cidadão brasileiro, que faz o favor de ser meu amigo, teve a gentileza de me dar a conhecer uma nota que publicou no seu site, na qual comentava aspectos relativos à sua mais recente visita a Portugal. Trata-se de um texto muito interessante, pelo facto de nele ter a apreciável franqueza de afirmar, com todas as letras, o que pensa de Portugal e dos portugueses. O modo elegante como o faz confere-lhe, aliás, uma singular dignidade literária e até estilística. Mas porque se limita apenas a uma abordagem em linhas muito breves, embora densas e ricas de pensamento, tenho que confessar-lhe que o seu texto fica-nos a saber a pouco. 
Seria muito curioso se pudesse vir a aprofundar, com maior detalhe, essa sua aberta acrimónia selectiva contra nós.

Por isso lhe pergunto: não tem intenção de nos brindar com um artigo mais longo, do género de ensaio didáctico, onde possa dar-se ao cuidado de explanar, com minúcia e profundidade, sobre o que entende ser a listagem de todas as nossas perfídias históricas, das nossas invejazinhas enraizadas, dos inumeráveis defeitos que a sua considerável experiência com a triste realidade lusa lhe deu oportunidade de decantar? 

Seria um texto onde, por exemplo, poderia deter-se numa temática que, como sabe, é comum a uma conhecida escola de pensamento, que julgo também partilhar: a de que nos caberá, pela imensidão dos tempos, a inapelável culpa histórica no que toca aos resquícios de corrupção, aos vícios de compadrio e nepotismo (veja-se, 
desde logo, a última parte da Carta de Pêro Vaz de Caminha), que aqui foram instilados, qual vírus crónico, para o qual, nem os cerca de dois séculos, que se sucederam ao regresso da maléfica Corte à fonte geográfica de todos os males, conseguiram ainda erradicar por completo. 

Permita-me, contudo, uma perplexidade: porquê essa sua insistência e obcecação em visitar um país que tanto lhe desagrada? Pela quinta vez, num espaço de quatro anos ? Terá que reconhecer que parece haver algo de inexoravelmente masoquista nessa sua insistente peregrinação pela terra de um "parente malquisto, invejoso e mal educado". Ainda pensei que pudesse ser a Fé em Nossa Senhora de Fátima o motivo sentimental dessa rotina, como sabe comum a muitos cidadãos brasileiros, mas o final do seu texto, ao referir-se à "herança maldita católica", afasta tal hipótese e remete-o para outras eventuais devoções alternativas. 

Gostava que soubesse que reconheço e aceito, em absoluto, o seu pleníssimo direito de pensar tão mal de nós, de rejeitar a "herança maldita portuguesa" (na qual, por acaso, se inscreve a Língua que utiliza). Com isso, pode crer, ajuda muito um país, que aliás concede ser "bonito por fora" (valha-nos isso!), a ter a oportunidade de olhar severamente para dentro de si próprio, através da arguta perspectiva crítica de um visitante crónico, quiçá relutante. 

E porque razão lhe reconheço esse direito ? Porque, de forma egoísta, eu também quero usufruir da possibilidade de viajar, cada vez mais, pelo maravilhoso país que é o Brasil, de admirar esta terra, as suas gentes, na sua diversidade e na riqueza da sua cultura (de múltiplas origens, eu sei). Só que, ao contrário de si, eu tenho a sorte de gostar de andar por onde ando e você tem o lamentável azar de se passear com insistência (vá-se lá saber porquê!), pela triste terra dessa "gente que descobriu e colonizou o Brasil". Em má hora, claro! 

Da próxima vez que se deslocar a Portugal (porque já vi que é um vício de que não se liberta) espero que possa usufruir de um tempo melhor, sem chuvas e sem um "dilúvio" como o que agora tanto o afectou. E, se acaso se constipou ou engripou com o clima, uma coisa quero desejar-lhe, com a maior sinceridade: cure-se! 


Com a retribuida cordialidade do 
Francisco Seixas da Costa
Embaixador de Portugal no Brasil

domingo, 23 de setembro de 2018

Conversas ao lado

As histórias são como as cerejas. Atrás de umas vêm outras.

O “Expresso” traz ontem na sua Revista um artigo sobre os prémios Nobel. E lembra que o escritor Boris Pasternak não foi autorizado, pelas autoridades da União Soviética, a deslocar-se a Estocolmo, em 1958, para receber o prémio da Literatura. 

Neste instante, lembrei-me que também a Andrei Sakharov, físico russo, foi, em 1975, atribuído um Prémio Nobel. Não foi igualmente autorizado a recebê-lo pessoalmente, desta vez em Oslo - porque, ao contrário de todos os outros Nobel, que são da competência da Academia Sueca, o Prémio Nobel da Paz, com que Sakharov foi então galardoado, é da responsabilidade do Comité Nobel norueguês, em cuja capital é entregue, em cada dia 10 de dezembro.

Veio-me então também à memória um episódio sobre Sakharov que Hedrick Smith conta no seu livro “The Russians”, que li numas férias que passei em Ialta, na Crimeia, em 1980 (levei o livro encapado com papel de embrulho, o que causava uma curiosidade, nunca satisfeita, aos meus vizinhos de praia). 

Sakharov, que era imensamente diabolizado pela imprensa (oficial e oficiosa, porue outra não havia) do seu país, não era uma cara minimamente conhecida na URSS. Essa mesma imprensa nunca publicava a sua fotografia, pelo que o físico era, na verdadeira aceção da palavra, um “ilustre desconhecido”.

Conta Hedrick Smith (lembro de memória, porque já perdi há muito o rasto do livro) que, a certo passo, encontrando-se Sakharov, com a sua mulher, numa praia (no seu caso, creio que em Sochi), ouviu, num grupo ao lado, falar no seu nome. E pôde assistir então a uma conversa em que ele era o principal tema, com muita gente a criticá-lo, nos termos da doutrina oficial, e, creio, ninguém a defendê-lo, porque os tempos eram o que eram. Julgo que não interveio no debate, mas achou a situação bizarra e até divertida.

Porque trago isto aqui? É que isto cruza-se, à minha medida, com o meu almoço de ontem. A certo passo, ouvi falar, na mesa atrás de mim, no meu nome. Pensei ser engano, mas não: o nome foi repetido várias vezes. Discretamente, olhei e não reconheci nenhuma das pessoas. Elas também nunca me tinham visto, pelo que continuaram a comentar o que apenas percebi ser o meu artigo sobre Franco Nogueira, publicado ontem, no “Público”. Como não sou de “escutas”, embora não deixe de ser curioso, não ficou claro se gostaram ou não do texto.

Presumindo que a palermice das redes sociais não vá ao ponto de sugerir que me estou a “comparar” a Sakharov, só posso dizer que é, de facto, uma sensação estranha ouvir falar de nós, na nossa presença, por quem nos não conhece. No meu caso, apressei o almoço, não fosse sentir-me tentado a dar uma opinião sobre mim, mesmo que não fosse muito lisonjeira...

sábado, 22 de setembro de 2018

Mapplethorpe


Demitiu-se o diretor artístico de Serralves, por não ter concordado que houvesse uma sala reservada a maiores de 18 anos na exposição de obras do fotógrafo americano Robert Mapplethorpe, que acaba de ser inaugurada no museu da Fundação.

Não sou bruxo, mas há dois dias, ao ler uma notícia sobre a exposição, tive um pressentimento: “Isto vai dar bronca!”.

Conheço suficientemente a obra do fotógrafo e as polémicas que, noutras partes do mundo, tem gerado a exibição das suas imagens sexualmente muito explícitas. E, por isso, fiquei à espera. Não foi preciso muito. Às vezes, na vida, há coisas são muito previsíveis...


(Deixo uma fotografia não polémica de Mapplethorpe, representando a cantora Patti Smith, seu regular modelo)

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

PGR

A PGR cessante contribuiu muito para a dramatização que envolveu a sua sucessão. Atempadamente, deveria ter dito que só tinha uma palavra e que confirmava aquilo que um dia afirmou - de que só deveria haver um mandato. Assim, ajudou à “festa” e a agravar o mal-estar criado.

Franco Nogueira - política e diplomacia


Passam 100 anos sobre o nascimento de Alberto Franco Nogueira, o diplomata que foi o último ministro dos Negócios Estrangeiros de Salazar. Quando, em 1975, entrei para as Necessidades, Franco Nogueira tinha deixado de ser ministro há seis anos. Durante esse tempo, foi tido, com fortes razões, como figura relevante dentre quantas haviam resistido, pela direita, à alegada abertura política de Marcelo Caetano, que o suplantara na substituição de Salazar e com quem viria a incompatibilizar-se politicamente, abandonando funções meses depois. 

Numa casa em que, à época da minha entrada, a preocupacão maior era afirmar internacionalmente um regime ainda convulso, gerindo os impactos diplomáticos da descolonização, estava já distante a imagem daquele que conduzira, com inegável brilhantismo formal, uma política externa que ele mesmo viria a ter de aceitar como um fracasso histórico, embora sem nunca renegar, com assinalável coerência, os princípios em que a mesma se apoiava. 

Ao ser visto como alguém ainda mais radical do que Caetano, que acabara de ser derrubado, Nogueira tornara-se já, naquela época, figura de um passado ainda mais longínquo do que realmente o era no tempo. A sua associação à extrema-direita anti-Caetano, após 1969, que o levara a colaborar na revista “Política” e a transformar-se numa espécie de ideólogo dos “ultras”, iria manter abafada, por muito tempo, a memória que dele ficara nos claustros do palácio das Necessidades: a imagem de um ministro combativo, dirigindo com firmeza uma política externa que, nem pelo facto de já não ter o menor sentido no seu tempo, deixava de reclamar empenhamento, competência e qualidade técnica para a sua execução. 

Quando assumiu funções como ministro, em 1961, Nogueira soube rodear-se, para a “missão impossível” que era defender o patético colonialismo tardio de Salazar, de alguns daqueles que eram, de facto, os melhores quadros da casa. Parte importante desses diplomatas viria, aliás, a transitar, com raros sobressaltos, para o novo tempo democrático. É que, salvo alguns profissionais que tinham aliado o seu trabalho diplomático a uma militância estado-novista que os levara a excessos de zelo, a grande maioria dos profissionais do MNE era gente, ainda que em geral de tendência conservadora, que tinha um espírito aberto, talvez produto de um cosmopolitismo induzido pela carreira. Encerrado que fora o tempo da diplomacia de defesa da política colonial, que profissionalmente lhes coubera executar, e de que muitos se orgulhavam tecnicamente, esses quadros que haviam servido com Franco Nogueira viriam a dedicar-se, com idêntico empenho, às novas tarefas que o poder, agora democraticamente legitimado, lhes destinou. 

Franco Nogueira, um homem intelectualmente muito capaz, também fora um desses espíritos abertos, que o tempo se encarregou de ir fechando, passando de um mundo intelectual e literário liberal da juventude a um conservadorismo radical, que o levaria a transformar em hagiografia o que ele pretendia fosse uma biografia de Salazar, com o grau de rigor do que nela escreveu a ressentir-se desse viés. Não obstante, outros testemunhos que deixou, com a clara escrita que era a sua, detalhando a doutrina justificativa da política externa e colonial da ditadura que lhe coubera conduzir, levam a que mereça hoje uma justa atenção, como conceptualizador e brilhante ator diplomático - ele que foi um embaixador que, curiosamente, para o ser nunca precisou de chefiar nenhuma embaixada, mas a quem pouca gente não credita, ainda hoje, um singular talento como político condutor da nossa diplomacia. 

Há dias, alguém me perguntava o que ainda sobrevive dos tempos de Franco Nogueira na nossa cultura diplomática contemporânea. Respondi que praticamente nada, porque essa herança seria, afinal, a de Salazar, de quem Franco Nogueira foi um criativo seguidor e intérprete. Nem mesmo já sobram os resquícios de um tropismo soberanista anti-europeu, da desconfiança no multilateralismo, do anti-americanismo ou do preconceito anti-espanhol, reflexos que, por alguns anos ainda, emergiram aqui ou ali, em democracia, como parte da herança política subliminar da diplomacia da ditadura.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Por onde ando

Já há uns anos, vi um anúncio num jornal sobre uma conferência, a ter lugar no mês seguinte. O tema interessava-me. Fui ler a lista dos palestrantes... e lá estava eu! Olhei a minha agenda: era verdade! Era ela que me “lembraria”, uma semana antes (tenho uns alertas para isso).

Hoje à tarde, num alfarrabista, peguei num livro antigo, dedicado a um assunto que também faz parte da minha regular atenção. Creio que nunca tinha visto aquele livro. Olhei a lista dos autores da obra coletiva: sou um deles! Fiz um esforço e recordei-me que, em tempos, me tinham pedido um texto. Não sabia que tinha sido publicado...

Começo a temer dar de caras comigo, um destes dias, ao virar de uma esquina...

Os “nossos” liberais

“A única razão por que os liberais tanto falam no diabo é porque sabem que não conseguem governar sem ele. Nós somos os vencidos do liberalismo. O país com que sonhamos só pode ser posto a andar no meio do pesadelo” - João Miguel Tavares, no “Público”, hoje. 

É preciso dizer mais alguma coisa?

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Criatividade

Angela Merkel, à frente da enésima “grande coligação” que a Alemanha experimenta (alguém que use o verbo “experienciar” é bloqueado neste espaço, desde já aviso!), que reune os seus conservadores (e os seus aliados bávaros, ainda mais conservadores) e os social-democratas (quem escrever sociais-democratas não é aqui bloqueado, mas merecia), acaba de inaugurar uma fórmula política tão criativa quanto hipócrita: demitiu o chefe dos serviços secretos, por comportamento de declaradamente punível (a pedido dos social-democratas) e, de seguida, nomeou-o para o governo, como secretário de Estado (a pedido dos seus aliados ainda mais conservadores). Extraordinário e revelador da fraqueza política da líder “sortante” (como dizem os franceses) daquelas germânicas terras. O que aliás é pena!

O que quer Marcelo? (2)


Na passada semana fiz aqui um exercício de sociologia empírica sobre o que os portugueses acham do exercício do presidente da República. Hoje, com a liberdade de quem não votou nele, vou dizer o que penso que ele quer.

Marcelo Rebelo de Sousa é uma personalidade que preserva uma sólida leitura institucional do seu lugar. Tem sentido de Estado, é estruturalmente democrata, tem forte visão social. Ideologicamente é um social-democrata à antiga, de matriz cristã. Acredita no papel central do Estado e julgo que está longe de ser um liberal - e ainda bem, digo eu! Construiu-se politicamente em torno de uma ambição de tentar levar à prática "uma certa ideia de Portugal" (para utilizar um clássico que ele não enjeitará). Nunca foi primeiro-ministro, pelo que explora, no seu objetivo de intervir, a leitura algo extensiva que faz dos seus poderes constitucionais. Esse ativismo leva-o a arriscar uma tutela quase "paternalista" sobre o sistema. É um voluntarista: quer "ajudar", criar pontes, apaziguar. Para isso, contudo, parece fazer uma leitura da dinâmica político-partidária "desejável", o que é perigoso. Como perigosa é a deriva de saírem de Belém, cada vez mais, recados interpretativos da vontade do presidente.

Marcelo é genuíno: cultiva todos momentos de euforia nacional, dos "rankings" das agência de notação aos êxitos no vólei de praia. Mas já percebeu que, na realidade, preside a um país ciclotímico. Por isso, acho que o seu sonho é bastante mais modesto, torna-o um "possibilista", alguém que, lá no fundo, percebendo o que isto é, gostaria que Portugal fosse pelo menos capaz de "viver habitualmente" (esta citação não me será perdoada), com bem-estar e serenidade.

O presidente gosta que gostem dele e acha, certo ou errado, que isso contribui para que os portugueses se aproximem das instituições. É, e quer ser cada vez mais, popular, mas não me parece tentado a ser um populista, não vai criar nenhum partido político, não vai "apelar às massas". Sente que se transformou numa espécie de "provedor" dos portugueses. Às vezes, contudo, a sua autoconfiança leva-o a um à-vontade que fica na soleira do erro.

Alguns dizem: e o "outro" Marcelo, que já conhecemos? E se a relação com Costa se deteriorar? Julgo que o presidente já percebeu que o país não lhe perdoaria uma desilusão, ainda que pontual, face à imagem que dele entretanto criou. O melhor que posso dizer de Marcelo Rebelo de Sousa é que, até agora, a sua postura como presidente desta minha República me leva a ser otimista.

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Cacau e chocolate

Ao final da tarde de hoje, tive grande gosto em apresentar, na Penha Longa, o belíssimo livro de Fátima Moura (texto) e Mário Cerdeira (fotografias), “Do Cacau ao Chocolate”, editado pelos CTT.

A quem aprecie chocolate, mas também a queira conhecer a fantástica história do cacau, com as suas peculiaridades na história colonial, nomeadamente na nossa, recomendo este livro. Bem escrito, com excelente fotografia, inclui interessantes contribuições culinárias e algumas curiosidades. Aprendi e recordei muito ao lê-lo.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Brasil

As eleições presidenciais brasileiras começam a clarificar-se. 

Bolsonaro, quiçá potenciado pelo efeito psicológico do atentado, consolida a liderança com que chegará à segunda volta. A ausência de cena favorece-o: dá-lhe imagem de mártir, poupa-o às suas próprias gaffes e limita muito o discurso dos adversários, que assentava em ser ele o candidato da violência.

Haddad, que contava com um tempo de dramatização em crescendo do caso Lula, que acabou abafado pelo atentado a Bolsonaro, recupera e parece ter condições para acompanhar este no segundo turno. Nesta fase da campanha, cavalga a onda de um “Brasil feliz de novo”, isto é, a memória, que é positiva para muitos setores, dos tempos de Lula. Para passar à fase seguinte basta-lhe não cometer muitos erros. 

Ciro Gomes, se acaso conseguisse chegar à segunda volta, seria um “challenger” muito mais perigoso para Bolsonaro. Porquê? Porque, na polarização esquerda-direita, em que essa etapa forçosamente se transformará, não sofreria da profunda rejeição que afeta o PT e que vai limitar Haddad. Muitos antigos eleitores de Aécio Neves contra Dilma, mas que não gostam de Bolsonaro, terão muita dificuldade em votar em Haddad.

Alckmin parece ter perdido todas as hipóteses. Num debate polarizado e radicalizado, não parece haver espaço para uma direita moderada, que não é ajudada pela imagem gasta e sem novidades do seu candidato. 

Marina não convence e não arranca. O seu discurso e estilo um tanto bizarros não rimam com este Brasil mergulhado em alto contraste, sem espaço para meias-tintas.

Meirelles é um candidato de outro tempo no tempo errado. 

Se eu fosse brasileiro, estaria muito preocupado. Creio que eles já estão.

Um fascista a sério


“Queres conhecer um verdadeiro fascista?” A pergunta foi-me feita, em tom de gozo, pelo António Ricardo, um colega que há muito desapareceu. 

Estávamos na Sala Verde do edifício da Junqueira onde funcionava o ISCSPU (claro, com “U” de “Ultramarina”). Em novembro de 1968, há quase 50 anos. Com as aulas concentradas na manhã, as tardes no palácio Burnay passavam-se entre essa sala, de grandes janelas sobre o belo jardim e as três ou quatro bibliotecas de que dispunha o Instituto - era assim que chamávamos à casa tutelada por Adriano Moreira, onde eu então estudava.

A política era muito intensa por ali, por esses dias do segundo semestre de 1968. Eram os efeitos do maio francês, o debate sobre os tanques soviéticos a entrarem em Praga, a queda de Salazar da cadeira, o alvoroço com a chegada ao poder de Marcelo Caetano. Por nós, estávamos a preparar uma lista associativa, sem ainda sabermos que iríamos ganhar as eleições e, depois, ver o resultado do sufrágio “não homologado” por decisão ministerial. Também não podíamos adivinhar que teríamos aquela escola cercada e invadida pela polícia de choque, com Adriano Moreira a ser afastado, meses depois.

“Um fascista a sério, militante contra os judeus, apoiante de Vichy, colaboracionista com os alemães, com a cabeça a prémio em França. Não achavas graça conhecê-lo?” A figura parecia tão caricatural que conferia interesse à ideia. 

E lá me explicou que, num edifício pertença da Emissora Nacional, na rua de S. Marçal (passei por lá há pouco, creio ser o que está na imagem), num esconso gabinete, trabalhava Jacques Ploncard d’Assac, um fascista francês, fugido à democracia de Paris, acolhido e protegido por Salazar, a quem os franceses gostavariam de deitar a mão. 

Membro da Action Française e do partido de Doriot, condecorado por Pétain, viria a trabalhar nas emissões em francês da “Voz do Ocidente”, que a Emissora Nacional ajudava a divulgar. Foi um escritor muito prolixo. Nunca escondeu o seu anti-semitismo, odiava a maçonaria e o comunismo, e teve uma imensa obra doutrinária publicada, tendo sempre como pano de fundo uma perspetiva de extrema-direita, que não renegava. Regressou a França depois da Revolução de 1974, morrendo em 2005.

Naqueles seus dias da Emissora Nacional, sabia-se que tinha gosto em falar com estudantes, aparentemente no sentido de os catequizar. Com a substituição recente de Salazar, posso imaginar que devia sentir-se um tanto perdido. O argumento para a nossa visita era solicitar, como estudantes de Ciência Política, livros publicados pelo regime, a cuja edição ele estava ligado, fingindo estarmos a “informarmo-nos”. Hoje pode parecer bizarro. À época, configurava uma experiência curiosa.

E lá fomos, uma tarde - eu, o Manuel Dinis, o Alexandre Chaves e o Daniel Polónio - conhecer o fascista. Dou-me agora conta que ele tinha então 58 anos. Recordo muito pouco da conversa, apenas que foi simpática mas não muito motivante. Com graus diferentes, nenhum de nós tinha a menor proximidade com as suas ideias. Todos fomos urbanos, conversámos uma boa meia hora, lembro-me apenas de ele ser muito cuidadoso sobre Marcelo Caetano, recém-empossado. À saída, ofereceu a cada um de nós o seu “Dicionário Político” de Salazar, que deve andar pelas minhas bem desorganizadas estantes.

Tempos estranhos esses, em que a ditadura portuguesa deu cobertura a fascistas estrangeiros. Deve haver ainda muitas histórias bizarras por contar, nos bastidores da nossa História contemporânea.

domingo, 16 de setembro de 2018

Copianço


A denúncia - com “name and shame” - de plágios de teses universitárias e de currículos falseados é muito salutar. 

É bom que quem por aí anda na vida pública perceba que não pode mentir sobre o seu passado, sem o que todos ficaremos na dúvida sobre se não nos vai mentir no futuro

São horas?


Assusta-me ver a Europa dar de si própria, aos eleitores, a um ano de um sufrágio decisivo para o Parlamento Europeu, a ideia de que uma das suas preocupações essenciais em matéria política é o fim da mudança da hora. 

Ou não se dão conta que a “hora” já mudou na Hungria?

sábado, 15 de setembro de 2018

Europa em dois tempos


Foi num verão, logo no início dos anos 70. Eu andava à boleia pela Europa. Vinha de uma semana em Amesterdão. O Dam era então uma espécie de Meca em forma de praça, onde, ao fim do dia, encontrávamos quase todo o mundo que queríamos conhecer e as vidas que, sem o saber, queríamos cruzar. Na véspera, tinha dormido numa pousada da juventude em Bouillon, no sul da Bélgica, perto de Namur. Agora, estava noutro meu objetivo, bem perto, o Luxemburgo.

Depois de me instalar no “auberge de jeunesse”, bem lá no fundo da cidade (passei lá há pouco tempo e ainda existe), fiz o reconhecimento turístico habitual e jantei, muito cedo, na pousada. 

Ia a começar o caminho de subida de Pfaffenthal para a cidade alta (o útil elevador só surgiu bem mais tarde), para por lá testar a noite, quando passei num largo, junto a um café e ouvi falar português. Parei, dei boa tarde (ainda não era noite) e entrei na conversa dos quatro ou cinco compatriotas, sentados num muro, com cervejas na mão. Eram operários da construção civil. Viviam, disseram-me, numas camaratas ali perto. Deitavam-se muito cedo, porque a jornada abria na alvorada, e por lá se alojavam também italianos, que eram muitos mais e de quem se queixavam, pelo barulho e falta de higiene. (A certa altura, porém, passou um italiano e entraram todos numa algaraviada amigável de gestos e palavras soltas). 

Notei que começaram a revelar-se menos abertos quando, por mera curiosidade e para alimentar conversa, lhes perguntei de onde eram, como tinham vindo, há quanto tempo, coisas assim. Distraído, não percebi logo que, muito provavelmente, todos tinham vindo “a salto”, alguns fugidos à tropa e com situações complicadas. Eu, diletante, ao responder à questão de como ali chegara, disse-lhes que andava à boleia. Olharam para mim de soslaio. “Veio de Portugal à boleia?”, interrogou-me um deles. Manifestamente não acreditaram, quando contei que já andava naquilo há umas semanas, que tinha estado em Paris, tinha ido à Dinamarca e à Alemanha, etc. “Mas você vem à procura de trabalho?”. Disse-lhes que não, que só andava a passear. “Sem carro?” A certo ponto, notei que se olhavam entre si, já desconfiados de quem eu afinal era e o que pretendia ao tê-los abordado. Percebi o incómodo, arrumámos cordialmente a conversa e eu fui à vida, imaginando o que teriam ficado a magicar sobre aquele português, que usava pêra, a dar-se ares de intelectual e com uma conversa estranha. Aprendi bastante nessa curta troca de palavras, que, como vêem, me ficou na memória por este meio século.

Voltei a lembrar-me, há pouco, do episódio no Luxemburgo com esses portugueses, mas em especial dos seus parceiros italianos das camaratas, ao ver, na net, a altercação entre o filo-fascista ministro italiano do interior e o ministro dos Negócios Estrangeiros luxemburguês. Este último, farto de ouvir o discurso anti-imigrantes que punha em causa a política de abertura do seu país, não se conteve e, com rudeza justificável, lembrou, interrompendo a litania de Salvini, que o Luxemburgo recebeu no passado muitos italianos que para lá iam à procura das condições de vida que a Itália lhes não dava para alimentar os seus filhos. E terminou com um sonoro: “Merde, alors!”. E, minutos depois, saiu da sala e não compareceu à “foto de família”. 

Grande Luxemburgo!

(Vejam o episódio aqui)

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Juncker ou uma certa Europa


Este texto foi escrito antes de conhecer o discurso sobre o “estado da União”, anteontem lido por Jean-Claude Juncker no Parlamento Europeu. A menos que uma improvável “bomba” nele tenha surgido, o cenário é bastante previsível: uns dirão que foi um pouco mais do mesmo - apelando às responsabilidades, alertando e elencando riscos, mas sem que daí decorram necessariamente maiores consequências; outros opinarão que, apesar de tudo, ficaram algumas pistas realistas para um futuro sustentado do projeto. E todos dirão que este acabou por ser o testamento político de Juncker, que abandonará a Comissão no próximo ano.

Uma noite de dezembro de 2000, num hotel em Biarritz, Jean-Claude Juncker, acabado de sair de um jantar à porta fechada com os líderes europeus, sentou-se no bar (poupem as graças) numa conversa comigo e com Elmar Brok, figura ainda hoje dominante no seio do Partido Popular Europeu. E ali nos contou, ainda sob a impressão do tom da discussão que acabara de testemunhar, o que nessa ocasião lhe fora dito, em contraponto a uma intervenção sua, por uma destacada figura de um Estado ao qual a História concede quase sempre uma palavra relevante no destino do continente: “se, no futuro, houver uma nova guerra na Europa, o teu país não chegará para acolher todas as sepulturas”. Com isto, a figura em causa queria apenas dizer que o Luxemburgo, tal como todos os restantes países que “contam pouco”, não era mais do que um figurante menor numa peça em que o estrelato estava pré-determinado. Mesmo que a peça acabasse por vir a ser exibida como tragédia. E Junker ficara chocado e eu passei a conhecê-lo melhor.

Sempre tive grande respeito por Jean-Claude Juncker, muito para além das caricaturas de si mesmo que, por vezes, ele ajuda a desenhar. Estive com ele em muitas reuniões, algumas incontáveis, vi-o atuar, de forma coerente e quase sempre do lado certo, em momentos decisivos. Reconheço nele um europeísta, uma bela figura humana e, no que nos toca, um excelente amigo com que Portugal sempre pôde contar. 

Mas Juncker é, em si mesmo, um retrato datado na Europa de hoje. Digo isto sem qualquer nostalgia, mas com alguma pena, se acaso tal for compatível.

Juncker sucedeu a uma singular tríade que, por muitos anos, espelhou bem aquilo que a Europa dos Estados mais poderosos desejava que a Comissão Europeia fosse: Santer, Prodi e Barroso. Quando foi escolhido (o que, para mim, foi uma surpresa), sabia-se que Juncker nunca viria a ser um Delors, porque os tempos já não estavam para aí virados. Mas, apesar de tudo, a sua escolha indiciava a vontade de ensaiar um novo sopro de integracionismo, quiçá menos abrangente, que permitisse à Europa do euro superar algumas fragilidades reveladas. Porém, o Brexit, a falta de vontade para completar a União Bancária, as crises migratórias e dos refugiados, o desafio global titulado por Trump e, acima de tudo, as clivagens internas não ajudaram o tempo europeu de Jean-Claude Juncker. Tenho pena por ele mas, muito mais, por nós.

O que quer Marcelo ? (1)


Todos temos a clara consciência de que hoje se vive um momento singular no tocante à relação do presidente da República com o país. Se a personalidade de Marcelo Rebelo de Sousa já prenunciava que ele poderia vir a ser um presidente atípico, com fatores específicos de natureza conjuntural e o contraste com o seu antecessor a contribuirem para tal, julgo que ninguém previu o cenário que aí está: uma esmagadora maioria de portugueses, num juízo indiscutível de sociologia empírica, vive hoje satisfeita, em maior ou menor grau, com o chefe de Estado que as eleições determinaram. Sendo que essa maioria, visivelmente, é bem superior aos votos que o elegeram, só podemos tirar uma conclusão óbvia: a ação do presidente conquistou muitos daqueles que nele não haviam votado.

Os que apreciam a sua ação dividem-se, no entanto, quanto à sua postura pública. Há os que acham que o presidente se está a expor demasiado, arriscando gerar um cansaço no país (é desses a bela frase “precisamos de férias do Marcelo!”) e os que entendem que “faz ele muito bem em aparecer!”, que acham lindamente a sua quase ubiquidade, os festivais de selfies e os banhos solidários, de água e multidão, nos rios fluviais - num modelo simultaneamente “royaliste” e a roçar o popular.

Entre outros ainda, há um grupo que aqui me interessa. É o dos que acham que Marcelo, com o seu obsessivo comportamento de proximidade, pode estar a tentar alimentar um projeto com laivos quase populistas, com inescapáveis consequências de natureza institucional. Tenho mesmo ouvido a algumas pessoas a ideia, mais sofisticada, de que o presidente está a fazer uma espécie de revisão “subliminar” da Constituição, fixando-se em terrenos tradicionalmente da área exclusiva do executivo, mandando “recados’ para a Assembleia da República que, na realidade, condicionam a atividade legislativa a montante da produção das leis. O facto de não recorrer ao Tribunal Constitucional também reforçaria a evidência dessa deriva. Marcelo estaria assim a ocupar o espaço político muito para além daquilo que o seu papel constitucional prevê. Para os cultores desta filosofia, isso introduziria uma inflexão nos equilibrios constitucionais e poderia mesmo determinar um redesenho do mapa político-partidário.

Será isto verdade? Para a semana continuaremos a conversa.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

A montra





No sábado, bati com o nariz na porta (férias...) de uma livraria onde, nesse mesmo dia da semana, quase sempre costumo “arruinar-me devagarinho” (a expressão não é minha), como que a “compensar” a barateza (existirá a palavra?) da conta acabada de pagar no local onde nesses dias almoço.

Ao meu lado, a ver uma das montras, estava um cavalheiro mais idoso do que eu, com o nariz desta vez literalmente no vidro, parado, pareceu-me que a olhar os livros, mas não tenho a certeza. Não lhe vi a cara. A senhora, que até um instante antes estivera junto dele, havia entretanto entrado num prédio. O cavalheiro por ali ficou, visivelmente apenas à espera dela, continuando a olhar a montra, estático, com um cuidado de atenção que o que estava nessa mesma montra claramente não merecia. Nem deu por mim, a um metro, nem por ninguém. Achei estranha aquela fixação e mirei-o melhor. Era António Lobo Antunes. 

Não lhe disse nada, porque tive receio que isso pudesse incomodar o seu silêncio. Conheço Lobo Antunes, falámos algumas vezes. Quando eu vivia em Paris, organizei-lhe na embaixada uma homenagem, que incluiu uma sessão de debate com especialistas e jornalistas. Também por lá, almoçámos e jantámos juntos, noutras ocasiões. É um autor altamente apreciado em França. É conhecido por ter um feitio nem sempre fácil ou, como se costuma dizer, tem fama de ser “de luas”. Há poucos anos, já aqui em Lisboa, passámos um bom quarto de hora de conversa a dois, num velório, falando de várias coisas, de França, de dois dos seus irmãos de quem sou amigo, de Melo Antunes, que era um companheiro dele muito querido. Mas, repito, desta vez decidi não o incomodar naquela sua solidão vidrada na montra errada (o conteúdo da outra montra é geralmente melhor) da minha livraria dos sábados. Se soubesse o que sei hoje, tê-lo-ia interpelado.

E o que é que sei hoje que não sabia no sábado? Soube que António Lobo Antunes vai ter a sua obra publicada na Pléiade, a biblioteca editada pela Gallimard, uma verdadeira “montra” em que só entram os grandes génios da literatura. O único português por lá é Fernando Pessoa. Acreditem em mim: a presença de António Lobo Antunes na Pléiade é uma das maiores homenagens internacionais que podiam ser prestadas à literatura portuguesa. Confesso que é uma grande alegria que, como português, acabo de ter.

Parabéns assim a Portugal e, claro, a António Lobo Antunes!


(ps - já sei que alguns comentários a este post vão-se afastar da honra que é ter ALA publicado na Pléiade, acabando por ser sobre se se gosta ou não dele, se Saramago é melhor, coisas assim... É a vida!)

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

A conta!

Sei que ninguém vai acreditar nesta história mas, hoje, vi alguém, depois de um almoço com amigos que tinha convidado para sua casa, pedir um segundo café à empregada e, distraído, dizer “... e a conta, por favor!” Foi uma gargalhada coletiva, a começar pela própria empregada!

terça-feira, 11 de setembro de 2018

“O que é Nacional é bom!”


”O que é Nacional é bom!” era um jingle que andou pela rádio e televisão, noutros tempos, a propósito já não sei de que produtos da empresa “Nacional”. O trocadilho entre o nome da empresa e os produtos portugueses resultava em pleno.

Ontem, a propósito de uma conversa aqui sobre cafés, gerou-se em alguns comentadores uma onda de carinho nacionalista pelos produtos portugueses. E tendo eu manifestado a minha preferência pelo Nespresso, fui logo vergastado por remoques patrióticos. Tendo passado uma vida a promover no estrangeiro os produtos portugueses, não é este café que me tira um minuto de sono.

Mas tudo isto fez-me lembrar um professor que tive no liceu, lá por Vila Real, o dr. Girão, uma figura que nos obrigava a sublinhar os livros a lápis (coisa que hoje, aliás, passo os dias a fazer). O Girão, contudo, deixemo-nos de eufemismos nostálgicos, era um inenarrável chato! E salazarista empredrenido, num tempo em que, para nós, a política tinha muito pouco significado mas em que aquele pouco subliminar proselitismo tinha o condão de nos irritar.

Um dia, ao Girão deu-lhe para meter-se numa de elogio à “preferência nacional” e começou a clamar contra o hábito consumista de se comprarem produtos estrangeiros. Recordo-me de que deu o exemplo de um sabão da barba (na altura não havia espumas ou gel): “O sabão Santa Clara pode não ser melhor do que os sabões estrangeiros. Mas se todos os portugueses com barba comprassem sabão Santa Clara, ao final de uns anos o sabão seria um sucesso e tornar-se-ia tão bom como os sabões estrangeiros”.

Armado em esperto, decidi levar o que fora dito à letra e retorqui: “Ó Xotôr! Os portugueses com barba não usam sabão para a barba!”. O homem foi aos arames! “Não usam?!” E eu, vivaço, respondi-lhe: “Não, não usam. Como têm barba, não fazem a barba, logo, não usam sabão!” O Girão não achou graça à minha graça. E lá fui eu mandado “para a rua” e, dias depois, chamado ao diretor de ciclo! Em casa, a falta foi vista com sobrolho carregado pelo meu pai. Contei então o episódio. E não querem ver que o meu pai usava sabão Santa Clara?! Riu-se imenso e, como o Girão era salazarista, perdoou-me o atrevimento académico.

Esta é uma história já ”com barbas”. Pergunto-me agora: terá tido sucesso o sabão Santa Clara? Nunca o vi. Eu, hoje, pouco patriótico, uso (fui agora ver) Nívea. Ó diabo! É alemão...

Chile, 11 de setembro



segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Avante, Tuizelo !



Ontem, ao ver na televisão o encerramento da Festa do Avante!, essa magnífica romaria laica dos comunistas portugueses, lembrei-me de que ando há anos para ir conhecer Tuizelo, uma aldeia perto de Vinhais, no distrito de Bragança. Mas o que é que tem Tuizelo a ver com o PCP? De facto, não é nada provável que, em Tuizelo, haja muitos comunistas... Nas eleições autárquicas do ano passado, o PCP teve aí cinco votos!

Pois, mesmo assim, há alguma décadas que Tuizelo é muito importante para o PCP. Foi com origem em Tuizelo, para os leitores que o não saibam, que os comunistas portugueses foram descortinar a música com que utilizam desde os anos 80 nos seus tempos de antena e que abre e fecha os seus comícios: a Carvalhesa. Ou melhor, selecionaram a música através de um estudo antigo, feito por um etnólogo alemão, mais tarde também trabalhado por Giacometti (o etno-musicólogo francês a quem a memória da música tradicional portuguesa muito ficou a dever). 

E a música, que era uma espécie de dança, tornou-se um verdadeiro hino (sem letra) que o PCP adotou. Todos os anos, a Festa do Avante! termina com toda a gente a dançar A Carvalhesa. E, por essa via, pode dizer-se que a aldeia de Tuizelo (na fotografia), sem o saber, entrou para a história dos comunistas portugueses. Por essa curiosidade, um destes dias vou a Tuizelo.

Ouçam aqui - vale a pena! - a bela e transmontana Carvalhesa.