quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Maria Teresa Lobo


Morreu, no Brasil, Maria Teresa Lobo. Quem era? Foi a primeira mulher que, em Portugal, fez parte de um governo. Em 1970.

Por essa altura, em toda a Europa e não só, já muitas mulheres tinham sido escolhidas para governantes. Por cá, em tempo de ditadura, foi preciso esperar até esse ano para ver uma mulher integrar um governo, ainda que apenas como subsecretária de Estado da Saúde e Assistência.

Recordo bem a novidade, quase "histórica", que a sua nomeação constituiu. Aquela cabeleira enfunada, muito da época, foi uma imagem que encheu então os jornais e a televisão, passando subliminarmente como uma "prova" da "abertura" marcelista. De origem indiana, circunstância que, a partir dos anos 50, se acentuou como uma notória "via" de ascensão na sociedade portuguesa (embora não apenas no seio do regime), Maria Teresa Lobo tinha tido já uma carreira interessante de serviço público, a montante da sua entrada para o governo.

Por ocasião do 25 de abril, Maria Teresa Lobo já não fazia parte do governo, de onde saíra em 1973. Era deputada na Assembleia Nacional. Foi então viver para o Brasil, tal como aconteceu com outras figuras ligadas à Situação (expressão deliciosa que, no vocabulário comum da época, era o contraponto da Oposição), do setor político e de áreas económicas, que se sentiram ameaçadas ou incomodadas com o curso da Revolução. A esmagadora maioria dessas pessoas acabou por regressar a Portugal. Ela decidiu ficar por lá. Como jurista que era, veio a conseguir garantir no Brasil um percurso profissional de mérito. Escreveu também sobre temas tributários e sobre os processos de integração político-económica regional, como a União Europeia e o Mercosul.

Quando fui embaixador no Brasil, e ao contrário do que aconteceu com outros antigos membros do governo de Marcelo Caetano, que encontrei e com quem privei de perto, como Rui Patricio ou Alberto Xavier, nunca tive oportunidade de me encontrar com Maria Teresa Lobo (bem como com Costa André). Tive francamente pena.

Maria Teresa Lobo tinha 89 anos.

Pedro Moutinho


O mundo começa a ficar estranho. Ou melhor: o meu mundo. Há dias, num grupo de gente na casa dos 40 anos, falei de Pedro Moutinho, antigo locutor da rádio portuguesa, com importantes incursões na RTP. Ninguém, repito, ninguém tinha ouvido falar nele, nem remotamente. 

Acho impressionante o modo como se processa o apagamento na memória coletiva de certas páginas da nossa vida contemporânea, com óbvio efeito no grau de informação, e formação, de gerações mais recentes. Imagino que deva ser uma questão de prioridades.

Pedro Moutinho foi uma figura muito conhecida da rádio e da televisão, até ao 25 de abril. Era um dos melhores locutores portugueses, estando a sua imagem como repórter consagrada no famoso relato do Porto-Sporting que integra o filme "O Leão da Estrela" (onde o Sporting ganha, diga-se de passagem...). Fora casado com outra famosa voz da rádio portuguesa, Maria Leonor, de quem entretanto se separara, num "anti-romance" muito falado, à época. Curiosamente, Maria Leonor fora colega da escola primária da minha mãe. Ao tempo, creio que o Pedro era já casado com uma senhora que trabalhava na embaixada britânica, sendo tido, aliás, como um homem sempre com grande sucesso junto do setor feminino.

Com a Revolução de abril, alguém terá um dia descoberto que o Pedro teria estado inscrito, por algum tempo, na Legião Portuguesa. Isso levou ao seu afastamento da Emissora Nacional e ao consequente desemprego. 

Foi Carlos Eurico da Costa (que era oriundo de uma área política bem oposta), jornalista, escritor e publicitário, quem o acolheu na empresa que dirigia, a Ciesa-NCK. Foi aí que o conheci. Eu e o Pedro fomos, por alguns meses, a base do “Serviço de Leitura Seletiva”, um trabalho de "clipping" que organizava, por temas, notícias e comentários políticos e económicos, publicados nos imensos e variados jornais que o 25 de abril tinha feito emergir. O produto da nossa leitura e subsequente escolha era, depois, recortado, fotocopiado e entregue aos assinantes por estafetas ao final da manhã de cada dia útil.

Este serviço viria a ser complementado pela edição, por vários anos, da “Análise da Informação”, um trabalho semanal escrito, de natureza jornalística, de que também fiz parte como redator, desde o seu início, com o jornalista José Silva Pinto (fundador de "O Jornal") e Francisco Vale (que hoje dirige a "Relógio de Água"), por mais de quatro anos. Em ambos os casos, tratou-se de negócios que acabaram por ter bastante sucesso, junto de empresas e de embaixadas estrangeiras. Teve, aliás, um papel importante para a subsistência da empresa, num tempo em que a publicidade não vivia os seus melhores dias. 

À época, eu estava colocado no Estado Maior General das Forças Armadas, no palácio da Ajuda. Trabalhava de manhã na Ciesa-NCK, a poucas centenas de metros, onde entrava às oito da manhã, e, à tarde, "fazia a tropa" no EMGFA, de onde saía depois das sete da tarde. Para quem vivia em Santo António dos Cavaleiros e ainda passava um boa parte da noite em cafés, com amigos, era uma vida cansativa, mas muito divertida.

Eu também andava, por esses tempos, a fazer as várias provas do concurso para o Ministério dos Negócios Estrangeiros. Recordo-me que, quando lhe referi isso, o Pedro me perguntou: "Você tem fortuna pessoal, meu caro?". A questão era estranha e apenas retórica: se tivesse, concerteza não viveria a acumular tarefas profissionais. Ao que logo acrescentou: "É que eu sempre ouvi dizer que, lá pelas Necessidades, pagam muito mal e só para lá entra quem tem bens próprios". De facto, como vim a verificar, e por muito tempo, terá sido um pouco assim. 

O Pedro Moutinho não tinha um feitio fácil, principalmente nessas primeiras horas do dia. Ia depois adocicando com a passagem do tempo, tornando-se um companheirão para o final da manhã, quando "despegávamos". Contava histórias magníficas, que tenho pena de não ter registado.

(Lembro-me apenas de uma. Um dia, foi chamado à PIDE porque, numa reportagem sobre a chegada à estação de Santa Apolónia do presidente da República, Américo Tomaz, vindo de Madrid, identificara o seu chefe da casa civil, general Humberto Pais, por... Humberto Delgado! Verdade seja que esta seria a sua única medalha de "anti-fascismo", ele que, com coerência, nunca renegou as suas convicções fortemente conservadoras.)

Numa daquelas matinais horas, em que estava com um feitio impossível, o Pedro perguntou-me:

- Diga-me lá, Francisco! Você acorda bem disposto, de manhã?

Disse-lhe que não, que, em regra, acordava "irritadiço" e me custava a "arrancar" o dia.

O Pedro não quis ouvir outra coisa e, com o seu magnífico e bem timbrado vozeirão, felicitou-me:

- É isso mesmo! Você é uma pessoa normal! Acordar, para si como para mim, é um ato de violência, uma coisa anti-natural. O que eu nunca compreendi são aqueles maduros que acordam bem dispostos, que cantam no banho e que começam o dia felizes. Imagine! Não passam de uns anormais!

E a nossa amizade e compreensão mútua aumentaram, a partir de então.

Pedro Moutinho morreu em 1999, com 80 anos anos. O "Google" quase não tem imagens suas. Apenas do seu homónimo fadista.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Parabéns, Presidente...


... e bem vindo ao "clube"!

O descrédito da Europa


Há dias, o sorriso impotente de Mário Centeno, no fim da reunião do Eurogrupo, era, em si mesmo, o retrato dos dias desta Europa. Não há consenso para a fixação de modelos comuns para a governação do euro, o mesmo é dizer que, perante a eventual emergência de uma crise económico-financeira, a Europa irá, uma vez mais, correr atrás dos acontecimentos. Nessa altura, como há dez anos, será um “salve-se quem puder”, com a assimetria de efeitos a fazer com que alguns não possam, de novo, escapar a situações dramáticas. Depois, com a solidariedade pelas ruas da amargura, a vontade de ajudar os outros irá variar na razão direta das vantagens que cada país disso retire, seja nos juros dos empréstimos, seja no isolamento do caráter tóxico dos problemas dos vizinhos.

Como chegámos aqui? Pela democracia. Pela democracia? Claro. A Europa é constituída por Estados cujos governos, até ver sem qualquer exceção, dependem da vontade popular e, cada vez mais, os cidadãos de cada país olham para o seu interesse nacional direto. E imediato. Os políticos são escolhidos por terem apresentado respostas, tidas por plausíveis, para as preocupações dos seus concidadãos. Mas não foi sempre assim? Foi. Só que, no passado europeu recente, a generalidade dos governos comungava de um discurso que, com maior ou menor eficácia, convencia os seus cidadãos de que, para além das suas fronteiras constitucionais, existia uma realidade institucional cuja eficácia funcional teria sempre efeitos positivos sobre a vida do conjunto dos países que haviam aderido a esse projeto integrador. 

Havia, claro, quem duvidasse dessa narrativa: eram os eurocéticos, uma espécie estranha, por muito tempo minoritária, vista como retrógrada, alheia ao “patriotismo europeu” que era o politicamente correto vigente - assente na demonstração de que a Europa consolidara a paz (importante para gerações sob o trauma das guerras) e trouxera desenvolvimento (olhem-se fotografias do continente, nos anos 50).

A Europa trouxe, de facto, a paz e o desenvolvimento - desigual mas real. Mas o continente, ao auto-contentar-se com o seu bem-estar, não se deu conta de que perdeu as armas competitivas para sustentá-lo no futuro. E o futuro não é dos que tiveram a memória da guerra real ou da Guerra Fria, é dos que, no dia de hoje, pretendem viver bem e dão as vantagens do passado como adquiridas. Esta Europa, pelo que veem no rosto de Centeno, não lhes traz as soluções. (Mas não se fala por aqui do Brexit, de Macron? Foi mesmo disso que falei).

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Eugénio Lisboa, Saramago e Londres


Há dias, na apresentação que fiz do primeiro volume do diário de Eugénio Lisboa, “Aperto Libro”, na livraria Ferin, contei um episódio passado em Londres, em 1993. Eu estava então ocasionalmente “encarregado de negócios” (isto é, chefiava a embaixada, na ausência do embaixador). O Eugénio - professor universitário, ensaísta e escritor, com vasta obra publicada - era ali Conselheiro Cultural, um cargo em que muito fez pelo prestígio da cultura portuguesa no Reino Unido, como fui testemunha privilegiada durante mais de quatro anos.

José Saramago tinha ido a Londres receber o prémio do “The Independent”, um importante galardão literário. Como todos nos recordamos, o escritor vivia então nas Canárias, numa espécie de “exílio” voluntário, e as suas relações com o governo de Cavaco Silva eram as que se sabe. 

Sem a menor instrução do meu Ministério, fiz o que entendi melhor na ocasião. Além de estar presente com Eugénio Lisboa na sessão de entrega do prémio, convidei Saramago para fazer uma palestra na embaixada, com edição de uma tradução desse texto em inglês, evento para a qual convidei umas dezenas de interessados locais na obra do escritor. No dia seguinte, não querendo utilizar a residência oficial, na ausência do embaixador, ofereci-lhe, bem como a Pilar del Rio, um almoço num belo restaurante da moda (propriedade de Michael Caine, que, recordo, por ali andava nesse dia), com algumas figuras da nossa comunidade intelectual em Londres, como Paula Rego, Bartolomeu Cid dos Santos, Helder Macedo, Luís de Sousa Rebelo e, da embaixada, Eugénio Lisboa e Rui Knopfli. 

Era já então evidente que a relação entre Saramago e Eugénio Lisboa era marcada por uma certa tensão, mas, talvez um pouco ingenuamente, julguei que o desinteressado apoio proporcionado pela embaixada ao escritor, ainda por cima correndo nós alguns riscos aos olhos do governo, pelo acolhimento proporcionado, teria atenuado as coisas. Enganei-me, como se verá.

Passado que foi sobre a visita creio que um ano, num dos primeiros volumes dos “Cadernos de Lanzarote”, Saramago descreve essa sua estada em Londres de uma forma muito pouco simpática para as pessoas da embaixada e, em especial, para o Eugénio Lisboa - cujo evidente empenhamento no sucesso da visita tinha sido ainda mais meritório, se tivermos em conta a sua completa falta de empatia (e isto é um “understatement”...) com o escritor. Todos ficámos chocados por ver, em letra de forma, uma leitura francamente distorcida do que, afinal, tinha sido um ato profissional muito correto.

Profundamente indignado, em face do que Saramago publicara, nomeadamente um episódio que envolvia umas passagens aéreas, Eugénio Lisboa decidiu divulgar por várias pessoas uma violenta ”carta aberta” ao escritor, que viria a ser publicada tempos mais tarde. Recordo-me que o embaixador Vaz Pereira, posto por mim ao corrente dos factos, não apreciou muito a divulgação da “carta aberta” mas, lá no fundo, creio que compreendeu o gesto de Eugénio Lisboa.

No que me tocou da história, fiquei naturalmente desagradado com o modo como Saramago tratou a embaixada, bem como a sua injusta leitura do meu próprio papel na visita. E fiz-lho saber, por amigos comuns. A questão acabaria por ficar ultrapassada entre nós: “reconciliámo-nos” num jantar em Nova Iorque, uma década depois, e mantivemos, a partir de então, uma boa relação, reforçada mais tarde no Brasil. Ainda o tentei convencer ir a França, mas foi tarde.

O volume do diário de Eugénio Lisboa que apresentei no dia 5 na Ferin não abrange ainda o ano de 1993, mas nem por isso Saramago (como outras tantas figuras, diga-se) sai dele incólume, embora neste caso por outros motivos. Aguardemos um próximo volume...

Eugénio Lisboa é um homem de ideias fortes, sólidas, fundadas, com opiniões que cuida em não esconder, com uma frontalidade e uma honestidade de atitude muito raras. Nesse domínio, faz parte de um Portugal intelectual que, infelizmente, está a desaparecer. Lê-lo é ter o gosto de regressar a esse que foi um tempo magnífico das grandes polémicas intelectuais, de que, devo dizer, sinto hoje alguma falta. 

Foi para mim um imenso prazer apresentar esta obra do meu amigo Eugénio Lisboa, uma grande figura da nossa cultura que admiro e respeito.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

De graça?

É triste, mas todos já desconfiamos, “quando a fruta é muita”...

Hoje, à hora de almoço, estacionei o carro num parque público com ar “limpinho”, bem pintado e sinalizado, ali para os lados da Junqueira. A “app” da EMEL dizia que era zona não paga, mas eu, nunca fiando, fui à procura da máquina para pôr as moedas. Que não encontrei.

Perguntei a uma senhora que acabara de estacionar. Estava tão perplexa como eu: “Também me parece que não se paga, mas é muito estranho, não acha?” Eu também achava, por isso andava à cata dos cata-moedas.

À despedida, com um sorriso africano bonito, disse-me: “Eu, se tivesse o telefone do Medina, até lhe telefonava, a agradecer isto...”

Eu tenho, mas não lhe digo nada. Pode ser que a EMEL se tenha esquecido desse parque e não quero dar-lhes ideias.

O Norte e a diplomacia

Era a minha primeira viagem a Portugal, como embaixador em França, no primeiro semestre de 2009. Estava na sala de classe executiva do aeroporto de Orly, em Paris, e, a certo ponto, perguntei à simpática senhora da TAP se não era já hora do meu voo. Sossegou-me, dizendo que ainda tinha muito tempo, que a seu tempo me chamaria. 

Minutos depois, com um vago pressentimento, levantei-me e fui ver o quadro eletrónico na parede: o voo já estava em "dernier appel". Agarrei nas minhas coisas e, de forma apressada, encaminhei-me para a porta. 

A senhora da TAP interrompeu-me:

- Mas olhe que ainda tem muito tempo! Ainda não chamaram para o embarque.

- Essa agora! Está ali bem claro, no voo para o Porto, que já é a última chamada.

- Ah! mas vai para o Porto!? É que o embaixadores portugueses vão sempre para Lisboa...

A senhora ficou a saber que a regra tinha exceções: também há embaixadores do Norte.

domingo, 9 de dezembro de 2018

Estou farto...

... dos eleitos de qualquer espécie que acham que o facto de terem sido escolhidos num determinado dia lhes dá o direito de, ao longo de todo o seu mandato, poderem permanecer surdos às consequências diárias das suas políticas, pensando só terem de prestar contas no final.

... dos demagogos que acham que o “foguetório” vistoso da expressão da força violenta nas ruas pode, algum dia, vir a substituir a democracia representativa - isto é, a legitimidade essencial do voto popular, ponderada com a atenção permanente à opinião da sociedade civil.

... dos imbecis que, em especial aqui nas redes sociais, acham que aviltar constantemente as instituições da República (do presidente ao governo e parlamento, com o insubstituível papel dos partidos políticos) abre qualquer caminho para um melhor futuro do país - e nesses imbecis (com todas as letras) incluo os titulares de cargos públicos que, ao comportarem-se sem dignidade e com desrespeito por quem os elegeu e lhes paga, ajudam ao desprestígio dessas mesmas instituições.

Bom domingo! Viva a República!

Heseltine


Quando cheguei a Londres, em julho de 1990, para servir na nossa embaixada, Margareth Thatcher atravessava já um tempo bastante complexo da sua governação. Os resultados económicos que tinham feito a sua glória revelavam-se menos sustentáveis, os trabalhistas recuperavam cada vez mais posições nas sondagens e, dentro do partido conservador, havia crescentes vozes que clamavam por uma mudança de liderança. 

Mas não era fácil alguém opor-se abertamente a uma personalidade com o carisma (e a história recente) de Thatcher. Na verdade, ninguém, dentre os “tories”, o fazia abertamente, surgindo essas reticências sob a forma de rejeição a algumas das suas escolhas para cargos de governo, tidas como demasiado concentradas num núcleo fechado de fiéis, ou a certas opções políticas mais discutíveis e cada vez mais discutidas.

Na sombra dos “tories”, mas já sem a menor influência, o antigo primeiro ministro Edward Heath dizia “cobras e lagartos” de Thatcher, proclamando uma fé europeia que, no governo, ia tendo apenas alguns moderados ecos em figuras como Kenneth Clark, Chris Patten, Garel-Jones e poucos mais. A Europa, porém, era um “diabo’ que, dentro do executivo, muitos outros continuavam a alimentar, com maioritário sucesso.

Uma prestigiada figura tinha vindo a criar, entretanto, pelo seu verbo e com um certo “panache”, a aura de poder vir a suceder à “dama de ferro” : Michael Heseltine. A sua ambição era visível, a sua qualidade política indiscutível, muitos meios empresariais sentiam-se por ele seduzidos. Porém, havia a difusa sensação de que, no grupo parlamentar conservador que Thatcher desenhara, as ambições de Heseltine nunca iriam conseguir encontrar apoios suficientes (a escolha dos líderes fazia-se exclusivamente aí), e que o seu proclamado europeísmo, claramente afastado do “mainstream” conservador, iria ser um inultrapassável óbice. Isso veio, de facto, a confirmar-se. Quando, um dia, os astros de conjugaram para pôr Thatcher “com dono”, o equilíbrio interno do partido acabou por inclinar-se para uma figura mais “cinzenta”, John Major, bem menos suscetível de ser visto como um “amigo” de Bruxelas.

Heseltine, feito entretanto Lorde, a prateleira dourada dos “has been”, saiu então de cena, sempre com os seus vistosos cabelos compridos ao vento. Por décadas, perdi-o de vista. Ontem, aos 85 anos, vi-o ressurgir das catacumbas políticas para lançar um vigoroso movimento público para um segundo referendo, afirmando, alto e bom som, que a juventude britânica nunca perdoará a esta geração política se, por estes tempos confusos, lhe tiver feito perder, pelo absurdo do Brexit, a ligação histórica ao projeto de progresso comum europeu.

Se Michael Heseltine pudesse vir a ganhar esta batalha, ela seria a sua grande e bela vitória póstuma, e bem merecida, sobre Margareth Thatcher.

sábado, 8 de dezembro de 2018

Uma palavra


Quero deixar aqui uma palavra que acho que devo ao deputado do PSD, Luís Campos Ferreira, que acaba de anunciar que deixa a vida parlamentar. 

Há uns anos, quando ele assumiu funções num cargo governativo no Ministério dos Negócios Estrangeiros, lancei por aqui algumas ironias quanto à adequação do seu perfil àquela nomeação. Dias depois, fui surpreendido por um seu contacto para almoçarmos. Não desconheço que, às vezes, esse é um método para diluir as “garras” de um adversário (e nós não navegamos nas mesmas águas políticas, como é público e notório). Sei, aliás, do que falo: quando andei pelas “guerras” governativas, também usei táticas idênticas.

O almoço foi muito simpático. Para minha surpresa, o nóvel governante deu razão imediata a alguns dos meus argumentos (provando, no entanto, eu estar equivocado noutros), tendo-se constituído, a partir daí, uma relação muito agradável entre nós, que dura até hoje, mesmo depois dele ter abandonado funções de governo. 

Luís Campos Ferreira nunca precisou de mim para nada. Eu nunca tive o menor interesse nos seus domínios diretos de atividade, governativa ou parlamentar. As nossas conversas, sempre sem qualquer agenda, iam (e vão) da política internacional em geral à política doméstica, com muito humor pelo meio. 

Mas o “fair play” que esteve subjacente ao primeiro dos vários agradáveis contactos que depois tivemos nunca o esqueci. Como também creio que o Palácio das Necessidades não esqueceu as palavras positivas que ele sempre teve para com a carreira diplomática, coisa que nem sempre acontece a quem por lá passa.

Aqui lhe deixo esta palavra que lhe é devida e os votos de maior sucesso na sua futura atividade, seja ela qual for. Há, de facto, mais vida para além da política, meu caro Luis Campos Ferreira!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

O livro ou a vida


Defini o que me parece ser uma legítima ambição (não esperança, claro) de vida: não quero viver nem mais um dia depois de acabar de ler todos os livros que ainda me faltam...

Adeus, Angela!


Nunca pensei que iria ter saudades de Angela Merkel...

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

O tempo dos Clinton


Em julho de 1999, teve lugar em Serajevo, na Bósnia-Herzegovina, a reunião de lançamento do Pacto de Estabilidade para o Sudeste Europeu. Com a generalidade das delegações instaladas, o presidente finlandês, Martti Ahtisaari, que dirigia a sessão, iniciou o seu discurso de introdução. Não tinha passado um minuto quando observei que muitas caras desviavam a atenção em Ahtisaari e olhavam para o outro lado da sala. Era Bill Clinton que, sorridente, em passo lento, fazia a sua entrada em cena, aproximando-se do lugar dos EUA, na imensa mesa quadrada. Pelo caminho, foi-se entretendo a parar junto de alguns dentre os 50 presidentes e chefes de governos, saudando-os, deixando a alguns uma breve palavra e, com a acumulação desses gestos, provocou um movimento de imparável agitação, que concentrou as atenções coletivas. A face de Ahtisaari mostrava um compreensível desagrado com a estudada coreografia de Clinton, a ponto de se ver obrigado a suspender o seu discurso, até que o presidente americano finalmente sossegasse na sua cadeira. Por estar bem perto, recordo que o presidente francês, Jacques Chirac, furioso, rumorava onomatopeias de óbvio incómodo pelo comportamento de alguém que, habilmente, roubara a cena aos poderes europeus presentes. 

Passaram entetanto 13 anos. Estava-se também no mês de julho. Em Paris, teve lugar a reunião dos "Amigos do Povo Sírio", num tempo ainda de esperança na travagem da guerra que viria a devastar aquele país. François Hollande, que presidia à reunião, iniciara já o seu discurso, de um podium, perante as delegações de 102 países. De súbito, notei que muito olhares divergiam para a entrada na sala. Uma figura, com estudado atraso e passo lento, aproximava-se do lugar que lhe competia, com um esgar feito sorriso que lhe é muito próprio. Na sala, só Hollande e essa pessoa estavam de pé, o que tornava tudo mais notório. O discurso do presidente francês não foi interrompido, mas a entrada da chefe da diplomacia americana, Hillary Clinton, não passou despercebida a ninguém. Estava marcado o ponto.

No teatro do poder, o tempo conta muito.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

... e a China aqui tão perto!


Não foi há muito tempo. Ouvir falar da China, nas instituições europeias, era escutar um discurso basicamente economicista, feito de ambições por um imenso mercado de consumo emergente, embora ainda com fortes dúvidas sobre o cumprimento pelo país dos requisitos de uma economia de mercado, em especial pelas regulares acusações de “dumping” e pela utilização de vários outros mecanismos não pautais de distorção das regras de comércio. Um dia, porém, essas reticências diluíram-se, no saldo positivo do deve-e-haver tradicional. Claro que havia a “conversa” sobre os Direitos Humanos, em especial sobre o Tibete, mas esse foi sempre um mantra politicamente correto, nunca um obstáculo decisivo aos negócios ou à sua perspetiva.

Por muito tempo, a Europa, num implícito reconhecimento da sua fragilidade, delegou nos Estados Unidos o papel de interlocutor geopolítico do ocidente com Pequim. Na realidade, havia sido Washington que trouxera a China de Mao para o palco do Conselho de Segurança da ONU, em detrimento do seu regime protegido de Taipé. Na altura, os americanos, pela mão de Nixon e Kissinger, haviam operado por básica “realpolitik”, tentando também por essa via agravar o cisma sino-soviético. Além disso, ao se preocuparem, embora com variável atenção, com a segurança de alguns Estados da região, os EUA assumiam o seu papel de tutores de uma espécie de “linha da frente” de economias asiáticas de mercado, capaz de ajudar a conter eventuais ambições expansionistas da China.

Contrariamente aos seus homólogos europeus, os “ think tanks” americanos cedo haviam mostrado uma atenção preocupada com a China. O 11 de setembro apenas atenuou essas linhas de estudo, pouco ideológicas e muito pragmáticas, que então trabalhavam sobre a emergência do perigo chinês. A dependência financeira americana face à China, embora fosse um “pau de dois bicos” que Pequim teria sempre dificuldade em usar como arma retaliatória, revelava um potencial que nunca sossegou Washington. Acrescia que a China, desejosa de ter a garantia da liberdade dos mares (essencial para uma potência comercial e um ávido importador de energia), dava crescentes mostras de querer reforçar o seu poder naval. Os últimos tempos de Obama e reflexões preparatórias da frustrada administração de Clinton revelam que a China não assustou apenas Trump.

Só a Europa não viu a China chegar. E, no entanto, foi Napoleão quem um dia disse: “Quando a China acordar, o mundo tremerá”. Já está a tremer.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Paulo Sande


Leio que Paulo Sande vai ser o cabeça de lista às eleições para o Parlamento Europeu pelo “Aliança”, o nóvel agrupamento político criado por Santana Lopes.

Conheço Paulo Sande há bastantes anos. É, em Portugal, uma das pessoas que aborda, com maior seriedade e conhecimento, as questões europeias. Estivemos juntos em inúmeras iniciativas, comungamos muitas perspetivas, julgo que temos ideias bastante próximas em diversos temas internacionais. Tenho, além disso, por Paulo Sande um grande respeito pessoal. 

Não posso deixar de dizer que foi para mim uma surpresa vê-lo emergir politicamente ao lado de uma figura com o recorte público de Santana Lopes. É isso e mais nada que se me oferece dizer.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Guadalajara


Ontem, terminou em Guadalajara mais uma edição da Feira Internacional do Livro que anualmente tem lugar naquela cidade mexicana. Este ano, Portugal foi o país convidado, pelo que aí contou com a presença de dezenas de escritores e editores, que participaram em inúmeras iniciativas. Livros traduzidos em espanhol, de autores portugueses, estavam à venda por toda a feira. O nome de Portugal andou um pouco por todo o lado.

Mas igualmente se tem falado muito de Portugal, em Guadalajara, por uma outra boa razão: uma empresa portuguesa - a Mota-Engil - acaba de executar, depois de quatro anos de trabalhos, a construção do metropolitano da cidade, uma obra que fica a marcar muito positivamente a imagem da engenharia e da construção portuguesas.


domingo, 2 de dezembro de 2018

Livros


Quem gosta muito de livros é uma raça de gente especial, por vezes mesmo bem bizarra (como eu). Há quem adore comprá-los, quase tanto como de lê-los (como eu). Há quem leia um livro de cada vez e quem “ande” com mais de uma dezena em simultâneo (como eu). Quem os arrume e os “estanteie” com imenso cuidado e quem os mantenha empilhados, num insuperável caos organizativo, que dia a dia se agrava (como eu). Quem seja maníaco de colecionar primeiras ou raras edições e quem tenha tanto prazer em adquirir um belo “hard cover” na Hatchards como uma edição de bolso, bem usada, num alfarrabista de bairro (como eu). Quem cuide em obter dedicatórias dos autores que apanha à mão e quem se esteja mil por cento borrifando para isso (como eu). Quem só ande por livrarias “standard”, onde as coisas estão bem arrumadas por géneros, e quem “se pele” por descobrir, seja lá o que for, no meio do granel quase ingénuo de uma qualquer tabacaria esconsa de província (como eu). Quem cuide em manter impecáveis os volumes que possui e quem os sublinhe, os dobre, às vezes quase os “trate mal” (como eu). Quem esteja sempre disponível para emprestá-los e quem invente pretextos ridículos para os não deixar sair de sua casa (como eu). Quem só compre um livro “quando o rei faz anos” e quem sofra horrores quando passam dois dias sem adquirir um (como eu).

Cumpri anteontem um sonho muito antigo: visitar a mítica Libreria Regia, na zona histórica da cidade do México (demorei hora e meia, ido do hotel, só para lá chegar!), um dos maiores, mais desorganizados e mais deliciosos alfarrabistas do mundo. Nem imaginam a alegria que senti!

sábado, 1 de dezembro de 2018

México


Hoje, nesta magnífica e majestosa cidade do México, Lopes Obrador tomará posse do cargo de presidente da República. É a vitória de um político persistente, num país farto de escândalos, que lhe deu um inédito voto de esperança. É essa a solução para o México, um país “tão longe de Deus e tão perto dos Estados Unidos”, como um dia alguém disse? Não sei, ninguém sabe. É contudo um tempo bem diferente de todas aquelas décadas em que o enquistado Partido Revolucionário Institucional (PRI) dava cartas e era dono do baralho da política mexicana, às vezes com consequências bem nefastas.

Ontem, aqui na cidade do México, tentei contactar um amigo mexicano, antigo diplomata, com quem já não falava há uns anos. Tinha sido ele quem, há quatro décadas, me havia ensinado a frase ácida sobre a vizinhança americana, em conversas nas longas noites da nossa comum estada na Noruega. Fora com ele que eu pensara, pela primeira vez, a realidade mexicana, este povo magnífico, com uma cultura soberba, mas com uma afirmação internacional ainda não à altura do que lhe é devido.

Nicolas - era esse o seu nome - era um homem abertamente de esquerda e dizia-o, alto e bom som. A acrimónia contra os “yankees” era a sua palavra de ordem. Recusava-se a tomar Coca-Cola, essas “águas sucias del imperialismo”, como a qualificava. E criticava então, abertamente, o governo do seu país, o que não deixava de escandalizar os seus amigos, que, com gosto, eu me tornara.

(Por essa época, embora pensando politicamente bastante como ele, eu havia decidido que, como diplomata, não era correto exteriorizar a atitude de íntima oposição que também mantinha face ao governo português de então - o executivo da AD, chefiado por Sá Carneiro, governo que eu detestava. Guardei essa atitude de princípio por quatro décadas, durante as quais nunca nenhum estrangeiro me ouviu uma qualquer palavra contra o governo do meu país, fosse ele qual fosse. E, às vezes, a minha indignação foi muita e, acho, bem justificada. No dia em que me aposentei, essa minha obrigação de silêncio acabou, claro.)

Ontem, procurei o Nicolas. Sabia que continuara a ser um homem de esquerda, o que não fora indiferente para o curso da carreira que tivera, pelo que achava graça encontrarmo-nos, agora para ouvir dele o que pensava sobre a solução Obrador. Sabia como podia contactá-lo, mas não consegui. Constatei que o Nicolas havia morrido do início deste ano. Ainda antes da eleição de Obrador. É a vida, ou melhor (ou pior), é a morte.

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

As vantagens da unidade

Há dias, o ministro dos Negócios Estrangeiros português referia que o desafio do Brexit conduziu a um reforço de posições entre os restantes 27 e que isso funcionou como fator de unidade da própria Europa. Sublinhou ainda que não houve “trânsfugas” entre os parceiros, nenhum deles se terá sentido tentado a quebrar a unidade e que isso terá sido essencial para o bom resultado da negociação conduzida por Michel Barnier.

Augusto Santos Silva tem razão. Foi isso mesmo que aconteceu, mas que podia não ter acontecido se os poderes nacionais mais importantes na Europa a 27 não tivessem cuidado de manter, desde muito cedo, as fileiras cerradas. Lembremo-nos apenas que Londres deu sinais, no início de toda esta novela, do seu interesse em “bilateralizar” certas questões. Em alguns dos 27, setores relevantes chegaram a movimentar-se junto dos respetivos governos, receosos daquilo que poderia resultar do Brexit, fazendo aberto lóbi sobre certos dossiês, nalguns casos, ao que se sabe, por discreta sugestão de Londres. De uma forma mais estruturada, isso também se processou junto da Comissão Europeia. Sem resultados, que não fosse ajudar a construir a narrativa comum que Bruxelas levou para a mesa negocial. O que foi excelente.

Devo confessar que esta atitude firme dos 27 me surpreendeu, que não estava à espera de uma posição tão unida. Tendo testemunhado e participado em alguns outros processos negociais europeus, raramente vi coisa similar. Ainda bem que a Europa começa a trabalhar “a sério”. Isso confere-lhe credibilidade e respeito. E revela que o seu braço executivo, a Comissão Europeia, tem uma qualidade técnica que permite, quando suportada por uma vontade política clara do “backseat driver”, o Conselho, garantir uma boa defesa dos interesses comuns. Num ambiente internacional tão imprevisível, com os EUA numa deriva na sua cultura externa em matéria de comércio e serviços, e que não deixará de influenciar outros atores, essa segurança é hoje um inestimável valor. A procissão ainda vai no adro, mas podemos prever que o executivo bruxelense terá condições para vir a recordar este exemplo e fazer notar que as insuficiências que a Europa integrada mostrou no passado devem-se menos à Comissão e muito mais às conjunturais divisões entre os Estados membros.

A negociação do Brexit teve um outro interessante efeito na Europa a 27. Recordar-se-ão de que, nos primeiros tempos, se instalou algum desespero pelo facto de estarmos em “mares nunca dantes navegados”. Sendo uma “première”, alguns efeitos do divórcio britânico eram basicamente imponderáveis. O curso da negociação, contudo, veio criar um progressivo ambiente de acalmia. Houve tempo para segmentar e refletir sobre as reais consequências da cisão, alguns exageros iniciais, em matéria de impactos potenciais, foram redimensionados e assistiu-se à serenidade a instalar-se progressivamente. Ora isto não deixou de ter consequências moderadoras no ambiente dramático que inicialmente se estabelecera. A Europa foi-se preparando, progressivamente, para todos os cenários. E, ao dar disso mostras aos mercados, como que atenuou, por antecipação, um excesso de reação destes, mesmo face aos prognósticos mais adversos.

O Brexit está longe de ter acabado. Eventualmente, mesmo muito longe. Não obstante a sua obstinação, Theresa May vai ter uma imensa dificuldade em “vender”, na Câmara dos Comuns, o pacote que negociou. Uma conjugação impressionante de vozes críticas, oriundas das suas próprias fileiras, por razões muito diversas, somando-se às da oposição trabalhista, pode tornar impossível que obtenha um voto favorável no dia 11 de dezembro. Nesse cenário, muito plausível, o que a seguir virá está muito pouco claro.

A bola está agora do outro lado da Mancha. Aqui ou ali, não é de excluir que possa haver um retoque no que foi negociado. Mas nada de essencial. Se há poucas esperanças de que o Brexit venha a ser um sucesso para ambos os lados, é justo que o lado que tem mais hipótese de sair menos prejudicado sejam os 27. É que não foram eles quem criou o problema.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

António Patrício Gouveia


Foi uma bela homenagem a que foi prestada a António Patrício Gouveia, o chefe de gabinete de Francisco Sá Carneiro, que com ele morreu em Camarate, em 4 de dezembro de 1980. Faria este ano 70 anos.

Conheci o António na Escola Prática de Administração Militar, onde fui seu instrutor de “Ação Psicológica”, nos meses que antecederam o 25 de abril. Recordo-me do seu sorriso jovial, do ar brincalhão com que encarava aquela tropa a caminho dos dias do fim do regime. Creio que fomos apresentados pelo Simões Ilharco, como ele um homem do jornalismo. Um dia, numa conversa na parada do Lumiar, concluímos que já nos tínhamos encontrado, no início dos anos 70, nuns colóquios da Sedes (ainda na rua Viriato), onde tinha ido umas poucas noites, até concluir que aquilo era demasiado “moderado” para mim. O ambiente eufórico de 1974 não deu para constatar que, embora da mesma idade, quase tudo nos separava, dos círculos de vida às convicções políticas. Isso não impedia que, sem sermos propriamente amigos, mantivéssemos uma relação de grande cordialidade e simpatia mútua.

Recordo perfeitamente a última vez que falámos, ele no pátio do palácio das Necessidades onde tinha ido por qualquer razão, eu pendurado na janela da minha sala das “Económicas”, que dava para esse espaço. Foi aí por inícios de 1979. Provavelmente, trocámos trivialidades e rimos de alguma coisa - ambos éramos dados ao humor e nada sisudos.

O António era uma pessoa altamente preparada. Era uma figura em ascenção do PSD, com um futuro brilhante à frente, nomeadamente na política externa, onde contava com bons amigos, alguns dos quais cruzei no ISEG, na tarde de ontem, na homenagem que lhe foi prestada. Partiu muito cedo, aos 32 anos.

Fez-me muita impressão a sua morte. Foi bonito ver Marcelo Rebelo de Sousa associar-se à sessão e nela proferir um tocante discurso dedicado a alguém que era um seu amigo pessoal. E foi um gesto muito simpático ver atribuída ao homenageado, pelo presidente da República, a título póstumo, a grã-cruz da Ordem do Infante.

Diplomacia americana


Robert Sherman foi, com toda a certeza, o mais popular embaixador que os Estados Unidos alguma vez tiveram em Portugal. Com uma forma atípica e muito descontraída de atuar, no segundo mandato de Barack Obama, entre 2014 e 2017, Sherman tornou-se imensamente conhecido pelo modo como exteriorizou, em pequenos vídeos muito difundidos, o seu apoio à seleção de futebol que ganhou o campeonato europeu, em 2016. 

Conheci Robert (Bob) Sherman pouco tempo depois de ele chegar a Lisboa. Convidou-me para um almoço a dois na residência americana, em 2014. Dei-lhe os conselhos que achei úteis a um colega estrangeiro de um país amigo: nomes de pessoas que devia conhecer, instituições que lhe conviria contactar, erros que era importante não cometer e outras indicações úteis. Imagino mesmo que alguns restaurantes... Um dia, convidei-o para falar a um grupo fechado de empresários e figuras relevantes de vários setores. Foi um sucesso, exceto para o próprio almoço: praticamente não parou de falar, perdendo a refeição. Mas, como sempre, foi de uma extrema simpatia e disponibilidade.

Em 2015, Robert Sherman “assustou-se”, ou de Washington mandaram-no reagir publicamente, perante a possibilidade de vir a ser criado um governo minoritário do PS, com apoio do PCP e do BE. A forma e o que, a esse propósito, disse desagradou-me e decidi publicar no “Diário de Notícias” um artigo que intitulei “Durma bem, Bob!”. Ele aqui fica, para se ver quem tinha razão:

Leio que, enquanto embaixador americano em Portugal, se mostrou “preocupado” com o apoio parlamentar de “partidos anti-NATO” a um possível governo socialista. Congratulo-me que tenha notado o “compromisso” de António Costa e do seu partido “com a NATO, com a UE e com organizações semelhantes”, mas lamento que considere que “o ponto vai ser sobre o que vai ser feito, não sobre o que vai ser dito”.

A palavra das pessoas sérias não pode ser posta em causa sem razões sólidas. António Costa não merece essa sua desconfiança. Acho que o conhece mal, que não sabe que ele tem um compromisso com a democracia que data de há quase cinco décadas, que esteve sempre do lado certo da História nas grandes lutas que, entre nós, foram travadas pela liberdade. E não foram lutas fáceis, caro Bob. Se tiver dúvidas, pergunte a Mário Soares ou a Jorge Sampaio, a Vitor Constâncio ou a António Guterres.

Não sou um entusiasta desta possível solução governativa, mas as minhas razões são muito diferentes das suas. Por mim, não alimento a mais leve dúvida que, aconteça o que acontecer, um eventual governo socialista se manterá fiel a todos os compromissos internacionais de Portugal, da NATO à UE, passando pelas “organizações semelhantes”, como você com graça as qualifica. O PS tem um historial de responsabilidade no quadro internacional que não aceita lições de ninguém, de dentro ou de fora.

Reconheço, contudo, o seu direito de se pronunciar sobre as escolhas internas no meu país, embora, como diplomata, eu sempre me tenha abstido de o fazer nos postos onde estive colocado. Mas agora que entrei numa reforma que é mesmo “irrevogável” – quem proclamou um dia esta palavra merece-lhe mais confiança? - confesso-lhe que também estou preocupado pela possibilidade de Donald Trump vir a ser eleito presidente dos EUA. E pode crer que continuo muito triste com Guantánamo.

Quanto a nós, pode dormir descansado, caro Bob”

Anteontem, numa livraria, vi um livro recém-publicado de Robert Sherman “Dez milhões e um”. Comprei-o e já o li. É um relato curioso das suas impressões sobre Portugal e sobre os portugueses, feito por alguém que gosta genuinamente do nosso país, que aqui teve iniciativas muito meritórias e que, do início ao final do seu mandato, se defrontou em permanência com a questão das Lajes e do modo como Portugal reagiu à decisão americana de reduzir a sua presença na base dos Açores. Não será, aliás, por acaso que, num livro em que o antigo embaixador praticamente só tece comentários elogiosos para os nossos compatriotas que nele são citados - e também é interessante notar alguns que o não são - a figura política portuguesa que surge menos bem tratada é, precisamente, o presidente do governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro.

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Enganei-me


Há três anos, para surpresa de alguns, coloquei reticências à fórmula encontrada por António Costa para envolver forças políticas mais à esquerda no apoio a uma solução minoritária de governo do PS. 

Havia três razões para os meus receios. Por um lado, o efeito externo que essa solução poderia vir a desencadear nos mercados económicos e financeiros, com impacto na recuperação da débil situação portuguesa. (Há quem se esteja “nas tintas” para os mercados, mas essas pessoas fazem parte de quantos sabem que nunca terão a responsabilidade de garantir a subsistência financeira do país). A segunda razão tinha a ver com a fiabilidade dessas mesmas forças políticas, no suporte a um executivo que se previa fosse defrontar, como defrontou, a acrimónia de quem se sentia desapossado do poder. (Também sei que algum tropismo ideológico considerava isto uma irrelevância, porque a “maioria de esquerda” era o seu sonho eterno, “e depois logo se veria”). Acrescia, finalmente, a imprevisibilidade de um novo presidente da República, cuja base natural assentava em quantos então regressavam à oposição.

As coisas correram bastante bem. Surfando uma conjuntura europeia e internacional favorável, António Costa cumpriu a promessa de respeitar os compromissos financeiros que Portugal tinha subscrito na Europa. (Claro que há quem ache que o país deve “romper” com aquilo que assinou, porque a irresponsabilidade é um produto barato, mas o barato quase sempre sai caro). Os parceiros foram, no essencial, fiéis àquilo que tinham garantido, da mesma forma que o governo, pagando algum preço político (no caso das reversões das privatizações, por exemplo), mostrou cumprir com a palavra. O presidente foi uma agradável surpresa: demonstrou sentido de Estado e elevado espírito de cooperação. 

O parlamento estava assim certo quando escolheu este modelo. Pelas sondagens, concluir-se-á que o país, maioritariamente, está satisfeito. Eu estava errado.

Há dias, passou o 25 de novembro, data que, estranhamente, alguns teimam em erigir em trincheira com que pretendem fazer uma leitura “autêntica” do 25 de abril. É uma atitude típica de vencidos inconsoláveis, de saudosos de algo que afinal, os reais vencedores daquela data não deixaram que acontecesse: a ilegalização do PCP. Na realidade, ver hoje as forças políticas que um dia foram tentadas por uma via revolucionária integradas numa solução democrática e constitucional de governo é talvez a verdadeira vitória do 25 de novembro.

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Monarquias europeias


O exercício não era fácil, mas deu-me algum prazer, há umas horas, no Grémio Literário: um assumido republicano como eu sou a apresentar um livro do meu colega e amigo embaixador José de Bouza Serrano, em que basicamente se aborda, com bastante detalhe e informação, a questão da crescente tendência das figuras da realeza europeia para casarem fora dos seus círculos mais tradicionais. 

Para alguns, imagino que o tema possa parecer sem grande pertinência, muito ligado ao “gossip” social das revistas cor-de-rosa. É um erro. A estabilidade institucional de alguns Estados europeus pode vir a passar por ali. E isso pode constituir-se numa questão política relevante. Assim, entendi que interessava procurar refletir em que medida o fim desse “glamour” exclusivista conduzirá, ou não, a uma banalização das casas reais e, por essa via, da instituição monárquica. Ou será que a tendência para aliar os “royals” a gente “comum” vai acabar por humanizar mais as monarquias e aproximá-las dos cidadãos? A resposta não é unívoca, até porque cada caso nacional é um caso diferente. As ameaças sobre a monarquia que hoje existem em países como a Espanha, a Bélgica ou a Holanda não se comparam com a relativa estabilidade em que vive, por exemplo, a generalidade das monarquias nórdicas. Foi isso que procurei analisar, depois de ter abordado as razões históricas que, a meu ver, justificam a permanência de regimes monárquicos em alguns Estados europeus.

Com a interessante e muito informada contribuição do historiador Lourenço Correia de Matos, foi possível transformar o lançamento do livro “As Famílias Reais dos nossos dias - tradição e realidade” num momento de alguma reflexão política e institucional prospetiva. Tentei que o meu republicanismo não fosse excessivamente contrastante com um ambiente em que o monarquismo abundava, porque não estávamos ali para discutir, mas para refletir. A experiência diplomática, creio, pode ter ajudado. Se o consegui ou não, só quem esteve presente (e foi uma casa cheia, com muita gente de pé) poderá dizer. 


(Peço de empréstimo uma fotografia de Isabel Amaral)

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Protocolo



Tive o gosto de ser convidado a proferir, na manhã de hoje, a conferência inaugural das XIII Jornadas Internacionais de Protocolo, organizadas pela Associação Portuguesa de Estudos de Protocolo (Aporep), que se realizam na reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

A minha palestra intitulou-se “Ensaio sobre os rituais e a convivência internacional”. Numa conversa de quase uma hora, passei em revista as origens e as dinâmicas contemporâneas do Protocolo diplomático, igualmente focando as suas múltiplas declinações sectoriais, oficiais ou não: militares, académicas, parlamentares, religiosas, autárquicas, empresariais ou outras.

O Protocolo é uma atividade que, tal como os árbitros de futebol, deve procurar ser discreta e passar despercebida, infelizmente quase sempre só se relevando quando alguma coisa “corre mal”. As regras protocolares constituem um sábio “código da estrada social”, que facilita a convivência, supera equívocos, dá previsibilidade confortável às situações, igualiza entidades e evita que o relacionamento institucional coletivo, em especial na ordem internacional, seja capturado pelo poder e pelo arbítrio. É, no fundo, uma soma essencial de bom senso, eficiência, pragmatismo, cooperação e cortesia. 

Desprezar o Protocolo, a que De Gaulle chamava “a ordem da República”, como se vê fazer a alguns “parvenus”, é quase sempre sinal de arrivismo, de preconceito demagógico, de populismo saloio, as mais das vezes assumido com arrogância e desprezo por quem tem a desdita de não conseguir ser educado e a urbanidade de saber ser respeitoso para com os outros. E citei o que um dia Jaime Gama escreveu: “Vencer o preconceito em torno do Protocolo é um ato de maturidade que aperfeiçoa as sociedades e lhes confere um acrescido grau de liberdade, porque lhes acrescenta civilização”.

Terminei a palestra recomendando aos participantes naquelas Jornadas: “não sacralizem o Protocolo, não absolutizem o cerimonial, mantenham mesmo alguma saudável ironia sobre as suas liturgias, mas conheçam bem e nunca esqueçam todas as suas regras, até para poderem, quando quiserem, desrespeitá-las, mas sempre em plena consciência”.

domingo, 25 de novembro de 2018

João Ladislau



O João Ladislau devia ser três ou quatro anos mais velho do que eu. Quando, ainda durante a minha escola primária, nessa Vila Real dos anos 50, coincidimos a viver no mesmo prédio, em andares contíguos, essa (então relevante) diferença de idades fez com que o nosso tratamento, estranhamente, se tivesse fixado num “você”, coisa que nunca mais se perderia.

O João que então conheci era um obsessivo fazedor de coisas, um incansável e imaginativo empreendedor de iniciativas, a um ritmo e com um empenhamento que surpreendia e causava admiraçã no miúdo que eu era. Na cave da nossa casa comum, na rua Alexandre Herculano, ele instalou um dia uma espécie de ringue de hóquei em campo, na realidade em cimento rugoso, que mais tarde viria a deslocar para o quintal, onde me recordo terem-se feito épicas partidas. Numa árvore que por lá havia, construiu uma elaborada casota de madeira, com um frágil “elevador” puxado a cordas, de cuja inauguração fui a infeliz cobaia. O ciclismo era outro dos seus “hobbies”. Vejo-o a passear, de costas muito direitas, boné de pala, com ar grave, numa bicicleta que, lá por casa, “afinava”, horas a fio. Da sua fértil imaginação saiu a organização, numa manhã de domingo, de uma histórica “volta ao circuito” em bicicleta, que reuniu uma dúzia de participantes, com várias metas “volantes” nesses apenas sete quilómetros. Ele próprio, aferida a ordem de chegada a cada meta, ia logo instalar adiante outra, enquanto os concorrentes descansavam. Uma coisa nunca vista!

A mais surpreendente iniciativa do João Ladislau foi, porém, uma célebre viagem pelas tubagens dos esgotos para águas pluviais, acabados de instalar, na nova avenida chamada então de “marginal”, hoje “Primeiro de maio”. De vela na mão, um grupo que ele dirigia e eu integrei, à revelia óbvia dos meus pais, percorreu largas dezenas de metros através dessa obra recém-inaugurada, entretendo-nos a lançar impropérios quando, junto das aberturas para a rua, ouviamos passar um transeunte, que ficava siderado com essas vozes vindas do além. Um dos mais conhecidos advogados da cidade de Vila Real deve lembrar-se bem dessa aventura...

Um dia, a minha família mudou de endereço. Deixei de encontrar com regularidade o João até que, uma noite, fui dar com ele, sempre com a sua consabida capacidade organizativa, como operativo “manager” de um grupo musical de amigos comuns.

E sei lá quantas outras coisas ele terá depois feito, numa vida a que, a partir de certa altura, perdi por completo o rasto.

O João Ladislau morreu hoje, dizem-me agora. Tinha-o cruzado, há meses, numa esquina da cidade, sempre no passo apressado que era o seu, com o sorriso largo e o abraço com que sempre selávamos essa nossa relação tão antiga e que, no entanto, persistia marcada pelo bizarro “você”. Envio um beijo de pesar à sua irmã, Mercedes, a minha primeira namorada de infância.

25 de novembro (2)


Ter hoje as forças políticas que, em 1975, apostavam numa via revolucionária integradas numa solução constitucional de governo é talvez a maior vitória do 25 de novembro.

Obrigado, Ernesto Melo Antunes.

25 de novembro


Não gosto da data de 25 de novembro. E isso nada tem a ver com política, que fique claro. Tem a ver com a vida. Por isso, acho bem que hoje chova. É o clima próprio para uma data de que não gosto.

6.000.000


Será coisa para comemorar? Talvez. Leio, no contador automático do blogue, que foi passada há dias a marca dos seis milhões de visitantes. Ainda a um pouco mais de dois meses de completar uma década de vida, com publicação diária, isto significa que houve, em cada ano, mais de 600 mil visitantes, o que dá uma interessante média de 50 mil por mês, cerca de 1600 por dia. Nada mau! 

sábado, 24 de novembro de 2018

50 anos depois: maio em novembro


Os Campos Elísios, em Paris, estão hoje a ferro-e-fogo. O resto da França vive dias agitados, com centenas de milhares de manifestantes nas ruas. O que é que se passa? Que similitude tem isto com as manifestações de maio de 1968? Naquela altura eram os ”enragés”. Os novos “enraivecidos” são hoje estes “gilets jaunes”? Tal como há meio século, a pergunta coloca-se: o que é que, em concreto, querem os manifestantes?

Não parece haver uma resposta única. Aparentemente, a França é atravessada por um mal-estar generalizado, que não é de esquerda nem de direita. Várias das decisões governamentais, de natureza legislativa e administrativa, confrontaram-se com uma forte reação popular. Como resultado, o poder presidencial, que titulou essas decisões, é hoje contestado por muita gente, levando a figura de Emmanuel Macron a ter uma taxa de popularidade bastante mais baixa do que aquela que Trump tem nos EUA.

Quando foi eleito, a postura do novo presidente alimentou uma espécie de populismo “light”, pela deliberada vontade de criar uma espécie de ligação direta com as pessoas. Esse quase desprezo pelos corpos intermédios, dos partidos aos sindicatos, está agora a ter um elevado preço. Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon, respetivamente da direita e da esquerda radicais, têm agora as suas tropas na mesma trincheira. É uma surpresa? Nem por isso. A coincidência de agendas estava a tornar-se, a cada dia, mais evidente.

Macron quis ser o interlocutor único dos franceses, “à la De Gaulle”. Isso funcionou bem enquanto aqueles que o elegeram ainda colocavam as suas esperanças no novo presidente - cara jovem, ar enérgico, com todas as soluções (aparentemente) na ponta-da-língua.

Depois, um dia, surgiu a dura realidade: o discurso de “modernização”, a tentativa de ”racionalização” da imensa máquina pública (num país em que a despesa pública representa metade do PIB), começou a ter um preço visível na vida de cada um. A ideia de Macron, de que é preciso fazer alguns sacrifícios no presente para ganhar vantagens no futuro, não rima com um país tradicionalmente imobilista, que vive de direitos adquiridos, pouco sensível à ideia de que a França tem de ganhar competitividade, sem o que não pode continuar a fazer “papel de rico” pelo mundo, no sistema capitalista em que escolheu viver e que a eleição de Macron sufragou.

Muitas dessas medidas “de rigueur” (em França, esta expressão é sempre evitada no discurso político), estão a revelar-se, pela sua natureza, fortemente impopulares. Para as “vender”, Macron teria necessitado de as negociar previamente com a tal França intermédia, mas que ele desprezou e ajudou a fragilizar. Agora, ao tentar impô-las, de cima para baixo, soltou os demónios.

Hoje, o presidente que não era nem-de-esquerda-nem-de-direita tem nas ruas uma França que não é nem-de-esquerda-nem-de-direita. “Comment il s’en sortira? À suivre”.

“Estrela solitária”


Gosto muito da escrita de Ruy Castro (por cá, podemos lê-lo no “Diário de Notícias”, aos domingos, numa feliz opção editorial do “mestre” Ferreira Fernandes), alguém que domina a crónica com a maestria de um Nelson Rodrigues, naquele jeito único, misto de simplicidade e imaginação, com que as palavras são articuladas, como se de poesia se tratasse.

Mas o meu gosto pelo Ruy Castro cronista é, confesso, suplantado pelo Ruy Castro biógrafo. Leia-se a sua biografia de Nelson Rodrigues, intitulada “O Anjo Pornográfico”, ou a história de Carmen Miranda ou ainda o “Chega de Saudade”, uma “biografia” da Bossa Nova - e digam-me se não tenho razão. E não se perca um livro mais curto, que passou despercebido, o “Era no Tempo do Rei”, uma ficção em que se inventam as divertidas aventuras do então príncipe dom Pedro, ainda criança, com um amigo, pelo Rio dos dias de dom João e Carlota Joaquina.

Todo este intróito é para falar do “Estrela Solitária”, a biografia de Garrincha, que Ruy Castro assina e que acabo de ler. Abordar a vida de um jogador de futebol pode parecer um tema fútil. Mas Garrincha não foi um jogador qualquer, foi verdadeiramente “a pátria em chuteiras” (de que um dia falou Nelson Rodrigues) e a sua existência esteve muito longe da banalidade de um qualquer “craque”. No retrato que dele traça, Ruy Castro projeta, de algum modo, um certo Brasil, um país de altos-e-baixos, de grandezas e de misérias, de sucessos e de derrotas.

Através daquelas páginas, quase que “vemos” Garrinha a jogar as partidas que a carreira lhe trouxe e aquelas que a vida lhe pregou. As aventuras e desventuras amorosas do jogador, a intensidade da sua relação com Elsa Soares, a rivalidade com Pelé, o mundo sórdido e glorioso do futebol, o poder destrutivo da bebida, a fantástica ligação com os amigos Pincel e Swing - é tudo isso e imensamente mais que Ruy Castro nos traz, numa linguagem ágil, fílmica, colorida. Um belo livro.

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Demasiada memória


(Ontem, ao final da tarde, ao sair de um debate no mosteiro dos Jerónimos, olhei a igreja e decidi entrar. Nunca são demais as oportunidades para apreciar aquele monumento. De um lado está o túmulo de Vasco da Gama, do outro o de Luis de Camões. Uma coroa de flores mostrava que o poeta tinha sido homenageado. Fui ver por quem: João Lourenço, presidente de Angola. Lembrei-me, então, deste texto que, há mais de seis anos, escrevi neste blogue. Os leitores compreenderão porquê.)

Há dias, um amigo dizia-me, levemente crítico, que eu tinha "demasiada memória". Para logo esclarecer: "é que tu lembras-te, às vezes, de certas coisas que mais valia a pena teres esquecido...". Talvez seja verdade. Com frequência, tenho esse tropismo de me recordar de assuntos que outros arquivaram em dossiês de conveniência, que não querem voltar a consultar. Como os leitores deste blogue já se devem ter apercebido, não o faço para visar especificamente ninguém, mas apenas como testemunho de quem acha que, sobre o que conhece, deve tentar "to set the record straight".

Vem isto a propósito de um recente editorial do "Jornal de Angola" que provocou algumas ondas de choque em Portugal, felizmente tratadas já com bom senso e sentido de equilíbrio.

O tema, contudo, fez-me "regressar" a Luanda, aos mais de três anos que por lá passei, entre 1982 e 1986, quando servi na nossa embaixada local. As relações oficiais entre Portugal e Angola eram então muito tensas, fruto da terrível guerra civil que marcava ao quotidiano angolano e da circunstância de certos setores da oposição ao governo de Luanda terem Lisboa como palco privilegiado para a sua afirmação pública. 

A argumentação de que muitos dos titulares das posições do partido do "galo negro", da UNITA, tinham nacionalidade portuguesa e de que, por essa razão, nada os impedia de se reunirem politicamente em Lisboa e daí atacarem, nos nossos media, o governo angolano, não era aceite, porque as autoridades angolanas entendiam que os sucessivos executivos lisboetas tinham o dever político de não permitir a expressão dessas vozes, que davam cobertura a um movimento que combatia, de forma violenta, o poder instalado em Luanda.

Debalde nós tentávamos explicar aos nossos interlocutores locais que a liberdade de imprensa era uma conquista daquele mesmo 25 de abril que abrira caminho à independência angolana e que, no nosso país, nenhuma ideologia, nem nenhum político, estava isento de ácidas críticas, a começar pelos próprios membros dos nossos governos. Mas essa uma "guerra" perdida, nos tempos em que uma certa elite lusitana mantinha um persistente fascínio por Jonas Savimbi, que então organizava os seus "Jamba tours", de onde esses convidados saíam deliciados com tudo o que por lá os deixavam ver, desde logo a começar pelo patético "sinaleiro" (que nos dava um jeitaço, agora, no Marquês!). E ai de quem os tentasse então convencer de que, por detrás da sua suposta bonomia africana, Savimbi era um promotor de atrocidades, hoje bem documentadas e incontroversas.

À época, os editoriais do "Jornal de Angola" contra Portugal sucediam-se. A embaixada portuguesa em Luanda optara por não reagir, deixando que essa catarse mediática não fosse estimulada por um contraditório que se via como de escassa eficácia. Por isso, líamos matinalmente essas colunas agressivas e, através delas, apenas íamos medindo a febre de acrimónia contra Lisboa, esperando que o tempo a atenuasse, como fe facto acabou por suceder.

Um dia, vi publicado um texto de rara violência, já não sei bem a propósito de quê. Nele se referia que Portugal, crismado como o "miserável país das caravelas decrépitas" (nunca esqueci esta flor de retórica lusofóbica), era um colonizador frustrado, porque, contrariamente a outros, não deixara em Angola nenhuma herança positiva.

Sem consultar o meu embaixador, tomei a iniciativa de telefonar ao autor do texto, uma pessoa que eu tinha tido ocasião de conhecer pessoalmente, através de amigos angolanos. Era um jornalista e escritor de bastante mérito, nascido em Portugal, creio que em Loures, que vulgarmente usava um pseudónimo que substituía o seu nome português, como então era vulgar em Angola. Disse-lhe que tinha lido o seu texto com interesse e que queria "felicitá-lo" pelo mesmo.

Do lado de lá da linha, a resposta foi a esperada: "Você está a gozar comigo?". Respondi-lhe que não estava e que o texto, cuja liberdade de apreciação sobre Portugal eu não contestava, comportava, contudo, uma evidente contradição, de que ele talvez não se tivesse dado conta, mas que era a única razão do meu telefonema. O meu interlocutor estava cada vez mais perplexo, até pela deliberada cordialidade que atravessava o meu discurso.

Pelo que decidi explicar: "O seu texto, independentemente do conteúdo agressivo contra o meu país - o mesmo, aliás, onde você nasceu -, está extremamente bem escrito e exprime, de forma brilhante, uma leitura crítica face ao comportamento do meu governo. Embora eu não concorde, rigorosamente em nada, com aquilo que escreveu, quero dizer-lhe que entendo que você está no pleníssimo direito de exprimir o que pensa, embora eu imagine o que "por aí iria" se, lá em Lisboa, o "Diário de Notícias", que nem sequer é um jornal oficioso como o seu, se abalançasse a escrever um coisa de natureza similar sobre o governo angolano. Mas não é essa, hoje, a minha questão. O que eu queria sublinhar é que o texto está redigido num português exemplar, numa escrita de grande elegância estilística. Ora você diz, nesse mesmo texto, que nada ficou em Angola de herança lusitana! E essa língua em que você escreve tão bem? É uma herança de quem? Ou será que você é capaz de escrever um editorial em quimbundo, em umbundo ou em chocué, que qualquer angolano que saiba ler possa perceber? E em que língua se publica o "Jornal de Angola"? Que outra língua une hoje Angola? Essa é ou não é uma herança do tempo colonial?".

Já não me recordo da resposta do meu interlocutor, que terá sido, com toda a certeza, inteligente e informada, porque era alguém com uma grande qualidade intelectual e política. Uma figura infelizmente já desaparecida."

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Pensar alto


Ao final da tarde de amanhã, dia 23 de novembro, sexta-feira, no auditório B104 do ISCTE, em Lisboa, vou ter o gosto de apresentar o livro “Um Futuro a Construir”, de Francisco Pinto Balsemão e José Maria Neves, tarefa que partilharei com Henrique Monteiro.

A estrela transmontana


Ontem, foi uma grande noite para a gastronomia de Trás-os-Montes. O Restaurante G, na Pousada de Bragança, com a cozinha dirigida pelo chefe Óscar Gonçalves, obteve uma “estrela” atribuída pelo Guia Michelin.

Acompanho, praticamente desde a primeira hora, o esforço feito pela família Gonçalves para requalificar o restaurante da Pousada de Bragança, unidade hoteleira que atualmente gerem. Tenho testemunhado o trabalho notável que o Óscar, bem como o seu irmão António, chefe de sala e magnífico escanção, têm feito para erguer a obra agora justamente galardoada. Mas não devo esquecer a importância do trabalho dos seus pais, a chefe de cozinha Iracema e o seu marido Adérito Gonçalves, que dirigem o restaurante bragançano Geadas, o qual, no fundo, acaba por estar na origem do êxito deste novo projeto. 

Nesta hora muito feliz para toda a família Gonçalves, os seus amigos, nos quais me incluo, congratulam-se por este importante reconhecimento. Mas há alguém, em particular, que sei que partilha bem fortemente esta alegria - o meu amigo José Luis Seixas, a pessoa que me recomendou, pela primeira vez, que fosse comer ao Geadas, há mais de 20 anos. O seu entusiasmo constante pelo empreendimento da família Gonçalves faz com que eu saiba que, nesta hora, esta “estrela” é por ele sentida de forma muito particular.

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Michelin


Demorou alguns anos, deu bastante trabalho a algumas pessoas que nisso muito se empenharam, envolveu várias entidades, mas, finalmente, concretiza-se hoje: a Michelin organiza, pela primeira vez em Portugal, o lançamento do seu Guia anual para a península ibérica. Nele figuram todas as relevantes indicações de hotelaria e restauração, organizadas por localidades, com indicações dos principais restaurantes - incluindo aqueles a que a Michelin atribui as famosas “estrelas” ou que destaca com a marca de qualidade de “Bib Gourmand”.

Alguns irão dizer - já os estou a ouvir - que tudo isto tem pouca importância, que o impacto global sobre a nossa indústria de restauração não é significativo, que as “estrelas” da Michelin são irrelevantes. Talvez quem conhece melhor os temas do turismo e da promoção da imagem de Portugal possa falar com maior propriedade sobre os efeitos deste evento. 

Neste dia em que uma ideia se concretiza, deixo um abraço a duas pessoas que foram instrumentais nesta questão. Pessoas que, um dia, ao terem falado entre si, fizeram com que o que hoje acontece acabasse por ser possível. Espero não estar a revelar um segredo ao colocar aqui os seus nomes: Fortunato da Câmara, crítico gastronómico do “Expresso”, e Alberto Laplaine Guimarães, secretário-geral da Câmara Municipal de Lisboa e diretor da Academia Portuguesa de Gastronomia.

Missão impossível


Todas as gerações diplomáticas portuguesas foram habituadas a lidar com a máquina oficial britânica, principal e incontornável parceiro de Portugal nos últimos séculos. Pertenço àquela que assistiu a uma mudança muito significativa, quase diria que histórica: daquilo que chegou a ser uma dependência tutelar quase humilhante até uma forte autonomização da nossa capacidade decisória, derivada da adesão do nosso país às estruturas europeias, com a nossa opção por uma linha integracionista que, a partir de certo momento, passou a estar quase nos antípodas da orientação do parceiro na "velha aliança".

Durante os anos em que trabalhei em Londres, testemunhei momentos muito tensos na relação do Reino Unido com Bruxelas, violentos ataques às posições, tidas por centralistas, tituladas por Jacques Delors, chefe de uma Comissão Europeia que nunca deixou de ser a mais diabolizada das instituições. Vi os britânicos exultantes com o que consideraram ser uma imensa vitória no termo da negociação do Tratado de Maastricht, a sua rejeição da moeda única, o orgulhoso isolamento que a não aceitação de Schengen representou, entre outros "opt out" tidos por sucessos protetores do interesse de Londres.

Lidei com diplomatas e alguns políticos do Reino Unido ao longo de quatro décadas e, em todo esse período, adquiri duas certezas: os britânicos nunca abandonariam a sua condição de parceiro europeu fortemente relutante (afinal, foram mesmo mais longe do que isso), ao mesmo tempo que sempre trouxeram, para dentro da União, cujo funcionamento sustentadamente punham em causa, um profissionalismo de primeira água, ao nível do seu notável "civil service", com uma diplomacia que pedia meças a qualquer outro país. O Reino Unido sempre negociou bem, na sua peculiar perspetiva nacional, nos diferentes tempos da vida europeia, levando quase sempre, no essencial, a água ao seu moinho. Às vezes, é verdade, adotando posições que roçaram a perfídia e uma frieza cínica - talvez um revisitar do "Yes, Prime Minister" possa ser educativo.

Olhando o resultado bem pífio que o Governo britânico agora apresenta, no termo do penoso processo negocial com os "vinte e sete", não posso deixar de ter um pensamento de simpatia para com os diplomatas que nele estiveram envolvidos. Se uma diplomacia tão capaz como a britânica foi incapaz de produzir um resultado razoável, só podemos concluir que se tratava de uma missão impossível.