quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Na sopa

O jantar começou tarde, com muito boa disposição, como é típico dos ambientes africanos. Era uma mesa muito longa, bastante larga, que apenas permitia conversa com os parceiros do lado. À minha esquerda, estava uma senhora bem servida de carnes, uma figura política local. À direita, tinha um franzino alto funcionário, encarregado das questões da dívida pública desse país.

A conversa iniciou-se com este último, que elegi como alvo de curiosidade protocolar sobre a situação económica. Fi-lo, confesso, mais por não ter outro tema de conversa do que por interesse particular sobre os equilíbrios macro-económicos dessa antiga colónia de um poder europeu, situada na África central. Deixei-o explanar as dificuldades, disse duas ou três platitudes e, numa pausa, voltei-me para a volumosa vizinha da esquerda, com quem encetei uma breve troca de impressões.

Na sala, entretanto, as conversas ressoavam altas e bem animadas. Era uma visita oficial portuguesa e o chefe da nossa delegação, frequentemente macambúzio, estava nessa noite de boa onda. A certa altura, senti um toque no meu braço direito e voltei-me, de novo, para o meu vizinho. O seu fácies pareceu-me estranho, estava agora silencioso e, em segundos, vi a sua cabeça, sempre voltada para mim, descair e entrar, com lenta suavidade ... na sopa! Continuava a olhar-me, de lado, com ar vidrado e parte da cara submersa no "consommé". Não consegui ver se estava pálido, por óbvias razões...

Por um segundo, fiquei sem saber o que fazer. Desmaiado estava, pela certa. Mas teria o homem morrido? Atrapalhado, dei um toque na vizinha da esquerda, na esperança que tivesse uma solução de emergência, mas ela estava numa conversa galhofeira com um qualquer membro da nossa delegação e não se voltou. Fiz gestos de chamada para as pessoas em frente de mim, mas os espíritos continuavam altos e ninguém me ligou nada. Optei por me levantar, o que levou algumas pessoas a olhar-me e, rapidamente, a notar o estado esvaído do meu antigo interlocutor.

Foi então que uma rápida operação logística se desencadeou. Como se estivessem já preparados e sem denotar surpresa, apareceram do fundo da sala dois latagões, que retiraram o corpo do homem. De seguida, criados recolheram com rapidez o prato de sopa e limparam a área. Tudo foi feito com tal despacho que até parecia rotina. Um minuto depois, num gesto de inusitada normalidade, sentou-se ao meu lado uma outra figura local, sorridente, que logo pretendeu retomar conversa social, como se nada se tivesse passado, quase ignorando a minha preocupação com o estado de saúde do meu ex-vizinho. O resto da mesa, salvo, por instantes, alguns membros da delegação portuguesa que estavam mais próximos, continuou na anterior cavaqueira, "business as usual". 

O homem tinha tido um ataque epilético, vim depois a saber. Já era costume, tinha acontecido várias vezes, em ocasiões diversas, ninguém estranhou nada. Só eu é que, nessa noite, perdi por completo o apetite...

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Jorge Sampaio


Há dias, uma minha familiar que tem quase metade da idade de Jorge Sampaio dizia-se confortada e admirativa por ter encontrado, numa sua entrevista, uma linguagem ao mesmo tempo serena e determinada, uma abordagem bem realista dos problemas, a que, contudo, não faltava um empenhado sentimento de esperança no futuro. Fiquei a pensar nessa apreciação e só pude concluir que, uma vez mais, Jorge Sampaio se mantém igual a si próprio.

Sampaio é uma figura muito rara no cenário político português. Nunca o vi vacilar em matéria ética, nunca lhe notei nenhuma transigência em termos de observância dos princípios que a si próprio se impunha para estar na vida pública. Às vezes, surpreendi-me com a constatação de que convivia, com demasiada naturalidade, com o facto de outros não serem assim. Alguns viam nessa sua atitude uma certa condescendência, a implícita afirmação de uma superioridade moral. Não creio tratar-se disso. Sempre interpretei essa postura de Jorge Sampaio como a manifestação de uma saudável distância face àquilo a que os franceses chamam a “politique politicienne”, que entre nós se traduz lindamente por “política politiqueira”.

Acompanhei com atenção, primeiro a alguma distância, depois mais de perto, a vida cívica de Jorge Sampaio. Não o fiz por mera curiosidade, mas muito mais por, desde há muito, ter sido seduzido pela sua forma única de estar na praça política. Nem sempre estive de acordo com opções que tomou, critiquei escolhas que fez, mas, sem a menor hesitação, posso hoje dizer que me revejo largamente naquilo que soube construir, enquanto figura política. A decência (gosto muito da palavra e acho que se lhe aplica como a poucos) que imprimiu à sua forma de atuar soube granjear-lhe uma genuína admiração por parte de gente de quadrantes muito diversos, às vezes contrastantes. Estou certo que História ser-lhe-á justa, tanto mais que se há uma marca que se lhe cola, desde sempre e para sempre, à imagem essa é a de um apurado sentido de serviço público, feito de uma dedicação permanente à causa da democracia e da solidariedade coletiva. A geração a que pertenço, como já um dia escrevi, fica a dever-lhe um raro legado de ética e integridade política.

Jorge Sampaio faz hoje 80 anos. Há, respetivamente, dez e 20 anos, tive o gosto de estar com ele, neste dia, com muitos dos seus amigos, alguns que o tempo entretanto levou e que sei que muita falta lhe fazem. Não o posso fazer hoje, mas quis deixar-lhe aqui um testemunho público muito sincero de grande amizade e respeito.

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Calem-nos, por favor!


“Vou estar num jantar com o Rui Moreira e o Souto Moura!”. A “piquena” afadigava-se, há duas horas, à saída de Lisboa, no Alfa Pendular, para que toda a gente tivesse conhecimento do serão de personalidades que, chegada ao Porto, a aguarda. Depois, mudou para espanhol e lá a ouvimos em tratações, na língua de Messi e Cervantes, com uma amigalhaça qualquer, durante um bom quarto de hora.

Agora, ao meu lado, um executivo de uma PME ou de uma “start-up” (ou“down”) explica longamente a um interlocutor, em voz altíssima, como deve “pôr a coisa no site” e onde está a chave da garagem. O outro, do lado de lá, parece pouco esclarecido, tantas são as vezes que este meu vizinho repete as instruções. (Eu fiquei a saber tudo).

Não se pode calar esta gente? A CP não pode colocar uns letreiros informando que os passageiros não devem fazer chamadas telefónicas dentro das carruagens (ou, se as têm imperativamente de fazer, fazê-las em voz baixa, sem obrigarem os outros a ouvirem as suas conversas), incomodando quem viaja, lê ou, simplesmente, quer aproveitar a viagem para descansar?

Nos “Bilhetes de Colares”, a mãe de A.B. Kotter, com a sua snobeira anglo-saxónica, referindo-se aos portugueses sem maneiras, dizia que “nem cem anos farão disto gente”. Não vou tão longe, mas lá que demora tempo, lá isso demora!

O “rollsbeef”


Neste dia em que a Universidade de Coimbra anuncia a proibição da carne de vaca nas suas cantinas, quero aqui fazer, em jeito de desagravo, uma modesta mas muito sincera homenagem ao Café de São Bento, onde, desde há muito, se serve o “rollsbeef” de Lisboa.

As vindimas

O debate de ontem, entre António Costa e Rui Rio, foi interessante. Entre os dois homens passa uma corrente de simpatia pessoal, com certeza fruto do tempo em que ambos lideravam as duas mais importantes autarquias portuguesas.

Rio partiu para este debate sob a ameaça de um resultado catastrófico, como todas as sondagens apontam, no dia 6 de outubro. As expetativas eram, assim, muito más e foi “contra elas” que a sua prestação foi avaliada. E, nesse registo, ficou aprovado. Rio tem um estilo curioso, fala das coisas muitas vezes com a linguagem do cidadão comum, desprezando algum rigor, mesmo terminológico. Apenas na economia procura alguma precisão. O aspeto mais sedutor da sua mensagem é dado pela sinceridade que transmite, a ideia de que, perante um argumento convincente do outro lado, não terá pejo em concordar. Há uma autenticidade desarmante em muito daquilo que diz, muito rara na política “tribal” que por cá se instalou. Veja-se a sua indignação sobre os “julgamentos na praça pública” e os ataques à magistratura - temas que sabe que desagradam à direita e a muita imprensa, mas que ele insiste em abordar, porque claramente acredita naquilo que afirma.

Percebe-se que Costa tem alguma dificuldade em debater com Rio. Não porque não seja capaz: Costa é muito melhor preparado politicamente do que Rio e ser-lhe-ia fácil desestabilizá-lo, tornando-o “irritadiço”, retirando-lhe a bonomia que lhe dá alguma graça, obrigando-o a uma postura defensiva, que explorasse ainda mais as suas múltiplas contradições. Porém, taticamente, não convém a Costa partir para o ataque contra o líder do PSD, porquanto a sua vitória far-se-á precisamente com o voto de muitos de quantos, no passado, votaram no PSD e cujo campo não convém hostilizar excessivamente. Costa sabe que, para ter uma maioria absoluta, tem de ter muito eleitor conservador consigo. Por isso, porque o primeiro-ministro quer transmitir uma imagem “mainstream”, começou por atacar o Bloco, distanciando-se do seu radicalismo, sabendo que o BE é a “bête noire” da direita. A defesa que agora faz dos juízes é, como antes se dizia, “de fazer chorar as pedras da calçada”... Muitos dentro do PS terão ontem ficado mais ao lado da indignação de Rio sobre a ”justiça na rua” e muito menos do silêncio na matéria do secretário-geral socialista - silêncio esse que deve ter sido ressentido e ecoado na Ericeira. Se a isso somarmos as reiteradas proclamações sobre o rigor orçamental, está feito um “pacote” que soa a música celestial nos ouvidos conservadores. Já só falta Centeno aparecer na campanha...

Rio ganhou e Costa perdeu? Rio melhorou e Costa estabilizou. Alguns indecisos, se, no dia 6, ainda se lembrarem do debate de ontem e se, no decurso da campanha, Rio não “estragar” tudo, podem optar por vir a votar PSD. Assim, um evidente “derrotado” do debate de ontem é Santana Lopes, que estava a ser o “muro das lamentações” de muitos PSDs que andavam desiludidos com a “performance” do líder e que ontem podem ter sido convencidos a voltar ao redil. Menos seduzível será a ala passista, que agora se sente atraída pelo radicalismo de direita caceteira e liberal, mas que parece irrecuperável por Rio.

Começo a ficar com a convicção de que Rui Rio, se fizer uma boa campanha e tiver um resultado não inferior a 25% pode conseguir manter-se à frente do PSD. Provavelmente, nesse cenário, o PS não teria uma maioria absoluta, o que seria uma má notícia para Costa. A compensação, também para ele, seria a muito boa notícia da continuidade de Rio.

Até ao lavar dos cestos são as vindimas? É verdade e esta é a época delas.

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

António Arnaut



Conheci-o na Noruega, há quatro décadas, numa delegação parlamentar, que ele chefiava. Eu estava encarregado de negócios, na ausência do embaixador. Fui esperar a delegação ao aeroporto e levei-a ao hotel.

Notei que António Arnaut era um homem muito educado, coimbrão na forma, voz forte e inconfundível. Ele não tinha de saber quem eu era e, pela formalidade que começou por usar no seu trato para comigo, fiquei com a sensação de que via em mim uma certa imagem que, pelo menos à época, se colava muito aos quadros das Necessidades.

No almoço do dia seguinte, oferecido pelos noruegueses, ficámos lado a lado, na mesa da nossa delegação. Na conversa, falou-se de muitas coisas mas, a certo passo, veio à baila, entre os deputados portugueses presentes, nem sei bem a que propósito, a reunião da Oposição Democrática que, em 1969, tivera lugar em S. Pedro de Muel. Arnault era o único, de entre eles, que havia estado presente nessa histórica ocasião.

Num determinado momento, Arnaut contou uma cena ocorrida numa das sessões dessa reunião, que identificou como tendo sido presidida por Vasco da Gama Fernandes. Eu permiti-me corrigir: “Tenho ideia que era o José Vareda quem estava a chefiar a sessão, nessa altura. Mas posso estar enganado e a memória trair-me”.

Ainda estou a ver os olhos de Arnaut, por detrás daqueles óculos, arregalarem-se, olhando-me, verdadeiramente, pela primeira vez! Afinal, o jovem diplomata português que, interinamente, chefiava a embaixada em Oslo não era um daqueles “eunucos políticos” que, na visão simplificada de muita gente, o MNE produzia em abundância. A curiosidade ou a cerimónia dos outros deputados não foi suficiente para perguntarem a razão pela qual eu tinha partilhado com Arnaut aquela experiência.

Notei que António Arnaut também teve o cuidado de não ir mais longe, à mesa, na exploração da cumplicidade política potencial que o meu comentário lhe suscitara. Afinal, a delegação parlamentar que chefiava era multipartidária e viviam-se os tempos do governo AD. Mas a simpatia com que, a partir daí, nesse almoço, passou a tratar-me foi muito evidente. À despedida, o nosso aperto de mão foi muito mais caloroso.

A vida fez-me cruzar bastantes mais vezes com António Arnaut, que morreu no ano passado. Um homem que conseguiu concretizar o sonho do Serviço Nacional de Saúde, uma das grandes conquistas da Revolução de Abril, cuja criação agora se comemora.


domingo, 15 de setembro de 2019

Campanha

Ainda não percebi: aqueles que, olhando para os resultados prováveis das eleições proclamam, bisonhos e ácidos, “temos aquilo que merecemos!” não deviam, afinal, estar radiantes com o facto de, pelos vistos, lhes estar a ser feita justiça? Mas não, parece que andam por aí macambúzios...

O leitor de jornais


Alguém me perguntava, ontem, sobre como decorre uma das provas de entrada no Ministério dos Negócios Estrangeiros, que no passado se chamava “de apresentação” e que agora me dizem que tem outra designação, que não fixei.

Expliquei que consistia numa conversa, de 15 a 20 minutos, com cada candidato. Três diplomatas "seniores" fazem parte desse painel, que entabula uma conversa variada com o pretendente à admissão, tentando saber um pouco dos seus interesses culturais e de vida, ao mesmo tempo que se afere a sua capacidade de expressão. Períodos houve em que uma parte da conversa se passava em francês ou inglês, à escolha do candidato.

Confesso que achei sempre essa prova um dos momentos de verdade da admissão à carreira diplomática: dela não se percebe se o candidato vai ser ou não um bom diplomata, mas deduz-se de imediato se ele é totalmente não-dotado para a profissão. Dizem-me que a prova, agora, é a última dos concurso e que se passa exclusivamente em português. Mas o objetivo do exercício continua basicamente o mesmo.

No decorrer da conversa de ontem, lembrei-me de uma história divertida, passada num concurso de admissão, nos anos 90, de cujo júri eu fazia parte.

Num dos dias, um dos jovens candidatos quis "dar-se ares" e, ao ser perguntado por mim se seguia a política internacional, adiantou, com grande firmeza: "Há vários anos que acompanho a imprensa internacional. Todos os dias leio o 'Libération'". 

Confesso que fiquei espantado! Se tivesse dito o "Le Monde", o então “International Herald Tribune" ou mesmo o "Financial Times", era mais plausível. O "Libération", contudo, era um jornal que chegava a Portugal em quantidade muito limitada e era "obra" tê-lo como de leitura diária. Eu lia-o apenas esporadicamente.

Decidi testar o rapaz: "Isso é muito interessante! Então você lê regularmente o "Libération"?! Nesse caso, talvez me possa dar a sua opinião sobre a reforma gráfica pela qual o jornal passou no último mês. Até deve lembrar-se, com certeza, do editorial da semana passada, no qual o diretor, o Serge July avaliava esse esforço de auto-reconversão do jornal".

O nosso candidato embatucou, mas apenas por uns instantes. Com jeito e artes para não cair em contradições, lá disse umas coisas que, revelando ter uma vaga ideia do "Libération", demonstraram agilidade de raciocínio e capacidade de improviso. E, por isso, passou.

Anos mais tarde, encontrei-o num corredor das Necessidades, já ocupando um lugar de chefia no MNE, e perguntei-lhe: "Então! Continua a ler o "Libération"?". Ambos demos uma boas gargalhadas.  Hoje já é embaixador!

sábado, 14 de setembro de 2019

Uma aula de geografia?


York House


Foi sempre uma “ilha” em Lisboa. A York House, durante muitos anos, era um hotel diferente, na rua das Janelas Verdes. Por lá se hospedaram amigos estrangeiros que, na capital portuguesa, pretendiam fugir ao óbvio. Muitos ingleses, claro. Também ali ficaram, por épocas, alguns portugueses “estrangeirados”, retornados a Portugal, seduzidos pelo atipicismo do lugar ou talvez por lhes parecer que ali “cheirava a estrangeiro”. Certa gente do Norte, com dinheiro e gosto, encontrou também ali o seu pouso: foi na York House que Sá Carneiro inicialmente se instalou, quando recém-chegado a Lisboa. Alguns outros governantes embarcados em Campanhã seguiram-lhe o exemplo.

A “minha” York House era outra, era a do pátio da casa principal, ao ar livre, no Verão, para almoço, ou ao final da tarde, para um copo discreto no bar, que se trazia para os bancos exteriores. Foram dezenas as vezes que por ali parei. Nesse tempo, em que a variedade da oferta restaurativa não era o que hoje é, pelo restaurante da York House (que nunca ninguém conheceu pelo seu nome, “A Confraria”) passou meia Lisboa - política, jornalística, artística, social. E diplomática, claro. Se não se cuidava em fazer atempada reserva, a subida daquela penosa escadaria podia muitas vezes acabar por ser debalde, até porque a poucos passava pela cabeça ir comer “lá para dentro”, para a parte interior da casa, uma área onde me recordo que só se jantava, num ambiente pouco apelativo, que nunca deixou de ser algo incaraterístico.

Dizem-me que a York House, há uns anos, foi comprada por franceses. E que muita coisa mudou. Ontem, numa noite soberba de Lisboa, sem vento e de bela temperatura, lembrei-me de lá voltar para jantar, naquele pátio imbatível.

O restaurante parece estar agora voltado “para dentro”, dedicado aos hóspedes que alugam os quartos. Os portugueses, ao que julgo saber, pouco por ali já vão, tanto mais que, ao almoço, a vista para o guindaste e para o que deve ser a incomodativa obra vizinha não deve estimular muito as conversas. Nota-se, aliás, que alguma elegância do passado, que caraterizava o lugar, já se perdeu um pouco: a frequência parece ser hoje a da Lisboa turística, para francês da classe média, em que a cidade se está a converter.

Contudo, feitas as contas, somando o ambiente que continua único, reservado e acolhedor, com a simpatia do pessoal e a apreciável qualidade da comida, com um preço razoável, gostei de regressar à York House.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

A tragédia do CDS


Ver hoje, em algumas sondagens, o CDS com intenções de voto inferiores às do PAN é algo que não deixa de me impressionar historicamente, confesso.

O CDS é uma estrutura de representação política que, a partir de 1974, deu acolhimento democrático a muitos conservadores, a maioria dos quais tinham com o 25 de abril uma relação menos entusiástica - e isto é, obviamente, um irónico “understatement". 

Os núcleos do CDS surgiram, mais ou menos a medo, pelo país, perseguidos por uma esquerda que os via como encapotados saudosistas da ditadura e desprezados por uma direita mais radical, que quase os apodava de colaboracionistas com a nova situação. Tiveram menos arte do que o então PPD, na captação das redes do marcelismo, não integraram os primeiros governos provisórios, e tudo isso marcou decisivamente o seu futuro, nomeadamente em termos de poder autárquico, com forte impacto na limitação da sua expressão nacional.

Não deve ter sido fácil "ser CDS" por esses tempos, tanto mais que, à sua imediata esquerda, nascia um partido que, com o andar da vida política em democracia, apareceu a muitos conservadores mais pragmáticos como aquele que melhor garantiria uma fatia imediata de acesso ao poder político - o então PPD. Para este, a existência do CDS era uma bênção, porque assim assegurava que passava a existir uma estrutura à sua direita, que o afastava um pouco desse setor diabolizado do espetro político. Em saldo, e a meu ver, o país ficou a dever ao CDS, por esse tempo, um importante serviço democrático.

O CDS foi sempre um partido de um líder. De início, foi Freitas do Amaral que o titulou, com aquele ar cinquentão de quem tinha uma pose de Estado e apenas trinta e poucos anos de idade. Ao seu lado, como inteligência estratégica, sobressaía Amaro da Costa - que a trágica desaparição em 1980 converteu num eterno mito partidário. É curioso notar que Freitas do Amaral não conseguiu fixar, na história interna do CDS, o lugar afetivo que a sua liderança inicial justificaria. Porquê? Porque, a partir de certa altura, cavalgando ambições próprias, decidiu "fazer pela vida" e iniciou um "never-ended" percurso zigzaguiante de alianças, que deixou aturdidos os observadores políticos e deve ter colocado à beira de um ataque de nervos os seus seguidores originais. Ele, porém, não vê as coisas assim, como o seu recente livro de memórias uma vez mais revela.

Toda a história do CDS é o drama de uma formação que, pela natureza da sua alegada matriz política original, democrata-cristã, internacionalmente relevante ao tempo, se pressentia vocacionada para a partilha uma fatia do poder democrático, mas que começou a ter a consciência de que só minoritariamente a ele poderia ter acesso, por razões que se prendem com a inultrapassável natureza do sistema nacional de representação política. 

O CDS nunca foi um partido desejado pelos seus coligados (sejam eles o PSD ou, episodicamente, o PS): esses partidos apenas o aceitam porque necessitam do CDS para arredondar as suas maiorias. E, quando colocados nesse contexto, essoutros partidos têm depois de sofrer o imperioso e natural tropismo do CDS querer afirmar uma identidade programática específica. Porque o CDS sabe que, se acaso se subsumir excessivamente numa maioria que nunca liderará, perderá o seu eleitorado próprio. Por isso, sente-se sempre obrigado a fazer recorrentemente prova de vida ideológica, seja ela o que for.

Quem é que vai hoje para o CDS? Não sei bem. Durante muito tempo, "ser do CDS" estava para a política como ser do Belenenses estava para o futebol, tirando uns teimosos abastados rurais, comerciantes, pequenos industriais e profissionais liberais de província que se estavam nas tintas para o Estado e que tinham a graça de não temerem ser apelidados de "fachos". E, claro, nos tempos pós-Revolução, muitos “retornados” de África ali acolheram as mágoas. Noutras geografias, da Lapa a Nevogilde, era mesmo "bem" ser do CDS, embora se soubesse que o caminho fácil para um conservador ter um futuro político estava mais no PSD.

Ora o PSD é uma formação que, nos dias de hoje, a maioria dos "centristas" (uso a expressão por mera identificação) despreza e apenas tolera, porque a consideram movida, no essencial, por uma filosofia oportunista de ascensão ao poder a todo o custo. É, contudo, a "locomotiva" natural no seu cíclico caminho de partilha desse mesmo poder... Já o PS é, por muita gente do CDS, considerado um partido que disfarça bem uma ambição apenas simétrica à do PSD, encadernando-a com uma ideologia que vende como "social", mas, na realidade, é gente que venera o Estado para melhor viver à mesa do orçamento, com a arrogância acrescida de quem se acha "proprietário" de abril. Quanto ao PCP, bem, para o CSD são "comunas" e isso diz tudo...

Durante muitos anos, praticamente ninguém entrava para o CDS para fazer uma carreira política ou obter grandes benesses por essa via - da mesma maneira que ninguém vai para sócio do Belenenses para ganhar um campeonato. Pelo contrário: muita gente que aderia ao CDS levava já consigo uma carreira e um perfil público que ajudava à imagem do partido, raramente esperando que fosse o partido a ajudá-los. O CDS urbano era um partido de elites, de famílias, com um toque religioso à mistura, para adubar a sua origem ideológica. Um partido de bons “adresses”...

Essa sua matriz específica, que politicamente pouco retribuía, fez com que, ao longo dos tempos, o CDS fosse quase sempre o partido dos amigos do líder da ocasião, que acabava por ser quem "puxava" pelo CDS e, com maior ou menor sorte, lhe dava força eleitoral - desde os tempos do "táxi" a bancadas mais fartas. Eram também esses chefes quem determinava a linha ideológica, por isso muitas vezes errática, num moldável "template" conservador - foi anti-europeísta e soberanista para mais tarde desembocar num quase-federalismo europeu, chegou a ser liberal para depois se refugiar em opções que relevam de um "gaullisme" à moda do Caldas, com toques de "poujadisme". Paulo Portas foi a cara desse CDS mutante, sendo que nunca achei apenas casual o acrescento do PP ao nome do partido... 

A pertença ao governo da “troika”, em que o CDS teve um papel relevante, embora polémico no equilíbrio da própria direita, acabou por ter efeitos trágicos no partido. No refluxo dessa experiência, que o PSD também está a pagar, o CSD acabou por ficar com uma liderança “modernaça”, feminina, que parecia poder abrir um tempo novo. Porém, enganou-se totalmente no registo que projetou: foi errática na mensagem, “caceteira” no modo, roçou o populismo, chegou a afirmar despropositadas ambições de liderança da direita. Agora, com o risco acrescido de ver desgastados os seus votos por grupúsculos com agendas sectoriais oportunistas, o CSD parece destinado a vir a ter um dos piores resultados da sua conturbada história.

O riso de Costa



Quem tem alguma memória da vida política portuguesa lembrar-se-á de, um dia, ter ouvido alguém dizer que sabia que iria acabar por ser primeiro-ministro, só não sabia quando. Na atual conjuntura, António Costa pode afirmar, com toda a segurança, que irá ser de novo primeiro-ministro, apenas não sabendo “por quantos” a sua vitória se expressará.

Na história da nossa democracia, raramente um resultado eleitoral terá sido tão pré-anunciado e tão pouco contestado a nível de previsões. De facto, a expetativa de uma vitória eleitoral socialista é hoje tão forte no sentimento coletivo que qualquer resultado que fique abaixo da maioria absoluta vai mesmo, com toda a certeza, acabar por ser visto como uma “derrota” do PS.

Alguém notava, há dias, que, pela primeira vez, desde há muitos anos, os tradicionais apoiantes do PSD e do CDS sabem, de ciência certa, que os votos conjugados dos deputados que vierem a ser eleitos por esses dois partidos nunca irão ser suficientes para os levar ao governo. Assim, quem vier a votar PSD ou CDS já percebeu que vai continuar a ser oposição. 

Por outro lado, o “fond de commerce” tradicional da direita, as “contas certas”, habitual arma de arremesso contra o “despesismo” socialista, parece ter deixado de ter a menor validade: o anterior governo do PS fez, nestes quatro anos, nesse domínio, exatamente aquilo que a direita disse que ia fazer - respeitar os compromissos europeus em matéria de objetivos macro-económicos. Escorado nesse património, o que o PS anuncia que se propõe manter no próximo futuro é exatamente o mesmo que a direita pode dizer que também faria. Desta forma, os socialistas, não apenas “raptaram” o discurso da direita, como deram razões a muita gente desse setor, em face do que fizeram, para confiar neles.

Sente-se, assim, que muitos votantes tradicionais da direita, aqueles que são pragmáticos e não cultores de uma agenda ideológica obsessiva, começam mesmo a acolher a teoria da “bondade” de uma maioria absoluta do PS. Vê-se isso bastante em meios empresariais. Porquê? Porque, sendo inevitável que António Costa se mantenha como primeiro-ministro, então - podem pensar - talvez valha a pena dar-lhe toda a responsabilidade, evitando que, na sua ação futura, ele possa vir a ter algumas derivas “esquerdistas”, que pudessem ser justificadas pela sua dependência dos parceiros da anterior Geringonça.

Com uma oposição de direita destroçada, que contra-poder ao PS passará a existir no terreno? perguntar-se-ão muitos. O presidente da República. Estando em absoluto excluído que PSD e CDS possam vir a formar governo, a “esperança” no equilíbrio do sistema passa a residir, para alguns, quase exclusivamente, no chefe do Estado. Sabe-se que, na direita, Marcelo não faz hoje a unanimidade mas, na atual conjuntura, perante o inevitável, mesmo para quantos não apreciam excessivamente a sua ação, ele representa o único instrumento disponível para “controlar” um novo governo socialista. 

É também perante este cenário de derrota anunciada que algumas pessoas desse eleitorado tradicional do PSD e do CDS podem sentir-se tentadas a dar o seu voto, numa opção “experimentalista” e quase lúdica, a minúsculas formações de direita recentemente emergidas, politicamente oportunistas da crise daqueles partidos tradicionais. Elas vão desde o populismo filofascista, com laivos xenófobos e racistas, até uma espécie de “bonapartismo” tardio, personalizado em figuras em decadência política, passando por uma direita radical, tipo “alt right”, por cá travestida de liberal. 

Os socialistas só esperam para poderem agradecer a quem se sinta tentado a ir votar nessas formações residuais: não lhes causam a menor mossa política na sua garantida maioria (absoluta ou não) e esse ato retira votos que, normalmente, seriam do PSD ou do CDS. No caso dos social-democratas, em alguns círculos eleitorais mais pequenos, essa opção de voto por formações minúsculas pode mesmo vir a “oferecer” alguns deputados ao PS, na tal fronteira da maioria absoluta. 

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Carlos Moedas


Conheci Carlos Moedas em Paris, quando aí foi com Passos Coelho para contactos com setores políticos portugueses e franceses, ainda antes da coligação PSD/CDS ter ganho as eleições legislativas de 2011. Voltei a cruzá-lo com frequência nos anos seguintes, já como secretário de Estado do novo governo.

Um dia de 2012, numa das suas idas a França, onde eu era então embaixador, sugeri-lhe um contacto com Jacques de Larosière, uma reputada personalidade do mundo político-económico francês.

Larosière havia sido governador do Banco de França e do Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento, além de presidente do FMI. Tinha sido recente responsável por um importante relatório solicitado pela Comissão Europeia. Era, à época como ainda é hoje, aos 90 anos, consultor do BNP - Paribas. Tinha tido com ele vários contactos, tendo notado o cuidado com que acompanhava a situação portuguesa, pelo que achei útil que Moedas o ouvisse, na leitura (crítica) que ele fazia da implementação do programa da “troika”.

A conversa entre os dois decorreu na embaixada, durante bem mais de uma hora. Limitei-me a assistir, constatando o que já sabia ser a considerável diferença de perspetivas entre Larosière e Moedas, isto é, o governo português. Carlos Moedas, engenheiro de formação, tirara o seu curso em França, na prestigiada escola de “Ponts et Chaussées”, pelo que falava muito bem a língua francesa, o que facilitou muito a interlocução entre os dois.


No fim da conversa, acompanhei Larosière até ao carro. Foi então que, pelo caminho, lhe ouvi isto: “Este encontro foi muito interessante. Foi para mim um grande gosto conhecer o vosso ministro (os governantes, em França, são sempre tratados por ministros, qualquer que seja o seu grau, mantendo o título social para toda a vida). Quero dizer-lhe que muito raramente tenho encontrado uma pessoa tecnicamente tão bem preparada, no desempenho de uma função política desta natureza. É muito difícil, na vida pública francesa, deparar com figuras políticas que revelem esta capacidade e preparação. Mas, como terá reparado e já sabia pelas nossas conversas anteriores, eu acho que o vosso brilhante ministro, e o governo que ele representa, seguem um caminho errado e que algumas das medidas que tomam não vão dar os resultados que eles preveem. Mas, uma vez mais, digo-lhe: é uma figura de grande qualidade. Fiquei impressionado.”

Ao início da manhã de hoje, contei publicamente esta história, a anteceder uma apresentação feita por Carlos Moedas a empresários portugueses. E não deixei de recordar algo que todos sabemos: nos últimos cinco anos, Carlos Moedas foi um excelente comissário europeu, dando grande visibilidade à sua pasta e tendo, em permanência, cooperado lealmente com as autoridades portuguesas, como o próprio governo tem destacado .

Os trabalhos de Elisa


Elisa Ferreira recebeu, na Comissão Europeia, uma pasta que, a meu ver, corresponde exatamente àquilo que António Costa desejava para o comissário indicado por Lisboa. 

Tendo ficado evidente, desde há muito, que Mário Centeno não tinha hipóteses de obter uma vice-presidência na área financeira - cenário ideal para Portugal, por razões que creio desnecessário explicar -, o “next best” realista para Costa era, claramente, uma pasta desta natureza.

A visibilidade de António Costa no processo de distribuição dos principais cargos europeus, com um nível de influência que, no passado, nenhum primeiro ministro português havia conseguido atingir (o caso Barroso, em 2004, tem contornos que não se ligam à sua nacionalidade de origem), só não teve consequências mais relevantes porque, ao final do dia, os socialistas europeus tiveram de ceder nas suas ambições, em face da força demonstrada pelos conservadores. 

Ao ter que se vergar perante este imperativo, Costa terá conseguido, no entanto, assegurar a temática central que sempre pretendeu, nesse “plano B”, que ficasse sob a tutela do comissário a indicar por Lisboa. 

Nesse contexto, Pedro Marques era a hipótese óbvia e quase pré-anunciada, mas o imperativo da paridade obrigou a fazer avançar Elisa Ferreira, cuja experiência naquela área técnica é similar à de Marques, mas cujo perfil, político e europeu, é incomparavelmente maior e mais sólido.

Achar que seria plausível, como reclamaram alguns maximalistas de cátedra, ter podido obter uma vice-presidência para Elisa Ferreira é um reflexo de insensatez, de quem não sabe “ler” os equilíbrios - políticos, geográficos e outros - que sempre têm de estar presentes num arranjo final desta natureza.

Alguns perguntarão: a pasta atribuída a Elisa Ferreira é importante para Portugal? 

Não sou minimamente sensível à ideia de que, com os fundos estruturais “na mão” de Elisa Ferreira (embora a sua pasta vá bem para além disso), Portugal possa vir a obter diretas vantagens. Se a comissária indicada por Portugal tivesse a tentação de favorecer o seu país de origem, ”suicidar-se-ia” de imediato no seio da Comissão.

Mas sou muito favorável à ideia de que uma comissária de nacionalidade portuguesa pode ter um papel decisivo na preservação da “política de coesão”, de que os “fundos estruturais” são o instrumento essencial, no eixo das grandes políticas europeias. E isso é de um (imenso) interesse para Portugal.

Reitero, assim, o que escrevi num artigo que publiquei em 28 de agosto:

Uma visão antiga e ingénua é a de que, a um país, interessa que ao comissário que indicou seja atribuída na Comissão uma "pasta" que corresponda especificamente aos seus interesses nacionais mais relevantes. Se essa perspetiva egoísta pode funcionar, às vezes, para os maiores Estados, é uma completa falácia no que toca aos restantes. Pela experiência de observação da vida europeia nas últimas três décadas, um comissário torna-se relevante quando, pela sua qualidade, consegue ganhar poder de influência pessoal no seio do colégio de comissários e a quem, pela horizontalidade do seu pelouro, os outros sejam obrigados a recorrer com frequência.

É esse o desafio - explorar a transversalidade da pasta e ganhar peso no seio da Comissão - que Elisa Ferreira vai ter pela frente.

Conhecendo-a, estou totalmente seguro de que vai levar a cabo a sua tarefa com grande eficácia e com efeitos de forte prestígio para Portugal.

(A imagem que escolhi para ilustrar este texto não é casual. Não “bebo do fino”, não tenho nenhuma informação privilegiada. Limito-me a “espreitar” e interpretar o que vou vendo, à luz do que penso.)

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Traduzir Portugal


Um grupo de embaixadores estrangeiros, acreditados em Portugal, teve hoje a amabilidade de me convidar para, durante um almoço, lhes falar da situação política no nosso país, a escassas semanas das eleições, bem como da minha visão sobre os atuais equilíbrios na Europa, depois do último sufrágio para o Parlamento Europeu e no início de uma nova Comissão.

Para mim, tratou-se de um exercício muito interessante, porquanto, nas suas múltiplas e bem informadas perguntas, estavam projetadas as principais interrogações de quem nos olha de fora. Tentar responder a essas questões, centradas no que verdadeiramente interessa às chancelarias estrangeiras, é sempre um desafio curioso.

Na minha experiência lá por fora, constatei que os diplomatas estrangeiros são capazes, muitas vezes, de olhar as realidades dos países em que estão acreditados sob prismas que escapam aos cidadãos nacionais, porque sublinham aspetos que não fazem parte das prioridades destes. No diálogo que hoje acabo de ter, isso mesmo se confirmou, mais uma vez.

Terei sido útil para os meus interlocutores? Espero que sim, embora muitas vezes, quando falamos de coisas sobre as quais julgamos ter bastante informação, sejamos tentados a entrar num detalhe que se torna irrelevante para quem apenas quer desenhar um quadro geral, o qual, contudo, nem por ser simples deve deixar de ser rigoroso. 

O adeus a Bolton


John Bolton foi a terceira escolha de Donald Trump para Conselheiro de Segurança Nacional, depois de Flynn cair em desgraça pela “Russisn connection” e do rigor de McMaster ter feito perder a paciência ao presidente. Bolton era um conhecido radical em política externa, descrente na diplomacia e fervoroso adepto dos modelos de “regime change”, advogando que o caso líbio servisse de exemplo para a Coreia do Norte e o Irão. 

Muitos se recordam dos seus “infamous” tempos como representante permanente na ONU, de onde saiu com fama de doido. Temeu-se o pior, quando ele entrou na Casa Branca. Pensava-se que, com ele junto do ouvido de Trump (que sempre disse que o pior de Bolton era o seu farfalhudo bigode), o Departamento de Estado (o MNE americano) iria perder ainda mais peso, tanto mais que o presidente vivia crescentemente irritado com a gestão de Tillerson à frente da diplomacia americana.

Trump, contudo, já deu mostras de ser menos belicoso, na prática, do que o seu discurso jingoísta pode fazer pressupor. A prova é que Bolton não só o não convenceu a derrubar Kim Jong-Un como, ao que parece, o presidente começaria a estar cansado dos seus constantes conselhos para enveredar por uma resposta bélica no caso do Irão. Veio entretanto a constatar-se que a chegada de Mike Pompeo ao Departamento de Estado, depois da saída de Tillerson, acabou por reforçar o papel desta estrutura governamental na balança interna de poderes, tendo resultado num forte recuo da influência de Bolton (que, na passada semana, já tinha sido privado de acesso a certa documentação diplomática sensível). Em certos meios americanos, há hoje a convicção de que Trump se sente com uma crescente auto-confiança no terreno internacional, pelo que necessita menos de conceptualizadores (como Bolton) e mais de “implementadores” (como Pompeo).

Semanas antes de Bolton ter entrado para a Casa Branca, tive o ensejo de o ouvir numa conferência em Kiev, na Ucrânia, onde tirei esta fotografia. Ele assumia, na altura, um discurso equívoco sobre a Rússia, que me recordo que não agradou aos ucranianos. Ao ouvi-lo falar daquela maneira, ficou para mim claro que já estava a fazer uma aproximação sedutora a Trump, que então seguia na sua “lua de mel” com Putin, ainda antes de Muller vir a assediá-lo judicialmente. 

Bolton viria a conseguir, de facto, o lugar de McMaster, mas o seu tropismo de “neocon” terá agora sido demasiado para a paciência de Trump.

A crise dos rituais


Imagino que poucos leitores terão tido paciência para acompanhar, na madrugada de segunda para terça feira, a singular coreografia da cerimónia que consagrou o encerramento do parlamento britânico, imposto pelo primeiro-ministro Boris Johnson.

Durante o desenrolar do protocolo daquela cerimónia, houve um momento que me pareceu revelador: à chegada do representante da Câmara dos Lordes aos Comuns, em farda própria e em passo muito estudado, foram visíveis e audíveis risotas e gargalhadas por parte de muitos parlamentares, numa cena impensável há alguns anos. 

Ficou a sensação de que todo aquele gongórico aparato, feito de algum exagero no sublinhar dos rituais, pode estar já menos conforme com o “ar do tempo”. Mais do que isso: resultou a ideia de que existe um setor da classe política - seguramente correspondente a áreas homólogas na opinião pública - que já não está disposto a respeitar alguma dessa liturgia.

Minutos depois, quando os Comuns se deslocaram em procissão até aos Lordes, e nessa câmara foi lido, em nome da rainha, um discurso sem a menor substância relevante, preparado pelo governo, com a soberana a ser, no meio de tudo aquilo, um mero “carimbo” formal, era visível, na cara de todos os presentes a esse “teatro”, um sentimento de alguma distância face à “peça” em cena.

Os rituais não existem por si próprios: consagram um entendimento coletivo que serve de esqueleto formal às instituições. Todos eles, se olhados singularmente, podem quase sempre ser lidos numa perspetiva ridícula. O que os sustenta, o que lhes está subjacente, é o respeito às instituições que encarnam. Quando alguém se ri de um ritual, ri-se da própria instituição. 

Não quero, com esta leitura, deixar a ideia de que a monarquia britânica está em inevitável crise. Mas parece-me evidente que a circunstância de, sem qualquer escândalo, a sua liturgia começar a ser desrespeitada é um sinal claro de que as coisas já não são o que eram. E talvez importe perceber porquê.

O mundo parece surpreendido com o facto do fundamentalismo anti-europeu poder estar a abalar um sistema democrático que era tido por exemplar. É, aliás, sintomático que seja um partido dito conservador a titular essa mesma agressão, de que a insólita suspensão do parlamento é o ato mais evidente. Ora isso não pode deixar de ter consequências no modo como muitos britânicos passarão olhar, no futuro, as suas instituições. A monarquia, e a sua provada irrelevância neste grave contexto, pode vir a sofrer bastante com isso.

terça-feira, 10 de setembro de 2019

André Gonçalves Pereira


André Gonçalves Pereira, que ontem morreu, com 83 anos, foi, por algum tempo, Ministro dos Negócios Estrangeiros, num governo presidido por Francisco Pinto Balsemão. O país ficou sempre com a sensação de que não terá gostado muito dessa sua curta experiência política.

Para mim, que nunca o cruzara pessoalmente, ele foi, por muitos anos, apenas uma figura pública conhecida. Advogado de largo sucesso, jurista brilhante, catedrático de Direito, fora assistente de Marcelo Caetano, que o não convencera a entrar na política. Era também um “socialite”, com fotos frequentes nas revistas sociais dos anos 80/90, a sua famosa “casa redonda”, na Quinta do Lago, e um muito respeitável gosto pela beleza feminina. Com o seu manual, eu tinha aprendido o Direito Internacional Público de que necessitei para entrar na carreira diplomática.

Era esse o André Gonçalves Pereira que eu conhecia até que, numa noite, no início de 1995, dele recebi um telefonema. Acabara de ser nomeado, pelo governo de Cavaco Silva, representante de Portugal no “grupo de reflexão” europeu que ia rever o Tratado de Maastricht. Contactava-me, por indicação do ministro dos Negócios Estrangeiros, Durão Barroso, para eu lhe “fornecer toda a informação disponível” sobre o processo de revisão daquele tratado, que se ia iniciar em breve. Eu era então subdiretor-geral dos Assuntos Europeus, tendo esse assunto a meu cargo. “O ministro disse-me que você pode dar-me a papelada que há lá pelo ministério sobre o assunto”.

Com a delicadeza possível, expliquei-lhe que, dependendo eu do secretário de Estado dos Assuntos Europeus, Vitor Martins, e não obstante as indicações que ele recebera diretamente do ministro, só lhe poderia facultar qualquer documentação reservada com prévia autorização daquele. “Claro que sim! Ele deve estar ao corrente. Fale com ele.”

Falei com Vitor Martins ... que não estava ao corrente! O seu ministro tinha nomeado alguém para ir opinar lá fora, em nome de Portugal, sobre a revisão do tratado europeu que estava em vigor, sem antes ter avisado o seu secretário de Estado - que era, como se sabe, um qualificado membro do governo e um respeitado especialista na matéria europeia.

Mas tudo acabou por se resolver. Criámos um “modus operandi” em que eu facultava a André Gonçalves Pereira as informações que o secretário de Estado entendia deverem “sair” dos nossos trabalhos internos. Nunca houve quaisquer problemas.

Gonçalves Pereira convidou-me um dia para almoçar no Ritz e, no final, fez-me uma proposta: “No “grupo de reflexão”, cada país tem um titular e um alternante. Gostava que fosse você a ocupar esse lugar de meu substituto. Teria muito gosto em que aceitasse. Depois desta conversa, concluí que nos daríamos muito bem a trabalhar em conjunto”. Fiquei surpreendido, confesso. Aceitei, mas perguntei-lhe se tinha “luz verde” de Durão Barroso para me formular o convite. Então, a surpresa foi dele: “Não, mas nem me passa pela cabeça que ele não aceite o seu nome, foi ele quem me disse para falar consigo”. Eu (cá por coisas...) insisti que ele devia verificar com o ministro. Saímos do almoço a tratar-nos por Francisco e André.

Nessa mesma noite, telefonou-me, furibundo. Eu tinha razão: Barroso levantara dificuldades a que eu fosse indicado para o “grupo de reflexão”, como seu substituto. Aparentemente, o meu nome não seria do agrado do gabinete do primeiro-ministro, Cavaco Silva. Gonçalves Pereira fora, então, inflexível: “Ou conto com o Seixas da Costa ou o governo muda de representante no grupo. Eu não fico, se o nome dele não for aceite”. Ora a indigitação de Gonçalves Pereira já saíra em toda a imprensa. Um seu abandono teria um impacto político.

O governo recuou e eu fui nomeado. A partir daí e até novembro, acompanhei André Gonçalves Pereira a todas as reuniões do “grupo de reflexão”, o chamado “grupo Westendorp” (nome do então secretário de Estado espanhol do Assuntos Europeus, que presidia ao grupo), substituindo-o mesmo em dois desses encontros. No essencial, eu preparava os “talking points” na base dos quais ele fazia as suas intervenções. 

No início, o André seguia muito aquilo que eu lhe recomendava. Depois, começou a “navegar por si próprio”, afastando-se, muitas vezes, da orientação que era a doutrina base do MNE. Esse era o seu privilégio, como personalidade que, não sendo um simples funcionário, não tinha por isso uma disciplina institucional perante o governo, junto do qual tinha garantido um estatuto de total independência. Compatibilizar a subordinação às orientações de Vitor Martins, mas respeitando simultaneamente as posições de Gonçalves Pereira, não foi um equilíbrio fácil para mim, confesso. Mas levei “a carta a Garcia”.

André Gonçalves Pereira era um convicto europeísta. Muito mais do que, à época, eu era. E ia muito mais longe do que aquilo que o MNE queria que Portugal fosse, em termos de partilha europeia de soberania. Quanto eu lhe aconselhava prudência e o advertia para não assumir determinados riscos, respondia-me, galhofeiro: “Ó Francisco! Eu é que sou de direita, mas você, em matéria europeia, é que é o reacionário!”. 

Divertimo-nos muito e ficámos amigos. Viajámos bastante por essa Europa, ele sempre com gostos requintados, em matéria de hotéis e restaurantes, vícios que eu aproveitava com o maior deleite. Dizia-me: “Eu, em Madrid, só fico no Ritz. E, em Paris, no George V. E a você nem lhe passe pela cabeça ir dormir a outro sítio!”. Nem sei bem como foram pagas essas belas bizarrias, já que a sua generosidade pessoal cobria os convites que me fazia para os almoços e jantares - do restaurante do Jockey Club, em Madrid, ao La Truffe Noire ou ao Comme Chez Soi em Bruxelas, ao Pierre Gagnaire ou ao Grand Véfour, em Paris, e outros locais requintados, de Londres a Amesterdão (“trabalha-se o dia na Haia, mas à noite vamos ficar no “L’Europe”, em Amesterdão”, ensinava-me), de Roma a Toledo, de Atenas a Messina e outros poisos.

O André era um epicurista de altíssimo refinamento, dos melhores charutos aos melhores vinhos, da mais sofisticada comodidade aos prazeres requintados levados ao extremo, com a naturalidade de quem sempre viveu assim, sem snobeira e sempre com muito bom gosto. Acho que, nesses meses, gastou bem mais do dobro daquilo que lhe pagavam para cumprir aquela tarefa, que ele fazia com competência e rigorosa dedicação à leitura que tinha do interesse nacional. Discutimos muito, aprendi bastante com ele, nem sempre concordando. E, repito, ficámos, para sempre, amigos.

Um dia, nesse ano de 1995, vieram as eleições legislativas. O PS ganhou, o PSD perdeu, Durão Barroso deixou de ser ministro e eu fui convidado para secretário de Estado dos Assuntos Europeus. No dia da posse, telefonei a André Gonçalves Pereira, depois de ter combinado isso com Jaime Gama e António Guterres, a convidá-lo a continuar, com o novo governo, como representante português no “grupo de reflexão”. Para o meu lugar, como seu “número dois”, indiquei Miguel Almeida e Sousa, que hoje é embaixador em Dublin. Meses depois, o grupo terminaria, esgotado o seu mandato e propósito. 

Passei a ver menos André Gonçalves Pereira, que, contudo, tive o gosto de ter comigo no lançamento de dois livros que publiquei. Às vezes, encontrávamo-nos casualmente em lugares públicos, dávamos abraços, ele sempre com aquela gargalhada rouca que era a sua. 

A partir de 2013, integrei, a convite de Artur Santos Silva, a comissão, presidida por André Gonçalves Pereira, que a Fundação Calouste Gulbenkian criou para orientação do trabalho da sua delegação em Paris. O André, por razões pessoais, deixou essa comissão tempos depois e eu vim a suceder-lhe na presidência.

Tenho imensa pena pelo desaparecimento de André Gonçalves Pereira. Recordo-o como um homem com forte personalidade, grande sentido de Estado, um jurista de primeira água, alguém que sempre procurou prestigiar o nome de Portugal. 

Pessoalmente, devo-lhe um singular gesto de confiança pessoal, ao conferir-me responsabilidades que contribuiram para mudar a minha vida.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Mais Alentejo à mesa

Um fim de semana no Alentejo deu para quatro experiências à mesa. Aqui vão breves notas, em jeito de “serviço público”.


“Em Portalegre, cidade”, como diria Régio, procurei os “cuidados” do José Júlio Vintém. Sabia que nem ele nem a Catarina estariam por lá, mas a sala estava, como sempre, entregue à eficácia antiga do Apolino, cujo embranquecimento do bigode o torna, dia-a-dia, (ainda) mais parecido com o Asterix. Já conheci várias “geografias” onde o José Júlio operou em Portalegre, mas o novo endereço do “Tomba Lobos” é, de longe, o melhor. Um belo e confortável espaço, numa casa antiga, como os tetos e paredes revelam, no centro da cidade. Comemos lindamente, talvez mesmo uma das melhores refeições de sempre naquela (mutante) casa, com um serviço (como é habitual) impecável, a um preço justo.


Em Elvas, desde que a antiga pousada, hoje “Hotel Santa Luzia”, reabriu, passo por lá sempre que posso, para revisitar o Bacalhau Dourado, que, como se sabe, fez a marca gastronómica da primeira pousada de Portugal. Desde há muito naquela cozinha, prepondera a mão hábil do Vicente, o qual, sempre que há vagares para tal, prepara o prato na sala, à nossa frente. Voltei lá no sábado e, como sempre exclamo perante alguns bons pratos clássicos, voltei a pedir: “Não mexam! Façam sempre assim!”. O hotel tem a sorte de ser hoje dirigido por alguém que é um “vieux routier” da gestão hoteleira, João Simões, responsável por tempos áureos da Pousada de Extremoz. Daí que ele cuide em manter o “estilo” da antiga (primeira) pousada, como a imagem da sala de refeições mostra, o que lhe confere um toque sempre especial. E tivemos uma bela conversa!


Ainda em Elvas, por uma sugestão, fomos jantar ao mais moderno espaço da cidade, o “Acontece”, uma área excelentemente transformada, com imenso bom gosto. Vou começar pelo fim: comeu-se muito bem. Antes, houve ocasião de “experimentar” um serviço que, não deixando de ser simpático, chegou a pontos de ser quase caótico. Para escolher o vinho, foi uma confusão: ou vinha o corrente, ou vinha o reserva, ou chegava branco, quando se pedia tinto. Depois, as coisas lá “assentaram” e como, em matéria gastronómica, estava tudo a preceito, acabámos por esquecer os pecadilhos. É no que dão as contratações tipo “Manpower” para o verão...

Finalmente, à despedida, o Alandroal. E aí, claro, encontrámos a Maria, acompanhada da serenidade sábia do marido, o Cândido, que me orientou nos vinhos e que até recordou a minha primeira ida por lá, nos anos 90. Como sempre - e convém repetir isto, como sempre - comeu-se magnificamente, nomeadamente uma perdiz estufada, que estava de se lhe tirar o chapéu, já que não foi preciso tirar o chumbo. A “Maria” é um lugar obrigatório do mapa da geografia da grande cozinha tradicional portuguesa, um marco notável de persistência e qualidade. Que gosto tive em parar uma vez mais por ali!

Pobre Arcada

Foi o café mais tradicional da Praça do Giraldo, em Évora, um espaço amplo, à antiga, cheio de tertúlias e de belas conversas. Era o sítio onde, por décadas, se parava, à passagem por Évora.

Nos dias de hoje, o cheiro nauseabundo que atravessa a sala torna a frequência impossível a quem não tiver a “sorte” de estar constipado.

“É dos canos!”, “a culpa é da Câmara”, diz um embaraçado empregado, perfeitamente consciente da “agressão” olfativa proporcionada ao potencial cliente. Digo “potencial”, porque entrei e saí logo.

É uma tristeza, uma situação como esta, na mais turística cidade do Alentejo, das mais bonitas do país.

A ASAE ainda existe?

Protocolo do Estado... a que isto chegou!


Proposta do programa eleitoral do PAN:

“3. Determinar como regra que todas as refeições nos eventos promovidos pela administração directa e indirecta do Estado são vegetarianas, com a possibilidade de providenciar alternativa com produtos de origem animal a quem o solicitar, dando assim cumprimento às recomendações da ONU e seguindo o exemplo holandês”.

Deixo uma imagem do que, no futuro, poderá ser um jantar de Estado no Palácio da Ajuda.

domingo, 8 de setembro de 2019

Chegaram tarde


Agora que todos os políticos, alguns bem à pressa e de forma oportunista, parece terem descoberto “a pólvora” das questões ambientais, vale a pena relembrar o nome de Gonçalo Ribeiro Telles, o arquiteto que soube ter razão bem antes do tempo dos outros.

Vegas

Um dia, algures por esta Europa, acompanhei uma importante figura política portuguesa (não interessa o nome, irrelevante para a história) a uma reunião com um seu homólogo. 

Era uma conversa sem agenda oficial. Entre ambos havia uma excecional relação pessoal e o encontro, apenas comigo e com uma outra pessoa como testemunhas, passava-se em tom de plena confiança, com discrição assegurada. 

Só nesse registo seria possível ao dignitário estrangeiro - que não ao nosso político, cuja contenção foi digna e notável - permitir-se fazer comentários fortemente depreciativos sobre colegas de outros países, ironizando com o respetivo perfil físico, fazendo insinuações sexuais, duvidando da sua capacidade intelectual, apostrofando-os a um limite de conversa solta de café. 

Eu estava abismado, confesso, mas o nosso político não estava menos. No final, recordo, ambos concordámos em, a propósito dessa reunião, e para sempre, usar o velho mote americano para momentos comprometedores: “What happens in Vegas, stay in Vegas” (o que se passou em Las Vegas, ficou em Las Vegas).

A vida, política e diplomática, tem destes momentos embaraçosos.

Avante!


Nestes dias da Festa do Avante!, veio-me à memória o exercício que, há dias, teve lugar na Biblioteca Nacional, no qual se cruzaram experiências associativas universitárias de 1969, há precisamente 50 anos.

Éramos seis pessoas na mesa, cada uma oriunda de uma área universitária diferente. A esmagadora maioria dessas pessoas, sem minimamente renegar a sua herança de memória, pareceu-me estar já distante das perspetivas ideológicas em que, há meio século, assentara essa sua atividade associativa. A leitura por cada um dessa sua experiência foi assim feita numa linguagem solta, sem grande preocupação de respeito formal pela terminologia da época, ou usando-a, às vezes, para melhor caricaturar aquilo que o tempo entretanto nos ensinou. E assim o PCP foi tratado como “revisionista”, o MRPP como os “pinta paredes” e coisas assim. Todos parecíamos confortáveis com os diferentes estilos adotados por cada um.

Todos? Todos, não. Um cavalheiro (que a imagem não mostra), de barba branca, entendeu que o modo como o PCP fora mencionado por alguém tinha sido “desrespeitoso” para o (imagino que seu) partido, cujos méritos relevou em tom apologético, daí partindo para uma infindável diatribe contra a mesa (ou alguém nela).

Confesso que já não tenho a menor paciência para aturar estas doentias sensibilidades, para me vergar perante “vacas sagradas” partidárias. E pareceu-me que grande parte da sala comungava desse meu sentimento, embora seja difícil ler silêncios. Finalmente, ao final de uns minutos que foram demasiados, lá foi possível conseguir que o “grave” e sentencioso interveniente se calasse.

O PCP é um grande partido, com uma história muito respeitável na luta contra a ditadura. Mas, tal como há 50 anos foi diabolizado pelos maoístas militantes, tem de habituar-se a que hoje outros, embora dentro da sua lateralização ideológica, olhem para esse passado com os olhos que muito bem quiserem utilizar, por muito heterodoxos e provocatórios que sejam, sem serem obrigados a usar um discurso hagiográfico sobre a sua história.

Isto não significa que não deseje ao PCP e a quem o segue, com grande sinceridade, uma bela Festa do Avante!.

Miradouro


Um dos meus locais de culto: o miradouro de Nossa Senhora do Folguedo de Cima, em Gozón, em Espanha, próximo da fronteira portuguesa. Um local de eleição. Ontem

sábado, 7 de setembro de 2019

Simancas


Era aqui o Hotel Simancas. Em Badajoz. Foi aqui que, na tarde de 13 de fevereiro de 1965, o “militar” Ernesto Castro e Sousa (aliás, o pide Ernesto Lopes Ramos), veio buscar Humberto Delgado e a sua secretária e companheira brasileira, Arajaryr de Campos. Daqui foram levados para perto de Villanueva del Fresno, onde, supostamente, se iriam encontrar com militares democratas portugueses, no que não passava de uma armadilha montada pela PIDE, através do seu sinistro agente em Itália, Mário de Carvalho. À sua espera, tinham uma brigada da polícia política portuguesa, chefiada por Rosa Casaco (o agente graduado da PIDE que, nas horas vagas, era fotógrafo de Salazar e dos seus derriços com Christine Garnier), com Agostinho Tienza e Casimiro Monteiro, que logo os mataram a sangue frio. Depois, os corpos foram enterrados por ali perto, com cal trazida no carro, de Portugal, o que prova a premeditação. Era chefe do governo, recorde-se para sempre, Oliveira Salazar, o ditador a quem alguns querem agora branquear os crimes de décadas. Badajoz, por virtude destes assassinatos, permanecerá eternamente como uma das cidades da memória da luta contra a ditadura portuguesa.


O da perdiz


É uma cidade do sul. Há uns anos, naquela varanda, num belo dia de sol, fui convidado a hastear a bandeira nacional, pouco antes de ter recebido a medalha de ouro da cidade, por alegados “feitos” em favor da urbe, que alguém considerou dignos de nota. 

Ontem, alojei-me discretamente por lá, neste fim de férias. Numa esplanada, no largo principal, muito perto do local da fotografia, com uma noite deliciosa, perguntei que whisky tinham. A jovem que servia às mesas sabia pouco do tema: “Creio que só temos daquele da perdiz”. 

Era esse mesmo que eu queria! Até isso correu bem!

Fim da tarde, com flores, lua e tudo!


sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Uma área de real serviço


Desde sempre, conheço-me como um fã das áreas de serviço das auto-estradas. Porque gosto muito de fazer pausas em viagens, “estaciono” imenso nas lojas que há pelo país. 

Pode parecer bizarro a muita gente, mas já me aconteceu, em viagens ao Norte ou ao Algarve, parar em todas as estações de serviço! A sério! Às vezes, não chego a comprar nada: vejo a net, leio um pouco mais os jornais ou as revistas, descanso uns minutos, faço uns telefonemas. E chego mesmo a passar “pelas brasas”...

Nos últimos seis anos, desde que regressei definitivamente a Portugal, o conta-quilómetros do meu carro indica que fiz 160 mil quilómetros pelas estradas da pátria. Acumulei assim alguma experiência - de Valença a Vila Real de Santo António, de Sagres a Bragança e, em especial, de Lisboa a Vila Real, claro.

Cometerei a audácia de dizer que conheço bem mais de 80% das lojas nas áreas de serviço do país. E constato que há de tudo! Desde lugares sinistros, onde a comida só disso tem nome (a de Castro Daire é o meu “benchmark” negativo, mas a A8 tem coisas “notáveis” de mau), até às “Sol”, onde, salvo algum descaso pontual e preços especulativos, o serviço é agradável e eficaz. Algumas vão mudando, com o tempo. Pelo meio das que referi, ficam coisas incaraterísticas como as “La Pausa”. Numa destas, há dias, a confusão da oferta dos “menus” era tal que entrei e saí logo de seguida.

Decididamente, e é isto que quero hoje aqui dizer, a minha melhor experiência (e já foi mais do que uma, na direção Lisboa-Vendas Novas), em termos de oferta e de imbatível serviço, é a “Colibri” de Vendas Novas: excelente apresentação, gente simpática e prestável, muito bons produtos, boa relação qualidade-preço. Experimentem e vão ver que tenho razão!

“Frappés”


Os dois diplomatas chegaram tarde ao restaurante, para o almoço. Algumas mesas começavam a esvaziar-se. Naquela que ficava ao seu lado, um casal conversava animadamente. No balde com gelo entre as duas mesas, surgia uma garrafa de Chablis, "frappé", consumido por esses vizinhos. 

Chablis! Ora aí estava uma boa ideia! Pediram ao empregado dois copos de Chablis. O tempo passou, a conversa fluiu, os copos dos diplomatas foram-se esvaziando.

A certo passo, os convivas da mesa ao lado levantaram-se e saíram porta fora. Os diplomatas miraram a quase meia garrafa de Chablis por usar e, depois de um olhar discreto em torno, serviram-se. Sempre era melhor do que o vinho ir "para dentro", levado pelos empregados, conluiaram em voz baixa.

O Chablis estava excelente. Cada um acabou mesmo por se servir de mais do que um copo. A garrafa chegou ao fim, mas já estavam saciados. Iam pedir a sobremesa e, depois, dois cafés.

De súbito, os vizinhos da mesa ao lado regressaram, depois de, aparentemente, terem ido ao exterior fumar um pouco. 

Os diplomatas levantaram-se num salto, correram para o balcão, pagaram a conta e desapareceram, antes que a evaporação súbita do Chablis, na garrafa dos vizinhos de mesa, fosse notada.

História verídica. Em Paris. No “L’Esplanade”.

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Notícias para o Outono


Ontem, numa televisão, António Lobo Xavier disse que, pela primeira vez, desde há muitos anos, os tradicionais apoiantes do PSD e do CDS sabem, de ciência certa, que os votos conjugados dos deputados que vierem a ser eleitos por esses dois partidos, nas próximas eleições, nunca serão suficientes para os levarem ao governo. Assim, quem vier a votar PSD ou CDS já percebeu que vai continuar a ser oposição. 

Por outro lado, o “fond de commerce” tradicional da direita, as “contas certas”, habitual arma de arremesso contra o “despesismo” socialista, deixou de ter a menor validade: o governo socialista fez, nestes quatro anos, nesse domínio, exatamente aquilo que a direita disse que ia fazer - respeitar os compromissos europeus em matéria de objetivos macroeconómicos. E, escorado nesse património, o que o PS anuncia que se propõe fazer no próximo futuro é exatamente o mesmo que a direita pode dizer que também faria. Os socialistas, não apenas “raptaram” o discurso da direita, como deram razões a muita gente desse setor, em face do que fizeram, para confiar neles.

Sente-se, assim, que muitos votantes tradicionais de direita, aqueles que são pragmáticos e não cultores de uma agenda ideológica obsessiva, começam a acolher a teoria da “bondade” de uma maioria absoluta do PS. Porquê? Porque, sendo inevitável que António Costa continuará a ser o primeiro-ministro, então - podem pensar - talvez valha a pena dar-lhe toda a responsabilidade, evitando que, na sua ação futura, ele possa vir a ter algumas derivas “esquerdistas”, que pudessem ser justificadas pela sua dependência dos parceiros da anterior Geringonça.

Mas, neste caso, com uma oposição de direita destroçada, que contra-poder passará a existir no terreno, perguntar-se-ão alguns? O presidente da República. Estando em absoluto excluído - e volto à ideia de Lobo Xavier - que PSD e CDS possam formar governo, a “esperança” no equilíbrio do sistema passa a residir, quase exclusivamente, no chefe do Estado. Sabe-se que, na direita, Marcelo não faz a unanimidade mas, neste caso, perante o inevitável, mesmo para setores que não apreciam a sua ação, ele é o único instrumento disponível para “controlar” um governo socialista. 

É perante este cenário de derrota anunciada que setores desse eleitorado tradicional de PSD e CDS podem sentir-se tentados a dar o seu voto, numa opção “experimentalista” e quase lúdica, a minúsculas formações de direita recentemente emergidas, politicamente oportunistas da crise daqueles partidos tradicionais. Elas vão desde o populismo filofascista, com laivos xenófobos e racistas, até uma espécie de “bonapartismo” tardio, personalizado em figuras em decadência política, passando por uma direita mais radical, tipo “alt right”, por cá travestida de liberal. 

Os socialistas só podem “agradecer” a quem se sinta tentado a ir votar nessas formações residuais: não lhes causa a menor mossa política na sua garantida maioria (absoluta ou não) e retira votos que, normalmente, seriam do PSD e CDS. No caso dos social-democratas, em alguns círculos eleitorais mais pequenos, pode mesmo vir a “oferecer” alguns deputados ao PS, na fronteira da maioria absoluta. António Costa só tem razões para sorrir.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Clarke e os conservadores


Kenneth Clarke foi ministro das Finanças, do Interior, da Educação e da Saúde de Margareth Thatcher, que nunca gostou dele, sempre desconfiou do seu lado europeísta, mas reconhecia a sua competência e respeitava a sua independência. É hoje o mais antigo membro da Câmara dos Comuns (“the father of the house”), uma figura altamente considerada na vida política britânica.

Ontem, na sequência de não ter seguido as instruções da liderança do grupo parlamentar do Partido Conservador, ao recusar a estratégia de Boris Johnson para o Brexit, Kenneth Clarke viu-se afastado do partido (foi-lhe retirado o “whip”, no jargão parlamentar britânico), juntamente com um grupo de outros deputados, entre os quais o último ministro das Finanças de Theresa May (e ministro dos Estrangeiros de David Cameron), Phillip Hammond.

É este o “estado da arte” no seio dos conservadores britânicos. Mas há mais.

Hoje à noite, tudo o indica, a Câmara dos Comuns votará uma resolução recusando um Brexit sem acordo (mas essa decisão terá ainda de passar pela Câmara dos Lordes, onde a maioria para aprovação não está garantida), o que implicará um pedido de novo adiamento da saída da UE, que estava prevista para 31 de outubro. (A UE concederá sem problemas esse pedido).

Boris Johnson, que recusa em absoluto esta orientação, disse ir tentar convocar novas eleições legislativas em 15 de outubro. Mas, para aprovar isso, necessita de 2/3 dos votos nos Comuns, o que significa que precisa dos votos da oposição. Ora esta insiste, há muito, que quer eleições. Pode assim concluir-se que Johnson tem caminho aberto para realizar o sufrágio?

Longe disso. O líder trabalhista só aceita somar os seus votos aos de Johnson, para a antecipação de eleições, se, antes, ficar aprovada a tal moção que recusa o Brexit sem acordo, o que implica pedir o novo adiamento a Bruxelas. Ora o primeiro-ministro já disse (mas ele já disse tanta coisa, diferente uma da outra...) que nunca faria tal coisa. Em que ficamos? Como se sai daqui? 

Confuso? Ninguém deve estar mais confuso do que os britânicos.