sábado, junho 22, 2024

Verdades

Hoje, as conversas oscilavam entre saber se a senhora tinha mentido ou se tinha sido miserável sujá-la àquele martírio. As duas coisas não se excluem: a senhora pode estar a mentir, mas não sei mesmo se será legítimo obter toda a verdade de uma mãe que está a passar por aquilo.

Dilema


Na TV Cine, está a dar o "Apocalypse Now - Final Cut". Nunca vi esta versão. São três horas. Tenho de optar: vê-la ou avançar em três livros que ando a ler. Eu digo quais são: o diário "Desoras" de Marcello Mathias, o "A Vida por escrito", de Ruy Castro, e  o "Hell and Other Destinations", de Madeleine Albright. 

O que é que eu posso ganhar em rever este filme, que já não conheça? Devo tê-lo visto aí umas cinco vezes, a primeira quando vivia na Noruega, duas outras em Luanda, poucos anos depois, num cinema ao ar livre junto à estação ferroviária, não longe do Hotel Presidente. A cópia era má, o som ainda era pior e o muito tempo que eu por ali tinha fez-me voltar ao cinema duas noites seguidas. É que ver um filme de guerra num país em guerra é mesmo outra coisa.

É isso! Já não vou ver o "Final Cut" do "Apocalypse Now". Há coisas a que, com a idade, sei que não voltarei. Há dias, numa paisagem deslumbrante da ilha Terceira, dei comigo a pensar: com toda a certeza, já não regresso aqui. Não senti a menor pena, ainda tenho tanta coisa para ver. Mas não será aquela vista ou este filme.

Facciosismo

Havia um conhecido dirigente um clube com nome de bairro lisboeta, juíz de profissão, que apregoava, sem vergonha: "quero que o meu clube ganhe com um golo depois da hora, em "off-side" (dizia-se assim), marcado com a mão". Estou certo que ele gostaria deste golo à (da) Turquia.

Ronaldo

Cristiano Ronaldo habituou-nos a criar uma sensação iminente de perigo quando a bola lhe andava por perto. Agora, em idênticas circunstâncias, dou comigo a conjeturar de que forma ele vai falhar o lance. Tenho muita pena, mas é o que sinto.

Real Gabinete


Portador amigo trouxe-me um exemplar do magnífico livro recém-publicado sobre o Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro, que a respetiva direção teve a gentileza de me oferecer. O antigo embaixador português no Brasil agradece muito a atenção.

Recordo, nesta ocasião, o que, há poucos meses, escrevi para o "Jornal de Letras ", a convite de José Carlos de Vasconcelos, um artigo a que dei o título "O Real Gabinete no tempo". Ele aqui fica:

"Quando a vida profissional me proporcionou alguns anos como embaixador no Brasil, levava comigo a curiosidade de tentar perceber um pouco melhor aquela que havia sido a mais histórica e duradoura aventura migratória portuguesa pelo mundo.

Já conhecia, embora muito ao de leve, aquele país onde iria representar Portugal, mas sabia, como todos fomos educados a saber, que essa experiência fora única e deixara uma marca singular, em todas as dimensões, desde logo na língua.

A França, a América, a África do Sul ou a Venezuela, com a África colonial pelo meio, haviam sido algumas das paragens de destino de muitos e muitos milhares de compatriotas saídos do retângulo europeu, o mais das vezes pela pior das razões: pela necessidade.

Mas o Brasil era manifestamente um caso diferente e, fazendo parte integrante dessa experiência ímpar, havia uma obra - cultural e assistencial - de que havia ficado uma muito interessante marca edificada, em várias cidades do país. É que a comunidade portuguesa no Brasil, desde tempos idos, tinha cuidado em criar uma rede de acolhimento e acompanhamento das sucessivas levas dos portugueses que ali aportavam, que acabava por funcionar como uma imagem de prestígio para a própria presença dos que os tinham antecedido.

De toda esse património de memória, que consegui conhecer em toda a sua extensão, de Belém a Salvador, do Recife a São Paulo, com outras marcas menos significativas e algumas outras já desaparecidas ou em acentuado declínio, o Real Gabinete do Rio é um caso sem par.

Num edifício de desenho eclético, onde prevalece um neomanuelino com distorção transatlântica, que recorda um pouco a estação do Rossio ou o hotel do Buçaco, aí repousam centenas de milhares de livros em língua portuguesa, de que o Gabinete é hoje, a uma grande distância, o maior repositório existente fora de Portugal.

Infelizmente, o Real Gabinete não é muito conhecido dos brasileiros, nem sequer dos muitos turistas portugueses que, no Rio, lhe preferem o Calçadão, Ipanema ou o Leblon. Situado numa zona que veio a tornar-se algo periférica, só lentamente começa agora a surgir nos itinerários turísticos e culturais.

Em tempos idos, para os portugueses desafetos ao regime ditatorial que vigorou no seu país até 1974, o Real Gabinete representava também uma certa "colónia" de matriz saudosista, que tendia a confundir o respeito pelo nosso passado com a adesão a quantos utilizavam esse mesmo passado como arma de arremesso contra os que pretendiam forçar os caminhos do futuro.

Com o passar do tempo, as clivagens atenuaram-se. Foi com gosto que, quando vivi no Brasil, constatei ter-se criado uma relativa consensualização em torno do Real Gabinete, erigido em marca comum da presença portuguesa. O retrato de Salazar ainda anda por lá, mas é agora um fantasma que já não assusta ninguém. E caras bem democráticas da nossa colónia passeiam-se hoje por lá e frequentam-lhe as cada vez mais abertas atividades.

Em 2008, aquando das comemorações dos 200 da chegada da Corte ao Brasil, tomei a iniciativa de propor a realização de uma cerimónia no Real Gabinete, na presença dos então chefes de Estado dos dois países. Não foi fácil ver isso aceite pela parte brasileira, mas levei a minha teimosia até ao fim.

Recordo para sempre o olhar espantado de Lula da Silva, a observar, com visível deslumbre, aquele bizarro mas magnífico espaço, recheado de um património cultural cujo impacto no seu país ele seguramente não tinha experimentado até então. Nesses breves instantes, o antigo operário nordestino Lula da Silva, mas também o líder de um PT que sempre alimentou nichos de endémica lusofobia, bem como o presidente que sempre se mostrou simpático para com Portugal, todos eles, os três, se terão reconciliado um pouco com essa coisa sempre polémica mas incontornável que é o peso da História. A qual, goste-se ou não, foi comum."

sexta-feira, junho 21, 2024

O destino de Israel


Ver aqui.

As hipóteses de António Costa



Ver aqui

Os amigos de Putin


Ver aqui.

... e os factos!

Na guerra da Ucrânia, temos para todos os gostos. Uns: "A Rússia está a avançar, dia após dia, e a Ucrânia, não tarda, vai claudicar". Outros: "O vento mudou a favor da Ucrânia e, com o novo apoio ocidental, a guerra já inverteu o curso". E há também um pormenor chamado factos.

Onde isto chegou!

A miserável exploração do sofrimento de uma mãe para chicana politica transforma o parlamento num circo.

Fascismo nunca mais! (2)

No fascismo, a Emissora Nacional criou um programa que tinha por lema: "A verdade é só uma e Rádio Moscovo não fala verdade". Nos dias de hoje, emergem por aí opiniões censórias que parece quererem emular o fascismo. Ora cada um deve poder dizer o que quiser. É isso a liberdade.

Fascismo nunca mais! (1)

Que fique bem claro que, picardias aparte e preservado que seja o respeito pessoal mútuo, aprecio imenso a diversidade de opiniões no programa que, às 5ªs feiras, faço com Diana Soller e Agostinho Costa na CNN Portugal. Sem essa pluralidade, o programa não teria o menor sentido.

Um sincero obrigado, Sô Francisco


Numa noite de 1966, no programa de rádio escolhido pelo motorista, no percurso entre o Porto e o pavilhão dos Carvalhos, dentro de autocarro que levava a equipa de andebol da Faculdade de Ciências, em que eu era um esforçado guarda-redes, ouvi, pela primeira vez, "A Banda". Fixei bem a ocasião, sei lá bem porquê.

À época, eu não fazia ideia de quem cantava aquilo. O som era diferente daquilo que eu conhecia da música do Brasil - e, verdade seja, conhecia muito pouco. Nesse tempo, era aquilo que vinha do mundo anglo-saxónico que mais me interessava, à mistura com alguma música francesa e até italiana. O Brasil que estava na moda, por cá, era o primeiro Roberto Carlos, do "Calhambeque" à "Namoradinha de um Amigo Meu". Na nossa (única) televisão, passavam outros sons do Brasil, da importada Mara Abrantes aos dramas vocalizados roucamente pela Maysa Matarazzo. A Bossa Nova, que vinha já dos anos 50, só nos iria conquistar mais tarde.

A simplicidade de "A Banda" era magnífica. "A moça feia debruçou na janela, pensando que a banda tocava pra ela" era uma bela imagem. Começou aí, para mim, Chico Buarque de Hollanda que, nesse ano de 1966, tinha 22 anos e que agora tem 80. Deixo meu sincero agradecimento ao meu homónimo, pelo tanto que, desde então, nos deu. Eu sou, agora, como ele, "o velho fraco (que) se esqueceu do cansaço e pensou que ainda era moço pra sair no terraço e dançou".

Ouçamos uma vez mais "A Banda" aqui.

A Rússia, a Coreia do Norte e o Vietnam


Ver aqui.

quinta-feira, junho 20, 2024

M*A*S*H e depois


Morreu Donald Sutherland, um magnífico ator. Praticamente, começou no inesquecível M*A*S*H e, depois, foi o que se viu.

Passou bem?

Eu sou tão mas tão antigo que ainda sou do tempo em que os jogadores de futebol, no início dos jogos, cumprimentavam decentemente, com um aperto de mão, os seus adversários. Quem terá iniciado aquela bizarra prática das palmadas na mão?

quarta-feira, junho 19, 2024

Decência

O manifesto pela decência na justiça, que tive o prazer de subscrever, está a criar imensos engulhos em alguns setores dependentes dos "leaks" da máquina judicial, em especial nos seus avençados mediáticos, o que só prova que se tocou na ferida. Não podemos parar.

terça-feira, junho 18, 2024

Que Praga!

Ainda bem que o jogo acabou. Estava farto de ouvir chamar Chéquia à República Checa.

O jogo

Então é assim. Em "jogo jogado", demos cartas. Os outros tipos não jogavam peva. Há falhas clamorosas na nossa defesa (com adversários a sério, vai ser o bom e o bonito). Com os jogadores que tem, o señor Martinez tinha obrigação de fazer bem melhor. Pronto, acho que é isto.

Inveja

A notícia do dia é o salário (mais "alcavalas") que António Costa pode vir a receber se acaso vier a ser escolhido para presidente do Conselho Europeu. O número, redondo e rechonchudo, é mostrado para provocar choque, para motivar o tão lusitano "lá estão eles a alambazar-se!".

O cidadão que espuma de raiva ao olhar aqueles títulos de tablóide tem todo o direito de se preocupar com o salário que a si próprio lhe pagam, a interrogar-se sobre se está a ser adequadamente recompensado, em face daquilo que produz e das qualificações e da experiência que possui, da dedicação que oferece ao seu empregador. Isso sim, são questões legítimas, que o devem mobilizar, quiçá a reivindicar, da luta sindical à greve. Mas não: esse tipo de cidadão adora passar o tempo a olhar para "o lado", para o "quintal do vizinho", vivendo indignado com a sorte dos outros, com as pessoas que ganham mais do que ele ou que tiveram um destino melhor do que o seu.

A inveja é, dos sentimentos humanos, um dos mais mesquinhos e baixos. E, afinal, dos mais comuns.

Anouk Aimée


É talvez um pouco injusto que o nome de uma grande atriz como Anouk Aimée, que agora desapareceu aos 94 anos, tenha ficado, na memória de muita gente, ligado ao filme "Un homme et une femme", que está muito longe de ser o seu filme mais significativo. Já Jean-Louis Trintignant, que também já desapareceu, conseguiu "libertar-se" mais facilmente do filme. Coisas...

Ainda o "Antes que me esqueça"


Correspondendo a um simpático convite de Teresa Albuquerque, presidente da Fundação Casa de Mateus, teve ali ontem lugar uma apresentação do livro "Antes que me esqueça". 

Introduziu a sessão o professor Emídio Gomes, reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Seguiu-se um belo e animado debate. 

Apesar da forte chuva (em todas as quatro apresentações do livro, por qualquer razão, choveu sempre...), muita gente esteve presente na sessão. 

(Quando não chove, Mateus é assim...)

segunda-feira, junho 17, 2024

A ver se ainda cola...

Mas acreditavam mesmo que a rapaziada desistia de, a horas da decisão europeia sobre António Costa, poder criar alguns engulhos ao processo?! Eles são profissionais...

Daqui a pouco...


... no Palácio de Mateus, em Vila Real.

domingo, junho 16, 2024

A Ucrânia entre a guerra e a guerra

 


Ver aqui.

Lixo político

Atravessa-se o país e é um mar de cartazes de propaganda política, remanescente das eleições europeias. Constata-se existir um triste conluio entre todas as forças políticas, vergonhosamente irmanadas no descaso face à poluição visual da paisagem do país. 

Trump e Zelensky

Donald Trump disse que, se for eleito presidente, e ainda antes de tomar posse, acabará com a concessão regular de ajudas financeiras à Ucrânia. Qualificou Zelensky como um grande "vendedor": de cada vez que visita os EUA, regressa com 60 milhões de dólares. E, logo que chegado a casa, pede outro tanto...

O dinheiro

Quando se vê os líderes internacionais anunciar ajudas financeiras para apoio à luta da Ucrânia, seria importante que a comunicação social esclarecesse que a esmagadora maioria desse dinheiro são "ajudas de Estado" às indústrias desses países, de onde o dinheiro não chega a sair.

Suíça

O encontro na Suíça mostrou que um conjunto importante de países continua a apoiar a Ucrânia para que esta venha a obter, no termo da guerra, um resultado favorável àquilo que definiu serem os seus objetivos - recuperação das fronteiras que o Direito Internacional lhe reconhece.

A reunião também revelou que um número significativo de Estados pretende manter-se afastado da postura daquele grupo, titulado pela América e seus parceiros, que parte da assunção de que, neste conflito, a razão está toda do lado da Ucrânia e que só resta à Rússia recuar.

A Rússia deixou entretanto claro que não pretende abandonar os territórios ucranianos que ocupou, que aliás considera já constitucionalmente seus e que ainda pretende vir a completar. Moscovo quer também neutralizar a Ucrânia, impedindo a sua entrada para a NATO.

Não parece haver o menor ponto comum entre estas duas agendas. Tudo indica que apenas uma evolução da situação militar, em favor de qualquer dos lados, pode vir a mudar os termos de referência deste conflito de interesses bem desiguais.

Este não é, assim, um tempo para a paz, é essencialmente um tempo para a guerra, para o seu prosseguimento. Se, um dia, a balança militar se desequilibrar em desfavor da Rússia, alguém, em seu nome, surgirá a aventar alguma modulação dos termos do "diktat" que Putin tem mantido.

E se a Ucrânia perceber que não pode ganhar a guerra, ou que não poderá contar com apoios para a prosseguir indefinidamente, é quase inevitável que venha a ser revisitada a filosofia de compromisso subjacente ao Acordo de Minsk II e ao projeto mediado pela Turquia em 2022.

"Agora é que é!"

A conferência de imprensa de Macron foi patética, com uma listagem de políticas a concretizar, uma espécie de "agora é que vai ser". Os dirigentes políticos que estão há algum tempo no poder roçam o ridículo quando apresentam agendas de medidas que são ... aquilo que não fizeram! 

Estabilidade legislativa

Há uma regular confusão entre governar e legislar. Governar não significa, necessariamente, enveredar por uma intensa produção legislativa. Atuar com o quadro normativo existente, sem uma obsessão de mudança, é mostrar responsabilidade e respeito pela estabilidade. 

Enhorabuena!

O "El País" refere a provável designação de António Costa para presidente do Conselho Europeu. Todos os comentários ao artigo são positivos para a figura do antigo primeiro-ministro português. O primeiro é elucidativo: "De nuevo un portugues al mando. Enhorabuena!"

sábado, junho 15, 2024

A verdade

A atitude tradicional de um primeiro-ministro - seja de que partido for - que vê um seu ministro contestado é preservá-lo no lugar, mesmo que o reconheça incompetente e desgastado. A triste lógica da política manda que não se demita um governante sob fogo. Ainda um dia ainda há-de aparecer um PM corajoso, que opte pela verdade e menos pela solidariedade tática politiqueira.

Feira do Livro


Este ano, foram apenas nove livros. Mesmo assim, não me poupei de ouvir: "Já cá havia poucos!"

sexta-feira, junho 14, 2024

Israel - o estado da arte


Ver aqui

Os amigos da Ucrânia


Ver aqui.

António Costa na Europa?


Ouvir aqui.

Escolhas

Os governantes medíocres ou "assim-assim" passam desapercebidos em tempos calmos. Quando "elas apertam" é que se revela a qualidade das pessoas. O espetáculo triste que está a ser protagonizado pela senhora que titula a pasta da Saúde mostra-nos a sorte que foi, para o nosso país, ter Marta Temido naquele lugar durante o covid.

A arriscada aposta de Macron


Ver aqui.

Ucrânia


Em 2010, nas eleições presidenciais na Ucrânia, o vencedor foi Yanukovich, candidato pró-russo, derrubado em 2014 no golpe de Estado da Maiden. Comparar as zonas em que ele então teve maioria com aquelas que as tropas russas agora ocupam na Ucrânia ajuda a explicar muita coisa, nomedamente a revindicação hoje feita por Putin do abandono total, por parte da Ucrânia, dos quatro "oblasts" que a Rússia só parcialmente ocupa.

Para fazer as pazes

Na véspera da reunião internacional na Suíça sobre a Ucrânia, Putin afirmou que só haverá paz com abandono por Kiev da totalidade do território dos quatro "oblasts" que a Rússia já ocupou parcialmente e com a garantia da não adesão do país à NATO. Nada de novo, portanto.

A "massa" de cada um

É nos tempos de Europeus e Mundiais de futebol que dou conta de que não sou feito da mesma "massa" de muitos dos meus compatriotas: não alimento grandes expetativas, ficarei muito satisfeito de tivermos um bom resultado, mas não perderei um minuto do meu sono se tudo correr mal.

"A Conspiração"


Há uns anos, ofereci à Biblioteca Municipal de Vila Real uma coleção de livros sobre o 25 de Abril, incluída entre muitos outros volumes da minha biblioteca pessoal que, ano após ano, ali vão ingressando. 

Eu tinha coletado o que me parecia ser uma boa bibliografia sobre a Revolução de 1974 pelo que, intimamente, estava convencido de que conhecia muito bem o período que antecedeu o golpe de Estado e os vários tempos da organização do "movimento dos capitães". 

Ontem, quando cheguei ao termo do 9° e último episódio da série "A Conspiração", percebi que, afinal, havia muita coisa desse tempo que ainda desconhecia. 

António-Pedro de Vasconcelos, que há pouco nos deixou, foi o pesquisador e o realizador dessa excelente série difundida pela RTP. Baseada essencialmente em testemunhos, que se cruzam e sucedem, a série ajuda-nos a perceber muito melhor o percurso que a agitação militar percorreu até chegar ao dia 25 de Abril. 

Para quem, como é o meu caso, estava, por essa época, a cumprir serviço militar, que acompanhava a vida política com muita atenção e me mantinha bastante ligado à agitação no seio dos milicianos, foi muito interessante ter o ensejo de ouvir todos aqueles relatos e versões de eventos, que tinha então acompanhado mas que, verdadeiramente, conhecia apenas do exterior. 

"A Conspiração" é um belo trabalho cinematográfico, feito com grande rigor, com atenção ao pormenor, num ritmo que prende o espetador, no estilo de cinema atrativo e "viewers- friendly" a que António-Pedro Vasconcelos nos habituou. Terá sido a sua última obra, já não de ficção, como as muitas outras que lhe conhecemos, mas um valioso documento de História contemporânea. 

Não percam esta série, se puderem, é um conselho que dou. Se forem ao "RTP Play", encontrarão lá, sem o menor custo, toda a série.

quinta-feira, junho 13, 2024

Culpas

Às vezes, ouve-se por aí culpar os alargamentos pelo crescimento da extrema-direita no seio da União Europeia. Já repararam que é precisamente nos seis Estados fundadores, que foram subscritores do Tratado de Roma, que a extrema-direita está hoje bem pujante?

Luís Castro Mendes


Apresentação do livro "Tentação da Prosa", de Luís Castro Mendes, na Fundação José Saramago.

Qual é a tua, ó meu?!


Relembrando José Mário Branco e o "Tira a mão da popeline" no "Qual é a tua, ó meu?!".

Aqui.

Santos


Não sei se, este ano, a câmara de Maria Abranches, do "Público", voltará a apanhar a nossa já clássica mesa do jantar dos santos populares na "Varina da Madragoa". Para que conste, em 2023 foi assim. E foi bem divertido!

quarta-feira, junho 12, 2024

Conferência de imprensa de Macron

 


"Much ado about nothing"

Clube de Lisboa / Global Challenges


O Clube de Lisboa/Global Challenges, grupo independente de reflexão, criado em 2016, a cuja estrutura diretiva tenho o gosto de presidir, tem vindo a "ceder" vários dos seus corpos gerentes e associados para funções de Estado: ministros, secretários de Estado, assessores de órgãos de Estado, etc.

É agora a vez de Luís Pais Antunes, possível novo presidente do CES. Parabéns, Luís!

As vinte e sete Europas


Comecemos pelo que parece mais evidente: salvo a decisão de Emmanuel Macron de dissolver o parlamento francês, com consequências que o tempo se encarregará de esclarecer o sentido, as votações para o Parlamento Europeu não trouxeram consigo fortes surpresas. 

A extrema-direita e os seus aparentados subiram, como era expectável, mas, como também já se previa, essa subida não chegou a números que ameacem reverter ou fazer perigar o equilíbrio tradicional das famílias políticas no seio da União Europeia. 

Há muitos anos, um célebre jornalista francês escreveu o livro “As Vinte Américas Latinas”, onde escrutinava as diferenças nacionais que caraterizavam uma realidade sub-continental que, vista à distância, muitos teimavam em tomar como uma unidade. Ao observar os resultados destas eleições, no conjunto dos países daquilo que se designa como União Europeia, apetece-me falar nas “Vinte e Sete Europas”. É que as agendas de interesses e de preocupações que mobilizaram os eleitorados de cada país, podendo ter algumas similitudes entre si, acabam por ser diversas nos equilíbrios nacionais que espelham. 

A geopolítica, a prosperidade relativa e a composição humana de cada Estado, com consequências na expressão partidária das vontades nacionais, desenham esse ser mutante que é a União Europeia. Até o modo como os resultados desta eleição se refletem na política interna de cada Estado, em alguns provocando convulsões (como em França ou na Bélgica), em outros não gerando consequências (como em Portugal), sublinha essa forte diversidade. 

A Europa é um “puzzle” estranho, em que as peças se vão subdividindo, tornando cada vez mais difícil a tarefa de o completar. Não vale a pena ter ilusões: por muito que fatores comuns possam conjunturalmente servir de cimento (foi o Covid, está a ser a Ucrânia), há “Europas” diversas em muitas e decisivas áreas (Direitos Humanos, respeito pelo Estado de Direito, políticas identitárias, migrações, refugiados, política de segurança e defesa, transição energética, posição face a alargamentos futuros). A hierarquia das angústias coletivas diverge de país para país e nada indica que caminhe no sentido de uma harmonização, de molde a poder criar uma sólida agenda comum de respostas, crescentemente consensual. Bem pelo contrário. 

Estas eleições foram disputadas sob o pano de fundo de o seu resultado poder vir a ser decisivo para a condução geral da política europeia. Lamento muito, mas isso é um “trompe l’oeil”. Quem dirige a União Europeia é o Conselho Europeu, constituído pelos governos nacionais. O Parlamento Europeu, que foi a votos, tem poderes muito limitados, para além da sua agenda “vocal”. Salvo na ratificação do nome do presidente da Comissão, o parlamento continua a ser um órgão secundário no quadro institucional da União. Acresce que um maior equilíbrio entre as forças políticas que se sentam no hemiciclo acabará, muito possivelmente, por redundar numa maior dificuldade em aí gerar consensos futuros. E isso funcionará em detrimento da força da instituição. 

O Parlamento Europeu não pode ser dissolvido, o que lhe induz uma espécie de irresponsabilidade política com uma valia quinquenal. A sua “accountability” só se fará em 2029, e apenas pela confirmação ou saída dos titulares agora eleitos. Pode assim dizer-se que a grande importância deste ato eleitoral foi ele ter servido como uma espécie de sondagem à popularidade interna dos respetivos governos nacionais. Alguns tiraram disso consequências, outros não foram obrigados a isso. 

Na Europa, contudo, não somos todos iguais. As decisões nacionais não têm um valor equivalente. A circunstância do presidente francês, na sequência deste sufrágio europeu, ter decidido convocar eleições legislativas, depois do seu partido ter obtido metade dos votos de uma força de extrema-direita, acaba por ser um facto com imenso relevo. O que dali resultar terá uma imensa relevância, não apenas para a França, mas para todos nós. Os tempos estão perigosos, mas a vida é mesmo assim.

(Artigo publicado de 11 de junho de 2024, a convite do "Jornal de Negócios")

terça-feira, junho 11, 2024

Hardy


Tous les garçons et les filles de mon âge
Se promènent dans la rue deux par deux
Tous les garçons et les filles de mon âge
Savent bien ce que c'est d'être heureux
Et les yeux dans les yeux et la main dans la main
Ils s'en vont amoureux sans peur du lendemain
Oui mais moi, je vais seule par les rues, l'âme en peine
Oui mais moi, je vais seule, car personne ne m'aime
Mes jours comme mes nuits sont en tous points pareils
Sans joies et pleins d'ennuis
Personne ne murmure "je t'aime" à mon oreille
Tous les garçons et les filles de mon âge
Font ensemble des projets d'avenir
Tous les garçons et les filles de mon âge
Savent très bien ce qu'aimer veut dire
Et les yeux dans les yeux et la main dans la main
Ils s'en vont amoureux sans peur du lendemain
Oui mais moi, je vais seule par les rues, l'âme en peine
Oui mais moi, je vais seule, car personne ne m'aime
Mes jours comme mes nuits sont en tous points pareils
Sans joies et pleins d'ennuis, oh
Quand donc pour moi brillera le soleil?
Comme les garçons et les filles de mon âge
Connaîtrais-je bientôt ce qu'est l'amour?
Comme les garçons et les filles de mon âge
Je me demande quand viendra le jour
Où les yeux dans ses yeux et la main dans sa main
J'aurai le cœur heureux sans peur du lendemain
Le jour où je n'aurai plus du tout l'âme en peine
Le jour où moi aussi j'aurai quelqu'un qui m'aime

Alguns outros e nós

A relevância real de um país mede-se bastante pelo impacto que as suas decisões nacionais podem acarretar para outros. Uma eventual reeleição de Trump iria marcar o destino de grande parte do mundo. A chegada ao poder da extrema-direita em França poderia mudar a Europa.

Uma agradável conversa...


... com Armando Mendes, na RTP Açores. Ver aqui

segunda-feira, junho 10, 2024

Parabéns e obrigado

 

"For the record"

"For the record": há 15 anos que o PSD não vence umas eleições europeias. Nesse ano de 2009, o seu cabeça de lista foi Paulo Rangel. O PSD teve então 31,7%.

Quem faz o que pode...

Uma palavra é devida, nestas horas, ao Ministério Público. Fizeram o que puderam, pronto! 

Profissionalismo


O esforço de alguma comunicação social para sublinhar a "derrota" do PS é tocante. A seu modo, revela profissionalismo... 

De nada...



A diplomacia portuguesa prestou ontem, "malgré elle", um grande serviço ao país: refreou a subida da extrema-direita. De nada...

domingo, junho 09, 2024

RTP Açores

 



O novo México

 


Uma mulher assume a presidência na México. O meu comentário aqui.

"Portugal e a paz interrompida"


Imagino que não seja fácil atrair muita gente para assistir, em vídeo, a uma conferência com 30 minutos, seguida de uma hora de perguntas e respostas. Se acaso essas pessoas existirem, elas são muito bem vindos para escutarem aquilo que, há dias, eu tive oportunidade de dizer em Angra do Heroísmo, tendo como mote o tema em epígrafe. Aqui

Biden e Macron

Os próximos dias irão deixar claro aquilo em que Macron foi obrigado a ceder a Biden, no tocante ao seu jingoísmo na questão ucraniana. E talvez fique evidente quanto a França teve de adaptar-se para não se afastar dos EUA no tema da Palestina. Não é grande potência quem quer.

Vigarice

Há uma nada inocente vigarice, a que alguma comunicação social dá alento, por desconhecimento ou má fé, que é tentar colar a oposição (forma ínvia de referir o PS) a despesas que podem contribuir para agravar o défice. É falso: nenhuma despesa proposta pelo PS excede o montante global das propostas do governo.

sábado, junho 08, 2024

A direita britânica em crise


Ver aqui.

As guerras


Ver aqui.

Votem em quem quiserem, mas votem!

Já passa da meia-noite, aí em Portugal? Não vou apelar ao voto em nenhum partido. No domingo, votem no partido que lhes apetecer. Eu não vou votar. Já votei. Em quem votei? O voto é secreto, para quem o não quer dizer. Mas eu digo: votei PS! Claro. Vocês votem em quem quiserem, mas votem?

Bode expiatório


Não conheço Lacerda Sales de parte alguma. Contudo, ao longo dos anos em que o vi atuar na política, fiquei com a ideia de se tratar de uma pessoa de bem, dedicada ao interesse público. No "caso das gémeas", está a ser o bode expiatório de um caso que todos já percebemos demasiado bem.

Oportunidade


O sentido  de oportunidade é uma das qualidades requeridas para um político. O PM britânico, Rishy Sunak decidiu sair mais cedo da cerimónia dos 80 anos do desembarque na Normandia, para dar uma entrevista numa televisão, no âmbito da campanha eleitoral no Reino Unido. Deixou o seu lugar a David Cameron, o ex-PM convertido em MNE. Sunak, por má avalição, perdeu uma "photo opportunity" histórica. Está ser muito criticado pelo gesto, e já pediu desculpa publicamente. Vai tarde. Até porque, como todas as sondagens apontam, aquela seria uma das suas últimas possibilidades de ter uma "family photo" com aqueles parceiros.

sexta-feira, junho 07, 2024

Os refletores

Votei no passado domingo, por antecipação. Amanhã, vou passar o dia a refletir sobre quê? Sobre o atestado de menoridade cívica aos eleitores que representa o "dia de reflexão"? E não venham com o estafado "já estamos fartos de campanha!". Se a tornassem mais curta, já não se cansavam!

quinta-feira, junho 06, 2024

O tempo das cerejas


Antoine Renard foi o autor da letra de "Le temps des cerises", hino da Comuna de Paris, muitos anos depois popularizado em canção por Yves Montand. 

Hoje, numa loja de indianos, aqui em França, comprei cerejas. Ou porque eram estas e não eram outras, concluí que hoje não era o tempo delas.

Escolha de valores


Tabacaria em Lyon, esta manhã: "Não leva todas as revistas semanais de informação que saíram hoje", notou o cavalheiro atrás do balcão. "Não gosta da 'Valeurs actuelles'?". "Não aprecio muito", respondi. "No domingo vai ver que há muita gente que gosta". E fechou a cara.

Futura oportunidade

Quando é a votação, em Conselho Europeu, para a escolha do próximo presidente? É só para saber a semana (antes) em que surgirá por aí mais qualquer coisa que possa relacionar António Costa com a Operação Influencer.

Oportunidade

Oportunidade é isto mesmo: o caso das gémeas - que andava por aí há meses - regressa a três dias de umas eleições. Tão óbvio, não é?

quarta-feira, junho 05, 2024

Assim


Assim se faz propaganda eleitoral numa democracia sólida, sem poluição visual nas ruas, estradas e rotundas.

La France

França. Eleições europeias. 

Eleitores de 18/24 anos. 

Comparação de voto em 2019 com as sondagens 2024.

1. Partido de Macron: 20% - 5%.

2. Partido de Le Pen: 12% - 24%.

3. Direita clássica: 20% - 5%. 

4. Extrema-esquerda: 13% - 21%. 

5. Socialistas: 5% para 12%. 

Dá que pensar, não é?

terça-feira, junho 04, 2024

Em Vila Real

 


A direita à bulha

Nigel Farage volta a baralhar as contas dos conservadores britânicos. Encavalitado, desde há uns tempos, numa tribuna mediática, mudou de ideias e regressa a votos. Rishi Sunak estava quase à beira do abismo. Farage dá-lhe agora um empurrão.

Já podem vo(l)tar (2)

Depois das decisões anunciadas em matéria de política migratória, para "passar a mão" pelos votantes do Chega, o governo escolhe para dirigir a AICEP um antigo candidato europeu da Iniciativa Liberal. O recado agora é para os votantes da IL, como quem diz: "Como veem, nós aceitamos (de volta) a vossa gente". O redil está aberto.

Votar Marta


Estive ontem à noite em Santarém, num comício de apoio à lista de candidatos do PS às eleições para o Parlamento Europeu. Não sou militante do PS, mas entendo que a lista socialista é, a uma grande distância, a mais qualificada de todas quantos vão a votos. O facto dessa lista ser encabeçada por Marta Temido, pessoa por cujo trabalho como ministra da Saúde tenho uma grande admiração, foi um fator acrescido que me levou a expressar este meu público apoio.

segunda-feira, junho 03, 2024

Já podem vo(l)tar!

A menos de uma semana das eleições, o governo envia um recado aos eleitores do Chega: "Como veem, nós também estamos preocupados com a imigração".

"Portugal e a paz interrompida"


Foi na quarta-feira da passada semana. A noite não recomendava que se saísse de casa. Chovia imenso em Angra do Heroísmo. A minha conferência era às 20 horas (oito da noite? hora de jantar, telejornais). 

Na véspera, eu tinha já falado para umas dezenas de pessoas, num determinado contexto, que, naturalmente, não iriam deslocar-se ao salão nobre da Câmara Municipal de Angra para me ouvir de novo. Além disso, tinha dado uma longa entrevista ao "Diário Insular", onde basicamente havia dito o que pensava sobre o tema da palestra. A RTP Açores também me tinha convidado, nessa tarde, para meia hora de entrevista.

"Vai aparecer pouca gente", comentei, neste modo "sportinguista" de ser, que tantas desilusões me tem poupado, ao longo da vida. Maneira de viver que, por outro lado, me conduz a inesperadas alegrias. Como foi o caso. Afinal, a sala tinha imensa gente. 

Apresentado pelo dr. João Maria Mendes, meu amável anfitrião, e tal como combinado, falei por um pouco mais de meia hora, antes de muitas e pertinentes questões, que me permitiram clarificar alguns aspetos menos desenvolvidos na palestra. Foi uma bela e agradável sessão. De que agora me chegou a fotografia que aqui deixo.

"Ó meu alferes!"


Foi ontem, à saída do velório do José António Rosado. Eu ia a sair e uma figura alta dirigiu-se-me daquela forma. Achei curioso. A pessoa lembrou-me que, em 1973, eu tinha sido seu instrutor no curso de Ação Psicológica, na Escola Prática de Administração Militar (EPAM). E recordou alguns episódios dessa época, que eu já tinha esquecido. 

A verdade é que, nesse tempo, eu ainda não era alferes, era apenas aspirante a oficial miliciano. Ele, o meu interlocutor, era então soldado-cadete. Ambos tínhamos conhecido, naquela mesma unidade, o José António Rosado, ao tempo furriel miliciano, o amigo de quem ali nos estávamos a despedir. 

Foi através de Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril, que fui alertado para a morte do Rosado, que também era diretor da Associação, de que sou associado. E foi com ele e com muita outra gente, e principalmente com Marco Rodrigues, o fadista, que orientou o coro, que, ao final da tarde de ontem, todos cantámos a "Grândola", dentro da casa mortuária, à volta do corpo do José António Rosado, como ele tinha dito à família que desejava que acontecesse. 

O Rosado foi um dos militares que, sob o comando do capitão Teófilo Bento, integrou o grupo que ocupou a RTP, na noite de 25 de Abril de 1974. Lembro-me bem do entusiasmo que manifestava, que o terá destacado para ser um dos operacionais para a tarefa de que a EPAM tinha sido incumbida. Era um homem de uma imensa afabilidade. Perdi-o de vista por muito tempo. Há uns anos, esteve na origem de uma associação de antigos membros da Administração Militar, para a qual me arrastou. Entre outras suas iniciativas, estivemos juntos na inauguração de uma placa memorial que hoje figura no edifício do que foi o antigo quartel. Há meses, andou empenhado na organização de uma sessão comemorativa do papel da Administração Militar no 25 de Abril, em que insistia que eu tomasse a palavra - comigo, desta vez, a resistir e a dar argumentos para que fossem outros a fazê-lo. 

Foi-se agora o furriel miliciano José António Rosado. Foi-se mais um capitão de Abril.

domingo, junho 02, 2024

Deixar claro

É importante afirmar, sem medo, que ser crítico das políticas de Israel, e mesmo não aceitar a filosofia sionista, nada tem a ver com anti-semitismo, que, como qualquer outra forma de racismo, deve ser denunciado e combatido. Confundir as coisas é pura má fé e sectarismo.

A inclinação da feira


Desde há anos que opto por passar pela feira do livro sobre a hora de jantar, quando há menos gente. Costumo ir duas vezes, em dias ao acaso, um para cada ala. Subo e desço a feira, recolhendo depois ao parque onde guardo o carro. Nada de invulgar, imagino.

Fiz hoje uma dessas maratonas e, confesso, que me recorde, e pela primeira vez, cheguei ao fim estoirado. Ora a feira não me parece mais comprida do que em outros anos. Assim, só posso concluir que a feira está, este ano, mais inclinada. Deve ser isso! Não me vem à cabeça nenhuma outra ideia.

Será assim?

Os próximos tempos irão esclarecer-nos se, como alguns analistas militares aventam, a Rússia já atingiu a sua diversificação possível na utilização de armamento convencional da Ucrânia. A partir daqui, restaria a Moscovo passar ao patamar do nuclear tático. Será assim?

O "Jockey" tem o meu voto


O "Jockey", na Cidade Universitária, devia ser considerado o restaurante oficial do voto antecipado Eu diria mesmo, "by appointment" da Comissão Nacional de Eleições.

Que galo!

 

Já me perguntei se, neste ano tão raro em que o meu clube - um clube essencialmente católico, porque só ganha quando deus quiser - regressou ao esplendor na relva, não deveria ter pintado o meu galo da bela cor da dita. Só posso prometer que se, no próximo ano, voltarmos a ganhar, irei mudar definitivamente a cor das penas do "galo" que este ano, por uma vez, não tivemos.

Verdades

Hoje, as conversas oscilavam entre saber se a senhora tinha mentido ou se tinha sido miserável sujá-la àquele martírio. As duas coisas não s...