quarta-feira, 15 de julho de 2020

Severino Cavalcanti


Morreu, no Brasil, Severino Cavalcanti. Tinha 89 anos.

Na história política daquele país, o seu nome não passará de um pé de página. Um dia, durante o segundo mandato de Lula, um grupo de deputados, aproveitando um impasse na eleição para a presidência da Câmara de Deputados, decidiu apresentar o nome de Cavalcanti, um nordestino pernambucano, figura nada notável daquilo a que se chama o “baixo clero” (deputados sem grande projeção, que os britânicos designam por “backbenchers” e os franceses “d’arrière-ban”, mas não “banc”). E a aposta, insólita e divertida, para atrapalhar o governo, saiu vencedora.

Cavalcanti, oriundo do Partido Progressista (PP), um partido “fisiologista” (expressão que se usa no Brasil, significando que mistura a política com interesses económicos e financeiros), com um histórico no jogo de negociação de cargos e que viria a envolver-se em tramóias sucessivas nos anos posteriores, disse logo ao que vinha: pediu, para os seus, um lugar na direção da Petrobrás. Mas não um lugar qualquer. Queria um posto operacional, com poder, “dos de furar poço” de petróleo. A expressão ingressou logo no anedotário político.

Mais tarde, viviam-se os tempos do “mensalão” (mesadas pagas pelo governo Lula a deputados de certos partidos, oriundas de fundos ilegais, para recompensar votos favoráveis ao governo), Cavalcanti viria a ser apanhado numa trafulhice menor, na qual se apurou que um fornecedor da cantina da Câmara de Deputados lhe pagava uma “propina” regular. Naquela fértil imaginação semântica que só os brasileiros têm, o esquema passou a ser designado pelo “mensalinho”...

Cruzei-me com Cavalcanti duas vezes.

A primeira foi quando o fui visitar, para o cumprimentar, pouco tempo após a sua turbulenta e inesperada eleição. A Hebe Guimarães, uma amiga que tinha uma posição proeminente na máquina político-administrativa do parlamento brasileiro (hoje, infelizmente, bastante doente), arranjou-me o encontro.

Nunca, em toda a minha vida oficial, me deparei com um caos análogo àquele que se vivia no gabinete de Cavalcanti. Simultaneamente, tinha ali lugar uma reunião, com vários deputados, àcerca de um diploma legislativo. Em frente, em sofás, assistindo sem limitações àquela “marchandage”, estavam as pessoas que o presidente da Câmara dos deputados iria receber. Por ali estive vários minutos, no segredo “dos deuses” da barganha legislativa em curso. Graças à “cunha” da minha amiga, o embaixador de Portugal passou à frente de todos os que aguardavam.

Cavalcanti, um simplório senhor idoso, estava sentado numa secretária, por detrás de uma meia parede que fazia de uma espécie de biombo. Foi simpático, conversador, falou-me do “Solar dos Presuntos” onde, em Lisboa, um dia comera magnificamente e exultou quando se deu conta de que ambos tínhamos coincidido em Nova Iorque, no dia fatídico do 11 de setembro de 2001: eu era embaixador por lá, ele estava na cidade, numa visita parlamentar. Contou-me que, na falta de voos para regressar ao Brasil, a delegação que integrava ficou quase sem lugares no hotel, tendo de dormir em escassos quartos. “Dormi na cama com dois colegas, embaixador. Felizmente que a minha mulher sabe que não sou viado!” E todos rimos imenso, sempre com gente a entrar e a sair do espaço, com a sua atenção a ser suscitada para assinar coisas que despachava, à confiança. Foram vinte minutos inesquecíveis.

Um outro dia, e foi a última vez que o vi ao vivo, testemunhei a sua intervenção inicial numa bizarra homenagem póstuma feita pela Câmara dos Deputados brasileira a Sérgio Vieira de Mello, reunião que viria a terminar com a sala quase vazia, praticamente só comigo, com a família do diplomata da ONU e uma banda de música, que no final tocaria o hino nacional. Cavalcanti abriu a sessão, mas logo ficou evidente que não tinha a menor ideia daquilo que lhe tinham agendado para ir ali fazer. Iniciou o seu discurso dirigindo-se a ... Sérgio Vieira de Mello! Um fâmulo acorreu, pressuroso, informando-o de que, tendo o passamento do homenageado ocorrido já há dois anos, era justificável a sua ausência da sala e que era a família do homenageado que deveria começar por saudar. Ele corrigiu, leu o que tinha a dizer e desapareceu.

Hoje, morreu.

Haja coerência!

Lamento bastante a posição assumida por António Costa face a Viktor Orbán, “desligando” a questão dos fundos europeus do cumprimento dos valores e princípios da União. Não me revejo nessa “realpolitik” de oportunidade, que abertamente favorece o detestável e reiterado comportamento do autocrata húngaro. O argumento de que há outras áreas dos tratados europeus em que o tema melhor caberá é muito débil.

Mas quem, entre nós, nunca mostrou o menor empenho em isolar Orbán e o seu partido, no seio do Partido Popular Europeu - o grupo político onde estão o PSD e o CDS -, alinhando na oportunista tática de o “suspender” antes das últimas eleições para o Parlamento Europeu, não tem hoje a menor autoridade para criticar o primeiro-ministro por aquele infeliz gesto.

Lembram-se?


Alguns não se lembram, outros nem se querem lembrar, muitos desconhecem. Por esta época, nas revistas “do social”, era o período áureo das festas de verão, dos “dias nacionais” das embaixadas lisboetas, dos que “recebiam”, era o início dos eventos chiques da “saison” algarvia, um mundo cheio de nomes sonantes, uns porque sim, outros porque eram repetidos à exaustão. A Comporta só veio mais tarde, o Norte nunca foi muito “in”, salvo no registo de quem ia para os nevoeiros nobilitadores do Moledo.

Era o Portugal “dourado” da época, assente nos fundos europeus e na nova classe política, nas fortunas antigas ou no dinheiro novo, das empresas na moda aos ”cromos” da noite de Lisboa. Era o estatuto do novo regime. 

Em noites resplandecentes, eles viam-se de smoking ou de calças vermelhas e camisas abertas até à cruz no peito, elas surgiam “produzidas”, longos cabelos loiros, peles escurecidas, sorrisos de circunstância, guarda-roupa muito cuidado. Alguns lutavam para aparecer nessas ocasiões e para a sua presença ser citada, às vezes notados pelos “nicknames” que eram meio caminho andado para o reconhecimento. Os menos poderosos e mais arrivistas metiam cunhas aos fotógrafos ou a umas senhoras, reverenciadas e mimadas por quem queria aparecer, que iam dando indicações sobre de quem guardar a imagem para essa efémera posteridade, se me permitem a contradição. Outros estavam lá pela ordem natural dessas coisas, pelo apelido, pela “função” social, porque era assim. Depois, com maior ou menor destaque, lá saíam todos, ao final da semana, em papel “couché”, no “Olá Semanário” e revistas parecidas, num arremedo do que se fazia em Espanha, uma terra com mais aristocracia e mais “grandes” para mostrar.

Nos dias de hoje, a “Olá”, que até chegou a ter alguma graça, desapareceu já há muito, mas surgiram entretanto os seus sucedâneos, mais modestos mas, nem por isso, menos coloridos e a puxar para o glamoroso iluminado. Era um tempo em que ainda apareciam crianças nas fotografias, hoje, pudicamente, mostradas com as caras glicerinadas, como nos quadros do Noronha da Costa. 

A sociedade - que, a certa altura, tinha já sido substituída por reportagens de casamentos e batizados de ignotas famílias, que pagavam o frete a metro - deixou definitivamente o lugar aos atores e atrizes das telenovelas, aos futebolistas, às figuras televisivas, aos saídos dos “big brother”. Reportam hoje separações, óbitos, azares, doenças, namoros, ciúmes, intrigas, perdas de emprego, programas que começam ou acabam, coisas assim. Para quem não segue muito esses mundos, chega a não ser fácil saber quem é essa “beautiful people” de nova extração. Mas que há quem ainda goste, lá isso há!

Por que me lembrei disto? Foi ontem, ao ver nas televisões as imagens de arquivo do caso BES. Recordei-me que há um mundo que, por um novo e receoso pudor, temente à inveja que campeia e à crítica raivosa da ostentação dos outros, tida como ofensiva para as desigualdades, passou a viver as suas festas atrás de muros e a ter uma vida social em voz mais baixa. Hoje, mostrar os cavalos ou os carros de última gama, as festas de champanhe e caviar, ostentar as jóias e tudo o que possa ser lido como sinais exteriores de riqueza, como belas mansões e até excessiva alegria passou a não estar no “l’air du temps”, no politicamente correto. É uma hipocrisia, deixemo-nos de coisas!, mas é assim mesmo. Essas pessoas passaram a ter de ser mais discretas, mais contidas na exposição da sua imagem. É a nova vida!

Mistura de sentimentos


Não há expressão consagrada em português para “mixed feelings”. E, no entanto, é isso que sinto, uma mistura contraditória de sentimentos, face à saga que marca os dias do antigo rei espanhol, Juan Carlos.

As moscambilhas financeiras em que o rei emérito se envolveu, recebendo chorudas comissões de nababos medievais que dirigem países do Golfo, em troca de influência junto de empresas espanholas, colocam-no numa situação de extrema delicadeza, fragilizando a própria monarquia. Agora se percebe melhor o inusitado anúncio, feito há semanas, pelo filho, Filipe VI, de que renunciava a qualquer herança do pai. Pelo meio da história, para lhe dar mais picante e colorido, surge a figura de uma bela amiga do velho rei.

Juan Carlos tinha já saído do trono muito debilitado na sua imagem, por gestos insensatos, à revelia da sobriedade de costumes que os tempos exigiam.

Os reis são hoje uma “raça” ameaçada de extinção. Os escassos que sobrevivem, em ambiente democrático, afastados de qualquer poder executivo, são obrigados a observar um comportamento que atenue o risco dos seus “súbditos” poderem vir a optar por uma chefia eleita do Estado.

Como muitos portugueses, criei, no passado, uma forte admiração pelo rei espanhol, que aqui viveu e nunca desmentiu a grande simpatia que tem pelo nosso país. Franco usou-o para uma transição política cujos contornos, no entanto, fugiram à ideia de que tinha deixado tudo “atado y bien atado”. Juan Carlos soube então “ler” os dias, estruturou, com legitimidade histórica reconhecida pelos militares, uma autoridade que lhe permitiu pilotar a mudança, correndo riscos mas ganhando um país democrático, não obstante as tensões regionais centrífugas. Por muitos anos, a Espanha, salvo nas suas expressões mais extremistas, rendeu-se à sua dialogante autoridade e simpatia.

E não se diga que foi tarefa fácil! Não eram apenas as “duas Espanhas”, do tempo do seu pai, que, por vezes, ameaçavam aflorar, foram jogos partidários complexos, para os quais ele conseguiu, sob uma nova constituição, estruturar um terreno hábil de diálogo.

Depois, as coisas começaram a correr mal, não obstante algum cuidado na sucessão. Mas seria ele próprio quem contribuiu, em grande parte, para a perda da “magia” da monarquia espanhola.

Não se sabe agora o que aí vem. Por mim, republicano que sou, com sentimentos contraditórios face ao antigo rei, desde que ficassem devidamente acertadas as suas contas com a Espanha, não me importaria de vê-lo acabar os seus dias em Portugal.

Quinto livro para férias


terça-feira, 14 de julho de 2020

Ao fresco


Passei, há minutos, no lugar onde ficava o “33”, um agradável restaurante na rua Alexandre Herculano. Tinha um pátio magnífico onde, no verão, se almoçava ou jantava. As suas portas estão fechadas há já bastante tempo.


Depois de almoço, ali em frente da Gulbenkian, neste dia de calor, tinha-me lembrado da “Gôndola”, por ora transformada num buraco à espera de um banco. Tal como no “33”, a oferta gastronómica nunca foi por aí além, mas o espaço era soberbo. Tenho muito boas memórias de almoços por ali.


Na parte norte do Campo Grande, bem antes da igreja, quem se recorda do interessante jardim traseiro daquele que foi, por muito tempo, um dos mais antigos restaurantes de Lisboa, muito ao jeito das casas de comida “fora de portas”? Chamava-se o “Antigo Retiro do Quebra Bilhas”. 

Lisboa tem hoje muitos mais lugares onde se janta, ao fresco, comendo bem melhor do que naqueles restaurantes que fomos perdendo. Mas o que é que hei-de fazer? Aqueles três fazem-me falta.

Quarto(s) livro(s) para férias


segunda-feira, 13 de julho de 2020

Havemos de ir a Viana!


Palermices

Há uma coisa tão palerma como comemorar os êxitos da luta contra o vírus em Portugal: é mostrar um cínico regozijo com o agravamento dos números da pandemia entre nós. No primeiro caso, é parolice, saloiíce, deslumbramento. No segundo, é estupidez, sadismo, crueldade. Escolham!

Aviso à navegação


Já o disse, no passado, mas repito: este blogue não é um “cabide” em que os comentários servem para “pendurar” outros blogues ou links. Só excecionalmente isso pode acontecer. Por isso, desistam quantos tentam, por aqui, ganhar popularidade indireta.

Terceiro livro para férias


domingo, 12 de julho de 2020

Uma olímpica ironia


Romanos


Tenho esta dúvida: quantas pessoas, com menos de 30 anos, são capazes de ler isto? (Nem me atrevo a perguntar: e com mais de 30?)

sexta-feira, 10 de julho de 2020

Segundo livro para férias


A vida como ela está!


Os dias estão espessos. Por muito que os tentemos normalizar, que nos esforcemos para nos adaptar às novas rotinas, todos já percebemos que, ao contrário de alguma ilusão que existisse no início da crise pandémica, não há a menor ideia de até quando as coisas podem ter de permanecer assim. Pelo contrário, depois de recuos já operados em outros países, nada garante que as coisas não tenham de voltar para trás.

Mas não é sobre os riscos da pandemia que quero elaborar, porque de especialistas sobre o vírus o país parece (afinal) cheio. Gostava apenas de refletir, brevemente, sobre as suas consequências – materiais e humanas. Sem certezas, mas procurando ter os pés no chão.

Do que vou observando na nossa vida económica, não obstante as “almofadas” públicas que foi possível colocar em prática, de que o “layoff” foi um importante instrumento (embora fortemente emperrado pela burocracia), há uma parte significativa do tecido económico que está a sofrer de forma irremediável. Há pequenas e médias empresas que se tornaram inviáveis, o desemprego cresce a cada dia. Conta-se com a “bazuca” da ajuda europeia, mas há impactos que esse apoio não vai conseguir atingir ou chegará tarde, porque o calendário de desembolsos será sempre lento. Acresce que, sendo esta uma crise global, logo relativamente “simétrica”, haverá destinos, que nos últimos anos absorviam a nossa exportação, que deixarão, por algum tempo, de o poder fazer, a acreditar na modéstia das taxas de crescimento que se anunciam. E, como já se está a ver no caso do turismo, mudar de mercados-alvo é uma missão quase impossível, em tempos de crise.

A dimensão social dos impactos económicos da crise pode vir a ser atenuada, a prazo, pelo apoio europeu – e parece ser essa a aposta oficial. Mas é inevitável que, por bastante tempo, se agravem algumas consequências, como o aumento da pobreza e da exclusão, nomeadamente de imigrantes, trazidos pelo surto de turismo e pela agricultura. Por outro lado, é sabido que o desemprego é sempre fonte de uma pequena criminalidade que afeta a perceção de insegurança, induzindo pulsões securitárias, potenciadas por uma comunicação social que faz disso o seu “fond de commerce”, aproveitadas por forças populistas.

O país reagiu com sensatez à crise, aceitou, em regra, as limitações que a situação impunha, mas foi mostrando progressivo e natural incómodo com o espartilho ao seu quotidiano. Questão é saber se, em caso de ter de haver um recuo na abertura da sociedade, por virtude de um agravamento da situação sanitária, haverá consenso para a adoção de novas medidas restritivas.

As pessoas vivem hoje bastante tensas, os efeitos das medidas de confinamento revelaram-se assimétricos e injustos, há setores em compreensível desespero, em especial por não haver uma perspetiva temporal para a normalização da vida.

Reconstituir alguma esperança coletiva é a tarefa fundamental de quem atua na esfera pública, em que a comunicação social também se insere.

Não sei o que te diga


Não sei o que te diga, Mena. Hoje, 10 de julho, uma data muito triste para ti, tu que colecionas tantas datas tristes. Viste partir uma filha, viste desaparecer o teu filho e, há não muito, também, o teu companheiro de vida. Já os teus pais e um irmão tinham saído de cena. Resistir à dor, sublimando-a à tua maneira, passou a ser a tua forma de vida. Às vezes, estranhamos aquilo que parecem ser os teus delírios, os teus mundos algo míticos e oníricos, algumas reações que nos chocam. Mas nenhum de nós ousa sequer pensar o que seria, como reagiria se estivesse no teu lugar, se fosse o protagonista desse teu mundo de tristezas, feito de tantas perdas acumuladas, de futuros não cumpridos. Eu, que te conheço de toda a vida, desde a infância comum, que acompanhei todos esses tempos, que assisti à tua transformação por todas essas dores, que aprendi a ler as sombras que estão por detrás desse teu sorriso tão bonito, quero deixar-te aqui, hoje, dia 10 de julho, um beijo fraterno de grande admiração pela tua imensa e ímpar coragem.

Primeiro livro para férias


A esperança europeia


Quando falamos de Europa, referindo-nos à atual União Europeia, tendemos a esquecer que as instituições do processo integrador são uma realidade mutante com o tempo - desde as políticas à sua própria abrangência geográfica. Se a ambição última - paz, liberdade e desenvolvimento – permanece, basicamente, a mesma, o modo de a materializar e de lhe conferir densidade mudou imenso.

Também o olhar dos europeus sobre esse processo passou a ser outro, e isso explica muitas coisas. Quando a Europa iniciou o seu percurso de integração, vinha de uma guerra que deixara o continente devastado. A recuperação das economias, com a ajuda do Plano Marshall, fez muito pelo bem-estar dos integrantes do projeto e o óbvio sucesso deste constituiu-se como o seu melhor cartão de apresentação. A melhor prova disso foi, aliás, o interesse do Reino Unido de se juntar aos países fundadores, superando as suas reticências e a sua óbvia relutância de se inserir num processo de partilha de soberanias, bem contrário à sua arraigada matriz institucional.

Os trinta anos “gloriosos” trouxeram um prestígio imenso à ideia europeia, com uma forte adesão a um modelo consubstanciado em bem-estar, num contexto de liberdade e democracia.

Com a vitória ocidental da Guerra Fria, a Europa integrada acabou por ser vítima do seu sucesso e da ambição que este desencadeou. Os Estados saídos da tutela soviética vieram bater à porta do projeto que lhes tinha sido mostrado, do lado “de cá”, como miragem a que então já podiam aspirar. E a euforia da conjuntura levou os Estados mais integradores à ideia de que um salto de aprofundamento era compatível com a absorção do Centro e Leste do continente. Maastricht foi a tradução institucional dessa ambição – moeda, política externa, união política.

Muita água correu depois sob as pontes, com sucessivas reformas dos tratados a tentarem conferir funcionalidade a uma Europa simultaneamente alargada e mais densa de políticas. Um espaço que, não obstante a sua excecional vitalidade, como potência comercial e expoente económico, estava a perder competitividade e a ficar para trás na corrida global.

O contexto, não sendo de estagnação, passou a não ser já de euforia. Em muitos Estados, o crescimento reduziu-se, o desemprego subiu, as deslocalizações foram incompreendidas, algum recuo soberanista começou a fazer o seu caminho.

As novas gerações, frustradas com a falta de oportunidades já não olham hoje o pós-guerra desolador, como os seus pais haviam feito. Ao invés, passaram a comparar as suas limitadas expetativas com os tempos fartos que tinham, entretanto, deixado de existir.

A globalização converteu-se no bode expiatório dessas frustrações, os choques com o estrangeiro que ameaça os empregos e fere a identidade cultural passou a ter um terreno fértil, com o terrorismo e as pulsões securitárias daí derivadas a provocarem tropismos nacionalistas. A falência ou a rotura do projeto europeu, como se recordarão, chegou então a ser anunciada.

Ora a Europa, não obstante todas as suas clivagens, foi bem resiliente. Conseguiu superar a crise financeira de 2007, acabou por resolver, “tant bien que mal”, a crise das dívidas soberanas, uniu-se para afrontar o fantástico desafio que é o Brexit, suportou estoicamente a pressão da crise dos refugiados e dos migrantes económicos e, no fim da linha, mostra agora uma insuspeitada vitalidade para contrariar, com imaginação económica e vontade política, os embates da crise pandémica. Tudo isto, nos anos mais recentes, sem poder contar com o tradicional “amigo americano”, que põe em causa o sistema multilateral que é a sua matriz de ação internacional.

O vírus maligno que por aí anda vai ser um desafio imenso para a estabilidade do projeto europeu. Contudo, se este souber encontrar os anti-corpos, em matéria de políticas, para lhe fazer face com algum êxito, a Europa pode acabar por sair reforçada, à escala global, deste desafio. E, no plano interno, pode ter encontrado um novo sopro de estamina e coesão política. Será isto “wishful thinking”? Talvez, mas não há futuro sem esperança.

quinta-feira, 9 de julho de 2020

Melros e coisas assim


Neste tempo de confinamento, passei a notar mais nos melros que pousam no meu jardim. 

Sou um insuperável nabo quanto às coisas da natureza: reconheço uma pereira ou um pessegueiro, mas apenas quando neles estão pendurados peras ou pêssegos; se lá estivessem ameixas ou cerejas, a minha conclusão seria outra e já se imagina qual. 

Não identifico um pardal ou uma águia, não me atrevendo, como é óbvio, a chamar pardal àquilo que pode ser uma águia, embora fique na dúvida sobre se trata de uma águia ou de um milhafre ou de qualquer outra coisa parecida. Mas, a sério!, fico sempre na dúvida sobre se o pardal não será uma andorinha...

O meu pai era um imbatível ás em questões de passarada: conhecia-lhes os nomes, identificava as aves mais diversas. Até pela forma de voar! E, então, em matéria de árvores, era um perito, delas sabendo mais do que muita gente que vivia no campo. Como, no caso dele, sempre habitou em cidades, ficou-me a dúvida eterna sobre a origem dessa ciência. Que, como se vê, não passa pelas gerações.

Voltando aos melros. Até à pandemia, andei convencido de que aquelas aves de bico amarelo que me visitavam eram (acreditem!) corvos! Disse isso a um amigo e ele deu-me um berro amesquinhante: “Estás maluco?! São melros, homem! Se tiverem bico amarelo são machos, se o bico for mais escuro são fêmeas”. Há dias vi um que tinha um bico que não era bem amarelo nem escuro, mas tive receio de mandar um bitaite politicamente incorreto, nos tempos que correm...

Arquivei a sapiência e, um destes dias, fui mesmo honrar a memória poética de Guerra Junqueiro, relendo “O melro”, um poema que o meu pai “recitava” em família (imagino agora que só uma parte, porque aquilo é longo e, aqui entre nós, bem chato). O meu pai adorava a arte do criador da bandeira da República e ficava furioso quando eu o qualificava de “poeta menor”. (Tinha idêntica reação quando eu me atrevia a dizer o mesmo sobre Pedro Homem de Mello. A nossa sintonia nunca foi lírica). 

Às tantas para me absolver da minha ignorância sobre os melros (ou por ter pouco que fazer), passei a alimentá-los, diariamente. Dava-lhes pão, bolachas e o que estivesse à mão. Por bastantes dias, tudo correu bem. A escada para o jardim passou a estar cheia de melros, que se aproximavam bastante, à hora das refeições. Depois, eles começaram a pousar dejetos, o que levantou objeções familiares sobre a justeza da minha generosidade alimentar. Um dia, chegaram os pardais, sempre aos pares (os tais que eu não sabia se eram andorinhas). Constatei então que os melros, naquele seu porte simpático e frágil, eram afinal egoístas e lhes davam bicadas, para eles se não aproximarem das vitualhas, embora elas chegassem para todos. Até que, finalmente, vi surgirem as pombas, avisadas da fartura da zona, sabe-se lá por quem. Comecei mesmo a temer a chegada das gaivotas (sempre as confundi com as pombas, confesso!). Depois, li na net que havia o risco do surgimento de gatos da vizinhança. E decidi então fechar o “restaurante”. 

Ontem, deu-me para pôr no meio do jardim uma ave metálica que, há muitos anos, comprei no sul de França, e que tem estado, desde então, a criar patine de ferrugem. Coloquei-a na relva. Mas os melros não lhe ligaram peva, nem se aproximaram, não se deixaram enganar. Cheguei à conclusão de que eles sabem muito mais de aves do que eu. O que já terão percebido que não é difícil.

Alfredo Tropa


Foi-se o Alfredo Tropa, uma grande figura da RTP e um nome importante do cinema português. Conhecemo-nos em 1974, durante os dias ”épicos” que se sucederam à ocupação da televisão pelas tropas da EPAM, unidade militar em que eu então fardava os meus dias. Uma década mais tarde, congregados pelo Alfredo Magalhães Coelho, juntámo-nos numa tertúlia que assentava praça aos fins de tarde no “Metro e Meio” e refeiçoava, com regularidade, na “Travessa”, na sua primeira “versão”, também na Madragoa. Ali criámos, sob a direção “estratégica” do José Emílio Amaral Gomes, um infausto “clube” de investimento na bolsa. Voltámos a ver-nos, anos mais tarde, por acasos da vida. Ficou a combinação de um almoço que já se não fará.

quarta-feira, 8 de julho de 2020

Amigos, amigos


Durante os anos em que vivi em Londres, alguns portugueses inquiriam-me sobre o modo como os britânicos olhavam a velha Aliança com Portugal.

A questão não estava entre as que, minimamente, preocupavam quem quer que fosse, por esses tempos. O tema só surgia na retórica dos discursos oficiais ou vocalizada por britânicos que, simpaticamente, queriam um pretexto de conversa, alternativo à estafada menção ao Vinho do Porto.

Aos meus interlocutores portugueses , eu procurava dizer a verdade. E a verdade é que a generalidade dos britânicos com quem falava, além de raramente referirem esse tratado do antanho, quando o faziam colocavam-no num patamar de mera curiosidade histórica e, sem exceção, a nenhum passava pela cabeça a plausibilidade da sua menor invocação nos tempos que corriam. Um dia, numa palestra em Londres, perante uma questão sobre se ainda cria na Aliança, respondi, por entre britânicos sorrisos amarelos: “Acredito! Acredito tanto como os ingleses...”

Vale um belo livro nunca escrito o histórico das relações luso-britânicas, ao longo de séculos. Tratados, entendimentos, desencontros, perfídias, interesses comuns ou contraditórios – há um pouco de tudo. Aliás, uma pequena amostra de tudo isso guardo na minha memória profissional, fruto daquilo de que fui testemunha presencial em vários momentos.

Às vezes, diz-se que devemos aos britânicos a nossa independência. É um erro: talvez lhes devamos uma ajuda pontual à preservação histórica da nossa soberania, mas isso custou-nos, por séculos, precisamente a nossa independência, que ficou sob a sua tutela.

Para tempos recentes, fica a imagem de uma relação bilateral a que a nossa comum presença nas instituições europeias só trouxe maior distância e um crescente afastamento do padrão de interesses. Salvo no sublinhar da importância em manter a Europa num laço transatlântico forte, raramente detetei pontos de aproximação entre Londres e Lisboa, que pudessem configurar eixos de ação comum na esfera comunitária.

A decisão britânica de excluir Portugal das rotas turísticas, levantou por aí um “Mapa Cor-de-Rosa” de indignações. Com razão, protestámos, alto e bom som, para inglês ouvir. Esse tempo passou: agora, com serenidade, discutamos com eles os nossos comuns interesses.

É que já Palmerston dizia que “a Inglaterra não tem amigos, tem interesses”. Às vezes, contudo, a História provou que Londres também tem interesse em ter amigos. Lembremos-lhes isso.

terça-feira, 7 de julho de 2020

Vírus


Se a nova recomendação da OMS, no sentido de serem evitados os espaços fechados, pela possível transmissão do vírus pelo ar, vier a ser seguida com algum rigor, podemos estar perante um caso com fortes implicações negativas na recuperação económica.

segunda-feira, 6 de julho de 2020

Jogos com fronteiras

O “Expresso” perguntou-me, na sua edição de sábado, se faz sentido não impor um controlo sanitário na fronteira com Espanha. Respondi isto:

”Há um registo de otimismo que é imanente a todo o discurso do poder. As dúvidas, mesmo que intuídas, passam quase sempre para segundo plano, porque elas não devem poluir o objetivo de criação de confiança que é pretendido com a mensagem. 

Lembrei-me disto ao ouvir os responsáveis políticos, dos dois lados da fronteira do Caia, no anúncio da reabertura da passagem entre Portugal e Espanha. Pelo que foi dito, perpassou a ideia de que o pior já passou, que caminhamos para um tempo novo, exigente mas superável. 

Por razões óbvias, Portugal nunca foi adepto da invocação reiterada de excecionalidades na livre circulação europeia. Mas adotámo-las, com indiscutível lógica, no auge da pandemia, numa modelar articulação pública com o nosso único vizinho terrestre. Na “exit strategy”, a consonância foi menos brilhante, mas a recente cerimónia com os poderes de Estado tudo acabou por disfarçar.

Agora, vive-se o dia seguinte. Terá sido prudente adotar uma abertura de fronteiras sem prever, ao menos temporariamente, controlos de segurança sanitária? 

Percebo bem o sentido estratégico do risco assumido, pelo dramatismo das consequências económicas desta crise. Não estou seguro, contudo, de que a solução adotada tenha sido a melhor, esperando poder vir a ser convencido pelos factos. 

A situação sanitária que se vive em Portugal e em Espanha está bastante longe de estabilizada. Confie-se ou não nas estatísticas que nos chegam de Madrid, a verdade é que o curso da pandemia, na península, continua preocupante. E que uma segunda onda não pode ser descartada.

Neste contexto, nos últimos meses, aprendemos que os sinais públicos são de extrema importância. Não quero fazer chover no molhado, mas é mais do que óbvio que as imagens do 1° de Maio ou a manifestação contra o racismo foram momentos infelizes que ajudaram a potenciar algum laxismo, que todos estamos a pagar.

Em matéria de luta contra a pandemia não podemos continuar a viver numa espécie de “banho escocês”, em que tanto nos dizem que é possível ter fronteiras abertas como ouvimos, das mesmas autoridades, que temos de recuar em algumas aberturas do desconfinamento. Dir-me-ão: uma coisa não é contraditória com a outra, desde que haja cuidados. Para a generalidade da opinião pública as coisas não são lidas assim. E, em política, como diria alguém que curiosamente tinha da relação com a Espanha uma visão desencantada, o que parece é.”

domingo, 5 de julho de 2020

Fim do dia


Sempre apreciei os dias de verão em que, depois do jantar, sentadas as cadeiras confortáveis, as pessoas têm conversas sem agenda, com a luz a desaparecer, numa varanda ou numa sala de janelas largas. O dia ainda lá estava quando se sentaram e vai desaparecendo, quase sem darem por isso, até entrarem numa quase escuridão.

Na casa das minhas tias, nas Pedras Salgadas, no belo terraço arredondado com cadeirões de verga ou de madeira, com largos braços, guardo a imagem dos mais velhos a porem a conversa em dia, comentando os casos da vida.

Na varanda que torneia o pátio da casa dos meus avós maternos, não muito longe, em Bornes, com as pessoas no escano ou nas muitas cadeiras que por lá havia, formava-se um cenáculo de belas conversas, com gente da família ou amigos a juntarem-se, vindas de outras casas, a quem era oferecido um cálice de “vinho fino”.

Eram também assim as noites em Viana do Castelo, nas férias grandes, em torno da minha avó paterna, na casa do largo Vasco da Gama, com os filhos no ritual da visita diária. Recordo-me que a claridade declinava, quase subitamente, e, se alguém, inesperadamente, entrasse na sala, ficaria com a ideia de que todos tinham para ali ido às escuras.

Esse é o segredo desses momentos. Se uma luz se acende, e cedo ou tarde isso acontece, toda a magia de penumbra desaparece. As conversas já não voltam a ser as mesmas.

Bolton


Escorreito na escrita mas, às vezes, demasiado “notarial”, traz muito poucas verdadeiras novidades, embora revele curiosidades sobre a liturgia do poder americano.

Falo do “The Room Where It Happened”, de John Bolton, antigo Assessor para a Segurança Nacional de Trump. https

Faz Figura


Almoçar com vista para o Tejo - e almoçar bem!  - é um privilégio. Uma varanda arejada, com espaço e toda a “distanciação” necessária, com um menu criativo, uma das melhores listas de vinhos de Lisboa. 

Eu sou fã do “Faz Figura”. Estacione junto à Feira da Ladra e aproveite! Façamos figas contra o vírus!

sábado, 4 de julho de 2020

Diplomacia

A anunciada atitude britânica face ao turismo com Portugal revela o que parece ter sido um lamentável viés, isto é, a utilização de índices que abertamente desfavoreceram o nosso país, em paralelo com outros. A ironia, que poderia ser utilizada se não se tratasse de um caso com sérias implicações económicas, é que, comparativamente com o Reino Unido, a situação sanitária portuguesa, sendo menos brilhante do que já foi, continua a ser bem mais positiva do que a que por lá se vive.


Tudo indica que Portugal tem toda a razão do seu lado e que o Reino Unido a não tem. Percebo assim perfeitamente que o ministro dos Negócios Estrangeiros tenha tido a reação que teve, porque era importante fazer chegar a Londres um sinal político forte da nossa insatisfação. Ele ficou dado e bem, como Augusto Santos Silva sabe fazê-lo. E o mesmo foi ecoado, com brilho, por um alto responsável político do principal partido da oposição.


Mas isto não é o Mapa Cor-de-Rosa! Haja bom senso e não se enverede por movimentos públicos de desagravo patrioteiro. Agora, começa um novo tempo: pelo menos por quinze dias (tempo em que se fará a eventual revisão da medida), tudo continuará nos termos que Londres anunciou. Há que encetar - e estou certo que isso já está a ser feito - um rápido trabalho de sensibilização, com base num diálogo sereno, para demonstração rigorosa das nossas razões, com base em critérios técnicos e científicos, credíveis e insofismáveis. É assim, e só assim, que se poderá conseguir reverter a situação. A diplomacia é isso.

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Ainda existe “a mais velha aliança”?

Muita da tradicional proximidade entre Lisboa e Londres esbateu-se fortemente após a nossa entrada nas então chamadas Comunidades Europeias, em 1986. 

A partir daí, e enquanto o Reino Unido continuou a ser um parceiro relutante do processo europeu, Portugal tentou dar um salto "centrípeto", colocando-se no eixo da União, com a deliberada intenção de evitar cair num novo ciclo de perifericidade na sua história contemporânea. Salvo o interesse em manter viva na Europa a relação transatlântica, quase tudo, a partir de então, nos fez afastar dos britânicos. 

Será que a "mais velha aliança", nomeadamente no contexto da sua singularidade britânica perante a Europa dos 27, tem condições para poder ter um novo fôlego? 

Para aquilo que verdadeiramente nos importa no quadro externo, estamos estritamente ligados ao quadro europeu, que tanto nos condiciona como nos protege e amplifica a nossa capacidade de defesa de interesses. Tudo o resto, podendo ser interessante de explorar no terreno bilateral, acabará por ter uma dimensão menor e residual. 

Acredito na "mais velha aliança"? Acredito, tanto como os ingleses...

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Aos bonés


O mundo anda esquisito. Agora, já nem os porteiros dos hotéis têm bonés parecidos com os dos generais ou ditadores “graduados“ do Leste.

Direita, extrema

Um excelente teste para medir o pulso à democraticidade de alguns, na direita portuguesa, é verificar quem, descomplexadamente, qualifica o Chega como de extrema-direita e quantos enveredam por um contorcionismo semântico, para evitar terem de dizer isso. É tão divertido!

Putin

É interessante observar como Putin e a sua “democratura” servem hoje de sucedâneo afetivo a muitos que, no passado, adoravam a União Soviética. Quase sempre, o seu “alibi” é a reação contra os EUA, que o tempo Trump facilita. Tudo isto é tão previsível...

Amália


Sempre achei perfeitamente ridícula a questão da relação entre Amália e a política. A arte de Amália torna-se melhor ou pior, dependendo da sua “lateralização” ideológica? Que palermice!

Durante anos, para alguns, Amália era “fascista”, bandeira do Estado Novo, misturada romanticamente com a plutocracia, com fábulas noturnas no chafariz do Rossio. 

Depois, foi a sua recuperação pelo lado intelectual, dos poetas “bons” que cantou à parceria com Alain Oulman, um esquerdista que a Pide prendeu. As noites “chez Amália”, com nomes sonantes por lá, consagraram um cenáculo prestigiante.

Agora, parece que se descobriu que Amália apoiou gente perseguida pela ditadura. 

Pelos vistos, a julgar pela incessante coscuvilhice à sua volta, o passado de Amália está ainda cheio de futuro.

E se, muito simplesmente, ouvíssemos a fantástica voz de Amália e deixássemos em paz a sua vida?

A esperança verde

Ser sportinguista é sempre ter esperança. Mas ter a menor esperança de colmatar a distância pontual existente face ao Benfica, para poder chegar ao segundo lugar, é, não um sinal de esperança, mas de um insensato irrealismo.

quarta-feira, 1 de julho de 2020

O futuro do Turismo



Na minha vida como diplomata, a divulgação das virtualidades do turismo em Portugal fez parte, com a promoção do comércio e a captação do investimento estrangeiro, do "triângulo" permanente da nossa ação económica externa. Em quase quatro décadas de profissão, com ciclos políticos muito diferenciados, esse módulo de interesses permaneceu constante, com maior ou menor alocação de meios para o impulsionar.

Devo confessar, contudo, que a explosão turística da última década constituiu, para mim, uma imensa surpresa. Se bem que, teoricamente, pudéssemos conceber que Portugal estava a reunir um conjunto invejável de atrativos para captar turistas estrangeiros - da segurança pública à qualidade da rede hoteleira, da afabilidade à gastronomia e vinhos, do sol & praia à rara especificidade dos novos destinos (Douro, Açores, turismo verde) - havia sempre a ideia, felizmente errada, de que outros conseguiriam suplantar-nos nesse campeonato.

Ainda há menos de uma década, como embaixador em Paris, tutelei várias campanhas para conseguir motivar os franceses a visitarem o nosso país. Os números de crescimento eram prometedores, mas nada que indiciasse o "surto" que veio a verificar-se.

Desde o início do desconfinamento, tenho visitado algum Portugal turístico. Já estive instalado em hotéis, fiz algumas refeições em restaurantes. Mas, como produto de essa experiência, quero dizer que estou cada vez mais apreensivo com os efeitos da pandemia na nossa indústria turística.

Olho, com profunda admiração, a reconversão estoica das unidades hoteleiras, que ousam abrir portas num mercado rarefeito, quase sem estrangeiros. Tenho apreciado o esforço fantástico de muitos restaurantes, não obstante os custos de adaptação ao rigor das exigências sanitárias. E posso imaginar o efeito que a atual situação acarreta para setores como os transportes, as indústrias de lazer e um conjunto de muitas outras atividades colaterais.

A prolongar-se o presente estado de coisas por muito tempo, é quase certo que vamos ter um recuo muito forte num domínio que representava já uma fatia muito importante da nossa riqueza nacional. E da nossa identidade.

Sei que alguns apoucam e desprezam o setor turístico português, que o olham com sobranceria, que acham agora graça às ruas desertas de estrangeiros. Talvez esses "génios" pudessem informar-nos onde Portugal pode ir buscar um produto substituto para captar recursos para o país.

PS - Deixo aqui uma palavra de saudade pelo fim da "Casa Aleixo", um marco histórico na restauração do Porto.

terça-feira, 30 de junho de 2020

Requiem para o Aleixo


Há dias, de passagem pelo Porto, recebi a notícia: o Aleixo fechou. O Aleixo, ou melhor, a Casa Aleixo, para quem ande menos atento a estas coisas da restauração, era o nome de um restaurante muito antigo do Porto. 
Começo por transcrever parte de um texto que, faz agora precisamente quatro anos, escrevi na revista “Evasões”, onde, até me cansar da tarefa, mantive, por algum tempo, uma crónica gastronómica. O artigo sobre o Aleixo tinha o título provocador de “O polvo é quem mais ordena”.
No Porto há vários restaurantes clássicos, mas eu arriscaria dizer que, nos dias de hoje, nenhum tem os pergaminhos históricos do Aleixo.
O Aleixo fica em Campanhã, a dezenas de metros da mais movimentada estação ferroviária da cidade. Contudo, nem por isso sofre da banalização que, muitas vezes, afeta os lugares de restauração próximos dos centros de transportes coletivos. Ao longo de toda a sua existência, com altos e baixos, somados a crises e dissídios, a casa tem conseguido sustentar uma qualidade muito apreciável, sendo procurado por uma clientela fiel local e, em especial nos últimos anos, também pelos turistas que enxameiam o Porto. E, claro, por forasteiros como eu, que mapeiam o país das boas vitualhas.
O espaço do Aleixo é típico de um restaurante sem grandes sofisticações, mas com um ambiente acolhedor, quase caseiro. Não fora a pressão de clientes em dias de maior procura e seria tentado a dizer que recorda as saudosas pensões de província, nos tempos imemoriais do “bom e barato”. Estamos um pouco longe disso, isto é, continua bom mas, como não podia deixar de ser, porque a qualidade dos produtos tem de ser paga, já não é um restaurante qualificável como barato – muito embora, a meu ver, tenha uma relação qualidade/preço muito boa.
Sou cliente antigo do Aleixo. Nem me recordo de quando por lá parei pela primeira vez, seguramente saído de um comboio ou a fazer horas para ele. Creio que sou ainda do tempo em que nem café era por ali servido, como também lembro o período, menos agradável, em que, para o tomar (mas de saco), éramos obrigar a deslocar-nos para uma sala feita bar, em bancos incómodos, onde se acertavam as contas finais. Hoje, esse espaço passou a ter mesas e foi aí que, há dias, almocei.(...)”
O Aleixo foi propriedade do senhor Ramiro e da dona Inês. Conheci-os a ambos, em especial a senhora, que sobreviveu ao marido. Tinham um casal de filhos, mas não foram muito imaginativos nos nomes que lhes deram: Ramiro e Inês. O Ramiro, um dia, decidiu separar-se e criou o restaurante “Pai Ramiro” (que nunca visitei). A iniciativa fracassou e o Ramiro regressou. Depois, foi a vez da Inês, que criou a Casa Inês (visitei e não fiquei cliente). Fracassou e disseram-me que ainda regressou à casa mãe. Agora, fechou, de vez, a Casa Aleixo. 

Depois de ter escrito aquele texto, ainda voltei algumas vezes ao Aleixo. Não obstante o brio do meu amigo Ramiro, senti algum declínio na constância da qualidade da casa. Talvez por isso, a frequência das minhas visitas diminuiu. A grande escola do Aleixo, um restaurante criado por um galego e que, dentro de nove anos, passaria a centenário, desaparece. 

Para trás, fica a memória das placas nas paredes que indicavam a “Sala de Operações”, onde se comia, o “Laboratório”, isto é, a cozinha, a “Farmácia”, onde se guardavam os álcoóis, e a “Sala de torturas”, onde antes se faziam as contas. Sem o Aleixo, é um certo Porto que desaparece. Nada de nostalgias! Olhemos em frente, com otimismo, porque por aquela cidade continua a comer-se muito bem.

domingo, 28 de junho de 2020

Corrida

Conversa social, há dias. O outro, ribatejano: “Você gosta de touros?” Eu, transmontano: “Gosto”. Um sorriso despontou. Até que eu disse: “Por gostar deles é que detesto que lhes façam mal”. O sorriso fechou-se e mudámos de conversa.

A água estará boa?


sábado, 27 de junho de 2020

sexta-feira, 26 de junho de 2020

Gerações


Há pouco, ao selecionar pastilhas da minha rotina medicinal diária, lembrei-me de como as gerações são diferentes, no tocante aos “hábitos” medicamentosos.

O meu pai morreu com 97 anos. Seis anos antes, foi passar comigo umas semanas a Nova Iorque. Perguntei-lhe se levava alguns medicamentos: sim, duas pastilhas de “Melhoral” e duas de “Rennie”, para “qualquer emergência”...

Fronteiras

Em questões de segurança há dois conceitos que nem sempre coincidem: a insegurança e a perceção de insegurança. A segunda pode ser injusta, à luz da estatística, mas tem de ser respeitada. Estou a falar, claro, dos países reticentes à entrada de portugueses, por virtude do vírus.

Pin Pan Pum

O PAN parece estar a implodir. Ainda não é desta que Portugal consegue ter um partido ambientalista a sério.

Posso estar errado...

As pessoas não falam muito disso, mas certas medidas de recuo no desconfinamento só parecem legais desde que cobertas por uma nova declaração do estado de emergência. Por mim, não vejo nenhum inconveniente nisso.

Haveis...

Quando vejo gente (com um ar nojento) de máscara no queixo ou como cachecol a falar para outros a palmos de distância, não consigo deixar de pensar na expressão cruel que, na minha terra, se dizia para os inconscientes que, por qualquer motivo, arriscavam a vida: “haveis de ter um lindo enterro!”

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Dilema


E, agora, o que é que faço? Continuo a ler o livro de John Bolton sobre as suas andanças na Casa Branca como “National Security Advisor” ou passo para a edição de junho da “Piauí”, a fantástica revista brasileira, acabadinha de chegar, com um imenso artigo sobre a efémera aventura de Regina Duarte no país de Bolsonaro?

Banco de Portugal

Prometeram arranjar-me uma lista de nomes de pessoas mais competentes do que Mário Centeno para o cargo de governador do Banco de Portugal. Mas, por qualquer razão, a lista teima em não chegar. Alguém a tem?

Um adeus especial


Há semanas, tomei a decisão de entregar ao espólio bibliográfico que, com o meu nome, existe, desde há uns anos, na Biblioteca Municipal de Vila Real, um conjunto de livros que, há mais de meio século, tinha começado a organizar. 

Já estavam, pela Biblioteca, muitos e muitos livros, que lhes fui, aperiodicamente, encaminhando, desde que regressei definitivamente a Portugal. 

Mas esta era uma coleção muito especial. Comecei-a quando tinha menos de 20 anos. Trata-se de obras políticas sobre a I República e, em especial, sobre o Estado Novo (tenho orgulho de dizer que está lá quase tudo o que foi publicado, em livro, sobre a luta da Oposição contra a ditadura), complementadas por bastante daquilo que saiu do prelo sobre o 25 de abril e a sua sequência imediata. A luta anti-colonial tem também ali farta representação. Particularmente curiosos são livros publicados no estrangeiro sobre Portugal, quer por adeptos de Salazar, quer pelos seus exilados opositores ou por críticos estrangeiros da ditadura colonialista. Em muitos países descobri coisas interessantes sobre esse tempo de Portugal. Com franqueza, creio que nenhum daqueles livros é particularmente valioso, mas alguns são hoje muito raros, difíceis de encontrar no mercado.

Neste lento processo de “desligamento” voluntário de parte da minha biblioteca (ainda fico com uns milhares de volumes para me entreter, para além do que vou comprando), devo confessar, aqui entre nós, que este foi o único momento verdadeiramente traumático. Quantos anos andei eu, pelos alfarrabistas, a tentar encontrar alguns daqueles livros! Quanto prazer tive em ler aqueles textos bem datados, desde memórias ingénuas a coisas mais elaboradas, alguns com mensagens cheias de esperança, outros cheios de prosápia politiqueira. Mas está ali a História contemporânea de um país que é o nosso.

“Mas, se teve tanto trabalho a coletar esses livros, a que se sente afetivamente tão ligado, por que os não conserva consigo? Já não tem lugar para eles nas suas estantes?”, perguntarão alguns.

Tenho espaço (embora em dupla fila...), mas acho que dar-lhes um destino institucional acaba por ser a solução mais racional, até para proteger a sua integridade física e a sua integralidade como conjunto. Ao longo destes meses de confinamento, olhando para eles, dei-me conta de que só se tivesse sete vidas, como os gatos, é que conseguiria reler tudo aquilo (e alguns, dei-me conta, não cheguei nunca a ler, admito sem o menor problema).

Não sou, em geral, dado a grandes nostalgias. Mas, ao olhar aquelas centenas de volumes que agoram partem para Vila Real, algo em particular me tocou. Mas, adiante!

quarta-feira, 24 de junho de 2020

O Brasil em discussão



Durante meia-hora, a partir das 17 horas desta quarta-feira, dia 24 de junho, a jornalista Sandra Weiss e Leonídio Paulo Ferreira, diretor do Diário de Notícias, discutirão as Dinâmicas Políticas no Brasil. O acesso pode ser feito pelo Facebook ou pelo YouTube.

Que se passa no Brasil?


Mergulhados nas especulações sobre a pandemia, que arruina rotinas e abala certezas, os portugueses, quando, pela noite, olham as televisões, ouvem falar do Brasil. E o que é que fixam? A ideia de um país dirigido por um “doido”, com pulsões anti-democráticas, rodeado de figuras “sulfurosas”, amparado pelos militares, que dia a dia dá mostras de não estar à altura das responsabilidades exigíveis a um líder de um grande país, agora sob uma imensa tragédia sanitária. Com mais ou menos nuances, este é o retrato que nos chega do outro lado do Atlântico.


Durante muitos anos, Jair Bolsonaro foi um deputado risível, que obtinha destaque mediático pelos ditirâmbicos elogios que fazia à ditadura militar (1964-1985). Mau orador, “despreparado”, como por lá se diz, sem obra parlamentar, era uma “nonentity” no panorama político local. O sistema brasileiro, por mecanismos de representação uninominal que não cabe aqui descrever, dá aso à eleição de alguns “cromos”. E Bolsonaro era isso mesmo, um cromo. Até um dia.


Foi um conjunto muito excecional de circunstâncias, que teve essencialmente a ver com a rejeição profunda dos tempos do PT, visto como o centro do processo de corrupção política que marcou a gestão do Brasil, que acabou por polarizar o voto naquela figura de discurso primário e populista.


Mas foi também o descrédito da direita democrática tradicional, sem candidatos tidos como capazes de afastarem o “petismo” da área do poder, que levou gente sensata e equilibrada a optar pela escolha de uma figura com o recorte de Bolsonaro. Era a lógica do “depois logo se vê!”


Para muitos, e conheço alguns, foi um assumido ato de desespero, perante o desiderato maior que era afastar o PT e evitar um regresso ao poder de Lula ou um seu títere. Estou em crer, contudo, que a maioria dessas pessoas nunca pensou que Bolsonaro revelasse uma inadequação tão grande para o exercício das funções. Outros acreditavam, talvez, que seria possível rodeá-lo de figuras que permitissem um mandato marcado por alguma razoabilidade. A realidade acabou por superar as piores expetativas.

E agora? Apesar de tudo, há que reconhecê-lo, o Brasil tem revelado manter uma malha institucional com separação de poderes, com um imprensa e uma vida política livres. A questão está em saber: conseguirá a democracia brasileira sobreviver, não necessariamente a Bolsonaro, mas a este tempo trágico, de polarização e forte desgaste social, sem uma liderança prestigiada, em que tem uma figura como Bolsonaro na presidência?

terça-feira, 23 de junho de 2020

Duas pessoas


 

Falamos do final dos anos 50 do século passado.

A primeira pessoa. Recordo-me de lhe chamar senhora Gilberta. Na realidade, o nome dela era Maria, mas era conhecida por Gilberta, por ser a “Maria do Gilberto”, sendo que o Gilberto era o marido (ou seria o pai?). Morava depois dos Quatro Caminhos, lá para São Mamede. Vinha a nossa casa, em Vila Real, algumas vezes por semana, para trabalhos mais pesados, complementando aqueles que a “criada de dentro” fazia.

A Gilberta, recordo-me, tinha buço e um cabelo muito preto, apanhado atrás. Andava com um passo rápido.

A segunda pessoa. Convenhamos, para o que aqui conto, que se chamava Laurentino. Era meu colega de escola primária. O Laurentino era mais alto do que a maioria de nós e o professor, o Pena, tomou-o de ponta, sendo objeto das regulares reguadas nas mãos que, com evidente sadismo, ele nos distribuía com abundância.

Um dia, foi anunciado que um subsecretário de Estado da Educação ia visitar a nossa escola - que se chamava Escola Conde de Ferreira, o nome de alguém que tinha feito fortuna no tráfico de escravos e que, talvez para se absolver, tinha oferecido algumas dezenas de edifícios idênticos pelo país.

Para a visita do governante, foi pedido que os alunos tivessem uma bata. Nenhum de nós tinha bata. Os meus pais mandaram fazer uma para mim. Foi usada um dia, só nesse dia, apenas para o subsecretário nos ver, no breve minuto que passou na sala, connosco de braço estendido em saudação dita romana (outros diriam fascista). Nunca mais a usámos.

O Laurentino não esteve presente nesse dia. Os pais não tinham dinheiro para lhe mandar fazer uma bata. Aliás, não tinham dinheiro para muitas outras coisas.

Quer o aqui chamado Laurentino, quer a Gilberta, andavam, o ano todo, descalços. Fizesse sol ou neve, que às vezes também fazia, lá por Vila Real. Não me recordo dos pés do Laurentino, mas lembro-me bem de notar que a parte dos pés da Gilberta que andava em contacto com o chão tinha adquirido uma espécie de espessura, que funcionava como uma segunda pele.

Esta é uma conversa desagradável? Imagino que seja. Mas essa era a realidade do país da forte pobreza de alguns. O salazarismo era isso. Era desagradável.

segunda-feira, 22 de junho de 2020

Uma questão de decibéis


Ontem, falei por aqui de quanto me irritam as motos pela noite. Há pouco, lembrei-me que já estive do "outro lado". Não que eu tivesse alguma vez uma moto, mas porque já fui obrigado a defender o ruído das motos produzidas em Portugal.

Estávamos na segunda metade da década de 90. Eu representava Portugal no conselho de ministros do "Mercado Interno", em Bruxelas. A agenda dessas reuniões incluía a análise de uma imensidão de diplomas, relativos a questões técnicas para nós de grande complexidade, até porque diziam respeito a áreas muito diversas entre si. As temáticas ambientais e de proteção dos consumidores eram então as mais vulgares, num tempo em que se procurava legislar para que o "Mercado Interno" intracomunitário pudesse melhor funcionar (e, hoje, talvez valesse a pena completá-lo, como bem perceberá quem me ler e conhecer algo da matéria). A harmonização legislativa era essencial para proporcionar a livre circulação das mercadorias no espaço europeu. Por essa razão, era necessário produzir legislação à escala da Europa, que depois teria de ser transposta para a ordem interna de cada país. E, a partir daí, ser respeitada pelos operadores económicos.

Era isso que íamos tratar nessa reunião. Na véspera, no "hall" do Hotel SAS, com a Maria José Salazar Leite, a Lénia Real e a Regina Quelhas Lima, num ritual que iria durar alguns anos, eu tinha passado a pente fino a posição portuguesa sobre todos os diplomas que iam estar sobre a mesa do Conselho de ministros, neles identificando eventuais interesses nacionais a salvaguardar, alterações a propor e, em geral, o nosso sentido de voto na decisão final sobre as "diretivas" em causa. A nossa posição era baseada nas opiniões recolhidas junto dos "ministérios sectoriais" (fórmula algo pedante que o MNE utiliza para se referir aos outros departamentos governamentais), que deveriam ter auscultado previamente a nossa indústria interessada. Era assim que as coisas se passavam e, julgo, ainda se passam.

O grande berbicacho para nós, nessa reunião, era um diploma que incluía regras muito estritas sobre o ruído máximo permitido às motos e motorizadas. Recordo-me que, dentre os Estados dessa Europa então apenas a 15, Portugal e a Itália estavam em clara minoria, na defesa de um nível elevado de decibéis, que entendíamos deverem ser permitidos ao funcionamento dos escapes das viaturas dessa natureza produzidas pelas suas indústrias do setor. Ao ler a papelada à minha frente, lembro-me de ter pensado na barulheira que as "Zundapp", as "Pachancho" e as "Famel" faziam pelas ruas da Vila Real da minha juventude e, por um momento, senti-me representante dessa bárbara produção lusa de ruído e fumarada.

O assunto começara por ser analisado nos "comités" da Comissão europeia, onde os setores técnicos são ouvidos, mas o projeto de "diretiva" não contemplou os nossos interesses. A discussão do texto, nos meses anteriores, no seio dos "grupos de trabalho" do Conselho, também não acomodara as nossas pretensões e o diploma passara no "Coreper I" (comité dos representantes permanentes, versão representantes adjuntos) com as nossas "reservas". Porém, as objeções de Portugal e da Itália estavam longe de ser suficientes para construir uma "minoria de bloqueio", pelo que nos restava politizar o tema em Conselho de ministros, afastada, no entanto, a hipótese de invocar o chamado "interesse vital", para bloquear o diploma. É que um interesse só é "vital" quando os outros o reconhecem como tal.

Aquele era o primeiro Conselho de ministros em que eu participava, como secretário de Estado dos Assuntos europeus (quatro anos depois, havia de presidir a esse mesmo Conselho, durante um semestre). Como alguém dizia, "não há uma segunda oportunidade para se criar uma primeira impressão". Isto era válido perante os meus colegas de governos estrangeiros como o era perante a delegação portuguesa. Por isso, com base em sínteses, estudei o assunto tão bem quanto pude, a fim de bem defender as nossas "cores". A certo passo da reunião, pedi, para a fila de trás, onde estavam os técnicos, o texto completo do projeto legislativo: passaram-me um imenso "tijolo", com resmas de anexos, que devolvi discretamente, ciente de o não conseguir ali descobrir nada.

Chegado o momento na discussão da diretiva sobre o ruído das motos e motorizadas, intervim cedo, lendo uma "speaking note" que me havia sido preparada pelos serviços, texto que, na noite anterior, eu "oralizara" com umas expressões menos técnicas, para dar um tom mais político ao meu discurso. Fui solene e grave. Expliquei, com falsa sapiência e escudado em argumentos técnicos especiosos, que, em absoluto, era impossível à nossa indústria baixar de X decibéis, com os motores a operar a Y por cento da sua potência. Detalhei, com números catastróficos, os impactes sobre o desemprego que um grau de exigência maior na diretiva iria ter, com o encerramento de fábricas e crise nas regiões onde elas se situam. Em apoio às teses que defendia, disse (em português, porque nos Conselhos de ministros fala-se, em regra, a língua nacional) frases técnicas que eu só a custo havia entendido - e que, imagino hoje, devem ter chegado "lindas" aos ouvidos dos meus colegas holandês ou finlandês, retraduzidas através do inglês. Porém, acabei a minha prestação com a perceção, lida na cara das outras delegações, que a minha argumentação não os comovera minimamente. O "tour de table" foi, de facto, esmagador: constatava-se que Portugal e Itália estavam isolados.

Com simpatia e imensa ironia, o presidente da sessão, o secretário de Estado espanhol Carlos Westendorp, dirigiu-se então às delegações, dizendo qualquer coisa parecida com isto: "Agradeço as vossas intervenções, as de quantos apoiaram com veemência as virtualidades da diretiva como as de quantos ainda discordam de alguns aspetos que ela comporta. Mas, meus caros amigos, sejamos honestos connosco próprios: nenhum de nós sabe rigorosamente nada do que está a falar! Isto é uma matéria de alta tecnicidade, que somos chamados a decidir politicamente, mas sobre a qual a nossa opinião é apenas a que nos é dada pelos especialistas, que prepararam as "speaking notes" que, de forma tão esforçada, todos vocês leram. Verifico que a Itália e Portugal alegaram ter problemas com a diretiva e, a crer no "dramatismo" das suas declarações - em que todos somos obrigados a acreditar -, isso pode ter implicações para as suas indústrias. Convido, assim, a Comissão europeia a estudar, com essas delegações, a instituição de um "período transitório" para as mudanças a introduzir na sua respetiva legislação, dando às suas indústrias algum tempo mais para se adaptarem. E espero que, quando o assunto aqui voltar no próximo mês, todos me poupem à sua "sapiência" sobre os ruídos das motos".

A sala caiu em risos e, já não me recordo bem como, o assunto lá foi encaminhado. Por mim, e para o futuro, aprendi para sempre em não ser muito enfático sobre assuntos cuja tecnicidade desconheço.

A vida é feita de irónicas contradições. E pergunto: será que, um quarto de seculo depois, a diretiva está a ser cumprida? Ou ainda perdura alguma "derrogação" que dá liberdade a quem me estraga a noite? E será culpa minha, desses tempos, de algo que me tenha escapado? Terei razões para ter algum peso na consciência, desses (demasiados) anos nas lides europeias?

domingo, 21 de junho de 2020

Esta varanda



Conheço esta varanda há tanto tempo quanto me conheço a mim. Lembro-me de correr por ela, quando o soalho era ainda de madeira, preocupando os mais velhos, pelo risco de poder cair pelas escadas de pedra. Ser, então, neto único, sobrinho único e filho único era um privilégio que nem lhes digo! Por ali adubei depois os “blues” da adolescência, tocando (pessimamente) viola, como baladeiro de trazer por casa. Nas décadas seguintes, foram centenas as horas de leitura e conversa, naquelas e noutras cadeiras que por ali foram estando, em verões que tenho por felizes. Na memória, ficou-me para sempre o chiar dos carros de bois que subiam do Fundo de Vila para o Cruzeiro. E, em especial, o quase silêncio das muitas madrugadas em que ali fiquei a pensar “na morte da bezerra” (não, não havia mosquitos!), ouvindo a água que corria pelo rego lateral da rua, no calendário de distribuição da rega pelos terrenos da aldeia. Ah! E lembro-me bem das imprecações íntimas contra as Zundapp, as Famel e as Pachancho que, ao longe, vindas das Pedras ou de Eiriz, me rompiam a quietude. Na imagem, não se vê ninguém? Pois olhem que esta varanda está, para mim, cheia de gente: avós, pais, tios, primos e amigos.