quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Remodelar


É curiosa a expressão que, entre nós, qualifica as mexidas nos governos. “Remodelar” parece significar a adoção de um novo “modelo”, literalmente uma retificação do anterior, como se as mudanças configurassem, não a descoberta de pessoas para melhor servir o modelo que já lá estava, mas sim construir, com as recém-chegadas, um formato renovado.

Em inglês, “reshuffle” parece mais divertido: é tornar a “baralhar”, numa lógica de um novo conjunto para um novo começo, como num caleidoscópio. Em francês, o conceito é mais burilado: “remanier” acarreta um “manuseamento” por quem detém os cordelinhos dos atores da peça. Mas, no fundo, é tudo a mesma coisa.

As remodelações, ocorram pelos motivos que ocorrerem, fazem parte do dia a dia dos governos. A imprensa fica furibunda quando as não prevê, mas adora-as: especula sobre elas, aponta-lhes candidatos, para as saídas como para as entradas. Uma remodelação é uma festa mediática, presta-se a intrigas, os lóbis funcionam nos seus bastidores. E, entre nós, tem uma regra quantitativa: substituir um ministro ou dois não configura uma remodelação. Nem mesmo três. Mas quatro, já é! Exatamente como as “goleadas”, no futebol.

Sempre entendi que uma remodelação nem sempre é a confissão de uma aposta falhada. Alguns ministros podem ter correspondido ao que deles se exigia. A mudança pode significar apenas que se esgotou o seu tempo útil na governação e que, perante uma fase subsequente na aplicação das políticas públicas para o setor, uma cara fresca permite ganhar tempo, suscitar expetativas, diluir temporariamente a pressão. É que as caras “gastam-se”, os discursos cansam e, mesmo sem o registo cínico do “Leopardo”, às vezes é preciso que alguma coisa mude para que tudo continue na mesma.

Ficou célebre, no Brasil, a história de um não-convite para um governo, numa anunciada remodelação. Alguém havia alimentado a esperança de integrar o executivo. A imprensa já dava o convite em letra de forma, os amigos do visado felicitavam-no por antecipação. Só falhava um “detalhe”: o diabo do convite tardava em surgir. O potencial governante decidiu não fazer esperar a sorte e foi falar com o titular do poder. Este, franco, disse-lhe que, na realidade, nunca tinha pensado nele para o tal cargo. O homem caiu das nuvens! Ia ser um vexame! A família, os amigos, que horror! O chefe do executivo sugeriu uma solução: à saída da audiência, o nosso homem diria à imprensa que tinha sido convidado mas que decidira recusar... E assim foi!

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Há um ano


15 de outubro de 2017, domingo. O telefonema surgiu ao final da tarde: um familiar, bastante doente, acabara de falecer, numa cidade do norte. O funeral seria no dia seguinte. Com duas outras pessoas, parti de Lisboa, pela A8/A17. O tempo estava abafado, muito quente, ventoso. A espaços, começámos a observar clarões, visivelmente de incêndios, num horizonte que, progressivamente, se foi aproximando de nós. Liguei a rádio: música e conversa fiada. A certo ponto, perto da zona do pinhal de Leiria, as chamas aproximavam-se da estrada. Uma viatura de assistência corajosamente ali estacionada dizia para abrandar, mas a vontade era acelerar, para tentar fugir logo daquilo. Senti o vidro do meu lado a aquecer, embora as chamas estivessem bem para além da faixa de rodagem contrária, mas não falei disso a ninguém. Subitamente, porém, vimo-las já do outro lado da estrada, isto é, do nosso lado. Só podíamos prosseguir, ziguezagueando às vezes um pouco, com algum risco, para fugir ao calor das matas ardentes que dava a ideia que iam cair sobre a estrada, com as chamas arrastadas pelo vento. Havia faúlhas incandescentes, que pairavam à nossa frente. O ar adensava-se já dentro do carro, com forte cheiro a queimado. Comecei a ver a inquietação subir nos meus parceiros de viagem. A certo ponto, porém, durante algum tempo, as coisas deram ar de estar a acalmar. Haveria incêndios mais a norte? A rádio, repito, continuava na sua inconsciência lúdica. Não passaram, contudo, muitos mais quilómetros quando, de novo, em dimensões que iam variando mas não diminuindo, novos fogos iam surgindo. A ideia, sugerida por alguém, de comprarmos água, numa estação de serviço, num espaço que parecia menos afetado, depressa foi abandonada: o que era preciso era sair daquela zona, tão rapidamente quanto possível. Foi então que, de um momento para o outro, como se as coisas não estivessem já muito preocupantes, tudo se agravou imenso. Dos dois lados da estrada iam surgindo, em ritmo galopante, novos fogos, soprados por ventos, que se aproximavam dos carros, num baile vermelho, imprevisível e de quase terror. Eu tentava gracejar, no meio dos nervos, “explicando” que se havia cenário para utilizar o termo “dantesco”, usado pelos jornalistas sem imaginação, era mesmo aquele. Mas começava a haver fumo por todo o lado, o ambiente tornava-se dificilmente respirável, os vidros escaldavam, comecei a temer pelo estado dos pneus. Conduzia já com escassa visibilidade, com os outros carros por bem perto, agora com um forte receio de bater noutra viatura. Se houvesse um acidente, impeditivo de prosseguir, que nos aconteceria? Eu fazia das tripas coração, tentando transmitir uma confiança que não tinha, a quem ia comigo. A falta de informação da rádio continuava angustiante. Sair da estrada, numa próxima oportunidade, podia ser uma solução ou condenar-nos-ia a um destino idêntico ao das pessoas que, em julho, tinham morrido num túnel de fogo numa via secundária? Que estradas não estavam então utilizáveis? Sem o deixar transparecer, comecei a ficar já sem saber bem o que fazer, temendo que continuar na auto-estrada deixasse de ser uma opção sensata. Foi então que, finalmente, uma milagrosa brigada da GNR nos travou o caminho e indicou uma saída, na direção de Vagos. Eram, contudo, muitos os carros que por ali iam sendo encaminhados, andando a imensa fila num ritmo muito lento, às vezes com largas paragens, que nos deixavam inquietos, não fosse o fogo aproximar-se. Isso não veio a suceder, felizmente. Demos uma grande volta, mas lá conseguimos atingir um caminho seguro, sem fogos. Chegámos muito tarde ao norte. Vivos. No dia seguinte, um dia triste por razões de morte, o cheiro a queimado, impregnado no carro, recordava a angústia da véspera. Que noite! Não vou esquecê-la nunca!

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Paris, em meia dúzia de notas (6)


Custou um euro e meio, num alfarrabista no boulevard St. Michel, na manhã de domingo. É um livro de Marie-France Garaud, de 2006. Muitos leitores deste espaço não devem fazer ideia de quem foi. Quem seguiu a vida política francesa, em especial o movimento gaullista pós-De Gaulle, lembra-se bem do “tandem” conspirador que ela fez com Pierre Juillet. 

Marie-France Garaud chegou a ser considerada a mulher mais influente de França. Era uma “viúva” de Pompidou, uma estratega contra Mitterrand, que apoiou Giscard d’Estaing “faute de mieux”, pelo ódio a Chaban-Delmas (o Lisboa-Porto, em França, tem o seu Paris-Bordéus. Alain Juppé que o diga!). Protegeu Jacques Chirac, de quem se afastou com a definição lapidar: “Eu pensava que Chirac era feito do mármore de que se fazem as estátuas. Afinal, é feito da faiança de que se fazem os bidés...”. Teve o “desplante” de tentar concorrer às eleições presidenciais de 1981 (obteve pouco mais de um por cento...), passou depois à França anti-europeia mais radical, ao ponto de vir a apoiar Marine Le Pen, em 2017.

O livro é um expressivo manual de perfídia, que ajuda a perceber os truques e as artimanhas da França conservadora - que tentou atrasar, sem sucesso, as ascensão ao poder da esquerda, em 1981. Dou-me conta de que nunca tinha lido nada desta fantástica “operacional” da política reacionária e, devo dizer, é um texto muito bem escrito. E eu gosto muito de ler livros com que sei que não vou concordar e que pouca gente lê...

Assumo-me como um “dependente” da história política da França contemporânea (como o sou da britânica, da espanhola, da americana e da brasileira - e de mais nenhuma!) e dou comigo a pensar da imensa “sorte” que tive, durante os anos em que por aqui trabalhei, de ter tido os meus dias muito ocupados e sem grandes “escapadelas” para pesquisas de bibliografia lúdica. Ai de mim, se tivesse tido tempo para me “atulhar” destes livros, ao “preço da chuva”, dos “bouquinistes” às vendas a retalho, sobre essas décadas que me interessam imenso. Agora, dentro da reforma, posso dar-me a estes “luxos”, por €1,50... Desde que caibam na mala!

Na esplanada em que ontem almoçava, num dos mais deliciosos fins-de-semana em Paris neste ano, com sol e calor qb, notei que um cavalheiro idoso (isto é, mais ou menos da minha idade), da mesa ao lado, me olhava com circunspecta curiosidade. Por que diabo, devia estar ele a perguntar-se, um tipo de cabelos brancos, pela certa estrangeiro (a minha pronúncia não engana), lia um livro, com mais de uma década, da autoria Marie-France Garaud, dele citando em francês passagens a quem o acompanhava? O homem estava visivelmente perplexo. Tinha uma comenda da Ordem de Mérito, no blazer azul forte, com lencinho vermelho com motivos, a pingar do bolso. Deixei-o no mistério. Afinal, intrigar gente claramente de direita constitui para mim, desde há muito, um bom e justo objetivo de vida.

Paris, em meia dúzia de notas (5)


Foi na (quase insuperável livraria) “L’Écume des Pages” que ontem me cruzei com Élie Cohen. E que logo me lembrei (e já explico porquê) do Artur “Kiko” Castro Neves, um amigo que nos dias de hoje me faz muita falta.

Não sou um amigo antigo do “Kiko”. Comecei a “frequentá-lo” na Mesa Dois do Prócópio, creio que nos anos 90, sob a ”tutela” benévola do também saudoso Nuno Brederode Santos. (E, por saudades, naquela mesa, vale a pena deixar a triste lista: Zé Cardoso Pires, Jorge Fagundes, Raul Solnado, Zé Medeiros Ferreira, Simão Santiago, António Dias).

O “Kiko” baixava do Porto, com o seu ”papillon” e o seu sorriso, trazendo para a tertúlia um sopro de frescura nortenha, algum cosmopolitismo e muita graça. Depois de ter vivido muitos anos em Paris, onde se formou e deu aulas, regressou ao Porto, onde lecionava e publicava. Apareceu-me por mais de uma vez no Brasil, onde me apresentou gente de quem me tornei amigo. Em Paris, onde ia visitar a sua mãe, surgia-me a espaços, às vezes com a Isabel, iluminando-me sobre locais da cidade a que, sozinho, eu nunca chegaria. Era uma excelente “onda”!

Um dia, em Paris, convidou-me para almoçar com Élie Cohen, um economista francês de relevo e de renome, há muito seu amigo. Cohen era próximo de Hollande, ainda antes da chegada deste ao poder e foi-me muito útil para perceber o que seria a orientação económica da França pós-Sarkozy. Foi um contacto que, a partir daí iríamos repetir várias vezes, em algumas ocasiões na embaixada. Cohen é uma figura muito interessante, com a vantagem de ser um espírito livre e pouco ortodoxo. O “Kiko”, que o conhecia de há muito e por quem Cohen tinha imenso respeito, desenvolvia com ele conversas que me foram muito úteis. Cohen e eu comungamos as saudades pelo “Kiko” Castro Neves.

(ps - ilustro o post com uma foto do velho “Aux Trois Canettes”, que há muito fechou, lugar a que o “Kiko” Castro Neves gostava de ir - e onde se dava bem com o Alexandre - mas onde, de facto, nunca se comeu muito bem...)

domingo, 14 de outubro de 2018

Paris, em meia dúzia de notas (4)


Foi muito bom ter tido ontem a oportunidade de proferir, a convite das estruturas comunitárias portuguesas em França, uma palestra sobre a Europa, nas instalações da Câmara Municipal de Paris. Agradeço a Marie Hélène Euvrard a simpatia do seu convite.

Tendo saído de funções na nossa embaixada há mais de seis anos, foi excelente poder reencontrar antigos colaboradores e amigos de outros tempos e de outras ”guerras”. 

Durante mais de uma hora, discutimos os desafios da Europa, os seus problemas e derivas recentes. Não há pessoas mais bem colocadas para entender as vantagens da cidadania europeia do que os portugueses que, por aqui, eram já parte da Europa comunitária antes do nosso país integrar as instituições europeias. Eles sabem, melhor do que ninguém, o valor acrescentado que esse passo político trouxe às suas vidas.

Paris, em meia dúzia de notas (3)


O Patrice, chefe de sala da Lipp, disse-me não ter visto nem ouvido falar de nada. Na noite de ontem, ficou muito surpreendido quando eu lhe contei que o “Figaro” trazia, nessa manhã, a história dos reis da Suécia que, há dias, ali teriam surgido, sem reserva, à hora de almoço.

Ao que parece, há muito que a Lipp não via realezas por lá, mas a sabedoria imediata de quem por lá reinava, na hora, terá de imediato encontrado uma solução e uma excelente mesa. Talvez a mesma de que Mário Soares muito gostava e que sempre me era mais fácil obter quando, na reserva, eu dizia que ia com ele. Não por acaso, imagino, a mesma de Mitterrand. Como manda a regra, “à tout seigneur, tout honneur”. Republicano ou monárquico.

Paris, em meia dúzia de notas (2)


O episódio sinistro do jornalista saudita que um comando enviado de Riade terá feito desaparecer, há dias, de um consulado da Arábia Saudita na Turquia faz recordar o rapto, e o subsequente assassinato, de Ben Barka, o oposicionista marroquino que, em 1965, foi preso à porta da Brasserie Lipp, com a posterior cumplicidade dos serviços secretos frances. A imagem de Marrocos veio a sofrer bastante com esse facto e só podemos desejar que a da Arábia Saudita, e da sua polémica nova liderança, não venha a escapar à crítica internacional, para além dos efeitos de tensão que o episódio já induziu no eixo sunita.

Durante anos, nas grades das escadas para o parque de estacionamento, entre a Lipp e o Flore, estava a placa que deixo na imagem. Ontem, passei por lá e o memorial tinha desaparecido. Que estranho! Espero que não seja já um efeito de “realpolitik” acomodatícia.

sábado, 13 de outubro de 2018

Paris, em meia dúzia de notas (1)


O museu d’Orsay tinha aberto há muito pouco tempo. Estávamos na segunda metade dos anos 80. Eu andava numa breve passagem por Paris e tinha grande curiosidade em perceber como é que naquela antiga estação de caminhos de ferro tinham sido acomodados os impressionistas que já não cabiam na l’Orangerie, o espaço das Tulherias, hoje com um destino híbrido. 

De repente, vi dois cavalheiros (conhecidos, mas apenas de vista) de braço dado. Eram figuras portuguesas. Um deles, que se movimentava já com alguma dificuldade, era Azeredo Perdigão, o homem a quem o nosso país deve a Gulbenkian - para mim uma das personalidades portuguesas mais marcantes do século XX. O outro, que o orientava pelo novo museu, era um homem fascinante: José Augusto França. Historiador de arte, mas não só: memorialista, ficcionista, homem dos sete instrumentos culturais, que tive o privilégio de conhecer e que, infelizmente, nos dias de hoje, passa, aqui em França, onde reside, por um período muito difícil de saúde.

Lembrei-me de ambos, ontem, com admiração e respeito, quando voltei (volto lá, de dois em dois anos, para “lavar os olhos”) ao Museu d’Orsay, desta vez para ver algum Picasso, parte do qual nunca esteve no seu museu do Marais (agora renovado, e que também vale muito a pena visitar).

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

RTP

Integro, desde há uns meses, o Conselho Geral Independente (CGI) da RTP, órgão responsável pela definição das orientações estratégicas que a empresa deve observar, em especial das suas obrigações de serviço público, bem como pela designação do respetivo Conselho de Administração. 

Sou também, enquanto simples cidadão, um espetador, tanto quanto possível atento, da generalidade do panorama audiovisual português. 

Nessa singela qualidade, ainda antes de ingressar no CGI, tinha formado a opinião de que a informação da RTP, estando muito longe de ser ideal, era - para mim, sem a menor sombra de dúvida - a mais equilibrada e isenta existente em todo o panorama televisivo nacional, muito em especial nos últimos anos. O CGI não intervem minimamente na condução dessa informação, mas entendo que os seus membros, como é o meu caso, não estão impedidos de, a título pessoal, a apreciarem.

Estes anos foram aqueles em que Paulo Dentinho, que agora abandona a direção de informação da RTP, por virtude de um incidente que, embora inultrapassável e ao que parece claramente impeditivo da sua continuidade em funções, mas que rigorosamente nada tem a ver com a produção noticiosa da estação, foi por esta responsável. 

Naturalmente que, por essa razão, funciona a crédito de Paulo Dentinho, bem como de colaboradores que escolheu para com ele trabalharem, a qualidade de muito daquilo que a RTP fez, desde essa altura, em matéria de informação. E esse é um património que deve e tenho a certeza que vai ser preservado.

Isso deve ser-lhe reconhecido, nesta hora de fim de ciclo, porque joga em favor do seu profissionalismo, do seu sentido deontológico, do grande repórter televisivo que sempre foi e que, seguramente, continuará a ser, para benefício de todos nós, nas funções e tarefas que o seu futuro na RTP estou certo lhe destinará.

Quero aproveitar esta nota para destacar que a RTP tem sido a “bête noire” daquilo que é a sua concorrência no panorama audiovisual português, em sinal aberto ou no cabo. Posso estar equivocado, mas creio que, se acaso dependesse da vontade desta, com certeza que a televisão pública já não existiria.

Talvez por isso, mantêm-se hoje, em especial na imprensa dependente de algumas das empresas que controlam meios televisivos privados, colunas regulares de denegrimento especializado contra a RTP, nas quais, quase diariamente, se procura vilificar o trabalho da televisão pública e dos seus colaboradores. Julgo que era preciso dizer isto, alto e bom som, porque o não tenho visto constatado com a necessária frontalidade.

O mais pequeno sobressalto interno na RTP é hoje explorado e potenciado, como se de uma imensa crise existencial da empresa se tratasse. Nomeadamente, vejo combatido, com escandalosa demagogia, o princípio do custeio do serviço público de rádio e televisão através da taxa incluída na fatura energética - escondendo que a RTP custa ao contribuintes portugueses uma fração ínfima daquilo que é praticado pelos seus congéneres estrangeiros, que a RTP tem apenas metade do tempo de publicidade que por cá é permitido aos operadores privados, com limites absurdos neste domínio na TDT, que a empresa suporta as obrigações estratégicas que o país tem perante a África e no quadro do seu serviço internacional (coisa que não se passa noutros países), e que os canais de rádio, portugueses e universais, mantidos pela RDP, neste caso sempre sem recurso a qualquer apoio de publicidade, prestam hoje um inestivável serviço ao país, às suas relações externas e às diversas culturas que se expressam em língua portuguesa.

E, convém lembrar, porque alguns parece que teimam em esquecer, que, em incumprimento daquilo que a lei postula, a “contribuição audiovisual” não tem sido atualizada à luz da inflação e o Estado não tem feito o reforço do capital da empresa a que está obrigado. Pena é que a Assembleia da República persista em manter, sobre este assunto, um estranho silêncio.

Como cúmulo da atenção negativa sobre a RTP, há hoje por aí alguns cronistas/jornalistas, alguns na indisfarçável nostalgia de tempos em que estiveram avençados pela RTP, que fazem do ataque à RTP e ao próprio princípio do serviço público audiovisial o seu “fond de commerce” e de ácido comentário. Trata-se de um “jornalismo” estranho, bizarro, que será facilmente identificável em algumas reações que este meu post virá com certeza a suscitar, bem como na exploração que o caso ocorrido com Paulo Dentinho, mobilizará, com toda a certeza, nos próximos dias.

Tem isto alguma importância? Na realidade, nenhuma! Mas é um sintoma que não deixa de ser preocupante, revelador de um país que vive mal com um setor que representa, com toda a liberdade e equilíbrio, o interesse coletivo e público que é comum a todos nós.

Seria mais fácil, e até mais cómodo, não escrever o que acabo de escrever? Seguramente. Mas entendo ter o direito de, de uma vez por todas, chamar os bois pelos nomes e o dever de não fugir à verdade das coisas, doa a quem doer. E entendi - repito, a título exclusivamente pessoal - que esta era a ocasião adequada para o fazer.

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Estrangeiro


Ontem, num gesto de rotina, perguntei a alguém se queria alguma coisa do “estrangeiro”, para onde parto daí a pouco. A resposta foi natural: “Não, obrigado. Já há cá tudo e, se não houver, manda-se vir pela Amazon ou diretamente das lojas”.

De facto, o mundo do comércio mudou muito, já há tudo em toda a parte. Há uns tempos, passeei por Tallin, na Estónia, numa tarde, a “fazer horas” para o avião. Com exceção de imprestáveis lojas de artesanato e de inúteis livrarias numa língua rara, as marcas comerciais eram-me quase todas familiares. Flanar ali num shopping, para escapar ao frio da rua, acabou por ser um imenso e bocejante “déjà vu”. E se atravessasse a fronteira para as terras do “amigo” russo, o panorama comercial não variava muito.

Dei então comigo a pensar o “mundo” fantástico que, nos anos 60, era o da pequena localidade de Verin, na Galiza, perto de Chaves, onde se ia, de Vila Real, uma vez por ano, pela festa do Lázaro. Aquela vilória, hoje sem o menor interesse, era então um deslumbre de coisas “diferentes” das nossas. Quantas inutilidades por ali comprei, a contar as pesetas que o meu pai me dava para “extravagâncias”!

Hoje, lembrei-me da Mothercare, umas lojas de roupa de criança que havia em vários locais de Londres (a maior era em Tottenham Court Road, creio) e que, imagino pela diferença face ao que por cá então existia, se tornou na coqueluche da minhas amigas portuguesas, nos anos 70. Sempre que ia a Londres (e ia bastantes vezes a Londres, sei lá bem porquê), era certo e sabido que levava encomendas, feitas de uns “códigos”, que eu, meio sem jeito, passava às empregadas da loja. Depois, vinha de lá atulhado de roupa e acessórios para bebés. Há dias, num “site” sobre retalho, que agora consulto por razões profissionais, li que a Mothercare está em grande dificuldades. Acontece aos (que foram os) melhores.

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Meu caro amigo...


O meu Brasil, como você sabe, já é antigo. Começou por me chegar nas latas de goiabada que primos já com sotaque nas vogais nos mandavam, nos exemplares das Seleções (isso mesmo, já sem “c”) onde testávamos os “Flagrantes da Vida Real”, ainda antes de por aí terem deixado de ter graça as “Piadas de Caserna”. Ri muito com o Amigo da Onça, com o Juca Chaves, com o Jô e outros tantos, portadores geniais do sorriso do tal país cordial que alguns de vocês sempre rejeitaram como retrato. Com as novelas e alguma cinematografia, comecei um dia a entender que também se chorava em “brasileiro”, que nem tudo era “dia de luz, festa de sol, um barquinho a deslizar no macio azul do mar”. Nos 23 Estados brasileiros que visitei (são 27, não é?), pude apreciar a grandeza da vossa esperança, a diversidade da vossa gente, a brasilidade que a todos marca os genes. Li - li muito! - da vossa extraordinária literatura, do romance aos poetas e aos cronistas do quotidiano. Passei muitas horas nas vossas universidades, com gente de grande qualidade, figuras de excelência que pedem meças no mundo académico global. Por noites infindas, em botecos ou tertúlias, entre copos de amizade, discuti convosco o vosso/nosso dom Pedro – mas também o pai João que aí se fez rei e a espanhola que lhe queria trocar as voltas. E, com a abertura que só vocês permitiriam, afrontei por escrito, com desassombro quase pouco diplomático, uma lusofobia que ainda espreita em algumas esquinas do preconceito. Mas, sempre, gozando do espírito de tolerância, do debate contraditório, com admiração por um país que sempre vi eternamente grávido de uma saudável esperança no futuro. Criei por aí uma imensidão de amigos. Exultei com os vossos sucessos, tentei explicar o Brasil a tantos que nunca o perceberam e a outros tantos que nunca o perceberão. Mais do que um posto diplomático, o Brasil foi para mim uma segunda casa, onde quase “I went native”, no maior erro que os diplomatas podem cometer. Falei com gente de todas as lateralizações ideológicas, dos “petistas de carteirinha” aos nostálgicos da “revolução”, como os que vertem lágrimas pelo regime das fardas chamam à ditadura, passando pelos moderados de várias tonalidades. Tentei entender o país, as suas raivas e as suas ambições, os seus medos e as suas angústias. E, claro, vi chegar o que agora por aí têm. De novo com tanto mar a nos separar, só queria dizer-lhe que, vista daqui, a coisa aí está preta, meu caro amigo!

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Jamais!

E aquela figura, acusada de um procedimento errado, que negava veementemente, repetia a quem o queria ouvir:

- Nunca fiz isso e nunca mais volto a fazer!

E chegou longe na vida...

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

O craque insuspeitado


O escritor Hélder Macedo é um contador de histórias admirável. Há dois dias, durante uma viagem de automóvel que fizemos, recordou os tempos em que, para além do trabalho docente na universidade, em Londres, colaborou com o serviço português da BBC.

Em 1962, o Benfica foi a Inglaterra jogar com o Tottenham. A equipa integrava dois famosos jogadores de quem tinha sido amigo e companheiro de “peladas”, em Lourenço Marques, onde tinha passado a sua infância e juventude: Coluna e Costa Pereira. Segundo o Hélder, nesses tempos já então idos há muito, todos haviam participado em improvisadas partidas de futebol, com a particularidade de Costa Pereira aparecer pelo meio dos jogos, a oferecer-se para “reforçar” a equipa que estivesse a perder...

No final do jogo de Londres, que aliás o Benfica viria a perder por 2-1 face aos “Spurs”, Hélder Macedo foi, pela BBC, ao balneário, para recolher algumas entrevistas. Mário Coluna acolheu-o com grande simpatia, falando-lhe desse velho tempo comum. Também Costa Pereira o reconheceu, dando-lhe um grande abraço e surpreendendo-o com a pergunta insólita: “Ó Helder! Onde é que agora tu estás a jogar?”. 

Hélder Macedo, que me confessou nunca ter passado de um jogador apenas razoável, não deixou de ficar “inchado” com a elogiosa pergunta do grande guarda-redes do Benfica e da seleção.

domingo, 7 de outubro de 2018

Caballé e Marti


Ontem, morreu a grande soprano Monserrat Caballé.

Um dia dos anos noventa, recebi um convite para ir ouvi-la ao CCB. Numa parte do espetáculo, seria acompanhada da sua filha, Monserrat Marti.

Algumas figuras sociais ficaram numa área reservada. No intervalo, no regresso aos lugares, estava a cena preste a reabrir-se, veio à conversa, no grupo, a questão de saber de onde viria o nome "Marti", da filha de Caballé. 

Pensando fazer uma graça que logo daria lugar a algumas gargalhadas, pelo ridículo da sugestão, adiantei:

- Deve ter sido o resultado de algum "caso" entre a Monserrat Caballé e o revolucionário cubano José Marti...

À minha volta, fez-se um silêncio reverente, prenhe de respeito pelo meu "conhecimento" histórico e biográfico. José Marti viveu no século XIX, tendo morrido em 1895. 

De todos os presentes, apenas Manuel Maria Carrilho fez um largo e culto sorriso de gozo. E eu entrei em silêncio, porque há muito já aprendi que é muito sério brincar com a ignorância.

sábado, 6 de outubro de 2018

Helder Macedo


No dia de hoje, Helder Macedo recebe o Prémio D. Dinis, pelo seu livro “Camões e outros contemporâneos”. Como seu amigo e admirador, fico muito satisfeito por mais este reconhecimento da valia de alguém que, vivendo há muito em Londres, onde hoje é professor catedrático emérito do King’s College, se converteu numa das mais prestigiadas figuras da cultura portuguesa. Tal como, há quase três anos anos, tive o gosto de estar presente na homenagem que a Universidade de Oxford lhe prestou, também hoje vim a Vila Real para dar ao Helder um forte abraço, celebrando a partilha de uma cumplicidade já de décadas, em diversas dimensões da vida e das ideias. Deixo um beijo a Suzete, que não tendo podido acompanhar-nos nesta jornada celebratória, estará virtualmente connosco, desde Hampstead, neste dia também para ela feliz.

Mateus



A fotografia não é de hoje, os sorrisos sim. 

A Maria Amélia e o Fernando Albuquerque são a “cara” da Casa de Mateus, que constitui o centro da respetiva Fundação - uma estrutura que, com delicada discrição, mas sempre com imensa elevação, presta, há muitos anos, um importante serviço à cultura portuguesa.

O “diálogo” da Fundação da Casa de Mateus com a cidade de Vila Real passou por vários e diversos tempos, na leitura que faço como observador exterior e distanciado, só muito raramente presente ao corpo de iniciativas levadas a cabo. É para mim uma evidência que o saldo do que tem sido feito em Mateus resultou amplamente positivo para a imagem da cidade e da região. 

Deixo aqui - como vila-realense, mas também como português - o meu sincero apreço e admiração pelo trabalho desenvolvido pela Fundação da Casa de Mateus.

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

“Montes pintados”



quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Ordem e Progresso?


A segunda volta das eleições brasileiras terá Bolsonaro e Haddad.

Bolsonaro é o que é, Haddad é visto por muitos como uma mera extensão de Lula. 

Há quem vote em Bolsonaro pelo que ele é, por acreditar no projeto autoritário e de violência institucional de Estado que a sua candidatura transporta. Goste-se ou não, é um voto coerente com uma certa visão do futuro do Brasil. 

Percebo que quem rejeita Lula, quem não valoriza o seu tempo de governo, quem considera o PT o grande culpado da corrupção que alastra no Brasil e o seu candidato um mero expediente para o regresso ao poder de um setor político-partidário hoje altamente diabolizado, não encare nunca a possibilidade de votar em Haddad.

O que eu nunca perceberei é que alguém, com um mínimo sentido de decência democrática, acabe por votar em Bolsonaro apenas como forma de rejeitar Haddad. 

A abstenção foi criada para essas situações. 

Há votos ditos úteis que não são mais do que expressão de miséria moral. 

Não me apetecia dizer isto, mas é sinceramente o que penso.

É uma hora que não tem a menor graça quando já regressámos a casa. Tem ainda bastante menos quando estamos a trabalhar. Mas sempre achei magnífico o final dos dias nos cafés das cidades, em especial nos inícios do outono. Já não há por ali grupos de tertúlia, como nas manhãs ou a meio da tarde. Os espaços rarefazem-se progressivamente de gente, porque o jantar se aproxima e a novela (ou qualquer outra coisa) convoca. É a hora dos solitários ou de quantos, por qualquer razão, vão atrasando o regresso a penates (ainda alguém sabe o que isto significa?). Quase que nos empurram das mesas, os que por ali estão, sem gosto, no último turno de serviço e nos olham com alguma piedade desconfiada (“o que é que este tipo ainda faz por aqui?!”). No que me toca, sempre vi esta hora como mágica - e lembro-me dela, por décadas, em várias cidades, em muitos cafés, em diversos climas, em ocasiões muito diferentes. Alguns, ao que parece, acham-na triste. Coitados, não percebem nada! Talvez porque eu seja “do contra”, sempre adorei esta hora magnífica! À saída do café (que interessa onde é?), estavam estas árvores e esta luz. Percebem agora?

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Os destinos de Ronaldo


Cristiano Ronaldo entrou num capítulo muito complexo da sua vida. A acusação de que é alvo nos Estados Unidos - e logo nos Estados Unidos! - é de um grande gravidade, nos tempos que correm. Agora, tudo pode acontecer.

Especularmos, sem nada sabermos, sobre se a acusação tem fundamento, sobre se este tipo de imputações tardias tem algo de oportunismo, sobre se o “cheiro” do dinheiro não será a mola real do assunto - tudo isso é muito bonito, espicaça o nosso “achismo”, mas não nos leva a nada, significa apenas mera conversa “de café”, para uso em redes sociais. Não vou por aí.

A única coisa que me parece segura é que um “herói” popular português, cujas magníficas glórias desportivas têm levado, de forma saudável, o nome de Portugal pelo mundo, pode estar a entrar num momento bem difícil, com os caminhos do destino a hesitarem à sua frente. Por mim, seja Ronaldo culpado ou não, fico bastante triste. Só isto.

A nostalgia ainda é o que era


Simone Signoret tem uma biografia intitulada “A nostalgia já não é o que era”. A companheira de Yves Montand, se fosse viva e tivesse assistido ao dia de ontem, talvez concluísse que o título do seu livro estava longe de ser uma verdade universal. A morte de Charles Aznavour fez perpassar pela França, onde escrevo este texto, um sentimento de perda muito pouco comum. Salvo gente muito jovem, cuja lista de gostos é agora outra (“esse Aznavour era quem?”, ouvi uma adolescente perguntar à mãe, numa esplanada de Paris), fica claro que o cantor que atravessou três gerações deixou uma imagem impressiva e duradoura.

E, contudo, percebia-se que Aznavour estava longe de ser uma figura dotada de espontânea afetividade. Esta só emergia a espaços, perante causas específicas, que o aproximavam de muitos que apreciavam a sua música. Pelo contrário, como obsessivo apreciador (ele dizia-se “colecionador”) do dinheiro, a sua imagem pública era desenhada, um tanto caricaturalmente, pela posse de carros de extremo luxo, pelo usufruto de uma vida a que os franceses chamam de “bling-bling”. O seu lado publicamente mais empenhado surgiu, curiosamente, ligado à origem dos seus pais, quando se tornou numa espécie de bandeira da Arménia, um país de história e existência complexas, que o faria seu embaixador, no sentido real do termo, com funções - imagino que mais teóricas do que práticas - em Genebra e depois na Unesco, tarefa esta em que coincidimos mas nas quais acabei por nunca cruzá-lo pelas reuniões e corredores. 

Aznavour era culto e inteligente. Fez muito cinema, subscreveu êxitos da canção que marcaram muitos de nós. Desde a adolescência que me ouço a trauteá-lo, em letras que sempre passaram muito para além da simplicidade da cançoneta mas que, ao que parece para seu grande desgosto, colocavam o seu nome fora de um pódio de apreço musical onde sempre surgiam Brel, Ferré e Brassens. É discutível, mas de discussão irrelevante, se nisso havia alguma injustiça, quiçá com algum viés político à mistura. Uma coisa é certa: na hora da morte, só Brel e, noutro registo, Johnny Halliday, se lhe aproximaram, em termos de impacto público.

Ao assistir à comoção provocada pela desaparição de Aznavour, fico com a difusa sensação de que alguma França pressente que sai de cena alguém que, de certo modo, simbolizava um outro país, diferente deste que está em radical redefinição identitária. E essa, de facto, posso perceber que configure uma imensa e inultrapassável nostalgia.

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Ainda Aznavour


Na onda de comentários com que as televisões francesas encheram o dia da morte de Charles Aznavour, esteve presente muita nostalgia. Aznavour, como “crooner” romântico, diz muito a muita gente. Esteve presente, com a sua música e as suas palavras, no quotidiano de quase três gerações. E isso é bem patente na tristeza que hoje atravessa a França. 

Duas notas mais. 

Fiquei surpreendido por poucos se lembrarem do Aznavour ator de cinema, onde fez coisas interessantes, não obstante aí surgir sempre como um “character” e menos como um profissional versátil. 

Michel Drucker lembrava ontem que a Aznavour desagradava o facto do seu nome surgir sempre após os de Brel, Ferré e de Brassens, de quem não se considerava inferior. É discutível - e interessa pouco discutir isso, cada um pensa o que quiser - se o era ou não. Uma coisa é certa: na hora da morte, só Brel se lhe aproximou em termos de impacto público. 

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Aznavour


Foi em 4 de junho de 2010 que publiquei aqui no meu blogue:

“Há minutos, a jornalista do "Le Progrès", de Lyon, que vinha conversar comigo ao hotel, ao deparar, no "hall", com Charles Aznavour, que saía, fez questão de fotografar os "dois embaixadores em Lyon", como nos disse ir intitular a notícia. É que Aznavour é hoje embaixador da Arménia junto das instituições internacionais em Genebra, como o carro com matrícula diplomática, que ele próprio conduz, não obstante os seus 86 anos, bem atesta.

Aznavour revelou-se uma figura simpática e loquaz. Explicou-me que a primeira vez que usara o seu recente título de embaixador fora numa visita à nossa Embaixada em Bangkok, julgo que há cerca de um ano, por gentileza do meu colega local. Elogiou a Feitoria onde a nossa missão diplomática está instalada na Tailândia e não deixou de acrescentar: "Vocês foram muito longe...". Atravessou-me a tentação de responder: "Mas já voltámos..." “

Charles Aznavour morreu hoje. Haveríamos de nos “reencontrar”, na UNESCO, em 2012, onde ambos coincidimos como embaixadores. Mas, posso confessar um segredo? Nunca o vi por lá!

Tenho a minha fotografia de Lyon com Aznavour algures. (Faço parte de uma “raça” estranha de diplomatas que não cuida muito das ocasiões fotográficas com personalidades e que, fora do tempo oficioso, as guarda com recato e, às vezes, com não deliberado descaso.)

Que bela coincidência estar, como hoje estou, em Paris, a cidade de Aznavour e da sua música, no dia da sua morte. A vida, às vezes, é muito generosa! Eu que o diga!

60 anos, hoje



Já me tinha esquecido, mas a memória dos amigos é imbatível. Acordei com esta “peça” do Guilherme Sanches:

Dia 1 de outubro era nesse tempo o primeiro dia de aulas, lembrei-me agora. Dia de ver horários, de ver as salas, saber os professores, encontrar os colegas e as colegas. Era o dia em que se entrava pela porta principal e a turma D, na sala 7, era mesmo ao fundo do corredor do lado esquerdo, vigiada atentamente pelo senhor José Carminé Guedes. Naquele dia foi o nosso primeiro dia de liceu, em Vila Real, há 60 anos redondos, faz hoje. Caramba!”

Deliciosa memória, com pormenores que eu não saberia nunca recordar. Até o Carminé! E, provavelmente, com o Sousa no hall de entrada, o Rocha, o Marques e a “menina” Arminda “presidindo” aos restantes corredores. Tudo isto sob a tutela grave do reitor de então, Eurico Pires de Morais Carrapatoso.

Provavelmente


Há uns anos, havia um anúncio da Carlsberg que a apresentava como sendo “provavelmente, a melhor cerveja do mundo”. Não é. Ainda há minutos bebi um Stella Artois bem melhor.

Vem isto a propósito de Paris, onde há pouco cheguei. Da porta do meu hotel, tirei esta sofrível fotografia ao Arco do Triunfo. Apenas para concluir, quase sem margem para dúvidas, que esta é, provavelmente, a mais bela cidade do mundo. 

Reconheço o caráter único da beleza natural do Rio, mesmo a imponência da baía de Sidney. Compreendo bem o fascínio por Veneza ou até Istambul. Conheço bem o insuperável somatório monumental de Roma, bem como o conjunto urbano ímpar que Nova Iorque desenha. E, claro, há também a magnífica Londres e, cada vez mais, a renovada Berlim. 

Mas, Paris, caramba!

domingo, 30 de setembro de 2018

Restaurantes

Gosto de comer bem, confesso.

Gosto de (bons) restaurantes, sofisticados, até mesmo algo pretensiosos, de “fine dining”, com “reduções” e “espumas”, mão de ‘chef”, cheios de “efes e erres” (“Enquanto vê o menu, posso  trazer-lhe uma flûte de Veuve Clicquot?”). 

Gosto de tascas, desde que limpas, com ruído e berros, toalhas de papel, serrim no chão (“Sai meia de chanfana, aqui pó shotôr!”). 

Gosto de restaurantes “média-alta”, com mesas sossegadas, estacionamento fácil, onde entro “em casa” (“Temos a mesa junto à janela de que sei que o senhor gosta”). 

E, cada vez mais, aprecio o estabelecimento classe-média-à-hora-de-almoço, lista previsível, serviço de manga arregaçada, simples mas atento, com o “para si, não!”, em voz baixa, olhando para o lado, não vá o patrão topar a cumplicidade: “Não! O senhor embaixador hoje não vai comer o polvo! Já a vitela ou o cabrito recomendo...”

É isso. Gosto de comer bem. Quando sou tentado a reprimir esta confissão, recordo-me dos textos de Taki, no “The Spectator”, e sinto-me logo absolvido deste meu modesto tropismo burguês.

Fleming


Acabo de ler que foi precisamente há 90 anos que Alexander Fleming descobriu a penicilina, invenção que revolucionou a medicina.

Em criança, ouvi várias vezes o meu pai dizer que eu devia a minha vida a Fleming. Com poucos meses, em Vila Real, aí por 1949, terei tido uma pneumonia que quase me levou desta para melhor. Terá sido a penicilina, então não muito comum em Portugal, trazida do Porto “em ampolas” pela mão de um recoveiro (quem não souber o que é, pode ir ao dicionário), que me salvou. Por isso, o meu pai manifestou sempre o desejo de vir, um dia, a pôr um ramo de flores na sua campa.

Quando nos anos 90 vivi em Londres, fui com os meus pais visitar a Catedral de S. Paulo. Para nossa imensa surpresa, deparámos, dentro da igreja, com o túmulo de Alexander Fleming. Recordo que houve alguma emoção nesse instante, embora, infelizmente, não tivéssemos à mão as flores devidas para o homenagear. Mas nunca esqueci o que, como muitos milhões de pessoas, fiquei a dever a Alexander Fleming.

sábado, 29 de setembro de 2018

Alves Barbosa


O ciclismo português assistiu a dois duelos históricos, bem antes de época áurea de Joaquim Agostinho: nos anos 30, o despique entre José Maria Nicolau e Alfredo Trindade e, nos anos 50, a rivalidade entre Ribeiro da Silva e Alves Barbosa.

Ribeiro da Silva morreu tragicamente, num acidente, em 1958. Alves Barbosa sobreviveu-lhe 60 anos, morrendo agora, aos 86 anos. 

Alves Barbosa ganhou três voltas a Portugal e fez um fantástico 10° lugar na Volta à França. 

Vivendo depois na sua Bairrada de sempre, onde um dia o vislumbrei de bicicleta (ele, claro!), fez durante anos o acompanhamento crítico do ciclismo na televisão.

Grande Alves Barbosa!

Marquês

Com alguma ironia à mistura (coisa que não costuma “passar” nas redes sociais), pode dizer-se que o Ministério Público é o grande “vencedor” da escolha do juíz Ivo Rosa para a instrução da Operação Marquês.

Se, no termo do julgamento, vier a haver condenações, conhecida que é a importância que Ivo Rosa confere ao seu papel como “juíz das liberdades” dos acusados, isso conferirá uma extraordinária legitimidade à acusação. Alguns dirão, contudo, que as eventuais condenações ocorreram “apesar de” Ivo Rosa.

Caso diferente, mas também “a favor” do Ministério Público, acontecerá se predominarem as absolvições ou vier a prevalecer uma fragilização das acusações. Nesta circunstância, a infirmação das provas será atribuída à conhecida tendência de Ivo Rosa de privilegiar provas diretas, o que o tem, com regularidade, colocado em confronto com a orientação do Ministério Público.

Nestas circunstâncias, acho que Joana Marques Vidal tem motivos para ter ficado satisfeita com o sorteio de Ivo Rosa. Ah! e também Carlos Alexandre pode sorrir: sempre dirá, no primeiro desfecho, que “eu é que tinha razão” ou, no segundo caso, que “eu é que devia ter ficado com o assunto a meu cargo”. 

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Um barómetro

A semana em que os principais dirigentes políticos mundiais se dirigem à Assembleia Geral da ONU é um tempo de discursos. Os presidentes, primeiros-ministros, ministros ou embaixadores que, por essa altura, ali falam tentam meter “o Rossio na Betesga”, naquele raramente respeitado quarto-de-hora de evidência, sumariando prioridades externas, procurando passar mensagens que só por acaso são lidas fora das próprias fronteiras. Em regra, essas intervenções seguem um linguarejar que se torna pouco apelativo e que até chega a disfarçar reais novidades escondidas na “langue de bois”. Outras vezes, procuram chamar a atenção através do recurso a fórmulas estilísticas mais criativas, e até chocantes, cuja eficácia funciona na razão direta da importância objetiva do respetivo país no quadro internacional.

Tendo já trabalhado na preparação desse tipo de intervenções e tendo sido ouvinte, às vezes sofredor, dessas ondas de discursos, aprendi, como os outros, a fazer a triagem entre o que, por ali, vale a pena ouvir e aquilo que não é mais do que retórica, mais ou menos balofa, para conforto de opiniões públicas internas. A regra é estar atento àquilo que diz quem realmente conta no quadro mundial de poderes e, às vezes, de novos sinais transmitidos por Estados que, conjunturalmente, estão sob holofotes políticos. Quanto ao que sobeja, resta tentar perceber se há mesmo alguma novidade naquilo que esperamos seja a reiteração do óbvio ou no que projeta uma média relevante de consenso – como é o caso da intervenção em nome da União Europeia.

Sem surpresas, o que os Estados Unidos dizem é sempre importante, pelo seu poder, “ordenador” e condicionador, à escala global, quer nos contextos bilaterais a cujo detalhe os discursos dos líderes americanos quase nunca fogem, quer pelo modo como por daí se pode detetar o grau de relevo que atribuem às instituições multilaterais, refúgio protetor das pequenas e médias potências. Claro que também importa aquilo que a Rússia e a China digam: a exegese do discurso do primeiro costuma ser mais interessante do que o caráter frequentemente críptico do segundo. 

A França, hélas!, quer-se sempre uma caixa de surpresas, com um tropismo para a singularidade que se esforça por assumir. A Alemanha, tem anos: algumas vezes, faz transparecer, por antecipação, aquilo que pretende da futura atitude europeia, através da qual objetiva muito da sua política externa, noutros dá sinais sobre inquietações que lhe suscitam os quadros geopolíticos de proximidade, face aos quais, como se sabe, é sempre mais reativa do que pró-ativa. Da Europa, tendo a Itália desaparecido como entidade relevante, resta o Reino Unido, que no passado foi sempre muito previsível, mas que, no atual quadro de solidão estratégica em que caiu, suscita apenas alguma curiosidade.

É triste dizê-lo, mas neste referencial do estado do mundo em que a Assembleia Geral da ONU se transforma, poucas são as restantes vozes interessantes. 

Na América Latina, salvo alguma curiosidade sobre a atitude venezuelana e aquilo que possa sobrar para além da retórica cubana, com um México ainda entre presidentes, um Brasil sem direção política e uma Argentina em nova crise, nada parece justificar atenção.

Da África, infelizmente, também não se espera muito. Para nós, importa anotar a imagem que a “nova” Angola queira fazer transparecer. Mas, para o mundo, já foi mais importante ouvir o que digam países como o Egito ou a África do Sul.

Na Ásia, para além da China, será curioso observar a linguagem das duas Coreias e os sinais pelos quais o Japão queira transmitir a sua preocupação com os desafios geopolíticos da vizinhança. Será ainda de anotar o que diz a Índia, eventuais sinais do Paquistão, bem como a reação de Myanmar ao seu acossamento. 

Resta, e não é pouco, o Médio Oriente. Aí, há que estar atento ao Irão, a Israel, à Arábia Saudita e, curiosamente, à Turquia, esse errático poder “adolescente”. O resto é irrelevante.
É assim, com realismo, o espetáculo onusino anual. Porque revela as pressões do tempo que corre, acaba por servir de bom barómetro.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

É dos livros !


Foi numa capital europeia. Notava-se que aquele funcionário português, ali colocado, andara todo o dia a passarinhar à volta da figura política que chefiava a delegação vinda de Lisboa. Era uma evidência que queria agradar-lhe, talvez para poder ter algum apoio futuro na sua carreira profissional. Compreensível, mas menos bonito de observar. 

Íamos em grupo, numa rua. A certo momento, o político viu uma livraria e disse que ia entrar, por um instante. Ficámos cá fora, à espera. O tal funcionário, que vinha um pouco atrás, inquiriu onde estava o governante. Ao saber que tinha entrado na livraria, apressou-se a juntar-se-lhe. 

O gesto, pelo caráter impulsivo da coreografia assumida, surpreendeu-nos a todos, mas talvez mais a alguém que, em voz alta, se interrogou sobre o que levara o homem a entrar com aquele afã na livraria. 

Recordo o “esclarecimento” de uma outra pessoa, concedo que um tanto cruel: “Felicitem-se por termos sido testemunhas de um momento único”. Interrogativos, olhámos para ele, que logo concluiu e elucidou: “Ver aquele tipo entrar numa livraria é uma ocasião histórica”. Logo um terceiro, mais maldoso ainda, acrescentou: “Só ultrapassado pelo dia glorioso em que ele, de facto, vier a ler um livro...” 

Há gente muito mazinha...

Políticos & livros


Ontem foi notícia que Marcelo Rebelo de Sousa foi à livraria Strand, em Nova Iorque, tida como a maior do mundo, com bem mais de 20 kms de estantes. E, ao que parece, o nosso presidente terá comprado lá o “Fear”, de Bob Woodward. Fez bem, vale a pena, acabei de o ler na semana passada.

A Strand é imensa mas é uma livraria muito pouco glamorosa. Em charme, está nos antípodas da Rizzoli, da Argosy ou de outras pequenas casas. Para mim, foi sempre um lugar para descobrir livros usados ou em saldo, muito embora as últimas novidades também acabem por estar por lá. Desde que a visitei, pela primeira vez, em dezembro de 1972, sempre me recordo de acabar empoleirado nas perigosas escadas de acesso às prateleiras superiores, quase sempre para “apanhar” coisas escritas sobre Portugal ou memórias políticas (um vício velho). É dessa primeira visita, há quase 46 anos, que data a aquisição do “Missão em Portugal”, de Álvaro Lins, editado no Brasil, onde o antigo embaixador em Lisboa conta a odisseia de ter dado asilo político a Humberto Delgado. O livro era então proibido em Portugal.

Marcelo Rebelo de Sousa é um amante de livros, como é sabido. Mas não é só ele (Soares era “viciado”). Ao tempo em que vivi em Nova Iorque, alguns dos nossos políticos de passagem gostavam que os levasse às livrarias, nos intervalos das reuniões. Nem todos... Recordo-me bem de ter mostrado a Strand a António Guterres e que Jaime Gama preferia a variedade mais atual de uma Barnes & Noble ou da saudosa Borders. E que fui com Paulo Portas a uma pequena mas muito interessante livraria na Lexington Avenue.

A Jorge Sampaio, ao tempo de George W. Bush, sugeri uma livraria (agora não recordo o nome) no Upper West Side que era tida por ser “de esquerda”. Nem sequer era verdade, era apenas uma livraria universitária, perto de Columbia. Quem ficou preocupado com o caráter “liberal” (“liberal”, nos EUA, significa “esquerda”) do local foi o pessoal do “Secret Service” (embora pareça estranho, eles trazem essa designação na lapela) que o acompanhava, que entendia o lugar pouco “frequentável” e que se mostrou nervoso durante toda a visita. Foi um belo momento e o então presidente saiu carregado de aquisições.

A minha tese foi sempre esta: felizes os países cujos políticos gostam de livros.

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Helena Almeida


A batalha da Mancha


O Brexit começou por ser uma ideia impensável. Depois, era uma implausibilidade, num país que se de alguma coisa sempre foi acusado foi de excesso de realismo. Finalmente, numa noite impossível, impôs-se-nos como um facto. 

Fruto da bravata de um homem a quem a Europa fica a dever um incomensurável erro histórico, David Cameron, o Brexit trouxe ao de cima todo um mal-estar conjuntural vivido na sociedade britânica - por motivos contraditórios, com a cumulação de argumentos antagónicos, um espetáculo de rejeição emotiva da relação do Reino Unido com um espaço político-económico onde, nas últimas décadas, foi gerada grande parte da sua riqueza. Porque é importante sublinhar isto: Londres é um dos grandes ganhadores da integração europeia. 

Dizer mal “de Bruxelas” - como se não fossem os ministros nacionais quem aí toma as decisões - é, desde há muito, um escape fácil para justificar coisas impopulares nas opiniões públicas. Assim sucede, um pouco por toda a Europa. Porém, o Reino Unido, além disso, fez da excecionalidade o seu modo europeu de vida, de Schengen ao euro, passando por outros “opt out”. Mais do que isso: conseguiu vender internamente que o que valia a pena era estar sempre a bater o pé a Bruxelas, numa atitude de permanente resistência a um poder adverso. Com essa atitude, Bruxelas inculcou-se, do discurso político aos títulos dos tablóides, como o inimigo permanente de uma soberania ameaçada. No dia em que um referendo, naquilo que este sempre tem de apuramento sincrónico e emotivo das vontades, permitiu aos britânicos expressar o sentimento que vinham a aculturar desde há muito, o resultado foi o Brexit. O mundo, e creio que também os britânicos, só a posteriori entenderam a importância do que verdadeiramente se passou.

Sendo uma expressão de vontade unilateral britânica, o Brexit não deixa de ser um imenso problema europeu. E o Reino Unido sabe isto. À sua frente tem uma primeira-ministra que é um “genérico” de Margareth Thatcher e que, como todos os líderes frágeis, tem uma imensa dificuldade em fazer compromissos. Do lado dos “27”, que também respondem perante opiniões públicas, de solidez governativa muito variável e que não se querem confrontar com novos problemas de que não foram fautores, parece haver uma compreensível rigidez negocial, na lógica futebolística de que não se pode “beneficiar o infrator”.

Na sua aparência económica, esta é uma imensa questão política, o maior desafio com que a Europa integrada se confronta, desde a sua criação.

Orelha de aço

O plenário da Assembleia Geral das Nações Unidas é um espetáculo, historicamente sempre iniciado pelo representante brasileiro, que se prolonga por vários dias. Na semana mais importante, que agora decorre, inicia-se a audição dos representantes de vários Estados, que debitam por ali os seus discursos - através de presidentes, primeiros-ministros, ministros dos Negócios Estrangeiros ou embaixadores. Em princípio, o limite de cada um é de 15 minutos, mas esse tempo raramente é respeitado. O record é de Fidel de Castro, que falou várias horas...

A ordem das inscrições para intervir é sempre objeto de critérios misteriosos de agendamento, que faz com que, não obstante os países serem todos “iguais”, alguns sejam sempre “mais iguais” do que outros, isto é, quem tem força fala mais cedo, a horas “simpáticas”. Em regra, a importância de um país mede-se pela colocação que consegue obter na ordem das inscrições, para representantes de nível protocolar idêntico. E, aos olhos dos governantes que se deslocam a Nova Iorque, a “performance” de um embaixador é sempre discretamente medida à luz da capacidade de fazê-los “subir” na lista, que acabará também por ser uma prova indireta de “influência” de que disfrutam no secretariado-geral.

Nas horas nobres dos primeiros dias, a sala da Assembleia Geral está relativamente cheia. Mas quando, ao final do dia, o delegado de uma pobre ilha do Pacífico ou das Caraíbas, ou de uma obscura República perdida em África ou na Ásia Central, toma a palavra, vai deparar-se com um deserto nas cadeiras. Ou então, apenas verá, atrás de algumas placas, um delegado de “décima linha”, um diplomata novato, que os países deixam sentado, apenas para fazer número. Porquê? Porque o país desse delegado, numa eleição futura para qualquer órgão do universo onusino, pode precisar no voto do país interventor e o gesto de simpatia de ter tido alguém a ouvi-lo pode acabar por ter um reconhecimento. Ah! E há sempre que ter lá alguém a ouvir os países amigos e, no caso de Portugal, temos muitos.

Esses diplomatas anónimos, que ali ficam por uma escala obrigatória, com um auscultador de plástico, horas seguidas, a ouvir platitudes de figuras de países que com toda a certeza nada dirão de relevante, alguns chamam, no jargão dos corredores da organização, os “orelhas de aço”, porque é preciso ter uma estrutura forte nas cartilagens auditivas para suportar o incómodo daquele plástico cinzento (não sei se a cor ainda é essa).

Na imagem, um “orelha de aço” vietnamita sucumbiu, talvez momentaneamente, ao bombardeamento de palavras e exerceu o seu direito à sesta. Porém, como a fotografia está já a correr mundo e Hanói não brinca em serviço, quem sabe se, daqui a meses, o seu destino não será um posto em Tashkent ou Ouagadougou?

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Encontro na Europa

Dei hoje um curto testemunho, para um documentário televisivo, sobre Francisco Lucas Pires, alguém que nos deixou cedo (morreu em 1998, com 53 anos) e que me atrevo a dizer que fez bastante falta à política portuguesa.

Lembrei-me de um depoimento que escrevi, já há uns anos, num livro feito em sua homenagem:

“Conheci pessoalmente Francisco Lucas Pires em andanças europeias, na segunda metade dos anos 90. Era uma figura que, há muitos anos, me intrigava, política e intelectualmente. Dele tinha desenhado uma primeira imagem caricatural, ligada à aventura conservadora da “Cidadela” coimbrã. Bem mais tarde, pareceu-me poder ler, no discurso que desenvolvia como ministro da Cultura da AD, um tom saudavelmente heterodoxo, particularmente num tempo governativo que chegou a ter inquietantes derivas radicais. Como líder do CDS, fiquei com a sensação de que nem sempre se sentia muito confortável com o espartilho partidário, esforçando-se para compatibilizar o formalismo da função com a intransigente vontade de pensar as coisas pela sua própria cabeça. Mas foi como Deputado europeu que Lucas Pires verdadeiramente me surpreendeu.

Porque oriundo de uma escola de pensamento nacionalista, foi uma revelação encontrar em Francisco Lucas Pires uma das reflexões mais originais sobre o posicionamento de Portugal na Europa. Era um tempo em que, para muitos, o “europeísmo” era apenas um sinónimo de comodidade cínica com os fundos comunitários. Posso imaginar que a sua formação germânica o tenha ajudado a perceber melhor as virtualidades do processo integrador do continente. Mas terá sido, sobretudo, a sua inteligência que o levou a formular a defesa empenhada numa postura pró-activa de Portugal na aventura europeia, convocando em seu apoio clássicos que de que estivera distante, como António Sérgio, Vitorino Magalhães Godinho ou Eduardo Lourenço.

A imagem essencial que me ficou de Francisco Lucas Pires é a de um cultor obsessivo da liberdade, um espírito agudo e irónico, alguém que apreciava a vida e que, talvez por isso, se impacientava muito com a estupidez dos que a não sabiam viver. Um dia, num colóquio em Bruxelas, em que éramos os dois oradores convidados, perante a irrelevância e o paroquialismo pateta de algumas perguntas, sussurrou-me: “Veja você o que nós sofremos pela Europa…”. “

Brasil


O quadro, de há horas, explica, quase sem sombra de dúvida, que Bolsonaro e Haddad estarão na segunda volta.

Imaginemos que este resultado era o do voto em 7 de outubro: Bolsonaro teria de “crescer” 20 pontos e Haddad 26.

Quem poderá ter mais facilidade de chegar aos 50,1%?

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Os nomes


Encontrei-o na sala de espera da nossa embaixada em Luanda, aí por 1983, quando eu por lá trabalhava. Estava à espera de ser recebido por um colega meu. Tinha havido uma situação imprevista e ele tinha ainda para uma boa meia hora de espera. Perguntei-lhe se não queria, entretanto, ficar no meu gabinete. E para lá fomos.

Era uma figura bastante conhecida e muito respeitada na vida angolana. Haviamo-nos conhecido em algumas ocasiões sociais e mantínhamos uma relação de simpatia, se bem que não próxima. A queimar tempo, fomos conversando. Falámos de algumas pessoas que ele tinha conhecido na embaixada. 

A certo passo, disse-me: “Sabe com quem estou um pouco aborrecido? Com o seu colega Seixas da Costa!”. Divertido, alimentei o equívoco: “Ah sim?! E porquê? O que é que se passou?”. Explicou: “Depois que ele saiu de Luanda, escrevi-lhe uma carta e nada! Não esperava isso do Seixas da Costa!”. Maladro, dei “gás”, por uns segundos mais, à confusão de nomes: “Sabe como são os correios! Conheço bem o Seixas da Costa e sei que ele não deixaria de responder. Quer que lhe diga alguma coisa?”. Que não, que ia escrever-lhe de novo...

A confusão desfez-se logo depois. Ele queria referir-se a um colega meu que, anos antes, passara pela embaixada, mas o nome, na minha presença, saiu-lhe trocado. Acabámos a rir, comigo a achar imensamente graça a ouvir-me falar de mim como outra pessoa...

Portugal no Brasil (5)

(Correio Braziliense, 12 de Março de 2008)

No cafezinho

Olha que coisa mais linda…/ No Rio de Janeiro para participar da organização das solenidades que marcam os 200 anos da chegada da família real ao Brasil, o embaixador de Portugal, Francisco Seixas Costa, foi abordado por um estudante que lhe fez uma provocação, dizendo que o Brasil seria melhor se tivesse outros colonizadores, como os holandeses. 

Seixas da Costa não perdeu a fleuma. Depois de sugerir ao jovem que estudasse mais a história do continente, saiu-se com esta: "Queria ver você cantar Garota de Ipanema em holandês!"

Portugal no Brasil (4)

Polémica com o senador Ney Suassuna

O senador do PMDB, Ney Suassuna, criticou a atuação da polícia brasileira, numa Comissão Parlamentar de Inquérito transmitida pela televisão. A certo passo, disse, de forma depreciativa: “Até parece a polícia portuguesa!”

O embaixador de Portugal mandou-lhe a seguinte mensagem (1 de julho de 2005):

Senhor Senador 

Tomei nota, com um sentimento de espanto e tristeza, do comentário com que V. Exa. atingiu os Portugueses, há poucos minutos, durante o debate na CPI dos Correios. Portugal e os Portugueses que aqui vivem, e que muito deram e dão para a construção deste grande País, não eram merecedores que um representante político do seu gabarito recorresse a preconceitos que nos habituamos a ver ecoados nas graçolas debaixo nível, nos cómicos de televisão ou por escribas recalcados. Nem a Polícia portuguesa, cuja estreita cooperação a sua congénere brasileira se não cansa de elogiar, merecia ser tratada como o foi. Dirá V. Exa. que se tratou de um comentário sem intenção, sem sentido insultuoso, na passada do discurso. Mas o comentário lá ficou, feito por um político altamente responsável, representante qualificado de um partido político central da democracia brasileira. Como embaixador de Portugal, não posso deixar de o lamentar e registar. 

Com respeitosos cumprimentos 

Francisco Seixas da Costa
Embaixador de Portugal no Brasil 

O senador retratou-se quase de imediato:

Senhor Embaixador

Infelizmente, a palavra lançada, flecha que fere, não se pode recolhê-la. Não sabe Vossa Excelência o quanto me dói constatar a sabedoria embutida nesse provérbio popular, de origem ancestral, quando reconheço a infelicidade do comentário que fiz durante a minha interpelação ao Deputado Roberto Jefferson, pela injustiça à amada Pátria portuguesa e a sua gente irmã e amiga, nossos ascendentes diretos. Dói-me mais profundamente por não refletir o meu pensamento e a minha relação de respeito, cordialidade e admiração pelo povo e pela nação portuguesa, mãe saudosa do nosso jovem país, de quem sem dúvida herdamos, pelo exemplo, alguns dos nossos melhores atributos. Senhor Embaixador, acredito que não serão as palavras, mas o sentimento de enorme desconforto que ora me aflige que poderá redimir-me perante a delicada e acolhedora alma portuguesa. Aceite as minhas sinceras desculpas, transmitindo-as ao povo e ao Presidente de Portugal, e à colônia portuguesa aqui residente, que com extraordinário talento, entusiasmo, generosidade e força de trabalho foi determinante na construção do Brasil. 

Respeitosamente
Senador Ney Suassuna

Portugal no Brasil (3)

A terceira "polémica"

Artigo no "Estado de S. Paulo" (31 de Agosto de 2008)

Ao ler no editorial do "Estado de S. Paulo", de sábado, 23 de Agosto, que o nepotismo era o produto residual "arraigado" da herança colonial portuguesa, senti reproduzida, pela multi-enésima vez, a referência à expressão em que Pêro Vaz de Caminha pede ao rei, na sua famosa Carta, destino para um seu parente.

Talvez «porque hoje é sábado», como diria Vinícius, dia em que os jornais se lêem com maior vagar, detive-me a reflectir um pouco no verdadeiro conteúdo do que foi escrito pelo cronista do "Achamento". Ao formular a sua reverente petição ao rei, Caminha não estava a nomear ninguém para um cargo público, a colocar filho ou primo num gabinete ou numa sinecura paga pelo erário, na rentável administração de uma estatal, estava longe de pretender falsear um concurso público. Limitava-se a solicitar ao soberano, num tempo em que só a este cabia prover discricionariamente todos os lugares, no seu livre e indisputado arbítrio, um destino para pessoa ligada à sua família. Assim acontecia em todo o mundo, de que Portugal não era excepção.

O pedido de Caminha, que se tornou num bordão referencial da ética pública brasileira, mesmo de quantos se não deram ao trabalho de ler o texto da Carta, passou a representar o exemplo tipificado de nepotismo, não obstante incontáveis contribuições posteriores terem ajudado a recortar, com bem maior sofisticação, essa histórica prática - e não apenas no Brasil, é claro. Para alguns, porém, a frase de Caminha permaneceu como um ferrete que terá marcado, por uma misteriosa eternidade, o DNA brasileiro, transformando-se numa herança ético-administrativa de raiz pecaminosa. Ela reemerge sempre como pernicioso ranço luso, nas horas em que a retórica de alguns oradores já esgotou os clássicos bebidos no "Reader's Digest". Não é este, como é óbvio, o caso do "Estado de S. Paulo".

Neste reiterado uso do exemplo de Caminha subsiste, porém, um pequeno, embora quiçá despiciendo, pormenor: «nepotismo» não é nada isso. Trata-se de aproveitar a titularidade de lugares da administração pública para oferecer livre colocação a parentes (etimologicamente, a sobrinhos), passando a alimentá-los à mesa do orçamento. Nem mais, nem menos. E disso, convenhamos, Pêro Vaz de Caminha está inocente, sem necessidade de liminares ou recursos.

Longe de mim, como actual embaixador de Portugal, arvorar-me numa espécie de advogado-geral do tempo colonial. Bem me tem bastado, ao longo desde ano, ajudar à gestão póstuma das obras e graças do senhor dom João VI… Mas enquanto usufrutuário comum da bela língua que nos une, sinto-me no dever de colocar os pontos nos is, enquanto um novo Acordo Ortográfico os não abolir. E relembrar que, no século 16, ser solicitado um emprego para alguém - familiar, amigo ou correligionário -, pedido formulado a quem tinha então o legítimo poder para o conceder, não configurava nada que se pudesse identificar com o conceito de nepotismo, nem sequer com a ideia de fisiologismo - impressiva expressão brasileira que passo os dias a tentar traduzir aos meus perplexos compatriotas, a quem a prática não é alheia, mas para a qual não dispunham de tão interessante instrumento qualificativo. Por isso, entendamo-nos de vez: Caminha não praticou nepotismo. Para confirmar isso, basta ler o vosso excelente Aurélio ou o nosso magnífico Moraes.

Mas por que razão, estarão a perguntar-se os leitores, terá o embaixador de Portugal tomado o "Estadão" como alvo deste seu preciosismo terminológico, quando o tema é recorrente em tanta outra imprensa? Por um motivo de oportunidade, que nada tem a ver com o nepotismo, mas que se prende com o emprego.

Sem que tal represente menor consideração pela restante imprensa brasileira, cuja qualidade é reconhecida internacionalmente, talvez neste país se desconheça que muitos de nós, portugueses, sempre olhámos para o "Estado de S. Paulo" de forma muito particular. Nos longos anos em que, em Portugal, a liberdade não passava de uma miragem que se mantinha no horizonte longínquo, o Brasil acolheu, com imensa generosidade, muitas figuras que a ditadura salazarista alienava da vida cívica portuguesa. Nesse tempo, o "Estado de S. Paulo" destacou-se como porto de abrigo para algumas dessas personalidades, as quais, frequentemente, eram menos bem acolhidas por alguns compatriotas, aqui residentes, que não partilhavam ou rejeitavam mesmo o progressismo das suas ideias, porque haviam optado por se manterem próximos do regime que vigorava em Portugal.

Foi o "Estado de S. Paulo", foi a figura honrada de Júlio de Mesquita Filho quem deu então uma mão solidária a vários profissionais exilados da imprensa portuguesa, bem como a outras figuras da Oposição ao salazarismo, oferecendo-lhes emprego, ajudando-os a reconstituir a sua vida e a sustentar o seu quotidiano. Nada disso era feito por adesão ideológica ou doutrinária, por qualquer interesse ou favoritismo, mas simplesmente por um sentimento de simpatia e pela partilha de uma magnífica e rara ética de solidariedade. Nomes como Vítor Cunha Rego, Miguel Urbano Rodrigues, João Alves das Neves, Carlos Maria de Araújo, João Santana Mota ou mesmo Henrique Galvão, puderam encontrar no "Estadão" um apoio essencial, nesse tempo de turbulência de suas vidas.

Por essa razão, por essa memória grata e afectiva que os democratas portugueses devotam ao "Estado de S. Paulo", sentimo-nos livres para pedir que, quando um capítulo da nossa História em comum vem a lume, num dos seus editoriais, aliás sempre redigidos num excelente «português de lei», o máximo rigor seja mantido. Achamo-nos, assim, no direito de exigir ao "Estadão", com toda a cordialidade e imensa simpatia, a absolvição póstuma de Pêro Vaz de Caminha, que nunca pisou os terrenos pantanosos do nepotismo e se limitou a exercer o direito à solicitação um singelo pedido.