terça-feira, 13 de abril de 2021

Aviso sério!


Ler pode causar danos irreparáveis à sua ignorância! 

Martinez


Há quatro anos, no Chiado, tirei esta fotografia. A figura retratada é Pedro Soares Martinez, a olhar a montra lateral da Bertrand.

Martinez foi ministro da Saúde de Salazar e morreu agora, aos 98 anos. Durante muito tempo, via-o, com relativa frequência, a almoçar no Círculo Eça de Queiroz, onde ambos éramos sócios. E vislumbrei-o, várias vezes, em restaurantes.

Martinez foi um académico prestigiado de Direito. Fiel defensor da memória do regime que serviu, monárquico por convicção, foi uma figura polémica na vida universitária portuguesa, ao ter sido responsável por políticas repressivas da atividade associativa dos estudantes. Não veio a ter vida fácil no 25 de abril, mas a democracia passou depois um pano sobre tudo isso, com a generosidade que a ditadura, com a naturalidade que lhe estava nos genes, antes não tivera para com os seus adversários.

Não menos polémica era, igualmente, e durante bastantes anos, a forma como se processava a participação de Soares Martinez nos júris dos concursos de acesso à carreira diplomática. Assumindo que afirmo isto com base em testemunhos que colhi de várias pessoas, cujo critério de apreciação tem um grau de subjetividade que há que ter em conta, era voz corrente nas Necessidades que Martinez conduzia as suas temíveis provas orais de uma forma que lhe permitia detetar a orientação política dos candidatos. E que isso poderá não ter deixado de ter as suas consequências na seleção do pessoal diplomático desse tempo - isto é, repito, durante a ditadura.

Com a morte de Martinez (nascido em 1925), restam apenas três ministros que serviram em governos de Salazar: João Dias Rosas (n. 1921), ministro das Finanças (1968/72), Adriano Moreira (n. 1922), ministro do Ultramar (1961/63), e Mário Júlio de Almeida Costa (n. 1927), ministro da Justiça (1967/73).

Desconfiamento

Por que será que, por esta altura deste novo desconfinamento, não consigo dizer, com um mínimo de convicção, nem sequer intimamente, que “vai ficar tudo bem”? Acho que entrei na fase do “desconfiamento”.

Alô!

Digam-me uma coisa: também lhes acontece, cada vez mais, verem as vossas chamadas telefónicas interrompidas, tendo de as recomeçar? E demorar uma “eternidade” entre o momento em que clicamos o número e o início do som de chanada do outro lado?

É que, se bem me lembro, há não muito tempo, isso raramente ocorria. Alguém tem uma explicação para isto?

“E se todo o mundo é composto de mudança...”

A graça da vida depende muito da capacidade que tenhamos em nos confrontarmos, com naturalidade, com a mudança. Em fins de janeiro, lancei-me num novo e regular trabalho, exigente mas divertido e muito estimulante. Há dias, dei por terminada uma tarefa que, também com regularidade, tinha iniciado há seis anos, que me deu muito prazer, mas que chegou ao seu fim natural. Há menos de um mês, meti-me numa nova e leve “aventura” para a qual fui desafiado e de que estou a gostar bastante. Precisamente no dia de hoje, encerrei formalmente, naquele que foi o fim natural de um ciclo, uma relevante tarefa profissional em que me envolvi, com entusiasmo, há mais de cinco anos. Daqui a poucos dias, vou recomeçar a dar aulas, embora por um tempo limitado, numa universidade, a mesma onde, desde o segundo semestre do ano passado, estou envolvido num projeto de investigação, por sua vez ligado a um programa de televisão onde participo desde o início do último trimestre de 2020. Irei iniciar também, daqui a dias, um ciclo de palestras de formação profissional, cuja preparação me está a dar muito prazer mas, confesso, a obrigar também a um pouco mais de trabalho do que eu tinha imaginado.

Alguém me dizia, há dias: “Ainda me recordo, em 2012, quando dizias que tencionavas não ir fazer “rigorosamente nada”, quando te viesses a reformar, no ano seguinte. E já lá vão mais de oito anos...”

segunda-feira, 12 de abril de 2021

A honra do Convento


O tempo passa muito rapidamente. Em 2007, eu era embaixador no Brasil. Por cá, numa espécie de paroquial concurso da “Lusovisão”, houve a peregrina ideia de escolher “Os Grandes Portugueses”, por votação telefónica. Lá, do outro lado do Atlântico, chegaram-me ecos dessa disputa, a qual, como estava escrita nas estrelas destes certames, acabou raptada pela política de trincheiras.

Agarrei então na tecla e decidi escrever um artigo para o “Diário de Notícias”, a propósito de Aristides de Sousa Mendes, figura que se havia intrometido na guerra entre as “vedetas” que tinham polarizado a discussão. Só lhes posso dizer que esse gesto me valeu duas cartas e um telefonema, de três antigos colegas, todos escandalizados com o facto de eu ter ousado defender nesse artigo, o cônsul rebelde às orientações do “presidente do Conselho”. (Não me perguntem os nomes desses colegas, que o tempo já levou do mundo dos vivos, tanto mais que, como é amplamente sabido, eu tenho muito má memória para nomes, em especial para alguns que quero ter a caridade de esquecer - e ainda bem para eles!).

Há dois dias, cumpri um sonho: ir ver a casa da família de Sousa Mendes, que morreu quase na miséria. 

Passava por acaso numa estrada, vi a placa Cabanas de Viriato, e dei lá uma “saltada” que me fez ganhar o dia, que até ia triste.

Aqui fica a fotografia dessa casa, que, por muitas décadas, esteve em ruinas e em risco de desaparecer e que hoje, felizmente, está recuperada.

E, já agora, aproveito para reproduzir esse tal meu artigo de 3 de fevereiro de 2007, que tinha o título “A Honra do Convento”:

“A presença de Aristides de Sousa Mendes entre os dez nomes mais votados no concurso Os Grandes Portugueses constituiu para mim, ao mesmo tempo, uma surpresa e uma ironia.

Uma surpresa porque, não obstante já muitos conhecerem a história do diplomata que desobedeceu às suas instruções para obedecer à sua consciência, oferecendo vistos aos refugiados judeus que procuravam o consulado português em Bordéus, não estou certo de que a nossa sociedade tenha já, nos dias de hoje, uma sensibilidade ética tão apurada que a leve a optar espontaneamente pelo seu nome. Por isso, só posso louvar quantos se tenham mobilizado para assegurar o voto na figura honrada de Aristides de Sousa Mendes.

A suprema ironia da sua inclusão nesta lista deriva, naturalmente, do facto de, a seu lado entre "Os Grandes", figurar António de Oliveira Salazar, o chefe do Governo cujas ordens ele não respeitou e que, por essa razão, viria a destruir a sua carreira e a sua vida pessoal.

Dirão alguns que Álvaro Cunhal também figura nessa lista, e foi bem mais perseguido que Sousa Mendes. 

São coisas de natureza diferente: Cunhal foi um líder partidário e simbolizava a outra face da vida política portuguesa.

Salazar e Cunhal foram figuras mediáticas, nomes que recolheram emoções e polarizaram o País. Por isso, cada um a seu modo, foram personalidades com poder e influência, seguidos por legiões de prosélitos. Aparecerem agora votados pela nostalgia destes últimos faz parte das leis da vida.

Não era esse o caso de Aristides de Sousa Mendes. Quantos, no Ministério dos Negócios Estrangeiros de então, esboçaram um gesto para defender o colega, a dignidade da sua atitude, a preservação da sua vida profissional? 

Dir-se-á que o ambiente político não ajudava, que a repressão estava ao voltar de cada esquina. Mas, e na oposição? Quem se lembrou então de Sousa Mendes, quem denunciou os arbítrios a que foi sujeito?

Não é com agrado que constato que a minha geração diplomática, a primeira que entrou para o Palácio das Necessidades depois do 25 de Abril, foi habituada a ouvir sobre Sousa Mendes, quase sempre, palavras pouco simpáticas de colegas mais antigos do Ministério dos Negócios Estrangeiros. 

Repito: tudo isto, depois do 25 de Abril! Não exagerarei se disser que, com muito poucas e bem honrosas excepções, a opinião largamente maioritária entre os poucos que se manifestavam sobre o tema, que durante anos foi sempre "incómodo" nas conversas nas Necessidades, continuava a ser muito pouco generosa para a memória do colega rebelde, como que prolongando no tempo a condenação da sua decisão de não cumprir quanto lhe fora ordenado pelo poder instituído e assistindo, com desagrado, à valorização pública desse dissídio. E isto era tão válido para quem o tinha conhecido como para membros de gerações posteriores, que dele só haviam ouvido falar.

Recordo bem que, quando a Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses criou, ao tempo de uma direcção de que fiz parte, um prémio a que decidiu dar o nome de Aristides de Sousa Mendes, vozes houve que, discreta mas significativamente, tentaram que ele viesse a ser titulado, nos anos futuros, por figuras diferentes da carreira diplomática. A frontal oposição de alguns de nós impediu que tal acontecesse. É que já estávamos a imaginar o que por aí viria em matéria de sugestões, para "compensar" o primeiro nome escolhido...

Há que reconhecer que, se não fosse a acção empenhada da sua família e da comunidade judaica internacional, Aristides de Sousa Mendes permaneceria, para sempre, na galeria dos nossos heróis desconhecidos. Portugal acordou muito tarde para a importância desta figura. Mas, pelo menos, acordou. 

E talvez o surgimento do seu nome entre Os Grandes Portugueses possa significar que há que não perder completamente a esperança de que, na memória coletiva do País, possa vir a sobreviver alguma dimensão ética, ao lado dos clichés politicamente corretos da nossa História e das notas caricatas dos radicalismos contemporâneos de sinal contrário.

Um tanto mais corporativamente, eu diria que fica também salva, desta forma, a honra do convento de Nossa Senhora das Necessidades.“

domingo, 11 de abril de 2021

Os amigos do Jorge


Ontem, num cemitério beirão, dei comigo a cantarolar intimamente a canção com que Georges Moustaki homenageou Georges Brassens - o conhecido “Les Amis de Georges”. Não se canta num funeral? Cada um “reza” à sua maneira.

Nos amigos de Jorge Coelho não estariam muitos que se pudessem rever, com rigor, no retrato dos compinchas de Brassens. Mas, descontadas as diferenças entre as gerações, o Jorge e muitos dos seus amigos eram também gente que olhava a vida de frente, sempre com olhos de futuro.

Aqui fica a canção 

Carlos Eurico da Costa (1928-1998)



Carlos Eurico da Costa, ou mesmo só Eurico da Costa, é um nome que, nos dias de hoje, poucas pessoas identificam. Desapareceu desta vida há 23 anos. 

À parte os seus familiares e os poucos contemporâneos das suas relações ainda vivos, bem como uns escassos que têm uma (boa) memória ligada ao jornalismo, a alguma literatura de nicho e à história da publicidade em Portugal, trata-se de uma figura que entrou já numa zona cinzenta de esquecimento. Nada que não aconteça à maioria das pessoas, diga-se. Só que há alguns que o não merecem. Este era disso um caso, como tantos outros haverá.

Por razões próprias, que logo verão, entendi recordá-lo. E fi-lo num artigo (que não é curto, aviso desde já, demora cerca de 13 minutos a ler), que subtitulei de “o surreal realista”. Texto a que alguns leitores habituais deste blogue podem achar graça.

Utilizei para isso uma das mais interesssantes plataformas informativas que por aí anda, "A Mensagem de Lisboa", um espaço de bom gosto e boa gente para o qual tive o privilégio e o gosto de ser convidado a ser colaborador. Aqui fica o link, "à toutes fins utiles". 

Refletir na desordem


Quando o mundo, no final da segunda Guerra Mundial, se organizou institucionalmente em torno das Nações Unidas, ficou criada a ideia, do seu lado ocidental, de que os modelos democráticos, nas suas diversas expressões, a que alguns chamavam liberais, acabariam por funcionar como uma espécie de “benchmark”, para o qual, cedo ou tarde, a maioria dos Estados tenderia a evoluir.

Esta atitude encerrava um evidente paternalismo e a convicção de que a razão estava do lado do Ocidente. E expressou-se na tolerância assumida face a certos regimes de matriz autoritária (como foi o caso da ditadura portuguesa), poupados pela “realpoliik”, como se a sua condução ao redil da ordem democrática fosse apenas uma mera questão de tempo, passado que fosse o seu “estágio” de preparação. O modo como a África e até alguma América Latina foram olhadas era também tributário dessa sobranceria, que satisfazia moralmente os seus titulares, que se assumiam como portadores íntimos da verdade política redentora.

O colapso da União Soviética, com a derrota ideológica e prática do comunismo, a pujança da economia de mercado e a afirmação desta como a ordem natural das coisas, reforçaram a tal ilusão do “fim da História”, ou, para utilizar o “slang” marxista, o termo das contradições antagónicas que bloqueavam o curso da humanidade.

Tudo parecia assim encaminhar o mundo para uma resultante democrática, com modelos mais ou menos diferenciados, num quadro de economia global que se impunha como óbvia e da qual todos acabariam por sair vencedores, tal o impulso ao crescimento que a nova ordem iria necessariamente gerar.

Para o bem e para o mal, a História tem muito mais imaginação do que os homens e, ao voltar da esquina, trouxe as suas surpresas.

A globalização não correu exatamente como o previsto. Claro que gerou imensas vantagens e crescimento, arrastando novas geografias e setores para a economia global, reduzindo a pobreza e oferecendo oportunidades.

Mas, ao contrário do que muitos supunham, essa expansão do mercado não foi acompanhada, em variadas zonas, por uma evolução benévola para fórmulas democráticas de gestão do poder político.

Pelo contrário: em alguns casos, e a China é talvez o exemplo mais flagrante pelo sucesso e pela sua visível importância no cômputo global, o que se verificou foi um modelo de economia de Estado ter colocado, se assim se pode dizer, o aproveitamento das vantagens do mercado ao serviço do poder desse mesmo Estado e do aparelho que o controlava, mantendo a máquina totalitária mais ou menos incólume e, porventura, ainda mais eficaz.

Com isto quer-se significar algo que parece hoje evidente: a prevalência do mercado está longe de poder garantir, só por si, um acréscimo automático de liberdade ao comum dos cidadãos.

Mas o grande veneno, para esse mesmo mundo do mercado, estava ainda por surgir. O que não estava nas contas do lado “de cá”, isto é, das democracias instaladas, era o facto da globalização económica ir, tão rapidamente, gerar no seu seio os “seus descontentes”, de que Stiglitz já falava há duas décadas.

Uma séria desafetação, com reflexos políticos, envolvendo largos setores, face aos resultados obtidos, acabou por transformar-se no outro lado da mesma moeda que tinha gerado o sucesso. É que de fora dele haviam ficado muitos perdedores do processo, apanhados entre a abertura dos mercados que lhes abafou antigas vantagens comparativas e as falências tecnológicas que vieram arruinar o seu modo tradicional de vida produtiva. A esses não lhes valeu a mezinha liberal de virem a usufruir das vantagens transformadoras da “destruição criativa”, que alguns incensaram.

E como às trocas e às deslocalizações de bens e serviços se somou a aceleração da circulação das pessoas e da força de trabalho, com as tensões também identitárias - culturais, religiosas e étnicas - daí resultantes, num magma ainda por cima sujeito a redes digitais sem controlo de inverdades, com mitos e temores a dominarem o espaço público, o cocktail para crises, com pulsões protecionistas e atitudes nada generosas, como se viu nas migrações e refugiados, estava criado.

O caldo de cultura que redundou no Brexit foi um pouco isso, Trump é a resultante fulanizada da expressão deste desespero, os “gillet jaunes” revelam a revolta perante um mundo em que os “proletários”, antigos motores da História, se afastam do desenho que a literatura esquerdista deles alimentou.

O grande risco que a nova (des)ordem mundial comporta é o facto de, com a ascensão de uma China autoritária, somada à multiplicação de modelos de deriva totalitária, um pouco por todo o mundo, se vá espalhando uma nova matriz de legitimidade política, assente na eficácia económica, na resposta simplista a medos e mitos, que coloque os valores da liberdade num grau de alguma relativização. E o principal problema é que esse modelo, absolvido moralmente pelo sucesso económico ou pela sua aceitação demagógica, possa vir um dia a afirmar-se, aos olhos de muitos povos. como uma alternativa equivalente ao seu homólogo democrático.

(Publicado na revista “Prémio - revista de economia, negócios e política”)

sábado, 10 de abril de 2021

E mais não digo!

Respeitando embora os direitos de defesa de José Sócrates, o facto de ter ficado comprovado um reiterado, clandestino e irregular esquema de “subsidiação” financeira de um PM por um amigo constitui uma inapagável mancha ética na nossa vida democrática. E mais não digo sobre isto.

Ou não?

Quem, no dia de hoje, critica o estado da justiça portuguesa são exatamente as mesmas pessoas que a estariam a aplaudir se acaso as coisas se tivessem passado de outra forma. Ou não?

Piccadilly


O dia em que, merecidamente, o príncipe Filipe derrotou, por ali, décadas do Bovril.



sexta-feira, 9 de abril de 2021

Um a zero

Hoje foi o primeiro dia em que a pandemia começou a perder terreno. Pelo menos, nos alinhamentos dos telejornais.

O adeus de Philip


Morreu o príncipe Philip, marido da rainha britânica. Tinha 99 anos. A série televisiva ”The Crown” terá contribuído para mudar, em muita gente, uma certa ideia que existia sobre a sua personalidade. O saldo dessa perceção não é, contudo, consensual.

Há já uns bons anos, na Noruega, tive uma simpática amiga, diplomata equatoriana, de seu nome Marta Dueñas. Era casada com um norueguês "muito norueguês", daqueles que construíam (não sei se ainda constroem) as próprias casas familiares de madeira, ao longo de vários meses ou mesmo anos. Chamava-se Erik e recordo-me que tinha um humor já algo "sulista", por virtude do convívio com os colegas da mulher, como era o nosso caso.

Um dia, o Erik contou-me uma troca de palavras que teve com o príncipe Philip, durante uma visita de Estado da soberana britânica à Noruega. Como era de regra, após o jantar oficial, o protocolo ia convidando os diplomatas, por uma ordem vagamente próxima da respetiva antiguidade, para se aproximarem do rei norueguês - à época Olav V - e da sua convidada. Numa linha mais atrás, o príncipe Philip exibia o seu sorriso e deixava cair alguns comentários.

Quando a diplomata equatoriana e o seu marido foram apresentados aos reis, o duque de Edimburgo acercou-se de Erik e, num aparte só ouvido pelo dois, comentou: "você e eu temos uma coisa em comum: são as nossas mulheres que trabalham!" Erik não sabia o que dizer: ele próprio tinha uma exigente profissão e vir a ser toda a vida "consorte" da mulher era a última coisa que lhe passava pela cabeça. Mas não quis desiludir o príncipe e deixou escapar: "De facto, é um privilégio estar na nossa posição..." Não contava com a reação de Philip: "Privilégio?! Isto às vezes é muito aborrecido, pode crer! Para si não é?". O norueguês, que detestava cocktails e jantares oficiais, a que só assistia por virtude da profissão da mulher, achou que tinha ganho espaço para uma graça: "Ao menos, bebemos uns copos!" Ao que Philip, sorrindo, respondeu: "Pois hoje, a mim, de nada me valeu ainda ser marido da raínha! Ainda não consegui que me servissem um scotch..."

“A Arte da Guerra”


Com o jornalista António Freitas de Sousa, num ”podcast” do Económico TV, falo das recentes eleições na Bulgária, nos novos equilíbrios no Parlamento Europeu, dos esforços europeus para reconstituir o acordo nuclear com o Irão e do modo como mais recente atentado junto ao Capitólio, em Washington, prova que a América vive sob uma tensão interna que nem a presidência apaziguadora de Joe Biden está a conseguir atenuar.

Pode ver aqui

Por esse Rio abaixo

Parece hoje muito óbvio que Rui Rio, como solução para se libertar de um certo PSD, desenhou uma política interna de alianças que o tornou, em absoluto, refém do lóbi autárquico. O preço ético está a ser elevado: depois do caso dos Açores, a caminho das eleições autárquicas, parece que “já vale tudo”.

Juíz de dentro

Hoje é o dia em que muito português vai revelar o sofisticado jurista que, afinal, vive há muito dentro de si

quinta-feira, 8 de abril de 2021

Irlanda do Norte

Para já, os acontecimentos violentos em Belfast parecem titulados por adolescentes protestantes em raiva, face ao que entendem ser uma objetiva derrota dos unionistas, que interpretam o estabelecimento de uma “fronteira” marítima entre a Irlanda do Norte e a Grã-Bretanha (Inglaterra, Gales e Escócia), indispensável para que o território se mantenha no Mercado Interno da UE (isto é, sem uma fronteira física com a República da Irlanda), como uma cedência às pretensões dos católicos que desejam a ligação à República da Irlanda. Porém, se os movimentos políticos unionistas, que já informaram, há semanas, os governos de Londres e Dublin de que se dissociavam politicamente do “Acordo da Sexta-Feira Santa” (processo de paz assinado em 1998), vierem a assumir essas reivindicações (e o surgimento de vítimas pode facilmente ser um rastilho) e a assinalar uma espécie de “nil obstat” à retoma de atividade das fações armadas protestantes que, nos últimos anos, se têm mantido em sossego, as coisas podem descambar perigosamente. É que, do lado católico, haverá um mimetismo automático. 

Honra a Joe Biden

Um “bravo!” para a coragem de Joe Biden em lançar uma cruzada para enfrentar a “pandemia” das armas em que os EUA vivem, desde sempre.

Será uma guerra muito longa, com implicações constitucionais, resistências estaduais e lóbis poderosos.

Mas este gesto honra muito a figura de Joe Biden.

quarta-feira, 7 de abril de 2021

Jorge


Há pessoas que a vida nos oferece o privilégio de, um dia, podermos vir a ter como amigos. Alguém que começamos por conhecer num registo mais ou menos distante, cujo percurso vamos seguindo e de cujas qualidades, pela atitude, pelo exemplo, pelo caráter, nos vamos progressivamente apercebendo. E que passamos a admirar.

Para mim, Jorge Coelho, que agora desapareceu, era uma dessas figuras. Criei com ele uma forte amizade e devo-lhe atenções, no nosso relacionamento pessoal e profissional, que nunca esquecerei.

Entrámos exatamente no mesmo dia para o governo, fomos convivendo por ali aquilo que as nossas funções justificavam, iamo-nos vendo e falando, ao longo desses mais de cinco anos. Havia mesmo, no início, como que uma certa cerimónia entre nós, ainda que sempre marcada por uma forte cordialidade. Fez, há pouco, 20 anos que coincidiu saírmos, também no mesmíssimo dia, do governo. Ele tinha tido então a dignidade de assumir, com frontalidade, a suprema responsabilidade política de uma tragédia ocorrida numa área que tutelava. O país reconheceria, para sempre, esse seu gesto de grande nobreza.

Depois, o Jorge veio a passar por um período muito difícil de saúde. Esteve então nos limites da vida. Recuperou, com imensa coragem, com a Cecília e a força da família a seu lado, que agora comovidamente abraço. Deu a volta à roda da vida, regressou a ela em pleno. Atirou-se, com um génio empresarial que mostrou que era o seu, a funções elevadas no setor privado. A Mota-Engil, com ele, abriu-se e expandiu-se pelo mundo. Sei bem que o seu grande amigo António Mota estará hoje, como muito poucas pessoas, a passar por um luto muito sentido pelo desaparecimento do Jorge.

Tendo abdicado por completo da política ativa, o Jorge não deixava de se interessar pela vida cívica. Nos debates televisivos, durante anos, o país apreciou a sua moderação e seu sentido da medida. Jorge Coelho era uma permanente voz da razoabilidade, sempre à luz da matriz de convicções de solidariedade que eram as suas, desde muito jovem. Pensava pela sua cabeça, era ouvido por quem lhe apreciava o equilíbrio, era um cidadão e um democrata de corpo inteiro. Mas a imagem do Jorge ia muito para além desse mundo: pergunte-se a empresários, sindicalistas e personalidades de vários setores o que o nome de Jorge Coelho lhes suscitava e observarão uma alargada opinião muito positiva.

Mas falar do Jorge, é falar também da sua imensa alegria, das histórias deliciosas que contava, do universo de coisas por que passou, que recordava sempre sem acrimónia, de onde retirava aspetos positivos. Nunca o vi rancoroso, embrulhado na intriga, que a política tantas vezes convoca. Pelo contrário, diluia conflitos e, mesmo na atitude crítica que assumia, tinha um imenso respeito pelos adversários.

Nos últimos anos, o Jorge decidiu voltar às origens. Retomando uma tradição familiar, dedicou-se à sua terra, a Mangualde, onde construiu uma unidade industrial de queijos que era, nos dias de hoje, o seu grande entusiasmo de vida. Que agora tem o seu ponto final. O país perdeu um grande cidadão. E eu perdi um amigo.

Adeus, Jorge!

 


terça-feira, 6 de abril de 2021

Da Argaçosa ao Pat Boone


A antiga praça de touros de Viana do Castelo começou a ser demolida. 

Já reparei que há quem ache isso um atentado contra o património edificado local e, por outro lado, quem considere que se trata de um sinal saudável dos tempos, em especial numa cidade que, há muito, já havia decidido não realizar, para sempre, touradas. Creio que só estive naquelas bancadas uma única vez, para uma garraiada. 

No lugar, irá surgir um complexo desportivo moderno e, pela imagem que foi divulgada, parece que bastante funcional.

A praça de touros da Argaçosa - quantas pessoas de Viana a conhecerão ainda por esse nome? - fez parte do meu cenário de infância. Era um lugar de namoro, dentro dos carros, com uma fama pouco recomendável para levar raparigas, por se situar numa área distante do centro da cidade. Ficava nas cercanias das Azenhas de Dom Prior, uma interessante estrutura movida pelas marés que entravam pelo Lima acima, e que desconheço se ainda é preservada.

Ainda a anteceder tudo aquilo, logo que se passava por debaixo da ponte Eiffel, havia o Límia Parque. Continua a existir. Ali prendi a andar de bicicleta, que se alugava ao quarto de hora. Chegou a estar bem na moda! Tinha um belo café, lanchava-se por lá, sempre com música. Havia um ringue de hóquei e tudo confinava com o ténis. Durante muito tempo, o Límia Parque foi “o” lugar da modernidade de Viana. Grandes festarolas ali se realizaram.

No café do Límia Parque, recordo-me, havia uma máquina de “pôr discos”. Cada música custava “uma coroa” (50 centavos) e, como bem assinala o “Chico Rendeiro”, um amigo que tem o heterónimo de Francisco Trindade Lopes, carregando no J6 saía o “Anastasia”, do Pat Boone.

Não tenho artes de lhes reproduzir aqui o cheiro, que era único, do “mazagran” (já ninguém sabe o que isso é), que se servia no Límia Parque. Mas, em compensação vou deixar o “cheirinho” musical do J6. Ouça aqui.

O cromo do Maserati


Hoje, pareceu-me vê-lo, numa rua de Lisboa. Ia num Mercedes. Mas o cruzar rápido dos carros não me deu tempo suficiente para ter essa certeza. 

Foi há dois anos, numa determinada cidade portuguesa. Íamos a caminhar por um passeio, com um casal brasileiro, na busca de um local, quando, ao nosso lado, caminhando pela rua, senti que alguém começava a acompanhar-nos. De súbito, um pouco atrás de mim, ouço dizer para a minha mulher: “O seu marido já não me conhece! Mas foram bons tempos!”.

Voltei-me e dei de frente com um homem de estatura pequena, calças vermelhas, camisola de gola alta preta, debaixo de um blusão de boa marca. O cabelo não tinha uma branca, o que só não era extraordinário para alguém com uns bons quatro ou cinco anos mais do que eu porque o trabalho de tintas do barbeiro tinha sido excelente.

A cara dele dizia-me qualquer coisa, mas o nome não me saltava. Se a minha memória o não disse, disse-o ele. Era um velho colega de faculdade, com quem nunca tinha tido uma relação próxima, mas que, dito por ele o seu nome, lembrava desses tempos. Fazia parte daquelas figuras que, nas turmas universitárias, se isolavam por serem um pouco mais velhas, acamaradando preferencialmente com colegas da sua faixa etária.

Cumprimentei-o com genuína simpatia, porque era isso que me merecia um colega que deixara de ver, sei lá!, talvez em 1971 ou 72. 

Para encher o encontro fortuito, para dar conteúdo àqueles raros instantes, falei-lhe de nomes de gente desse tempo, que eu ainda costumava encontrar. Lembrava-se de um ou dois. Sabia bem o que eu tinha feito na vida, vira o meu nome, ao longo dos anos, aqui ou ali e, como acontece nestas ocasiões, a conversa começou rapidamente a esvaziar-se. 

Lembrei-me de perguntar-lhe: “E tu? O que é que fazes? Ou o que é que fizeste, porque já deves estar reformado”. 

Abriu-se-lhe então um sorriso e saiu-se com esta: “Eu acabei aquilo lá em baixo (era o curso), vim para cá e nunca fiz nada!”. 

Curioso, inquiri: “Mas nunca te empregaste? Nunca usaste o curso?”

Ele fez uma pausa e, sempre de sorriso aberto, esclareceu: “Estou cheio dele!”

Por um segundo, não percebi o que quis dizer e, pela minha cara, ele deve ter logo intuído isso. Pelo que detalhou: “De bago, pá, de massa! Vivo à grande! Sempre vivi, nunca fiz nada, não precisava”.

Eu estava aturdido com a deriva da conversa. Os meus companheiros de jornada, a um metro ou dois, esperando por mim, iam ouvindo pedaços do diálogo. Saiu-me então um “Ainda bem, pá!, sorte a tua!”

Mas ele não largava e quis detalhar melhor a ordem da alegada grandeza: “Lá na garagem, tenho um Maserati amarelo e um Mercedes (e citou umas letras e uns algarismos que, para mim, completamente ignorante em carros, não me diziam nada, mas que imaginei deviam ser o máximo). Terei dito: “Ah! Sim? Boa!”. 

Já farto, rematei com um “Tive imenso gosto em ver-te, pá! Olha! E saúde para gozares tudo isso!” Não fiquei sem resposta: “Tenho! Ótima!”. 

Guardei então a sensação de que, se tivesse deixado passar mais um minuto, se a minha mulher e o casal brasileiro não me começassem a dizer que tínhamos de ir andando, a conversa ia descambar, necessariamente, para “gajas”! E aí, tive alguma pena, confesso! Já agora, tinha sido uma dose completa! 

Ele há cada cromo! Mas, como aquele, palavra! nunca tinha encontrado na vida!

(Dedico esta história à Eni e ao António Carlos Portugal, testemunhas presenciais daquela singular conversa. Vão-se lembrar, com toda a certeza!)

A luz da Lusitânia


A Lusitânia é uma estimável e prestigiada companhia de seguros que tenho por vizinha, da rua de São Domingos à Lapa, em Lisboa. 

Ocupa um excelente edifício que, por muitas décadas, foi a chancelaria da embaixada britânica em Portugal. 

Ao que se nota da fachada principal e, muito em especial, da parte lateral do edifício, foram ali feitas, há anos, fartas obras, que dão mostras de terem requalificado o prédio, mantendo a sua clássica dignidade.

Até aqui, tudo bem. Só que, naquilo que só se pode compreender como uma decisão impensada, as varandas fronteiras do prédio são, à noite, servidas por uma iluminação mal engendrada, com um luz branca muito agressiva, nada adequada ao sublinhar elegante das varandas, com a agravante de, nos últimos tempos, haver mesmo por ali lâmpadas fundidas ou tremelicantes de uso.

Estou convicto de que os responsáveis da Lusitânia sabem que há hoje, em Portugal, qualificadas empresas de iluminação capazes de desenhar para o seu prédio um jogo de luz harmonioso, de tons mais serenos, capaz de valorizar muito, nas horas noturnas, a incontestável beleza da sua fachada.

A Lusitânia pode ficar a saber que a sua vizinhança de rua ficaria muito satisfeita se a companhia, com um gesto de melhoria neste domínio, pudesse contribuir para o embelezamento da artéria.

Estou mesmo em crer que alguns de nós encararíamos a possibilidade de transferir para a empresa alguns dos nossos seguros - desde que a preços comparáveis, claro!

segunda-feira, 5 de abril de 2021

Então, Mário?!

Agora que há o regresso às aulas, não seria tempo do Mário Nogueira marcar uma greve?

domingo, 4 de abril de 2021

Almeida Henriques


O vírus está a ser mortífero para várias pessoas que fui cruzando pela vida. É agora o caso de Almeida Henriques, atual presidente da Câmara de Viseu. Já o conhecia da política lisboeta, mas voltei a encontrá-lo quando passou a integrar a delegação portuguesa à Assembleia Parlamentar da OSCE, em Viena, onde tive o gosto de recebê-lo e com ele conviver um pouco mais. Era um homem de grande simpatia, de quem guardo uma imagem muito cordial e que, anos mais tarde, veio a revelar-se um autarca fortemente dedicado à sua terra. Deixo aqui meus sentimentos à sua família.

sábado, 3 de abril de 2021

Fascismo às pingas


Anda aí uma malta, que agora descobriu que é “fino” diabolizar o comunismo, tentando vender (já vai tarde!) que, afinal, não houve fascismo em Portugal. 48 anos de ditadura deve ter sido um passeio dos alegres!

Podemos imaginar que, ao verem esta fotografia, devem achar que aquela rapaziada, com o ferrete do S no cinto, estendia o braço para perceber se estava a chover! 

“Quem lhes atasse um arado”, como se diz na minha terra...

Libertários reaças

A quanto obriga o ter de ser ”do contra”! Uma parte da direita portuguesa, a que abandonou o bom senso conservador e o sentido cívico, descobriu, nos últimos tempos, uma costela libertária e faz proclamações de sentido idêntico aos negacionistas.

Os amigos de Lula

Achei imensa graça à lista de amigos portugueses que Lula elencou na sua entrevista à RTP, a quem quer dar um abraço quando por cá passar. Felizmente para eles, a pandemia desaconselha esse gestos físicos de afetividade, caso contrário podia presumir-se o embaraço de alguns.

Falta de notícias

O desespero com que a comunicação social se quer agarrar ao “conflito” entre Marcelo e Costa por causa das leis que agora vão para o Tribunal Constitucional roça o ridículo. Era tão bom para as audiências que eles se “pegassem” e viesse aí uma crisezeca, não era? Que gente!

Currículos

Num mundo em que toda a gente vai ao Google por tudo e por nada, é surpreendente que ainda surjam pessoas a falsificar currículos (há quem escreva “curricula”, para mostrar que sabe latim), coisa que hoje é, quase sempre, verificável com meia dúzia de buscas. Além de desonesto, quem “melhora” CVs com mentiras é apenas parvo.

Lula e Maduro

Percebo que Lula sinta uma forte gratidão face à Venezuela, por tê-lo apoiado nos piores momentos que viveu nos últimos anos. Mas faz-me impressão que alguém que soube gerir o Brasil em plena democracia, sob aplauso quase generalizado pelo mundo, sem nunca ter então colocado ou deixado colocar em causa, minimamente, a liberdade e a separação de poderes, tolerando as críticas da imprensa e a agressividade política da oposição, não consiga entender quanto avilta a sua imagem estar a colar-se a uma figura como Nicolás Maduro, protegendo publicamente o atual regime venezuelano. 

O presidente venezuelano não é mais do que um autocrata de segunda classe, um “genérico” medíocre de Chavez, que mostra não ter o mais leve respeito por quem dele discorda. Falar da existência de democracia na Venezuela atual não é apenas alimentar uma ficção, é colaborar numa mentira descarada.

Lula tem razão, contudo, ao desqualificar a figura de Guaidó, que se auto-intitulou presidente e que acabou por ser um títere que os americanos adularam, quando estavam convencidos de que a queda de Maduro estava por dias - uma patética aventura em que a União Europeia, na sua “política externa” de trazer por casa, se deixou embarcar.

Há uma coisa que a União Europeia, em termos internacionais, tem de aprender, de uma vez por todas: quando não sabe o que há-de fazer, deve perceber que a melhor resposta para isso não é necessariamente fazer aquilo que os americanos querem que ela faça.

Bolsonaro e os militares

Vou escrever uma coisa que apenas alguns entenderão. Paciência! 

Bolsonaro considerou que o ministro da Defesa que antes tinha escolhido o não defendia politicamente. E demitiu-o. Porque também não apreciava a postura do chefe do Exército, que tinha tido atitudes que ele via como marcadas por uma demasiada independência, demitiu-o também. E, de caminho, para mostrar quem manda, mudou as chefias da Marinha e da Força Aérea e os titulares de outros cargos militares.

Bolsonaro é quem é e o que é. Mas Bolsonaro é o presidente que o Brasil quis e foi eleito em total liberdade. 

(O facto de Dilma Rousseff ter sido afastada do Planalto numa jogada política a que só um cego dá alguma legitimidade e de Lula ter sido impedido de concorrer à eleição presidencial pelos artifícios que hoje se conhecem e são incontestáveis, não altera um facto essencial: na disputa eleitoral com Fernando Haddad, Bolsonaro ganhou de forma clara. Apetecia-me mesmo acrescentar, para alguns amigos brasileiros: “É bem feito!”, mas não quero ser cruel).

Num país presidencialista como é o Brasil, Bolsonaro tem o pleno direito de nomear ou demitir ministros e os chefes militares, como muito bem lhe der na sua real gana. Não existe nenhuma limitação constitucional a que assim proceda.

(Valha a verdade que este princípio tem alguns limites políticos não escritos: foi para acomodar uma pressão do Congresso, de que necessita no seu caminho para procurar garantir a reeleição, que Bolsonaro se sentiu obrigado a dispensar o ministro das Relações Exteriores, cuja manifesta inépcia já tinha passado a fronteira da razoabilidade. Para “compensar” a ala ideológica do governo e o “partido” de Olavo de Carvalho, muito protegido pela sua família, nomeou para o Itamaraty um diplomata de segunda classe e manteve no gabinete da sua assessoria Filipe Martins. Mas isso são “contas de outro rosário”. E alguma desta coreografia também se prende com os compromissos a respeitar com o “centrão”, que conduziram a outras mexidas no executivo, de que a mais espampanante é a entrada de Flávia Arruda).

Mas voltemos ao essencial. O presidente do Brasil mudou todos os poderes militares e colocou lá outros que, pelos padrões profissionais, lhe são basicamente equivalentes e que já afirmaram a sua subordinação institucional. É claro que nomeou um novo ministro da Defesa que, à última hora, decidiu mudar o texto da mensagem que tinha sido preparada pelo seu antecessor, destinada a ser divulgada na data do golpe de Estado (a direita brasileira diz “a Revolução”, como cá os adeptos da ditadura faziam com o 28 de maio). No texto, onde dizia que esse movimento devia ser “compreendido”, ele mudou para “celebrado”. Está tudo dito.

O essencial que aqui hoje quero dizer é que se trata de uma excelente notícia que o presidente do Brasil, escolhido (bem ou mal, isso é outra história) pelo povo brasileiro, tenha podido mudar, a seu bel-prazer, todas as chefias militares sem que isso tenha provocado o “tilintar dos sabres”. O poder político legítimo manda, o poder militar obedece. É assim em democracia. 

Mas imagino que alguns não queiram entender este texto.

São Cristóvão


Só os lisboetas de melhor memória poderão confirmar se a estátua do São Cristóvão, que se vê, à saída para o Norte, naquela que já mereceu o honroso nome de Rotunda do Relógio, já lá estaria no final dos anos 60.

Ontem passei por lá e, embora à distância, fotografei-a. Para quê? Porque me recordou que, no passeio em frente a ela, estive, numa manhã no final dos anos 60, a pedir boleia, de mochila às costas.

Não era nada de especial, para a época. Andar “à boleia”, nesse período, era uma coisa muito comum para gente nova. O que talvez não fosse tão vulgar era alguém ousar partir dali e, não sei quantos dias depois, com paragens numa multiplicidade de sítios (10 dias em Paris, cinco em Amesterdão, entre outros belos poisos), chegar à cidade sueca de Falkenberg, a caminho da Noruega, regressando depois, “para baixo”, procurando não repetir percursos.

Pelas minhas contas, devem ter sido mais 6000 quilómetros, até porque caprichei em escolher, quase sempre, estradas nacionais normais, fazendo ainda bastantes desvios para ir a determinados locais que levava em agenda para ver, o que deve ter aumentado muito o trajeto.

Ao olhar ontem para o São Cristóvão pus-me a pensar o que é que, por essa altura, me passaria pela cabeça. Não cheguei a nenhuma conclusão, salvo a absoluta certeza que tenho de que fui muito feliz nessa aventura, quase sempre, mas nem sempre, solitária.

Lisboa está mais alegre

 


sexta-feira, 2 de abril de 2021

Viva a Constituição!


Faz hoje 45 anos, em 2 de abril de 1976, foi aprovada a Constituição da República Portuguesa.

Viva o 25 de Abril! Viva a Constituição! Viva a República!

Páscoa

Portemo-nos bem nesta Páscoa, para que esta não seja a nossa Última Ceia.

quinta-feira, 1 de abril de 2021

Rosa enjeitado

O juíz Ivo Rosa sairá sempre mal do Processo Marquês. Já se percebeu que, se isentar Sócrates de alguns dos crimes de que o MP o acusa, será de imediato pendurado no pelourinho mediático. Se acaso vier a subscrever as propostas da acusação, a vitória “da justiça” (estou só a antecipar o que os jornais de título e estilo grosso trarão) será sempre atribuída a outrem que não ele. Em qualquer caso, Ivo Rosa será sempre ultrapassado pelo “juiz da rua”, o qual, como é sabido, já emitiu, sobre o assunto, uma sentença que há muito transitou em julgado na opinião pública e, em especial, na opinião publicada.

Escrevi isto há sete anos!

Em 2014, publiquei no saudoso “Diário Económico” este artigo. Veremos se sobrevive:

“Falemos claro. Está criado em largos setores da sociedade portuguesa o sentimento de que José Sócrates é culpado. O “esquema” das ligações financeiras, que alguém passou à comunicação social para credibilizar a “operação Marquês”, caiu como “sopa no mel” na convicção de quantos, de há muito, tinham o antigo primeiro-ministro como um potencial, ou mesmo consumado, delinquente. O que agora sucedeu só vem confortar aquilo em que sempre acreditaram. Julgo mesmo que, para essas pessoas, dificilmente é concebível outro desfecho que não seja a prisão por longo tempo de José Sócrates.
José Sócrates não beneficia assim da presunção de inocência, em grande parte da opinião pública. Pelo contrário, há mesmo uma forte presunção de culpabilidade que o afeta e que, nos dias de hoje, leva muitas pessoas a tentar apenas saber como se passaram as coisas e, em nenhuma hipótese, se esses factos são ou não verídicos ou se, sendo-o, pode haver para eles alguma simples e plausível justificação.

A perplexidade perante as acusações a José Sócrates atingem também, não vale a pena escondê-lo, muita gente que tem por ele um real apreço e que valoriza muito daquilo que fez como governante. Gente que não se revê no labéu de um Sócrates “coveiro” do país e que tem a sua leitura para o que aconteceu em termos financeiros até 2011. Inundadas por notícias que remam todas no mesmo sentido, muitas dessas pessoas mantêm a esperança de que Sócrates seja capaz de clarificar tudo e desmontar a operação instalada à sua volta. Outros há ainda que, escudados no que foi a falta de fundamento para outras acusações surgidas no passado, alimentam a tese de uma cabala urdida pelos operadores judiciários.

Muito se tem falado sobre o papel da comunicação social neste processo. Grande parte dos meios de comunicação, confessando-o ou não, já tomou partido e esse partido não é o de José Sócrates. Não vale a pena negar nos editoriais o que os títulos não escondem. 

Sobre este assunto eu sei tanto como o leitor, isto é, nada. Como me recuso a deixar-me cair no “achismo”, vou acompanhando as notícias, sou delas dependente e procuro pensar friamente.
Tenho, porém, duas certezas.

Se José Sócrates fosse culpado por atos que tivesse cometido no exercício das suas funções de Estado, por ações ou omissões dolosas que pudessem ter traído a confiança que milhões de portugueses nele depositaram, tratar-se-ia de algo muito mais grave do que os próprios delitos. A vida pública concede a um grupo restrito de cidadãos a possibilidade de, por mandato de outros, gerirem o país. Quem trai este compromisso merece o opróbrio definitivo.

Se o caso contra José Sócrates não for suficientemente sólido, se do trabalho dos acusadores viesse a sair apenas um novelo de suspeições circunstanciais, um pacote de meras convicções, estaríamos perante uma canalhice sem nome, uma ação miserável sobre um homem, que credibilizaria então todas as suspeições que existem sobre a instrumentalização do setor da Justiça.”

Agora, resta-nos esperar.

Vila


Ao que acabo de ler, lá se foi o Vila, desta para (o que alguns, que não eu, acham que é) melhor!

Nos anos 80, no verão, para arranjar um lugar nas mesas comuns da Adega Vilalisa, na Mexilhoeira Grande, eram precisas “cunhas”. Depois, conhecia-se o Vila, o pintor cozinheiro, e tudo ficava mais fácil.

“So long”!

Toponímia sem imaginação


No meu bairro, já não se sabe o que se há-de inventar para dar nomes às ruas (esta é uma mentira de abril, desde já aviso, para benefício dos bisonhos que levam tudo à letra).

Fake trues

Em tempo de “fake news”, toda verdade inicia o seu curso de afirmação pública como se de uma mentira se tratasse. Depois, com sorte, pode vir a credibilizar-se.

Com a verdade me enganas

Hoje, dia das mentiras, apetece-me lembrar um lema histórico da Guerra Fria: não acreditem em nada que venha da União Soviética a menos que isso tenha sido desmentido pelo Kremlin...

quarta-feira, 31 de março de 2021

Cabo Delgado

Quero crer, com toda a franqueza, que o Estado português continuará a ter como muito claras as linhas limite que o envolvimento bilateral de Portugal na situação securitária em Moçambique deve continuar a observar.

Não havia necessidade!

O presidente da República deve estar arrependido do artifício jurídico que congeminou. Concitou a seu favor todas as opiniões demagógicas, mobilizou contra si muitas vozes sensatas e ofereceu uma bela medalha de responsabilidade ao governo. Não havia necessidade, caro presidente!

“A Arte da Guerra”


Com o jornalista António Freitas de Sousa, num ”podcast” do Económico TV, falo da grave situação que se vive no norte de Moçambique, dos seis meses da Presidência Portuguesa da União Europeia e da relação da Turquia com a Europa.

Pode ver aqui.

Carlos Moedas

Carlos Moedas tem plena razão quando diz que a sua convocatória ao parlamento, para ser ouvido sobre o caso Novo Banco, é uma decisão politicamente motivada, com algum oportunismo eleitoral autárquico à mistura. Mas ele também sabe, sem a menor sombra de dúvida, que se acaso o PSD estivesse na posição em que está hoje o PS, tudo se passaria de forma simetricamente igual. É assim ou não é? Costuma dizer-se que quem anda à chuva molha-se. Poderia também afirmar-se que quem anda na política se salpica! É assim a vida, Carlos!

Ronaldo

Tenho um imenso respeito pelo profissional de exceção que é Cristiano Ronaldo. Tenho uma forte consideração por ele, como pessoa, como personalidade solidária, ligada à família e aos seus amigos. E nunca esquecerei o modo como “abanou” Fernando Santos, na final do Europeu, a sua devoção pela camisola de Portugal.

Dito isto, detesto a obsessão diária que se vive com os seus “records”, as ridículas e permanentes comparações que se procuram fazer com Messi, Pélé e Maradona, com que a imprensa passa o tempo a “encher chouriços”.

Cristiano Ronaldo é ele próprio, com certeza o maior atleta português de todos os tempos. E isso chega.

“A Arte da Guerra”


Às 19 horas, hoje, no site do Económico TV, com possibilidade de posterior visualização.

Os livros ou Samuel Wainer, escolham!



Ontem, senti-me como uma criança numa casa de doces! Ia a passar, de carro, na rua da Escola Politécnica e, num instante, vi que a “Livraria da Travessa” estava aberta. Fiz uma guinada tal com o meu Smart, para estacionar junto à Faculdade de Ciências, que ia quase provocando um acidente com um Uber Eats.

Nem podem imaginar como me fez bem entrar naquela “catedral” do livro brasileiro, “cheirar” o extraordinário mundo editorial do Brasil. Só por vergonha não listo aqui o que me apeteceu comprar!

A “Livraria da Travessa” e, em especial, as “Cultura”, eram a minha perdição, quando vivia no Brasil. Entrava por ali, no Rio ou Brasília ou São Paulo ou Recife, e começava a angustiar-me, pensando: “não vou ter tempo para ler tudo o que me apetece comprar”!

É este sentimento que continua a atravessar-me, e cada vez mais (porque o tempo é cada vez menos), quando entro em livrarias. Como já não se vendem discos e eu, à parte livros, não gosto de adquirir nem roupa nem “gadgets”, constato que não sei comprar mais nada. Com uma exceção: compro “stationary” (blocos, marcadores), que depois não gasto.

Andei ontem, assim, por aquelas mesas da “Travessa”, nos escassos minutos que tinha, antes da casa fechar, deliciado.

E dei com um livro que sabia que tinha sido publicado, há poucos meses: uma biografia de Samuel Wainer. A maioria dos leitores deste espaço perguntarão: mas quem diabo é Samuel Wainer?

Há muitos anos, mais de trinta, eu ouvira falar, pela primeira vez, de Samuel Wainer. Foi num jantar na residência do Cônsul-Geral português no Rio, que era então José Stichini Vilela. Eu estava por ali de férias. A pessoa que, nessa noite, nos (me) falou de Wainer, um brasileiro amigo do nosso cônsul, cujo nome esqueci. Descreveu-mo como um jornalista hiper-talentoso, mas, essencialmente, como sendo uma figura marcante da vida política do Rio, que tinha sido combatido ferozmente por Carlos Lacerda (o que, para mim, era uma medalha), que tinha estado ao lado de Vargas, de Kubitchek, de Jango. Fiquei curioso e guardei o nome.

O Brasil é um país que tem uma extraordinária história de imprensa, jornais e revistas magníficos, mesmo numa comparação internacional. E, com os anos, vim a constatar que o jornal “Última Hora”, de Wainer, tinha um capítulo muito importante nessa mesma história.

Weiner não era um santo, longe disso. O seu talento tinha um “outro lado da moeda”. Subiu alto, desceu baixo e, há alguns anos, li umas memórias suas em que ajustava algumas contas - e os livros de ajustes de contas, se têm a sua graça, são, quase sempre, retratos não muito favoráveis de caráter.

Conta-se que, no fim da vida, num jornal de São Paulo onde Weiner terminou a profissão, um jovem repórter terá dito que não sabia quem ele era, ou melhor, que só sabia que ele tinha vivido com Danuza Leão, uma muito interessante figura feminina, irmã da cantora Nara Leão. Danuza, uma “musa” que marcou os “swinging sixties” do Rio, foi uma mulher deslumbrantemente bonita. Chegou a trabalhar na TAP, no Rio. Ainda é viva e também escreve - e, aliás, nada mal. Porém, reduzir Wainer a ter sido companheiro de Danuza era, de facto, bastante cruel. Mas, vá lá!, podia ser pior!

Em 2005, comigo acabado de chegar a Brasília, o conselheiro de imprensa da nossa embaixada, Carlos Fino, perguntou-me se eu queria conhecer uma das figuras, quase históricas, do jornalismo da capital, a primeira mulher a ser acreditada junto do Itamaraty, uma pessoa que era bastante sua amiga.

Convidei-a para almoçar. Era uma senhora já muito idosa, com uma extraordinária lucidez, de grande simpatia e uma visão muito equilibrada sobre o mundo altamente complexo da política brasileira. Chamava-se Sofia Wainer e era irmã de Samuel Wainer. Ficou, desde esse dia, nossa amiga, por todo o tempo que vivemos no Brasil.

Nunca falei com a Sofia o quanto gostaria de ter falado sobre a figura fascinante que tinha sido o seu irmão. Também nunca lhe perguntei muito sobre a sua família judaica, saída no final de 1920 da Bessarábia, região hoje na Moldova, que chegou ao Brasil quando Samuel tinha 10 anos. Sofia foi a única irmã que já nasceu no Brasil. Quando não se sabe: a idade de Sofia foi sempre um dos segredos bem guardados de Brasília. Morreu em 2015.

Vou ler esta biografia de Samuel Wainer também a pensar na Sofia.

terça-feira, 30 de março de 2021

Sinais dos tempos

Pressente-se a decadência inexorável de um país quando a sua equipa de futebol inicia um jogo a perder com o Luxemburgo. Tá bem: eu sei que seria pior com Belize, Transnístria, Bophuthatswana, Djibuti ou São Marino. Mas, mesmo assim: o Luxemburgo, caramba?!

Janelas de Lisboa

 


Tropa

A convulsão que a hierarquia militar atravessa, nestas horas, no Brasil, não permite raciocínios “cinzentos”: ou o presidente está a brincar com o fogo e esta coreografia lhe pode sair muito cara ou tem garantida uma força suficiente que lhe permitirá sair por cima de tudo isto.

Dias desfocados

A regular utilização do Zoom, do Teams e das restantes parafernálias de teletrabalho, com a “glicerinação” dos cenários de fundo desfocados, está a criar a ideia de que todo o país é proprietário de, pelo menos, um quadro do Noronha da Costa...

Volk

A Volkswagen, nos EUA, passou a chamar-se Voltswagen, para ficar com um ar mais elétrico-modernaço. Não sei se, nos tempos de policiamento retroativo que se vivem, isto não pode levar uma revisitação da razão do seu nome original.

Decência

A designação de “direita democrática” que, justamente, tem sido dada a partidos decentes do sistema político, não é, contudo, um conceito estático: certas escolhas, regionais e autárquicas, interpelam esse estatuto. É que foi Loures, depois os Açores, agora a Amadora e Oeiras...

A confissão de Lúcio

                        


Nos dias de hoje, todos lhe chamam JN. Na minha infância, era conhecido por “Notícias”.

O ”Jornal de Notícias” era então um dos três matutinos do Porto, sendo os outros “O Primeiro de Janeiro” e “O Comércio do Porto”. (Havia ainda, na cidade, um vespertino, de escassa e muito local divulgação, chamado “Diário do Norte”. E o portista “O Norte Desportivo”, bissemanário do famoso Alves Teixeira).

Em minha casa, lá em Vila Real, liam-se os dois primeiros jornais. O meu avô materno comprava o “Janeiro” e o meu pai o “Comércio”, onde o seu irmão Severino Costa enchia meia página diária (!), como “correspondente” do jornal que, por décadas, foi em Viana do Castelo.

O “Notícias” era então o mais popular dos matutinos, com muitos “casos do dia” (“Talhante mata sogra a cutelo em Rio Tinto”) e, em especial, com uma crescente cobertura desportiva, que ocupava mais páginas do que as dos seus diretos concorrentes. Com os anos, os restantes jornais da cidade foram desaparecendo e o “Notícias” subiu ao topo das vendas. E, a nível nacional, foi mesmo um sucesso, antes de outros modelos mais ousadamente tablóides lhe disputarem a primazia.

Em 1966, fui para a universidade do Porto fingir que estudava engenharia. Alguém me disse então, um dia, que o “Notícias” recrutava gente para ir cobrir jogos de futebol entre clubes de segunda linha da cidade e periferia, tipo Aldoar-Paranhos ou coisas assim.

Pagava à peça, creio que dez escudos(*). Íamos ao estádio, recolhíamos a composição das equipas (com as referências ao guarda-redes, defesa, médios e avançados separados por três ponto e vírgula) e escrevíamos quatro ou cinco linhas do estilo: “O onze do Aldoar falhou um penalti, por Dionísio, aos 18 minutos, pelo que o prélio chegou empatado ao intervalo. Embora tivesse ficado reduzido a dez unidades, aos 60 minutos, por expulsão de Meireles, o Paranhos, com o campo então já sob forte chuvada, viria a marcar aos 75 minutos, por Sebastião, num livre de fora da área, terminando o jogo a vencer por 1-0”. Não tínhamos estatuto para fazer a mais pequena interpretação apreciativa e apenas a referência ao estado do tempo era admitida. Muito me ri com o Frederico Martins Mendes, responsável pela minha “contratação”, quando, muitos anos depois, falámos disso!

A tarefa era executada, em regra, aos domingos de manhã, o que conflituava, muito seriamente, com o caráter crescentemente lúdico das minhas noitadas de sábado. Embora os “dez paus” me fizessem muito jeito (o meu pai, lá de Vila Real, mandava-me 22$50 por dia, para comer na cantina e “extravagâncias”), creio que larguei esse excitante exercício de “jornalismo” ao final de poucos meses. Passei a ganhar outro dinheiro em inquéritos de publicidade, porta-a-porta, nada mal pagos, com a vantagem de poderem ser feitos em horas vespertinas.

Saí do Porto ao fim de dois anos. Mudei de vida. E tinha passado, entretanto, meio século. Numa tarde de março de 2015, andava eu à procura de um restaurante, algures na Beira, quando tocou o telefone: era o Afonso Camões, diretor do JN. Convidava-me a escrever uma crónica semanal no seu jornal. Sobre quê, perguntei. Sobre o que eu quisesse. Eu tinha então uma coluna quinzenal no “Diário Económico”, mas achei que podia ter graça “regressar” ao meu velho “Notícias”, agora travestido de JN.

E assim aconteceu. Já não escrevi sobre os “Aldoar-Paranhos”, mas dediquei-me a outros prélios, políticos mas não só, as mais das vezes sobre temas internacionais, praia em que me sinto melhor.

O JN veio, entretanto, a ter outros dois diretores. A ambos, quando assumiram funções, escrevi a colocar o meu lugar à disposição, porque é da lógica mais do que natural das coisas que cada diretor escolha os cronistas que entende melhor servirem a sua equipa.

Passam agora exatamente seis anos desde que iniciei a colaboração com o JN. Foram mais de 300 crónicas. E foi tempo de parar. 

Falhei, que recorde, uma única crónica: não enviei um texto na véspera do 1° de maio de 2015, porque pensei que o jornal se não publicasse no feriado. Ora o JN faz gala de nunca deixar de se “dar à estampa”, 365 dias por ano (“e 366 nos bissextos”, disse-me, orgulhoso, o Afonso).

Mas o meu grande e verdadeiro “encalacranço” - já prescreveu e posso confessar - foi uma tarde em que estava a intervir num painel, a debater um tema qualquer, no grande anfiteatro da Faculdade de Direito de Lisboa.

Vi o telemóvel a flashar. Era do JN. Enviei uma SMS para saber o que era: queriam saber a que horas eu ia enviar a crónica. Era dia de S. João, “fechavam” a edição às cinco! Eram três e meia! E o debate estava para durar! De um lado, tinha o Eduardo Paz Ferreira, do outro, o Rui Tavares. E ali mesmo, a tratar de “alhos”, escrevi no iPad um artigo a propósito de “bugalhos”, com a atenção dividida entre os dois assuntos. E não é que o texto saiu “jeitoso”?

Ao longo destes seis anos, enviei os meus artigos dos locais por onde andava: do México, da África do Sul, da Turquia, de Luanda, da Polónia, de Paris, da Áustria, da Colômbia, de Londres, da Estónia, de Maputo, de vários sítios de Espanha, de Nova Iorque, de Bruxelas, da Holanda, do Brasil, de Berlim, de aeroportos diversos, de mais algumas paragens e, claro, quase sempre, de Portugal, de muito do norte a algum pouco sul, a maioria das vezes de Lisboa, algumas do próprio Porto, mas também da Madeira e dos Açores.

Agora, a terrível “deadline” das terças-feiras, às oito da noite (antes era à quinta-feira, até que o Miguel Guedes me pediu para trocar de dia da semana com ele), essa hora limite para entrega do texto (às vezes esticada uns bons minutos), deixou de me angustiar. É que, tenho que admitir, houve dias de “brancas” e falta de ideias até muito tarde, outros em que tinha preparados dois textos, entre os quais tinha optar.

Do lado de lá da “linha”, no JN, tinha um interlocutor regular, chamado Lúcio Brandão. A “conversa” semanal, escrita ou falada, que, desde há seis anos, por vezes tínhamos, criou mesmo uma espécie de amizade virtual entre nós. E nunca nos conhecemos pessoalmente, acreditem! Já combinámos que, atenuada a pandemia, vamos beber um copo. Espero ouvir dele a “confissão” de como, desse “outro lado”, era visto o colunista cujas três centenas de crónicas ele teve de gerir, com quem “negociava” às vezes as frases para destaque. Estou interessado em ouvir essa “Confissão de Lúcio”, para usar o título da novela de Mário de Sá Carneiro.

Tive imenso gosto em ser colaborador do JN, jornal a que só posso desejar sorte e muitos leitores. 

(*) Um amigo diz-me que seria, pelo menos, o dobro.

segunda-feira, 29 de março de 2021

Notícias da raia

O Eugénio Lisboa, num comentário num post anterior neste blogue, relata que, no seu tempo de tropa, um soldado lhe confessou que, na vida civil, era contrabandista. Perguntado sobre o que queria vir a ser, depois de sair do serviço militar, ele respondeu-lhe: “Guarda Fiscal”. Iria ser um funcionário competente, augurou o Eugénio.

A abrir as notícias

Merece uma análise cuidada a razão pela qual um tema internacional cuja extrema gravidade é evidente há imenso tempo sofre, de um dia para o outro, um “upgrading” informativo. Refiro-me à situação em Cabo Delgado. Não quero acreditar que seja por já haver estrangeiros mortos...

Necessidade

A forma doutrinal com que o presidente da República conseguiu dar o seu aval teórico a três diplomas, através dos quais a oposição procurou forçar o governo a gastos não orçamentados, resultou num curioso exercício jurídico de estilo. Mas não havia necessidade, é claro.

Itamaraty

O Brasil é um país que habituou o mundo a projetar uma representação diplomática de grande qualidade, por vezes em ciclos políticos bem contrastantes. Mas a diplomacia não consegue fazer milagres: não pode haver uma boa política externa sem que exista uma boa política interna.

Nabeiro e o contrabando

Já muito foi dito, e bem, sobre as qualidades desse homem de exceção que é Manuel Rui de Azinhais Nabeiro. 

Nabeiro tem origens humildes e não fez mais do que a antiga escolaridade primária. Numa entrevista dada ao Expresso, há cinco anos, revelou, sem problemas, ter estado envolvido em contrabando de café para Espanha, o que terá funcionado como a sua primeira fonte de rendimento. E também não escondeu o facto de, ainda na ditadura, ter sido presidente da Câmara municipal de Campo Maior, nomeado pelo regime de então. Com a democracia, viria a ser eleito pelo PS para o mesmo cargo.

Para quem vive em terras distantes das zonas de fronteira, o fenómeno do contrabando é pouco conhecido e compreendido em toda a sua extensão. Com os tempos, aprendi que olhá-lo como um crime fiscal como outro qualquer é uma leitura demasiado simplista.

Uma noite de inícios de 1975, no palácio da Ajuda, no seu gabinete de chefe da 2a. Divisão do Estado-Maior General das Forças Armadas, o general (então brigadeiro) Pedro Cardoso, estavam quatro pessoas. Com uma exceção, éramos todos militares, sendo eu o único miliciano. Além de Pedro Cardoso, estava o também já desaparecido general (então major) Gabriel Espírito Santo. O civil era o pai de Pedro Cardoso, um senhor já bastante idoso e que, ao que lembro, tinha sido diretor-geral das Alfândegas.

O tema da noite - e não era por acaso que por ali estávamos, já bem tarde - era uma operação que, àquela hora, estava a ser desencadeada na área de Setúbal pela "Secção de Apoio", uma grupo operacional da 2a Divisão. Os resultados da ação demoravam a chegar, nesses tempos sem telemóveis. Tratava-se do desmantelamento de uma rede de contrabando, que me lembro envolver tabaco, mas não só: à época, essas redes eram utilizadas para levar obras de artes portuguesas e outros bens valiosos para o estrangeiro.

Guardei para sempre aquilo que o pai de Pedro Cardoso então nos disse. Explicou ele que era uma verdadeira ironia serem agora os ricos a contrabandear, porque "o contrabando é uma arma dos pobres".

Era algo irónico ouvir um antigo diretor-geral das Alfândegas explicar que, nas remotas áreas de fronteira, o exercício do contrabando era um recurso compreensível por parte de quem pouco tinha para comer e que usava essa prática, pela qual se eximia à fiscalidade oficiosa, para dar de comer às famílias. E contou ele que, sendo a travessia ilegal das fronteiras também um mecanismo para fugir à repressão policial por parte de ativistas políticos, era patente existir uma cumplicidade objetiva, em especial no Alentejo, entre os contrabandistas e os ativistas revolucionários, particularmente os comunistas. Dizia ele isto com um ar de compreensão, de naturalidade.

Essa noite abalou alguns dos preconceitos que eu tinha criado sobre o contrabando. Os 90 anos do comendador Nabeiro é uma boa ocasião para me lembrar de isto.

domingo, 28 de março de 2021

“La Joie de Lire”


Foi em março de 1973, numa viagem a Paris.

António Belém Lima, que no final desse ano passaria a ser meu cunhado, e que hoje é um renomado arquiteto, visitava aquela cidade pela primeira vez. Eu, que já lá tinha ido em algumas outras ocasiões, dei-me ao luxo de o ciceronear pelos lugares de culto que Paris tinha então para a nossa geração.

Num desses dias, levei-o a “La Joie de Lire”.

Era então a livraria mais popular para a juventude politizada, onde se podia encontrar, não apenas toda a literatura política em voga mas, muito em especial, na sua cave, papelada dos grupos clandestinos da oposição portuguesa. Ficava numa rua transversal ao Boulevard Saint Michel (há tempos, a loja tinha sido transformada numa agência de viagens). Era propriedade de François Maspero, um editor de esquerda que ficou com o seu lugar firmado na história do livro em França. Não há ninguém da minha geração que, ao passarinhar por Paris, não tenha andado por lá. 

Passaram todos estes anos todos. Esta semana, o “Telerama”, uma conhecida publicação parisiense de atualidades sobre televisão, espetáculos e publicações, traz uma recensão crítica sobre a versão francesa de um livro de banda desenhada para crianças, escrito e ilustrado por Eduarda Lima. Que é filha de António Belém Lima, isto é, minha sobrinha.

Qual é o nome da editora do livro? “La Joie de Lire”! 

O mundo pode ser muito curioso!

O cromo

Há por aí um maluquinho, de ar e voz graves, com poupa negra, que, desde há muito, tem a “mania” de mim. Volta e meia, aí uma vez por mês, qual emplastro da internet, arranha, a meu respeito, uns textos sofríveis, com erros de ortografia e vírgulas a esmo, que a piedade de alguns deixa que passem por artigos de jornal. Neles me atribui as mais obscuras intenções e, às vezes, até poderes miríficos. Hoje, lá regressa ao seu recorrente vício, numa colunazeca qualquer. Amanhã, sob vários heterónimos, vai republicar o textículo em outros lugares. É sempre assim. Anda nisto há anos, num arrazoado cheio de inveja e despeito, atulhado de teorias conspirativas, que faz a delícia de alguns perturbados que lhe “likam” a adjetivada intriga. Que se há-de fazer? Ter piedade! O homenzinho acaba por ser um ser inofensivo, lá na sua doença! E, aos doentes, só podemos desejar melhoras. Ah! Mas é bom que vá tomando os medicamentos, claro!

Nos parabéns a Rui Nabeiro


Rui Nabeiro, que hoje faz 90 anos, é um médio empresário que desenvolve uma ação social, com impacto regional, extremamente louvável.

Num país que tem por filosofia quase endémica o ódio militante aos empresários de sucesso, atitude em que a inveja desempenha um papel não despiciendo, valha-nos esta unanimidade em torno deste homem de bem!

Como se pode observar

Há por aí uma publicação que merecia levar um prémio, pelo modo dedicado como tenta promover a língua portuguesa: abre a sua coluna de opinião a uma legião de jovens (outros já o não são, mas a educação de adultos constitui um dever cívico) completamente desconhecidos, para ali alinhavarem esforçadas e muito adjetivadas “redações”, à boa maneira escolar. A única limitação aparente é que os escribas não se afastem da linha ideológica da publicação. Subsiste apenas um insondável mistério: onde é que eles andam a descobrir essas pessoas?

Suez, Eça e Gama


Há 152 anos, Eça de Queiroz, presente na inauguração do Canal do Suez, notava para o “Diário de Notícias” que ”num canal feito para navegação não cabiam navios“. Eça exagerava, claro. O Suez foi uma obra magnífica e até já foi razão de uma guerra.

Mas o seu conjuntural impedimento, provocado por um acidente de um porta-contentores, deve estar a encher de contentamento a memória de Vasco da Gama. Afinal, dificultada que está a utilização do “short cut”, o velho caminho marítimo para a Índia é que vai valendo ao mundo. Essa é que é essa!