sexta-feira, 27 de abril de 2018

O outro Paralelo 38




Nesta madrugada, ao ver Kim Jong Un e o seu homólogo sul-coreano cruzarem-se no Paralelo 38, que desde 1953 marca a divisão das duas Coreias, na minha memória gastronómica soou uma campaínha.

Existia, em Loulé, o restaurante Paralelo 38, uma casa simples com ótimo peixe, cujo dono, um simpático velhote (que agora me lembram que se chamava Abílio, “Abilinho”), nos anos 70, se gabava das visitas de Mário Soares e nos servia, no final, uma bela aguardente de medronho.

2 comentários:

Ribeira das Vinhas disse...

Já que fala do fabuloso "Paralelo 38" de Loulé, posso lembrar o dono Abílio (mais conhecido por "Abilinho") que apresentava uns salmonetes "do outro mundo" e andava com um copito na algibeira para beber o tal medronho com alguns clientes mais "habituais"...
Verdadeira instituição da Loulé dos anos 70/80!
António Correia

Manuel disse...

Só por causa disso vou agora almoçar uma dourada.