segunda-feira, 30 de abril de 2018

Rugby



Não sei nada de rugby, mas andei anos convencido de que, por detrás daquela confusão em campo, havia um desporto de “senhores”, onde prevalecia o “fair play”. Agora, leio que o campeonato nacional da modalidade foi interrompido por violência. Já não percebo nada! 

5 comentários:

Manuel disse...

Mas é mesmo isso. Ficarmos espantados por este facto é a prova de que é algo que não se espera, uma vez sem exemplo, um deslize. Fosse no futebol e era rotina.

Anónimo disse...

Sim desta vez a os queques perderam o juizo.

luis disse...

Caro Seixas da Costa. Aquilo não foi Rugby. Foi uma estupidez, um atentado criminoso ao que é o Rugby. Uma 'futebolização' idiótica.
Até porque um queque do futebolês não aguentava 15 minutos de um jogo de Rugby jogado como deve ser.
Sem batota.

Unknown disse...

quando um clube grande (em futebol) entrou no campeonato e lançõu as ordas de selvagens cretinos para os campo outrora pacificos, deixei de ir ao rugby. Pelos vistos tive razão antes de tempo, mas acertei.Não tem importancia qualitativa mas o clube foi o Benfica.

Anónimo disse...

O senhor Embaixador, como já deve ter reparado, aquilo que aconteceu foi uma anormalidade, que merece investigação aturada. Os cavalheiros do rugby não se comportam assim. É tudo gente de supina qualidade, o que se vê inclusive pelos apelidos que grande parte ostenta. Chamo a atenção para o facto de o foot-ball também já ter sido um desporto praticado por gente com berço, antes de ter sido vulgarizado. Dar-se-á o caso de serem praticantes do foot-ball disfarçados de jogadores de rugby?

p.s. já me ri aqui um pedaço com os comentários, obrigado. Já agora, contribuindo um pouco mais para os seus conhecimentos, sempre lhe digo que o “perfil” digamos assim, do mundo do râguebi e dos seus jogadores pouco tem a ver com o da Inglaterra, ou da França, países com mais longa tradição no desporto, onde é verdadeiramente popular, sobretudo no primeiro. Há de facto uma arrogância no mundo do nosso râguebi e as práticas de violência, seja dentro, seja fora do campo, não são raras.