domingo, 30 de junho de 2019

Democracia e liberdade


Vitor Viana


Este espaço não tem por regular vocação acolher elogios. Mas tem por regra permitir ao seu autor dizer o que entende como justo deixar assinalado.

Algures em 2001, numa conversa em Nova Iorque, Jorge Sampaio, que ali tinha ido como presidente, explicou-me, como cristalino detalhe, as várias dimensões de uma complexa questão, então candente, que emergira como controversa no seio das Forças Armadas. Eu sabia que o chefe de Estado era particularmente atento aos temas castrenses, como testemunhara em reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional, mas surpreendi-me com o notável rigor da análise que fez, que denotava uma profundidade da abordagem, ancorada num sério conhecimento do problema. “Foi o Vitor Viana quem me aprofundou este assunto. Conhece-o?”. À época, praticamente só conhecia de vista o então oficial superior (hoje general) que, como assessor na Casa Militar em Belém, ajudara o presidente, com brilho, naquele particular.

Em 2010, Vitor Rodrigues Viana foi nomeado para chefiar o Instituto de Defesa Nacional, funções que deixará dentro de dias, terminado que foi o seu tempo de serviço. Tal como ocorrera com certa frequência no passado, em geral no âmbito dos cursos de Defesa Nacional, ao longo destes últimos nove anos tive o ensejo de colaborar regularmente com o IDN. Em debates, conferências, palestras, grupos de estudo e várias outras atividades, envolvendo portugueses e estrangeiros, um pouco por todo o país, pude constatar o notável trabalho - e não estou a exagerar! - realizado pelo general Viana à frente daquela instituição, muitas vezes com fortes constrangimentos orçamentais, a sua capacidade mobilizadora, o seu empenhamento na abertura a todas as áreas do país, enfim, a dinâmica que soube imprimir ao Instituto. Com ele, o IDN tornou-se, sem a menor dúvida, num dos mais relevantes “think tanks” deste país, num centro de reflexão que saiu frequentemente das dimensões tradicionais de segurança e defesa para se projetar numa análise das grandes temáticas geopolíticas globais ou regionais, com impacto nessas mesmas dimensões. Nesse património de reflexão, destaco, entre muitas outras obras publicadas, o trabalho preparatório feito, sob a responsabilidade do IDN, a montante da fixação do último Conceito Estratégico de Defesa Nacional (cujo grupo redator vim a integrar), um instrumento de reflexão e análise que se mantém do maior interesse para o futuro.

A partir da próxima semana, o IDN vai passar a ser dirigido por uma mulher, uma distinta académica, naquela que constitui uma inédita mas feliz decisão do ministro João Gomes Cravinho. Estou certo que, tal como já tinha acontecido (algumas vezes) no passado que antecedeu o general Vitor Viana, o IDN, sob a direção da professora Helena Carreiras, irá continuar a manter uma grande vitalidade nos debates e ações de formação que constituem o seu objeto. Mas julgo que o período de quase uma década em que Vitor Viana esteve à sua frente, passará a constituir uma marca importante na história da instituição.

Ao meu amigo Vitor Viana deixo um abraço de reconhecimento e de admiração pelo trabalho feito. E a certeza de que continuaremos a ver-nos por aí...

sexta-feira, 28 de junho de 2019

António Costa


Nos últimos três dias, passados com colegas de um projeto que envolve todos os Estados membros e instituições da União Europeia, recebi imensas perguntas sobre o “futuro europeu” de António Costa. 

Espontaneamente, várias foram as pessoas que me disseram que o primeiro-ministro português é, nos dias de hoje, uma personalidade muito respeitada na União, com o seu nome a ser crescentemente mencionado para um cargo dirigente na próxima repartição de posições cimeiras. A função de presidente do Conselho Europeu foi a mais referida.

Não “bebo do fino”, não tenho a menor informação que me permita saber se, da parte do chefe do nosso governo, há um mínimo de abertura para considerar esta hipótese. Mas tenho uma profunda convicção: se acaso António Costa encarasse a possibilidade de ir por essa via cometeria um erro de enormes proporções - para os interesses nacionais portugueses, que são os que mais me importam.

Sarkozy

“Ele está a ler Sarkozy”. A noite de ontem estava magnífica e aproveitei-a até bastante tarde, num café junto ao hotel, aqui em Bruxelas, depois do jantar. A frase, saída em francês da mesa ao lado, era correta: eu estava a ler um livro de memórias de Nicolas Sarkozy, saído já neste mês de junho, que comprara na véspera na magnífica Filigranes. Olhei para a mesa, onde estavam dois homens e uma mulher, e comentei: “Sim, é Sarkozy! Algum problema?”. Arrependi-me, no instante, de estar a ser tão provocatório, mas era tarde para recuar. Não estavam manifestamente à espera que eu “fosse a jogo”, até porque o comentário fora feito num tom de voz não muito alto. Um dos cavalheiros, reagiu: “De maneira nenhuma! Eu até votei nele!”. Fechei a conversa, sorrindo: “Eu não, não gosto de Sarkozy!”. E, deixando-os a digerir a contradição, continuei a ler (já quase acabei o livro) o relato feito pelo antigo presidente francês, no qual, numa linguagem pretendidamente mais consensual, se entretém a demolir adversários, a ajustar algumas contas (o capítulo sobre François Fillon é exemplar) mas também a revelar que foi definitivamente conquistado por uma agenda radical conservadora, em matéria securitária e migratória. Um destes dias, vou ter de fazer um esforço e tentar começar a ler livros que projetem ideias com que sei que vou estar de acordo.

quinta-feira, 27 de junho de 2019

Bruxelas


Numa esplanada de Bruxelas, com uma cerveja “trappiste” à ilharga para afugentar o calor, entre uma reunião e um jantar com as pessoas com quem, durante todo o dia, estive a trabalhar (e com quem, amanhã, de manhã bem cedo, continuarei em reunião...), ouvindo nas mesas ao lado uma Babel de línguas, dou comigo a pensar que continuo sem perceber esta cidade. 

Há dois dias, em Lisboa, um amigo que foi ministro por muitos anos, a quem disse que aqui vinha, comentou que não só não gostava nada de Bruxelas como nunca tinha percebido a sua geografia, sendo esta, no entanto, a cidade estrangeira que mais vezes tinha visitado - tal como, aliás, acontece comigo. 

Pelo contrário, eu creio conhecer relativamente bem as ruas desta terra, mas confesso que também nunca consegui estabelecer uma relação afetiva com ela, desde a primeira vez em que, há mais de meio século, por aqui aportei, numa viagem à boleia pela Europa. Vão em 16, pelas minhas contas, os hotéis diferentes em que dormi na capital belga, em algumas muitas dezenas de noites.

Dito isto, uma coisa deve colocar-se a crédito de Bruxelas: a qualidade dos seus restaurantes. É das boas cidades do mundo para se comer. Ontem, jantei magnificamente no “Le Petit Oignon”, com um senão: quando pedi pão e manteiga, enquanto fazia horas e lia uma revista, foi-me dito que, “pelas regras da casa”, só traziam esses complementos depois de fazer o pedido dos pratos. Porquê? Porque havia quem bebesse vinho, se “atulhasse” de pão, manteiga, azeitonas e paté, e, no final, decidisse que afinal já não estava com fome para um jantar completo. Nunca tinha ouvido coisa igual! Quando hoje contei isso a um amigo, a sua reação foi: “O que é que tu queres! São belgas!”. Não tenho esse preconceito, longe disso! E a verdade é que o meu amigo era francês...

quarta-feira, 26 de junho de 2019

O calor do sotaque


Está hoje um calor de arrasar, aqui por Bruxelas. À chegada ao hotel, comentei isso com o rececionista, alentejano de Serpa, mas, curiosamente, sem o menor sotaque. Brinquei, dizendo que, nem na Amareleja devia estar hoje um calor como este...

Lembrei-me então de uma história que ouvi, por aqui, um dia, a alguém que trabalhava nas instituições da União Europeia.

Essa pessoa tinha chegado a um determinado endereço em Bruxelas, mas estava a ter dificuldade em descobrir, nas campaínhas, o andar em que ficava a casa a que ia jantar.

Na indecisão, ligou para a porteira. Esta acabou por assomar à porta. Era uma mulher nova que, rapidamente, ele percebeu ser portuguesa. O sotaque da senhora era, iniludivelmente, alentejano. Por curiosidade, o meu amigo perguntou:

- De onde é que é, no Alentejo?

- Eu não sou do Alentejo.

Um pouco surpreendido, ele voltou à carga:

- Não é do Alentejo? Então onde é que nasceu?

- Eu nasci aqui, em Bruxelas. Nunca vivi no Alentejo, mas já lá fui de férias, algumas vezes. É uma terra muito bonita. É a terra dos meus pais, que trabalham aqui na Bélgica, há mais de 30 anos.

E disse tudo aquilo com um forte e belo sotaque alentejano.

São estas as malhas que a nossa diáspora tece e que um dia “alentejano“ em Bruxelas me fez agora recordar.

A mais velha aliança


Há muitos anos, num debate sobre a Europa organizado em Serralves, recordo-me de ter tido uma troca de argumentos com Tristan Garel-Jones, um político britânico que havia desempenhado, no respetivo governo, o cargo de responsável pelos Assuntos Europeus, que eu então ocupava por cá. Garel-Jones era um conservador europeísta, que eu tinha conhecido razoavelmente bem em Londres, e que por lá ficou famoso por ter sido em sua casa que se realizou a primeira reunião da conspiração que acabaria por derrubar Margareth Thatcher.

Nesse painel, moderado por João Carlos Espada, eu ousara dizer, perante uma gesticulante indignação de Garel-Jones, que o bom funcionamento do eixo franco-alemão era uma condição "sine qua non" para se produzirem avanços significativos nas políticas europeias. Os factos davam-me razão, pelo que o que talvez desagradasse a Garel-Jones fosse, simultaneamente, a hipótese de o aprofundamento vir a continuar a processar-se dessa forma, contra a vontade britânica, e a circunstância de eu parecer pouco incomodado com isso.

Para quem não saiba - e isso pode ser interessante no contexto pós-Brexit -, muita da tradicional proximidade entre Lisboa e Londres esbateu-se fortemente após a nossa entrada nas então chamadas Comunidades Europeias, em 1986. Enquanto o Reino Unido continuava a ser um parceiro relutante do processo europeu, Portugal tentava dar um salto "centrípeto", colocando-se no eixo da União, com a deliberada intenção de evitar cair num novo ciclo de perifericidade na sua história contemporânea. Salvo o interesse em manter viva na Europa a relação transatlântica (o que, à época, partilhávamos com os Países Baixos), quase tudo nos começava a afastar dos britânicos. Ler isto pode não ser confortável para algumas pessoas, mas a verdade nem sempre nos pode agradar.

Mas será que a "mais velha aliança", no contexto da futura singularidade britânica perante a Europa dos 27, não tem condições para poder ter um novo fôlego? Não quero desiludir ninguém, mas direi que, naquilo que verdadeiramente nos importa no quadro externo, estamos estritamente ligados ao quadro europeu, que tanto nos condiciona como nos protege e amplifica a nossa capacidade de defesa de interesses. E que tudo o resto, podendo ser interessante de explorar no terreno bilateral, acabará por ter uma dimensão menor e residual. A menos que a União Europeia desapareça, bem entendido. Perguntam-me se ainda acredito na "mais velha aliança"? Acredito, tanto como os ingleses...

(Artigo hoje publicado no "Jornal de Notícias")

terça-feira, 25 de junho de 2019

Estados frágeis


Durante o dia de hoje, organizado pelo G7+ e pelo Clube de Lisboa, a que presido, teve lugar no auditório da EDP um interessante debate sobre Governação e Sustentabilidade dos Recursos Naturais, em especial na perspetiva de Estados que emergem de situações de conflito.

Deixo uma imagem do painel inaugural, com Jorge Moreira da Silva (OCDE), Luís Amado (Clube de Lisboa) e Xanana Gusmão, principal impulsionador do G7+, moderado por Bárbara Reis (“Público”).

Fotos por aí


segunda-feira, 24 de junho de 2019

O ano da Coca-Cola

Há mais de duas décadas, fui chefiar uma missão de “diálogo político” da União Europeia ao Irão. 

Despedimo-nos do álcool no voo de Londres para Teerão. Nos dois dias passados por lá, cheios de reuniões, fiz uma cura de água mineral e sumos. 

O regresso foi por Roma, em “executiva”, num imenso mas espartano avião da Iran Air. Quando as hospedeiras nos trouxeram o menu do almoço, ouvi, atrás de mim, um membro da delegação da UE pedir “a carta de vinhos”. Temi o pior. A senhora respondeu que, para beber, só havia água mineral, sumo e Coca-Cola. Nada que me surpreendesse. O nosso homem voltou à carga, num registo já provocatório: “E a Coca-Cola é de que ano?” Não ouvi a resposta.

Há poucas horas, Trump anunciou o agravamento das sanções ao Irão. Terá proibido finalmente a Coca-Cola por lá?

A escrita e o São João


Participava num debate em Lisboa, há anos, com outros intervenientes, sobre um tema internacional, com largas dezenas de pessoas a assistir.

A certo passo, vi o telefone a “flashar”. Era do “Jornal de Notícias”. Era o dia da semana em que, até ao final da tarde, eu devia para lá enviar o meu artigo. 

Discretamente, enviei uma mensagem dizendo que não podia atender. De volta: “A que horas manda o seu artigo?”. Respondi: “Antes das 20, como é habitual”. Nova mensagem do JN: “Hoje é noite de S. João! Fechamos bastante mais cedo...”

Ó diabo! O rascunho do texto já estava no iPad, desde a véspera, mas precisava de ser ainda bastante trabalhado. Na hora seguinte, teve a sua graça terminá-lo, ali mesmo, sem ninguém suspeitar, à frente de toda aquela gente! E o tema era bem diferente do que estava em discussão...

Afinal, a ubiquidade pode assumir várias formas.

Ética política



Os últimos anos têm vindo a consagrar um tempo saudavelmente diferente no que toca à exigência ética requerida aos agentes políticos. Olhando para trás, fica a sensação de que a opinião pública tolerou, por muito tempo, certas formas desviantes de comportamento, talvez por assumi-las como consonantes com uma cultura bastante generalizada, e até silenciosamente aceite. O facto de raros serem aqueles cidadãos que se podiam dar ao luxo de dizerem que nunca “meteram uma cunha” foi criando como que uma discreta cumplicidade, face a modelos de comportamento que não cumpriam, a 100%, as regras oficiais do jogo. 

Porém, iria ser o surgimento de acusações de maior ou menor corrupção, com compra ou desvio de decisões, de atos de grave tráfico de influências, com consequências deletérias para o erário público e para o equilíbrio e legitimidade da ação dos órgãos do Estado, muitas vezes com a emergência de súbitas e inexplicáveis fortunas, que foi gerando um crescente ambiente de escândalo. Essa reação foi claramente potenciada por um maior escrutínio mediático e, muito em particular, pela divulgação sucessiva de acusações e suspeitas. A sociedade está mais atenta e isso é bom e muito saudável para a vida democrática.

Esta atitude de vigilância coletiva, de exigência de maior justiça, acarreta, contudo, alguns aspetos menos sãos. Esse clamor generalizado está a criar, frequentemente, um caldo de cultura acusatória em que não se cuida em separar o trigo do joio, numa atitude de “não há fumo sem fogo”, em que a mera suspeita é logo transformada em labéu, mesmo que, ao fim do dia, nada venha a ser provado. Estamos, nesses casos, perante meras formas demagógicas de justiça popular sumária. Se, para os reais culpados, esse preconceito acaba por ser justificado, para os inocentes esse será sempre um peso insuportável e eterno. 

A comunicação social e as redes sociais têm hoje essa dupla face: de denúncia saudável do que está errado e, muitas vezes, de promotores de acusações infundadas, sobre pessoas que nada devem à justiça - apenas numa lógica de irresponsável má língua, de potenciar da inveja, de mero despeito, quando não do levar à prática agendas de difamação e de ódio. E não sendo a verdade como o azeite, que rapidamente vem à tona na transparência das águas, nesse tribunal da opinião pública raramente funciona o motto da justiça segundo o qual “in dubio pro reo” (na dúvida, o réu é protegido).

Este equilíbrio entre a necessidade de divulgação das suspeitas, mesmo das acusações, e a preservação da presunção da inocência dos indiciados, com a possibilidade de recuperação plena da sua reputação em caso de ausência de prova, é um desiderato social difícil de conseguir. Visivelmente, há quem não se importe em preservar esse valor, nota-se mesmo uma espécie de sadismo acusatório, num coro abrutalhado e demagógico, a que chega a ser arriscado alguém objetar. Alguma comunicação social está, aliás, na primeira linha desse comportamento.

A sociedade política não está isenta de culpas neste terreno. Os partidos, que usufruem de um quase monopólio de representação institucional, não podem continuar a não tirar consequências, em tempo útil, das atitudes de quantos atuam em seu nome. Os delitos praticados por quantos acederam a cargos por virtude da confiança democrática dos cidadãos têm de lhes merecer uma atenção muito particular. Sabemos quanto os principais partidos dependem do poder autárquico e de como temem fragilizar quem, a nível local, atua em seu nome. E também é óbvio que essas forças partem sempre do princípio cautelar de que uma acusação não pode ser uma condenação antecipada. Mas não seria prudente, para uma qualquer força partidária, transmitir um sinal de respeito pelo processo judicial, com impacto público, suspendendo preventivamente de órgãos de direção quem houvesse sido objeto de uma indiciação por crime grave por parte do Ministério Público? Não estaria em causa uma expulsão das fileiras, mas um mero afastamento até tudo ficar mais claro. Ao não fazê-lo, deixam-se cair no fácil “são todos iguais”.

(Artigo publicado no “Jornal de Negócios” em 21.6.19)

domingo, 23 de junho de 2019

“Piauí”


O correio trouxe-me a “Piauí” de junho. A semana começa bem.

A escuridão


Aproximava-se a hora do jantar. O dia tinha sido complicado, todos estávamos atrasados. Naquele imenso hotel, naquela cidade de um país onde eu era então embaixador, só dava tempo para mudar de fato, antes do jantar.

Subi rapidamente ao quarto, com a mala. Abri a porta com o cartão eletrónico e logo as luzes surgiram. Era uma suite, que vi ser grande (às vezes, os embaixadores são tratados como merecem...). A porta fechou-se, lentamente, atrás de mim. Caminhei até chegar ao quarto, junto à cama. Depositei nela a mala. E também o casaco e o cartão da porta. Tirei logo a camisa suada da longa viagem. Pensei: ainda dá tempo para um rápido banho. Abri a mala, para tirar as coisas. 

Foi então que todas as lâmpadas, subitamente, se apagaram. Era já noite, as cortinas deviam estar corridas (às escuras, eu não fazia a menor ideia onde seria a janela), nem uma réstea de luminosidade pairava em todo aquele espaço, que eu não havia tido tempo de observar em pormenor. O erro era só meu: devia ter colocado o cartão no lugar de ativação das luzes, junto à entrada, lá para trás, mas, dava-me agora conta, não o tinha feito. E onde diabo estaria o raio do cartão? Provavelmente sobre a cama. Caramba, naquele hotel, o "time lag" programado das luzes era bem curto, menos de 30 segundos!

Estava assim na escuridão total. Imprudentemente, sem refletir bem, comecei a mover-me. Tentava encontrar a porta por onde tinha entrado. Lá longe. Bati contra o que percebi ser um candeeiro. Andei um pouco mais e tropecei numa mesa. Várias coisas caíram ao chão, entre as quais um telefone, que passou a lançar um silvo. Tateando, avancei e algo anguloso espetou-se-me na cintura (um móvel, pela certa) e, à frente das minhas mãos, uma televisão de plasma tremeu e correu sérios riscos. Continuei a tentar. Foi então que tropecei e caí sobre uma outra mesa (devia ser isso, presumi) e, desamparado, fui aterrar sobre algo que me pareceu ser uma cadeira. Devia ter derrubado, entretanto, tudo o que estava sobre nova mesa. Mais tarde, vim a constatar que era fruta, a garrafa de água e a ritual carta de boas-vindas do "manager".

Em que diabo da zona da suite (tinha percebido vagamente, à entrada, ter vários espaços distintos) estaria eu? A cama, ponto inicial de referência, com base na qual eu talvez pudesse reconstituir o percurso feito desde a entrada, já ficara para trás (ou para a frente, sei lá!). Estava totalmente baralhado quanto à geografia do espaço.

Não costumo "empanicar", mas dei por mim a constatar que estava a ficar sem soluções. E, agora, com um problema, acrescido e chato. É que, a certo passo (no sentido literal), pisei algo que estalou. Era vidro, talvez algum copo que eu derrubara. Tinha de ter mais cuidado, para não voltar a cair e ferir-me, ainda por cima estando eu de tronco nu. Parei para pensar (c'os diabos! Já tinha passado por situações bem mais difíceis, isto era apenas um "fait divers", embora embaraçante). 

Lembrei-me então da regra para sair de um labirinto: caminhar sempre num só sentido, para a esquerda ou para a direita. Foi o que tentei fazer. E continuei a tatear, com grande atenção. Sentia-me ridículo, para não me sentir desesperado. Agarrei algo: era um quadro. Consegui "escapar-lhe", sem danos colaterais. Sem uso da vista, o resto dos sentidos ficam mais apurados. 

Ouvi o que pareceu ser um longínquo ruído de canos e, nessa direção, senti uma porta. Baixei-me e vi que tinha mármore no chão: pronto, era a casa de banho. Passei ao longo do espaço da sua porta e continuei. Animado pela descoberta, acalmei e animei-me. Por algum tempo mais, mas que não deve ter sido tanto como isso, continuei a porfiar na busca do caminho de saída de um espaço de cuja configuração geral, repito, não guardara a menor ideia, aquando da minha entrada - já uma eternidade atrás. 

Fiquei, entretanto, a reconhecer a existência de mais um quadro numa parede. Foi então que a porta de entrada, finalmente!, surgiu na minha mão. Já me ria comigo mesmo, da trapalhada em que me tinha metido. Mas, agora, estava aliviado pelo termo da odisseia.

Abri a porta do corredor e, encandeado pela luz, dei de caras com um membro da delegação portuguesa, que passava em frente. Era um homem que se juntara connosco no hotel, creio que de uma empresa, uma pessoa com quem me tinha cruzado, mas com a qual não trocara uma palavra. Ia já bem aperaltado, para o repasto. Imagino como deve ter olhado para mim, em tronco nu, projetando um ar algo desaustinado e estremunhado, com uma aparência estranha, alguém que dava ares de emergir de uma aventura, solitária e inédita, num quarto escuro. Mas ele não podia saber. Sorri-lhe, imagino que com um sorriso amarelo, tentando transmitir um tom de naturalidade, sem coragem de lhe relatar o que me estava a acontecer. Os embaixadores, por definição da função, querem-se gente calma e "rassurante", dominadores da situação, em especial nos países onde estão acreditados. O que era o meu caso. Ele desapareceu ao fundo do corredor, deitando ainda um olhar de soslaio, ao voltar da esquina.

E ali estava eu: de tronco nu, segurando a porta. O meu problema não tinha acabado. Mas tinha evoluído. Dispunha agora da luz do corredor a iluminar-me o acesso ao início da suite. Mas havia um problema: não podia largar a porta para ir à procura da chave, que estaria algures sobre a cama (ou será que ficara no bolso do casaco?). Em qualquer caso, era bem longe, lá para dentro. 

E se eu fosse à portaria, pedir outra chave? Em tronco nu?! Doze andares abaixo?! Seria um belo espetáculo, para toda a nossa delegação, ministros incluídos, de certo todos juntos, à conversa, já de fato e gravata, para a função que se seguia! Lembrei-me que poderia ter pedido ao desconhecido da delegação para avisar a receção, mas não tinha tido o sangue-frio para agarrar a ideia a tempo. E ali estava eu, feito parvo, meio despido, agarrado à porta do quarto, com as pessoas (um primeiro ministro...) à minha espera no hall do hotel. 

Foi então que ela apareceu, linda, "dressed to kill", caminhando pelo corredor, aproximando-se da porta do meu quarto, em direção ao elevador. Já não era muito nova, mas era muito bem "desenhada" e caminhava num estudado "catwalk". Olhou para mim com um ligeiro sorriso. Curiosidade? Pena? Conhecendo-me, acho que devo ter "feito peito", para amortecer a imagem da barriga... Coloquei-lhe uma questão e ela disse: “I’m sorry, I don’t speak Portuguese”. Era americana.

- Could I ask you a favour?

Não sei o que a beldade possa ter pensado, mas constatei que me lançou um sorriso prometedor (no sentido prático da resolução do meu problema, entenda-se, porque as belas não são, necessariamente, destituídas de bom coração). "In a nutshell", expliquei-lhe a situação. Qual era então o favor que eu pedia? Eram duas coisas simples: que me emprestasse o seu cartão-chave, para eu poder "dar à luz", e que me segurasse a porta, enquanto eu descobria o meu próprio cartão. Claro que podia convidá-la a entrar, mas, seguramente, se o tivesse feito ela pensaria que eu lhe estava a "fazer a folha".

- “Don't worry! I'll keep it open for you!”, disse ela, prática e colaborante. E ficou na ombreira, com um pé dentro do quarto, segurando a porta e cedendo-me o seu cartão.

A luz fez-se e, em escassos segundos, recuperei a minha chave, que estava sobre a cama. Com um sorriso do tamanho do mundo, vim rapidamente ter à porta, com a minha salvadora. Sempre em tronco nu, entreguei-lhe, entre desvanecidos agradecimentos, o seu precioso cartão. Ela também continuava a sorrir.

Foi então, naquele preciso instante, que passaram no corredor dois outros membros da nossa delegação. Fizeram-me um olhar malandro, ao verem a beldade "sair" do meu quarto, comigo "ainda" em tronco nu. Tinhamos todos chegado àquele hotel há menos de meia hora. "O embaixador não perdeu tempo!", devem ter pensado. Quando, um quarto de hora mais tarde, me cruzei com eles à entrada para o jantar, olharam para mim com um sorriso cúmplice. Fiz de conta, mas o meu olhar não desmentiu nada. O prestígio é um bem escasso...

Hoje à noite, também sozinho, ao regressar ao quarto, depois da sessão de inauguração de um hotel alentejano, lembrei-me desta história. Mas, desta vez, nem eu me esqueci de colocar o cartão para garantir as luzes acesas, nem passou nenhuma beldade pelo corredor.

sábado, 22 de junho de 2019

Trouxas reais


Um episódio de 1993.

Na sala de reuniões da embaixada de Portugal em Londres, o nosso “staff" e o grupo vindo de Lisboa para preparar a próxima visita de Estado do presidente Mário Soares discutiam o menu do banquete que seria oferecido na nossa residência à soberana e à familia real.

O "catering" era local, aliás recomendado por Buckingham. Optou-se por um menu clássico, conservador, europeu. Para projetar a diferença portuguesa nessa refeição, restavam, assim, os vinhos e as sobremesas.

Nos vinhos, não foi nada fácil o consenso. Mas conseguiu-se, ao final de algum tempo. Na discussão das sobremesas, o Chefe do Protocolo do Estado, que chefiava a missão vinda de Lisboa, foi arriscando algumas sugestões. A medo, diga-se. É que parte delas ia sendo afastada, liminar e displicentemente, pelo embaixador em Londres - que falava do alto da sua lendária, e indiscutível, competência gastronómica. Outras iam sendo retidas, sempre com algumas reticências, para posterior ponderação. A corrente não passava, decididamente, entre os dois, quiçá fruto de qestiúnculas antigas.

Num certo momento, o chefe do protocolo decidiu avançar com a ideia de se servirem trouxas de ovos. A reação do nosso embaixador foi tremenda e sonora: "Ó homem! Trouxas de ovos?! Então você não sabe que a rainha não come ovos?!".

O homem do Protocolo, que carregava já, nesses dias, um histórico de uma pouco suave de troca de argumentos com o embaixador, espantou-se: "Ai é!? A rainha não come ovos!?".

E olhou em volta, procurando solidariedade no seu desconhecimento dessa suposta pecularidade dietética da soberana britânica, que, pelo tom de esmagadora evidência que fora assumido pelo seu colega em posto, era, com toda a certeza, uma banalidade informativa a que, por alguma razão, ele não tivera antecipado acesso.

Eu estava sentado precisamente em frente do Chefe do Protocolo, que me fitou, ansioso. Mantive-me impávido, com uma impenetrável “cara de negociação”, apenas bamboleando discretamente "que não" com a cabeça: se o meu embaixador diz que a rainha de Inglaterra não come ovos, é claro que a rainha não come ovos, ponto! Ou, pelo menos, é essa a convicção que um leal colaborador é obrigado a espelhar. Não faltava mais nada que assim não fosse!

Porque não sou dado a guardar a menor "memorabilia" de qualquer evento a que tenha assistido na vida, não posso conferir qual o doce português que foi servido à soberana britânica (e à princesa Diana e outras realezas), nesse jantar em que também estive. Trouxas de ovos não foi, com toda a certeza! Mas, até hoje, ainda me interrogo sobre se Isabel II teria gostado dessa deliciosa iguaria, até porque, confesso, nunca soube se, de facto, a rainha come ovos. Ou não.

sexta-feira, 21 de junho de 2019


A sorte de quem cá fica!

Há dias de azar! Na próxima quinta-feira, dia 27 de junho, vou ter de estar a trabalhar em Bruxelas, precisamente à mesma hora (18.30 horas) em que, no Grémio Literário (Rua Ivens, 37), em Lisboa, vai ter lugar um debate a que muito gostaria de assistir, sobre um tema muito interessante: a Monarquia Constitucional e a Geração de 70.

Partindo do ano de 1875, vai ali falar-se das mudanças da sociedade portuguesa, desde a consolidação da Monarquia Constitucional, com a Regeneração, passando pelos anos do progressismo fontista e terminando com a crise do fim do século - crise política do Ultimato inglês, crise financeira de 1892 (das mais graves que Portugal conheceu) e crise ideológica, de que são testemunho histórico e expressão cultural as polémicas da Geração de 70. Por ali se referirá Eça, presença inspiradora constante no Grémio, passando por Antero, Oliveira Martins e outras figuras protagonistas desse movimento.

Introduzirão o debate Maria de Fátima Bonifácio, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, e Isabel Pires de Lima, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Do que me chegou do Grémio, a entrada é livre, recomendando-se inscrição telefónica 213 475 666 ou por email: info@gremioliterario.pt. 

Quem tiver tido a sorte de ir ao Grémio na próxima 5ª feira que depois me conte, está bem?

Rima e é verdade!


Em Vila Real, existiu, em tempos idos, um célebre alfaiate, que tinha por publicidade duas quadras:

Se quer um fato perfeito,
de acabamento ideal,
tê-lo-á, mas se for feito
no Pontes, Vila Real

Se deseja no trajar
ser modelo em Trás-os-Montes,
seus fatos mande talhar
pelas hábeis mãos do Pontes”

Agora, esta nova e imbatível farmácia, recém-inaugurada, também poderia recorrer à poesia e ter como seu “reclame”:

Enxaquecas ou azias,
tremuras ou outras queixas,
tudo isso tem remédio
na nova Farmácia Seixas

Sem mecos e com bom espaço,
pr’arrumar a viatura,
a nova Farmácia Seixas
mostra que tudo tem cura”

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Embaixador Pinto de Mesquita


Há duas décadas, andava eu então em lides governativas, decidi, numas férias de Verão, passarinhar duas semanas pelo país, alojando-me em casas senhoriais que praticavam Turismo de Habitação. Nesse tempo em que a identificação não era requerida, fazia as reservas telefónicas apenas com o primeiro e último nome. Com este expediente, e porque não era cara conhecida, pude desfrutar de um grande sossego. 

Na Casa de Sezim, perto de Guimarães, uma moradia extraordinária, com papeis de parede com uma história magnífica, instalei-me então por dois dias. Sabia que a casa era propriedade do embaixador Pinto de Mesquita, pessoa que, contudo, só conhecia de nome. Tratava-se de um respeitado diplomata, com uma longa carreira, à época já reformado, pai de um amigo e colega de profissão. Tinha a intenção de ir cumprimentá-lo, no termo da hospedagem.

Ao final do primeiro dia, contudo, eu tinha sido “descoberto”. Foi então com grande gosto que recebi um convite para um almoço, na zona mais nobre da casa, com o embaixador Pinto de Mesquita como acolhedor anfitrião. Lembro-me de falarmos bastante da Noruega, onde ambos havíamos estado em posto, dos empregados portugueses que trabalhavam na residência em Oslo - a Ana e o Domingos - que sempre recordavam com imensa estima do casal Pinto de Mesquita - e esse é um “teste” fundamental, podem crer!. E recordo, para sempre, um magnífico verde branco com que o embaixador Pinto de Mesquita fez questão de me presentear na despedida.

Há semanas, o embaixador Pinto de Mesquita cumpriu a belíssima idade de 102 anos. Hoje, serenamente, ele sai de cena, deixando a Casa de Sezim mais triste.

Ao Simeão e a toda a Família, deixo um abraço de pesar e de respeito por aquela que, para todos os colegas, ficou consagrada como uma figura com grande dignidade na diplomacia portuguesa.

(“Roubo” a fotografia ao portal de José Paulo Fafe, no Facebook)

Manuel José Homem de Mello


Morreu Manuel José Homem de Mello, também conhecido pelo Conde de Águeda. Figura da aristocracia da zona de Aveiro, tinha 88 anos e há muito que havia desaparecido da vida pública.

Em 1962, um ano depois do início da guerra colonial em Angola (em Moçambique e na Guiné, seria mais tarde), um livro iria escandalizar a ditadura. Um jovem advogado, que havia sido deputado da União Nacional, Manuel José Homem de Mello, ousara teorizar, no seu livro “Portugal, o Ultramar e o futuro”, sobre a necessidade de se fazer uma reflexão sobre o futuro institucional do “Ultramar”. Eram propostas de certo modo idênticas às que se rumoravam em setores do regime, nomeadamente num memorando, então muito pouco conhecido, da autoria do próprio Marcelo Caetano - que, aliás, nesse mesmo ano, se iria demitir, com algum “estrondo” de reitor da Universidade de Lisboa. 

A principal “novidade” do livro, para além da ousadia das suas propostas, era o facto de ele ser prefaciado por Craveiro Lopes, antigo presidente da República (1951/58), que Salazar recusara reconduzir em Belém. Um ano antes, em março, Craveiro Lopes estivera envolvido na malograda tentativa de golpe de Estado protagonizada por Botelho Moniz. Homem de Mello é tido como próximo desse movimento conspirativo, conhecido pela “Abrilada de 1961”, que levou a uma profunda remodelação política e militar promovida por Salazar.

Se a publicação de “Portugal, o Ultramar e o Futuro” constituiu o primeiro gesto heterodoxo no seio do regime, depois de 1961, viria a ser necessário esperar mais 12 anos até que um outro livro, com o título curiosamente similar de “Portugal e o futuro”, da autoria de António de Spínola, contribuísse para abalar de vez a ditadura.

Homem de Mello foi uma das caras conhecidas do marcelismo, tendo então sido diretor do vespertino “A Capital”. Acabaria por se incompatibilizar com o último ditador. Em democracia, além de empresário, foi comentador televisivo e escreveu alguns livros. Era tido como uma figura próxima de Mário Soares.

Neste blogue, faz hoje 10 anos

20.6.2009

Chile


Ao ler a notícia da morte de Hortensia Allende, não pude deixar de recordar a primeira visita que fiz, em 2000, ao Palácio de la Moneda e a profunda emoção que senti ao percorrer aqueles corredores, por onde havia passado um vento de tragédia que iria afectar, por muitos anos, a vida do Chile. E que, à época, me marcou imenso.

José Miguel Insulza, ministro chileno do Interior, presidente interino, que me recebeu no Palácio, disse-me então que entendia bem o sentimento da nossa "generación de los claveles" perante o golpe chileno.

Voltei a encontrar Insulza, no ano seguinte, numa livraria, em Nova Iorque, poucas semanas depois do 11 de Setembro. Lembrou-me: "nosotros también tuvimos el nuestro 11 de septiembre". De facto: 28 anos antes, em 11 de Setembro de 1973, data do golpe de Pinochet e da morte de Salvador Allende. 

Uma tragédia não apaga a outra, mas, por uma qualquer razão, vale sempre a pena lembrá-las juntas.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Está alguém a ouvir?


Se se olhar para as principais prioridades da política externa portuguesa, verificaremos que nelas há um único tema que transitou do tempo da ditadura para a democracia: o empenhamento nas relações transatlânticas, nomeadamente na aliança de defesa que tem os EUA e a NATO no seu centro. Isso revela bem a importância que os Estados Unidos assumem, desde há muito, no quadro da nossa diplomacia.

Portugal tinha sido cooptado pela Guerra Fria, em 1949, para ser parte do novo "mundo livre". Mas Salazar viria a encontrar, com o tema colonial, razões para não confiar nos Estados Unidos, tal como Marcelo Caetano iria perceber, durante a guerra do Yom Kippur, o preço de tentar contrariar Washington.

Com o 25 de abril, alguma tentação neutralista perpassou brevemente pelas Necessidades, mas o realismo cedo refez o seu caminho. Mesmo se a Europa tinha passado a ser, a partir de certa altura, o terreno onde prosperavam as afinidades eletivas do então "arco da governação", o vínculo transatlântico manteve-se sempre, até na atitude portuguesa no quadro continental integrado, como o "politicamente correto" de que nenhum governo ousou afastar-se, com o mutante fator Lajes sempre de permeio.

Em 2003, numa sujeição caricatural, Portugal "viu" mesmo as armas de destruição maciça que o Iraque afinal não tinha, com o primeiro-ministro de então a ter o desplante de afirmar que, entre os EUA e Saddam Hussein, não hesitava na escolha, escolhendo a mentira. Mais tarde, o governo de coligação com a troika deixar-se-ia pressionar por Washington, isolando-se na Europa, na questão da entrada da Palestina para a UNESCO, além de outros episódios pouco dignificantes.

A diplomacia portuguesa, por muito tempo, como que recriou, em sentido acrítico, o famoso motto sobre a General Motors, do secretário de Defesa Charles Wilson, aceitando que "o que é bom para os EUA é bom para Portugal". Muitas vezes, diga-se em abono da verdade, foi assim, mas, viciado nesse tropismo seguidista, Lisboa foi comodista na avaliação diacrónica dos impactes geopolíticos, parecendo não ter visto emergir evidências como o declínio inevitável de uma presença relevante nas Lajes ou a crescente preferência da NATO pela Espanha.

E agora? Perante a expressão arrogante do interesse nacional americano sobre todos os outros, mesmo o dos seus fiéis aliados europeus, onde ficamos? Continuamos a proclamar, claro, o nosso interesse na vertente transatlântica. Mas será que, do lado de lá, está alguém a ouvir?

(Artigo hoje publicado no “Jornal de Notícias”)

terça-feira, 18 de junho de 2019

Poulidor


Hoje de manhã, durante uma reunião, alguém me disse, em voz baixa, referindo-se ao segundo lugar em que uma determinada instituição ficara, numa certa escala: “É uma espécie de Poulidor!”.

Ri-me e disse-lhe que aquela era, manifestamente, uma referência muito geracional: muito poucos jovens reagiriam perante aquele comentário, desconhecendo por completo a que se referia.

Raymond Poulidor foi um grande ciclista francês, vencedor de várias provas no seu país e no estrangeiro, mas que não só nunca conquistou o "Tour de France" como nem nele sequer chegou a vestir alguma vez a "camisola amarela", embora tenha ganho várias etapas. Era tido pelo “eterno segundo”: foi três vezes segundo classificado e cinco vezes terceiro na Volta à França.

Poulidor é hoje um ídolo para várias gerações francesas, que carinhosamente lhe chamam “Poupou”. É também uma figura por quem, desde sempre, nutro uma imensa simpatia, nesta minha incontrolável tendência para gostar dos gloriosos e dignos "losers". Tanto mais que eu não sigo o lema cínico dos obcecados com as glórias que sempre acham que, numa classificação, o segundo lugar é aquele que é mais parecido com o último...

(Do que a gente se lembra numa sala de espera de um consultório, com wifi e iPhone à mão!)

Neste blogue, faz hoje 10 anos


18.6.2009

Carlos Candal

“No início dos anos 60, havia sido líder da luta académica, em Coimbra. Jorge Sampaio contou-me que, num dia desses tempos, foi de Lisboa a Coimbra para um diálogo entre lideranças universitárias, em período de tensão política forte. Com todos os cuidados que a segurança recomendava, dirigiu-se à República onde vivia Carlos Candal, que não conhecia pessoalmente. Bateu à porta e atendeu uma governanta, que disse que "já ia chamar o Dr. Candal" - em Coimbra, à época, "era-se" doutor antes do curso acabado. O ambiente era muito diferente do contexto homólogo lisboeta, com desenhos humorísticos pelas paredes, garrafões e outros artefactos pendurados do tecto, enfim, toda a parafernália simbólica da boémia coimbrã. Minutos depois, Jorge Sampaio ouviu, do alto da escada, um vozeirão: "Olá, menino! Já desço". Sampaio olhou e lá estava, ainda de roupão indiciador de grande noitada na véspera, a figura do seu interlocutor político, Carlos Candal. Nesse momento, o futuro Presidente da República terá percebido melhor a diferença eterna entre a maneira de ser das academias de Lisboa e de Coimbra. E dos políticos oriundos de ambas, claro.

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Há mesa!


Assim, vale a pena! Não é necessário fazer reserva de mesa. Há sempre!

O telefonema


Foi nos anos 70. Estava sozinho na minha sala de trabalho, no MNE. Os restantes colegas haviam já saído para o almoço.

O telefone tocou. A voz masculina era de alguém jovem. O tom era algo agreste, sem vontade de expressar um mínimo de cortesia. O pedido feito era relativamente simples de satisfazer: fornecer o número de telefone de casa de um determinado embaixador português, no estrangeiro.

Estranhei o facto de a pessoa ter ligado exatamente para o serviço onde eu estava colocado, embora nós nos ocupássemos das relações económicas com a área regional onde a embaixada se situava. Porém, as telefonistas ou o serviço de pessoal do MNE seriam as entidades mais indicadas para dar aquela informação. Referi isso ao meu interlocutor, até porque não estava a apreciar a forma pouco delicada como ele se me dirigia, mas igualmente porque os números de telefone das residências dos embaixadores não eram públicos, pelo que a regra era não serem indicados, salvo em circunstâncias justificadas.

- Sou filho do embaixador. Ou você me quer dar o número do telefone ou não quer!

Voltei a não apreciar o tom mas, porque conhecia o pai, um homem amável e muito cordial, fui procurar o número. Ditei-o, o filho do embaixador repetiu-o e desligou o telefone, sem agradecer. Imagino que terei ficado furioso, mas logo esqueci o assunto.

No dia seguinte, à conversa com colegas, um deles disse-me:

- Já sabes do filho do embaixador "fulano"? Suicidou-se, ontem.

- A que horas? - perguntei, para legítimo espanto de todos, intrigados com a minha especiosa curiosidade.

- Parece que foi a meio da tarde.

Desde esse dia, procuro recordar a voz desse rapaz, que vivia sozinho em Portugal. Devo ter sido das últimas pessoas com quem ele falou. Terá chegado a contactar o pai? Nunca tive coragem de lhe perguntar e agora é tarde, porque também ele já desapareceu há muito, aliás de uma forma com o seu quê de trágico.

A condição diplomática introduz, às vezes, fortes tensões nas famílias, fruto de separações a que obriga, dos isolamentos que provoca e dos desequilíbrios que potencia. A instável vida dos diplomatas está longe de ser o mar de rosas que alguns, de fora, mitificam.

domingo, 16 de junho de 2019

O rumor dos claustros


Não foi há muitos anos. Aquele embaixador caminhava, decidido, nos corredores do Palácio das Necessidades. Era um homem pequeno de estatura, mas erguia a cabeça para tentar ganhar a altura dos grandes da casa. Pelo vigor da passada, pelo modo confiante como observava à sua volta, num fácies grave e determinado, era patente que estava ungido da determinação daqueles a quem, ao virar da esquina do futuro próximo, iriam ser atribuídas novas e importantes responsabilidades.

Os contínuos já o olhavam de uma forma respeitosa, os diplomatas mais jovens com os quais se cruzava baixavam a cabeça, num reverencial temor, ficando a segredar murmúrios em torno do seu nome, que os zunzuns ligavam à futura ocupação do cargo central da hierarquia diplomática.

Ele era, nesses dias de mudança política no ”terceiro andar” (onde se acolhem os ministros e o seu séquito), o objeto privilegiado do chamado "rumor dos claustros" - uma vetusta forma de boataria diplomática que, em casos limite, chega quase a ser constitutiva de direitos.

Forte das bençãos do destino que inexoravelmente se aproximava, faltando apenas o despiciendo detalhe do convite que ainda não fora formalizado, mas já com a segurança dos putativos eleitos, prenhe de confiança que conversas recentes só tinham adubado, abriu a porta de um gabinete e, não podendo conter mais a exploração do sucesso certo que aí vinha, comentou, para uma funcionária, pessoa tida por muito bem informada, pelo seu lugar na geografia funcional da casa, confiante de a ir ouvir ecoar as suas expectativas:

- Então!? Fala-se agora por aí muito no meu nome, não é?!

A senhora, uma distinta servidora da casa, já vira passar muitos mundos, das glórias aos ocasos, testemunhara a chegada e a partida de várias ambições, olhava já para tudo aquilo com uma relativização construída num sereno bom-senso. Pelo que, arvorando um indefinível sorriso, que a doutrina da casa nunca concluiu se incluía ou não o seu grão de sadismo, respondeu ao interlocutor:

- Falava, senhor embaixador, falava! Agora, esta semana, já se fala noutros nomes...

Golfo

Se há algo que as Nações Unidas poderiam e deveriam fazer, no tocante à situação tensa que se vive no Golfo, por virtude de ataques a petroleiros, e antes que os incidentes possam ser motivo justificativo para ações unilaterais, seria criar uma comissão internacional de inquérito, independente, para apuramento de responsabilidades.

Como é mais do que óbvio, o mundo não pode aceitar que seja a versão americana dos factos a única a prevalecer, salvo, naturalmente, se esta viesse a ser confirmada sem equívocos por observadores neutrais.

Os Estados Unidos, relativamente ao Irão, em especial depois do modo como Washington se comportou no caso do acordo nuclear, não têm um mínimo de credibilidade para poderem surgir como um “honest broker”, num terreno em que já tomaram partido por um dos lados.

E a União Europeia, se existisse como potência, já devia ter assumido uma iniciativa no sentido que referi.

sábado, 15 de junho de 2019

Moro


Julgo que haverá setores da opinião pública para quem constituirá uma imensa surpresa (e talvez mesmo uma coisa sem sentido) se alguém vier lembrar que o juiz é obrigado a permanecer rigorosamente equidistante da acusação e da defesa. Exatamente como Sérgio Moro não se comportou.

O Arnaldinho


Tínhamos convidado aquele jovem casal brasileiro para jantar, em nossa casa, em Oslo, nesse início dos anos 80. Ele era um diplomata que, numa situação transitória, viera fazer uma "encarregatura de negócios" - isto é, substituir o embaixador do Brasil - à Noruega, por alguns meses. A mulher e filho haviam-se-lhe juntado, por algumas semanas. Perguntaram se podiam trazer a criança, porque não tinham com quem a deixar. Dissémos que sim, naturalmente.

Eram pessoas muito simpáticas mas, desde o primeiro segundo, percebeu-se que a criança, o Arnaldinho, aí com uns três anos, era uma figura incontrolada na família. Logo após a chegada, desapareceu sozinho pela casa, sob o olhar benevolente dos pais, entrando e saindo, numa infernal correria, de todas as dependências. 

Na sala, preocupado com os efeitos dessa peregrinação turbulenta por um apartamento não preparado para agitação infantil, ousei perguntar se não seria melhor mantermos o Arnaldinho por ali. Temi - e, mais tarde vim a verificar, com razão - por um puzzle de milhares de peças com que entretinha parte das longas noites nórdicas, no meu escritório. A custo, percebendo a minha preocupação, o pai lá se decidiu a ir procurar o Arnaldinho. Que chegou, puxado pelo braço, para se sentar junto de nós.

Alguns bibelots que estavam sobre a mesa da sala concitaram, segundos depois, a atenção do Arnaldinho, que se pôs a brincar com umas delicadas peças de cristal. Os pais, esses, sorridentes, mantinham uma serenidade total. A certa altura, não me contive:

- Arnaldinho, não mexa nessas peças, por favor.

A mãe do Arnaldinho lançou-me um olhar onde se lia alguma leve reprovação pelo meu comentário repressivo, aparentemente por estar a limitar a liberdade da criança, que, por acaso, nada tinha partido. Ainda. O pai foi um pouco mais sensível e repercutiu, docemente, o meu alerta:

- Você não toca nessas coisas, querido.

Encolhido num canto do sofá, os olhos do Arnaldinho estudavam opções ofensivas. E logo brilharam ao ver uma taça com cerca de uma dúzia de ovos pintados à mão, uma compra feita, meses antes, em Praga. Eu, nervoso e distraído da conversa, seguia o Arnaldinho pelo canto do olho. Vi-o descer lentamente do sofá e acercar-se a mesa. A sua mão sapuda avançou então, rápida, para um desses ovos, agarrou-o, olhou-o por um instante e esmagou-o sobre o tampo da mesa, espalhando a casca pintada.

Fiquei furibundo por dentro. Não eram peças muito valiosas, mas eram objetos de artesanato que, meses antes, havíamos trazido bem acondicionados, de carro, durante milhares de quilómetros. Vê-las desaparecer por uma destruição gratuita excedia a minha paciência. Mas contive-me, na esperança de uma atitude por parte dos progenitores do pequeno vândalo.

O pai do Arnaldinho teve então a reação máxima que, aparentemente, o estatuto da sua autoridade sobre a criança permitia:

- Arnaldinho, não faz isso! Então partiu o ovo!? Não vai partir outro, não?

O Arnaldinho tomou o remoque como um incentivo e a pergunta como um desafio. E, claro, avançou para outro ovo, que logo teve idêntico destino.

A mãe, "cool", sorriu. O pai "reagiu":

- Arnaldinho! Arnaldinho! Não parte mais nenhum ovo, está bem? Senão papai zanga-se!

“Papai” não ia ter ocasião de zangar-se. Porque, se ia partir, não partiu. Voei para o Arnaldinho, icei-o pelos braços e arquivei-o no canto oposto do sofá. Surpreendido pelo gesto, não tugiu nem mugiu. No silêncio pesado que, por segundos, se fez na sala, coloquei a taça de ovos e, um a um, todos os bibelots que pressenti pudessem ser alvo da sua ação destruidora na prateleira mais alta de um móvel que estava em frente. As mesas ficaram tristemente desertas de decoração. 

O Arnaldinho ficou especado, sem "targets". E os nossos convidados, surpreendidos pelo meu afirmativo "preemptive strike", ficaram, em absoluto, sem graça.

- Então?! E o que bebem?, perguntei, aliviado, mas já com pena dos copos. 

E, já nem sei como, lá se passou mais um jantar... diplomático. Por onde andará o Arnaldinho, nos seus quarenta e tal anos de hoje?

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Escritas


Ela era lindíssima, muito bem “desenhada”, bielorussa, com vinte e poucos anos, funcionária da missão da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Bishkek, no Quirguistão. Chamava a atenção de toda a gente. 

Estávamos num jantar oferecido pelo chefe da missão a cinco embaixadores, idos de Viena, numa viagem de duas semanas que fazíamos por todos os países da Ásia Central. (Para que não fiquem dúvidas: fiz essa deslocação à minha custa).

O ambiente era descontraído, numa espécie de taverna típica, um pouco fora do centro da cidade, creio que perto de uma estância de ski. Não havia protocolo, a ocupação das mesas era informal, "free seating".

A bela bielorussa sentou-se ao meu lado, anunciando, alto: "Eu fico aqui, para falar com o embaixador de Portugal". Desfiz-me num deliciado sorriso, perante a onda de ironia invejosa da esmagadora maioria dos parceiros (pelo menos) masculinos do repasto. A bielorussa logo esclareceu, contudo, as suas castas intenções: "Tenho a maior admiração por um grande escritor português e quero falar sobre a sua obra. Tenho a certeza que o embaixador o conhece bem".

Preparei-me, intimamente, para lhe explicar a grandeza dos sinos ou os encantos da biblioteca de Mafra, a pretexto do "Memorial do Convento", de José Saramago. Ou, no caso de ser Lobo Antunes, tentaria contextualizar uma literatura angustiada, nascida nos traumas da guerra colonial, como em "Os cus de Judas”, embora o significado de um título como esse levasse mais algum tempo a detalhar. Não estava a ver que outro escritor português pudesse mobilizar o interesse de beldades de Minsk e arredores. Embora longe de ser um alargado conhecedor daqueles autores, o que sabia dava-me para garantir uma dose mais do que suficiente para uma agradável conversa.

Foi então que a jovem me lançou um desafio impossível: "Conhece bem a obra do Paulo Coelho, com certeza! É o maior escritor português, não é? Li tantos livros dele...” Passaram muitos anos e, daquele jantar pelas terras da Rota da Seda, só me ficaram memórias vagas. De uma coisa tenho a absoluta certeza: Paulo Coelho, durante esse repasto, foi um português dos sete costados.

O teste do algodão


Estão decorridos menos de seis meses desde a entrada em funções de Jair Bolsonaro como presidente do Brasil. Salvo para os turiferários de serviço, para quem a realidade é um detalhe que a fé manda ignorar, está hoje bastante generalizado o sentimento, mesmo em alguns setores que votaram no atual presidente, de que o saldo da nova governação fica muito aquém do aceitável. O presidente, muitos agora o reconhecem, é “despreparado”, como se diz no Brasil, cometeu erros crassos na formação do governo, vive rodeado por uma corte incendiária de filhos e por militares que tentam controlar o seu tropismo para a asneira. Porque não tem um partido sólido no qual se possa apoiar, não conseguiu ainda estabilizar uma relação operativa com o Congresso, o que faz com que todas as iniciativas legislativas sejam marcadas por um casuísmo que fragiliza a sua liderança. Os sinais económicos, que alguns pensavam poderem seguir num sentido otimista, são dececionantes, com os últimos dados do Banco Central a apontarem para uma expetativa de crescimento que não excede 1%.

Bolsonaro é um presidente conjuntural. Recebeu o voto útil de quantos, no essencial, queriam, a todo o curso, barrar o caminho ao PT. Colado à imagem da corrupção, o partido que Lula havia levado à conquista política do Brasil isolou-se fortemente de muitos setores da sociedade, radicalizou o seu discurso e foi estigmatizado pela generalidade dos seus opositores, permanecendo hoje num gueto político. Pelo caminho, ficaram Dilma Rousseff, vítima de si própria e do facto de ter sido “criada” por Lula, e o seu infiel vice-presidente, Michel Temer, afinal mais um peão no xadrez das acusações de improbidade que marcam a imagem de grande parte da classe política tradicional.

Para que a “despetização” do Brasil tivesse sucesso, era necessário afastar Lula da cena política. É que a hipótese dele poder ser eleito nas últimas eleições presidenciais chegou a ser muito elevada. Acusado de alguns crimes, o antigo presidente viu o calendário desses processos ser acelerado de uma forma que só por ingenuidade ou má-fé se pode considerar ter sido natural. Independentemente da sua possível culpabilidade, ficou bem patente que houve lugar a uma aliança objetiva entre os setores políticos que desejavam o seu afastamento e a máquina judicial que o acusou e rapidamente o condenou. Nesta última, surge o nome do juiz Sérgio Moro, ainda um herói para uma maioria dos brasileiros, que Bolsonaro foi buscar para seu ministro da Justiça.

Veio agora a saber-se que, na preparação do processo, o juiz que acabaria por condenar Lula havia mantido uma cumplicidade operativa com a acusação pública, o que a lei expressamente proíbe. Algum escândalo está instalado, sendo contudo óbvio que tal technicality não impressionará minimamente Bolsonaro. Por isso, o grande teste, o “teste do algodão” para se perceber se o Brasil passou já a fronteira da preservação das regras básicas do Estado de direito, será a atitude dos órgãos de Justiça que saem da alçada do ministro face a este caso.

(Publicado hoje no semanário “Jornal Económico”)

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Politicamente correto


Ou muito me engano ou já não deve tardar que os polícias do politicamente correto venham por aí lançar dúvidas sobre a legitimidade de se continuar a mostrar o Santo António com uma criança ao colo...

Corrupção


Hoje, Valdemar Cruz, na “Newsletter” do Expresso, escreve exatamente o que penso:

“A sucessão de casos de alegada corrupção ou de práticas contrárias à lei nas diferentes estruturas do poder, seja autárquico ou nacional, assume-se cada vez mais, nestes tempos de desmesurada influência das redes sociais, como estocadas demolidoras sobre a credibilidade da democracia.

Geram o discurso fácil e demagógico. Alimentam o populismo larvar na sociedade. A incompetência ou a gula de quantos assumem a política como profissão, errada ainda por cima, e se servem da democracia para daí retirarem vantagens pessoais em detrimento do bem público, faz mais para alimentar o espectro que ensombra as democracias do que muitos dos assanhados discursos de quantos exploram os sentimentos mais primários de uma população que, ao sentir-se cada vez mais marginalizada, tende a assumir o perverso discurso do “nós”, o povo, os puros, contra “eles”, os políticos, generalizadamente apresentados como corruptos e açambarcadores.

São estas, também, as crónicas da idade dos mídia. Não é seguro que haja necessariamente mais corrupção. Há, isso sim, uma sociedade mais vigilante e menos tolerante para com estes desvios que se aproveitam da fragilidade das instituições. Há uma vigilância mais apertada de quem tem por função assegurar o cumprimento da lei, e há uma maior sensibilidade de quem tem o dever de informar. Daqui resulta uma maior visibilidade do que antes estaria escondido e silenciado.”

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Futebóis


Se há uma fronteira difícil de cruzar essa é aquela que divide o futebol de Portugal e do Brasil, no sentido de quem vai daqui para lá. Que me recorde, nunca um jogador português, com o mínimo de nomeada, conseguiu vingar no futebol brasileiro.

Por lá andaram, sem uma notoriedade por aí além, o histórico Rogério "Pipi" e Fernando Peres, tal como Paulo Madeira e Jacinto João, entre muito poucos outros. Do mesmo modo, não me consta que tenha tido algum dia um sucesso marcante qualquer treinador ido de Portugal. Paulo Bento e dois outros colegas são disso a evidente prova. Jorge Jesus, ao assumir agora a sua aposta no Flamengo, corre assim um elevado risco.

Pode dizer-se que, até hoje, o Brasil não levou muito a sério o futebol português. Eusébio nunca, por lá, fez a menor sombra a Pelé e Ronaldo tem ali a sua grandeza bastante relativizada, podem crer. Portugal foi subindo no "ranking" da FIFA, mas isso nunca nos fez ascender em proporção na consideração futebolística brasileira. Ser isso justo ou não é completamente indiferente.

Por muitos anos, o Brasil, incontestável potência mundial na matéria, olhou Portugal como um país de segunda linha nesse domínio, lendo os escassos êxitos internacionais dos nossos clubes como fogachos esporádicos, sem sustentação no tempo. O mesmo vale para as seleções. Espanha, Inglaterra, Itália e Alemanha eram e são os seus verdadeiros competidores europeus, da mesma forma que a Argentina o é na vizinhança geográfica. E não me venham falar dos nossos 3-1, em 1966, ou dos 2-0 em Wembley, em 2007. Como embaixador, eu "sofri" 6-2 em Taguatinga, em 2008! No total, são 13 vitórias para o Brasil e quatro para nós. Ponto. E, em futebol, apenas o que é parece.

Para cá, o Brasil exportou desde bastante cedo muitos seus jogadores - excelentes, razoáveis ou medíocres -, os melhores em mero "stop over" para outra Europa. E também uns poucos treinadores com real mérito, de Yustrich a Otto Glória, de Marinho Peres a Scolari. Pode dizer-se que o futebol português deve bastante ao Brasil e que o futebol brasileiro apenas nos deve o acolhimento aqui dado aos seus.

Jorge Jesus, cuja qualidade técnica não está em causa, é um treinador com um perfil que se tem prestado a alguma exploração mediática menos simpática. O Brasil, onde alguma ácida lusofobia teima em persistir em certos meios, é um terreno para fácil exploração dessa sua fragilidade. Assim, estou em crer que ou a sua passagem pelo Flamengo se converte num grande sucesso ou acabará por ser um imenso fracasso, sem nada de permeio.

(Artigo hoje publicado no “Jornal de Notícias”)

Os marchistas


É noite de marchas de Santo António. Recebi um simpático convite para estar nas bancadas da Avenida da Liberdade, para ver os bairros desfilar. Mas não vou. Desde que regressei de vez a Portugal, a véspera do dia de Santo António tem, para mim, uma receita ritual: sardinhas e sangria, noitada pelas ruas, às vezes pelo Castelo e Alfama, outras pela Bica. Hoje, será na Madragoa, perto de casa, com passeio pelas Madres e pela Esperança, seguramente com uma saltada para um último copo ali em Santos.

No tempo da “outra senhora”, a rivalidade entre os bairros e as suas marchas foi sempre muito forte. A mobilização era bastante mais popular e genuína, não havendo dinheiro para a riqueza dos trajes e para as coreografias de hoje. Não raramente, os conflitos surgiam. por invejas e provocações, com pancada à mistura.

Nos anos 70, as marchas populares chegaram a estar proibidas, por algum tempo. Recordo-me bem de um comunicado da Câmara de Lisboa em que, cripticamente, se falava de “infiltrações políticas”, que estariam a potenciar os dissídios. Nunca vi isto devidamente esclarecido, mas fixei, nessa altura, o modo subtil como o “Diário de Lisboa” tratou o assunto, falando dos “conflitos no seio dos marchistas”, num artigo delicioso, com alusões em que, se substituíssemos “marchistas” por “marxistas”, resultava, para iniciados, um texto que aludia às polémicas da extrema-esquerda da época. “Vantagens” da ditadura...

Francisco Lucas Pires


Há cerca de 12 anos, fui convidado a prestar um testemunho para um volume publicado em homenagem a Francisco Lucas Pires (1944-1998). Agora que se assinalam 20 anos sobre a sua morte, com a exibição ontem, na RTP 2, de um documentário que lhe é dedicado, deixo aqui esse texto:

“Conheci pessoalmente Francisco Lucas Pires em andanças europeias, na segunda metade dos anos 90. Era uma figura que, há muitos anos, me intrigava, política e intelectualmente. Dele tinha desenhado uma primeira imagem caricatural, ligada à aventura conservadora da “Cidadela” coimbrã. Bem mais tarde, pareceu-me poder ler, no discurso que desenvolvia como ministro da Cultura da AD, um tom saudavelmente heterodoxo, particularmente num tempo governativo que chegou a ter inquietantes derivas radicais. Como líder do CDS, fiquei com a sensação de que nem sempre se sentia muito confortável com o espartilho partidário, esforçando-se para compatibilizar o formalismo da função com a intransigente vontade de pensar as coisas pela sua própria cabeça. Mas foi como Deputado europeu que Lucas Pires verdadeiramente me surpreendeu.

Porque oriundo de uma escola de pensamento nacionalista, foi uma revelação encontrar em Francisco Lucas Pires uma das reflexões mais originais sobre o posicionamento de Portugal na Europa. Era um tempo em que, para muitos, o “europeísmo” era apenas um sinónimo de comodidade cínica com os fundos comunitários. Posso imaginar que a sua formação germânica o tenha ajudado a perceber melhor as virtualidades do processo integrador do continente. Mas terá sido, sobretudo, a sua inteligência que o levou a formular a defesa empenhada numa postura pró-activa de Portugal na aventura europeia, convocando em seu apoio clássicos que de que estivera distante, como António Sérgio, Vitorino Magalhães Godinho ou Eduardo Lourenço.

A imagem essencial que me ficou de Francisco Lucas Pires é a de um cultor obsessivo da liberdade, um espírito agudo e irónico, alguém queapreciava a vida e que, talvez por isso, se impacientava muito com a estupidez dos que a não sabiam viver. Um dia, num colóquio em Bruxelas,em que éramos os dois oradores convidados, perante a irrelevância e o paroquialismo pateta de algumas perguntas, sussurrou-me: “Veja você o que nós sofremos pela Europa…”. “