terça-feira, 31 de julho de 2018

O prurido dos Espírito Santo

Na zona da Comporta, há quem tenha saudades dos Espírito Santo. 

Não sei se se trata apenas de um mito rural, mas diz-se que, nesse tempo, havia desinfestações anuais dos mosquitos que nascem nos arrozais. E, com razão ou sem ela, credita-se essa ação aos Espírito Santo.

Hoje, quando, por ali, somos mordidos por um mosquito (e eles já chegam a Tróia). num restaurante ou numa esplanada, lembramo-nos logo do falecido grupo financeiro. É o prurido dos Espírito Santo.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

24 horas na vida de uma mulher

Em casa do meu avô materno, no topo de um estante, havia um livro cujo título sempre me intrigou, mas que essa curiosidade, ainda de infância, nunca me levou a ler. Era o "Vinte e quatro horas na vida de uma mulher", de Stefan Zweig.

Há pouco, ao ver anunciada a demissão de Ricardo Robles, o vereador do Bloco de Esquerda na Câmara de Lisboa, lembrei-me de Catarina Martins, líder do partido. E das suas últimas 24 horas. E pensei em como apenas um dia e um imenso erro podem ter consequências devastadoras. 

Não vou aqui repetir, sobre o episódio imobiliário de Robles, o básico: o cidadão Ricardo Robles tinha todo o direito de fazer o que fez, o militante do BE Ricardo Robles estava moralmente impedido de tentar o negócio, depois do que tem dito sobre a especulação imobiliária em Lisboa. Por isso agora se demitiu.

Mas estas 24 horas, na vida de uma mulher chamada Catarina Martins, acabam por ser um tempo imenso. Ela devia ter cortado cerce o problema, mal se conheceram os factos, retirando de imediato a confiança ao vereador. Ora, ao vir a terreiro apoiar Robles, com os argumentos algo arrogantes que utilizou, a poucas horas dele próprio perceber que tinha de se demitir, acabou por piorar tudo, agravando, por falta de sentido e de "timing" políticos, uma das maiores crises que o BE atravessou desde a sua criação. O partido vai ter agora de lamber as feridas, esperando que o dia de amanhã obscureça a memória dos seus potenciais votantes, que, por estas horas, exibem um penoso embaraço. Uma coisa é certa: o Bloco vai pagar um preço, à esquerda.

É que Catarina Martins deve preocupar-se, e só, com os impactos à esquerda daquilo que se passou. Mas, se quer um conselho, deve "estar-se borrifando" para a turba da direita que lhe caiu em cima, para a "autoridade" moral de quem acha que tem, por herança genético-social, aquilo que poderíamos designar como o "monopólio do usufruto do bago" e há muito se arroga o direito de ser uma espécie de juíz de coerência do outro lado da barricada. 

Vemos agora a direita aproveitar o balanço e contestar uma alegada "superioridade moral" da esquerda. De facto, concordo que invocar isso não passa de uma palermice sem sentido, sendo que é, no entanto, um tema muito antigo, que surge à baila de quando em vez. Mas talvez valesse a pena interrogarmo-nos: por que será que nunca se ouviu, por uma vez que fosse, alguém ousar defender a existência de uma "superioridade moral" da direita? Talvez não seja por acaso...

FHC

Há uns anos, numa livraria de Boston, vi à venda um livro de memórias, em inglês, do antigo presidente brasileiro, Fernando Henrique Cardoso. Como já então vivia no Brasil, optei por não comprar o livro, tanto mais que me parecia ser uma espécie de síntese biográfica, “para americano ler”. 

Nunca mais pensei na obra, até que há semanas, numa excelente livraria de Brasília, na qual passeava com um amigo, ao falarmos de FHC (como no Brasil é conhecido), ele me perguntou: “Leste “O improvável presidente do Brasil?” “. Perante a minha negativa, ofereceu-me o livro - que é a tradução do volume que eu vira nos EUA. E as férias servem para isto: comecei a lê-lo ontem, acabei há pouco as suas quase 400 páginas. E fico muito grato ao Manuel Lousada por me ter proporcionado esta leitura.

Tenho forte admiração por Fernando Henrique Cardoso. Acho que a sua presidência, que antecedeu a de Lula, fez muito bem ao Brasil e à sua imagem no mundo. Tive o gosto de o conhecer relativamente bem quando lá fui embaixador, e ele já não era presidente, e, desde então, com alguma frequência, tenho-o encontrado por Lisboa, cidade de que muito gosta. Ainda há pouco tempo nos cruzámos num restaurante.

O livro é uma obra equilibrada e serena, com o natural auto-elogio de quem vive contente consigo próprio e com aquilo que acha, e bem, que fez pelo seu país. Não encerra grandes novidades (embora a mim me trouxesse algumas), mas o relato ajuda a melhor entender o seu percurso intelectual, académico e político - desde um período mais radical à sua conversão à social-democracia. E apoia-nos bastante, e de forma equilibrada, na leitura da história contemporânea do seu país.

FHC foi amigo de Mário Soares, é-o de António Guterres e de Jorge Sampaio. Porém - e isto representa muito do que é o Brasil, sem quaisquer juízos de valor negativos associados, mas apenas como mera constatação - no glossário do livro, entre os muitos países citados, Portugal não surge mencionado uma única vez (Soares aparece uma vez). São estes pormenores que nos ajudam a educar a nossa perspetiva sobre o que, na realidade, valemos para os outros, Brasil incluído.

domingo, 29 de julho de 2018

Com reserva de mesa


Com a morte de Jonathan Gold, ouviu-se, um pouco por todo o mundo, um coro de elogios a um dos críticos gastronómicos que terá marcado uma geração do setor. Escrevi “terá” porque, embora, durante alguns anos, eu tivesse metido uma colherada no tema, o meu conhecimento da figura era bastante escasso: havia lido alguns (poucos) belos textos dele, sabia alguma coisa sobre o seu percurso, em particular que era muito bom naquilo que fazia, mas era tudo.

Embora, até um passado recente, eu próprio tivesse escrito, por alguns períodos, sobre restaurantes, em três revistas distintas, nunca tive a menor veleidade de assumir-me como “crítico gastronómico”. Sei as minhas limitações e gabo-me de conhecer o meu “princípio de Peter” (e isto, para quem não saiba, nada tem a ver com o bar de gin da Horta), Quando muito, chamei a mim próprio “gastrófilo”, isto é, alguém que gosta de comer e não se importa de ter a ousadia de partilhar com outros as experiências que vai tendo na restauração profissional. O que agora continuarei a fazer, “pro bono” e do meu bolso, no blogue “Ponto Come”.

Ao ler algumas coisas que, a propósito da morte de Gold, apareceram na imprensa sobre as pessoas que escrevem artigos sobre restaurantes, dei comigo a pensar que fui sempre muito feliz, nos anos em que operei (e fui pago para isso) naquele domínio. É que em nenhuma, repito, nenhuma ocasião fui pressionado para escrever sobre um determinado restaurante (nem sequer a título de sugestão), tive plena liberdade para escolher aqueles que me apetecia visitar e jamais me foi feita a mais leve observação sobre o teor das minhas críticas. 

Vou deixar aqui, com o meu reconhecimento, os nomes das três pessoas que, nos diversos momentos, me “contrataram” para essa gostosa tarefa: Edgardo Pacheco (Sábado), Catarina Carvalho (Evasões) e Pedro Luís de Castro (Epicur). De todos fiquei amigo, o que acho mais importante do que tudo..

sábado, 28 de julho de 2018

A minha ida à lua


Não sou muito de luas, mas ontem, ao ouvir que a próxima “boa lua” só seria daqui a 105 anos, tive um sobressalto: esta lua, com eclipse e tudo, não me ia escapar! É que, daqui a 105 anos, o céu pode estar nublado e nunca se sabe. 

Porém, o evento lunar coincidia com um jantar em casa de amigos, cujo menu evito detalhar, porque o país, em matéria de inveja, já teve a sua dose de fim-de-semana com “a minha casinha” do Robles. Fui assim para o repasto, mas sempre com a cabeça na lua. Pelo caminho, fui olhando à volta, mas nada de lua! Do lado, no carro, ouvi, a ironizarem: “Não é um eclipse? Então não se vê a lua!”.

Chegámos. O jantar lá avançou, o champanhe que antecedeu um belo alvarinho estava no ponto de fresco. A conversa e as vitualhas (não insistam, não digo o menu!) foram marchando, até que, sobremesa passada (grande ameixas do quintal da casa e umas cerejas de truz, queijos e gelado à parte!), o apelo da lua foi maior do que eu. 

Fui ao jardim e o céu dali nada tinha de excitante. Voltei para dentro, pedi desculpa e saí para a rua. Lua, nada! Meti-me no carro, abri o tejadilho (às vezes, as coisas caem do céu) e fui andando até uma daquelas rotundas sem saída, aí a trezentos metros. Olhei para cima e lá estava ela, ao fundo, rosada como uma moçoila corada perante um piropo (é proibido, eu sei!). Gandalua! Como não sou egoísta, voltei logo à casa, ao pessoal do jantar, e convidei todos a virem comigo (de carro, claro!), ver a lua, cujas maravilhas de aspeto fui descrevendo. Todos se acomodaram, cintos postos e lá fomos, para uma viagem para ver a lua.

Arranquei e, 20 metros depois, não mais!, um dos viajantes do passeio à lua exclamou: “Lá está ela!”.  E estava! A “olhar para nós”! Estaquei o carro. Saíram todos. A gozarem-me. Afinal, a lua via-se dali, quase da saída da porta, e eu, antes, tinha andado 300 metros até levantar a cabeça e olhá-la. A missão lua acabou um minuto depois. Aviada assim aquela bem sucedida expedição astronómica, perguntei se alguém queria “regressar” casa, de carro! E não é que duas senhoras se instalaram no banco de trás, só para terem o gosto de andarem os vinte de metros, conduzidas por um embaixador humilhado?! Saiu-me cara, em dignidade, esta minha ida à lua!

Robles SARL



O excelente negócio feito pelo deputado municipal do BE, Ricardo Robles - se, como parece plausível, tiver cumprido todas as determinações legais - é de uma legitimidade cristalina. Numa economia de mercado, as coisas funcionam assim e as mais-valias obtêm-se dessa forma. Nada, mesmo nada, a objetar. 

(Digo-o com a “autoridade” de quem, há pouco tempo, fez um ”negócio” precisamente ao contrário, isto é, em que fiz menos-valias, em que perdi dinheiro. Mas isso sou eu, que nessas coisas, sou um completo “nabo”...)

Há, porém, um ligeiro pormenor que introduz uma nota de diferença, quiçá de imensa incoerência, a este episódio. É que o BE, e o próprio vereador, na sua (também legítima) contestação radical ao mundo capitalista em que vivemos, que já percebemos que abominam e não aceitam (mas de que, pelos vistos, alguns deles se sabem aproveitar, e bem), têm estado na primeira linha da denúncia do surto de “especulação imobiliária” que hoje se vive na capital.

Ora isto tem um nome, feio. Mas entrei num “zen” de férias, mesmo para a indignação. Deve ser da lua em eclipse que está aí a chegar...

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Vamos a contas


Este não foi um ano fácil para o governo, em especial para António Costa, sendo que o primeiro mostra, a cada dia, ser um quase heterónimo do segundo. A tragédia dos incêndios, e bastante menos a comédia de Tancos, acabou com o estado de graça mas ficou longe de desgraçar o executivo. O otimismo abrandou, mas não afetou a economia, soprada pelas exportações, pelo turismo nas ruas, com ambiente externo e BCE a ajudarem, pelo menos até ver. Centeno, com visível gosto, atou as mãos a si mesmo no Eurogrupo em matéria de défice, embora isso não deixasse de ter consequências nervosas no equilíbrio interno da Geringonça. Empochadas as recuperações salariais, PCP e Bloco, percebendo que algumas margens orçamentais afinal existem e só não são usadas porque é preciso edulcorar a imagem do novo bom aluno europeu (que agora até já tem um sorridente retrato), fazem a coreografia vocal da pré-rotura, mas não passam a soleira de uma crise, cujo efeito de “boomerang” temem. O Bloco é entretido com notas emblemáticas e alguns fogachos legislativos fraturantes, que, aliás, ajudam o PS a sustentar ideologicamente a sua própria ala que dele está mais próxima. No seio dos comunistas, António Costa bem pode acender uma vela a S. Jerónimo, porque o que depois dele virá saudoso aliado dele fará. No meio, o presidente preside, numa filosofia de ação que fica cada dia mais clara e que, no essencial, se pode resumir assim: estar ao lado do que estiver a correr bem, nada fazendo para que algo corra mal e depois logo se verá. E não é que me ia esquecendo da oposição? No CDS, a novidade passou, o discurso é errático, umas vezes mais liberal, outras ultramontano, já a roçar terrenos estranhos. No PSD vive-se um ambiente shakespeareano revisitado por Gervásio Lobato, com boa vontade, por Feydeau. Há por ali dois partidos. A abada eleitoral autárquica afastou Passos Coelho, a província ajudou a eleger Rio mas este não pacificou as hostes, onde a aldeia de Asterix (que tem um incendiário Obelix e tudo!) acantonada no grupo parlamentar vive num sebastianismo que, cada vez mais me convenço, acabará por fazer voltar o governante preferido da “troika”. Vão tentar apear Rio até ao final do ano, temendo a “limpeza de balneário” que este fará em S. Bento. Não sei o que o PS deva temer mais: Rio pode não ter muito jeito, mas exala genuinidade e sentido de Estado, enquanto Passos é um agregador automático da Geringonça. Por mim, não tenho dúvidas: António Costa é um excelente primeiro-ministro. Ponto.

quinta-feira, 26 de julho de 2018

As férias e eu

Há qualquer coisa de muito íntimo entre as férias e eu. E como já percebi. em definitivo, que não são elas que necessitam de mim, só posso concluir que sou eu quem delas precisa. E muito!

Sá Carneiro


Mário de Sá Carneiro foi uma das mais originais figuras da nossa literatura poética, na primeira metade do século XX. Da geração da revista Orpheu, viria a morrer em Paris.

Quando fui embaixador em França, procurei fazer-lhe uma homenagem, com a colocação de uma placa na casa que sucedeu àquela onde viveu, perto do Jardin du Luxembourg, mas, por razões práticas que não vêm ao caso, isso acabou por não ser possível.

Vejo agora surgir entre nós uma polémica sobre se os seus restos mortais devem integrar o Panteão nacional, a par dos de Mário Soares. Esta ideia, nascida no seio do PSD de Lisboa, parece-me ter pouco sentido, embora seja de louvar este inusitado empenhamento literário da força política que carrega a social-democracia no seu nome. Sá Carneiro tem obra, reconheço que meritória, mas muito inferior à de outros cuja colocação naquele lugar nobre bem mais se justificaria.

Aliás, no caso de Mário de Sá Carneiro, o assunto está, à partida, de certo modo resolvido. O seu corpo desapareceu do cemitério de Pantin, onde fora depositado por ocasião da sua morte, em 1949.

Nestas questões, algum juízo de justiça relativa deve sempre prevalecer. Por essa razão, e com o devido respeito, permito-me estranhar que o senhor presidente da República tenha vindo a terreiro equiparar a figura de Mário de Sá Carneiro à do indiscutível fundador da nossa Democracia. E, talvez ainda mais, que o seu assessor cultural, Pedro Mexia, o não tenha aconselhado melhor, neste “faux pas” (obviamente) literário. Não se compara o incomparável!

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Teorizar os copos


O Bloco de Esquerda, na sua “universidade” de Verão, defende o “direito à boémia: necessidade de vida noturna para produção e radicalização cultural”. Belo programa! Vamos ser claros sobre aquilo de que se está a falar: copos, música, noitadas, “piquenas” & “piquenos”, talvez com uns charros à mistura. É isso, não é? 

Não tenho a menor objeção! Cada um diverte-se como quer, desde que não atazane a vida aos outros, e só lamento que a minha geração, com a louvável exceção dos Situacionistas, nunca tenha levado a teorização das suas noites muito a sério. Agora, ponho-me a imaginar o que seria uma discussão sobre isto no “Bolero” ...

Ontem, comentava o tema, em tom (confesso!) jocoso, com uns amigos e alguém lembrou: “Boémia? Também o Hitler gostava dela”. Fiquei banzado! Para além da Eva Braun, a vida sexual e lúdica do Führer nunca pareceu ser muito animada. E perguntei: “Mas o Hitler gostava da boémia? Não sabia”. A resposta foi: “Essa agora! Então ele não achava que tinha o direito à Boémia e até à Morávia?”

Portugal de pequenotes


Anda por aí um Portugal de pequenotes, de espíritos mesquinhos, enfim, um certo país de imbecis - para usar uma palavra redonda e de sentido unívoco.

Ver figuras públicas jogarem à política mais rasteira com a tragédia dos fogos na Grécia, com algumas outras a inquirirem de cátedra sobre o custo e a oportunidade da nossa ajuda de emergência ao governo de Atenas, causa-me uma imensa tristeza, como cidadão. 

Um sentimento que é do exato tamanho da deceção, por não ver os líderes políticos que lhes estão próximos, bem como os responsáveis pelos órgãos de comunicação social onde essas palermices foram ditas, pedir, muito simplesmente, desculpa.

terça-feira, 24 de julho de 2018

“Cinco carates e meio depois...”


Há cerca de um ano, numa noite que recordo menos magnífica do que a de hoje, em temperatura e serenidade, neste país do nordeste da Europa, eu e alguns amigos demo-nos conta de que um dos nossos colegas, um conceituado gestor estrangeiro, parecia ter necessidade de desabafar qualquer coisa. O jantar tinha sido muito simpático mas, quando já grande parte do grupo regressava aos quartos, esse amigo fez questão de anunciar que ia fumar um charuto e beber “qualquer coisa”, convidando quem quisesse a acompanhá-lo. Estou certo que os leitores deste espaço não se admirarão se lhes disser que fui um dos “voluntários” para um “último copo” - eufemismo que, em regra, significa o primeiro de vários copos, os quais, aliás, só não são mais porque, nestas viagens, o dia seguinte é sempre de trabalho intenso e a meia-noite é a “Cinderella time” respeitada.

Esse colega, mais prolixo na conversa pelo fim da noite do que era habitual, explicou-nos então a sua “agitação”: acabara de regular, pelo telefone, os detalhes práticos da sua separação ou divórcio. Teria sido uma coisa complicada mas que, afinal, já não era a primeira, nem sequer a segunda! Assim, dizer que o “consolámos” funciona como um exagero. Mas lá estivemos à conversa com ele, acompanhados de várias cervejas, durante uma boa hora, ouvindo-o mais do que falando. E o assunto morreu, depois desses bons copos. Quase dele nos tínhamos esquecido.

Passou mais de um ano. Há minutos, depois de um dia de trabalho, seguido de um jantar da mesma natureza, regressámos ao hotel. “Would you care for a drink?”, lançou ele a três de nós, travando-nos no caminho para o elevador. E lá fomos para a esplanada do hotel, aproveitando a amenidade conjuntural do clima. Ele fumava outro charuto. Não era preciso ser vidente para presumir uma nova história no ar. E ela, claro, emergiu: o nosso amigo havia-se casado de novo! E a história, contada por ele, foi deliciosa, deixando-nos notas pitorescas do momento em que pediu em casamento a sua nova mulher (“casar várias vezes é magnífico, mas sai muito caro, acreditem!”), numa localização belíssima do Magrebe. Com muita graça, com detalhes de bom contador de histórias, descreveu-nos as cenas do ambiente das “mil-e-uma-noites” da proposta de matrimónio. E terminou com esta pérola: “E foi assim: cinco carates e meio depois, ficou convidada para minha mulher. E aceitou!”

Eu já tinha acabado as minha duas doses de “Belvedere”, um magífico vodka que por aqui se serve. Mas ainda deu para as juntar aos “Justierini & Brooks” (nome por extenso do JB, para quem não saiba) com que os meus amigos brindaram esta nova etapa do nosso parceiro desta noite e dos restantes dias empresariais. No final, cada um de nós regressou ao seu quarto, “dormindo sobre o assunto”, que é uma fórmula que os nossos diplomatas usam quando decidem atrasar o envio de qualquer coisa “a Lisboa”, para pensarem melhor no modo como vão reportar o que julgam saber. No meu caso, que já não tenho esses deveres nem cuidados, escrevinhei o que estão a ler, para agora ir dormir um sono dos justos que não aceito que não acreditem que sempre tenho.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

... in corpore sano!


Via-os passar sob a minha janela, a quase obscenas horas matinais, em passo de corrida, através dos trilhos pedestres, entre arvoredos, de calções ou fatos de treino. Ou então de bicicleta, nas manhãs do sol que ia havendo ou sob nuvens cinzentas, com o frio a cortar a cara. 

Eram os meus primeiros tempos de vida na Noruega e, a espaços, ia sentindo alguma pena (embora nunca inveja) de não ser como eles, de não ter esse espírito desportivo, ativo, de sair correndo pelos campos, lutando para perder peso e ganhar o cansaço saudável que a atividade implica. Depois, com os dias também a correr, essa fugaz tentação passou-me e, refastelado num sofá, fui-me acomodando a ser como sempre fui.

Há minutos, aqui, também numa capital do norte da Europa, ao abrir as cortinas da janela do quarto do meu hotel, lá estava o parque, com elas e eles, saudáveis e vigorosos, sob este estranho calor que nos falta aí em baixo, correndo, correndo, correndo. 

Olhei-os com idêntica admiração, mas já sem qualquer pena (ou será resignação?). E fui à porta do quarto, receber o pequeno almoço, com o New York Times ao lado. O comodismo militante, aprendi, é uma das mais belas doutrinas de vida, deixemo-nos de histórias.

E agora, desculpem lá!, vou trabalhar, porque todos os vícios têm um preço.

domingo, 22 de julho de 2018

Ártico & outras conversas

Quando vivi, por uns anos, num país nórdico, havia por lá uma graça tradicional entre os estrangeiros: “Passaste cá o Verão?” Resposta: “Não, nesse fim de semana estive fora”. Agora, com temperaturas acima dos 30°, por bastante tempo, em zonas próximas do Círculo Polar Ártico, essa piada já perdeu piada.

Qualquer dia, ainda vamos ver excursões turísticas a avançar para a Sibéria, dando razão para alguma rapaziada nostálgica do PCP desculpar o Stalin e o clima no Goulag. 

Será assim uma coisa parecida ao comentário que, um dia, ouvi a um “facho”, que acumulava com o facto de ser parvo, sobre o Tarrafal: “Diziam que aquilo era mau mas, afinal, agora fizeram lá um empreendimento turístico, o que prova que o clima era saudável e que não havia fundamento nas queixas de quem era mandado para o Tarrafal”.

Três Dois



Há para aí um movimento de “recuperação” afetiva da Estrada Nacional número Dois, de Chaves a Faro, passando por Vila Real, fator ímpar de dignificação dessa rodovia que, infelizmente, tenho visto pouco destacado. Acho justíssimo! É uma estrada com troços belíssimos, que a mim me traz memórias de imensas viagens - e de grandes comezainas associadas, nesse mapa de Portugal de restaurantes que foi muito afetado pelas autoestradas.

Mas há mais Dois para além da estrada. Falar de Dois, lembremo-nos, é também falar da RTP Dois, esse excelente canal dirigido pela Teresa Paixão, onde passa grande parte do melhor que se exibe nas televisões portuguesas. Os portugueses muito ganhariam em estar mais atentos à magnífica programação da RTP2, onde, a cada dia, aprendo o mundo e sempre ganho as horas que por lá perco.

Mas só há estas Dois? A Dois, caros amigos, é também a mesa mais prestigiada, mais histórica (e só não digo mais “icónica” porque esta palavra, com “viral” e “alavancar”, faz parte da lista dos meus vocábulos de desestimação) do celebrado Bar Procópio, perto do jardim das Amoreiras. Pela Dois, reino do inolvidável Nuno Brederode, por bem mais de quatro décadas, passou todo o mundo, a vida política, o humor, as milhentas histórias, algumas “piquenas” de revirar olhos e atiçar memórias e, claro, muitos copos e algumas (escassas) vitualhas, tudo chegado àquela imensa e pequena mesa pelas mãos do grande Juvenal e, agora, desde há muito, do magnífico Luís, sempre sob a tutela da “sedona” Alice Pinto Coelho, que, por estes tempos, me chega que me acusa de falta de assiduidade. E tem toda a razão! 

É isto: há, pelo menos, três Dois, o que, soando a resultado de futebol, é muito mais do que isso.

Espanha - a direita vira à direita


O PP espanhol deu uma forte guinada à direita com a escolha de Pablo Casado como sucessor de Mariano Rajoy. Os “populares” foram sempre um partido bastante conservador, onde alguma herança de raiz franquista se sentiu frequentemente confortável. Aznar cultivou bastante esse discurso, mas Rajoy, não obstante ter feito uma gestão que soou a dura na questão catalã, ter-se-á assustado com a subida do Cuidadanos e descuidou a questão da identidade ideológica do PP. Em especial, alienou-se dos setores mais católicos, ao que se diz. O modo como foi afastado de Moncloa acabou por ser quase humilhante e isso foi mortal para as ambições da sua putativa sucessora. Os votantes populares não quiseram mais do mesmo e, com o recuo do galego Feijóo, deram espaço a Casado, como representante de uma nova geração e titular de um discurso diferente e motivador. Vale a pena, aliás, notar a renovação etária profunda que está a varrer as lideranças partidárias espanholas, ao contrário deste lado da península.

Com a escolha de Casado para titular a direita, numa nova linha influenciada por algum extremismo liberal e pelo grupo hiper-conservador Hazte oír, este focado na temática da família e da vida, o PP pode vir a procurar voltar a cavalgar, para além de um discurso ideológico muito mais conservador, o sentimento nacionalista, de raiz centralista e muito castelhana, que esteve muito presente na forte reação ao desafio catalão. As dúbias atitudes de Pedro Sánchez face a algum separatismo (que, lembremos, o terão ajudado a chegar a Moncloa) vão, com toda a certeza, estar na primeira linha da contestação de Casado ao governo socialista. E a Catalunha pode regressar rapidamente à boca da cena do debate político em Madrid. Interessante também vai ser observar se o radicalismo conservador deste novo PP se vai ou não alargar a um discurso populista, anti-imigrantes e refugiados, a que Espanha tem escapado nos últimos anos. (Pir cá, também, embora, no CDS, pela voz de Nuno Melo, tenha agora emergido essa perigosa deriva, na tentação de explorar um nicho de medos).

Resta saber se Albert Rivera, lider do Ciudadanos, cujo prazo de “novidade” política se está visivelmente a esgotar, a exemplo de Arrimadas em Barcelona, mas a quem as sondagens continuam a confortar, conseguirá vir a aproveitar esta radicalização do PP. É que se a isso somarmos a aparente evolução do PSOE que, no governo, surge com uma agenda vista por muitos como visivelmente colada à esquerda, aparentemente para tentar travar um Podemos que atravessou uma debilitante crise interna recente, Rivera pode ter agora melhores condições para “federar” a direita mais moderada (historicamente, em Espanha, o eleitorado que vota PP esteve sempre menos à direita que o próprio partido) e um centro que pode estar a ficar chocado com o que vê ocorrer à sua esquerda, isto é, no governo.

A vida política espanhola promete...

sábado, 21 de julho de 2018

Figo


Se se vier a confirmar que Luis Figo está disponível para ser presidente do (meu) Sporting, consideraria isso uma magnífica notícia.

Figo tem um reconhecimento e um prestígio internacional só superado pelo de Ronaldo, pelo que daria ao clube uma extraordinária projeção e acabaria por ser um formidável engulho para todos os adversários do clube. 

(A prova disso, como irão ver nas próximas horas, serão as acusações soezes e os insultos raivosos de que Figo será, com toda a certeza, objeto, e que, afinal, mais não serão do que “medalhas” qualificadoras do seu estatuto de candidato quase ímpar).

Os candidatos já anunciados que viessem a desistir em favor da candidatura de Figo dariam uma extraordinária mostra do seu sportinguismo.

Novo Banco, velhos vícios


Anuncia-se que o Novo Banco vai utilizar para nova sede o antigo espaço militar existente junto da rua da Artilharia 1, em Lisboa, talvez o mais cobiçado lugar imobiliário da capital.

Não conheço os contornos do negócio. Mas, até que alguém me explique isto tim-tim-por-tim-tim, eu, como contribuinte, sinto-me mais do que escandalizado pelo facto de uma instituição que, depois de todas as moscambilhas do BES (em que ninguém foi preso!), foi financiada com dinheiros públicos (alguns dirão, do Fundo de Resolução, e a esses eu respondo: está bem, abelha!), e onde parece que ainda vai ser preciso meter mais dinheiro, estar a mostrar esta largueza de meios.

E gostava muito de ouvir o que o governo tem a dizer sobre isto, até porque já não vivemos no tempo do Dr. Passos Coelho, a quem, num Verão que nunca mais esquecerei, ouvi afirmar friamente que o BES era uma coisa “privada”, em que o Estado se não metia. Era privada, era! Por isso é que lá meteu o Banco de Portugal, que é de todos nós, com uma administração de amigos nomeada e apoiada por ele, que gizou esta “bela” solução, que se tornou num sorvedouro constante e, pelos vistos, ilimitado dos nossos impostos. Situação que o atual governo apenas herdou, sublinhe-se.

Sou dos que percebem, sem a menor dificuldade, que há que ter um sistema bancário sólido e que a vida do país disso depende, pelo que o Estado tem de intervir. Mas não percebo por que não há-de haver uma visível contenção de gastos e uma clara parcimónia no comportamento da banca na sua atuação no mercado. Principalmente no mercado imobiliário...

É que se a venda da sede na avenida da Liberdade é um bom negócio, então igualmente o seria a alienação do espaço na Artilharia 1. Como quem não tem dinheiro não tem vícios, o NB poderia alienar esses ativos ir calmamente para uma periferia lisboeta, bem mais barata, e começar a pagar o que deve aos contribuintes, que não é pouco.

Mas pode ser que apareça alguém a explicar-nos tudo isto...

(TEXTO REFORMULADO)

Vergonha


Sobre o facto de, passado que já foi um ano, não ter sido esclarecido o caso de Tancos, com os respetivos responsáveis (os incompetentes guardas do material e os ousados gatunos) devidamente punidos, confesso, com toda a sinceridade, que não tenho a menor opinião sobre se a culpa é da tropa, da PJM, da PJ, do governo ou do Ministério Público.

Uma coisa tenho por certa: trata-se de um escândalo, de uma vergonha nacional que nos transforma numa “república de bananas”. Digo-o medindo bem todas as palavras, razão pela qual percebo muito bem a reação do presidente da República

À atenção de S. Pedro


Dizem-me que está a criar-se por aí um movimento de opinião e de massas no sentido de exigir a demissão de S. Pedro, atenta a sua reconhecida medíocre prestação, em matéria climática, em todo este ano.

Não sou tão radical, mas apenas por ora. Deixo assim um aviso: se, no dia 27, data em que inaugurarei a minha época de praia, tudo continuar na mesma, contem comigo para me juntar aos protestos. Quem não tem competência dá lugar a outro e não devem faltar por lá santos sem ocupação.

Há limites para a nossa paciência!

sexta-feira, 20 de julho de 2018

O Zé Bouza




Há dias, três embaixadores conversavam. Era uma cerimónia de entrega de uma condecoração. Comentei, a propósito, que, na minha vida diplomática, tive recorrentes dúvidas sobre as regras a seguir no tocante ao “lugar” e à ordem de colocação no peito dessas insígnias, quando as regras protocolares me obrigavam a usá-las. 

Sei que esta liturgia pode parecer ridícula para quem não é do “métier”, mas a verdade é que, se se vissem forçados profissionalmente a usar smoking, fraque ou casaca, logo perceberiam o embaraço. Qual a “hierarquia” das “placas” (aqueles chapões metálicos que cosemos à casaca)? As fitas das grã-cruzes ficam por fora ou por dentro, quando estão presentes chefes de Estado? E coisas assim...

Revelei então que, em algumas dessas ocasiões, já enfarpelado para as cerimónias, em lugar de recorrer “ao Helder” ou “ao Calvet” (autores de dois manuais diplomáticos que consagram esse bom-senso educado e consuetudinário que são as regras do protocolo), eu sempre telefonava ao Zé Bouza. Houve logo um coro: os dois outros colegas faziam exatamente o mesmo que eu!

Para quem não sabe, o Zé Bouza é o embaixador Jose Bouza Serrano, um colega diplomata que “sabe tudo” sobre protocolo. Além de ter chefiado o Serviço do Protocolo do Estado, o Zé escreveu uma “bíblia” sobre o assunto, num estilo pessoal que retirou muito do caráter académico da matéria, recheando o texto de pormenores da sua própria vida.

O José Bouza Serrano é um monárquico que serviu, com lealdade, competência e pundonor, esta República que lhe saiu em rifa histórica, desde um dia de outubro de 1910. Não sei se ele ainda acredita na “restauração” da coroa, mas tem um prazer imenso, nomeadamente nas redes sociais, em destacar as figuras que o Almanaque de Gotha, esse guia Michelin da aristocracia, regularmente recolhe, para memória dos fiéis, as “linhagens”, os nascimentos e os matrimónios, quiçá as separações e outros movimentos de sobressalto familiar, tal como as saídas eternas da cena da vida. Eu, republicano empedernido, jacobino e (para ele) cúmplice objetivo dos “mata-frades”, brinco sempre muito com estas coreografias do jet-set principesco e ofícios correlativos. Mas ele nunca leva a mal.

Esse meu colega deu-me, um dia, uma prova definitiva de grande caráter. Ele estava, na altura, colocado num determinado posto. Sabia-se, mas não pela sua boca, que a relação que tinha com o respetivo embaixador não era das melhores - e, conhecendo o bom feitio do Zé, a razão dos dissídios devia ser seguramente posta a débito do seu ocasional chefe. Em Lisboa, por alturas do Natal e Ano Novo, os colegas costumam reunir-se, mas o Zé, nesse ano, fez-se discreto. Nenhum jantar contou com ele, fez gazeta aos copos do fim de tarde. Tempos depois, perguntei-lhe porquê. A resposta foi um exemplo conjugado de profissionalismo e de educação, em suma, da gentileza de um grande senhor: “Não apareci porque tinha a certeza de que me iam fazer perguntas sobre o ambiente no posto. E como não queria dizer mal do meu embaixador, mas também não tinha vontade de mentir, achei que era melhor abster-me de ter essas conversas”.

Nas Necessidades, nos dias de hoje, o Zé continua a trabalhar para uma carreira a que sempre deu muito de si, às vezes com momentos em que, literalmente, “fez das tripas coração”, em tempos complexos que já lá vão. Mas onde, com todo o merecimento, também se soube divertir bastante, como é da lógica dos que sabem viver bem a vida. É uma jóia de pessoa, com um sorriso permanente, uma gargalhada fácil e sã, em especial quando ambos partilhamos alguns episódios caricatos de que fomos testemunhas bem humoradas.

Por que é que falo dele aqui hoje? Ora essa! Porque é o dia do seu aniversário. Um forte a muito amigo abraço de parabéns, querido Zé!

O papel de D. Zulmira



As minhas primeiras aquisições, na Vila Real da minha infância, foram as revistas, no Albertino dos jornais, vizinho de rua. Todas as semanas, ali ansiava pela chegada do “Cavaleiro Andante” e do “Mundo de Aventuras”. 

Ao longo da vida, as lojas de jornais, tal como as livrarias, exerceram sobre mim uma atração única. Sempre me conheci como um consumidor compulsivo de coisas em papel. Compro imensamente mais do que aquilo que consigo ler, atulho-me (o verbo é forte, mas verdadeiro) de publicações que me seguem, atrasadas na leitura, em sacos de plástico, nas viagens, sobrevivendo, por semanas, até ao dia em que discretos “autos-de-fé” familiares fazem desaparecer essas pilhas de papelada, as quais, como sou avisado quando protesto, já estariam “a criar bicho”. (Há tempos, encontrei uma pasta com recortes “para ler”: tinha artigos do “Diário de Lisboa” e do “Jornal do Fundão”, do início dos anos 70...)

Vem isto a propósito da D. Zulmira, que gere uma loja perto de minha casa e que acaba de nos anunciar que, no final deste mês, vai fechar o seu negócio: venda de jornais e revistas. Ora o papel, por muito que o não queiramos aceitar, está pela hora da morte. Eu próprio, viciado nas folhas e no cheiro da impressão, ando cada vez mais pelo “online”. Embora reconheça que uma das coisas boas e simples da vida é estacionar, com um jornal e uma bica, numa esplanada de Verão, a verdade é que até este excelente JN é por mim quase sempre lido, pela manhã, no écran do iPad em que agora dedilho este artigo.

Parte do admirável mundo velho do papel, que era o mundo da D. Zulmira, está a acabar. O bairro está cada vez mais cheio de velhos, não se vê um jovem com um jornal ou uma revista na mão e os novos vizinhos, que agora nos enchem os passeios de “bonjour” e “au revoir”, não devem ser grandes clientes. Vou sentir a falta de uma leitora dos meus artigos, porque, como acontece com alguns livreiros, a D. Zulmira era muito atenta ao que vendia. Sem surpresas, a nossa última conversa foi sobre o Trump.

As coisas são mesmo assim e a D. Zulmira - cujo nome, como um dia lhe ensinei, significa sublime e brilhante – também vai ter de se adaptar. E como não vale a pena chorar sobre o leite derramado, talvez valha então a pena, afinal, aproveitar para celebrar esta nova fase da sua vida com um bom vinho. Um destes dias, prometo! vou-lhe oferecer um magnífico verde branco, cruzamento de arinto e loureiro, que acabo de conhecer. A senhora vai gostar. O vinho chama-se Zulmira!

quinta-feira, 19 de julho de 2018

A SONAE e as empresas familiares

O grupo Sonae anunciou mudanças importantes na sua liderança. Uma filha do fundador, que há pouco desapareceu, vai agora assumir a chefia executiva. Isso acontece, curiosamente, poucos meses de depois de um outro grupo nortenho com forte presença familiar, o grupo Amorim, ter consagrado o papel proeminente da filha do seu também falecido fundador. 

Por razões de envolvimento profissional direto, tenho vindo a atentar de perto, nos últimos anos, para a especificidade das empresas de base familiar. À primeira vista, as questões que se colocam a esses grupos não serão muito diferentes das de outras grandes empresas - e também conheço alguma coisa dessa outra realidade. Mas, de facto, não é assim. Há um conjunto de dimensões muito particulares que são próprias das entidades de base familiar, em matéria de desafios de gestão, o que, aliás, justifica, desde há muito, a existência, em algumas universidades internacionais, de modelos de estudo dessa complexa realidade, que também já deu origem a variada literatura especializada. Precisamente porque cada caso é um caso, os grupos familiares somam às questões tradicionais de “governance” e de gestão a necessidade de refletir a especificidade da composição familiar nesse mesmo processo. E é muito evidente que o sucesso dos grupos depende bastante da sabedoria de muitas das decisões tomadas no quadro dos equilíbrios da família detentora do capital.

Algumas das atuais grandes empresas portuguesas têm uma base familiar. Há dias, li uma biografia de José Manuel de Melo através da qual é traçado o retrato de um grupo de base familiar que, como alguns outros, atravessou complexos tempos da nossa história contemporânea. Outros surgiram, em décadas mais recentes, e constituem hoje uma parte muito importante do tecido económico nacional, que o mesmo é dizer do emprego e da criação da riqueza.

Ao iniciar a escrita deste post, aqui nas redes sociais, dei comigo a pensar que este seria talvez o lugar mais inadequado para deixar uma nota serena sobre a realidade específica que procurei destacar. Ao mesmo tempo, achei que seria um bom teste: veremos como se comporta alguma pulsão para o radicalismo e para a demagogia, para a expressão da inveja e para o insulto fácil, para a personalização diabolizada, que a simples menção dos grandes grupos económicos, e das personalidades que os titulam, regularmente convocam.

CPLP em tempo de esperança



Ao longo dos anos, tenho vindo a alimentar um forte ceticismo sobre a eficácia do funcionamento da CPLP. Não obstante reconhecer que, em alguns setores específicos, a organização deu já alguns passos importantes traduzidos na criação de modelos de cooperação entre os seus Estados membros, devo dizer que não tenho encontrado motivos para ser muito otimista quanto à capacidade da CPLP conseguir dar um salto em frente, em especial para se projetar internacionalmente como um valor acrescentado significativo às diplomacias nacionais que a integram. Há meses, na Sociedade de Geografia de Lisboa, numa palestra que fui convidado a fazer sobre o tema, deixei um conjunto de razões que, a meu ver, continuam a entravar o desenvolvimento da CPLP, mais de duas décadas decorridas sobre a sua criação.

Por essa razão, foi-me muito grato constatar que a recente cimeira da CPLP em Cabo Verde pareceu ter dado um impulso muito interessante à organização. A forte e rara presença política nos trabalhos, a assunção da presidência rotativa por parte de uma Angola num novo tempo (com a saudável retirada da candidatura da Guiné-Equatorial, um país cujo regime continua a envergonhar a organização) e a assunção de funções do novo secretário-executivo trazem uma justificada esperança.

Francisco Ribeiro Teles (na foto), o novo secretário-executivo, nesta que é a primeira vez que Portugal ocupa esse posto, é um dos melhores diplomatas das Necessidades, tendo a riquíssima e única experiência de ter sido, sucessivamente, embaixador em Cabo Verde, em Angola e no Brasil - três postos que desempenhou com grande eficácia e brilho. É o homem certo no lugar certo e o nosso país não podia ter encontrado alguém com maior qualificação diplomática para tentar dar um novo impulso à CPLP. Assim possa contar com os meios necessários e com a disponibilidade dos Estados em cujo pleno empenhamento reside a chave para o êxito do seu trabalho.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Sporting, de novo...

Acabou o Mundial. O Ronaldo já está na Juventus. Não há muitas novidades do Jesus das Arábias. A pré-época parecia estiolar. E pronto ! Aí está de novo a novela Sporting. O ex-presidente quer voltar. O presidente da AG não o deixa candidatar-se. Não liguei a televisão, mas imagino que vamos ter “sumo” para várias noites de comentadores. Isto é tudo um pouco triste, não acham?

Aos juristas meus amigos...


... deixo uma fotografia do causídico - e seu ilustre colega - selecionado para seu defensor por alguns cavalheiros dos “Hell Angels”, um grupo de pacíficos cultores do motociclismo, a quem uma justiça precipitada ousou atribuir implausíveis motivações delituosas, as quais, estou mais do que certo, figuras como a que a imagem documenta, dotadas de um arsenal argumentativo feito de uma elegância jurídica que pede meças aos “barras” da barra, irão desconstruir e rebater, com o poder da palavra, ajudada pelo perfil de fino recorte de advogado - uma imagem que devia fazer parte das capas dos manuais da profissão ou, no mínimo, dos cartazes de publicidade da universidade que o formou.

Manoel Caetano


Só hoje dei conta de que morreu Manoel Caetano, o antigo locutor da RTP.

Desde há uns anos, Manoel Caetano, que nunca conheci pessoalmente, era meu "amigo" aqui no Facebook. Trocámos mesmo algumas mensagens, comentando a atualidade. Manoel (com "o") Caetano era meio irmão de Marcelo Caetano e creio que isso não deixou de ter (más) consequências no seu futuro na (então única) televisão, após a Revolução.

Recordo muito bem a sua voz timbrada, soletrando as palavras com ênfase e uma certa pompa, ao jeito de um estilo de locução desse tempo.

Manoel Caetano fazia parte de um Portugal que já se foi. Um dia, aqueles que hoje são populares nas nossas televisões terão o mesmo destino de Manoel Caetano e, em algum lugar, alguém notará então que o respetivo estilo passou a estar datado e completamente "démodé". É a vida...

Deixo aqui uma sincera nota de simpatia para Manoel Caetano, uma figura que faz parte do meu passado, quando telespetador tinha um "c".*


(*os detratores do Acordo Ortográfico não têm nada que agradecer-me o pretexto que aqui lhes dou para se afastarem do tema deste post, como é do seu endémico tropismo para a polémica)

"Bandido" de ideias...


Li há dias que alguns presos de delito comum brasileiros qualificavam como “bandidos de ideias” os presos políticos com que, por vezes, coexistiam em certas cadeias, nos tempos da ditadura militar. Lembrei-me desta, afinal bela, expressão ao ler “As Cartas de Prisão de Nelson Mandela”, que agora a Porto Editora decidiu publicar. Eram as ideias, e a luta pela liberdade em afirmá-las e pelo direito de as levar democraticamente à prática, que o “apartheid” sul-africano lhe negava.

Ao longo dos anos, aprendi bastante sobre Mandela, desde a sua biografia até ao muito que sobre ele se escreveu, desde os anos de prisioneiro do “apartheid” até à sua dimensão como estadista. As 751 páginas destas suas cartas, se não me trouxeram grandes surpresas, ajudaram-me contudo a recortar, de um modo muito mais fino, o perfil psicológico de um homem muito raro, simples e complexo ao mesmo tempo.

É muito difícil, para quem lê a epistolografia de que foi autor durante os seus 28 anos consecutivos de prisão, desligarmo-nos do que Mandela acabaria por ser já em liberdade, do seu generoso papel na reconciliação nacional sul-africana, da sua conduta como líder democrático de um país que conseguiu resgatar de um dos mais abjetos regimes à face da terra.

Mas esse esforço de distanciação tem de ser feito: estas cartas, salvo talvez as últimas, já marcadas por uma libertação no horizonte plausível, representam mais de duas décadas de vida de uma figura condenada à prisão perpétua, a quem só a esperança podia servir de arma de resistência perante a opressão, quase limite, a que estava sujeita. É assim forçoso que nos coloquemos na perspetiva de quem viveu o ambiente concentracionário de Robben Island e de Pollsmoor, sujeito a constantes provocações, isolado da família e dos amigos, tendo apenas alguns companheiros de luta e infortúnio a seu lado.

É esse Mandela que está nestas cartas e é sobre alguns traços notáveis que delas ressaltam que gostaria de deixar algumas impressõDesde logo, o “recorte” que ele faz da sua própria situação, como prisioneiro político, perante um poder que considera e sempre afirma como ilegítimo. Ele assume naqueles textos uma permanente e nunca vacilante atitude de firmeza, de respeito por si próprio como ser humano e dirigente político, agindo sempre sem esquecer que estava ali como representante da dignidade de um povo que lhe não perdoaria a fragilização ou um qualquer compromisso perante o essencial. Jurista, tributário de uma cultura onde há muito da tradição legal britânica, Mandela mantém um registo frio no relacionamento com as autoridades que o privam da liberdade e que regularmente o procuram humilhar, exigindo-lhes em permanência o cumprimento dos direitos que a ditadura do “apartheid” não podia deixar de apresentar como face formal da sua ordem constitucional. E é muito interessante observar que essa reivindicação se torna ainda mais determinada e rigorosa à medida que se pressente que a consistência do regime, sob pressão de sanções e do crescente coro internacional de críticas, o ia forçando a conceder aberturas e a procurar estender “pontes”. É nesse tempo que Mandela se revela como uma grande personalidade política, não mostrando “pressa” em ser libertado, usando o embaraço que para o Estado sul-africano significava a sua manutenção na cadeia como hábil um instrumento negocial.

Ainda no plano da política, estas cartas revelam-nos a ideologia nacionalista subjacente à revolta dos sul-africanos negros, inicialmente muito tributária do exemplo da Índia, do papel de Nehru e de Gandhi, mas igualmente da onda de autodeterminação que varria a África. Muito curiosas – e que devem ser contextualizadas nesse tempo pós-Bandung – são as propostas políticas em que Mandela assenta o seu programa básico, uma espécie de socialismo nacionalista, com afastamento do marxismo caricatural, de onde já estão ausentes quaisquer pulsões autoritárias. Essa era também a forma que Mandela encontrava para negar a sua dependência do comunismo, com cujos seguidores não rejeita alianças, mas de cuja direção política se não considera refém. A política, em termos de projeto, era, para Mandela, um modelo de contraponto ao mundo do “apartheid” e isso significava a liberdade e o respeito por todas as ideologias que coubessem num processo democrático. A prática de Mandela viria a revelar-se consentânea com a teoria.

Mandela é profundamente africano. O respeito pela herança cultural dos antepassados, o orgulho pela história do seu povo, a veneração pelos “mais velhos” e a sua reverência às estruturas hierárquicas tradicionais, o seu quase obsessivo tratamento dos rituais em torno da morte, o sentido profundo de comunidade e o sublinhar da importância dos laços de família, estão permanentemente presentes nas suas cartas. Delas transparece um equilíbrio entre a tradição e a modernidade, como se o próprio Mandela considerasse ser uma espécie de fator de ligação entre um passado de luta contra o colonialismo e o presente de então em que era preciso levar à prática uma derradeira luta de libertação contra uma opressão de novo tipo. Porém, Mandela relativiza sempre o seu papel, dilui-se constantemente no grupo e até, a espaços, se autocritica por ter de se ocupar demasiado de si próprio.

Uma última palavra para os sentimentos. Alguém, melhor do que eu, poderá fazer uma exegese mais elaborada sobre a evolução das suas cartas para Winnie, desde tempos apaixonados em que a escrita é quase que apenas limitada pelo pudor, até a uma subtil transformação numa “fraternidade” justificada pela partilha progressiva do destino na luta política. Mas Mandela é de um carinho sem limites para os filhos e para os amigos, com uma atenção angustiada aos seus problemas, limitada apenas pela impotência da sua própria situação. O permanente conselho para o investimento na educação, como fator libertador, mas também na responsabilidade dentro do quadro das relações familiares, mostram uma figura humana muito fora do comum, num mundo político onde, frequentemente, as personalidades de topo são absorvidas pela luta. Ironicamente, talvez a prisão, o isolamento, porque não a saudade, tenham afinal contribuído para a construção desta fantástica figura da História universal. E talvez estas cartas, lidas agora, nos ajudem a perceber melhor a razão por que a todos nos parece natural devermos uma homenagem permanente a Nelson Mandela.

Uma dúvida


Não sou um tudólogo, não sei falar de tudo, longe disso! Nos jornais onde escrevo, regular ou ocasionalmente, pronuncio-me apenas sobre aquilo de que julgo saber alguma coisa e que acho que pode interessar a quem me lê, mas nunca afirmo que é sobre aquilo que sei - isso só os outros poderão avaliar. Aqui, pelas redes sociais, que é um terreno lúdico de “irresponsabilidade ilimitada”, permito-me muitas vezes ir um pouco mais longe e dar a minha opinião, ou emitir impressões, sobre temas do quotidiano que não fazem parte das áreas de conhecimento em que posso ter alguma autoridade. Não levo estes espaços de espontaneísmo de escrita demasiado a sério...

Este “disclaimer” vem a propósito da perplexidade que nunca consegui resolver e para a qual ninguém me forneceu jamais uma resposta satisfatória: por que razão, pelo menos aos olhos do cidadão comum, os currículos do ensino estão sempre a mudar? Desde há décadas que, ciclicamente, os governos que chegam se permitem a liberdade de mudar esses modelos pedagógicos, de alterar aquilo que é ensinado, criando uma permanente instabilidade no setor. É mesmo necessária esta agitação? Não seria possível “parar” por algum tempo? Há razões de fundo que justifiquem esta espécie de experimentalismo recorrente, que afeta, seguramente, alunos e professores? 

Como não sei, pergunto.

terça-feira, 17 de julho de 2018

João Semedo


Há quatro anos, João Semedo, à época co-lider do Bloco de Esquerda com Catarina Martins, sondou a minha disponibilidade para estar presente na "universidade de verão" do seu partido, para falar sobre a situação na Europa. 

Declinei esse amável convite, por duas razões: não estaria em Portugal nessa altura e, mesmo que estivesse, mantinha com o BE, desde a votação do PEC IV, em 2011, uma divergência política insanável, que inviabilizaria a minha presença, como na ocasião lhe expliquei. 

Na nossa troca de mensagens, confirmei a grande dignidade de João Semedo e o seu modo urbano e sereno de estar na política. Voltámos a encontrar-nos, meses mais tarde, no almoço dos 90 anos de Mário Soares.

João Semedo teve entretanto um grave problema de saúde, que o obrigou a afastar-se da liderança do Bloco. Agora, a doença fez o seu caminho.

Quero deixar aqui uma nota de pesar pela desaparição de João Semedo, uma figura que me merece um grande respeito, com um passado feito de fortes convicções.

A finlandização de Trump



”Better than super”, segundo o “New Yorker”, terá sido a expressão utilizada por Sergey Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros russo a uma agência noticiosa daquele país, para qualificar o modo como correu, na perspetiva da Rússia, a cimeira entre Putin e Trump. 

De facto, melhor era impossível. Foi como se o “script” daquela inacreditável conferência de imprensa tivesse sido escrito em Moscovo. O modo como mesmo os meios mais conservadores da América estão a reagir é a prova de que algo descarrilou.

Trump parece ter sido vítima de uma espécie de “finlandização”, essa “neutralidade colaborante” que continua a ser um ferrete histórico na memória do país que acolheu o encontro dos dois líderes. Ao colocar a credibilidade das instituições do país que governa ao nível das garantias de um país estrangeiro contra o qual partilha sanções e cujas ações no plano internacional oficialmente condena, o presidente americano, como se dizia há pouco num outro site americano, ou é um inocente útil ou um instrumento consciente a favor da Rússia ou ambas as coisas ao mesmo tempo.

Tempos curiosos, estes. E perigosos, claro. 

segunda-feira, 16 de julho de 2018

A ilusão dos poetas

Na quinta-feira passada, no jardim de uma embaixada em Lisboa, onde o pretexto da reunião era a homenagem a um político poeta - ou vice-versa -, eu referi a “Balada da Neve”, do Augusto Gil, já nem sei bem a que propósito. 

Nesse instante, passou por nós aquele que é, indubitavelmente, um dos maiores poetas portugueses contemporâneos, Nuno Júdice, a quem eu comentei: “Estou a falar de um ‘colega’ teu, o Augusto Gil!”

Para minha surpresa, o Nuno retorquiu: “Bem me enganou, esse Augusto Gil!” Não tendo sido contemporâneos (o Nuno nasceu precisamente vinte anos após a morte de Gil), ficámos à espera da explicação. 

E ela veio: “Eu nasci no Algarve, onde não nevava. Pela “Balada da Neve” aprendi que a neve “bate leve, levemente”, fazendo barulho. Até que um dia, já adulto, assisti à neve a cair e, como toda a gente, constatei que não há nada de mais silencioso do que um nevão”.

Afinal, os poetas também se enganam uns aos outros...

À dúzia é mais barato...


  • Estou a ficar velho: depois de um belo fim de semana com amigos, comidas, copos e muita conversa, sinto-me cansado e a ansiar por férias com amigos, comidas, copos e muita conversa.
  • Estou a ficar velho: dez anos depois de o ter iniciado, ainda teimo em escrever todos os dias este meu blogue.
  • Estou a ficar velho: cada vez recuso mais convites para ir falar às televisões.
  • Estou a ficar velho: sinto-me cada vez mais Sportinguista - quer ganhe, perca, empate ou desça de divisão.
  • Estou a ficar velho: deixei definitivamente de ir a restaurantes em que não fazem reservas.
  • Estou a ficar velho: gosto de me sentar a ler um jornal em papel numa esplanada, com uma cerveja e tremoços.
  • Estou a ficar velho: gosto de ver mulheres bonitas nas imagens televisivas dos estádios de futebol.
  • Estou a ficar velho: gosto imenso de ver as cegonhas nos postes da REN.
  • Estou a ficar velho: um hotel onde demoram mais de cinco minutos para fazer o “check-in” passa a “no-go area” na minha lista de afinidades eletivas.
  • Estou a ficar velho: um restaurante em que fiz reserva e em que a minha mesa demora a estar preparada mais de cinco minutos (vá lá!, sete, se me apetece muito lá comer) desce rapidamente na minha lista íntima de preferências.
  • Estou a ficar velho: dei uma volta de carro a um quarteirão só para não perder a oportunidade de fotografar um jacarandá.
  • Estou a ficar velho: já não tenho muita pachorra para conduzir por horas mas tenho imenso prazer em ir ao lado a ler jornais & net, mandar bitaites sobre a condução alheia e ser “managing director” (1) da temperatura do carro, (2) da seleção da música e (3) dos lugares onde se deve parar.

domingo, 15 de julho de 2018

O sabor da vitória

Não sou francês: mas hoje deve ser muito agradável ser cidadão de um país que, sendo vitorioso à escala do mundo, tem contra si a inveja de boa parte desse mesmo mundo.

Croácia (2)


Aqui fica mais uma memória da Croácia, a horas da final do Mundial com a França.

A Croácia declarou a sua independência em Junho de 1991, no quadro de um complexo processo que levou à divisão da antiga Jugoslávia. Terríveis atos de guerra e tensões étnicas abalaram então a região balcânica, onde hoje, para além da Croácia, figuram, com estatuto de Estados independentes, a Eslovénia, a Bósnia-Herzegovina, a (antiga República jugoslava da) Macedónia, a Sérvia, Montenegro e o Kosovo.

Deve dizer-se que o objetivo croata estava longe de fazer a unanimidade europeia. O regime político do Estado dirigido por Franjo Tudjman era alvo de fortes críticas em matéria de respeito pelos direitos humanos e pelas regras da Convenção de Genève, durante a guerra inter-jugoslava. Além disso, na memória histórica coletiva, subsistia, em muitos países europeus, um forte ressentimento contra os croatas, por virtude da ligação que o "Estado livre" dirigido pelos "oustachis" pró-nazis de Ante Pavelic havia tido com Hitler, durante a segunda guerra mundial. 

A Alemanha, em especial o seu MNE Hans-Dietrich Genscher, foi manifestamente o país mais aberto ao reconhecimento da independência croata por parte das instituições europeias, que só viria a ter lugar em 15 de janeiro de 1992 - precisamente num período em que Portugal detinha a presidência da União Europeia. Recordo a minha quase solidão, como diplomata que representava a presidência das Comunidades Europeias (só em fevereiro desse ano seria assinado o tratado de Maastricht, que criou a "União Europeia"), no cocktail oferecido pelos croatas em Londres, ao final desse dia. A independência da Croácia, se bem que aceite, estava longe de ser saudada com entusiasmo pela generalidade dos países europeus.

A exemplo do que, com frequência, acontece com Estados em busca de reconhecimento, os croatas haviam desenvolvido, a partir de 1991, um pouco por todo o mundo, uma diplomacia pública de convicção, tentando fazer perceber as razões que justificavam a sua autonomização como entidade independente, sucessora do anterior Estado federado existente dentro da Jugoslávia. 

Nesse sentido, a nossa embaixada em Londres havia sido visitada, com alguma regularidade, por um médico croata, com nacionalidade inglesa, que informalmente representava os interesses de Zagreb em Londres. Chamava-se Drago Stambuk, era um poeta com vasta obra publicada e aparecia como regular portador, não apenas da argumentação das suas autoridades em favor do processo de independência, mas igualmente de razões contra as acusações de que o seu regime era alvo (e que infelizmente vieram a ser comprovadas) sobre as derivas autoritárias do governo Tudjman, nomeadamente o terrível tratamento dado aos sérvios residentes na zona croata da Krajina. 

Sem nunca lhe esconder as dúvidas que na Europa comunitária se alimentavam sobre os métodos do regime de Franjo Tudjman (e que, a título pessoal, partilhava em pleno), mantive sempre com Drago Stambuck uma excelente relação pessoal, que se transformou mesmo em amizade.

Um dia, após o anúncio reconhecimento da independência do seu país pelo Reino Unido, Drago Stambuk telefonou-me: tinha sido encarregado de abrir a embaixada croata em Londres. Não podia ser embaixador, porque tinha nacionalidade britânica, mas teria a responsabilidade prática de preparar toda a estrutura de representação croata em Londres. Como não sabia como proceder, "por onde começar", pediu a minha ajuda. Recordo longas conversas, em minha casa e em "pubs", durante as quais "desenhámos" a estrutura da primeira embaixada croata do Reino Unido. Nesses contactos, dei-lhe conta das formas de proceder face às autoridades locais, de "quem era quem" no Foreign Office, do modo de feitura das "notas verbais" e da preparação de outra documentação que faz parte da liturgia diplomática bilateral. Creio mesmo ter-lhe oferecido um exemplar da "bíblia" anglo-saxónica da profissão diplomática, o "Satow's guide to diplomatic practice". Guardei sempre na memória essa minha contribuição para a montagem da primeira embaixada croata em Londres.

Folguedo de Cima


Vista parcial do panorama que se observa do solar junto do celebrado miradouro de Folguedo de Cima, nos arredores da aldeia de Mangalhona, histórica localidade (vulgarmente conhecida por outra designação) da zona raiana. Ao longe, o país vizinho. 

sábado, 14 de julho de 2018

Croácia


A Croácia disputa amanhã com a França a final do Mundial de futebol. Nos últimos dias tenho observado que muitos dos apoiantes da França acabam por sê-lo apenas como forma de se oporem politicamente à Croácia. A sua história durante a Segunda Guerra mundial, bem como o comportamento do novo país durante o conflito jugoslavo, criaram fortes anti-corpos à Croácia em vários setores “com memória”. E o futebol não escapa a estas polarizações.

Vou recordar uma historieta, que talvez venha a propósito.

O escritor Álvaro Guerra foi um dos escassos embaixadores oriundos do mundo fora da carreira diplomática por quem o Ministério dos Negócios Estrangeiros sempre manifestou genuíno respeito. A história que hoje relato passou-se em 1996, ao tempo em que ele era nosso representante junto do Conselho da Europa (CdE).

Numa tarde em Estrasburgo, senti o Álvaro um pouco embaraçado, durante a conversa que comigo teve, no caminho entre o aeroporto e hotel. Eu representaria Portugal, no dia seguinte, no Comité de Ministros do CdE, nesse que era o meu primeiro ano no governo. Notei que estava mais lacónico do que era costume e, uma hora depois, ao deixar-me à porta da residência do secretário-geral da organização, onde os membros dos governos tinham um ritual jantar, surpreendeu-me com a frase: "Logo à noite, espero-o no hotel. Precisava de falar consigo".

Fiquei intrigado. Eu tinha uma excelente relação pessoal com Álvaro Guerra, uma figura da intelectualidade portuguesa que conheci logo após o 25 de abril, cujo humor e simpatia, depois complementados pela vivacidade inteligente da Helena, sua mulher, transformavam as minhas idas a Estrasburgo em belos momentos de amena cavaqueira, onde a política portuguesa era sempre percorrida com apurada ironia. E grande cumplicidade. Que quereria o Álvaro? Um novo posto? Ele estava há pouco tempo no CdE, pelo que talvez me quisesse sensibilizar para algum problema de pessoal. Logo se veria.

Os jantares em casa do secretário-geral do CdE, que tinham lugar todos os seis meses, eram sempre precedidos de uma conversa "au coin du feu", com um convidado. Nessa noite, entrei na sala lado o lado com o ministro croata dos Negócios Estrangeiros, Mate Granic, e, por um acaso, sentámo-nos um em frente ao outro, nos dois melhores sofás individuais da sala.

(Nos cinco anos seguintes, eu e Granic, quase sem exceção, duas vezes por ano, tornar-nos-íamos "proprietários" desse lugares, que passaram a ser "cativos", na invariável coreografia com que o SG Daniel Tarschys e, mais tarde, Walter Schwimmer dispunham a sala. Caprichávamos em não perder esses "nossos" sofás, cujo conforto nos permitia resistir melhor às "secas" que alguns convidados nos pregavam. E gozávamos com isso.)

Eu conhecera Granic, meses antes, em Zagreb. No quadro de um discreto (diria mesmo, secreto) périplo que havia feito à volta da Europa, acordara com ele uma troca de apoios: a Croácia votaria favoravelmente a nossa candidatura a membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas e nós dar-lhe-íamos o nosso voto para a sua pretensão de entrar para o CdE.

Diga-se que esta última candidatura estava longe de ser consensual: o regime croata mantinha ainda falhas no tocante à observância de alguns princípios da ordem jurídica protegida pelo CdE e, por essa razão, alguns Estados membros mantinham reservas quanto a esta adesão. Por "realpolitik" e particular interesse nacional, mas igualmente pelo facto de considerarmos que uma integração da Croácia no CdE era a melhor forma de promover a observância de tais obrigações, o governo português havia optado por dar o seu apoio à pretensão croata, contrariando abertamente a posição que era defendida pela missão portuguesa em Estrasburgo, chefiada por Álvaro Guerra. No dia seguinte a esse jantar, a anteceder a reunião do Comité de Ministros, teria lugar a "foto de família", com os membros do governo e os embaixadores, que consagraria a entrada da Croácia na organização.

Regressei ao hotel e, no "hall", estava já o Álvaro Guerra. Sentámo-nos para uma bebida no bar e ele revelou-me a razão pela qual queria falar comigo: vinha pedir-me o favor de o dispensar de estar presente na cerimónia do dia seguinte. Álvaro Guerra fora embaixador em Belgrado e, tal como a esmagadora maioria dos colegas portugueses que haviam tido a experiência de servir na capital jugoslava (hoje da Sérvia), Belgrado, Álvaro "went native" e assumia uma posição fortemente pró-sérvia, com muito escassa simpatia (e isto é um "understatement"...) pela Croácia.

Era uma posição política, talvez pouco diplomática, mas as questões limites de consciência são respeitáveis, desde que assumidas de modo correto e não conflitual com os interesses do país. Não vi, assim, nenhum inconveniente em isentá-lo do exercício, que constatei que lhe seria muito penoso. No dia seguinte, ele assistiu, de longe, à fotografia comemorativa da adesão da Croácia, que há dias descobri na minha papelada (com muito menos cabelos brancos, diga-se).

Logo de seguida, sentámo-nos na sala do Conselho de Ministros e o Álvaro perguntou-me: "Quem foi a "alma danada" que, em Lisboa, teve a infeliz ideia de decidir o nosso voto em favor da Croácia?". Com um sorriso irónico, esclareci-o que fora precisamente eu o autor do "deal" com Granic, feito em segredo em Zagreb, escassos meses antes. Álvaro Guerra estava estarrecido! "Você?!". Expliquei-lhe a negociação e a racionalidade subjacente à decisão tomada, mas tenho a certeza que não o convenci. O Álvaro não se zangou comigo, como também o não fazia quando eu combatia, com ardor e ironia, a sua "aficción" tauromáquica.

O Álvaro morreu em 2002. Se fosse vivo, tenho a certeza de que amanhã estaria a gritar: “Allez les bleus!”.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Ai Brasil !


Há dias, em escassas horas, o Brasil assistiu – e eu, que estava por lá, também - a um debate extremado de natureza político-jurídica, envolvendo, uma vez mais, Lula da Silva. Um juiz de turno, numa instância que, horas depois, viria a ser declarada incompetente para tal, tomou a polémica decisão de mandar soltar o antigo presidente. No emaranhado quase incompreensível que hoje constitui o processo judicial brasileiro, sucederam-se ordens e contra-ordens. As televisões encheram-se de especialistas (como por cá também houve, ao que me disseram, sobre caves tailandesas). Os atores políticos, chamados a pronunciar-se, reagiram da forma expectável, algumas vezes com a ambiguidade de um discurso tático, atentas as eleições que se aproximam. E, sem surpresa, Lula continuou na prisão, onde, aliás, rapidamente teria regressado, se acaso tivesse sido solto.

Os amigos de Lula, que entendem que a sua condenação e posterior prisão não passaram de uma orquestrada fraude judicial com objetivos políticos, exultaram, entretanto, com a possibilidade momentaneamente aberta pelo complacente juiz. Os seus detratores, ao invés, crismaram o agente da justiça de todo arsenal de epítetos injuriosos e, naturalmente, rejubilaram com o desfecho frustrado do episódio. 

Nada disto parece hoje estranho, num Brasil que vive um tenso ano político, com eleições no segundo semestre, com um presidente completamente desacreditado, um governo errático que parece seguir um “script” desligado do mundo real, com as mãos atadas por um Congresso (Senado e Câmara de deputados) onde se “costuram alianças” e se fazem “articulações” que espelham já todas as ambições dos proto-candidatos. O sistema político mostra-se incapaz de uma auto-regeneração, vivendo sob uma patente desconfiança dos cidadãos, que olham com desprezo a continuação dos jogos de distribuição de lugares e verbas orçamentais, imagem de marca da velha e relha política. A máquina judicial, onde, desde há uns anos, passaram a repousar (e ainda repousam) muitas esperanças, surge cada vez mais acusada de instrumentalização, ao serviço das agendas políticas. E nela, cada cidadão brasileiro já elegeu os “bons” e os “maus”.

Neste maniqueismo obsessivo, o Brasil de hoje pensa com o coração e o “nós ou eles” converteu-se na regra de um jogo muito perigoso. Sabe-se como um contexto instalado de desencanto pode ser pasto fácil para populismos. Por mim, não gostaria de ver o Brasil regressar à América Latina, se bem me faço entender.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Ramona e outros azares


Na minha infância, recordo-me de ouvir a minha mãe dizer que uma música chamada “Ramona” dava má sorte. Quando os acordes dessa melodia surgiam na rádio (na minha terra não usamos a palavra telefonia e outros vocábulos análogos, que fazem parte do léxico das lisboetices), havia uma corrida imediata a mudar de estação. 

Eu era muito miúdo e impressionava-me que pudesse haver coisas dessa natureza, ou melhor, coisas que ultrapassassem a natureza que tinha à minha frente, que foi sempre o alfa e o ómega da minha maneira de olhar o mundo. Vivi a acreditar no que vejo. E sempre e só nisso.

Nessa eterna e simples perspetiva, sempre vi as sextas-feiras 13, como vai ser o dia de amanhã, como uma crendice com folclórica graça, mas só isso. Não acredito no azar e na má sorte, talvez porque, na vida, sempre tive sorte da boa - ou, quando isso não aconteceu, assobiei para o lado, fiz de conta e passei à frente. 

Não passo por baixo de escadas apenas com medo de que me caia algo na cabeça, não gosto de gatos pretos porque não gosto de gatos em geral, abro sem receio guarda-chuvas dentro de casa para testar o estado das varetas e só não deixo tesouras abertas em cima da cama para não correr o risco de me cortar. Sou totalmente imune a toda e qualquer crença, a coisas ditas “sobrenaturais”, a signos e, repito, a tudo aquilo que esteja para além do que o meu olhar alcança. Eu faço parte de quantos não têm a menor curiosidade em saber o que está para além da curva...

Vem isto a propósito da “Ramona” e de amanhã ser sexta-feira 13. Ontem, numa estrada do Brasil, perto de Congonhas do Campo, vi uma placa com o nome de uma localidade chamada Ramona. Contei então para a pessoa que ia ao meu lado a atitude da minha mãe perante a canção mas, curiosamente, não senti vontade de ir ao YouTube para ouvir a malfadada melodia. Seria por respeito à crença da minha mãe ou porque começo a enfraquecer as minhas defesas face ao desconhecido? Fiquei na dúvida.

Ainda a propósito de “azares”, recordo-me de ter um dia falado, no Brasil, numa conversa de amigos, de um episódio ocorrido no dia da implantação da nossa República, em 5 de outubro de 1910. Estava então de visita a Portugal o presidente eleito do Brasil, que tomaria posse no primeiro dia do ano seguinte. Inopinadamente, ele foi apanhado no meio dos combates. Teve de haver uma parlamentação entre os contendores por forma permitir a saída do dignitário (aproveito para pedir que não escrevam “dignatário”, como se vê muito por aí) estrangeiro, que nada tinha a ver com a nossa peleja interna. 

Porém, quando, no meio dessa conversa, tentei lembrar-me do nome do homem, um dos amigos pediu-me que o não fizesse: é que, aparentemente, referir esse nome, no Brasil, dá azar! 

Fiz-lhe a vontade, mas só então. Amanhã, sexta-feira 13, dia em que por qualquer razão me apetecia estar em Vilar de Perdizes, já posso dizer, para desafiar o azar, que esse político se chamava Hermes da Fonseca (na imagem).

E pronto: aqui fica a minha história para o dia oficial do azar, data em que, por acaso, vou ter a dita de viajar para casa de uns amigos, num local tão aprazível que o crismei do lugar de Nossa Senhora do Folguedo de Cima. É que ainda há dias de sorte e o meu vai ser nesta sexta-feira 13.