domingo, julho 31, 2022

É a vida!

 


Nas últimas horas do mês que ora termina, surgiu, com insistência, nas redes sociais, uma citação sazonal de Quim Barreiros. Somos um país com memória: há datas que se não devem esquecer.

Ai Tito!

Estalou um conflito entre a Sérvia e o Kosovo. Não faço a menor ideia de quem agravou a situação, que se sabe historicamente tensa. De uma coisa tenho absoluta certeza: da forma como a opinião pública se ”balcanizará”. Vive-se o “pavlovianismo” na política.

Maisons

- Isto é um escândalo! O meu bairro está cada vez mais cheio de franceses. Compram tudo! As casas velhas estão todas em obras! Um dia, cansam-se de Lisboa e então vai ser o bom e o bonito! 

- Tens razão! E tu achas que levam as casas com eles?

Justiça

Por princípio, desconfio da justiça exemplar, pela sua frequente instrumentalização. Contudo, acho que a comunicação social deveria continuar a dar todo o relevo ao desfecho do caso da agressão verbal racista e xenófoba na Costa da Caparica. A consciência cívica adquire-se assim.

Adeus, Pereira?


Soltróia é um grande e agradável “bairro” de praia entre Tróia e a Comporta. Não tem o caráter compacto da primeira, nem o glamour “lux” da segunda. Uma certa Lisboa, às vezes com menos pachorra para os Algarves e desejosa de ter areia e mar, sem multidões, à mão de semear, num cenário com bastante qualidade, serenidade q.b. e, garantidamente, sem os alardes “do social”, tem vindo a fazer de Soltróia o seu discreto poiso, desde há décadas (no meu caso, há quase uma década). Soltróia tem uma praia mais ”produzida”, com algum “apoio”, e uma outra um pouco mais selvagem (a minha, claro), mas onde se pode deixar os guarda-sóis e as cadeiras durante a noite, sem qualquer guarda (É verdade! Isto ainda existe!). Para além do mini-mercado e café do senhor Ursino, com a clássica fila para os jornais, e de um restaurante-bar sazonal que se pretende um pouco mais “in”, mas que tem tido altos-e-baixos, o “bairro”, até agora, só tinha, no setor comercial, uma outra unidade, o Pereira. 

O Pereira era dois-em-um: um restaurante que sempre foi um pouco abaixo de assim-assim e uma cafetaria-bar, com uma esplanada “de segunda” (para utilizar uma expressão que era cara ao meu pai), mas que sempre dava para beber uma cervejola e pôr a conversa de praia em dia. O próprio senhor Pereira foi, por muitos e bons tempos, além do mais, uma espécie de agente imobiliário formal ou informal de Soltróia.

Constatei, há horas, algo de que já me tinha chegado um rumor: o Pereira fechou. Sente-se o seu vazio em Soltróia. A culpa é só nossa: habituamo-nos às coisas e não respeitamos a liberdade que elas também têm de poder desaparecer.

sexta-feira, julho 29, 2022

Chamamento


Chama-se (a própria expressão “chama-se” é, em si mesma, sugestiva) a isto amor ao trabalho.

O Brasil é membro dos Brics ou dos bricks?

 


Vam’láver: cada um arruma os tijolos como quer, não é?

Isto não vai estar fácil!

 


Abrunhosa e Olena

O autor e cantor Pedro Abrunhosa, perante uma questão que todos sabemos que fratura a emoção nacional, como é o caso da invasão russa da Ucrânia, disse algumas coisas fortes sobre Vladimir Putin. 

Era só o que faltava que o não pudesse fazer! Vivemos num país livre onde Abrunhosa, estou certo, interpretou o sentimento de uma grande maioria de pessoas, muitas das quais, porventura, talvez não tivessem usado as palavras que Abrunhosa usou, mas as sentiram como merecidas. Repito, Abrunhosa esteve no seu pleno direito de fazer o que fez. 

A embaixada russa, numa reação de virgem ofendida, a cheirar a tentativa de censura, a lembrar outros tempos deles e também nossos, veio ameaçar Abrunhosa com um processo. Nada mais ridículo! O nosso MNE respondeu-lhe à letra. 

Entretanto, Zelensky e a mulher decidiram fazer umas fotografias para a Vogue. Cada um é livre de ler esse gesto da maneira que lhe apetecer e quiser. Continuamos em Portugal, continuamos num país livre. Um país onde Abrunhosa tem o direito de dizer de Putin o que Maomé não diz do toucinho (como o faz imensa gente, na comunicação social e não só) e onde, da mesma forma, quem quiser pode achar o que muito bem lhe apetecer sobre Zelensky, elogiá-lo ou vilipendiá-lo, além de igualmente ter o direito de achar insensata a exposição que o casal fez na revista. Ou entender exatamente o contrário: considerar que essa atitude foi a atitude certa, para a defesa e visibilidade da sua causa, com elegância e beleza fotográfica. 

A mim, confesso, o que mais me custa, porque revelar bem que, no fundo, somos um país pouco livre e bastante seguidista, é não assistir a defensores da causa ucraniana a considerarem que Abrunhosa foi longe demais, ao dizer o que disse de Putin, lamentando, de igual modo, não ver críticos ferozes da liderança de Kiev, quiçá mesmo simpatizantes da causa russa, a terem a independência de espírito para virem a público defender Olena e o marido, na sua legítima opção de serem fotografados pela lente mágica da Leibovitz. 

Infelizmente, o que por aí vimos foi apenas o óbvio: os pró-russos escandalizados com o palavrão de Abrunhosa sobre o ditador russo e os pró-ucranianos a defenderem a opção fotográfica do casal presidencial de Kiev Ora bolas! Isto assim não tem a menor graça.

quinta-feira, julho 28, 2022

António Vaz Pereira (1929-2022)

Ó homem! Eu não sei nem quero saber se a decisão foi sua ou de quem manda em si! A única coisa que eu sei é que isso é uma estupidez, pelo que, enquanto eu aqui for embaixador, não vou cumprir essa instrução”.

António Vaz Pereira dizia isto ao telefone, para Lisboa, para um colaborador de uma elevadíssima personalidade da nossa República. Minutos antes, eu, que era o seu Ministro Conselheiro, o seu “número dois”, na nossa embaixada em Londres, tinha entrado no seu gabinete, mostrando-lhe uma instrução, acabada de receber, para que embaixada fizesse, junto das autoridades britânicas, uma determinada diligência. Eu entendia que aquela determinação era completamente insensata e Vaz Pereira, que logo concordou comigo, tirou-se dos seus cuidados e desancou, pelo telefone, quem tinha de desancar.

Ouvi aquilo deliciado, sentado numa das largas cadeiras de braços, forradas a palhinha, que o embaixador mantinha em frente à sua imensa secretária, no nº 11 de Belgrave Square. Aprendi, naquele instante, de que ter razão e saber afirmá-la com coragem era algo que caraterizava uma atitude de uma chefia confiante.

Ter-me-ei cruzado com o embaixador Vaz Pereira, pela primeira vez, na Noruega, em 1980, numa visita de Estado, quando Ramalho Eanes era presidente. Apenas recordo termos falado sobre a nossa comum ligação a Viana do Castelo, onde ainda então vivia a sua mãe. 

À época, Vaz Pereira era diretor-geral dos Negócios Políticos nas Necessidades. Tinha iniciado a sua carreira no Rio de Janeiro (então capital), passando depois, uma primeira vez, por Londres. Em seguida, foi cônsul-geral em Joanesburgo. Estreou-se como embaixador em Copenhague, seguindo-se Maputo e a delegação junto da NATO. Terminou a carreira na chefia da embaixada em Londres, de 1989 a 1994.

Quando eu ali fui colocado, em 1990, como o seu colaborador mais próximo, interroguei-me intimamente sobre como iria ser a minha relação com ele. Sabia-o um homem bastante conservador, com toques de algum snobismo, um pouco distante, por detrás de um fácies com um esgar sorridente que, vim a perceber, não significava necessariamente satisfação. Tal como acontece com algumas equipas de futebol, no primeiro quarto de hora de jogo, o nosso mês inicial de convívio profissional foi de observação mútua. Mas tudo iria correr às mil maravilhas, daí para a frente, durante quatro anos.

Vaz Pereira era intolerante perante a mediocridade, impaciente em face da estupidez, incapaz de aturar chatos, desprezando, não o escondendo, atitudes “poseur” e de pompa saloia. Como tinha um forte sentido do interesse nacional, caldeado por muitos anos de um capaz exercício da profissão, não se impressionava com o falso “barulho das luzes” das “rising stars” da política, gargalhando e ridicularizando os seus pavoneamentos. Era um homem com sentido da História, culto, vivido, com gosto. Desenhava muito bem, tendo estado ligado, na juventude, ao movimento estético “Távola Redonda”.

O grande hóbi de António Vaz Pereira era a cozinha. Neste domínio, era impiedoso na crítica, na desconstrução dos erros, no sublinhar das coisas que tinha por essenciais. Nos últimos anos, coincidimos como membros dos restritos “trinta”, no seio da Academia Portuguesa de Gastronomia. Ficou por publicar o seu “livro de receitas”, onde estaria a genuína “culinária” portuguesa, ideia que o animou desde sempre. Na última conversa telefónica que tivemos, há meses, disse-lhe do interesse que a nossa Academia seguramente teria em ajudar a essa publicação, que espero sinceramente que alguém promova.

Teria muitas e divertidas histórias a contar do meu convívio com António Vaz Pereira. Um homem que recordarei pela sua inteligência, pelo seu humor, pela sua frontalidade, pela sua sabedoria. Tenho imensa pena em ver desaparecer uma pessoa que admirei, com quem muito aprendi e de quem fiquei amigo. Neste momento de tristeza, quero deixar um abraço de grande solidariedade a Teresa Gouveia, a maior e mais fiel amiga de António Vaz Pereira.

“A Arte da Guerra”


Esta semana, no podcast do “Jornal Económico”, converso com o jornalista António Freitas de Sousa sobre a situação na Ucrânia, a nova ditadura em que Tunísia parece estar prestes a entrar e as ambições de Trump na política americana. Pode ver aqui: https://youtu.be/koDYvHksxEc

Ásia-Pacifico

 


Dia 28 de julho, 9.00 horas

quarta-feira, julho 27, 2022

Kiev News


O casal Zelensky posou para a Vogue. A maioria não avaliará o exercício fotográfico na lógica sensatez/insensatez do gesto, mas apenas na opção simpatia/antipatia face à causa de Kiev. Por mim, sem ir por aí, apenas aprecio a beleza triste da senhora Zelensky. Será que posso?

A suspeita


Era uma figura que recordo pequena, sempre tensa, que levava tão a sério a sua função de responsável pela segurança da personalidade política a quem servia que, não raramente, ultrapassava, no exercício dessa atividade, os limiares do ridículo. Como se sentia ungido de uma autoridade delegada, tornava-se, por vezes, prepotente e desagradável.

Uma noite, em Londres, tive com ele uma troca de palavras, ao telefone, que o levou a queixar-se, superiormente, daquilo que considerou ser a minha impertinência, e que mais não era do que uma ironia que eu não tinha podido evitar perante mais um dos seus manifestos excessos. No dia seguinte, diverti-me imenso com a sua fúria, ao não ver aceite as suas credenciais oficiais, sendo revistado, da cabeça aos pés, pelos seus homólogos da segurança britânica, à entrada para a sala VIP do aeroporto de Heathrow. Cuidei em que lhe não escapasse o meu imenso sorriso de gozo.

Vários diplomatas guardam histórias dos excessos de zelo da personagem. A mais deliciosa, porventura, terá tido lugar em Bruxelas, numa das salas que cabiam a Portugal, na sede antiga do Conselho de Ministros da União Europeia.

A personalidade política estava de costas para uma janela, num intervalo de um Conselho Europeu. De súbito, uma pomba veio colar-se, pelo exterior, ao parapeito da janela, a centímetros do dignitário. 

Do outro lado da sala, o olhar prescrutador, vigilante, do guardião-mor da segurança física da personalidade, fixou a pomba, através do vidro. A certo ponto, a ave abalou dali. Porém, minutos depois, regressou e, ao fazê-lo, bateu ligeiramente com a asa no vidro, o que se notou do interior. 

O nosso homem, em voz baixa, perguntou então ao embaixador português: “Aquela pomba costuma estar por ali?” Não faço ideia da resposta que o zeloso servidor levou, ou talvez tenha levado apenas com uma merecida gargalhada na cara grave que sempre afivelava .

terça-feira, julho 26, 2022

A guerra da Rússia

Os russos voltaram a atacar Odessa. Há dois dias, na CNN, disse que esse cenário era possível. No acordo de Istambul sobre os cereais, a Rússia comprometeu-se a não criar obstáculos à saída destes, mas não assumiu qualquer auto-limitação quanto a não continuar a atingir alvos militares.

Brasil


No Brasil, entrou-se já numa longa reta final para as presidenciais de outubro. Veremos, nos próximos dias, se o recente lançamento, com estrondo, da recandidatura de Jair Bolsonaro, fará reduzir o seu “gap” nas sondagens face a Lula da Silva, o qual, até agora, se mantem elevado, embora longe, pelo menos por ora, de poder prenunciar uma vitória do candidato “petista” à primeira volta. O presidente cessante, que se entregou nos braços de um “centrão” partidário, a quem encheu de benesses financeiras em troca de apoio político, à revelia de tudo quanto tinha anunciado na sua anterior candidatura, entrou num frenesim público que está a ser lido por muitos como uma disposição, “à Trump”, de poder vir a contestar o resultado eleitoral - se este lhe for desfavorável, bem entendido. O patético encontro que organizou com o corpo diplomático estrangeiro em Brasília - o Brasil é um dos países do mundo onde há mais embaixadores estrangeiros residentes -, aos quais transmitiu dúvidas sobre o sistema eleitoral em vigor e sobre a independência do mais alto poder judicial do país, é mais bizarra iniciativa política, com impacto na ordem internacional, que me recordo de alguma vez ter sido titulada por um chefe de Estado de um grande país democrático. Acresce que, em vários setores do mundo ocidental, está instalada uma dúvida sobre se os membros na reserva das forças armadas brasileiras que acompanham Bolsonaro desde antes da sua eleição, e que muitos consideram co-responsáveis por muitas das suas atitudes de cariz anti-democrático, representam o pensamento da hierarquia militar em funções. Esta sombra que Bolsonaro faz pairar sobre a vitalidade da democracia brasileira é talvez o mais nefasto aspeto da sua presidência. E há muito por onde escolher.

Reino Unido


No Reino Unido, a sucessão de Boris Johnson vai desembocar no duelo entre uma “rising star” financeira, Rishi Sunak, e uma cópia “thatcherite” tosca, Elisabeth Truss. As diferenças são mínimas. Ambos subscrevem o politicamente correto face à Ucrânia e divergem em política fiscal e outras questões de intendência doméstica. Sunak pareceria, em termos de competência, em vantagem face a Truss, a quem uma confusão pública entre o Mar Negro e o Mar Báltico não afetou, contudo, a chefia da diplomacia britânica. Mais do que isso: o seu favoritismo parece reforçado, o que diz tudo.

Tunísia


Na Tunísia, parece estar prestes a ser colocada a última pedra sobre a esperança democrática criada pela primeira “primavera árabe”, há mais de uma década. Uma ditadura “catedrática” (onde é que já vimos isto?), agora com apoio referendário, vai tomar conta do jogo, até que os militares, por ora subservientes, se cansem da solução e encetem um novo ciclo. Um “déjà vu”.

domingo, julho 24, 2022

Mediterrâneo


Ainda sou do tempo, que já lá vai, em que a União Europeia tinha uma política para o Mediterrâneo. Começou, com alguma expressão, no Processo de Barcelona, em 1995, e, de certo modo, acabou com a progressiva perda de ânimo da União para o Mediterrâneo, criada no consulado de Sarkozy à frente da União Europeia, em 2008. 

Com outras vizinhanças a reclamarem atenção e a fazerem divergir as prioridades europeias, com a notória falta de vontade dos países do sul do Mediterrâneo de fazerem aquilo que lhes competia nessa parceria, a política mediterrânica da Europa arrasta-se hoje numa diluição prática de objetivos, embora sempre prenhe de retórica autocongratulatória. O desiderato da criação de um grande espaço económico e de um impulso democrático para o Sul, com um desenvolvimento em paz, parece perdido.

Portugal foi, desde sempre, um dos Estados da União que os países do Magrebe e do Mashrek viram como um aliado e que, não raramente, acabou por ter alguma relevância na definição das políticas propostas pela Europa para essa parceria. Somos, com toda a certeza, o mais mediterrânico dos países atlânticos. 

Ao olhar para este pouco comum mapa (clique na imagem para aumentar) dou-me conta de nele figurarem as cidades de Faro, Beja e Portalegre - e até Vila Real! -, numa espécie de Mediterrâneo alargado.

sábado, julho 23, 2022

Liberdade

Estar disponível para discutir a situação internacional, com as ideias próprias, sem ficar minimamente condicionado ou limitado pelos contextos, dá uma imensa sensação de liberdade pessoal. 

Nas próximas semanas, vou ter, uma vez mais, essa experiência em três exercícios privados, bem diversos entre si: no quadro de uma empresa multinacional, numa estrutura do âmbito da NATO e a convite de um partido, aliás situado bem à esquerda no espetro político nacional. 

Além disso, de quando em vez, também vou dizendo o que penso, sobre esses mesmos assuntos, por aqui pelas redes sociais, num canal de televisão, num podcast semanal em vídeo e em artigos de imprensa, quando, às vezes, me apetece escrevê-los.

Nos dias de hoje, sinto que a minha liberdade é também muito isto.

sexta-feira, julho 22, 2022

Um dia estranho

Hoje, foi um dia estranho para a União Europeia.

Desde há muitos anos, fomos habituados a ver surgir a União Europeia em quase todos os cenários que, direta ou indiretamente, se ligassem aos seus interesses geopolíticos.

Como “honest broker” ou como “soft power”, os enviados de Bruxelas tinham sempre uma espécie de lugar cativo em momentos políticos de crise ou de tentativa de resolução de conflitos. Da União esperava-se sempre apoio, intermediação e uma atuação que, sem descurar interesses, carreasse o seu peso político: com afirmação de princípios, com clareza de posições, mas sempre com sentido de compromisso e, em especial, com uma linguagem serena e sem histerismos jingoístas.

Hoje, em Istambul, naquela que é uma tentativa de entendimento, pontual mas muito relevante, entre dois Estados da sua vizinhança, em aberto conflito armado, a União Europeia não teve lugar na sala. Nem como simples observador. Vale a pena perguntar porquê, embora todos saibamos a resposta.

Lembrando o senhor Matos


Por algumas décadas, a portaria do MNE foi dirigida pelo Jaime Matos, que tratávamos como “o senhor Matos”. A sala de que mostro esta fotografia contemporânea era o seu local de trabalho. Ele vislumbrava-nos, pela larga janela, logo à entrada do pátio das Necessidades, lá ao fundo, e vinha cumprimentar-nos junto à gradeada porta de entrada. 

O Matos era demasiado mesureiro, de uma gentileza artificial, dizem os que dele não gostavam. O Matos, para mim, foi sempre um homem educado, disponível, uma figura que sempre tive por agradável, desde o dia em que entrei para a carreira até àquele em que se aposentou. Não tenho dele a menor razão de queixa, antes pelo contrário.

O ministério, por esse tempo, era uma casa quase familiar. Todos ou quase todos nos conhecíamos. Por muitos anos, ao olhar o Anuário, fui capaz de identificar visualmente cada um dos colegas. O Matos, então, era uma espécie de Anuário em pessoa. Seria dificil escapar-lhe alguém.

O Matos era também o mais prestigiado dos "procuradores", essa instituição de que um dia já aqui falei, que todos os diplomatas eram forçados a contratar, de entre o pessoal da baixa hierarquia da casa, e que, na realidade, facilitava muito a nossa vida e permitia resolver uma imensidão de problemas, em especial quando estávamos colocados no quadro externo.

Ter o senhor Matos como procurador era um verdadeiro "must" de prestígio. Enquanto muitos contínuos e motoristas batalhavam para representar os novos diplomatas chegados à casa, o senhor Matos dava-se ao luxo de selecionar aqueles que aceitava como seus representados. Eram os grandes e mais antigos embaixadores aqueles que faziam parte do “portfolio” do Matos. Não raramente, ele "cedia" mesmo alguns diplomatas, por falta de tempo, a colegas dedicados à mesma tarefa.

O senhor Matos tinha a peculiaridade de ir informando os seus representados, que estavam colocados no estrangeiro, por carta, dos rumores que circulavam sobre futuras promoções e nomeações, fosse para embaixadas fosse para lugares de chefia superior na casa. A isso chamava, nas missivas que enviava, "o movimento que se diz que vai haver". Raramente se enganava, tal a qualidade e a "reliability" das fontes de que dispunha.

Com os anos, com a experiência e tendo já ouvido muito, o senhor Matos chegou mesmo ao ponto de ousar ter opinião sobre a própria justeza de certas indigitações. Um dia, ficou famoso um comentário que, por carta, deu a alguns dos seus representados: "Dizem que o senhor doutor Fulano de Tal pode vir a ser o próximo diretor político. Seja o que Deus quiser!..." Noutra ocasião, depois de anunciar uma determinada colocação, acrescentou, eloquente na sua apreciação: "enfim!..."

Estive, há dias, no espaço que sempre qualifiquei como “a sala do Matos”, que é agora uma sala de espera, na entrada das Necessidades. Notei a ironia do nome da revista que ali estava pousada, numa casa em que as viagens são a regra do jogo. No caso desta nota, até de viagens por outros tempos.

“A Arte da Guerra”


O podcast semanal “A Arte da Guerra”, uma conversa com o jornalista António Freitas de Sousa, para o “Jornal Económico”, regressou de três semanas de férias. Nesta edição, falamos da guerra na Ucrânia, da viagem de Joe Biden ao Médio Oriente e da sucessão de Boris Johnson na chefia do governo britânico.

Pode ver clicando aqui.

quinta-feira, julho 21, 2022

A legitimidade política na Europa


Há semanas, assistiu-se a uma romaria das principais lideranças europeias a Kiev. Ainda a montante do segredo de Polichinelo que ia ser a luz verde da Comissão Europeia à admissão do pedido de adesão da Ucrânia à União, as chefias políticas das três mais importantes economias europeias, membros do G7 - França, Alemanha e Itália - quiseram dar um sinal político positivo ao governo de Kiev.

Estava ali uma nova “troika” de poder? Ou tratou-se de um mero seguidismo impotente, face à anterior afirmação de presença da presidente da Comissão Europeia?

Em Kiev, Macron, Scholz e Draghi, antecipando com algum desplante a decisão que aos seus parceiros competia darem no Conselho Europeu, foram dizer à liderança ucraniana que a União entendia que aceitar que, formalmente, o pedido de Kiev constituía para eles um imperativo político.

Mas quem é que estava ali a falar em nome da União? Três países que, nos meses anteriores, também já muito afetados pelos efeitos de reversão das sanções impostas à Rússia, haviam visto as suas economias sob forte pressão, com consequências sociais não despiciendas para a autoridade política das respetivas lideranças.

Macron tinha acabado de perder, no parlamento, a vitória no Eliseu, tendo agora perante si uma penosa navegação à vista. Scholz chefia uma coligação que ainda não deu mostras de ele próprio conseguir liderar, numa Alemanha abalada por uma imposta mas corajosa mudança de rumo, embora com contornos ainda não estabilizados. Draghi, cujo futuro político não é claro no momento em que escrevo, revelou, se necessário fosse, a precariedade de um sistema político em que o caráter cíclico das crises parece fazer parte da respetiva matriz. Os titulares dos três mais importantes poderes europeus, num tempo excecional de crise, são, eles mesmos, afetados por fragilidades que limitam a afirmação do seu poder.

Alguns dirão: mas, nesse cenário, a líder da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, deu mostras de afirmar uma chefia da máquina da União que compensa a fragilidade dos Estados.

Nem sempre o que parece é, mesmo em política. A coreografia voluntarista da presidente da Comissão, por muito que possa fazer transparecer força, será sempre um gigante com pés de barro se não tiver por detrás a vontade política constante do Conselho de Ministros, onde se sentam os Estados, cujos governos respondem perante os eleitores.

São esses governos que vão ter de convencer quem neles vota de que conseguem pôr em prática medidas efetivas para combater a carestia de vida, de que as sanções à Rússia fazem parte de uma política “do bem”, que está em sintonia com os seus interesses estratégicos últimos, de que o custo das restrições energéticas é o preço justo a pagar pela libertação de uma dependência nefasta. E que a União, tal como fez durante a pandemia, é o espaço certo para a procura de soluções que vão para além das capacidades dos Estados membros.

A presidente da Comissão Europeia, salvo coisas imponderáveis, não cairá pelo voto democrático do Parlamento Europeu, instituição que, ela própria, vive no conforto de nunca poder ser dissolvida, pelos seus cinco anos de mandato.

Pelo contrário, os titulares dos governos europeus representam o sentimento de quem elegeu os seus parlamentos, em tempos diferentes, com resultados diversos e até contrastantes, estão sujeitos a uma “accountability” poderosa, respondem a quem paga os seus impostos. Não há comparação possível em termos de legitimidade - conceito que está muito para além da eficácia, ao contrário do que sucede nas autocracias.

A Europa não é nem será nunca um país, não terá um governo que responda diretamente perante os eleitores. O Parlamento Europeu tem uma legitimidade limitada, tal como a Comissão. A União é, a cada momento, a conjugação das vontades nacionais que nela decantam a determinação de prosseguir num determinado rumo. Ou de o alterar.

A Comissão Europeia não pode ter uma vontade política própria, independente do sentimento que o Conselho lhe transmitir como sendo a linha a prosseguir. Tendo o poder de iniciativa, não tem legitimidade para impor esse poder os Estados membros.

As coisas não deviam ser assim? Não sei, nem isso importa muito, salvo para os teóricos, a quem deve ser lembrado que, na prática, a teoria é sempre outra. Só sei que as coisas são assim, goste-se ou não de como são.

Esta é a Europa que temos e, olhando para o resto do mundo, com todas as suas insuficiências, não conheço melhor sistema de gestão internacional de vontades, sob um corpo ético-político que pede meças a quem quer que seja.

quarta-feira, julho 20, 2022

De Vila Real


Hoje de manhã, olhei a data, 20 de julho, e fiquei com a sensação de que ela me dizia qualquer coisa. Como nada me ocorreu, pus a ideia à conta do “déjà vu” que a idade sempre promove. Agora, leio que este é o dia de Vila Real.

Comemoram-se hoje 97 anos desde que Vila Real, no republicano ano de 1925, ascendeu de vila a cidade - a localidade tinha tido um foral concedido por dom Dinis, séculos antes.

Vai para um ano, sob o patrocínio da Biblioteca Municipal de Vila Real, publiquei por lá, em livro, um conjunto de textos em que a cidade de era uma referência praticamente comum a todos eles. Em certa medida, eu fazia, com o livro, uma subliminar homenagem à terra onde nasci.

Vivi, continuamente, em Vila Real, até 1966. Desde então, habitei em nove cidades, sendo que Lisboa é, em definitivo, a minha terra adotiva. E Viana do Castelo, onde não vivi mas onde passei inolvidáveis férias, é a minha terra afetiva. E o Porto é uma cidade onde me sinto em casa. Com tantas terras na minha vida, quase sou forçado a concluir que acabo por não ter terra nenhuma. Mas isso não é verdade.

Vila Real é a minha terra. Ando por aquelas ruas, nos dias de hoje, e sinto que as conheço quase a palmo, que tenho episódios passados de cada rua e cada esquina, em que quase todas as personagens dessas histórias há muito que já saíram de cena. Melhor: que praticamente ninguém conhece.

Se acaso hoje cruzo, nas ruas de Vila Real, alguém com cabelos brancos, olho sempre essa pessoa com uma esperança, muitas vezes vã, de poder ter com ela uma cumplicidade geracional. Há meses, um homem já “com uma certa idade” (para mim, expressão que significa com mais de 60 anos), à saída de uma loja, fitou-me, passou por mim, voltou atrás e disse-me: “Eu conheço-o!” Eu não o conhecia. Sorri, meio embaraçado. “Já sei! Vi-o há dias! Foi na CNN, não foi?”.

Espero bem que essa pessoa não esteja a ler este texto. É que, na ocasião, fiquei imensamente desapontado. Pensei que, estando na minha terra, me ia dizer: “É Fulano, não é? É primo de Sicrano, não é? Vi-o há tempos na Gomes (ou no Lameirão ou na Rua Direita ou na Tosta Fina)”. É que ter-me visto “na CNN” podia ter acontecido a alguém em Reguengos de Monsaraz ou em São Brás de Alportel ou em Manteigas. Não teve a menor graça isso ocorrer na minha cidade natal.

“A culpa é tua: devias vir mais vezes à Bila (lê-se por lá assim, à galega)”, dizem-me alguns amigos por lá. Se calhar devia, mas tenho a desculpa de que a vida que tenho não o permite. “Tens essa vida porque queres! Devias era reformar-te e vir viver para cá! Tens casa, não tens?” Tenho e talvez devesse ir, mas não vou. Somos assim, teimosos, os vila-realenses.

10 restaurantes de Lisboa que recomendo: Geographia


O “Geographia” é, dos restaurantes “íveis” (isto é, restaurantes a que se pode ir), o que fica situado mais próximo do local onde vivo. Onde fica? Basta dizer que, da porta do restaurante, se vê a parede lateral do Museu Nacional de Arte Antiga. 

Conheci a casa numa outra encarnação, bastante mais simples. De um sítio singelo (em linguagem de fado) de bairro, com o dono a conhecer pelo nome os clientes, o “Geographia” nasceu um dia, já há alguns anos, com mais ambições e sob um conceito (diz-se assim, não é?) diferente. 

O tal “conceito” foi reproduzir, na oferta apresentada, pratos com reminiscências dos locais por onde os portugueses andaram. (Uma excelente ideia, quanto mais não seja para excitar o de insalubre debate sobre a ”apropriação cultural”). Estas “propostas” (também se usa, não é?) de fusão são feitas com inteligência e muito bom gosto (o bom gosto tem no gosto a sua melhor expressão), sabendo ser criativas, mas nunca entrando pela irresponsabilidade, nesta combinação de sabores.

Os puristas de comida africana, indiana ou brasileira devem ficar um tanto espantados. Eu, que sou tributário de uma herança culinária de simplória mas sólida cozinha portuguesa, sinto-me lindamente com as ousadias praticadas pelo “Geographia “. O que, para muitos, será talvez uma prova indireta de que a ousadia, por ali, não é assim tão ousada como isso.

O espaço não é deslumbrante, mas a decoração é de bom gosto. Uma insonorização mais ficaz apuraria o conforto. O pessoal (diz-se colaboradores, não é) é que, infelizmente (mas isto parece ser pecha do setor), vai e vem. É sempre gente que se percebe ter sido instruída para ser simpática, o que normalmente conseguem ser, mas, em matéria de serviço, há muito concluí que a simpatia está longe de resolver tudo. Também um pouco mais de ambição na variedade de vinhos seria desejável e, em dias de enchente, seria também muito importante não deixar acabar cedo os pratos mais icónicos (esta expressão também se usa muito, não é!) da casa.

Com as críticas atrás feitas, eu recomendo o “Geographia”? Claro que sim! Um local onde nunca comi um prato mal confecionado, com pessoal amável embora muitas vezes inexperiente, com uma cozinha que sai da vulgaridade e ousa a criatividade com bom senso e bom gosto, merece que o apoiemos. E o preço não irrita, o que ajuda. Eu sou cliente e eles já sabem: quando algo me desagrada, digo-lhes. Logo.

Se for de carro, prepare-se para andar às voltas. As reservas são essenciais, pelo 213 960 036. 

(Dou conta, com tristeza, que não consegui utilizar no texto bordões modernaços como “incontornável”, “alavancar” e “viral”. Já o ”diversas geografias” foi dispensável, dado o nome da casa).

A tacada nórdica


A cidade era esta: Ålesund. Lindíssima, não é? Foram os noruegueses a escolherem-na para a realização da “comissão mista” entre Portugal e a Noruega, naquele ano de 1980, atenta a memória do bacalhau. Nessa ocasião, seria impossível tirar uma fotografia com esta luminosidade: estávamos numa época em que alguma claridade permanecia sempre, nas 24 horas do dia.

Eu estava então acreditado como ”primeiro secretário” da nossa embaixada em Oslo. Éramos ali só dois diplomatas: o embaixador, Cabrita Matias, e eu. E, claro, cabia-me a logística da ”comissão mista”, em ligação com os noruegueses.

Por razões que para aqui não interessam, a cooperação luso-norueguesa escapara, desde sempre, ao controlo do Ministério dos Negócios Estrangeiros: estava na mão das Finanças. Por isso, nesse ano, presidia à nossa delegação o ministro das Finanças do governo da AD, uma figura que, cinco anos antes, por coincidência, me tinha feito o exame de Economia Internacional, no meu acesso à carreira diplomática. Chamava-se Aníbal Cavaco Silva.

No ano anterior, eu já tinha estado em Ålesund, a tratar de um problema de pescas. Conheci então o nosso cônsul honorário, Bjørn Knutsen, um norueguês que eu tinha na memória como pessoa já idosa (afinal, constato, tinha então menos de 60 anos), casado com uma senhora seca de carnes, com quem eu só trocava amáveis sorrisos, por não a entender na sua única língua de comunicação. Knutsen, um homem simpático que se exprimia num inglês com um léxico muito limitado, era, creio, um comerciante local, como quase sempre acontecia com os oito cônsules honorários que Portugal tinha então no país, uma rede que me cabia coordenar, como chefe da Secção Consular em Oslo.

Bjørn Knutsen, que herdara o cargo do seu pai, como às vezes acontece com os cônsules honorários, tinha uma forte dedicação ao nosso país e dispunha de evidente prestígio local, o que havia sido de utilidade durante a minha anterior visita de trabalho, razão pela qual fiz questão de lhe dar todo o destaque possível na deslocação do nosso ministro. Havia-me feito um pedido: gostava que Cavaco Silva a sua mulher, com o embaixador, a minha mulher e eu, fôssemos almoçar a sua casa. Havia um “slot” durante o programa, o jovem ministro era uma pessoa que, à época, se revelou flexível, o embaixador deu-me carta branca para organizar o almoço e eu montei a “operação”.

Era uma belíssima e acolhedora casa antiga, com paredes de madeira, em que recordo uma imensa pele de um urso branco, numa parede da sala de estar. Na véspera, o penoso jantar oficial havia sido bacalhau fesco, servido em duas rodadas, exatamente idênticas, com surpreendente mudança total de pratos e talheres. Dessa vez, em casa do nosso cônsul, o almoço foi uma bela rena, creio que acompanhado de um “Porta de Cavaleiros”, uma da poucas marcas de vinho português então à venda no Vinmonopolet, única cadeia oficial onde, em todo o país, estavam à venda vinhos e “spirits”. Foi uma ocasião tão descontraída quanto a interlocução linguística comum permitiu, com o embaixador Cabrita Matias, ao que recordo, a fazer o essencial da despesa da conversa.

Acabada a refeição, o dono da casa desafiou o ministro para uma curta partida de bilhar livre, numa sala ao lado. Porque o espaço não era muito, havia, recordo, uns tacos mais pequenos, para operar em certas posições. Cavaco jogava bem, mas o dono da casa, sem surpresa, foi mais eficaz no jogo. E fomos à vida.

No dia seguinte, à despedida, no pequeno aeroporto de Ålesund, à nossa partida para Oslo, notei Bjørn Knutsen algo agitado. A certa altura, chamou-me à parte: “Estou desolado! Ontem, devia ter deixado o ministro ganhar. A minha mulher está furiosa comigo! Diz que fui de uma grande indelicadeza e que posso vir a ser culpado por uma eventual má impressão que ele leve dos noruegueses e da Noruega”. Sosseguei-o, claro. Eram assim, sempre patrioticamente preocupados com a imagem seu país perante os estrangeiros, os noruegueses que por lá conheci.

Esta bela fotografia de Ålesund, que há horas surgiu nas redes sociais, trouxe-me à memória esta história. E que dá para ilustrar, já agora, uma das poucas derrotas de Cavaco Silva.

terça-feira, julho 19, 2022

Maria de Lurdes Modesto


Morreu Maria de Lurdes Modesto, personalidade com uma imensa importância na divulgação e promoção da culinária portuguesa. 

Figura muito popular no país, desde que, em 1958, e por 12 anos, surgiu nas imagens da RTP (deixo uma imagem desse tempo), num programa onde, em direto, ia apresentando os pratos mais tradicionais da nossa culinária, viria a ser autora de importantes trabalhos de recolha do receituário clássico nacional.

A Academia Portuguesa de Gastronomia criou, já há vários anos, o Prémio Maria de Lurdes Modesto, galardão anual atribuído a um restaurante português que se destaque pela preservação da nossa cozinha tradicional, cujo júri tenho o gosto de integrar.

10 restaurantes de Lisboa que recomendo: Solar dos Duques


Quando, há pouco mais de seis anos, a Petra e o Robert tomaram conta do Solar dos Duques tenho a sensação de que alguns membros da comunidade tradicional de clientes se interrogaram sobre se o restaurante, que já era visto como um clássico, pelos padrões de Campo de Ourique, não iria ser descaraterizado.

Muitos conheciam a Petra do vizinho “Stop do Bairro” - embora eu assuma que, contrariamente a muitos amigos, nunca consegui ser um fã daquela casa. Mas uma mudança, num restaurante, nunca é sossegante. Há um forte conservadorismo nas clientelas, que as leva, em regra, a serem avessas a quebras das suas rotinas gustativas: se se vai com regularidade a uma casa é porque gostamos do que nos servem por lá, pelo que a chegada de uma nova gerência é sempre recebida com alguma dúvida.

A Petra e o Robert provaram, em pouco tempo, que as inquietações dos clientes do Solar não tinham razão de ser. Com inteligência e sensibilidade comercial, mantiveram o essencial da oferta gastronómica anterior, com escassas adaptações, pelo que rapidamente aquietaram as (também minhas, confesso) preocupações.

O Solar dos Duques mantem-se, nos dias de hoje, como uma casa sólida e com uma qualidade constante, graças a uma estabilidade na cozinha que a isso tem ajudado, embora com cíclicas flutuações no serviço de sala que os proprietários procuram colmatar. 

A pandemia constituiu um abalo forte para o Solar, que esteve fechado por muito tempo, não recorrendo ao “take away”. Recordo-me de por lá ter ido, após a reabertura, em dias difíceis e quase desalentadores. Mas a Petra e o Robert conseguiram, com o seu profissionalismo e determinação, dar a volta à crise, saindo dela sem recurso a um aumento especulativo dos preços. 

Para quem não conhece o Solar dos Duques, direi que se trata de um simpático restaurante burguês (é um conceito que prezo), que trabalha com produtos de qualidade, dispondo de um espaço agradável, com um bom ambiente, uma lista equilibrada e uma oferta de vinhos razoável, a preços aceitáveis, ainda que passível de alguma afinação na diversidade. 

Três notas finais. A primeira para dizer que estacionar em Campo de Ourique “é obra”, salvo no parque junto à igreja, que não fica longe. A segunda é que convém reservar sempre (213 872 674), porque há dias de enchente. A terceira é que não se deve confundir, como muita gente faz, o Solar dos Duques, que fica em Campo de Ourique, com o Solar dos Nunes, em Santo Amaro, aliás, uma casa também estimável.

O Solar dos Duques continua a ser uma das minhas “cantinas” regulares em Lisboa.

Notícias de Kiev

As crescentes purgas no aparelho institucional da Ucrânia podem revelar uma diluição da unanimidade em torno da linha titulada por Zelensky, em face do custo humano e material da guerra, com alguns setores a preconizarem soluções diversas para uma saída do conflito.

Ai Brasil!

É muito estranha a convocação dos embaixadores estrangeiros pelo presidente Bolsonaro, lançando descrédito sobre o sistema eleitoral através do qual ele próprio chegou ao poder e em aberto desrespeito pela autonomia dos órgãos do Estado. A democracia brasileira não merece isto.

segunda-feira, julho 18, 2022

Conversa verdadeira (2)

- … e só faço férias em lugares sustentáveis!

- Não te sabia tão preocupado com o ambiente! 

- Com o ambiente? Só vou é para sítios onde me consiga sustentar com o dinheiro que tenho!

Conversa verdadeira (1)

- Até quando é que vais ficar no Algarve, com a família?

- Até cinco mil euros…

Dito isto...

Antes de ir desta para melhor, vou dar com a língua nos dentes e lavar roupa suja. Com a faca e o queijo na mão, com uma perna às costas e de olhos fechados, vou sacudir a água do capote. Ainda tirei o cavalinho da chuva, tentei riscar este assunto do mapa, mas eu sou uma troca tintas, uma vira-casacas e vou voltar à vaca fria. Andava eu a brincar aqui com os meus botões, a chorar sobre o leite derramado, com bicho carpinteiro e macaquinhos na cabeça, quando decidi procurar uma agulha no palheiro. Eu sei, eu não bato bem da bola, mas sentia-me pior que uma lesma e tinha uma pedra no sapato. O problema é que andava a bater com a cabeça nas paredes há algum tempo, com um aperto no coração e uma enorme vontade de arrancar cabelos. Passei muitos dias com cara de caso e com a cabeça nas nuvens como uma barata tonta. Mas eu, que sou armada até aos dentes, arregacei as mangas e procurei o arquivo a eito. Acontece que uma vez em conversa com um amigo ele disse-me «Tiras-me do sério» e eu, sem papas na língua, respondi «Se te tiro do sério, deixo-te a rir, é isso?». Ele, de trombas e com os azeites, gritou em plenos pulmões «Esquece Mafalda, escreves belissimamente mas não conheces nem 1/4 das expressões portuguesas.» Só faltou trepar paredes. É preciso ter lata! O primeiro milho é dos pardais. Primeiro pensei ter posto a pata na poça, depois achei que ele tinha acordado com os pés de fora e que estava a fazer uma tempestade num copo d´água e trinta por uma linha. Fiz vista grossa, mas depressa disse: Ó tio! Ó tio! Abri-lhe o coração, o jogo e os olhos na esperança de acertar agulhas e pôr os pontos nos is. Não lhe ia prometer mundos e fundos nem pregar uma peta, eu estava mesmo a brincar. Era um trocadilho. Pão, pão, queijo, queijo. Rebeubéu, pardais ao ninho, fiquei com os pés para a cova, só me apeteceu pendurar as botas e mandá-lo pentear macacos, dar uma volta ao bilhar grande ou chatear o Camões. Que balde de água fria! Caraças, levei a peito, aquela resposta era tão sem pés nem cabeça que fui aos arames. Eu sei que dou muitas calinadas, meto os pés pelas mãos e faço tudo à balda. Posso até ser uma cabeça de alho chocho e andar sempre com a cabeça nas nuvens mas não ia meter o rabo entre as pernas nem que a vaca tossisse. Pus a cabeça em água e fiquei a pensar na morte da bezerra. Caí das nuvens e com paninhos quentes passei a conversa a pente fino, não fosse bater as botas. Percebi que ele tinha trocado alhos por bugalhos, apeteceu-me cortar-lhe as vazas, mas estava de mãos atadas e baixei a bola. Engoli o sapo, agarrei com unhas e dentes, dei o braço a torcer e dei-lhe troco com o intuito de descalçar a bota. Não gosto muito do vira o disco e toca o mesmo, mas isto já são muitos anos a virar frangos e pus as barbas de molho. Uma mão lava à outra e as duas lavam as orelhas, mas ele está-se nas tintas, à sombra da bananeira. Não deu uma mãozinha nem se deixou comprar gato por lebre. Ficou com a pulga atrás da orelha, pôs-se a pau antes de estar feito ao bife. Pus mãos à obra, tentei fazer um negócio da China e bati na mesma tecla. Dados lançados, cartas na mesa, coisas do arco da velha. Claro que dei com o nariz na porta, o gato comeu-lhe e língua e saiu com pés de lã. Água pela barba! Devia aproveitar a boleia antes de ficar para tia de pedra e cal onde Judas perdeu as botas. É que isto pode estar giro e estar fixe, mas não me apetece segurar a vela com dor de corno e dor de cotovelo só porque não conheço 1/4 das expressões portuguesas.”

(Escrito por Mafalda Saraiva. Reproduzido com a devida vénia)

10 restaurantes de Lisboa que recomendo: Raposo


Sei muito pouco do restaurante de que hoje falo. Não faço ideia de quando nasceu, não sou amigo dos donos, nem outras coisas que criam intimidade com o lugar e nos ajudam a escrever sobre ele.

Nasci para este restaurante há já uns bons anos, fruto de um convite de um primo que sabe da poda e não mora longe. Desde esse longínquo jantar (a “tertúlia dos primos”, uma das minhas favoritas, amesenda ali muitas vezes), fiquei com o Raposo no radar.

O Raposo fica no 58 da rua Passos Manuel, uma artéria que desemboca no Jardim Constantino e na Pascoal de Melo, que liga a Almirante Reis à Estefânea. Antes, apenas me lembro de ir por ali à Assírio & Alvim e a um clássico chamado Vaskus, um restaurante que, há muitos anos, chegou a estar na moda (passei lá há meses, já depois de reabilitado: estava apenas “assim-assim”).

O exterior do Raposo sofreu, há tempos, um toque de elegante modernidade europeizante. No interior, a decoração é mais despretensiosa, com as clássicas garrafas no balcão (que sempre passo em revista). O serviço é simpático, sem ser mesureiro, o ambiente é solto, bem disposto.

Sinto que estão a desaparecer os restaurantes do género do Raposo. E qual é o “género” do Raposo? Ora bem, são restaurantes populares “ma non troppo”, de sólida cozinha portuguesa, com qualidade e generosas quantidades, com uma oferta de pratos não exagerada, lista de vinhos competente e gente para nos aconselhar coisas novas no meio dela. E com preços razoáveis e não especulativos.

Contrariamente a muitas outras casas do género, no Raposo não nos sentimos num restaurante já “cansado”, com pessoal antigo mas displicente, com notas de regular desatenção culinária, como se já não valesse a pena fazer um esforço de brio. No Raposo (que eu tivesse dado conta!) não se pratica o erro mais comodista da mediocridade restaurativa lusitana: servir pratos diferentes com exatamente o mesmo acompanhamento. Ah! E os guardanapos são de pano, imaculados (guardanapos de papel excluem-me, em regra, do futuro de um qualquer restaurante que pretenda ser mais do que uma tasca).

O Raposo parece ter uma clientela fiel, feita de pessoas que ali sabem bem ao que vão e o que querem.. Se acaso levarem carro (aviso: continuarei a cometer sempre esse erro, para todo o lado onde vá, e prometo nunca me corrigir), preparem-se para dar algumas voltas “ao bilhar grande”. Reservem mesa (213 531 059), porque, com alguns bloguistas linguareiros a gabar o local, aquilo está muitas vezes cheio. Mas o Raposo é ainda, nos dias de hoje, um segredo bem guardado.

Uma curiosidade: o Raposo está situado naquele que é o maior quarteirão de Lisboa! Façam a experiência, vão por mim!

Em Trás-os-Montes…

 


… ninguém se perde!

domingo, julho 17, 2022

10 restaurantes de Lisboa que recomendo: Clube dos Jornalistas


Foi-se a Gôndola, apagou-se o Trinta e Três, já há muito tinha desaparecido o Antigo Retiro do Quebra-Bilhas. Outros lugares ao ar livre, às vezes com uma parreirinha (no Rato, no Campo Pequeno, na Luneta dos Quartéis), ousaram contrariar uma Lisboa que, por muitos anos, parecia amedrontada em comer sob o céu.

Há já muitos anos, no 129 da rua das Trinas, já perto da rua da Lapa, numa antiga escola primária, vi aparecer o restaurante Clube dos Jornalistas, onde o dito clube parece ter sede. Tem uma zona interior simpática mas tem, essencialmente, um fabuloso jardim nas traseiras. Por lá comemorei, em grupo, décadas de entrada para o MNE, por lá estive num casamento.

A casa teve vários tempos. Esteve muito na moda, tinha um cozinheiro creio que basco, depois passou por um período menos feliz, em que, em idas por lá (sou vizinho, a “walking distance”), dei por mim a recordar esses outros tempos melhores e a prometer não voltar. Mais recentemente, já há uns anos (estas minhas notas são impressionistas, socorro-me da memória, não “checko” nada), a qualidade do restaurante ficou bastante mais sustentada. Há uns pratos clássicos, com algum sentido de invenção, os vinhos têm escolhas pouco comuns (teve mesmo uns, cujo nome era um algarismo, que eram muito bons) e o serviço, algo “casual” contemporâneo (mas nada do “casual arrogant” que anda por aí à solta), é simpático e atento.

Há uma semana, organizei por lá uma festa de aniversário de uma pessoa e tudo correu muito bem. Disse-o, com gosto, à Luísa, que gere, com muita eficácia, o estabelecimento. Preço? Já foi mais barato, mas não acho caro. E é bom, agradável e tem aquele jardim!

Ah! E o Clube dos Jornalistas está aberto aos domingos, mesmo para jantar! Nesta época do ano, não vá sem reservar (213 977 138). Pode tentar levar carro, mas a zona não é muito dada a surgirem vagas para estacionar.

Ai as fardas!

Já se terá esvaído o odor de santidade que, por muito tempo, rodeou um senhor que ficará na história da logística nacional por ter distribuído bem umas vacinas. O facto do senhor sugerir agora que está apto para ascender a Belém é a prova provada de que ele “não se enxerga”.

Para “palermers”

O surgimento da categoria dos "influencers" é um retrato revelador do mundo de vontades condicionadas que anda pelas redes sociais. Mas nada tenho contra essas pessoas, que souberam descobrir o seu nicho de mercado, cavalgando a fragilidade alheia.

sábado, julho 16, 2022

10 restaurantes de Lisboa que recomendo: Jockey


Para quem não conhecer o local, lá chegar pode ser uma espécie de aventura (talvez com GPS seja fácil). O Jockey é um restaurante que fica no meio do hipódromo do Campo Grande. Entra-se pelo topo norte da avenida que passa em frente à cantina e por detrás da reitoria da universidade de Lisboa. É essencial reservar (217 957 521). Dizemos ao que vamos numa cancela e procuramos o local. Há que ter cuidado onde se estaciona, porque as vagas, por ali, são como agulhas num palheiro - e ali há muita palha! Pelo caminho, não se admire se, às vezes, se cruzar com uma fauna de nariz arrebitado, a armar ao fino e a bater o tacão, claramente indisposta por interrompermos a exclusividade do seu lazer equino.

A sala é interessante, com uma espécie de reservados em modelo de “cavalariças”, onde se acomodam os grupos. No bom tempo, o restaurante abre-se para um amplo e belo espaço exterior. Come-se bastante bem, os preços não são excessivos para o ambiente e para a qualidade daquilo que nos é proposto, há uma inteligente lista de vinhos e o serviço é feito por um pessoal experiente, com simpatia profissional “standard”. Gosto bastante de ir ao Jockey, como ontem fiz, com amigos.

Cruel dilema


Ainda a hesitar entre um banal gin tónico e um belo branco da Adega Cooperativa de Vila Real.

Europa, Europas

Na UE vive-se um tempo estranho: Macron está sem maioria no seu parlamento, Sholtz lidera uma coligação cuja coesão não está garantida, Draghi entrou em contagem decrescente, Von der Leyen, com uma atitude jingoísta, tem vindo a exorbitar dos poderes que o tratado lhe atribui.

Saudades


Não há cidade da Europa a que mais me apeteça voltar do que a Edimburgo. Pensando bem, antes, ainda há Paris. E também Siena, é verdade! Achava graça, claro, dar uma saltada às livrarias de Londres. Ah! E Praga, já me esquecia! E São Petersburgo, imenso, como é óbvio.

Oportunismo

Com a sua ida à Arábia Saudita, Joe Biden fez precisamente o contrário daquilo que, na sua campanha eleitoral, tinha anunciado ir fazer. Não é por ser exercido na alta política que o pragmatismo (”realpolitik”) deixa de dever ser qualificado de oportunismo.

sexta-feira, julho 15, 2022

Almoço egocêntrico


O meu almoço de hoje foi um exercício assumidamente egoísta e lúdico. Convidei para ele três bons amigos, que sabia não se conhecerem entre si. A idades eram similares, mas as experiências de vida eram muito diversas, tendo apenas Lisboa como cenário comum. Foi interessante anotar, no fluir da conversa, as referências geracionais que partilhávamos e, aqui e ali, nomes de conhecidos e amigos que uniam alguns, muito raramente todos, dos interlocutores. Foram umas horas que, estou em crer, foram por eles apreciadas, mas reconheço que nisso não consigo ser um juíz imparcial.

Marcelo e Balsemão. Uma conversa


Achei graça ouvir a entrevista feita por Francisco Pinto Balsemão a Marcelo Rebelo de Sousa, a que se pode ter acesso através do podcast que o ”Expresso” de hoje traz.

Os tempos de juventude e do fim da ditadura, a aventura comum no “Expresso”, os alvores do novo regime, a vida do PPD/PSD nas suas várias fases, as épocas de Marcelo como comentador televisivo, a de líder partidário e, finalmente, a experiência da presidência da República foram revisitados numa conversa solta, de quase hora e meia. Com apontamentos interessantes sobre política internacional.

O único momento em que Balsemão atrapalhou claramente Marcelo foi quando, a propósito dos contactos que o presidente vai tendo pelas ruas do país, lhe atirou de chofre: ”Nunca ninguém lhe chamou ”Lélé da Cuca”?” (o qualificativo que Marcelo deu a Balsemão, numa célebre graçola escrita no jornal, que acidulou a relação entre os dois). 

E houve também um instante, o único de alguma dissonância, logo disfarçada por ambos, em que aflorou uma conhecida divergência sobre a saída de Marcelo do governo de Balsemão. 

Em tudo o resto, foi uma conversa muito serena, consonante com o tipo de relação, com o seu quê de cerimonioso, que se sabe existir entre os dois.

quinta-feira, julho 14, 2022

A arrogância dos peões


Há muitos anos, quando fui viver para a Noruega, usufruí, pela primeira vez, do prazer de viver em cidades em que as passadeiras para peões eram respeitadas, em absoluto. Atravessar uma rua não era ali uma aventura, era algo que se processava com imensa naturalidade e segurança.

A regra norueguesa tinha, contudo, um duplo sentido. Um peão que quisesse atravessar uma passadeira estendia o braço, dando um sinal aos condutores para pararem. Mas se, na via, seguia um automóvel com alguma velocidade, notava-se que havia o cuidado, por parte dos peões, de aguardar um pouco, antes de atravessarem. É que é sempre muito mais fácil a uma pessoa suspender o passo e, por um instante, deixar de avançar do que ao condutor de uma viatura, com um peso de toneladas, travar e parar o seu movimento. Julgo ser uma mera questão de bom senso.

Por que escrevo isto? Porque é muito triste constatar o que se vê cada vez mais entre nós, em Portugal: pessoas a entrar nas passadeiras sem dar um sinal mínimo às viaturas que seguem à sua velocidade autorizada, sem sequer olharem para os carros que se aproximam, outras a ”passear” por elas, deliberadamente, de forma lenta, de um modo quase provocatório, muitas vezes a falar ao telemóvel ou a olharem para ele, frequentemente à conversa com um parceiro. 

Acresce ainda que, se para o peão, todas as passadeiras são basicamente iguais e se comporta da mesma forma perante elas, para o automobilista isso não é assim: há passadeiras que não estão sinalizadas, algumas estão apagadas, outras são menos bem iluminadas depois do cair do dia. O condutor de uma viatura é, muitas vezes, surpreendido pela existência de uma passadeira que dificilmente identifica, entre tudo aquilo a que tem de estar atento na condução: todos os sinais de trânsito, eventuais obstáculos, outros veículos, etc.

Está criada, no insconsciente coletivo, uma espécie de hierarquização de direitos: o peão tem direito a tudo, até a abusar e ser ostensivo nesse abuso. O automobilista vive sob uma espécie de complexo de culpa, como se ter um carro fosse ”crime”, um privilégio que é necessário “punir” e, para expiar a sua indizível culpa, devesse vergar-se ao excesso de atitude do peão.

Constata-se hoje um ostensivo abuso dos seus direitos por parte dos peões, numa atitude que tem muito de saloia, numa espécie de novo-riquismo, como quem diz, em silêncio: “Olha lá! Vou gozar, até ao absurdo, o direito que ganhei!”. Ora se um peão tem os seus direitos, o automobilista não os tem menores. Ambos devem ser respeitados e nenhum se sobrepõe ao outro.

Termino lembrando o que diz o nº 2 do artº 101º do código da Estrada: “O atravessamento da faixa de rodagem (pelo peão) deve fazer-se o mais rapidamente possível.”

Uma nota: este texto é sobre os deveres dos peões. Por isso, os deveres dos automobilistas, que também os têm, e muitos, tal como os seus comportamentos, muitas vezes impróprios, não são chamados para esta conversa. Num outro dia poderemos falar deles, se quiserem, mas não hoje.

E o agitador regressou!


Há dias, contei aqui uma saga por que passei no ISCSPU (que tinha então U no fim da sigla), onde a roda da fortuna me impôs um processo disciplinar, que se prolongou por anos, que levou à impossibilidade da minha entrada nas instalações por todo esse período, que me obrigou a arranjar um emprego, depois a ir para a tropa e, finalmente, a (quase) a mudar de vida.

Nesta terça-feira, sem problemas, deixaram-me entrar lá. 

Já há algumas décadas que o Zé Augusto, com o seu ar esforçadamente patibular, não estava na portaria a dizer que, ”por ordens do senhor diretor, o senhor Seixas não pode entrar no instituto”. Engoliu a frase no dia 29 de abril de 1974, quando ali me apresentei fardado de oficial do Exército! Nessa tarde disse: ”Senhor Zé Augusto: agora já posso entrar?”. Nem imaginam a cara do homem!

O Instituto, por estes tempos, já não está no Palácio Burnay, na Junqueira - e aí tenho pena, confesso! Vive agora, porém, em funcionais instalações no Alto da Ajuda. Quando, na tarde de terça-feira, referi a alguém que, já há muitos anos, ainda antes da universidade ter ocupado esse espaço, eu tinha estado naquela área de Lisboa numa Festa do Avante!, notei o olhar perplexo de um casual interlocutor…

“Mano a mano” com Pedro Passos Coelho (por favor, essa não é a questão hoje!), num interessante e participado debate de mais de duas horas, discuti a Europa, os seus problemas e o seu futuro com alunos de várias universidades portuguesas, envolvidos num interessante projeto de reflexão sobre o processo agregador do continente, apoiado pela Comissão Europeia, cuja delegada em Portugal integrou a discussão. 

Quem havia de dizer que, 54 anos (!) depois da fotografia que aqui mostro, em que surge de fato (e colete) e gravata, com melena sobre a testa e ar “certinho” embora gozão, o “agitador contumaz” que consta do processo voltava, uma vez mais, à sua velha escola! E fê-lo com imenso gosto!

quarta-feira, julho 13, 2022

Eu, pelos vistos!, perigoso comunista!


Na UE, 40% das florestas são públicas. Em Portugal, as florestas públicas representam apenas 2% do total. 

A experiência mostra que, para muitos daqueles privados que são proprietários dos 98% da floresta portuguesa, o rendimento que com ela obtêm não é suficiente para a conservarem. O Estado, em anos como este, que prometem repetir-se, é obrigado a gastar imenso dinheiro público para ocorrer a incêndios em muitos espaços que não são limpos e muitos dos quais nem sequer se sabe a quem pertencem, por atrasos no cadastro.

Serei chamado de comunista se disser que o Estado deve expropriar já toda a floresta que não é cuidada, por imperativo de interesse público?

O debate sobre os debates

O tema dos debates parlamentares é muito estranho: não foi o PSD que propôs a redução dos debates? O PS limitou-se a aceitar. Agora o PSD (é o mesmo partido, não é?) quer mais debates. A culpa passa a ser do PS? Ainda recordo os “imensos” debates da década cavaquista! Um fartote!

terça-feira, julho 12, 2022

Geopolítica mineral

 


Às vezes, dá jeito este mapa, para se perceberem alguns golpes de Estado…

In or at?



Dava jeito saber isto tudo sempre … by heart! 

AC

Começo a pensar que a ideia de criar, nas cidades, no verão, refúgios climatizados é capaz de não ser uma má ideia. Se isto continua assim…

O dia seguinte

Lula vai ganhar. Mas, no final, como aconteceu nos EUA com Trump, iremos olhar para os largos milhões de brasileiros que votaram Bolsonaro. ...