quarta-feira, agosto 31, 2022

A Arte da Guerra


Esta semana, falo com António Freitas de Sousa, no podcast “A Arte da Guerra”, Jornal Económico, sobre as eleições em Angola, a campanha presidencial no Brasil e tensão nos Estados Unidos, centrada na figura de Donald Trump. 

Pode ver aqui.

Vento leste

Na sua reação à morte de Mikhaïl Gorbachev, o PCP revela a superior qualidade de ser um partido que nunca nos surpreende.

Mesas de agosto - “Casas do Bragal” (Coimbra)


Coimbra, para mim, foi sempre um mistério em matéria de restauração recomendável - e deixo estas linhas expostas às balas de reação dos conimbricenses fanáticos. Por anos, e porque a abundante Bairrada era já ali perto, passávamos adiante. Nos tempos em que a sina rodoviária nos encafuava obrigatoriamente na EN 1, às vezes com longas filas para atravessar a cidade, um tio ensinou-me o “Pinto d’Ouro”, um clássico desaparecido há muito (os últimos anos foram de trágico declínio), à entrada da ponte. Do outro lado do Mondego, havia um restaurante simpático, cujo nome me escapa, logo à saída da Portagem, nos primeiros metros a caminho da estrada da Beira. Se com pressa, ia-se a uma espécie de snack-bar, cujo nome também esqueci, em frente à Auto-Industrial. Com mais tempo, numa de típico, fazia-se uma surtida ao Zé Manel, mas eu nunca fui muito de ossos. E que mais? A sério, havia o restaurante das piscinas e ainda há, mais p’ró fino e carote, mas muito bom, o “Arcadas da Capela”, na Quinta das Lágrimas. E uma ou outra coisa, como o restaurante do museu Machado de Castro, uma boa experiência. Mas tenho de me informar melhor sobre a atual oferta restaurativa em Coimbra.

Há já bastantes anos, tendo afazeres em Coimbra, telefonei a um oráculo de estimação, que sabe imenso sobre isto, perguntando por dicas. Foi ele quem me falou do “Casas do Bragal”, uma reconstrução como ideia, nas cercanias de Coimbra, de um restaurante que já tinha existido na Beira. Creio que ainda não tinha experimentado a casa, mas tinha boas referências, pelo que até lhe era útil uma “cobaia”. E lá fui. O “lá” é mais fácil de dizer do que de chegar. Não me vou pôr aqui com explicações. Metam o GPS ou telefonem, pedindo indicações. Fica a 10 minutos de carro do centro de Coimbra, embora esta seja uma cidade em que o conceito de centro é mais que discutível. 

O importante é que, em Coimbra, me “viciei” na cozinha da Manuela Cerca, com a sala sob o comando do Eugénio Martins. Um espaço interessantíssimo, numa moradia de bairro, em que os pratos são pedidos enquanto nos refastelamos com um gin numa zona de sofás, rodeados de livros e revistas, só partindo para a mesa mais tarde, quando por lá já estão as seis entradas e as vitualhas centrais se aprestam a chegar. A carta vai variando. Peçam ao Eugénio sugestões de vinhos: já me fez descobrir coisas interessantes. As sobremesas estão num lugar onde sempre vou petiscar várias doçarias, para crédito da minha taxa de glicémia. Os preços, bem, os preços estão na conta de um restaurante de qualidade.

Na noite de sexta-feira, enquanto me concentrava sobre o que ia dizer ao encontro do Bloco de Esquerda, na manhã seguinte, como orador exterior convidado para falar sobre um tema de política internacional, decidi ir recarregar as minhas baterias burguesas ao “Casas do Bragal”. 

Mikhaïl Gorbachev


Morreu ontem Mikhaïl Gorbachev, aos 91 anos. Foi o “notário” do fim da União Soviética, da sua implosão em 15 entidades nacionais diferentes, depois de ter sido secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética e último presidente do país que fora criado pela Revolução de 1917. 

Como acontece com algumas figuras que são apanhadas na charneira da História, Gorbachev (ou Gorbachov, como é vulgar, entre nós, variar a grafia dos nomes russos) acabou por titular o encerramento de um período, ficando colado à abertura de outro, sem nele se firmar. 

Gorbachev repousa, irremediavelmente, nessa mesma História, como uma pessoa mal-amada no seu país. Mas, ao invés, passou a ser uma vedeta no mundo ocidental, por duas razões conjugadas. A primeira, por ter permitido a transição suave, sem violência, para esse mesmo espaço, das antigas “democracias populares” do Centro e Leste europeus, bem como a reunificação da Alemanha. O ocidente também nunca lhe negou uma imensa gratidão pelo facto da sua prática, como governante, ter culminado na dissolução da União Soviética, que era o seu maior adversário. Gorbachev assinou, na prática, a ata de derrota da URSS no fim da Guerra Fria. Verdade seja que, a não ser ele, outro o teria feito, no culminar do clamoroso falhanço do modelo.

Recordo ter lido algures que, nos ultimos anos, Gorbachev era uma figura que, na Rússia, merecia apenas 14% de apreciações positivas. Critico de Putin, como já o tinha sido de Yeltsin, Gorbachev, se acaso a sua voz tivesse sido ouvida, seria, com toda a certeza, um opositor da invasão da Ucrânia. Vai ter assim alguma graça observar como a Rússia oficial reagirá à sua morte.

Ainda antes de ter andado nas bocas do mundo, Gorbachev veio um dia a Portugal, a um congresso do PCP, creio que no Porto. Era então uma das figuras possíveis para sucessão de Chernenko. Recordo que nenhum dos nossos “kremlinólogos” o apontou como o homem seguinte. Mas, das fotografias que os jornais trouxeram, fixei-lhe a cara.

Um dia, já em Março de 2000, António Guterres convidou-me para um almoço com Gorbatchev, na residência oficial, em S. Bento. Estava também o ministro da Defesa, Júlio Castro Caldas e, claro, o intérprete de Gorbachev.

Gorbachev estava em Lisboa creio que para uma conferência. Acabei por jantar de novo com ele, talvez no dia seguinte, dessa vez também com uma sua filha, no forte de S. Julião da Barra, a convite de Castro Caldas, com umas largas dezenas de convidados. Não guardo a menor memória de coisas ditas nesse jantar - e eu tenho boa memória.

Mas recordo o tal almoço, para o qual, confesso, entrei com uma elevada expetativa. Na realidade, tratando-se de uma figura que atravessara um período riquíssimo da vida internacional, que protagonizara o fim do mundo soviético, que vivera a trágica convulsão interna dessa desagregação, que fora interlocutor estratégico privilegiado dos Estados Unidos e de personagens como Thatcher, Kohl ou Mitterrand - por todas essas e por outras razões mais, esperava ir ter um almoço memorável. Nunca comparei notas com António Guterres e Júlio Castro Caldas sobre esse repasto, mas devo dizer que saí dele um tanto desiludido com a figura que o justificou.

Mikhaïl Gorbatchev não deixava de ser uma personalidade interessante, mas, quando o avalio à luz daquelas horas em que o ouvi, está muito longe de ser uma figura fascinante. Falou imenso, mas deu-me a sensação de ter criado e ensaiado um discurso feito à medida daquilo que os seus interlocutores dele esperariam, auto-justificativo, muito óbvio, com ideias que, como dizia o outro, quando eram originais não eram boas e que quando eram boas não eram originais. Mais tarde, ao ler alguns textos seus, voltei a não encontrar razões para mudar de opinião.

Dito isto, que fique bem claro: Mikhaïl Gorbatchev é uma das figuras que ficará na história contemporânea, olhado contudo com mais ou menos apreço, consoante as geografias de onde essa sua imagem é observada.

terça-feira, agosto 30, 2022

Respeito e gratidão


Tenho um imenso respeito por Marta Temido, pela coragem, dedicação e competência que revelou durante um dos períodos mais complexos da saúde pública em Portugal. Deixo-lhe expresso, como cidadão português, o meu profundo agradecimento.

segunda-feira, agosto 29, 2022

O sorriso do Duarte

Agosto de 1975. Palácio das Necessidades. Eu, acabado de tomar posse como diplomata, mas ainda nos últimos dias de tropa, com farta bigodeira e cabelo “Verão quente”, de camisola de gola alta, teimando em não usar gravata. Ele, impecável no seu blazer azul, imagino que com o lencinho a pingar do bolso, calça clara, já diplomata “por uma pinta”.

- “Tás” bom?! Já não nos víamos há muito tempo? Que é feito de ti?

- Desculpe. Deve estar a confundir-me com o meu irmão, com o Tó. 

Era isso. Ele era o Duarte Ramalho Ortigão. Eu tinha sido colega de ano e de curso do irmão, António Ramalho Ortigão. Ambos eram muito parecidos.

Passou, entretanto, década e meia. A vida profissional, como é de regra, deu-nos destinos diferentes. Mas, a partir de 1990, por mais de quatro anos, haveríamos de coincidir em Londres, ele como cônsul-geral, eu como ministro-conselheiro da embaixada.

Quantas belas noitadas, em família e com amigos, nós então tivemos! Restaurantes (eu, já então, “pesquisador” de locais bizarros), idas aos cavalos a Ascot, às regatas de Henley, às receções de Buckingham.

Em uma dessas receções, a princesa Diana aproximou-se da delegação portuguesa e, vendo pingar dos pescoços, meu e do Duarte, que estávamos impantes nas nossas casacas, a insígnia da Cruz de Cristo, sopesou com a mão, atrevida, a insígnia do Duarte (e não a minha, vá-se lá saber o porquê da discriminação!), e inquiriu junto do embaixador António Vaz Pereira, que chefiava o nosso grupo: "Ambassador, you don't have it?". Vaz Pereira, que tinha ao peito outras condecorações bem importantes, mas não tinha a Cruz de Cristo, respondeu, diplomático: "I'm working for it, Your Highness!".

Nesses anos de Londres, ambos construímos então uma bela amizade, com ele e com a Binha, feita de expedições familiares a Portobello Road (eu baldava-me bastante e fazia-me “representar”, valha a verdade, porque aproveitava essas manhãs de sábado para pôr em dia o sono das noites da semana), onde ele era o maior “expert” em antiguidades e descobridor de velharias que valiam a pena.

O Duarte era extrema “boa onda”, era muito boa pessoa. Tinha um riso saudável, uma gargalhada muito franca. Mantinha um ambiente familiar de imenso equilíbrio, com uma prole de que, ele e a Binha, cuidavam ao pormenor, numa harmonia que todos admirávamos.

Entre algumas outras ocasiões, lembro-me de um agradável jantar ao ar livre, no Pireu, numa viagem nossa a Atenas, creio que idos de Nova Iorque, ao tempo em que ele era embaixador na Grécia. Nunca esqueci, também, que, em 2009, à nossa chegada a Paris, estando ele a horas de sair de embaixador na Unesco, insistiu em oferecer-nos um jantar de boas-vindas. Entre nós, a conversa fluia sempre, bem disposta, como se nos tivéssemos deixado na véspera. 

Num dos períodos mais complexos da pandemia, telefonei a saber da sua saúde, que tinha ecos de ter atravessado momentos complexos. Estava com um excelente espírito, falámos em organizar uma jantarada, “quando sairmos desta”. 

Afinal, já não vai ser possível. Há pouco, disseram-me que o Duarte saiu ontem de cena, vítima dessa tal pandemia que, afinal, continua a andar por aí.

Deixo um beijo de imenso pesar à Binha e ao filhos, bem como um abraço ao Tó. Não vamos poder contar com o sorriso bom do Duarte. Cada vez mais, esta vida anda pela hora da morte.

Os leitores deste blogue são uns privilegiados!

Mais uma mensagem do maluquinho anónimo (exceto pelo facilmente identificado IP, que já seguiu para a PJ, mas apenas pelo caráter insultuoso) do blogue pró-moscovita. Que delícia!

“Podes censurar à vontade Seixas da Costa, meu grande ordinário, que eu estou a mandar os links do blogue, um por um, para todos os teus leitores. Está tudo a receber a verdade suprema. You lose, I win!!! Fuck you!!!!!!!!!!!”

Brasil

Debate presidencial. Um desastre para um Bolsonaro descontrolado e misógino. Menos bom para Lula, que não começou mal mas acabou crispado e defensivo. Tebet marcou pontos, pelo discurso articulado, no eleitorado “terceira via”, que pode ser tentado a abster-se. Ciro confirmou-se “the best president we’ll never have”. Dúvida: que importância irá ter este debate no sentido final de voto?

domingo, agosto 28, 2022

Refletir sobre a Ucrânia


Acompanhados por um interessado e interventivo auditório, com “casa cheia”, discuti ontem com Luís Fazenda, em Coimbra, as expetativas para uma paz na Ucrânia.

Tratou-se de um debate integrado numa iniciativa muito alargada de reflexão, de adesão aberta, organizada pelo Bloco de Esquerda. Na ocasião, recordei que, há uns anos, havia sido desafiado por João Semedo para participar numa realização idêntica, convite que então não pude aceitar. 

Desta vez, tive muito gosto em participar num exercício onde, durante hora e meia, foi possível trocar ideias, com serenidade, sem radicalismos nem preconceitos, sobre aquele que é o tema mais candente da vida internacional dos nossos dias. 

Promover o cruzamento de perspetivas, com gente vinda de outras “freguesias” políticas, revela uma salutar capacidade de diálogo do partido dirigido por Catarina Martins. E parabéns também ao meu amigo José Manuel Pureza, pela organização do evento na “sua” Coimbra.

“Contrapoder”


Fui ontem convidado a fazer “uma perninha” no “Contrapoder” da CNN. Teve graça.

Feira


Ontem, percorri metade da feira do livro. Gastei €12,50. Será que faço a feira, este ano, por €25? Estou com uma contenção tal que nem me reconheço…

Visto ontem

 


sábado, agosto 27, 2022

Mesas de agosto - “Vela Latina” (Lisboa)


Vou confessar uma coisa: durante anos, quase sempre que alguém do PSD combinava comigo um almoço, para tratar de uma questão de natureza política, tinha quase a certeza de que o restaurante sugerido seria o “Vela Latina”. O pessoal do CDS sugeria sempre coisas clássicas e centrais, às vezes clubes; os do PCP optavam por locais mais espartanos e discretos, na outra banda ou em bairros periféricos; os do Bloco eram lugares de ambiente leve mas “trendy”, com preços razoáveis; os do PS? Comem onde calha, mas sempre bem! Um dia, e no estado em que anda a academia, ainda veremos alguém fazer um doutoramento de sociologia política em torno das preferências de raíz gastronómica dos quadros políticos. Contem comigo como fonte!

O “Vela Latina”, que fica nas proximidades da Torre de Belém, tem a superior vantagem de sempre se poder estacionar o carro, usando os seus lugares privativos. Ora eu, como assumido comodista de alto coturno, faço parte de quantos, sendo tal possível, estacionam mesmo em frente à porta dos locais onde pretendem comer.

Numa certa altura, o restaurante acomodou-se, se assim se pode dizer: não evoluía, a comida era de qualidade mas não entusiasmante, o serviço era cuidado e sempre atento, mas dava ares de começar a ser uma casa “cansada”. Ia-se lá por comodismo, na lógica: “Onde vamos comer? Sei lá! Olha! Talvez ao “Vela Latina”. É fácil de estacionar…”

Depois, um dia, tudo mudou. O “Vela Latina” renovou-se. Melhorou a lista, atualizou os vinhos, reviu o mobiliário, arejou a varanda (e até parece que criou uma dimensão asiática, na antiga sala de espera. Mas essa não é a minha praia, porque, tal como dizia, com óbvio exagero, um velho amigo, há semanas desaparecido, “em matéria de restaurantes étnicos, eu não passo dos alentejanos!”). O serviço - que ali foi sempre muito simpático, note-se! - mantém-se com grande qualidade: informado e atento. E, o que é mais importante, está-se a comer muito bem.

Preço? Forte mas adequado ao conjunto do que nos proporcionam. Eu gosto, cada vez mais, do “Vela Latina”. E continuo a ver por lá amigos do PSD! Os que têm bom gosto, claro! 

Tebet

Tebet, candidata de "algum" MDB, reivindicou-se de Ulisses, Pedro Simon, Jarbas Vasconcelos (quase que ia dizendo Barbalho...), mas evitou Sarney, Temer e, claro, Garotinho, Cabral, Quércia, etc. Há um MDB para todos os gostos e desgostos.

sexta-feira, agosto 26, 2022

Angola

Em Angola, diz-se que quem beber água do Bengo, o rio da periferia de Luanda, fica ligado àquela terra e nunca mais a esquece. Eu terei “bebido” água do Bengo, sem, de facto, nunca o ter feito, nem sequer me lembrar de por onde exatamente passa o rio.

Gosto muito de Angola, gosto daquela gente, com sorrisos de alegria, mesmo quando não têm razão para a terem. Desde os anos em que por lá vivi, sempre senti, com os angolanos, em qualquer parte do mundo onde os encontre, uma cumplicidade natural. Guardo, para sempre, muito bons amigos angolanos.

Entre 1961 e 1974, o povo angolano viveu sob guerra colonial. Entre 1975 e 2002, atravessou uma guerra civil, como quase meio milhão de mortos. Angola está em paz nas últimas duas décadas, transitando de uma ditadura para um sistema político de democracia reconhecidamente imperfeita. É um país que, sendo embora muito rico, está cheio de gente pobre, sob um modelo de distribuição de riqueza que vai ter de alterar-se.

Ontem, houve eleições em Angola. Tal como acontece desde a independência, o MPLA vai continuar no poder. Mas a Unita está a aproximar-se, a passos largos. Assim, ou o MPLA consegue corresponder, com mais rapidez e eficácia, aos anseios da população, em especial da mais jovem, ou a alternância acabará por processar-se, já num próximo ciclo. Em paz, como os angolanos merecem e como esperam os amigos de Angola. Como eu serei, sempre.

Lugar aos novos

Cada vez mais, vejo emergir uma nova e promissora categoria de comentadores: a dos que comentam os comentadores da guerra na Ucrânia.

Lula

A entrevista ao Jornal Nacional da “Globo”, às primeiras horas de hoje, correu bastante bem a Lula. Ao optarem por não revisitar as acusações de que Lula foi alvo, respeitando assim as decisões da justiça, os jornalistas facilitaram-lhe a vida, embora o próprio Lula tivesse insistido em puxar a terreiro o tema, quiçá demasiado para quem dele só teria interesse em se afastar.

O grande problema de Lula, mas que não deverá ser suficiente para o fazer perder esta eleição, é que há uma parte muito substancial do Brasil que o rejeita, justa ou injustamente. Mais: há largos setores que, no passado, aceitaram colá-lo artificialmente ao pior do Lavajato, com a cumplicidade de Sérgio Moro, apenas para que ele não fosse candidato.

Nesta entrevista, Lula conseguiu iludir, com a maestria retórica que lhe é reconhecida, o tema incómodo do seu persistente silêncio - mesmo de uma aberta cumplicidade ideológica de setores do PT - face à prática de algumas ditaduras, como a cubana ou a venezuelana. Também o elogio que fez ao ”novo” MST, podendo ser agregador das suas tropas, não deve ter caído muito bem no eleitorado moderado que o seu vice, Geraldo Alckmin, procura captar.

O Lula de 2022, embora ele próprio procure iludir(-se com) isso, está muito longe do Lula de 2002. A magia de então passou, a “trouvaille” da “Carta ao Povo Brasileiro” já não teria hoje o mesmo apelo, Lula atravessou anos muito traumáticos, que inevitavelmente terá interiorizado. O “reset” é impossível, houve pontes que ficaram definitivamente queimadas.

Tudo indica que Lula pode ganhar as próximas eleições. Porque está longe de ser um radical e vive muito preocupado em garantir um lugar simpático na História do Brasil, irá fazer um mandato positivo. Mas tudo vai ser muito diferente do passado, e ele sabe-o. Em especial, o Congresso já não é o que era e o “seu” PMDB colaborante (Sarney, Calheiros) já lá vai. Além de que o mundo mudou. Mas, face ao presente, o Brasil e esse mesmo mundo ficarão imensamente melhor com Lula no Planalto.

quinta-feira, agosto 25, 2022

Colaboração

Ora aqui está uma bela novidade. Um comentário anónimo, que tentaram colocar num post, anuncia: “Em breve o blogue “tal” vai publicar umas revelações sobre ti Seixas da Costa. Vais ser exposto como o colaborador da CIA que és meu grande “coiso”!”

Claro que não revelo o nome do blogue, nem, naturalmente, o insulto grosso que me foi dirigido. Mas informo o comentador que, como daqui a duas semanas, de facto, tenho de ir em trabalho aos Estados Unidos, aproveitarei para tentar levantar o meu “ordenado”. Não há fama sem proveito! 

Ele há cada patusco!

“A Arte da Guerra”


Esta semana, no ”A Arte da Guerra”, o podcast do ”Jornal Económico” sobre política internacional, falo com o jornalista António Freitas de Sousa dos seis meses de guerra na Ucrânia, das tensões entre a Sérvia e o Kosovo e das eleições em Angola. Pode ver e ouvir clicando aqui.

quarta-feira, agosto 24, 2022

Em português

As pessoas, em Portugal, parece não se darem conta do ridículo que é falarem do ”presidente Dos Santos”, como se fosse natural utilizar-se uma expressão copiada claramente da fórmula francesa.

Política externa

É perfeitamente correta, não podendo mesmo ser outra, a decisão do presidente português de se deslocar, quer às comemorações do bicentenário da independência do Brasil, quer às cerimónias fúnebres de José Eduardo dos Santos, em Angola. As coisas óbvias não têm de ser explicadas.

Coração

Quem critica a decisão de aceder ao pedido oficial brasileiro para deslocação do coração de dom Pedro para as comemorações do bicentenário da independência do Brasil revela que não tem a menor noção dos interesses externos do Estado português.

Rui Moreira esteve muito bem ao corresponder positivamente ao pedido brasileiro.

terça-feira, agosto 23, 2022

Manhã

 


Brasil

Bolsonaro foi cuidadoso quanto pôde na entrevista dada à Globo, mas o “fact-checking” não lhe será favorável. Isso, porém, é irrelevante para quem, de qualquer forma, sempre votaria nele. A Globo, que foi dura no seu interrogatório, vai ter de sê-lo também com Lula.

segunda-feira, agosto 22, 2022

Arrumem a cabeça!

Depois da visível fúria de Putin, pelo atentado contra a filha do ideólogo russo de extrema-direita, deve ir uma grande confusão na cabeça de muitos: Putin é “comuna” e da extrema-esquerda ou é “facho” e de extrema-direita? Próximo do PCP e do Chega ao mesmo tempo? Decidam-se!

Graça em Campo de Ourique

Deparar com o nome de Kaganovitch pintado numa parede de Campo de Ourique é das minhas surpresas deste Verão. O cosmopolitismo político de Lisboa vai de vento em popa, soprado pela guerra a Leste e pelo esforço de alguns de tentar meter tudo no mesmo saco. Pelo ridículo, isto não deixa de ter alguma graça!

Dom Pedro quantos?


Agora que o coração de dom Pedro vai sair da Lapa (não do meu bairro, em Lisboa, mas da Irmandade da Lapa, no Porto) para estar no bicentenário do Brasil, lembrei-me de uma velha anedota, que creio que já aqui contei.

Em 1972, o presidente português, Américo Tomaz, nos 150 anos da independência do Brasil, deslocou-se aí de barco, numa viagem que ficou famosa, para oferecer, em nome de Portugal, os restos mortais de dom Pedro, embora o seu coração ficasse, para sempre, na “invicta cidade”.

A acidez crítica da "vox populi" não desperdiçou a ocasião para dar uma bicada no “venerando chefe de Estado” ou “supremo magistrado da nação” - uma nação então sob ditadura, convém nunca esquecer, porque isso absolve e legitima toda a ironia.

Foi assim inventado um diálogo, que teria ocorrido, a meio do Atlântico, entre a mulher do presidente, dona Gertrudes Tomaz, e o marido.

Perguntava a senhora: "Ó Américo, por que razão é que nós, em Portugal, dizemos dom Pedro IV e os brasileiros lhe chamam dom Pedro I?".

O almirante, a quem a lenda pública atribuía (injusta ou justamente, a olhar alguns dos seus inenarráveis discursos) alguma simplicidade mental, terá respondido: "Ó mulher, então tu não sabes?! É por causa dos fusos horários, que são diferentes..."

domingo, agosto 21, 2022

Mesas de agosto - “São Gião” (Moreira de Cónegos)


Posso imaginar que, para algumas pessoas, seja uma ousadia eu dizer, sem papas na língua, que este é o melhor restaurante de Portugal. Seja! Essa é a minha opinião e, para quem aqui me acompanha, isso não é nenhuma novidade. Passei por lá ontem. A carta tem coisas novas, desde as entradas (mas repeti os clássicos figos recheados com foie gras) até às sobremesas (nunca tinha provado tonka!), passando por alguns pratos (o bacalhau salteado com espinafres e gambas estava que nem lhes digo!). Imaginação, criatividade e um uso muito competente dos produtos da terra, com os cogumelos regularmente à mão daquela cozinha. Como a ocasião impunha comemorar (só se vive uma vez!), saiu um Crasto reserva, por forma a ter um suporte líquido à altura dos sólidos que iam vindo para a mesa. Brindou-se também à memória de uma grande amiga brasileira, que adorava aquele local. Um dia não são dias! O João Nunes, na ausência momentânea do pai Pedro, fez-nos as honras da casa. Faço notar, além de tudo, que o serviço de mesa do São Gião é impecável, com a delicadeza nortenha a marcar um profissionalismo sem falhas. 20 valores! Onde fica o São Gião? Em Moreira de Cónegos, a dois passos de Guimarães, ao lado do estádio do Moreirense (que ontem deu 3-0 ao Torreense, resultado infelizmente logo copiado, com imensa falta de imaginação, ali perto). Ainda bem que Moreira de Cónegos é longe de Lisboa! Se o São Gião ficasse em Moscavide, eu já estava arruinado! Porque alguns perguntam: e o preço? Adequado, é o que posso dizer.

Coincidências

Até que enfim que acordo uma manhã e constato que estou basicamente de acordo com o teor de um artigo de Teresa de Sousa, como no “Público” de hoje.

Durante décadas, estive muitas vezes em sintonia com o que Teresa de Sousa escrevia, em especial sobre questões europeias. Mas a verdade é que isso já não acontecia há uns meses. 

Infelizmente, creio que esta minha convergência pontual com Teresa de Sousa vai ser sol de muito pouca dura. É a vida!

Realidade


Este título da página 3 do “Público” espelha uma realidade que a cada dia constato, quando estou em frente ao espelho.

sábado, agosto 20, 2022

É a vida?

Sou adepto de um clube que tem um treinador tão bom, tão bom rapaz, que, para alguns, parece fazer esquecer os resultados que a equipa vai tendo.

Mesas de agosto - “Restaurante da Pousada” (Santa Maria do Bouro)


Há bastantes anos que conheço o local, que deve ser, muito provavelmente, o mais majestoso espaço de restauração comercial do país. Trata-se da sala de refeições da Pousada de Santa Maria do Bouro. Pousei agora lá, por uns dias, "para descanso do pessoal”. E todas as noites ali jantei, sempre muito bem. A carta foi renovada e está mais consistente e equilibrada. Os “amuse-bouche”, para meu gosto, podiam ter uma apresentação mais elegante. Também a carta de vinhos ganharia em ser revista. Agora que a pandemia se foi, regressaram as sobremesas à mesa central de pedra, o que foi uma excelente notícia (exceto para a minha glicose)! Última nota: o pessoal é extraordinário de simpatia!

Lusofonias

A ida do corpo de José Eduardo dos Santos para Angola e a excursão transatlântica do coração de dom Pedro são ocasiões preciosas para explicar que, em rigor, se deve sempre dizer “trasladação”, deixando que o “trans” tenha outras aplicações mais adequadas.

A Crimeia e a Ucrânia


A Crimeia faz parte da Ucrânia. Assim o diz, de forma inequívoca, o Direito Internacional. Em 1991, quando ficaram definidas as fronteiras dos 15 países que constituíam a antiga União Soviética, nenhuma dúvida parece ter subsistido, mesmo para Moscovo, de que a Crimeia integrava a soberania da nova Ucrânia. Prova indireta desse reconhecimento é o facto de a cidade de Sebastopol, onde está sedeada a frota russa no Mar Negro, bem como a sua região adjacente, terem sido “alugadas” pela Ucrânia à Rússia, que, até 2014, pagava uma “renda” por essa presença. Só se é “inquilino” de uma propriedade alheia.

Em 2014, na imediata sequência dos conflitos internos ocorridos na Ucrânia, com a secessão de zonas russófonas do Donbass e dos novos equilíbrios que resultaram no governo central em Kiev - onde um indiscutível golpe de Estado, muito estimulado pelo ocidente, afastou um presidente pró-russo que antes havia sido legitimamente eleito - a Rússia avançou para a ocupação da Crimeia. Imagino que alguns possam argumentar com algumas “technicalities”, para contestar a factualidade do que acabo de afirmar, mas esta é a realidade política incontroversa para a generalidade da comunidade internacional.

Convém notar que nada de particular se tinha passado naquele território que justificasse essa ocupação. Contrariamente às acusações de discriminação das populações russófilas no Donbass, não havia nota de idêntico procedimento, por parte de Kiev, na Crimeia. Tratou-se, manifestamente, de um gesto oportunista, de aproveitamento da fragilização do novo governo de Kiev, por virtude da secessão de territórios do Donbass, também ela um movimento estimulado por Moscovo, como hoje está bem claro.

De imediato, a Rússia organizou na Crimeia um referendo, com contornos de legitimidade mais do que duvidosa, na sequência do qual o território declarou a sua independência face à Ucrânia. Em seguida, a “independente” Ucrânia pediu a adesão à Federação Russa, que aceitou esse “pedido”, passando a integrá-la. Mais “fácil” não podia ser.

A operação foi tão escandalosa que raríssimos foram os países que reconheceram o “golpe de mão” russo sobre a Crimeia. Basta lembrar, e isso não deixa de ser significativo, que Estados como a China ou a Turquia nunca aceitaram essa anexação.

A maioria do ocidente reagiu fortemente à anexação russa da Crimeia. Moscovo foi, por esse motivo, objeto de sanções unilaterais - dos EUA, da União Europeia e de alguns Estados “like-minded”. Essas sanções permanecem em vigor até hoje. A Rússia, também por esse motivo, foi afastada do G8.

As sanções ocidentais foram a resposta ao “golpe de mão” russo na Crimeia. Nenhuma ação ou apoio militar à Ucrânia foi previsto no quadro dessa reação ocidental. Já se perceberá por que sublinho isto.

Passaram, entretanto, oito anos. Em 24 de fevereiro de 2022, a Rússia invadiu militarmente Ucrânia, claramente com o objetivo de derrubar o governo em Kiev e, como “second best” face à constatação do seu fracasso em conseguir esse objetivo, decidiu ocupar partes do seu território, ao que tudo indica para sua futura integração na Federação Russa, baseado em “referendos” como mesmo grau de legitimidade como aquele que, em 2014, organizou na Crimeia.

Os EUA, a UE e outros “like-minded” decidiram reagir, impondo um forte pacote de sanções à Rússia e, desta vez, apoiando, financeira e militarmente, a resposta do governo de Kiev a esta flagrante agressão à sua soberania. Mas gostava de sublinhar: esses países condenaram a agressão militar russa face ao território que a Ucrânia possuía nessa data, isto é, aquele que derivava das fronteiras de 1991, já sem a Crimeia nem as regiões do Donbass que se haviam cindido em 2014.

Os países ocidentais - é preciso dizer isto com clareza - não se mobilizaram (nenhuma sua declaração o diz) para apoiar militarmente a Ucrânia numa ação de recuperação dos territórios que o país tinha perdido em 2014, mas apenas para assegurar a sua soberania sobre o “statu quo ante”, o que Kiev detinha sib controlo no dia 24 de fevereiro de 2022. Relembro que a reação desses países no tocante à tomada da Crimeia pela Rússia, já se tinha objetivado no pacote de sanções de 2014/2015. E tinha-se ficado por aí.

Há, assim, agora, uma constatação e uma pergunta legítimas.

A constatação é a de que a ajuda militar dada pelo ocidente à Ucrânia, nos últimos seis meses, e a que aí vier no futuro, pode e deve ser utilizada por Kiev para a defesa das suas fronteiras “de facto” em 25 de fevereiro de 2022, bem como para a recuperação dos territórios que a Federação Russa, contra o Direito Internacional, tiver ocupado a partir dessa data.

A pergunta é se essa essa ajuda pode ser utilizada por Kiev para a recuperação de territórios já perdidos em 2014 para a Rússia, como a Crimeia, ou para estruturas institucionais na sua dependência político-militar (como manifestamente o são as “repúblicas” de Donetsk e Lugansk, que praticamente só a Federação Russa reconhece). É que, para essa ocupação ilegítima de territórios, a resposta já haviam sido as sanções de 2014/2015.

Do mesmo modo, coloca-se a questão sobre se Kiev pode utilizar esse material militar para atingir posições em território russo. Lembremo-nos que esse foi já um debate havido no seio da administração americana - sobre se se davam à Ucrânia meios defensivos ou também ofensivos.

Terá esta questão importância, numa guerra onde as zonas cinzentas são imensas? Acho que tem. O empenhamento dos países amigos do governo de Kiev, em termos de cedência de material militar, não pode fazer-se sem que esses países tenham clara consciência dos contextos operacionais em que esses meios irão ser usados.

Termino repetindo o que disse no início deste texto: a Crimeia, e da mesma forma todo o Donbass, continuam a ser, indiscutivelmente, à luz do Direito Internacional, parte integrante da soberania da Ucrânia.

sexta-feira, agosto 19, 2022

Mesas de agosto - “Victor - São João de Rei”


Há anos que não falho uma ida ao “Victor”, em São João do Rei, perto da Póvoa do Lanhoso. Vou pelo bacalhau, claro!, porque essa é a escolha certa por ali. Grelhado. Não conheço melhor lugar para o saborear, com um alvarinho de qualidade a acompanhar. Do mesmo bicho norueguês, acho sempre adequado começar por uns bolinhos, feitos com ovos da casa, que tornam bem amarela a massa. A gulodice fez também com que não evitasse o leite creme queimado na ocasião. O meu amigo Victor Peixoto, que passou a fronteira dos 80 com imenso garbo e não menor estaleca, continua bem ativo da sala. Enfim, foi o que pode chamar-se um almoço sem espinhas…

Havemos de ir a Viana…



… mas só para o ano, como fazemos há muito, por esta altura, para as festas da Senhora da Agonia. Este ano, por coisas da vida, vamos falhar a mordomia, a festa do traje, o cortejo, as procissões, os fogos e os bombos na praça. Ainda por cima, no ano em que a lavradeira que surge no cartaz das festas está vestida com as cores de Geraz: o verde. E o verde, claro, é o que é!

quinta-feira, agosto 18, 2022

Puritanismo saloio

Há uma senhora, de 36 anos, que chegou a primeira-ministra da Finlândia. Num vídeo privado, feito claramente por gente que não merecia a confiança que lhe foi concedida, vê-se a senhora a dançar, com amigas e amigos, num ambiente festivo de copos e boa disposição. Houve um “leak” do vídeo e a primeira-ministra finlandesa é agora acusada de comportamento indecente, pouco conforme com o ambiente de restrições e efeitos de guerra que os dias trazem ao seu país.

Só porque tem o cargo de primeira-ministra, a senhora não pode ter a sua vida privada, fora das horas das funções oficiais? Queriam que andasse, de-saia-e-casaco, com os joelhos cobertos e ar seráfico, em chás de tupperware?

Está tudo maluco, não está?

“A Arte da Guerra”


Ucrânia, Rushdie/Irão e a saga de Trump são os temas de “A Arte da Guerra”, o podcast do “Jornal Económico” em que converso com o jornalista António Freitas de Sousa. 

Pode ver aqui.

António Marques Bessa (1949-2022)

 

Entrámos para o ISCSP (a sigla, à época, tinha um “U” no final), no mesmo dia do segundo semestre de 1968. Ambos nos encontrámos então criticos do governo de Marcelo Caetano, que tinha acabado de ser empossado. Mas havia uma “pequena” diferença: António Marques Bessa entendia que Caetano era um perigoso liberal (quando ser liberal dava bom nome, visto da esquerda), enquanto eu andava pelas águas de outros mares políticos bem distantes. Durante os anos que se seguiram, mantivemos e agravámos as nossas divergências, muitas vezes publicamente, mas preservámos sempre uma grande cordialidade no relacionamento. Por atitude pessoal, mas em especial por virtude do seu radicalismo ideológico, que expressava de forma tonitruante e sem margem para qualquer compromisso, o António permaneceu, nesses anos, nos corredores do ISCSPU, como uma figura quase isolada, salvo a companhia da Ana Maria, a sua namorada de então. Era um homem culto, de leituras extremas, saudoso do salazarismo que o regime ia, apesar de tudo, enterrando. Com naturalidade, vi-o depois fazer carreira académica, publicar livros e, aqui ou ali, artigos em folhas de extrema-direita, com opiniões consonantes com esse seu alinhamento. Perdemo-nos bastante de vista pelas décadas em que andei por fora, mas, das escassas vezes em que nos encontrámos, trocávamos abraços sem reticências. O último, recordo, numa ocasião bem simpática, foi numa universidade brasileira. Acabo de saber que morreu ontem.

quarta-feira, agosto 17, 2022

Mesas de agosto - “Cruzeiro” (Santa Maria do Bouro)


Há quantos anos conheço o "Cruzeiro", em Santa Maria do Bouro? A casa tem 63 anos. Devo ter ido por lá, a primeira vez, nos anos 80, quando o Gerês andava muito no meu roteiro regular de férias. Quase que aposto que a lista não devia andar longe daquilo que ainda hoje é: o cabrito, o bacalhau, a carne assada, as papas de sarrabulho, os rojões, o pernil e coisas assim. Até das rabanadas da casa me lembro. Hoje, voltei a almoçar lá. Era um dia “impossível”! Nos agostos, há um mundo a pousar por ali, muitos emigrantes com família, muito viajante pelo Minho, que já aprendeu onde se come bem. O “Cruzeiro” não aceita reservas para depois do meio-dia-e-meia. Assim, à chegada, há que “dar o nome” e esperar. E assim fiz e fiz muito bem. Dez minutos depois, com a casa a abarrotar, na ordem devida, estávamos sentados e tudo começou a chegar, na sequência certa, cozinha rápida, simpatia e diligência no serviço, impecável de eficiência e elegância (guardanapos de pano, claro). Ah! E comeu-se bem. Aproveitei a passagem, junto à mesa, da Dona Maria Isabel, a conhecida proprietária que ainda hoje dá uma mão, no meio daquela azáfama, para a felicitar pela qualidade do que o “Cruzeiro” há anos nos proporciona. Querem saber quanto custou um cabrito para dois, antecedido de sopa, sobremesas, pão e manteiga e meia de Esteva? 35 euros! É verdade! Como antes se dizia: há um Portugal desconhecido que espera por si.

Brasil


A posse de Alexandre de Moraes como presidente do Tribunal Superior Eleitoral brasileiro é uma má notícia para Jair Bolsonaro, cuja administração tem dito, sobre o juíz, o que Maomé não diz do toucinho. Para a democracia brasileira, neste ano crucial, pode ser uma boa notícia.

Degraus


Esta escadaria do mosteiro de Santa Maria do Bouro, como a “apanhei” ao início da tarde, com luz e sombra, fez-me pensar na vida. E como tinha o iPhone à mão...

O país que somos

Nem Sérgio Figueiredo nem Fernando Medina mereciam o desfecho que acabou por ter a contratação do primeiro pelo segundo, para uma consultoria temporária no Ministério das Finanças.

Seria Sérgio Figueiredo incompetente para aquilo que lhe fora proposto ir fazer? Um economista que teve uma carreira brilhante, a nível de direção, no nosso jornalismo económico, que dirigiu com sucesso uma das mais prestigiadas fundações culturais do país, que esteve à frente da informação de um dos canais cimeiros no nosso panorama televisivo, não tinha perfil para a função para a qual fora convidado? Só a brincar!

A cultura da inveja, da obsessiva desconfiança, dos ódiozinhos de capelinha, somados ao aproveitamento político, vieram à tona, em todo o seu esplendor. Mas tudo isto era expectável, sabendo-se “do que a casa gasta”. Por isso, só por isso, quando vi a notícia achei logo que as coisas iam correr mal. É que este país parece incurável, meus caros Sérgio e Fernando!

Mesas de Agosto - “Beach Club” (Soltróia)


É um restaurante ciclotímico: já lá comi mal, já lá comi mais-ou-menos, alguém me recorda (porque me não lembro) de que já por lá se comeu muito bem. E que até por ali se dançou! Fui há duas semanas. Estava com uns preços, nos pratos e nos vinhos, a exagerarem muito nos algarismos. O serviço, multinacional (com bastantes brasileiros, o que dá sempre um superávite de simpatia a qualquer casa), foi competente. A comida não estava má, mas tudo depende do preço que estivermos dispostos a pagar por aquilo que nos colocam no prato. E ali pedem bastante por isso. O Beach Club é o único restaurante de Soltróia. Abre escassos meses no ano e, de certo modo, há que ter isso em conta quando olhamos para o custo de uma refeição. Mas o saldo impressionista que fiz, à saída, não foi extraordinariamente positivo. No próximo ano, volto. Sou um resistente. E espero, sinceramente, que tenham sorte!

terça-feira, agosto 16, 2022

Tempus fugit


” The Times They Are A-Changin’ “, dizia o outro. Que o tempo hoje mudou, lá isso é claro.

segunda-feira, agosto 15, 2022

Alguém me empresta um canudo?

 

Mesas de Agosto - “Gonçalves” (Carrasqueira)


Foi há dias. O Retiro do Pescador (da Sílvia) estava fechado. O Rola não atendia o telefone. A Escola também não. O Grão de Bico não servia jantares. Aquilo, lá por Tróia, está sem grande graça. Achámos que, na Comporta, o São João e a Cervejaria não deviam ter lugares. Nem pensei em tentar conseguir uma mesa, a uma hora decente (às vezes, propõem que cheguemos num horário que é mais adequado a um lanche, outras vezes já a cair para uma ceia), no Dona Bia, no Gomes ou no Museu do Arroz. Nem nos restaurantes das praias, onde as melgas nos comem vivos, desde os parques de estacionamento (será minha impressão ou este ano há menos?). Decidimos, assim, ir ao Gonçalves, na Carrasqueira. Lembrei-me, ao chegar, que ali tinha cruzado, uma noite, o meu amigo Caetano da Cunha Reis (e telefonei dali à Mami, a saudar a memória do Caetano). Nesta ida ao Gonçalves, comeu-se como sempre, sem exceção, se comeu por lá: relativamente bem. O meu prato, contudo, que parecia uma coisa simples, demorou imenso a aparecer. O serviço foi agradável, mas ineficaz face à gestão temporal da cozinha, onde vislumbrei um funcionário com um turbante com a cor do rótulo da quinta do Vallado. A conta final não surpreendeu. Saldo? Treze valores, desta vez, para utilizar uma medida clássica.

domingo, agosto 14, 2022

Ralph


Quando se tornou conhecido, foi uma vedeta daquilo que era então uma novidade: a defesa dos consumidores. Saiu da História como o homem cuja atitude divisionista no campo democrático ajudou a derrotar Al Gore e a eleger George W. Bush.

Dick


Há precisamente 50 anos, comprei em Greenwich Village um cartaz com a fotografia deste cavalheiro com a pergunta: “Comprava um carro em segunda mão a este tipo?”

George


É uma pena a História não proporcionar o encontro dos tempos. Imaginem a graça de um debate deste senhor com Mamadou Ba!

Barry


Da maneira que as coisas estão, este cavalheiro ainda acabará um dia por ser visto como um perigoso esquerdista. Esse momento já esteve mais longe…

Joe


Ora aqui está um rapaz cuja memória ainda vai acabar por ser resgatada, um destes dias, em alguns dos novos parceiros desta Europa que tão generosamente os acolheu no seu seio.

John


Se este cavalheiro ainda por aí andasse, estou certo que as trapalhadas do FBI em Mar-a-Lago tinham sido evitadas. Os métodos dele foram sempre muito transparentes …

Mesas de Agosto - “Cavalariça” (Comporta)


Tinha ido lá, a última vez, no saudoso tempo em que ninguém ainda tinha ouvido falar do almirante Gouveia Melo, isto é, fui lá antes da pandemia. Trazia na memória “mixed feelings”. A comida tinha sido boa, mas o serviço era um pouco “casual arrogant” (ou “a armer”, como diz, em erro francês deliberado, uma familiar minha), o preço era demasiado “puxadote”. Por essa altura (agora não é muito diferente, a bem dizer), salvo nas praias, a Comporta tinha poucas alternativas onde se podia ir à confiança. Passando ao que importa: está-se a comer muito bem, nos dias de hoje, no Cavalariça! Comida imaginativa, lista interessante, muito bem confecionada e apresentada, serviço de mesa muito agradável (que não percam o profissionalismo dessa brasileira de Santa Catarina!), preço, naturalmente, “a condizer”. Mas sai-se com a satisfação de ter gasto bem o que lá se deixou.

Liberdade, liberdade, quem a tem chama-lhe sua…

Ao comum cidadão russo, a quem já não bastava ter de sofrer um regime que o torna súbdito de um autocrata com manias neo-imperiais, alguns vizinhos europeus querem agora impor o banimento da sua circulação por terras que apregoam como áreas de liberdade.

Nas redes

Nas redes sociais, há pessoas que bloqueiam quem defenda ideias radicalmente opostas às suas. Levada essa prática ao extremo, acabarão a pensar que toda a gente pensa como elas. Eu sigo alguns que defendem causas que abomino ou desprezo: assim, nunca me esqueço de que essa gente existe.

sábado, agosto 13, 2022

Mesas de Agosto - “Il Mercato” (Lisboa)


Já não ia há uns bons tempos a este italiano do Pateo Bagatela. Costumo assentar mais numa tertúlia, na esplanada do Páteo 51, a casa imediatamente ao lado (onde não se come nada mal, adianto desde já, e a preços que me parecem mais em conta). Uns degraus acima, parei às vezes, com o Nuno Brederode e a Céu Guerra, no Sabor & Arte (de que guardo boa memória). Ao balcão do Il Mercato vendem-se produtos alimentares de Itália, que adivinho serem bons, a ajuizar por um queijo e um presunto desgustados. No restaurante, ao almoço de hoje, a comida estava muito boa, o serviço foi (mesmo) muito atencioso, os preços não me pareceram nada especulativos. O restaurante-loja é do mesmo dono (nepalês) do Forno d’Oro (a 100 metros, onde só fui uma vez, para uma pizza, depois de ali ter deixado de ser o excelente Mezzaluna), do meu quase vizinho de casa Come Prima (onde nunca comi mal, noto) e da Casa Nepalesa, na Elias Garcia (onde, há meses, jantei bem e prometi a mim mesmo voltar). Um dia, tendo-me eu queixado, aqui pelas redes sociais, de que não fazia sentido, no Il Mercato, pagar-se ao balcão, no fim da refeição, juntamente com os clientes da loja, o que originava filas e protestos, o dono teve a gentileza de telefonar-me, dizendo que o assunto estava a ser repensado. E fizeram-no. Hoje paguei na mesa. (Uma nota prática: o Páteo Bagatela possui um conveniente parque para automóveis, por debaixo, o que é sempre um “must” a considerar).

Rushdie


Salman Rushdie, celebrado escritor britânico, de origem indiana, foi ontem alvo de um atentado, sendo esfaqueado, numa universidade americana. Está entre a vida e a morte.

Nos anos 80, Rushdie teve sobre si uma "fatwa", uma determinação religiosa emitida por um "ayatolah" iraniano, que apelou a que os crentes muçulmanos executassem Rushdie onde quer que o encontrassem. A razão é que ele seria um blasfemo, na interpretação da lei corânica, por ter publicado, em 1989, o livro "Versículos satânicos", em que a figura de Maomé não saía bem tratada. É difícil de imaginar como terá sido, a partir daí, a vida de Rushdie, ao longos de décadas, sempre perseguido pela mesma intolerância que assassinou os caricaturistas do "Charlie Hebdo". Embora, até hoje, com mais sorte.

Uns anos antes desse episódio, creio que em finais de 1987 ou início de 1988, no Palácio das Necessidades, teve lugar uma receção oferecida por ocasião de um congresso internacional de escritores. 

Como quase sempre acontece em ocasiões similares, os portugueses juntavam-se em grupinhos entre si, deixando os estrangeiros à sua própria conta. Notei então que uma figura com um ar bizarro, com uma cara algo mefistofélica e pouco comum, se passeava sozinho e olhava, com atenção, a grande tapeçaria que serve de cenário ao grande salão. 

Ao vê-lo assim isolado, e por uma questão de mera cortesia de acolhimento, apresentei-me e expliquei-lhe a versão que tinha por boa do significado da cena que era retratada nessa peça decorativa. Ele acrescentou um comentário sobre o palácio onde estávamos, ao que eu terei explicado que aquela havia sido residência real até ao dia da implantação da República. Disse-me o nome, que não fixei. Apenas anotei que nascera na Índia e vivia em Londres. Anotei para sempre aquele fácies pouco comum, mas logo esqueci o episódio. Até ao dia, não muito tempo depois, em que Salman Rushdie passou a ser notícia, em todo o mundo, e eu fiz um “flash back” até àquela nossa brevíssima conversa.

Entretanto, alguns anos mais passaram. Um dia, creio quem em 1993, recebi na embaixada em Londres, onde estava colocado, um telefonema de um dirigente da Juventude Socialista, que eu nunca tinha visto e então só conhecia de nome. O seu nome era António José Seguro. Queria falar com o embaixador, que estava ausente. Falou comigo, que o substituía. Queria transmitir à embaixada a sua preocupação pelo facto do balcão da TAP, na capital britânica, se recusar a emitir um bilhete para Salman Rushdie se deslocar a Portugal, creio que ao Porto, a uma iniciativa para a qual a JS o tinha convidado. E pedia a nossa intervenção.

Rushdie estava no auge da sua "glória", mas também dos elevados riscos que estava a correr. Seguro explicou-me que estava previsto que o escritor viajasse sob pseudónimo, como já acontecera noutras ocasiões, para outros destinos, e que a sua segurança em Portugal estava plenamente assegurada pelas nossas autoridades, com o comando da PSP a ter o assunto a seu cargo. Foi-me dado o contacto do comandante-geral da PSP, com o qual tudo podia ser confirmado.

Expliquei a António José Seguro que a embaixada nada podia fazer, porque não lhe competia intervir nas regras, em matéria de segurança, pelas quais a TAP se regia. Podia, no entanto, pô-lo em contacto com o diretor da companhia no Reino Unido, a quem ele poderia expor diretamente o problema. Assim fiz. Ao diretor da TAP, sumariando a questão, disse, minutos depois, do telefonema que ia receber. E esqueci o assunto.

Até que, dias depois, mo "lembraram". A embaixada foi informada pelo MNE de que, contra mim, estava a ser encarada a instauração de um inquérito, possivelmente conducente a um processo disciplinar, a pedido do gabinete do primeiro-ministro português, por alegada "pressão" minha junto da TAP, num caso que tinha afetado a "segurança nacional". O homem da TAP em Londres, que logo contactei, deu-me a sua palavra de que, nem por sombras, dissera a Lisboa que tinha havido qualquer pressão da minha parte.

O tom com que o assunto chegou de Lisboa era sério. O MNE, na sua subserviência, zelosa e empanicada, face a S. Bento, passara entretanto a bola para o meu embaixador, o qual, claro, deu "dois berros por escrito”, depois de eu lhe explicar aquela que era uma coisa bem simples e verificável. A questão, não sem alguns outros episódios pouco edificantes para o estado da espinha dorsal de alguns colegas, acabou por morrer no seu ridículo e, até hoje, fiquei mesmo sem saber se Salman Rushdie veio então ou não a Portugal.

sexta-feira, agosto 12, 2022

Conceito Estratégico de Defesa Nacional

Tenho o gosto de integrar o grupo de 21 personalidades que, a convite da ministra da Defesa Nacional, professora Helena Carreiras, foi encarregado de elaborar a proposta para as Grandes Opções do Conceito Estratégico de Defesa Nacional, que vão vigorar na próxima década. Presidirá ao exercício o professor Nuno Severiano Teixeira.

Da anterior comissão, que preparou as bases para o Conceito Estratégico que esteve em vigor nos últimos dez anos, presidida pelo professor Luís Fontoura, e que havia sido nomeada em 2012 pelo então ministro da Defesa Nacional, Dr. Aguiar Branco, transitaram três nomes: Leonor Beleza, Nuno Severiano Teixeira e eu próprio.

Como é óbvio, nenhum dos membros desta comissão aufere qualquer remuneração pelas funções exercidas. 

Ver a notícia aqui.

No “Jornal de Letras”…

 


… desta quinzena

quinta-feira, agosto 11, 2022

A prova


O rapaz levantou-se da cadeira e saiu em direção à porta da Sala Azul das Necessidades, que dava para os claustros. Via-se que ia visivelmente aturdido. Para ele, os últimos cinco minutos daquela prova oral de conhecimentos que acabara de fazer, no concurso de acesso à Carreira Diplomática, tinham sido muito duros.

O professor universitário de Direito que havia sido convidado pelo MNE para integrar o juri, do qual eu fazia parte, tinha colocado ao candidato uma cerrada barragem de perguntas, procurando explorar o que parecia entender como contradições ou escassez de detalhe nos temas em debate. O rapaz, tenso mas muito concentrado, lá se ia defendendo, mas o arguente, quase não o deixando “pousar a bola”, mantinha um ritmo forte de questionamento.

Eu, confesso, estava a achar um pouco demais aquele imparável fogo de barragem. Mas a regra, não escrita, era de que cada um de nós, membros do juri, não se imiscuia durante o período de questões dos outros.

O presidente em exercício do juri, o embaixador Cutileiro Navega, que ali estava em substituição do secretário-geral do MNE, o embaixador Costa Lobo, mantinha uma cara seráfica, que implicitamente traduzia o pleno respeito pelo direito do docente universitário de ir tão longe quanto quisesse, na condução da sua parte do exercício. O outro professor presente, que se encarregava dos temas económicos, Miguel Beleza, olhava, divertido, para a cena.

O rapaz, entretanto, já tinha saído da sala e fechado a porta, atrás de si. A regra era que discutíssemos, de imediato, a nota a atribuir a cada candidato, aproveitando o facto da prova estar “fresca” na nossa memória. Em regra, era o arguente quem propunha a nota, podendo nós opinar de que ela era alta ou baixa demais.

Ainda na ressaca do debate a que acabara de assistir, abri a discussão, dirigindo-me ao professor de Direito: “Desculpe lá, mas acho que foi duro demais com o rapaz! Ele estava destroçado! E, se atentarmos bem, ele até fez um boa prestação! Aguentou-se bem, perante o “bombardeamento” de perguntas que lhe fez. Não está de acordo comigo?”

O docente convidado abriu-se num imenso sorriso e disse: “Mas quem é que disse o contrário? Foi um dos melhores! Apreciei bastante o modo como resistiu às minhas provocações. O rapaz tem estofo! Vai fazer uma bela carreira. Temos de dar-lhe uma nota muito boa”. E lá avançou com um número que, no cômputo final das restantes provas, colocou o candidato bem junto ao topo dos novos “adidos de embaixada” que, semanas depois, entrariam nos quadros das Necessidades.

Ontem, por um mero acaso, à hora de jantar, cruzei-me com o “rapaz”, num restaurante da Carrasqueira, o porto palafítico alentejano, entre a Comporta e Alcácer. Ele é hoje, 27 anos depois da data do seu concurso de acesso, um dos melhores diplomatas portugueses, tendo já exercido funções de grande responsabilidade, como excelente servidor público que se revelou. O docente universitário que o interrogou nesse exame também não teve, a partir de então, uma má carreira. Hoje é presidente da República.

Guerra de verdades

A guerra que aí anda tem transformado pessoas que tinha por tolerantes e moderadas em ferozes soldados de um combate de argumentos ácidos, num tom desrespeitoso para com as opiniões alheias. Imagino que deva ser bom ter a “certeza” de que a sua verdade é a verdade.

Energia limpa

A Europa decidiu reverter a dependência energética da Rússia, dada a natureza do regime de Moscovo. Espera-se que os fornecedores alternativos escolhidos deem garantias de estabilidade e sejam todos sólidos pilares democráticos.

“ A Arte da Guerra”


O podcast semanal do “Jornal Económico”, em que falo com o jornalista António Freitas de Sousa sobre temas da vida internacional, dedica-se esta semana à Ucrânia, ao reacender das tensões entre Israel e a Palestina, terminando com uma análise à reação chinesa à visita de Nancy Pelosi a Taiwan. 

Pode ver aqui.

Educação diplomática



O "jet lag" não ajudava nada. Naquele primeiro dia em Seul, mais do que seguir o calendário de eventos daquele seminário, eu morria de cansaço, por todos os lugares por onde era obrigado a andar.

Mas o "dever" chamava-me: cabia-me co-presidir a um exercício que pretendia retirar, da experiência da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), lições para a gestão das tensões na península da Coreia.

Eu era então o embaixador português junto da OSCE e presidia ao grupo de contacto com os parceiros asiáticos da organização. A convite desta, coordenava, por esses dias, uma delegação multinacional à República da Coreia, ida de Viena. Tinha como meu contraparte o secretário de Estado coreano dos Negócios Estrangeiros, velho amigo de outros postos.

O programa de uma das noites incluía assistir uma peça de teatro coreano, a que se seguia um jantar num restaurante típico. Estafado como estava, passei "pelas brasas" no espetáculo, aproveitando a redução das luzes.

Chegados ao restaurante, um espaço tradicional, percebi que nos íamos sentar "à coreana", em almofadas e com as pernas cruzadas sob uma mesa baixa, o que iria pôr à prova os meus sacrificados joelhos. Mas, pronto!, era serviço!

Por feitio, não sou muito dado a experiências gastronómicas radicais e, muito em especial, sou habitualmente avesso a culinárias étnicas. Por isso, à vista dos pratos locais, fui fazendo uma seleção criteriosa sobre aquilo que neles me apetecia comer. Até que chegou o prato principal. Não consigo recordar o que era. Só sei que era qualquer coisa "sinistra", pela prova. Com alguma arte, fui afastando a comida pelo prato, enquanto alimentava a conversa com o meu contraparte, sentado à minha frente. A certo passo, notando que eu já não comia e muito do que fora servido já estava disperso, o anfitrião coreano perguntou, preocupado:

- Não gosta da comida?

Senti-me culpado pelo facto de não estar a corresponder à sua gentileza, pelo que me saiu qualquer coisa como isto:

- De forma nenhuma! Estava muito boa! Gostei imenso.

O que eu fui dizer! O meu amigo coreano, temeroso que eu não tivesse ficado saciado, e apoiado no meu pronto elogio à sua comida nacional, logo mandou vir para mim uma nova dose, idêntica àquela que eu tinha dispersado com tanto cuidado pelo prato. E lá tive eu que comer aquela mistela, desta vez com escassa capacidade de disfarce.

Foi uma noite bem penosa, confesso! A educação diplomática, às vezes, tem um elevado preço. É uma profissão onde não se engolem só elefantes!

O dia seguinte

Lula vai ganhar. Mas, no final, como aconteceu nos EUA com Trump, iremos olhar para os largos milhões de brasileiros que votaram Bolsonaro. ...