segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Do meu inglês a Forsyth


Recordo-me de que, em casa dos meus pais, lá por Vila Real, os escassos livros numa língua estrangeira (e não eram, de facto, muitos) que andavam pelas estantes estavam escritos em francês. O meu pai era um francófilo assumido, dava “explicações” (gratuitas, por gosto pessoal), aos estudantes da família e filhos de amigos.

O modelo de ensino em Portugal consagrava uma subalternidade da língua inglesa, e a sociedade portuguesa viveu isso de forma muito clara até à viragem dos anos 60 para 70. Só o posterior impacto da economia nas relações de poder entre os Estados ocidentais iria acabar por colocar o inglês (em grande parte, devido aos americanos) no posto de comando (até ver, definitivo) das línguas à escala global. E Portugal não fugiu a esse tropismo.

O inglês, só ensinado a todos entre os 13 e os 15 anos, eram duas aulas por semana que, pelo menos, num desses anos, tiveram a graça de serem dadas por uma professora jovem e gira, que era um estímulo, embora não necessariamente didático, das hostes adolescentes. Por essa pouca aprendizagem, à saída do liceu, eu tinha um inglês muito hesitante, “de aeroporto”, de léxico reduzido, que dava para ler a “Time” ou a “Newsweek” e para dizer o essencial nas viagens que cada vez mais procurava fazer. Mas ficava muito aquém do domínio que tinha do francês, que eu “tinha a mania” (expressão do meu pai) que falava bem melhor. E falava.

Mas, no íntimo, por esses tempos, ia criando a crescente consciência de que precisava de melhorar a minha aprendizagem da língua. No inverno de 1972, numa semana de férias que passei em Nova Iorque, deu-me para ir a um teatro “off Broadway”, assistir a uma peça conhecida de Tennessee Williams. Saí da sessão furioso comigo mesmo: não tinha percebido quase nada dos diálogos em palco. Regressei a Portugal determinado a corrigir isso. Mas como estava então com o curso universitário suspenso, empregado num banco, nem de longe me podendo permitir sonhar em fazer um dispendioso curso de “imersão total” em Inglaterra, onde aliás nunca tinha ido, tinha de ser modesto nas ambições que acalentava.

Contudo, a verdade é que o meu “curto” inglês acabaria, afinal, por ser suficiente para “passar” na prova de línguas de acesso ao MNE. Não muito tempo após a minha entrada para as Necessidades, fui, em 1976, um dos primeiros funcionários a solicitar uma pequena ajuda financeira, prevista no estatuto mas que nunca tinha sido utilizada, para custear aulas externas de língua inglesa. Tenho na memória ter assistido a aulas em grupo num primeiro andar do Centro Cultural Americano, na avenida Duque de Loulé, em horário pós-laboral.

Um dia, à conversa, comentei com um amigo que continuava a ter bastante dificuldade em ler obras de ficção escritas em língua inglesa. Lia, sem quaisquer problemas, história, biografias, “current issues”, mas, sempre que pegava num romance, perdia-me cedo e acabava por desistir.

Esse meu querido amigo, António Pinto Rodrigues, que já se foi há muito (e com quem escrevi e editei, em 1975, o livro “O Caso República”), deu-me então um conselho valiosíssimo: “Começa a ler um livro que, à partida, tenhas a certeza de que te vai interessar. Passa à frente as palavras que não te disserem nada, não pares, não uses nunca dicionários nem tomes notas de palavras, mantém firmemente concentrado no mesmo ritmo de leitura. Verás que, ao final de umas horas, o livro captou-te e te habituas, em definitivo”.

O António era casado com uma americana meia-brasileira, a Dee, e imagino que isso tenha ajudado ao inglês dele. A mim, foi esse seu conselho que me abriu, em definitivo, o caminho de acesso para alguma ficção anglo-saxónica. Valha a verdade que, noutras obras de criação literária de língua inglesa, mais complexas e elaboradas, continuo a recorrer a traduções em português.

Mas a que propósito vem isto, perguntará o leitor? É muito simples: o meu amigo António deu-me nessa altura, como exemplo de coisas a ler, com garantia de interesse assegurado, os “thrillers” de Frederick Forsyth, que estavam a ter imenso sucesso, onde a espionagem se misturava com a aventura política. Aceitei a sugestão e, de facto, fiquei logo “apaixonado” pelo estilo. A partir daí, li creio que quase tudo o que ele publicou, em termos de obras de ficção. Ontem, no quarto do hospital, que acaba por ser uma bela sala de leitura, terminei, em escassas horas, o que julgo ser o seu último romance: “The Fox”.

E?

E não gostei! A fórmula está visivelmente cansada, no género há hoje quem escreva bem melhor, o recurso a referências especializadas, utilizado para dar mais plausibilidade às histórias, funciona já como um truque pouco convincente, tudo isto dentro de um texto recheado de inferências pouco credíveis, de “jogos de sombras” muito batidos.

Forsyth foi-me muito útil há meio século - e estou-lhe eternamente grato por isso. Com o tempo, contudo, foi-me desiludindo - ou talvez tenha sido eu quem se tornou mais exigente. Seja por que razão for, este foi, seguramente, o derradeiro romance de Forsyth que li.

domingo, 29 de setembro de 2019

Esquerda - direita


- Há que reconhecer que foram anos muito difíceis para a direita. Foi sujeita a um grande desgaste, manteve-se sempre com grande dificuldade. Chegou a ser doloroso.

- Tudo bem, mas olha que, com esse panorama na direita, há que “tirar o chapéu” à esquerda. Aguentou forte e feio e, no fundo, toda a estabilidade, nos últimos anos, a ela se ficou a dever. Agora, de certa maneira, a esquerda começa a pagar por isso. É nela que todas as tensões se refletem.

- Teremos de ver como é que a direita se vai comportar. Reconstituída, pode ser que venha a ter um novo futuro. 

- Eu por mim, confesso, agora, quero é esquecer a direita, que ela me não cause preocupações, já me deu cabo do juízo por muitos anos. No imediato, a minha preocupação é a esquerda. Não quero ver nela surgir uma crise grave, porque é com ela essencialmente que conto, nos tempos mais próximos, para isto andar para a frente.

Esta conversa, com um amigo, depois da operação a que a minha perna direita foi há dias sujeita, no joelho, nunca aconteceu, claro.

sábado, 28 de setembro de 2019

Canadianas


Alguém me sabe explicar por que razão estes elegantes auxiliares de marcha, de que me não vou livrar tão cedo, se chamam “canadianas”?

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Diana e os presidentes


Dificilmente se encontrará uma relação política mais conflitual na democracia francesa do que aquela que dividiu Jacques Chirac, que agora morreu, e Giscard d’Estaing. Dois estilos, duas lideranças, dois destinos, dentro da direita e da História francesas. Curiosamente, “une-os” a princesa Diana.

Giscard escreveu um livro de ficção,”La Princesse et le Président”, onde efabula sobre uma relação amorosa que poderia ter existido entre Diana de Gales e um presidente francês, figura em que o retrato do próprio Giscard assenta como uma luva. A imprensa britânica reagiu, entre o furioso e o desdenhoso, ao que entendeu ser uma tentativa de Giscard de sugerir a sua inclusão na lista de amores da princesa. Giscard, mas só depois de muito instado, fez saber tratar-se de uma mera ficção, algo cuja verosimilhança só deveria ser medida à luz das circunstâncias proporcionadas pelos encontros oficiais das duas figuras. A propósito de este livro de Giscard, Chirac fazia, ao que se sabe, comentários hilariantes, depreciativos do seu rival político.

Mas o que é que Jacques Chirac tem (também) a ver com Diana? A tragédia desta última. Na noite em que a princesa morreu, em Paris, no acidente no túnel de Alma, em 31 de agosto de 1997, a primeira preocupação das autoridades policiais francesas foi avisar o Presidente da República. Tudo foi tentado, a começar pelo palácio do Eliseu. Mas Chirac estava, como dizem os franceses, “aux abonnés absents”. Nem os próprios agentes dos serviços secretos que o protegiam, 24 sobre 24 horas, sabiam onde ele se encontrava. O presidente tinha-se permitido uma “escapada”, num dos seus tradicionais “affaires” românticos, que a sua mulher Bernardette aturava desde sempre, não contando, naturalmente, que essa ia ser precisamente a noite em que uma princesa britânica iria morrer à saída de um túnel rodoviário sob o Sena, em que deveria ter sido ele mesmo a informar as chefias britânicas. Só muitas horas mais tarde, foi possível encontrá-lo. Pode assim dizer-se que histórica rapidez de Chirac nos seus encontros sexuais - “cinq minutes, douche comprise” - não se tinha confirmado nessa noite.

Trotsky, Chencho e a madre superiora


Faz agora 50 anos, tal como acontece no dia de hoje, eu estava estendido na cama de um hospital, recém-operado a um joelho (o mesmo!). Então foi no Porto, agora é em Lisboa.

Um aquecimento mal feito, a anteceder um treino de atletismo, no estádio universitário, acabou com a (nem por isso muito promissora) carreira de um esforçado corredor de velocidade do CDUP.

Essa simples intervenção (então) ao menisco, à antiga, não terá corrido bem, como, semanas depois, já em Lisboa, o médico do Sporting, Aníbal Costa, veio a constatar, entregando-me então nas mãos geniais de Graça Gordo, o sargento massagista que acompanhava o mítico Manuel Marques, no clube e na seleção nacional. Que fez por mim tudo o que era então possível. A complexidade das operações ao meu joelho aumentou entretanto bastante, como que correspondendo à passagem do tempo...

Mas voltemos ao hospital no Porto, à casa de saúde da Carcereira, nesse ano de 1969. Por ali estive uns oito dias, porque essa era a regra, mesmo para uma simples rotura de menisco. 

Num desses dias, vi entrarem-me pelo quarto dentro duas freiras. Pensei que se tratasse da assistência religiosa do hospital. Não era. Uma das senhoras explicou-me que era a madre superiora do Lar de Santa Teresa, onde então estava hospedada a minha namorada (hoje minha mulher), que estudava no Porto. Fiquei imensamente grato. A visita das freiras era um gesto de uma enorme simpatia.

A nossa conversa, se bem que agradável, não foi muito longa. Fui dando conta que a madre superiora olhava, com alguma curiosidade, para os dois ou três livros (agora tenho também três livros comigo...) que eu tinha levado para ler durante o internamento. Um deles, o que estava mais à vista sobre a mesa de cabeceira, era a biografia de Léon Trotsky, na versão francesa “Ma Vie”, numa edição de bolso (um bolso “largo”, porque era um calhamaço), da “Poche” (por onde andará?)

Ao despedir-se, aproximando-se da cama, notei que ela fixou muito o livro. Não excluindo poder ter sido apenas uma perceção minha, fiquei a achar, para sempre, que ela mudou para uma cara bastante mais “fechada” do que a que antes me dedicara. Com que impressão terá ficado a madre superiora do namorado da sua hóspede, a ler o teórico da “revolução permanente”?

Não espero vir agora a receber, aqui pelo hospital, a visita de nenhuma freira. Se acaso isso viesse a acontecer, a única biografia que ela iria encontrar à minha cabeceira era a de Chencho Arias, um amigo diplomata espanhol de quem, há dias, em Badajoz, comprei o divertido “Yo siempre creí que los diplomáticos eran unos mamones”. Que diabo pensaria ela de mim ao ver tal título?

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Kildare


Quando a nossa televisão era uma criança, a série “Doutor Kildare” fazia-nos sonhar com hospitais similares àqueles que a América tinha, num tempo em que, por cá, quase tudo, nesse domínio, era uma apagada e vil tristeza. 

As séries “hospitalares” era muito raras, pudicas nas imagens, sem sangue à vista e nelas as relações humanas tinham então imagens com a delicadeza da que aqui mostro, que hoje, pela certa, dava origem a um processo por assédio.

Como diz, a cada passo, um amigo meu: “Isto já não é o que era!”

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Hoje estou no cinema


Hoje estou no cinema


Hoje estou no cinema


Hoje estou no cinema


Hoje estou no cinema


Hoje vou ao cinema


A fugir à polícia


Este não é um texto fácil de escrever. É que, ao fazê-lo, mesmo para descrever uma simples realidade, sou já obrigado a encontrar artes para conseguir fugir ao “policiamento” semântico.

Um dia, em Luanda, fui com um amigo negro (devia ter escrito “afrodescendente”?) , hoje figura de destaque na vida política local, a um cocktail num hotel. A certa altura, quis chamar a sua atenção para alguém que estava do outro lado da sala, que eu tinha ideia de já ter conhecido antes. Expliquei que era "aquele tipo baixo, de casaco escuro, encostado à janela". Havia duas pessoas nessas condições, pelo que foi necessário dar um outro pormenor: "É o que está a fumar". Foi então que o meu amigo reagiu: "O preto? Já podias ter dito que era o preto...". Assim era, mas eu estava a hesitar dizer-lhe isso a ele, também preto, ou negro. E não disse.

Mais recentemente, na minha terra, em Vila Real, cruzei-me na rua com um amigo do tempo de liceu. Vinha acompanhado de um homem negro, que eu não conhecia e que ele me apresentou. Na conversa que entabulámos, falou-se da criminalidade na cidade. Referi que não sentia a menor insegurança nas ruas, mesmo à noite. A pessoa que tinha acabado de me ser apresentada corroborou, em absoluto, a minha perceção. Virando-se para ele, o meu amigo retorquiu, risonho: “Ora, ora! A ti, com essa cor, à noite, ninguém te ataca, porque ninguém te vê!”. Rimos os três, sem constrangimento. Mas, por um segundo, perpassou-me um leve incómodo, por ser a cor daquele homem que estava na génese da piada. Devíamos tê-la evitado?

Vieram-me à memória estes episódios, ao ver a polémica, de natureza similar, que agora envolve o primeiro-ministro do Canadá, por terem sido divulgadas fotografias de uma festa carnavalesca de estudantes em que ele, há 18 anos, estava vestido de Aladino e tinha escurecido a pele para construir a personagem. Caíram o Carmo e as cataratas do Niagara, assistindo-se a Trudeau a pedir desculpas públicas por esse “pecaminoso” passado. E, pior ainda, viu-se o seu opositor político a exigir a sua cabeça, porque uma pessoa “assim” mostrava não ter qualidades para dirigir aquele país.

Reconheço que são hoje inaceitáveis práticas e atitudes discriminatórias que, no passado, eram toleradas e não objeto de censura ou rejeição. O mundo evoluiu e ainda bem. Mas se nessa evolução não for possível preservar um margem sensata de adaptação temporal, feita de compreensão, tolerância e bom senso, o novo mundo acabará por ser perigosamente “orwelliano”.

terça-feira, 24 de setembro de 2019

“Order!”


Aos leitores deste espaço a quem tal possa interessar e que tenham possibilidade de o fazer, recomendo vivamente a leitura da decisão da Justiça britânica, relativa à suspensão do Parlamento.

Escrito numa linguagem que combina o rigor jurídico com o estilo político, este interessante documento de 24 páginas ensina-nos mais sobre a filosofia do sistema britânico do que muita bibliografia que possamos consultar.

Por mim, não dei por mal empregue o tempo que dediquei a esta leitura.

Pode ser lida aqui.

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Vandalismo legal


Aparentemente, a Comissão Nacional de Eleições considera não haver qualquer ilegalidade na execução da pintura que militantes do Bloco de Esquerda efetuaram na parede do Instituto Superior Técnico, como a imagem documenta. 

Deve tratar-se de uma lei antiga, remanescente dos tempos da Revolução, que ninguém ousa propor que seja revogada, para não ser acusado de reacionário.

Na democracia madura em que vivemos, é perfeitamente incongruente que uma propriedade, pública ou privada, possa ser sujeita a este tipo de práticas, feitas sem autorização dos proprietários, que podiam ser simpáticas e até politicamente admissíveis em 1974/76, mas que já não se justificam nos dias de hoje. 

E se a todos os partidos desse na real gana desatar a colocar pinturas em todas as paredes e prédios “apetecíveis” deste país? Pelos vistos, até seria legal! Imagina-se o espetáculo...

Neste caso, será o orçamento do IST, pago por todos os contribuintes, a ter de arcar com os custos da restauração da parede.

Num sistema político moderno, a propaganda eleitoral tem lugares próprios, com tempo de exposição limitado, distribuídos por forma a não agredir a paisagem urbana, evitando tornar-se numa constante poluição visual. 

Por exemplo, o que, desde há vários meses, se passa em locais de Lisboa como o Marquês ou a praça de Espanha, é uma vergonha para a cidade e para a imagem do país.

Salvo em ditaduras e regimes autoritários, bem como em algumas democracias subdesenvolvidas, não conheço país onde este exagero de agressão propagandística, por parte das máquinas e agentes políticos, seja tão ostensivo como em Portugal. 

Sei que falar nisto não dá votos a ninguém, mas seria um ato de grande responsabilidade cívica ver alguém propor a revisão da legislação que, pelos vistos, ainda permite este tipo de coisas.

Repito: o ato levado a cabo pelo Bloco de Esquerda pode ter sido legal. Porém, um partido como o Bloco de Esquerda, que afirma pretensões de acesso ao poder, deveria, como prova de maturidade, abster-se de levar à prática ações desta natureza. Só lhe ficaria bem e daria razões aos portugueses, cujos votos pretende conquistar, de que são um partido responsável. Assim, continuam a dar a ideia de serem apenas os netos dos “pinta-paredes”...

“Sank roo doe noo”


Os muitos dias em que andei à boleia pela Europa, na viragem dos anos 60 para 70, trouxeram-me experiências curiosas. Uma leitora qualificava-as ontem, num comentário, como “aventuras”. Não estou de acordo: foram sempre viagens serenas, com episódios interessantes e às vezes pitorescos, mas nunca configuraram o menor registo aventureiro. Não faz o meu género...

Um desses episódios passou-se três dias depois da refeição “memorável” em Bouillon, que ontem contei. Eu partia do Luxemburgo para Paris, onde tencionava ficar uns dias mais, antes do retorno a Portugal, nesse ano de 1971. Na localidade industrial de Longwy, à saída do Luxemburgo, um “carocha” com matrícula alemã parou para me dar boleia. Eram dois militares americanos, que estavam numa base na Alemanha, que iam passar um fim de semana à capital francesa. A boleia era assim direta para Paris. A mim dava-me um jeitaço! Como eles não falavam uma palavra de francês, ficaram igualmente encantados em que eu os ajudasse a chegar ao seu destino.

A mais proeminente referência parisienses que traziam, para além do hotel, dos "trottoirs" da rue Saint-Denis e de alguns locais congéneres de Montmartre, onde iriam “concentrar” os seus escassos dias, era o "Harry's Bar".

Para quem não saiba, o “Harry’s Bar” parisiense (o nome é vulgar pelo mundo, mas os mais clássicos, embora de natureza algo diferente, estão em Veneza, Roma e Florença, e merecem uma visita, em especial o primeiro), foi, por décadas (não sei se ainda será), um lugar de culto, uma barra alcoólica quase obrigatória para expatriados do outro lado do Atlântico, por onde passaram “batalhões” de militares americanos. Foi no “Harry’s Bar” que muito parou Ernest Hemingway, o qual, ali bem próximo, a “walking distance”, fez história, aquando da libertação de Paris, ao ter tomado a decisão de “libertar” das “garras nazis” esse ponto “estratégico” que era o bar do Hotel Ritz, que ainda hoje conserva o seu nome.

Por muito tempo, o então New York Herald Tribune (depois, International Herald Tribune, hoje, International New York Times), que foi criado como um jornal para os americanos na Europa, incluía, na sua última página, publicidade ao Harry's Bar, onde o respectivo endereço - 5, rue Daunou - era apresentado em transcrição fonética, por forma a permitir ao consumidor yankee dizê-lo com facilidade ao taxistas parisienses: "Just tell the taxi driver: sank roo doe noo"...

Voltemos à boleia que os militares americanos nesse dia me davam. À época, o meu conhecimento de Paris, em especial fora do centro, era bastante limitado. Lembro-me que, por quase uma hora, os fiz perder por bairros periféricos, com os militares a começarem a perder a paciência e comigo a usar o meu francês, com transeuntes que cruzávamos, para tentar chegar à Opera, de onde eu sabia o caminho para o bar.

Finalmente, chegámos! Fiquei-me pelo gin tónico que me ofereceram, porque tinha de ir à procura de alojamento e, decididamente, os nossos planos para os dias seguintes não coincidiam. Vi-os iniciar o fim-de-semana com um Bourbon duplo e logo imaginei o que aí viria. Escapuli-me quando pude, não sem que antes lhes tivesse deixado imensas notas desenhadas no "Paris à vol d'oiseau", um mapa da cidade então muito em voga. Pode-se imaginar que o Louvre e outros polos culturais parisienses não faziam parte dessas notas orientadoras...

domingo, 22 de setembro de 2019

De Bouillon a Berasategui


Ao ouvir, há dias, na RTP, a jornalista Cândida Pinto perguntar aos líderes políticos qual era a sua refeição memorável de vida, dei comigo a responder intimamente à questão. E com grande facilidade.

Era o fim do verão de 1971. Eu andava, há mais de três semanas, numa das minhas viagens à boleia, pela Europa. Depois de ter ido até aos países nórdicos, regressava já ao sul. 

Nesse dia, tinha saído de Roterdão, na Holanda, e pretendia chegar ao Luxemburgo. Às vezes, naquela vida à boleia (o Interail ainda não tinha sido inventado, esclareço), as coisas não corriam de feição. Tinha já passado Lovaina e Namur, na Bélgica, mas o Luxemburgo ainda ficava longe e uma chuva miudinha, puxada a vento, tornava esse final de tarde desagradável, para quem tinha de ficar bastante tempo nos cruzamentos, de dedo estendido e uma placa de papel com o nome do destino pretendido. Surgiam boleias para pequenos troços mas, a certo ponto, percebi que já não iria conseguir chegar ao Luxemburgo nesse dia. Onde dormir, então? Já encarava a hipótese de uma qualquer pensão de estrada.

No guia de “pousadas de juventude” que trazia comigo, alojamentos que eu procurava e quase sempre consegui utilizar, descobri que, numa localidade um pouco fora do meu percurso, chamada Bouillon, local de que eu nunca ouvira falar*, havia um desses albergues. Já ao cair da noite, consegui, finalmente, uma última boleia que me deixou à porta da pousada, que sempre recordo que tinha uma vista deslumbrante, como se vê na imagem (que agora arranjei na net).

Entrei e ninguém estava no balcão da receção. Pousei a mochila, andei pela casa, seguindo vozes que ouvia ao longe e fui parar a uma espécie de refeitório. Num instante, vi os olhos de cerca de duas dezenas de pessoas que por ali estavam a jantar concentrarem-se em mim. De entre eles, ergueu-se um homem mais velho, que logo percebi ser o gestor da pousada. Olhou o meu ar, imagino que um pouco esbodegado pela atribulada jornada, e, com um sorriso simpático e acolhedor, disse-me: “Sente-se já! Venha jantar connosco. Acho que deve estar com fome. Tratamos da sua inscrição depois”. 

Tenho de confessar que o frango corado, com batatas e arroz, que comi nesse jantar em Bouillon, e que há quase meio século trago no meu arquivo gustativo de prazeres, compara muito bem com o almoço que, na passada sexta-feira, sob a batuta do chefe Martín Berasategui, também com uma bela vista, apreciei no “estrelado” Fifty Seconds, no topo da torre Vasco da Gama. A cada momento, o seu prazer.

(*Em tempo: o meu amigo Carlos Leite lembra-me que Bouillon era a terra de Godofredo do Bolhão, figura que a História nos ensinou. Eu sabia lá!)

sábado, 21 de setembro de 2019

Um debate


Ao final da tarde de ontem, participei, num “mano-a-mano”, com o historiador Rui Ramos, num debate sobre a situação política, nestas vésperas de eleições legislativas. 

Sem supresas, o encontro, organizado para os sócios e convidados do “Círculo Eça de Queirós”, sob a moderação da jornalista Maria Elisa Domingues, foi animado, quase sempre contrastante, e, claro, disputado com a elegância expectável. 

Sendo naturalmente suspeito para fazer uma leitura da conversa, que se prolongou por quase duas horas, intervalada com um jantar, arrisco poder dizer, em síntese muito genérica, que procurei opor, a uma leitura algo negativa de Rui Ramos sobre a dinâmica da sociedade política portuguesa contemporânea, que ele entende ter caído numa estagnação de projeto muito agravada pela governação da Geringonça, uma visão bastante mais “rósea” (em todos os sentidos...) e otimista do futuro, sem esconder algumas perplexidades que também partilho. Quem lê Rui Ramos no “Observador” sabe o que ele pensa, quem me lê por aqui também, pelo que me abstenho de ir mais longe.

A certo ponto, fui perguntado sobre se não temia uma maioria absoluta do PS (coisa que, aliás, não acredito que possa vir a acontecer). Confesso que não tenho “strong feelings” sobre o assunto - compreendo os argumentos de quem a defende como desejável, como igualmente respeito os de quantos temem esse modelo de governação. Porém, tenho a impressão de que muitos dos que hoje reagem contra essa hipótese o fazem por razões precisamente opostas às minhas: ainda me não passou o “trauma” das maiorias absolutas de Cavaco e da coligação troika/PSD/CDS.

(Explicação da fotografia: numa das portas do Círculo Eça de Queiroz figura, repetidamente, o nº 202, que recorda o “202, avenue des Champs Elysées”, suposta residência em Paris de “Jacinto”, figura central de “A Cidade e as Serras”, romance póstumo de Eça de Queiroz).

Feitos ao bife!

Alguns amigos estranharam a minha acrisolada defesa do bife, depois da investida da Universidade de Coimbra contra a carne de vaca (anoto que, em rigor, ficou de fora a carne de boi e de vitela).

Ora a minha indignação tem uma história. É que o bife está indissoluvelmente ligado à memória diplomática portuguesa, como bem o demonstra este texto de Eça de Queirós em “Uma Campanha Alegre”:

Os diplomatas portugueses passam por agradar no estrangeiro pela sua palidez! Mas não se sabe que a sua palidez vem, não da beleza da raça peninsular, mas da fraqueza de legação mal alimentada. Onde um embaixador português mais se demora, não é diante das instituições estrangeiras com respeito, é diante das lojas de mercearia com inveja! E se eles não podem alcançar bons tratados para o País – é porque andam ocupados em arranjar mais rosbife para o estômago. Se não fossem os jantares da corte e as ceias dos bailes, a posição do diplomata português era insustentável. E ainda veremos os jornais estrangeiros, noticiarem: “Ontem, na Rua de… caiu inanimado de fome um indivíduo bem trajado. Conduzido para uma botica próxima o infeliz revelou toda a verdade – era o embaixador português. Deram-lhe logo bifes. O desgraçado sorria, com as lágrimas nos olhos.”

Que o país atenda a esta desgraçada situação! Que tenha um movimento generoso e franco! Dê aos seus embaixadores menos títulos e mais bifes! Embora lhes diminua as atribuições, aumente-lhes ao menos a hortaliça. Eles pedem ao seus país uma coisa bem simples: não é um palácio para viver, nem um landau para passear, nem fardas, nem comendas! É carne! Que o País no número do pessoal diplomático – diminua os adidos e aumente os bois.”

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Diplomacia e bom senso


Deixando os créditos da mais velha profissão do mundo para outras artes, pode dizer-se que a vetusta gestão dos “rituais de entendimento” coletivo à escala internacional que é a diplomacia, como lhe chamou Paulouro das Neves, se tem constituído, ao longo dos séculos, como um eficaz instrumento na prevenção e resolução de conflitos, sendo que, quando em absoluto os não consegue evitar, é da sua natureza e missão procurar manter abertos, por cima de todas as dificuldades, os canais de contacto e diálogo.

A evolução da prática diplomática, como se tornou flagrante nas últimas décadas, acabou por simplificar muita da “coreografia” que, historicamente, envolvia a ação dos seus profissionais. Contudo, algum da “liturgia” da profissão é ainda preservada, porque isso constitui um relativo suporte para o mútuo respeito por procedimentos que, no fundo, padronizam e regulam o exercício de uma mesma atividade por cidadãos oriundos de culturas muito diversas. Pela introdução de fórmulas comportamentais e de tratamento muito próprias, foi possível estruturar, e ver basicamente praticada, uma “linguagem” que muito facilita a interlocução. Algumas regras de bom senso e, vá lá, de educação, são, no fundo, esse terreno comum que as escolas diplomáticas procuram ensinar.

Um político não é um diplomata, mas muita da diplomacia dos nossos dias é executada por políticos, que se envolvem diretamente nos processos negociais, curto-circuitando, muitas vezes com grande vantagem, as estruturas de mediação diplomática. Essa cada vez maior tendência para a interlocução internacional por parte dos atores políticos coloca, porém, na sua mão parte da responsabilidade da preservação dos relacionamento entre os Estados. Há que ter a noção de que estes vão sobreviver para além de quem ocasionalmente os representa, pelo que essas pessoas devem ter consciência de que não podem, na sua ação conjuntural, titular atos ou atitudes que possam condicionar negativamente, de forma duradoura, o caminho futuro que caberá aos seus sucessores percorrer.

Quero com isto dizer que me parece de alguma gravidade o que começa a ser visível, um pouco por todo o mundo, ao assistir-se a uma inédita escalada de comentários depreciativos, ou mesmo insultos, entre titulares de órgãos de soberania de diferentes Estados, adotando uma inédita linguagem que pode fechar “portas” para diálogos futuros e, muito em especial, reduzindo a sua própria margem de recuo, para compromissos que a vida pode tornar necessários. 

Tudo aponta para que é a circunstância de os políticos gerirem cada vez mais a sua agenda com o olhar voltado para o efeito mediático das suas declarações que está a levar as coisas por este caminho. A comunidade internacional pode, por esta forma, estar a encaminhar-se para um tempo em que a diplomacia tradicional acabará por ter de fazer “damage controle” da inépcia de quem, afinal, tem a legitimidade política para a orientar. Há que convir que é uma imensa ironia.

A oração final



O (meu) Sporting perdeu ontem com o PSV Eindhoven. 

O nome do clube holandês trouxe-me à memória uma historieta com mais de três décadas.

O Benfica disputava a final da antiga Taça dos Campeões Europeus, em Estugarda, na Alemanha, contra esse mesmo PSV Eindhoven. 

De Lisboa, tinham partido, nesse dia de 1988, vários aviões. Eu ia num deles, com amigos, entre os quais se contavam alguns sportinguistas (como eu), que iam, abertamente, apoiar o Benfica nessa final (é verdade!). Alguns até com cachecol verde. Era um grupo divertidíssimo!

Lembro-me de que Miguel Esteves Cardoso, que tinha ido num outro avião, escreveu então, creio que para “O Independente”, uma crónica saborosa sobre aquela sua inédita experiência futebolística.

A partida foi difícil, com as chuteiras dos jogadores do Benfica a descalçarem-se, por inexplicadas razões. Ao meu lado, o grande Germano, velha glória da Tapadinha e da Luz, sofria a bom sofrer, visivelmente nervoso mas sempre silencioso.

Ao final do tempo regulamentar, o resultado era um nulo. Foi-se para prolongamento e tudo se manteve igual. Restavam os penáltis. E é aí que a cena se passa.

José Vera Jardim, um sportinguista dos sete costados, voltou-se para outro grande "leão", o padre Vitor Melícias, e apelou:

- Ó padre Melícias! Contamos com umas oraçõezinhas suas, agora para os penáltis!

Vitor Melícias, que já no avião nos tinha brindado, de microfone na mão, com anedotas que abalaram o voo de riso, quebrou a nervoseira geral que se vivia naquela bancada, num momento que estava a ser algo tenso, com uma pronta resposta, no tom de voz tão típico que é o seu:

- Orações?! Essa agora! Eu já aguentei isto a "pai-nossos" e "avé-marias" até ao final do prolongamento. Agora, para os penáltis, só o cardeal patriarca!

O cardeal não estava lá, Veloso falhou o penálti decisivo e o Benfica perdeu. Tal como o (meu) Sporting, ontem.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Europa


Ao final da tarde de hoje, tive grande gosto em fazer uma palestra sobre os grandes desafios europeus aos alunos do mestrado em Economia Internacional e Estudos Europeus e do mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional, do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), na presença de docentes e outros convidados da faculdade.

Estrelato


Ontem, dormi num hotel de “quatro estrelas”, que se paga como tal, mas que, na realidade, não passa de um bastante razoável “três estrelas”. (Há meses, já estive também num falso “cinco estrelas”. Quem permite estas coisas, ao não avaliá-las continua e devidamente, contribui para enganar os utentes).

À chegada ao hotel, olhei para a placa exibida, com a classificação média dada pelos clientes do sistema de reservas Booking, e notei que tinham 8,8, um “score” relativamente fraco (na minha opinião, que sei discutível, de “frequent sleeper”). A empregada da receção, a quem perguntei a razão daquela “nota”, respondeu-me que eram poucos os clientes com reservas individuais (“trabalhamos mais com companhias aéreas”) e que, por isso, essa classificação era dada pelos escassos utentes que se davam a esse cuidado. É claro que isso não explicava minimamente por que a nota era tão baixa. Depois, contudo, à passagem do tempo, fui percebendo.

Eu, que faço parte dos que “pontuam” com regularidade, lamento ter de contribuir para baixar ainda mais aquela média do hotel onde dormi. É que um lugar onde sou tratado (à laia da saloíce de alguns serviços) por “senhor Francisco” e por “você”, perde-me eternamente como cliente e ganha-me como detrator.

Dubai 2020


Imagem da reunião, ontem, do Conselho Consultivo da participação portuguesa na Expo Dubai 2020.

Na sopa

O jantar começou tarde, com muito boa disposição, como é típico dos ambientes africanos. Era uma mesa muito longa, bastante larga, que apenas permitia conversa com os parceiros do lado. À minha esquerda, estava uma senhora bem servida de carnes, uma figura política local. À direita, tinha um franzino alto funcionário, encarregado das questões da dívida pública desse país.

A conversa iniciou-se com este último, que elegi como alvo de curiosidade protocolar sobre a situação económica. Fi-lo, confesso, mais por não ter outro tema de conversa do que por interesse particular sobre os equilíbrios macro-económicos dessa antiga colónia de um poder europeu, situada na África central. Deixei-o explanar as dificuldades, disse duas ou três platitudes e, numa pausa, voltei-me para a volumosa vizinha da esquerda, com quem encetei uma breve troca de impressões.

Na sala, entretanto, as conversas ressoavam altas e bem animadas. Era uma visita oficial portuguesa e o chefe da nossa delegação, frequentemente macambúzio, estava nessa noite de boa onda. A certa altura, senti um toque no meu braço direito e voltei-me, de novo, para o meu vizinho. O seu fácies pareceu-me estranho, estava agora silencioso e, em segundos, vi a sua cabeça, sempre voltada para mim, descair e entrar, com lenta suavidade ... na sopa! Continuava a olhar-me, de lado, com ar vidrado e parte da cara submersa no "consommé". Não consegui ver se estava pálido, por óbvias razões...

Por um segundo, fiquei sem saber o que fazer. Desmaiado estava, pela certa. Mas teria o homem morrido? Atrapalhado, dei um toque na vizinha da esquerda, na esperança que tivesse uma solução de emergência, mas ela estava numa conversa galhofeira com um qualquer membro da nossa delegação e não se voltou. Fiz gestos de chamada para as pessoas em frente de mim, mas os espíritos continuavam altos e ninguém me ligou nada. Optei por me levantar, o que levou algumas pessoas a olhar-me e, rapidamente, a notar o estado esvaído do meu antigo interlocutor.

Foi então que uma rápida operação logística se desencadeou. Como se estivessem já preparados e sem denotar surpresa, apareceram do fundo da sala dois latagões, que retiraram o corpo do homem. De seguida, criados recolheram com rapidez o prato de sopa e limparam a área. Tudo foi feito com tal despacho que até parecia rotina. Um minuto depois, num gesto de inusitada normalidade, sentou-se ao meu lado uma outra figura local, sorridente, que logo pretendeu retomar conversa social, como se nada se tivesse passado, quase ignorando a minha preocupação com o estado de saúde do meu ex-vizinho. O resto da mesa, salvo, por instantes, alguns membros da delegação portuguesa que estavam mais próximos, continuou na anterior cavaqueira, "business as usual". 

O homem tinha tido um ataque epilético, vim depois a saber. Já era costume, tinha acontecido várias vezes, em ocasiões diversas, ninguém estranhou nada. Só eu é que, nessa noite, perdi por completo o apetite...

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Jorge Sampaio


Há dias, uma minha familiar que tem quase metade da idade de Jorge Sampaio dizia-se confortada e admirativa por ter encontrado, numa sua entrevista, uma linguagem ao mesmo tempo serena e determinada, uma abordagem bem realista dos problemas, a que, contudo, não faltava um empenhado sentimento de esperança no futuro. Fiquei a pensar nessa apreciação e só pude concluir que, uma vez mais, Jorge Sampaio se mantém igual a si próprio.

Sampaio é uma figura muito rara no cenário político português. Nunca o vi vacilar em matéria ética, nunca lhe notei nenhuma transigência em termos de observância dos princípios que a si próprio se impunha para estar na vida pública. Às vezes, surpreendi-me com a constatação de que convivia, com demasiada naturalidade, com o facto de outros não serem assim. Alguns viam nessa sua atitude uma certa condescendência, a implícita afirmação de uma superioridade moral. Não creio tratar-se disso. Sempre interpretei essa postura de Jorge Sampaio como a manifestação de uma saudável distância face àquilo a que os franceses chamam a “politique politicienne”, que entre nós se traduz lindamente por “política politiqueira”.

Acompanhei com atenção, primeiro a alguma distância, depois mais de perto, a vida cívica de Jorge Sampaio. Não o fiz por mera curiosidade, mas muito mais por, desde há muito, ter sido seduzido pela sua forma única de estar na praça política. Nem sempre estive de acordo com opções que tomou, critiquei escolhas que fez, mas, sem a menor hesitação, posso hoje dizer que me revejo largamente naquilo que soube construir, enquanto figura política. A decência (gosto muito da palavra e acho que se lhe aplica como a poucos) que imprimiu à sua forma de atuar soube granjear-lhe uma genuína admiração por parte de gente de quadrantes muito diversos, às vezes contrastantes. Estou certo que História ser-lhe-á justa, tanto mais que se há uma marca que se lhe cola, desde sempre e para sempre, à imagem essa é a de um apurado sentido de serviço público, feito de uma dedicação permanente à causa da democracia e da solidariedade coletiva. A geração a que pertenço, como já um dia escrevi, fica a dever-lhe um raro legado de ética e integridade política.

Jorge Sampaio faz hoje 80 anos. Há, respetivamente, dez e 20 anos, tive o gosto de estar com ele, neste dia, com muitos dos seus amigos, alguns que o tempo entretanto levou e que sei que muita falta lhe fazem. Não o posso fazer hoje, mas quis deixar-lhe aqui um testemunho público muito sincero de grande amizade e respeito.

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Calem-nos, por favor!


“Vou estar num jantar com o Rui Moreira e o Souto Moura!”. A “piquena” afadigava-se, há duas horas, à saída de Lisboa, no Alfa Pendular, para que toda a gente tivesse conhecimento do serão de personalidades que, chegada ao Porto, a aguarda. Depois, mudou para espanhol e lá a ouvimos em tratações, na língua de Messi e Cervantes, com uma amigalhaça qualquer, durante um bom quarto de hora.

Agora, ao meu lado, um executivo de uma PME ou de uma “start-up” (ou“down”) explica longamente a um interlocutor, em voz altíssima, como deve “pôr a coisa no site” e onde está a chave da garagem. O outro, do lado de lá, parece pouco esclarecido, tantas são as vezes que este meu vizinho repete as instruções. (Eu fiquei a saber tudo).

Não se pode calar esta gente? A CP não pode colocar uns letreiros informando que os passageiros não devem fazer chamadas telefónicas dentro das carruagens (ou, se as têm imperativamente de fazer, fazê-las em voz baixa, sem obrigarem os outros a ouvirem as suas conversas), incomodando quem viaja, lê ou, simplesmente, quer aproveitar a viagem para descansar?

Nos “Bilhetes de Colares”, a mãe de A.B. Kotter, com a sua snobeira anglo-saxónica, referindo-se aos portugueses sem maneiras, dizia que “nem cem anos farão disto gente”. Não vou tão longe, mas lá que demora tempo, lá isso demora!

O “rollsbeef”


Neste dia em que a Universidade de Coimbra anuncia a proibição da carne de vaca nas suas cantinas, quero aqui fazer, em jeito de desagravo, uma modesta mas muito sincera homenagem ao Café de São Bento, onde, desde há muito, se serve o “rollsbeef” de Lisboa.

As vindimas

O debate de ontem, entre António Costa e Rui Rio, foi interessante. Entre os dois homens passa uma corrente de simpatia pessoal, com certeza fruto do tempo em que ambos lideravam as duas mais importantes autarquias portuguesas.

Rio partiu para este debate sob a ameaça de um resultado catastrófico, como todas as sondagens apontam, no dia 6 de outubro. As expetativas eram, assim, muito más e foi “contra elas” que a sua prestação foi avaliada. E, nesse registo, ficou aprovado. Rio tem um estilo curioso, fala das coisas muitas vezes com a linguagem do cidadão comum, desprezando algum rigor, mesmo terminológico. Apenas na economia procura alguma precisão. O aspeto mais sedutor da sua mensagem é dado pela sinceridade que transmite, a ideia de que, perante um argumento convincente do outro lado, não terá pejo em concordar. Há uma autenticidade desarmante em muito daquilo que diz, muito rara na política “tribal” que por cá se instalou. Veja-se a sua indignação sobre os “julgamentos na praça pública” e os ataques à magistratura - temas que sabe que desagradam à direita e a muita imprensa, mas que ele insiste em abordar, porque claramente acredita naquilo que afirma.

Percebe-se que Costa tem alguma dificuldade em debater com Rio. Não porque não seja capaz: Costa é muito melhor preparado politicamente do que Rio e ser-lhe-ia fácil desestabilizá-lo, tornando-o “irritadiço”, retirando-lhe a bonomia que lhe dá alguma graça, obrigando-o a uma postura defensiva, que explorasse ainda mais as suas múltiplas contradições. Porém, taticamente, não convém a Costa partir para o ataque contra o líder do PSD, porquanto a sua vitória far-se-á precisamente com o voto de muitos de quantos, no passado, votaram no PSD e cujo campo não convém hostilizar excessivamente. Costa sabe que, para ter uma maioria absoluta, tem de ter muito eleitor conservador consigo. Por isso, porque o primeiro-ministro quer transmitir uma imagem “mainstream”, começou por atacar o Bloco, distanciando-se do seu radicalismo, sabendo que o BE é a “bête noire” da direita. A defesa que agora faz dos juízes é, como antes se dizia, “de fazer chorar as pedras da calçada”... Muitos dentro do PS terão ontem ficado mais ao lado da indignação de Rio sobre a ”justiça na rua” e muito menos do silêncio na matéria do secretário-geral socialista - silêncio esse que deve ter sido ressentido e ecoado na Ericeira. Se a isso somarmos as reiteradas proclamações sobre o rigor orçamental, está feito um “pacote” que soa a música celestial nos ouvidos conservadores. Já só falta Centeno aparecer na campanha...

Rio ganhou e Costa perdeu? Rio melhorou e Costa estabilizou. Alguns indecisos, se, no dia 6, ainda se lembrarem do debate de ontem e se, no decurso da campanha, Rio não “estragar” tudo, podem optar por vir a votar PSD. Assim, um evidente “derrotado” do debate de ontem é Santana Lopes, que estava a ser o “muro das lamentações” de muitos PSDs que andavam desiludidos com a “performance” do líder e que ontem podem ter sido convencidos a voltar ao redil. Menos seduzível será a ala passista, que agora se sente atraída pelo radicalismo de direita caceteira e liberal, mas que parece irrecuperável por Rio.

Começo a ficar com a convicção de que Rui Rio, se fizer uma boa campanha e tiver um resultado não inferior a 25% pode conseguir manter-se à frente do PSD. Provavelmente, nesse cenário, o PS não teria uma maioria absoluta, o que seria uma má notícia para Costa. A compensação, também para ele, seria a muito boa notícia da continuidade de Rio.

Até ao lavar dos cestos são as vindimas? É verdade e esta é a época delas.

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

António Arnaut



Conheci-o na Noruega, há quatro décadas, numa delegação parlamentar, que ele chefiava. Eu estava encarregado de negócios, na ausência do embaixador. Fui esperar a delegação ao aeroporto e levei-a ao hotel.

Notei que António Arnaut era um homem muito educado, coimbrão na forma, voz forte e inconfundível. Ele não tinha de saber quem eu era e, pela formalidade que começou por usar no seu trato para comigo, fiquei com a sensação de que via em mim uma certa imagem que, pelo menos à época, se colava muito aos quadros das Necessidades.

No almoço do dia seguinte, oferecido pelos noruegueses, ficámos lado a lado, na mesa da nossa delegação. Na conversa, falou-se de muitas coisas mas, a certo passo, veio à baila, entre os deputados portugueses presentes, nem sei bem a que propósito, a reunião da Oposição Democrática que, em 1969, tivera lugar em S. Pedro de Muel. Arnault era o único, de entre eles, que havia estado presente nessa histórica ocasião.

Num determinado momento, Arnaut contou uma cena ocorrida numa das sessões dessa reunião, que identificou como tendo sido presidida por Vasco da Gama Fernandes. Eu permiti-me corrigir: “Tenho ideia que era o José Vareda quem estava a chefiar a sessão, nessa altura. Mas posso estar enganado e a memória trair-me”.

Ainda estou a ver os olhos de Arnaut, por detrás daqueles óculos, arregalarem-se, olhando-me, verdadeiramente, pela primeira vez! Afinal, o jovem diplomata português que, interinamente, chefiava a embaixada em Oslo não era um daqueles “eunucos políticos” que, na visão simplificada de muita gente, o MNE produzia em abundância. A curiosidade ou a cerimónia dos outros deputados não foi suficiente para perguntarem a razão pela qual eu tinha partilhado com Arnaut aquela experiência.

Notei que António Arnaut também teve o cuidado de não ir mais longe, à mesa, na exploração da cumplicidade política potencial que o meu comentário lhe suscitara. Afinal, a delegação parlamentar que chefiava era multipartidária e viviam-se os tempos do governo AD. Mas a simpatia com que, a partir daí, nesse almoço, passou a tratar-me foi muito evidente. À despedida, o nosso aperto de mão foi muito mais caloroso.

A vida fez-me cruzar bastantes mais vezes com António Arnaut, que morreu no ano passado. Um homem que conseguiu concretizar o sonho do Serviço Nacional de Saúde, uma das grandes conquistas da Revolução de Abril, cuja criação agora se comemora.


domingo, 15 de setembro de 2019

Campanha

Ainda não percebi: aqueles que, olhando para os resultados prováveis das eleições proclamam, bisonhos e ácidos, “temos aquilo que merecemos!” não deviam, afinal, estar radiantes com o facto de, pelos vistos, lhes estar a ser feita justiça? Mas não, parece que andam por aí macambúzios...

O leitor de jornais


Alguém me perguntava, ontem, sobre como decorre uma das provas de entrada no Ministério dos Negócios Estrangeiros, que no passado se chamava “de apresentação” e que agora me dizem que tem outra designação, que não fixei.

Expliquei que consistia numa conversa, de 15 a 20 minutos, com cada candidato. Três diplomatas "seniores" fazem parte desse painel, que entabula uma conversa variada com o pretendente à admissão, tentando saber um pouco dos seus interesses culturais e de vida, ao mesmo tempo que se afere a sua capacidade de expressão. Períodos houve em que uma parte da conversa se passava em francês ou inglês, à escolha do candidato.

Confesso que achei sempre essa prova um dos momentos de verdade da admissão à carreira diplomática: dela não se percebe se o candidato vai ser ou não um bom diplomata, mas deduz-se de imediato se ele é totalmente não-dotado para a profissão. Dizem-me que a prova, agora, é a última dos concurso e que se passa exclusivamente em português. Mas o objetivo do exercício continua basicamente o mesmo.

No decorrer da conversa de ontem, lembrei-me de uma história divertida, passada num concurso de admissão, nos anos 90, de cujo júri eu fazia parte.

Num dos dias, um dos jovens candidatos quis "dar-se ares" e, ao ser perguntado por mim se seguia a política internacional, adiantou, com grande firmeza: "Há vários anos que acompanho a imprensa internacional. Todos os dias leio o 'Libération'". 

Confesso que fiquei espantado! Se tivesse dito o "Le Monde", o então “International Herald Tribune" ou mesmo o "Financial Times", era mais plausível. O "Libération", contudo, era um jornal que chegava a Portugal em quantidade muito limitada e era "obra" tê-lo como de leitura diária. Eu lia-o apenas esporadicamente.

Decidi testar o rapaz: "Isso é muito interessante! Então você lê regularmente o "Libération"?! Nesse caso, talvez me possa dar a sua opinião sobre a reforma gráfica pela qual o jornal passou no último mês. Até deve lembrar-se, com certeza, do editorial da semana passada, no qual o diretor, o Serge July avaliava esse esforço de auto-reconversão do jornal".

O nosso candidato embatucou, mas apenas por uns instantes. Com jeito e artes para não cair em contradições, lá disse umas coisas que, revelando ter uma vaga ideia do "Libération", demonstraram agilidade de raciocínio e capacidade de improviso. E, por isso, passou.

Anos mais tarde, encontrei-o num corredor das Necessidades, já ocupando um lugar de chefia no MNE, e perguntei-lhe: "Então! Continua a ler o "Libération"?". Ambos demos uma boas gargalhadas.  Hoje já é embaixador!

sábado, 14 de setembro de 2019

Uma aula de geografia?


York House


Foi sempre uma “ilha” em Lisboa. A York House, durante muitos anos, era um hotel diferente, na rua das Janelas Verdes. Por lá se hospedaram amigos estrangeiros que, na capital portuguesa, pretendiam fugir ao óbvio. Muitos ingleses, claro. Também ali ficaram, por épocas, alguns portugueses “estrangeirados”, retornados a Portugal, seduzidos pelo atipicismo do lugar ou talvez por lhes parecer que ali “cheirava a estrangeiro”. Certa gente do Norte, com dinheiro e gosto, encontrou também ali o seu pouso: foi na York House que Sá Carneiro inicialmente se instalou, quando recém-chegado a Lisboa. Alguns outros governantes embarcados em Campanhã seguiram-lhe o exemplo.

A “minha” York House era outra, era a do pátio da casa principal, ao ar livre, no Verão, para almoço, ou ao final da tarde, para um copo discreto no bar, que se trazia para os bancos exteriores. Foram dezenas as vezes que por ali parei. Nesse tempo, em que a variedade da oferta restaurativa não era o que hoje é, pelo restaurante da York House (que nunca ninguém conheceu pelo seu nome, “A Confraria”) passou meia Lisboa - política, jornalística, artística, social. E diplomática, claro. Se não se cuidava em fazer atempada reserva, a subida daquela penosa escadaria podia muitas vezes acabar por ser debalde, até porque a poucos passava pela cabeça ir comer “lá para dentro”, para a parte interior da casa, uma área onde me recordo que só se jantava, num ambiente pouco apelativo, que nunca deixou de ser algo incaraterístico.

Dizem-me que a York House, há uns anos, foi comprada por franceses. E que muita coisa mudou. Ontem, numa noite soberba de Lisboa, sem vento e de bela temperatura, lembrei-me de lá voltar para jantar, naquele pátio imbatível.

O restaurante parece estar agora voltado “para dentro”, dedicado aos hóspedes que alugam os quartos. Os portugueses, ao que julgo saber, pouco por ali já vão, tanto mais que, ao almoço, a vista para o guindaste e para o que deve ser a incomodativa obra vizinha não deve estimular muito as conversas. Nota-se, aliás, que alguma elegância do passado, que caraterizava o lugar, já se perdeu um pouco: a frequência parece ser hoje a da Lisboa turística, para francês da classe média, em que a cidade se está a converter.

Contudo, feitas as contas, somando o ambiente que continua único, reservado e acolhedor, com a simpatia do pessoal e a apreciável qualidade da comida, com um preço razoável, gostei de regressar à York House.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

A tragédia do CDS


Ver hoje, em algumas sondagens, o CDS com intenções de voto inferiores às do PAN é algo que não deixa de me impressionar historicamente, confesso.

O CDS é uma estrutura de representação política que, a partir de 1974, deu acolhimento democrático a muitos conservadores, a maioria dos quais tinham com o 25 de abril uma relação menos entusiástica - e isto é, obviamente, um irónico “understatement". 

Os núcleos do CDS surgiram, mais ou menos a medo, pelo país, perseguidos por uma esquerda que os via como encapotados saudosistas da ditadura e desprezados por uma direita mais radical, que quase os apodava de colaboracionistas com a nova situação. Tiveram menos arte do que o então PPD, na captação das redes do marcelismo, não integraram os primeiros governos provisórios, e tudo isso marcou decisivamente o seu futuro, nomeadamente em termos de poder autárquico, com forte impacto na limitação da sua expressão nacional.

Não deve ter sido fácil "ser CDS" por esses tempos, tanto mais que, à sua imediata esquerda, nascia um partido que, com o andar da vida política em democracia, apareceu a muitos conservadores mais pragmáticos como aquele que melhor garantiria uma fatia imediata de acesso ao poder político - o então PPD. Para este, a existência do CDS era uma bênção, porque assim assegurava que passava a existir uma estrutura à sua direita, que o afastava um pouco desse setor diabolizado do espetro político. Em saldo, e a meu ver, o país ficou a dever ao CDS, por esse tempo, um importante serviço democrático.

O CDS foi sempre um partido de um líder. De início, foi Freitas do Amaral que o titulou, com aquele ar cinquentão de quem tinha uma pose de Estado e apenas trinta e poucos anos de idade. Ao seu lado, como inteligência estratégica, sobressaía Amaro da Costa - que a trágica desaparição em 1980 converteu num eterno mito partidário. É curioso notar que Freitas do Amaral não conseguiu fixar, na história interna do CDS, o lugar afetivo que a sua liderança inicial justificaria. Porquê? Porque, a partir de certa altura, cavalgando ambições próprias, decidiu "fazer pela vida" e iniciou um "never-ended" percurso zigzaguiante de alianças, que deixou aturdidos os observadores políticos e deve ter colocado à beira de um ataque de nervos os seus seguidores originais. Ele, porém, não vê as coisas assim, como o seu recente livro de memórias uma vez mais revela.

Toda a história do CDS é o drama de uma formação que, pela natureza da sua alegada matriz política original, democrata-cristã, internacionalmente relevante ao tempo, se pressentia vocacionada para a partilha uma fatia do poder democrático, mas que começou a ter a consciência de que só minoritariamente a ele poderia ter acesso, por razões que se prendem com a inultrapassável natureza do sistema nacional de representação política. 

O CDS nunca foi um partido desejado pelos seus coligados (sejam eles o PSD ou, episodicamente, o PS): esses partidos apenas o aceitam porque necessitam do CDS para arredondar as suas maiorias. E, quando colocados nesse contexto, essoutros partidos têm depois de sofrer o imperioso e natural tropismo do CDS querer afirmar uma identidade programática específica. Porque o CDS sabe que, se acaso se subsumir excessivamente numa maioria que nunca liderará, perderá o seu eleitorado próprio. Por isso, sente-se sempre obrigado a fazer recorrentemente prova de vida ideológica, seja ela o que for.

Quem é que vai hoje para o CDS? Não sei bem. Durante muito tempo, "ser do CDS" estava para a política como ser do Belenenses estava para o futebol, tirando uns teimosos abastados rurais, comerciantes, pequenos industriais e profissionais liberais de província que se estavam nas tintas para o Estado e que tinham a graça de não temerem ser apelidados de "fachos". E, claro, nos tempos pós-Revolução, muitos “retornados” de África ali acolheram as mágoas. Noutras geografias, da Lapa a Nevogilde, era mesmo "bem" ser do CDS, embora se soubesse que o caminho fácil para um conservador ter um futuro político estava mais no PSD.

Ora o PSD é uma formação que, nos dias de hoje, a maioria dos "centristas" (uso a expressão por mera identificação) despreza e apenas tolera, porque a consideram movida, no essencial, por uma filosofia oportunista de ascensão ao poder a todo o custo. É, contudo, a "locomotiva" natural no seu cíclico caminho de partilha desse mesmo poder... Já o PS é, por muita gente do CDS, considerado um partido que disfarça bem uma ambição apenas simétrica à do PSD, encadernando-a com uma ideologia que vende como "social", mas, na realidade, é gente que venera o Estado para melhor viver à mesa do orçamento, com a arrogância acrescida de quem se acha "proprietário" de abril. Quanto ao PCP, bem, para o CSD são "comunas" e isso diz tudo...

Durante muitos anos, praticamente ninguém entrava para o CDS para fazer uma carreira política ou obter grandes benesses por essa via - da mesma maneira que ninguém vai para sócio do Belenenses para ganhar um campeonato. Pelo contrário: muita gente que aderia ao CDS levava já consigo uma carreira e um perfil público que ajudava à imagem do partido, raramente esperando que fosse o partido a ajudá-los. O CDS urbano era um partido de elites, de famílias, com um toque religioso à mistura, para adubar a sua origem ideológica. Um partido de bons “adresses”...

Essa sua matriz específica, que politicamente pouco retribuía, fez com que, ao longo dos tempos, o CDS fosse quase sempre o partido dos amigos do líder da ocasião, que acabava por ser quem "puxava" pelo CDS e, com maior ou menor sorte, lhe dava força eleitoral - desde os tempos do "táxi" a bancadas mais fartas. Eram também esses chefes quem determinava a linha ideológica, por isso muitas vezes errática, num moldável "template" conservador - foi anti-europeísta e soberanista para mais tarde desembocar num quase-federalismo europeu, chegou a ser liberal para depois se refugiar em opções que relevam de um "gaullisme" à moda do Caldas, com toques de "poujadisme". Paulo Portas foi a cara desse CDS mutante, sendo que nunca achei apenas casual o acrescento do PP ao nome do partido... 

A pertença ao governo da “troika”, em que o CDS teve um papel relevante, embora polémico no equilíbrio da própria direita, acabou por ter efeitos trágicos no partido. No refluxo dessa experiência, que o PSD também está a pagar, o CSD acabou por ficar com uma liderança “modernaça”, feminina, que parecia poder abrir um tempo novo. Porém, enganou-se totalmente no registo que projetou: foi errática na mensagem, “caceteira” no modo, roçou o populismo, chegou a afirmar despropositadas ambições de liderança da direita. Agora, com o risco acrescido de ver desgastados os seus votos por grupúsculos com agendas sectoriais oportunistas, o CSD parece destinado a vir a ter um dos piores resultados da sua conturbada história.

O riso de Costa



Quem tem alguma memória da vida política portuguesa lembrar-se-á de, um dia, ter ouvido alguém dizer que sabia que iria acabar por ser primeiro-ministro, só não sabia quando. Na atual conjuntura, António Costa pode afirmar, com toda a segurança, que irá ser de novo primeiro-ministro, apenas não sabendo “por quantos” a sua vitória se expressará.

Na história da nossa democracia, raramente um resultado eleitoral terá sido tão pré-anunciado e tão pouco contestado a nível de previsões. De facto, a expetativa de uma vitória eleitoral socialista é hoje tão forte no sentimento coletivo que qualquer resultado que fique abaixo da maioria absoluta vai mesmo, com toda a certeza, acabar por ser visto como uma “derrota” do PS.

Alguém notava, há dias, que, pela primeira vez, desde há muitos anos, os tradicionais apoiantes do PSD e do CDS sabem, de ciência certa, que os votos conjugados dos deputados que vierem a ser eleitos por esses dois partidos nunca irão ser suficientes para os levar ao governo. Assim, quem vier a votar PSD ou CDS já percebeu que vai continuar a ser oposição. 

Por outro lado, o “fond de commerce” tradicional da direita, as “contas certas”, habitual arma de arremesso contra o “despesismo” socialista, parece ter deixado de ter a menor validade: o anterior governo do PS fez, nestes quatro anos, nesse domínio, exatamente aquilo que a direita disse que ia fazer - respeitar os compromissos europeus em matéria de objetivos macro-económicos. Escorado nesse património, o que o PS anuncia que se propõe manter no próximo futuro é exatamente o mesmo que a direita pode dizer que também faria. Desta forma, os socialistas, não apenas “raptaram” o discurso da direita, como deram razões a muita gente desse setor, em face do que fizeram, para confiar neles.

Sente-se, assim, que muitos votantes tradicionais da direita, aqueles que são pragmáticos e não cultores de uma agenda ideológica obsessiva, começam mesmo a acolher a teoria da “bondade” de uma maioria absoluta do PS. Vê-se isso bastante em meios empresariais. Porquê? Porque, sendo inevitável que António Costa se mantenha como primeiro-ministro, então - podem pensar - talvez valha a pena dar-lhe toda a responsabilidade, evitando que, na sua ação futura, ele possa vir a ter algumas derivas “esquerdistas”, que pudessem ser justificadas pela sua dependência dos parceiros da anterior Geringonça.

Com uma oposição de direita destroçada, que contra-poder ao PS passará a existir no terreno? perguntar-se-ão muitos. O presidente da República. Estando em absoluto excluído que PSD e CDS possam vir a formar governo, a “esperança” no equilíbrio do sistema passa a residir, para alguns, quase exclusivamente, no chefe do Estado. Sabe-se que, na direita, Marcelo não faz hoje a unanimidade mas, na atual conjuntura, perante o inevitável, mesmo para quantos não apreciam excessivamente a sua ação, ele representa o único instrumento disponível para “controlar” um novo governo socialista. 

É também perante este cenário de derrota anunciada que algumas pessoas desse eleitorado tradicional do PSD e do CDS podem sentir-se tentadas a dar o seu voto, numa opção “experimentalista” e quase lúdica, a minúsculas formações de direita recentemente emergidas, politicamente oportunistas da crise daqueles partidos tradicionais. Elas vão desde o populismo filofascista, com laivos xenófobos e racistas, até uma espécie de “bonapartismo” tardio, personalizado em figuras em decadência política, passando por uma direita radical, tipo “alt right”, por cá travestida de liberal. 

Os socialistas só esperam para poderem agradecer a quem se sinta tentado a ir votar nessas formações residuais: não lhes causam a menor mossa política na sua garantida maioria (absoluta ou não) e esse ato retira votos que, normalmente, seriam do PSD ou do CDS. No caso dos social-democratas, em alguns círculos eleitorais mais pequenos, essa opção de voto por formações minúsculas pode mesmo vir a “oferecer” alguns deputados ao PS, na tal fronteira da maioria absoluta. 

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Carlos Moedas


Conheci Carlos Moedas em Paris, quando aí foi com Passos Coelho para contactos com setores políticos portugueses e franceses, ainda antes da coligação PSD/CDS ter ganho as eleições legislativas de 2011. Voltei a cruzá-lo com frequência nos anos seguintes, já como secretário de Estado do novo governo.

Um dia de 2012, numa das suas idas a França, onde eu era então embaixador, sugeri-lhe um contacto com Jacques de Larosière, uma reputada personalidade do mundo político-económico francês.

Larosière havia sido governador do Banco de França e do Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento, além de presidente do FMI. Tinha sido recente responsável por um importante relatório solicitado pela Comissão Europeia. Era, à época como ainda é hoje, aos 90 anos, consultor do BNP - Paribas. Tinha tido com ele vários contactos, tendo notado o cuidado com que acompanhava a situação portuguesa, pelo que achei útil que Moedas o ouvisse, na leitura (crítica) que ele fazia da implementação do programa da “troika”.

A conversa entre os dois decorreu na embaixada, durante bem mais de uma hora. Limitei-me a assistir, constatando o que já sabia ser a considerável diferença de perspetivas entre Larosière e Moedas, isto é, o governo português. Carlos Moedas, engenheiro de formação, tirara o seu curso em França, na prestigiada escola de “Ponts et Chaussées”, pelo que falava muito bem a língua francesa, o que facilitou muito a interlocução entre os dois.


No fim da conversa, acompanhei Larosière até ao carro. Foi então que, pelo caminho, lhe ouvi isto: “Este encontro foi muito interessante. Foi para mim um grande gosto conhecer o vosso ministro (os governantes, em França, são sempre tratados por ministros, qualquer que seja o seu grau, mantendo o título social para toda a vida). Quero dizer-lhe que muito raramente tenho encontrado uma pessoa tecnicamente tão bem preparada, no desempenho de uma função política desta natureza. É muito difícil, na vida pública francesa, deparar com figuras políticas que revelem esta capacidade e preparação. Mas, como terá reparado e já sabia pelas nossas conversas anteriores, eu acho que o vosso brilhante ministro, e o governo que ele representa, seguem um caminho errado e que algumas das medidas que tomam não vão dar os resultados que eles preveem. Mas, uma vez mais, digo-lhe: é uma figura de grande qualidade. Fiquei impressionado.”

Ao início da manhã de hoje, contei publicamente esta história, a anteceder uma apresentação feita por Carlos Moedas a empresários portugueses. E não deixei de recordar algo que todos sabemos: nos últimos cinco anos, Carlos Moedas foi um excelente comissário europeu, dando grande visibilidade à sua pasta e tendo, em permanência, cooperado lealmente com as autoridades portuguesas, como o próprio governo tem destacado .

Os trabalhos de Elisa


Elisa Ferreira recebeu, na Comissão Europeia, uma pasta que, a meu ver, corresponde exatamente àquilo que António Costa desejava para o comissário indicado por Lisboa. 

Tendo ficado evidente, desde há muito, que Mário Centeno não tinha hipóteses de obter uma vice-presidência na área financeira - cenário ideal para Portugal, por razões que creio desnecessário explicar -, o “next best” realista para Costa era, claramente, uma pasta desta natureza.

A visibilidade de António Costa no processo de distribuição dos principais cargos europeus, com um nível de influência que, no passado, nenhum primeiro ministro português havia conseguido atingir (o caso Barroso, em 2004, tem contornos que não se ligam à sua nacionalidade de origem), só não teve consequências mais relevantes porque, ao final do dia, os socialistas europeus tiveram de ceder nas suas ambições, em face da força demonstrada pelos conservadores. 

Ao ter que se vergar perante este imperativo, Costa terá conseguido, no entanto, assegurar a temática central que sempre pretendeu, nesse “plano B”, que ficasse sob a tutela do comissário a indicar por Lisboa. 

Nesse contexto, Pedro Marques era a hipótese óbvia e quase pré-anunciada, mas o imperativo da paridade obrigou a fazer avançar Elisa Ferreira, cuja experiência naquela área técnica é similar à de Marques, mas cujo perfil, político e europeu, é incomparavelmente maior e mais sólido.

Achar que seria plausível, como reclamaram alguns maximalistas de cátedra, ter podido obter uma vice-presidência para Elisa Ferreira é um reflexo de insensatez, de quem não sabe “ler” os equilíbrios - políticos, geográficos e outros - que sempre têm de estar presentes num arranjo final desta natureza.

Alguns perguntarão: a pasta atribuída a Elisa Ferreira é importante para Portugal? 

Não sou minimamente sensível à ideia de que, com os fundos estruturais “na mão” de Elisa Ferreira (embora a sua pasta vá bem para além disso), Portugal possa vir a obter diretas vantagens. Se a comissária indicada por Portugal tivesse a tentação de favorecer o seu país de origem, ”suicidar-se-ia” de imediato no seio da Comissão.

Mas sou muito favorável à ideia de que uma comissária de nacionalidade portuguesa pode ter um papel decisivo na preservação da “política de coesão”, de que os “fundos estruturais” são o instrumento essencial, no eixo das grandes políticas europeias. E isso é de um (imenso) interesse para Portugal.

Reitero, assim, o que escrevi num artigo que publiquei em 28 de agosto:

Uma visão antiga e ingénua é a de que, a um país, interessa que ao comissário que indicou seja atribuída na Comissão uma "pasta" que corresponda especificamente aos seus interesses nacionais mais relevantes. Se essa perspetiva egoísta pode funcionar, às vezes, para os maiores Estados, é uma completa falácia no que toca aos restantes. Pela experiência de observação da vida europeia nas últimas três décadas, um comissário torna-se relevante quando, pela sua qualidade, consegue ganhar poder de influência pessoal no seio do colégio de comissários e a quem, pela horizontalidade do seu pelouro, os outros sejam obrigados a recorrer com frequência.

É esse o desafio - explorar a transversalidade da pasta e ganhar peso no seio da Comissão - que Elisa Ferreira vai ter pela frente.

Conhecendo-a, estou totalmente seguro de que vai levar a cabo a sua tarefa com grande eficácia e com efeitos de forte prestígio para Portugal.

(A imagem que escolhi para ilustrar este texto não é casual. Não “bebo do fino”, não tenho nenhuma informação privilegiada. Limito-me a “espreitar” e interpretar o que vou vendo, à luz do que penso.)