segunda-feira, 16 de abril de 2018

Questão

Ainda não vi isto respondido de forma serena e convincente: se o governo de Assad estava, como tudo indica que continua a estar, com a situação sob crescente controlo, no caminho para uma vitória militar, que interesse teria em provocar o mundo com uma ação com armas químicas, de cuja não utilização o seu parceiro russo era garante?

3 comentários:

Anónimo disse...

E se tudo isto não passar de uma grande mentira igual à das armas químicas do Iraque?

dor em baixa disse...

Diz o n.º 1 da parelha: armas maléficas de destruição. Diz o outro: estão lá, está provado. Dizem os satélites: eu vi; eu vi. (take 2)

Joaquim de Freitas disse...

Infelizmente, esta manhã, os espertos internacionais que chegaram a Damasco, confessam que é difícil analisar se havia ou não produtos químicos nos sítios bombardeados, porque foi tudo destruído pelos …bombardeamentos da NATO… Que pena que não tivessem analisado antes e bombardeado depois. Contratempo !!!!!