segunda-feira, 31 de maio de 2021

A direita

Deliberadamente ou não, Passos Coelho converteu-se no maior problema da direita. Faz lembrar uma “allumeuse”: nem vai a jogo, nem sai de jogo. Ao não deixar de ser o dom Sebastião por que (quase) toda a direita suspira, seca em permanência o campo político à sua volta. Quem agora estivesse disposto a avançar para contestar a atual liderança do PSD (e, por consequência, da direita), fá-lo-ia “by default”, isto é, apenas porque a Passos Coelho não lhe apetece ir. Essa figura iria ser sempre um “second best”, um genérico de Passos Coelho. Faria recordar as lideranças peronistas sem Perón.

A direita está farta de Rui Rio, o qual, aliás, está farto de dizer que não é de direita, começando a não se perceber bem o que é que, afinal, ele é. Mas já se percebeu que está ali à espera que alguma coisa corra mal a António Costa, na mesmíssima aposta de contar com o desgaste de quem está no poder, que já foi seguida por Durão Barroso. Se Rio sofrer um desastre nas eleições autárquicas, vai acabar por sair pela direita baixa. Percebe-se que Passos Coelho não lhe queira suceder nessa ocasião: depois de ele próprio ter saído de cena como consequência de umas autárquicas em que levou uma “abada” do PS, seria quase irónico que pudesse voltar encavalitado numa derrota similar do seu sucessor. Mas quem vier a seguir a Rio, se este for substituído, será sempre o líder escolhido apenas porque Passos Coelho o não quis o lugar.

Ventura é um imenso incómodo para a direita. É uma figura pouco apresentável, com um discurso desagradável para muita gente decente, a quem não apetece, por compreensíveis razões, misturar-se com aquilo que o líder do Chega hoje representa. Outros, contudo, para quem “tudo menos a esquerda” é o lema, estão disponíveis para mandarem a ética democrática às malvas e dão-lhe ou acabarão por dar-lhe a mão - vê-se isso, a toda a hora, no “Observador”. O Chega é um produto de antigos votantes mais primários do PSD, ao passo que os liberais, de idêntica extração partidária, são um pouco mais urbanos e “finos”. Mas enquanto Ventura pode já ter segurado os seus num registo próprio, pressente-se que os liberais, se acaso o PSD viesse a adquirir uma liderança apelativa e congregadora, ficariam na nossa pequena história política como um epifenómeno passageiro.

Volto ao início. Passos Coelho está a fazer muito mal à direita. E se, como tudo indica, se está a “bater” a Belém em 2026, para o que terá Portas como concorrente óbvio (a gravata agora constante e a “gravitas” crescente já não enganam) numas informais “primárias afetivas” da direita, com isso vai conduzir a sua família política a um tempo próximo muito desagradável.

Para o presidente da República, que ganharia algum espaço de manobra se o governo estivesse a ser melhor “marcado” por uma potencial alternativa à direita, o tempo que aí vem deve ser de alguma expetativa. Marcelo Rebelo de Sousa não quer crises e faz figas para que o PCP e alguns votos esparsos possam ir viabilizando os orçamentos, para o país sair o melhor possível no pós-pandemia. Deixar o PSD no poder, em 2026, será, com toda a certeza, um seu natural objetivo. Isso permitir-lhe-ia fazer o país recordar que Cavaco deixou a “geringonça” a mandar e que foi com ela e, depois, com o seu sucedâneo “soft” atual, que teve de haver-se.

Chega de ambiguidade

O Chega diz que só viabilizará uma solução governativa se o PSD lhe assegurar lugares no governo. Claro como água. Mas ficaria tudo muito mais claro se o PSD declarasse, preto no branco, que nunca formará um governo que inclua o Chega.

domingo, 30 de maio de 2021

As aparências podem iludir

Em Israel parece estar a ser gizada uma coligação governamental que pode vir a criar, pelo mundo, fortes saudades da “moderação” de Netanyahu.

Culpa rósea

Em Lisboa, a culpa dos festejos do Sporting foi assacada ao presidente da Câmara. No Porto, a culpa é do governo e nem uma palavra sobre a responsabilidade do respetivo edil. Para alguns, onde houver uma crise, a culpa é sempre e só de quem for socialista. Se tiver outra cor, quase sempre safa-se.

Raspa o pobre

Só quem for cego, ou não frequentar balcões de cafés ou tabacaria, é que não vê que as raspadinhas são um flagelo que explora a ilusão dos mais pobres. A mesma lógica que vai levar ao fim das chamadas de valor acrescentado, no serviço público que é a RTP, devia impedir eticamente o Estado de criar novas raspadinhas.

Chega de democracia

Em democracia, os partidos políticos beneficiam de um amplo conjunto de vantagens, fiscais e outras, por virtude do seu contributo para aferir a participação cívica. Parte-se assim do princípio de que quem está no eixo do processo democrático, pratica, dentro de si, a democracia. Porém, no caso do Chega, as suas lideranças locais não são eleitas, são nomeadas. A democracia, essa, fica à porta.

Copianço

Estejam atentos e constatarão: há órgãos de comunicação social portuguesa que vivem a reproduzir informação colhida de outros, dando-lhes honra de destaque e títulos fortes, como se fossem “caixas” próprias. As televisões, então, são useiras e vezeiras neste “copianço” preguiçoso.

Para grunho, grunho e meio!

Interessante e clarificadora foi a expressão do (agora ex-) vice-presidente do Chega (e antigo quadro do MDLP), Diogo Pacheco de Amorim: “Não podemos funcionar dentro da bolha das pessoas bem-educadas porque ... a maior parte das pessoas não o são - e só entendem esta linguagem”.

Descubra as diferenças

Fala-se de uma “geringonça” brasileira para apoiar uma candidatura de Lula à presidência. A dificuldade é que ali há poucos partidos do tipo tradicional, sob voz nacional única, prevalecendo os partidos ”rótulo”, marcados por orientações regionais e fulanizadas, às vezes contraditórias.

Guerra nossa

O sectarismo clubístico da paróquia é tal que alguns conseguem transformar o Chelsea-Manchester City, como se vê aqui nas redes sociais, num pasto para as suas obsessões e ódios a nível nacional. Não há nenhuma vacina para isto?

Ai ia?!

O PSD anuncia que “afinal” não vai estar presente no encerramento do congresso do Chega. 

Ah! Mas então estava previsto que fosse! Muito me contam!

sábado, 29 de maio de 2021

“Observare”


A Bielorrúsia, o futuro da NATO, a questão síria, a nova “desordem” internacional de poderes mas, igualmente, a gravidade da questão no Tigray etíope e o reconhecimento, pelo presidente Macron, de responsabilidades francesas nos massacres de 1994.

Pode ver aqui.

Bolas

É nestes dias de grandes jogos de futebol que me vem à memória a histórica frase de comentário televisivo de Alves dos Santos: “Lá vai o jovem Simões, inteligência nos pés e futebol na cabeça”.

"Uma Família Inglesa" revisited


Isto nada tem a ver com o post anterior...

 


sexta-feira, 28 de maio de 2021

Recordando Salazar

Há pouco, numa velha pasta com papelada, encontrei um projeto de artigo que, em fins de 1970, tinha preparado para o jornal de Vila Real, “A Voz de Trás-os-Montes”. 

O diretor desse jornal da diocese, o padre Henrique Maria dos Santos, aceitava, com grande generosidade, desde 1968, textos que eu lhe enviava de Lisboa, onde vivia. De início, todos os artigos eram publicados. Depois, com o tempo e com certas “ousadias” da minha parte, constatava que alguns textos “caíam”. O padre Henrique explicava-me que o censor local, o capitão Medeiros, andava cada vez mais “de pé atrás” face àquilo que aparecia subscrito por mim. É que já tinha levado uns “apertões”, de “lá de cima, de Lisboa”, por ter caído em algumas “habilidades” minhas.

O texto que agora encontrei, tem uma nota manuscrita, à margem, de que foi “censurado pelo Medeiros, segundo me disse o padre Henrique”. O artigo não trazia nada de especialmente gravoso para o regime e tratava corretamente o “presidente do Conselho”, Marcello Caetano. Porém, ao referi-lo, eu “esclarecia” que ele era a pessoa “que substituiu António de Oliveira Salazar, um académico de Coimbra que, como os mais velhos ainda terão na memória, chefiou o governo do país por algum tempo”... Salazar tinha morrido cerca de três meses antes! 

Uma obviedade daquelas era demais para o pobre do Medeiros! 

Passos perdidos

Passos Coelho foi a vedeta silenciosa do MEL. Todos lhe fizeram rapapé. Por horas, fez salivar de saudade a orfandade da direita. Agora, manda informar que não contem com ele para as eleições internas do PSD. Estranho! Quem não quer ser dom Sebastião que não lhe vista a armadura.

quinta-feira, 27 de maio de 2021

“A Arte da Guerra”


Assista à edição desta semana de “A Arte da Guerra”, uma conversa com o jornalista António Freitas de Sousa no âmbito do “Jornal Económico”.

Esta semana falamos do destino do acordo de investimento UE-Índia, do conflito entre a Espanha e Marrocos e da situação grave que envolve a Bielorrússia.

Pode ver aqui.

quarta-feira, 26 de maio de 2021

Bielorrússia

Lukashenko só ficará no poder se Putin quiser. Embora a Bielorrússia não seja uma mera “província” da Rússia, a capacidade de decisão autónoma de Minsk acaba quando os seus atos têm consequências estratégicas de dimensão regional, como acontece no caso presente.

Putin não arriscará favorecer uma qualquer transição política em Minsk que abra portas a uma maior influência ocidental, em especial que dê espaço a um papel futuro da vizinhança báltica ou polaca junto de uma nova liderança. A lição da Ucrânia foi bem aprendida.

Lukashenko tornou-se um problema para Putin. Uma solução constitucional sem ele seria o cenário ideal para diluir tensões. Para Moscovo, contudo, o caminho é estreito: não é fácil desenhar uma liderança alternativa sem alimentar as ambições democráticas que floresceram no país.

Se tivesse inteligência tática e se o ocidente estivesse disposto a um compromisso estratégico, Putin poderia pilotar uma transição política em Minsk, recebendo, na outra mão, algum gesto compensatório de distensão na relação, quer com a UE, quer com os EUA.

É triste ter de constatar uma coisa: não existe, no “mercado” da soluções políticas, num quadro geopolítico como aquele em que a Bielorrússia se move, nenhum cenário de transição para um regime democrático “à ocidental”. E tudo se fará à custa da soberania do país.

E posso sempre estar enganado, claro.

O MEL visto por um zangão

  1. O MEL, em especial graças a algumas das estrelas convidadas, terá ficado aquém das expetativas de agregação da direita. Mas fiquem atentos: vai vir aí uma revoada de textos, em especial no “Observador”, a fazer “damage control“, explicando que a culpa, como não podia deixar de ser, acaba por ser da esquerda!
  2. O Dr. Rui Rio afirma, com regularidade que o PSD não é um partido de direita. Mas vai ao evento do MEL, onde sabe que vai encontrar os PSD tresmalhados que criaram o Chega e o IL, tentando evitar que alguns mais lhe fujam para essas alas. Não acho que vá ter muita sorte. Nem eu, nem, ao que parece, David Justino.
  3. É pena que a Europa, que está no título do MEL, seja, manifestamente, o parente pobre dos debates.
  4. O MEL parece estar a ser uma inestimável exposição de um setor político onde, em algumas áreas, se sente um claro desespero pelo afastamento do poder. Preocupante, e espero que também para muitos participantes, é a emergência de alguma condescendência para com o autoritarismo, passado ou futuro.
  5. Sempre me pareceu natural este encontro das direitas. É mesmo politicamente saudável que partilhem um debate sobre o país e nos digam o que pensam. Convidarem ou não o Chega, também é lá com eles. Connosco fica apenas o direito de avaliar quem se sente bem na companhia de quem.
  6. Confesso que temo telefonar a alguns amigos que estiveram no MEL, perguntando-lhes se se sentiram confortáveis em todos os momentos do evento.

“Madrid me mata!”




A líder da direita madrilena, Isabel Ayuso, está a ser, nos tempos que correm, o “ai jesus!” da direita da paróquia. Posso perceber.

Arlindo Barbeitos


Julgo que terei conhecido o Arlindo Barbeitos, como era vulgar nessa Luanda dos anos 80, num jantar em casa de alguém. Seria com a Alzira e o João Sobral Costa? Não sei, nem isso interessa hoje muito. Só sei que fiquei marcado pela serenidade sorridente daquele que me foi então dito ser um reputado poeta, depois de ter andado anos pela guerrilha. Era etnólogo, formado em Frankfurt. Tinha um perfil físico que sempre achei muito pouco angolano, o estilo que podia ser de um árabe.

Esse nosso primeiro contacto foi breve. O Arlindo estava acompanhado pela mulher, a Maria Alexandre Dáskalos, uma figura que com ele contrastava, pela expressão histriónica, olhos vibrantes e um discurso um tanto torrencial. Trocámos apenas as palavras vulgares desse tipo de ocasiões.

O meu segundo encontro com o Arlindo teve mais graça. 

Semanas depois daquele jantar, ao deitar uma olhada, ao passar, para a sala de espera da embaixada, vi o Arlindo ali sentado, a olhar o infinito. Explicou-me que aguardava ser recebido por um colega meu.  Mas tinha havido uma situação imprevista e ele tinha ainda para uma boa meia hora de espera. Perguntei-lhe se não queria, entretanto, ficar no meu gabinete. Era mais cómodo. E para lá fomos.

Falámos, para encher o tempo, de algumas pessoas que ele tinha conhecido, no passado, na embaixada e, a certa altura, saiu-lhe esta: “Sabe com quem estou um pouco aborrecido? Com o seu colega Seixas da Costa!”.

Divertido, alimentei o equívoco: “Ah sim?! E porquê? O que é que se passou?”. Explicou: “Depois que ele saiu de Luanda, escrevi-lhe uma carta e nada! Confesso, que sendo ele um homem tão atencioso para os amigos, não esperava uma atitude dessas do Seixas da Costa!”.

“Dei gás”, por um tempo mais, à confusão: “Sabe como são os correios! Conheço bem o Seixas da Costa e sei que ele não deixaria de lhe responder. Quer que lhe diga alguma coisa?”. Que não, que ia escrever-lhe de novo...

Achei então por bem desfazer, de vez, o quid pro quo. Ele queria referir-se ao Luís Filipe Castro Mendes, colega que, anos antes, passara pela embaixada, poeta como ele. Acabámos a rir, comigo a achar imensamente graça a ouvir-me falar de mim como se fosse outra pessoa.

Algumas vezes lembrámos o episódio, quando nos encontrávamos. Isso acontecia, por algum tempo, com frequência, nesse pequeno mundo social, às vezes mais intelectual ou político, às vezes apenas divertido e para espairecer, de uma certa Luanda que eu então percorria nos lazeres, com um imenso gosto. Nunca chegámos a estabelecer uma relação próxima, mas fixou-se uma forte cordialidade entre nós.

Depois, a vida levou-nos para sítios distantes: ele foi viver para a Argélia e eu regressei à Europa. Tenho, contudo, uma vaga ideia de o ter cruzado, pelo menos uma vez, algures no mundo. À Maria Alexandre, vi-a, numa última ocasião, no bar Procópio, já lá vão muitos anos.

Porque falo hoje do Arlindo? Porque ontem, numa pesquisa sobre outro assunto no Google, o seu nome surgiu-me mencionado numa nota do Ciberdúvidas (obrigado, Zé Mário!), com uma referência terrível: duas datas dentro de um parêntesis (1940-2021).

O Arlindo tinha morrido em Luanda, de covid. Ora, há poucos dias, eu soubera que a sua mulher, Maria Alexandre Dáskalos, que também tinha andado pela poesia, falecera também, ainda no passado mês de abril. 11 dias antes! Que tragédia familiar! 

Com a idade, não só o futuro começa a fugir-nos como vamos perdendo cada vez mais o que nos restava do passado. Bom, resta-nos o presente! Bem dizia o (também) poeta romano: “Carpe diem”.

terça-feira, 25 de maio de 2021

Terça

Esta terça-feira passou tão rápido que, se me não lembrassem, já me escapava a escrita de um longo e muito substantivo texto aqui no blogue. Ele aqui fica. Não, não foi por ter estado entretido com a reunião do MEL. Eu é mais zangões!

segunda-feira, 24 de maio de 2021

Carlos Santos Pereira


A melhor homenagem que posso prestar ao jornalista Carlos Santos Pereira, que agora desapareceu, é deixar aqui dito, enquanto profissional de relações internacionais que fui, que ele me ajudou a perceber bem melhor alguns cenários políticos, desde logo a antiga Jugoslávia.

Ceuta

Nestes dias em que tanto se fala de Ceuta, talvez alguém devesse lembrar que Luís de Camões viveu lá por três anos, tendo-lhe aí acontecido um notório acidente oftalmológico.

CNN (2)

Andei anos a dizer que tinha uma familiar que havia trabalhado na CNN. Os olhos dos interlocutores arregalavam-se de admiração, até eu esclarecer que tinha sido na Companhia Nacional de Navegação...

Agora, com a vinda para cá de uma CNN, vai “ser mato”!

CNN

O país acordou hoje com a notícia de que Portugal pode vir a ter a “sua“ CNN. 

Talvez fosse importante alguém explicar, a quem o não saiba, que as CNNs que existem pelo mundo não têm, necessariamente, uma orientação editorial similar à “mãe” americana. 

Da Turquia ao Brasil...

domingo, 23 de maio de 2021

Mais um vizinho


Hoje, domingo, deu-nos para visitar um outro restaurante da vizinhança, o “Clube dos Jornalistas”, na rua das Trinas, na Madragoa.

No edifício de uma antiga escola primária, tem um interior diferente do expectável, decorado com gosto sóbrio, em madeiras e tons fortes (atenção a um degrau entre duas dependências, onde já uma vez me “esbardalhei”, como se diz na minha terra). 

Ao longo da sua já longa existência, notei que o restaurante teve já várias encarnações mas, vale a pena dizer, sempre com uma qualidade apreciável. Recordo-me de que chegou a andar por mãos bascas (oferecia, então, uns dentes de alho imersos em azeite, deliciosos, porque que lhes atenuava o caráter agreste e se trincavam com gosto), com propostas originais e interessantes. Agora, ao que reparei já há tempos, mudou de rumo gastronómico, mas não se perdeu na inventividade, talvez antes pelo contrário.

Nos anos 90, costumava ter por lá muitos almoços. Em um deles, a dois, Mário Soares revelou-me histórias curiosas, algumas quase proibidas, dos bastidores históricos do PS. Lembro-me também de que ali organizei uma jantarada da nossa “fornada” diplomática de 1975. E até um dia ocupámos o espaço com um casamento de amigos.

O “Clube de Jornalistas” beneficia de um espetacular pátio traseiro com jacarandás, abrigado de ventanias, onde, em dias de sol, se almoça (e, ajudando o clima, se janta) magnificamente.

Tinha passado lá, há meses, numa pausa da pandemia e regressei agora. A lista atual é muito criativa, com pratos bem apresentados, com toques de originalidade culinária, que revelam uma mão segura na cozinha. O serviço é sereno, educado e sabedor, conferindo um bom ambiente ao espaço.

O “Clube dos Jornalistas” é um segredo (talvez demasiado) bem guardado em Lisboa. Pela qualidade da sua oferta, pelo ambiente e por todo o seu conjunto é um lugar que merece ser mais conhecido e frequentado. Ah! E peçam o tinto do Douro “Dois” (indicação do meu amigo Fernando Neves). Vivamente recomendo.



Church’s


Ontem, na sindicância de verão às prateleiras de sapatos, deparei com uns Church’s bem antigos - se é que o conceito de antigos se pode aplicar àquela marca prestigiada de sapatos eternos.

Tenho poucos Church’s e sei, exatamente, onde comprei cada um desses pares. Nessas ocasiões, segui uma sábia asserção do precetor austríaco do rei dom Manuel, que andava sempre equipado com os mais caros produtos de vestuário e calçado, explicando: "Não sou suficientemente rico para poder comprar coisas baratas". Só levei à prática esse conselho no tocante aos Church’s.

Um dia, nos anos 90, em Londres, tive a jantar em casa uma colega e o seu pai, uma figura encantadora que, como a muitos aconteceu, recorreu aos médicos britânicos como última esperança para uma doença cancerígena que o minava. Infelizmente com razão a curto prazo, o parecer médico, logo na ocasião, não deixou espaço para nenhumas ilusões.

Ficou-me na memória afetiva, para sempre, a ironia triste, mas com admirável "panache", com que o pai dessa minha amiga, no final do jantar, me disse que, nessa tarde, decidira-se, finalmente, a fazer algo que há muito tinha pensado: comprar uns Church's. "Sabe, dizem-me que duram 20 anos. É tempo suficiente..."

sábado, 22 de maio de 2021

E voam?


Com total sinceridade, tenho em alta consideração as capacidades intelectuais de Mariana Mortágua.

Mas o cenário, há pouco avançado pelo meu amigo Francisco Louçã, em como a veria futura ministra das Finanças, iria implicar ter Jeremy Corbin a liderar a Comissão Europeia, Jean-Luc Mélenchon como presidente francês e Pablo Iglesias no topo da República de Espanha. E, claro, Varoufakis a dirigir o Eurogrupo.

Não sei se gostaria.

Mediterrâneo

Na nossa periferia estratégica não há relação bilateral mais complexa do que a que existe entre a Espanha e Marrocos. Rabat tem uma obsessão com o Saara Ocidental, “sofre” Ceuta e Melilla e gere erraticamente a sua relação com Madrid, que hesita sempre no tom da sua resposta política, sem poder já usar o rei Juan Carlos como almofada intercortes.

Para a semana, falaremos disto em “A Arte da Guerra”, no Jornal Económico.

Presciência


Um dia, ao tempo em que exercia funções no governo, recebi no meu gabinete o embaixador de Israel em Portugal. Vinha despedir-se, no termo do seu mandato.

Poucos meses antes, em Jerusalém, ambos havíamos estado num almoço que o então primeiro-ministro israelita, Itzahk Rabin, ofereceu, em sua casa, ao presidente português, Mário Soares.

O primeiro-ministro israelita seria assassinado no dia seguinte àquele almoço. A partilha desse momento, que evocávamos com alguma emoção, criara entre nós uma relação especial.

Rabin e o seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Shimon Peres, eram a face de um projeto de paz que os americanos, ao tempo de Bill Clinton, se tinham esforçado por pô-los a negociar com a Autoridade Palestina, representada por Yasser Arafat. Porém, num daqueles terramotos políticos em que a vida israelita é pródiga, semanas antes, tinha havido eleições legislativas e os social-democratas, “orfãos” de Rabin, haviam sido derrotados pela direita.

Benjamim Netanyahu acabava de ser nomeado primeiro-ministro. O embaixador cessava as suas funções, creio que por ter atingido a idade da reforma.

Ser embaixador de Israel pelo mundo nunca é uma tarefa fácil. Ele fora-o, com brilho, em Lisboa, num tempo de forte esperança de que uma paz entre Israel e a Palestina estivesse ao alcance da boa vontade.

Contudo, com o desaparecimento de Rabin, os sinais que nos chegavam não eram muito animadores. Netanyahu tinha sido eleito com uma agenda política que confrontava alguns dos caminhos laboriosamente abertos pela coragem de Rabin.

O embaixador ofereceu-me um livro de Amos Oz, que tinha acabado de ser publicado em português. Trocámos algumas palavras, que iam para além da amabilidade protocolar, desejando-lhe todas as felicidades pessoais. Fui levá-lo até ao carro, no pátio do Palácio da Cova da Moura, onde se situava o meu gabinete.

Lá chegados, perguntei-lhe que mudanças a vitória do Likud podia vir a induzir no processo de paz que, pelo menos no papel, parecia ainda poder subsistir.

Otimista por dever de ofício, disse-lhe que não nos podíamos esquecer que o mais corajoso passo político que o mundo testemunhara, por parte de um governo israelita - o tratado de paz com o Egito - fora dado precisamente num governo Likud. Seria Netanyahu capaz de titular uma "paz dos bravos"?

Notei que embaixador me olhou de um modo estranho. Fez um ricto facial que não me pareceu dever-se ao sol que lhe banhava a cara. Foi então que notei algumas lágrimas a surgirem-lhe nos olhos.

Agarrou-me o braço com força e, com visível dificuldade, contendo uma emoção que se lhe sentia muito profunda, disse: "Meu querido amigo. Provavelmente, não deveria estar a dizer isto, mas vou dizer-lhe: com a eleição de Netanyahu, o meu país entrou no caminho da tragédia. Qualquer paz é impossível com ele. Ouça o que eu lhe digo! Não o conhecem!".

E, depois de me dar um abraço forte, entrou, já em silêncio, no carro. Nunca mais o voltei a ver. Nos últimos anos, tenho-me lembrado da sua presciência.

sexta-feira, 21 de maio de 2021

O Bloco e a esquerda

O Bloco de Esquerda parece não entender que, sem sentido de compromisso, pode vir a tornar-se irrelevante, até ao fim da legislatura. O PS tudo fará para dar relevo à “influência” do PCP nas medidas “de esquerda” que o governo vier apresentar para aprovar orçamentos, pescando ainda para isso, se necessário, alguns votos desgarrados, do PAN e outros. Ao Bloco resta tentar uma “cunha” dos seus “aliados” dentro do PS, mas isso pode acabar por se revelar “sapatos de defunto”.

Brasil

Lula solidifica-se cada vez mais como o principal opositor a Bolsonaro, em 2022. Alguns setores do MDB dão já sinais de aproximação, o PSDB surge com sinais contraditórios e Ciro Gomes revela o evidente desespero de quem tem um futuro apenas cheio de passado. Contudo, o “centrão” pode vir ainda a ajudar Bolsonaro, que, até ao fim, permanecerá sempre como o principal “inimigo” de si próprio. Vai ter graça seguir o Brasil

Nem sempre o que parece é


O equilíbrio político no Médio Oriente parece estar a mudar.

Não me refiro à recente eclosão de mais um tempo de incidentes de guerra entre Israel e a liderança militar que o Hamas tem na Faixa de Gaza - o que só uma visão ideologicamente distorcida ou ignorante pode confundir com a questão israelo-palestina em geral. Esse é um tema diferente daquilo que hoje aqui trago.

Foi a Guerra Fria que levou os Estados Unidos para o Médio Oriente, como forma de tentar evitar a influência da União Soviética, atento o crescente declínio regional dos dois aliados europeus - o Reino Unido e a França - naquele cenário estratégico, que teria a sua expressão evidente na humilhação de ambos no Suez.

Ao contrário do que décadas mais recentes podem fazer crer, na proteção internacional do Estado de Israel, a França começou por ser muito mais relevante do que os Estados Unidos. Não ouso datar o início do envolvimento mais intenso dos EUA na proteção de Israel, mas a “guerra dos seis dias” e, em especial, a “guerra do Yon Kippur” marcaram um tempo decisivo na fixação da influência do lóbi judaico junto das administrações em Washington, inicialmente mais no lado democrático, posteriormente abrangendo também as alas republicanas.

Há que notar que, por muito tempo, os americanos viveram, no Médio Oriente, uma evidente contradição. Por um lado, protegiam Israel, mas, por outro, davam cobertura às monarquias medievais do Golfo e a outros poderes autocráticos muçulmanos que, pelo politicamente correto da época, estavam juntos na defesa da causa palestina.

A Washington não convinha deixar cair poderes que, a desaparecerem, poderiam abrir caminho a regimes políticos que a União Soviética não deixaria de aproveitar. Com um delicado equilíbrio entre o fornecimento de armamento aos regimes árabes, que não fosse detrimental para a segurança de Israel, e o cultivo ativo das classes políticas dominantes em muitos desses Estados, os EUA foram conseguindo gerir, numa lógica de “realpolitik”, por bastantes anos, essa contradição. Países como a Síria ou a Líbia não entraram nesse jogo, mas o Egito revelou-se, por exemplo, uma aposta tática de sucesso.

A verdadeira peça estratégica dos americanos na região seria, porém, por muito tempo, o Irão. Os EUA não souberam entender que o nacionalismo de Mossadegh, que sairia derrotado, iria acabar por transmutar-se num poder teocrático com um ainda mais forte sinal anti-ocidental. Ao terem prolongado, insensatamente, o apoio ao regime imutável do Xá, sem terem percebido a tensão que ali estava a criar-se, os Estados Unidos acabaram por perder uma carta decisiva. Tiveram a sorte, contudo, de isso ter acontecido num tempo em que a URSS estava prestes a implodir, sem uma automática capacidade do regime que, parcialmente, seria o seu sucessor - a Rússia - surgir como direto beneficiário estratégico dessa crise.

A partir do momento em que a lógica da dependência do petróleo deixou de determinar, em termos definitivos, a sua política para a região, por surgimento de alternativas de combustíveis fósseis mais facilmente exploráveis em casa, os Estados Unidos começaram a poder gerir melhor o seu investimento militar na área. A aventura do Iraque, com as sequelas no combate subsequente ao Estado Islâmico, acabou por funcionar a contraciclo de um desinvestimento estratégico que o cansaço da opinião pública americana com o envio de tropas para a região iria obrigar, com o Afeganistão a entrar também nesta equação.

Aqui chegados, o tempo passou a uma tensão regional que tem por polos a Arábia Saudita e o Irão, já com uma guerra “por procuração” no Iemen. A administração Trump tinha alimentado esta confrontação e, procurando atenuar os dissídios históricos entre Israel e o mundo sunita, através da reconciliação pelos “acordos de Abraão”, como que estimulou uma frente comum contra o Irão.

Mas Biden parece agora ter outras ideias. E a Arábia Saudita, sentindo-se “orfã”, ensaia um diálogo com Teerão e até com o seu inimigo sunita tradicional, a Turquia. Será assim? Parece. No Médio Oriente nem sempre o que parece é.

A Finlândia do meu descontentamento


Há pouco, nos escassos minutos em que, nos dias de hoje, passo por uma emissão de televisão (é verdade!), dei de caras com a canção que representa a Finlândia, este ano, no festival da Eurovisão. 

E surgiu-me, logo ali, um exercício de rock quase selvagem, uma berraria insana, num vermelho (não, não era encarnado!) que, na minha inocência de observador à distância, dificilmente rima com a proverbial serenidade daquela terra. Saí confuso dessa curta experiência, devo confessar.

Na minha juventude jovem (não, não é engano) em Vila Real, através de uma secção a isso dedicada na revista de música francesa “Salut les Copains!”, estabeleci contacto com uma “pen pal” finlandesa.
  
Era um tipo de inocente correspondente que, ao que guardei na memória, comigo trocou umas enfadonhas cartas, com uma letra muito certinha (a dela, porque a minha era “impossível”), sem o menor romantismo, em que intercambiávamos notas sobre os nossos gostos e a nossa vida, imagino que da música às paisagens do ambiente diário de cada um, porque leituras ou filmes em comum eram então inimagináveis.

Embora o nosso primeiro contacto tivesse sido feito em francês, tenho a certeza de que o “follow-up” foi em inglês, o que logo me deixou pouco à vontade, porque a minha praia linguística não era então aquela.

Fiquei para sempre com a consciência pesada, como só hoje revelo ao mundo: fui eu quem lhe não respondeu a uma última carta! Não me lembro do nome dessa nórdica correspondente (e logo eu, que me lembro de tudo!), que imagino tenha hoje a minha idade. E que deve ser viva, porque, como é sabido, entre o ski, a sauna e a vodka, na Finlândia só se deve morrer de tédio!

Apenas recordo vagamente a sua imagem, numa fotografia que me mandou, que (e isso lembro, com vergonha retroativa) me levou a dizer aos meus amigos vilarreealenses, na esquina da Gomes, que ela era uma “loira gordaça” (eu sei que esta estigmatização do seu perfil calórico é hoje punida pelas regras sensatas do politicamente correto, mas o abusador verbal que eu era já se foi há muito e não deixou sucessores imputáveis). 

Palavra de honra que, há décadas, não me lembrava deste episódio. Mas ao ver aquele grupo desgrenhado, aos berros, com coreografia de fogo e raios, saltou-me à memória essa minha “pen pal” - o que, curiosamente, nunca me aconteceu nas (não tão poucas como isso) vezes que andei pela terra dela, pela Finlândia. 

E concluí, embora sem nostalgia, que a Finlândia que eu conheci estava muito distante de tudo aquilo. Mas logo, no momento seguinte, perguntei a mim mesmo: à minha “pen pal”, se acaso ainda sobreviver pelas planuras do Steinbroken (o diplomata finlandês de “Os Maias”), ao ouvir a nossa canção, com a lírica bem camoniana de “Love is on my side”, sob o cristalino nome português do grupo “The Black Mamba”, inspirado na cidade tão portuguesa que é Amesterdão, acaso terá ocorrido que, nos idos de 60, tinha tido um correspondente em Vila Real (“Royal City”, ter-lhe-ei explicado eu)? Espero bem que não, “for the sake of old times!”

Só posso concluir que isto já não é o que era, como o meu amigo Manuel Amorim de Carvalho não se cansa de dizer de restaurantes a que regressamos e que nos amargam a memória gustativa.

quinta-feira, 20 de maio de 2021

“A Arte da Guerra”


O reacender do conflito israelo-palestino, um olhar sobre as eleições no Chile e sobre o futuro político do Afeganistão, depois da saída das tropas ocidentais. 

Pode ver aqui.

quarta-feira, 19 de maio de 2021

Coimbra Martins


Nunca esquecerei as palavras que António Coimbra Martins me disse quando, semanas depois de eu ter chegado a Paris, em início de 2009, para ocupar o cargo de embaixador, o recebi à porta da nossa residência, num dia em que o convidei para almoçar, a dois: “Nunca tinha sido apresentado ao senhor embaixador mas, pelos muitos amigos comuns que temos e que me falam de si, é como se o conhecesse há muito”. 

Eu também conhecia o seu nome, e bem. António Coimbra Martins fora a personalidade escolhida pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros, Mário Soares, para ser o primeiro embaixador em França, após o 25 de Abril, do novo Portugal democrático, cargo que desempenhou por quase cinco anos. 

Com uma longa e prestigiosa carreira académica, tinha exercido a chefia da delegação da Fundação Calouste Gulbenkian na capital francesa, nos anos 60. Na política democrática, tendo feito parte da ASP (Ação Socialista Portuguesa), movimento que antecedeu a criação do PS, viria a ser ministro da Cultura, deputado à Assembleia da República e ao Parlamento Europeu.

Durante o tempo em que ocupei a casa que já havia sido sua, foi sempre de uma extrema atenção para comigo. Eu brincava com o facto de ele ter sido, em tempos, deputado por Vila Real, pelo PS, num daqueles arranjos políticos em que os partidos são mestres, dizendo que isso lhe dava mais “direitos” do que o ter-me antecedido no cargo, porque essa função o tinha convertido em “transmontano honorário”. Ele gracejava, dizendo que, um dia, eu tinha de mostrar-lhe bem a minha terra, que ele representara politicamente.

Devo-lhe conselhos utilíssimos, para o cargo que exerci. Era um homem com uma expressão que, à partida, podia parecer algo grave e pomposa, o que era acentuado pelo seu tom de voz, mas que logo se desfazia num desconcertante humor, quando comentava as coisas da vida e da política. Vale a pena ler as suas memórias, “Esperanças de Abril”.

Soube, há minutos, que Coimbra Martins morreu hoje, em Paris, aos 94 anos. Foi no quadro de uma atividade da Fundação Calouste Gulbenkian que, há poucos anos, me levou a Paris, que tive o ensejo de estar com ele, pela última vez. Sinto muito a sua morte, digo com a maior sinceridade, porque era uma pessoa por quem tinha grande consideração e forte estima, que sabia retribuída. Envio os meus sentimentos à sua família.

terça-feira, 18 de maio de 2021

Israel e Portugal (1)

Israel nasce, como país, em 1948 e, no ano seguinte, ingressa nas Nações Unidas (contrariamente a Portugal que, por veto da URSS, apenas seria admitido na ONU em 1955). Ainda nesse ano, o governo israelita anuncia a Portugal, numa carta do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, o seu ingresso na comunidade internacional, com vista a promover o respetivo reconhecimento por Lisboa. O silêncio português foi a resposta.

Não resulta muito clara a razão deste posicionamento português, não parecendo decorrer, como alguns aventam, de uma atitude anti-semita do regime salarazista. Muito menos de um seguidismo com a atitude de Madrid. Tudo parece indicar que Portugal temia provocar uma reação de hostilidade por parte dos países árabes, num momento em que a Índia se tornava independente e começavam a aparecer nuvens de preocupação em torno do futuro das possessões portuguesas naquele espaço. Colocar todo o mundo árabe contra si, agravando o isolamento internacional do país, parecia, assim, estar na base da atitude reticente de Lisboa face a Tel-Aviv. O facto de Portugal ter então reforçado a sua presença diplomática em várias capitais árabes parece, em pleno, confirmar esta teoria.

Em 1953, perante uma insistência israelita, o MNE português opta, de novo, por não reconhecer Israel, argumentando que, se o fizesse, estaria a tomar posição num momento de forte tensão israelo-árabe. Num gesto timorato de dimensão limitada, Portugal faz entretanto chegar a Israel, em 1954, a indicação de que veria com bons olhos a abertura de uma representação consular em Lisboa e, embora não encarasse, por ora, o estabelecimento de uma sua representação similiar em Israel, pedia autorização para tal, no futuro. Com esta atitude, Portugal assumia que isso funcionaria como um reconhecimento implícito do Estado judaico. Por isso, a posição portuguesa, transmitida à Embaixada que procederá ao contacto, deixa claro que a autorização da abertura do consulado "far-se-á sem ser precedida ou seguida de qualquer forma de reconhecimento expresso, que nas circunstâncias actuais não seria conveniente". Era o mais longe que Lisboa estava então disposta a ir.

O mundo árabe, entretanto, mostrou evoluir para uma atitude favorável à autodeterminação dos povos coloniais, contrariando as "esperanças" que a ditadura portuguesa nele havia colocado, nomeadamente numa potencial contradição com os novos regimes da "África negra". Em 1959, no quadro de algumas relações económicas entretanto já existentes, Portugal e Israel subscrevem um "acordo comercial e de pagamentos". No ano anterior, havia sido dada, depois de muito tempo de espera, a acreditação para o primeiro cônsul israelita. O despacho justificativo de Salazar é exemplar de realpolitik: "Os países árabes não mudarão de posição quanto a nós seja qual fôr a decisão que tomarmos. Israel votará a favor". As "contas" na batalha das Nações Unidas, com sucessivas condenações de Portugal, estavam a ser, desde 1955, a grande preocupação portuguesa.

Israel tem, entretanto, uma surpreendente evolução de posição face à política colonial portuguesa, menos por um desagrado com as reticências persistentes de Lisboa e, muito mais, determinada por uma tentativa de "cavalgar" politicamente algumas independências africanas, ao que parece num acordo implícito com Washington. Com o início das guerras coloniais nas possessões africanas de Portugal, essa posição vai-se agravando. Em 1967, Lisboa protestou informalmente pela atribuição por Tel-Aviv de bolsas de estudos a líderes independentistas das colónias portuguesas e chamou a atenção para o facto de armas israelitas terem aparecido em posse da Frelimo. Nesse contacto, Portugal invocou mesmo a proteção dada a judeus durante a 2ª guerra mundial, como forma de melhor denunciar a "ingratidão" de Israel. Afinal, as ações de Aristides Sousa Mendes iriam acabar por ter alguma utilidade, para o tardio argumentário salazarista...

Esta atitude negativa de Israel face à política colonial portuguesa enfureceu Lisboa, que passou a abster-se, nas Nações Unidas, na votação de questões israelo-árabes, talvez na ingénua esperança de atenuar a hostilidade deste últimos. Com a utilização da base das Lages, pelos EUA, para abastecimento de Israel, durante a guerra do Yon Kypur, em 1973, Portugal acabou por suscitar a aberta indignação de todo o mundo árabe, que decretou um embargo petrolífero ao nosso país. Atitude, aliás, injusta. Portugal não fez isso para ajudar Israel: fora submetido a um humilhante diktat americano, a que não conseguira furtar-se.

O 25 de Abril chegou, entretanto. Em outro post falaremos de como as coisas evoluíram a partir de então.

Israel e Portugal (2)

Com a ocorrência do 25 de Abril, Israel aproveitou para informar as autoridades portuguesas que "reconhecia" a Junta de Salvação Nacional. Prudente, o nosso MNE registou então, numa nota interna, que Portugal nunca tinha expressamente reconhecido Israel, razão porque o respetivo governo não fora incluído na comunicação geral através da qual dera conta ao mundo do novo regime.

Porque os tempos corriam a favor de um posicionamento prioritário de abertura da diplomacia portuguesa face ao então chamado "Terceiro Mundo", em que os países árabes tinham um papel predominante, e de que decorria naturalmente uma atitude mais pró-palestiniana, o período pós-Revolução não parecia muito favorável a uma aproximação com Tel-Aviv. Melo Antunes, ministro dos Negócios Estrangeiros, assumiu então posições públicas desfavoráveis aos desígnios israelitas e abriu caminho a que, nas Nações Unidas, num voto que viria a ser considerado muito polémico, o nosso país se ligasse a uma resolução que equiparou o sionismo ao racismo (72 votos a favor, 35 contra e 32 abstenções), afastando-se, neste caso, da posição de vários países ocidentais.

Julgo que se pode considerar que, tendo sido este o gesto anti-israelita mais extremado assumido pela diplomacia portuguesa, ele acabou por criar, paradoxalmente, um ambiente propício a uma viragem na atitude futura de Portugal face a Israel.

Foi o Partido Socialista quem esteve no centro desta nova atitude portuguesa. Com efeito, estando o Partido Trabalhista no poder em Tel-Aviv, a lógica de apoios dentro da Internacional Socialista acabou por favorecê-lo e Mário Soares veio a mostrar-se crescentemente aberto a favorecer uma maior aceitação de Israel no quadro internacional, com a contribuição de Portugal. Ao mesmo tempo - e lembremo-nos que estávamos no tempo tenso de 1976 -, esta orientação socialista marcava também, no plano interno, o seu claro afastamento da linha "terceiro-mundista" que o PS considerava ter marcado o consulado diplomático de Melo Antunes. Aliás, o ministro militar teve o cuidado de desenvolver bem o seu ponto de vista no seu discurso de despedida do MNE, largamente citado pela minha colega Manuela Franco, num artigo em cuja factualidade me tenho vindo a apoiar neste e no anterior post e cuja consulta recomendo.

Assim, logo no programa do I Governo constitucional, em 1976, referem-se, embora sem sentido claro de decisão, "as questões do estabelecimento de relações diplomáticas com a China Popular e Israel". Esta clara inflexão fora precedida de visitas partidárias a Israel de Jaime Gama e de Salgado Zenha. Porém, como bem refere Manuela Franco, dentro do MNE essa nova predisposição socialista não apenas não provocou efeitos sensíveis como terá mesmo suscitado algumas surdas resistências. Basicamente, e para o que contava em termos de atitude prática, a política manteve-se a mesma, mesmo sendo já Medeiros Ferreira o novo ministro.

Embora não disponha, de momento, de datas exatas comigo, recordo que, algures em 1977, uma missão técnico-diplomática que eu integrava, destinada a finalizar um promissor processo de contratação de obras públicas, iniciado no ano anterior, foi sujeita a uma espécie de "quarentena" em Tripoli, na Líbia, durante quase uma semana. Isolados num hotel nos arredores da capital, sem comunicações com o exterior, com os passaportes e bilhetes nas mãos dos nossos anfitriões, verificávamos, com surpresa, uma diferença radical de atitude face à simpatia com que, menos de um ano antes, aí havíamos sido recebidos. Ao final de um período de perplexidade e mesmo de alguma angústia, viémos a ser informados que estávamos a ser "vítimas colaterais" do anúncio da decisão, por parte de Portugal, de que Lisboa e Tel-Aviv iriam estabelecer relações diplomáticas a nível de Embaixada. "For the record", assinale-se que tudo se compôs e os contratos com os líbios acabaram por ser assinados, tendo aberto caminho a uma ininterrupta presença da indústria portuguesa de construção e obras públicas naquele mercado.

A decisão de elevação das relações para o nível de Embaixada (Israel transformaria em Embaixada, logo em 1977, o Consulado-geral que mantinha em Lisboa; Portugal só em 1988 acreditaria o seu embaixador em Roma como não residente; um embaixador residente português em Tel-Aviv apenas se instalou em 1991) poderá ter sido um dos factores de conflito entre Medeiros Ferreira e Mário Soares, com a saída do primeiro de MNE, substituído interinamente pelo segundo. Com esta decisão favorável a Israel, a nossa diplomacia passou então por momentos de grande dificuldade com os países árabes, que chegou a ameaçar os nossos fornecimentos petrolíferos, tanto mais que estávamos em campanha na candidatura a um lugar de membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU.

No ano seguinte, por insistência do governo de Tel-Aviv, aquela que julgo ser a primeira missão oficial portuguesa visitou Israel. Fui nela integrado e, dessa forma, julgo ter sido o primeiro funcionário diplomático português a deslocar-se oficialmente a Israel (curiosamente, creio que havia sido também o primeiro a ir à Líbia, em 1976, enquanto representante do MNE).

Em Portugal, viviam-se os tempos do Governo PS-CDS, sendo Victor Sá Machado, deste último partido, ministro dos Negócios Estrangeiros. Antes da partida da missão, o jovem terceiro secretário de embaixada que eu era foi levado à presença do ministro, acompanhado do chefe de repartição, Queirós de Barros. Foi-me explicado que o ministro da Agricultura, o socialista Luis Saias, que eu acompanharia, tinha uma missão exclusivamente técnica e que estava, em absoluto, fora de causa assumirem-se quaisquer posições políticas, quer com impactos bilaterais, quer relativamente ao conflito do Médio Oriente. Assim se fez, com pormenores curiosos que só o tempo permitirá revelar, não obstante o contraparte do nosso governante, que nos acompanhou grande parte do tempo, o então ministro israelita da Agricultura, se chamar... Ariel Sharon!

Como atrás se disse, a nossa Embaixada em Tel-Aviv só viria ser aberta em 1991, a tempo de poder acompanhar a nossa segunda presença no Conselho de Segurança das Nações Unidas. A partir daí, as relações entraram num registo de normalidade, com Portugal a assumir sempre uma posição de grande equilíbrio que, basicamente, tentava conciliar o direito à criação de um Estado palestiniano e a necessidade de preservação de um Estado de Israel com fronteiras reconhecidas.

Em fins de 1995, teve lugar a primeira visita de um chefe de Estado português a Israel. Então já no exercício de funções políticas, acompanhei Mário Soares nessa viagem, em substituição do ministro dos Negócios Estrangeiros, Jaime Gama. Era um tempo de grandes esperanças para o processo de paz no Médio Oriente, posterior aos acordos de Oslo e Washington. Mário Soares era um interlocutor respeitado pelo primeiro-ministro Yitzhak Rabin e pelo MNE Shimon Peres. Nas várias conversas que ambos tivemos com estes responsáveis israelitas, fomos estimulados a ajudar, nomeadamente no âmbito europeu, aos esforços de reconstrução económica que a Autoridade Palestiniana tinha em curso na Cisjordânia e, em especial, em Gaza. Estávamos precisamente com Yasser Arafat, líder da Autoridade Palestiniana, depois de jantar, em Gaza, na noite de 5 de Novembro de 1995, quando nos chegou a notícia do assassinato de Rabin, em casa de quem tínhamos almoçado na véspera.

Nada seria igual, naquela parte do mundo, depois dessa data. O processo de paz ruiu, a unidade palestiniana rompeu-se, Israel evoluiu internamente por caminhos diversos. Como hoje se vê pelas imagens de tragédia que se juntam às notícias que nos chegam.

segunda-feira, 17 de maio de 2021

Edgar Rodrigues e a liberdade


Quando fui embaixador no Brasil levava na minha agenda de intenções fazer uma homenagem aos portugueses que a ditadura tinha obrigado, entre 1926 e 1974, a sair de Portugal e ir para lá viver como terra de exílio. Foram muitos, ao longo de muitos anos, de escolas políticas muito diversas, às vezes contraditórias entre si.

Um dia contarei, com as palavras certas, uma realidade a que nenhum embaixador português escapa no Brasil: o ter de equilibrar, na sua ação, o respeito histórico que é devido a essa memória de resistência ao período ditatorial com a permanência, bem ancorada ainda em algumas instituições da comunidade luso-brasileira, de um forte núcleo saudosista do tempo anterior ao 25 de abril. Estas últimas pessoas espelham uma certa comunidade histórica tradicional, a qual viria a ser reforçada nesse sentimento, depois de 1974, por quantos saíram apressadamente de Portugal, temerosos dos novos tempos revolucionários, e ainda por pessoas que abandonaram Angola e Moçambique, por ocasião da independência desses novos países.

O embaixador de Portugal, sendo naturalmente representante do Estado democrático que hoje existe em Lisboa, tem de ter em conta toda a gente: desde quantos comemoram alegremente o 25 de abril até quantos detestam, aberta ou veladamente, essa data e ainda mantêm, em vários espaços do seu movimento associativo, bustos ou retratos de Salazar, de Carmona ou mesmo Américo Tomás. 

É uma “arte” conseguir fazer essa “quadratura do círculo” e, podem imaginar, esse comportamento foi bastante difícil para um embaixador que tinha sido militar no 25 de abril e que nunca escondeu as suas convicções políticas. Mas, com falsa modéstia, julgo ter conseguido ter sempre o tom certo, perante essas memórias afetivas contraditórias.

Tudo isto serve para retomar o fio à meada, daquilo que escrevi no primeiro parágrafo deste texto. Tentei, embora um pouco tarde demais no meu tempo de funções, organizar em congresso académico sobre o exílio português no Brasil durante o período da ditadura de Salazar e Caetano. (O que tentei no Brasil acabei por conseguir fazer, anos mais tarde, em Paris). Reuni com a UFRJ e organizei um encontro com dois especialistas luso-brasileiros no assunto: Heloísa Paulo e Douglas Mansour da Silva. Mas não fui capaz de concitar os apoios que eram essenciais - e, claro, não podia contar, para o exercício, com as instituições representativas da comunidade luso-brasileira, pelo facto destas viverem no conflito que antes explicitei.

Ao tempo da minha ida para o Brasil, tinha uma particular curiosidade em poder vir a conhecer pessoalmente uma figura de quem tinha lido uma prolífica obra de historiografia sobre o movimento libertário português, Edgar Rodrigues. Fora alguém que se vira obrigado a exilar-se no Brasil e que continuava bastante ativo na escrita. Era então o mais antigo exilado político português no Brasil ainda vivo. Para meu grande espanto, a generalidade das pessoas com quem falei, do setor democrático e oposicionista da comunidade portuguesa, desconheciam a sua figura ou só muito vagamente tinham ouvido falar dele. 

Tive algum trabalho para obter mais dados sobre ele. Mas o que pude apurar, somado à importância das dezenas de obras que publicou, foi suficiente para me decidir propor que lhe fosse atribuída a distinção da Ordem da Liberdade, em Portugal. Essa minha ideia caiu, contudo, em saco roto, em Lisboa. Falei então com Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de abril, que se ofereceu para promover a oferta da Medalha daquela Associação a Edgar Rodrigues. Fiz-lhe entrega desse galardão - que foi o reconhecimento possível - num encontro que tive com ele no Consulado-Geral no Rio de Janeiro, antes da minha saída definitiva do Brasil, em 11 de novembro de 2008, de que deixo registo fotográfico.

Edgar Rodrigues veio a morrer meio ano mais tarde, em 15 de maio de 2009. No passado fim de semana, no âmbito do LEV - Literatura em Viagem, um festival literário em Matosinhos em que, por coincidência, fui dos participantes convidados, foi feita uma homenagem a Edgar Rodrigues que este ano, se fosse vivo, completaria 100 anos. Veremos se, finalmente, esta efeméride e esta evocação permitem fazer renascer a ideia de lhe ser atribuída a Ordem da Liberdade.

domingo, 16 de maio de 2021

“Entrevista de vida”


O LEV - Literatura em Viagem, um festival literário já consagrado, que anualmente se realiza em Matosinhos, convidou-me a nele participar. 

Durante uma hora, no cenário muito bem recuperado do Teatro Constantino Nery, dei ontem uma “entrevista de vida”, muito bem conduzida por Hélder Gomes.

Quem estiver interessado, pode ver e ouvir a entrevista clicando aqui.

Acusação

Há tempos, num supermercado, uma senhora, que, pelo tom de voz, imaginei sorridente por detrás da máscara, disse-me: “Devo-lhe uns quilos!” Não percebi. Ela esclareceu: “Visitei alguns dos restaurantes que aconselhou nas redes sociais. E, olhe!, engordei!”. Mas não levou a mal...

Decidam-se!

 


As restrições às viagens, por virtude da crise pandémica, arruinam a organização do trabalho das pessoas...

sábado, 15 de maio de 2021

O mundo é muito pequeno!


Não anotei o seu nome. O cidadão português que se aproximou de mim, numa pausa de um evento que teve lugar no palácio de S. Clemente, residência do cônsul-geral de Portugal no Rio, queria apenas dizer-me que tinha uma ligação à minha terra, a Vila Real. Estávamos em 2006, ao tempo em que eu era embaixador no Brasil.

“Cheguei a viver uns meses na sua terra, senhor embaixador. Fui com o meu avô para lá”. Achei curiosa a referência e atentei no relato que ele me fazia. 

Às vezes, para não desiludir os interlocutores, devo confessar que os embaixadores fingem interessar-se por histórias que os muitos cidadãos do seu país com quem se cruzam no estrangeiro lhes contam, nessas apressadas ocasiões públicas. Mas, neste caso, a minha atenção era muito genuína. E tinha a ver com as datas que ele me dizia. É que tínhamos coincidido na capital transmontana, teria eu então uns 14 ou 15 anos. A cidade era pequena, eu conhecia por ali toda a gente. Onde é que ele vivera?

Explicou-me que a estada da sua família, em Vila Real, fora relativamente curta, bem menor do que expectável. O seu avô, homem de muitas posses, transmontano residente no Brasil, tinha comprado uma casa muito interessante, no centro da cidade, e tinha tido o cuidado de mobilá-la com algum requinte. A isso fora ajudado por pessoas amigas, creio que do Porto. Decidira escolher para a casa excelentes móveis, objetos de decoração, tapetes. A ideia seria firmar uma posição na cidade e, para isso, possuindo ele os meios, procurou garantir um apetrechamento adequado da habitação.

A vida, contudo, é sempre feita de surpresas. Escassos meses tinham decorrido desde a instalação em Vila Real e, por uma razão que creio que me explicou mas que esqueci, o seu avô, e com ele a família, haviam tido necessidade de regressar rapidamente ao Brasil. Em poucos meses, todo o esforço de montagem daquela magnífica casa se gorou. Coisas que tinham acabado de ser adquiridas, acabaram por ser postas à venda, num prazo de tempo curto, a um preço, ao que se lembrava, abaixo do seu real valor. “Havia peças lindíssimas”, recordava-se o meu interlocutor, que, embora bem jovem à época, guardava uma memória impressiva da casa do seu avô.

Eu estava cada vez mais curioso com a história - e já perceberão porquê. “Diga-me uma coisa”, inquiri, “onde ficava a casa do seu avô?”. A explicação era pouco precisa, mas rapidamente entendi do que ele falava, quando me disse: “Era um primeiro andar, mesmo no centro da cidade, sobre uma loja comercial, junto a dois cafés”.

A certa altura, com a expressão da minha curiosidade a parecer já um pouco estranha ao meu interlocutor, perguntei-lhe: “Tem ideia de como eram os sofás da sala do seu avô?”. O homem olhou para mim com um ar um pouco espantado, mas adiantou: “Claro que recordo! Eram em tons de verde, com desenhos florais em veludo”. Forcei a sorte: “E tem ideia de haver na casa um espelho grande, clássico, dourado?”

Neste ponto da conversa, o homem já esbugalhava os olhos. “To make a long story short”, posso concluir que lhe disse: “Se um dia tiver saudades desse espelho, se quiser sentar-se nesses belos sofás e quiser ver como ainda está bem conservada uma grande carpete, em tons verdes, de Beiriz, que atapetava essa habitação do seu avô, eu convido-o a ir a minha casa, lá em Vila Real. Está lá tudo isso!”

O meu interlocutor estava entre o surpreendido e o comovido. Eu expliquei: o período em que o seu avô tinha decidido desfazer-se do excelente recheio da sua casa em Vila Real coincidira, precisamente, com aquele em que tínhamos ido viver para a nova residência do gerente da Caixa Geral de Depósitos, cargo que o meu pai ocupava. O inesperado surgimento, à venda na cidade, de um magnífico conjunto de peças de mobiliário e decoração, em estado praticamente novo, a um bom preço, caíra “como sopa no mel” nos planos dos meus pais, ajudando-os a rechear a imensa casa que então fomos ocupar. E eu era - e ainda sou, nos dias de hoje - o feliz herdeiro de todas essas peças. 

O mundo é muito pequeno, como se vê!

sexta-feira, 14 de maio de 2021

Na vizinhança



A bem dizer, o “Geographia” é o restaurante mais próximo de minha casa. E, injustamente, poucas vezes me lembro de lá ir. Fi-lo ontem, para jantar. E, como sempre - sempre, repito - aconteceu, saí imensamente satisfeito. 

O “Geographia” justifica que, por uma vez, eu use a irritante palavra “conceito”, aplicável a uma casa onde se vai para comer e beber. O “Geographia” é um “conceito” muito original no nosso país: apresenta pratos dos várias regiões e culturas que Portugal, na sua aventura imperial, cruzou pelo mundo, da Ásia à América e à África. Fá-lo com um extremo cuidado na apresentação, sem “sublinhar” em excesso certos sabores específicos, adequando o equilíbrio culinário ao gosto português médio, mas sempre de uma forma elegante e até sofisticada.

O “Geographia”, que fica na parte elevada de um largo junto ao Museu Nacional de Arte Antiga, tem um serviço de mesas jovem, bem disposto e muito atento. Com os devidos cuidados a que a “saison” sanitária obriga, ontem foi reconfortante ver por ali uma casa com razoável número de clientes. 

Porque acho que o património em matéria de diversidade gastronómica é uma riqueza nacional que nos compete preservar, devemos apoiar o esforço que os restaurantes fizeram neste tempo de pandemia e recompensá-los com a nossa frequência.

Ao leitor de Lisboa que não conhece o “Geographia”, recomendo francamente uma visita. E isto é muito sincero, pode crer! Aceito reclamações.

quinta-feira, 13 de maio de 2021

O silêncio dos Borges


Há pouco, li uma citação de Jorge Luís Borges: “No hables a menos que puedas mejorar el silencio”. E ao ver o nome Borges associado à palavra silêncio, vieram-me à memória duas figuras que faziam parte do meu cenário de infância e juventude, em Vila Real: os “Borginhos”.

Eram dois irmãos, gémeos, franzinos, de estatura pequena, de uma família relevante na cidade. Ambos eram engenheiros técnicos, ambos trabalhavam na Junta Autónoma de Estradas. 

Lembro-me deles sempre vestidos de escuro, muitas vezes pelos corredores do Club de Vila Real. Muito discretos e reservados, eram pessoas bastante consideradas. Eu, confesso, não distinguia um do outro. Como tinha uma parte da minha família na mesma área profissional dos “Borginhos”, falava-se bastante deles lá por casa. Sempre bem, diga-se.

Há tempos, dei-me conta de que um dos “Borginhos”, Filipe (o outro chamava-se José Manuel), tinha sido um excelente fotógrafo amador. Uma nota do Museu do Som e da Imagem da cidade dá-os a ambos envolvidos na “fundação do Sport Clube e do Circuito de Vila Real, dividiram o interesse pelo coleccionismo, pelas artes, pela arquitectura, pela heráldica, pelos desportos motorizados”.

Ao que se dizia, o pai desses dois irmãos, o senhor Borges, era uma pessoa muito parcimoniosa nas palavras ou, para utilizar linguagem comum, um homem de poucas falas. O silêncio seria cultivado entre ele e os filhos, sendo frequentemente vistos os três a passear pela cidade, sem falarem entre si. É talvez um mero mito, mas dele nasceu uma inocente historieta que sempre ouvi.

Um dia, na viragem entre os séculos XIX e XX, o senhor Borges e os seus dois filhos teriam ido passear para o Jardim da Carreira, então um muito frequentado local de lazer de Vila Real.

À entrada no portão, um dos “Borginhos” terá comentado: “Quer-me parecer que hoje vai chover!”. Sem que esta afirmação tivesse desencadeado qualquer conversa, o trio terá continuado, silencioso, a percorrer as duas centenas de metros que vão até à fonte no fundo do jardim. 

Lá chegados, o outro gémeo terá dito: “Não vai chover! Vai estar sol todo o dia.” A esta frase, que, no fundo, contestava a que o irmão tinha dito minutos antes, voltou a suceder-se um silêncio. Silêncio que se prolongou no regresso, até ao portão, que viriam a atravessar minutos mais tarde. 

Terá sido então nesse instante de chegada à rua que o pai Borges terá dito: “Os meninos já sabem que eu não quero ouvir discussões entre vocês!”. E, dado o raspanete, lá seguiram, até casa. Em silêncio. No silêncio dos Borges.

quarta-feira, 12 de maio de 2021

“A Arte da Guerra”


No programa “A Arte da Guerra”, falei hoje com António Freitas de Sousa sobre o saldo da Cimeira Social europeia no Porto, sobre as movimentações diplomáticas da Arábia Saudita junto de Estados com os quais mantinha contenciosos e, finalmente, sobre o estado da liderança de Boris Johnson no Reino Unido - refletindo sobre o saldo do Brexit e o que é expectável nas relações futuras de Londres com Bruxelas, Washington e Pequim.

Pode ver aqui.

Mito

A história de que o Sporting passa muito tempo sem ganhar títulos é um dos grandes mitos nacionais. Olhem! Ainda ontem ganhámos um!

terça-feira, 11 de maio de 2021

Do Sporting


Por que é que sou do Sporting? Sou do Sporting porque não sou do Benfica, poderia responder. 

Quando a opção clubística se me terá colocado, nos anos 50, o país dividia-se entre os dois clubes. O Porto tinha uma expressão acentuadamente regional e só a Académica, em especial para quem tinha passado por Coimbra, e o Belenenses, que funcionava como uma terceira, sofisticada e quase aristocrática terceira opção lisboeta, convocavam alguns adeptos e juntavam fiéis. 

Sporting e Benfica disputavam então, quase taco a taco, a liderança nacional, com o Porto ainda a uma imensa distância. Depois era quase o deserto. Nem o Braga nem o Boavista, que, décadas depois, viriam a dar um ocasional ar da sua graça, tinham uma existência relevante no panorama do futebol nacional.

Pela província, havia, claro, preferências locais, mas não havia nenhum adepto dessas agremiações que não tivesse um clube “grande” como referência da sua afetividade nacional. Eu “era” do Sport Clube de Vila Real, o meu pai era adepto do Vianense. O rival do meu clube local era o Desportivo de Chaves, o meu pai não gostava do Braga. Mas éramos ambos do Sporting.

Em Vila Real, onde vivíamos, os benfiquistas estavam em maioria, mas havia imensos adeptos do Sporting. Os portistas eram então muito poucos. Passei a ser “do” Sporting, imagino, porque aconteceu o meu pai ser, desde a juventude, adepto do Sporting. Estou em crer que, acaso ele fosse do Benfica, talvez eu tivesse ido por aí. 

Aqui chegados, o que significa continuar a ser, décadas depois, adepto (e associado, como é o meu caso) do Sporting? 

Da sua rivalidade a par do Benfica, nesses meus primeiros tempos de adepto, o Sporting veio a entrar num inegável declínio, a nível de títulos, deixando-se “atrasar”, a nível nacional, face ao Benfica, com este a somar ainda alguns êxitos externos muito significativos. 

O Porto, entretanto, começou a crescer e, com o passar dos anos, veio a afirmar-se como uma força, não apenas nacional, mas mesmo com êxitos internacionais hoje sem igual em Portugal. O Porto chegou, sem a menor dúvida, à liderança do futebol nacional e, na nossa história interna, ganhou uma evidente primazia face ao Benfica - mas não me quero meter na “guerra” entre os dois clubes, que não é a minha.

Como sportinguista, aproveito para dizer, nunca tive o Porto como um clube rival. A única rivalidade que verdadeiramente sempre senti foi com o Benfica. Talvez isto tenha a ver com a idade, com o “histórico” da minha pertença afetiva ao clube e ao seu adversário clássico. Mas, devo confessar, talvez por isso, as Antas ou o Dragão nunca fizeram parte do meu imaginário competitivo. Por isso, as vitórias ou derrotas do Porto, não me deixando indiferente, marcam-me muito pouco. 

Alguns amigos sportinguistas estarão a pensar, chegados a este ponto do texto, que subestimo aqui o incomparável ecletismo desportivo do Sporting, área em que o clube nunca perdeu a liderança nacional. Numa imensidão de modalidades, no passado como no presente, o Sporting tem um palmarés que é único e incontestável. Mas, deixemo-nos de “diversões”: para o que na verdade conta, na expressão relativa de força dos clubes nacionais, é do futebol sénior que falamos.

Os sportinguistas da minha geração, com os anos, desabituaram-se, a certa altura, de ganhar títulos com regularidade. Íamos sendo campeões a espaços, com um êxito aqui ou ali. A regra era não ganhar, a vitória passou a ser uma exceção. 

Se, para essa minha geração, ainda havia um passado forte em vitórias lá no fundo, para os mais novos, a realidade era e é bem menos brilhante. Devo dizer que, por isso mesmo, tenho uma profunda admiração pelas gerações mais novas de sportinguistas, que hoje se prendem afetivamente a um emblema que só episodicamente lhes dá as alegrias que outros têm com maior frequência. Acho tocante que preservem essa fé na ocorrência de uma vitória com sabor forte, que o tempo lhes provou ir sendo apenas a espaços.

Foi nesse cenário de vitórias episódicas que fui ganhando, sem qualquer “teatro” da minha parte, aquilo que é o meu orgulhoso sportinguismo. Ao longo destes muitos anos “de casa”, confesso que, embora não me agradando, consegui viver sempre, sem excessivo sofrimento, a saída desse tempo de vitórias regulares para o surgimento de um outro tempo em que, de quando em quando, surge um saboroso êxito. 

Cada um é adepto à sua maneira. Conheço sportinguistas que são muito diferentes de mim: na emoção, na competitividade, na garra. Eu sou como sou. Gosto imenso que o Sporting ganhe, fico muito contente por um título poder ser obtido no meio desta quase insuportável pandemia. Em especial, satisfaz-me ver hoje tantos miúdos vestidos de verde, cor da esperança que põem na hipótese do Sporting voltar à liderança desportiva no país. As vitórias do Sporting são-lhes dedicadas. Estou assim com eles nesta felicidade conjuntural, embora uma vida como sportinguista me tenha moldado as emoções a um “possibilismo” que, evitando arrastar-me para o sofrimento, convoca em mim uma alegria ainda maior e mais saborosa quando as vitórias acontecem. Vivo muito bem assim, não trocaria esta minha forma de afetividade pelo Sporting por nenhuma outra. 

Sporting sempre!

segunda-feira, 10 de maio de 2021

Mitterrand e a moda


Caramba! Passaram já 40 anos! Lembro bem a noite de 10 de maio de 1981, dia da vitória de François Mitterrand nas eleições presidenciais francesas.

Vivia então na Noruega e organizámos um jantar em casa para acompanhar as notícias, que nos iam chegar pela rádio de ondas curtas e pelas televisões norueguesa e sueca, as únicas que nos eram acessíveis. Convidei amigos que nos podiam ajudar a "decifrar" os noticiários naquelas línguas, além de outros que o acaso juntou nessa noite nórdica.

A esmagadora maioria dos nossos convivas, onde se contavam alguns diplomatas estrangeiros, muitos temerosos da anunciada chegada dos comunistas ao poder, acabava por alinhar num "giscardianismo" de oportunidade. Tudo menos Mitterrand! 

Nada de estranho, se pensarmos que a Guerra Fria estava ainda muito presente na vida internacional e que a experiência francesa assustava então muita gente. Estas coisas hoje parecem ridículas, mas, à época, havia quem falasse, sem rir, na possibilidade de tanques russos não tardarem na place de la Concorde.

Quando as notícias da vitória de François Mitterrand se confirmaram, esse núcleo de amigos conservadores entrou numa aberta depressão. As teses sobre o que iria suceder em França eram catastróficas: de desordens públicas a um conjunto de malfeitorias que a nova maioria, que forçosamente sairia das eleições legislativas subsequentes, seguramente iria desencadear, tudo era de esperar da "révanche" da chegada da esquerda ao poder.

Num certo casal estrangeiro, em que ela era bastante mais nova, notei que o marido, que trabalhava num banco, estava a ser carinhosamente consolado pela mulher, solidária na conjuntural desventura política do cônjuge. Mas era por demais evidente que ela tinha muito pouca consciência da complexidade do que estava a ocorrer. O marido, com a gravidade expressa no rosto fechado, disse, a certa altura: "Isto vai provocar uma desvalorização fortíssima do franco, vai ser gravíssimo!".

Eu não me continha e lançava umas piadas, em jeito de provocação. A certa altura, saiu-me esta: "Bom, há que perceber as vantagens de uma desvalorização do franco. Por exemplo, a roupa que se vende em França vai ficar muito mais acessível, a moda francesa vai embaratecer, agora é que vai valer a pena ir a Paris, às compras".

O que eu fui dizer! Mal eu tinha acabado de falar, vejo os olhos da jovem brilharem, a cara abrir-se-lhe num esgar de felicidade, como que por uma súbita descoberta das virtualidades da vitória da esquerda. Voltou-se então para o marido e, numa voz bastante audível, tanto mais que ele era meio surdo, disse-lhe: "Ouviste? É verdade que os vestidos vão ficar mais baratos? Não podíamos ir agora a França?".

Parte da sala sorriu. O meu amigo ignorou-a, olimpicamente, e fuzilou-me com o olhar. 

Eu ria, abertamente, feliz da vida com o resultado, olhando na televisão a place de la Bastille apinhada de gente. Com imensa pena de lá não estar!

O ar do tempo

Há um país que se sente mal neste país. Há um país que acha que o país o não segue ou, quando acaso episodicamente o faz, nunca consegue pôr o país a seu jeito. Há um país com uma infindável raiva, que acha que o país o não compreende, que vive num mal-estar endémico, em “blues” eternos. Há um país que acha que tem uma ideia salvífica para o país, a mezinha mágica para pôr isto direito, mas que o país, pateta, não consegue nunca entender. Há um país sobranceiro, arrogante, feito de gente que, afinal, apenas gostava que o país fosse aquilo que eles acham que o país devia ser. E que, talvez não por acaso, não é.

Esse país, que agora por aí anda com a bílis à solta, não gosta do país que tem, não gosta afinal do país que lhe deu a liberdade de não gostar do país. É o país tremendista do “nós” e do “eles”, em que estes últimos são o sujeito de todos os males, que só não são curados porque a “nós” não é dada a possibilidade de os corrigir. Esse país que agora anda muito vocal, mas que nunca fez nada pelo país, é filho incógnito daqueles a quem, em todas as épocas da nossa História, sempre desagradou o país que tinham. Para esses melancólicos iluminados pelas luzes da outra verdade, isto sempre foi uma “choldra”, uma “seca” feita país, a que urge abrir as portas e as janelas, deixando entrar o ar do tempo. O deles.

No passado, esse país indisposto com o país, era então o estrangeirado. Lá fora estavam todas as soluções, só era necessário importá-las para que a modernidade das ideias, afinal tão óbvia, pudesse aqui frutificar e dar-lhes, finalmente, a glória dos profetas. Com Abril, desembarcaram em Santa Apolónia, com livros e ambições de reconhecimento. O país, que tem da generosidade o sentido da medida, deu-lhes o que era devido. Não mais.

Mas a semente, qual OGM, mudou de qualidade, transmutou-se. O país do despeito transitou entretanto de geração, ilustrou-se nas Américas, leu Popper e, enterrando o latino, anglo-saxonizou o seu projeto. Andou os últimos anos a fazer livrinhos, acolhido em universidades de receita segura, colunizando-se pelas plataformas da moda. Nos partidos, onde se muda a política com a legitimidade das vontades expressas, entram e saem, nervosos, à medida das ambições, falhos de votos e reconhecimento. Cavalgando as inseguranças de muitos, as dúvidas de uns tantos, os temores de alguns, ei-los agora a adubar de populismo os seus discursos, tentando que os dias do país se confundam com os da sua raça.

Quem os topava bem era o O’Neill, que os citava, definitivos e, no entanto, tão tristemente provisórios: “Não, não é para mim este país!”. E era também um poeta, imaginem!, de Portalegre, Régio de seu nome mas republicano de gema, quem lhes respondia, quem lhes responde, em nome do país: “Não vou por aí!”

(Publiquei este texto aqui, vai para dois anos. Depois de ler uma entrevista a um semanário, no passado fim de semana, lembrei-me dele)