terça-feira, maio 24, 2022

Um erro infeliz

É pena que as autoridades ucranianas não tenham convidado observadores internacionais independentes para assistir ao julgamento do soldado russo. Se o tivessem feito, os russos teriam grande dificuldade de não proceder da mesma forma no processo dos prisioneiros de Azovstal.

4 comentários:

Lúcio Ferro disse...

O simples facto de ter sido aceite como normal um típico Kangaroo court, como foi o do soldado russo, a fazer lembrar os plenários do Portugal fascista, deveria alertar-nos para a natureza do regime que estamos a apoiar e, pior que tudo, a armar (diz o cómico que quer 1 milhão de homens em armas - vamos que com esse milhão de homens forçaria uma capitulação russa, para que lado se iria esse exército virar depois? Já nos esquecemos dos insultos e da sobranceria dedicados impunemente a vários líderes e organizações europeias?)

Luís Lavoura disse...

O problema a saber é: de que é que a Rússia vai acusar os prisioneiros de Azovstal???

Trata-se de soldados que estavam a cumprir o seu dever e nada mais que isso. Não cometeram, que se saiba, nenhum crime. De que é que a Rússia os acusará?

Joaquim de Freitas disse...

Se o Senhor Embaixador o permitir,este conteúdo dum jornal do Donbass daria matéria para julgar os assassinos de Azov e Pravyo Sektor. E os russos vao se aplicar.

No Donbass o terror dos nazis começou 8 anos antes. A fagulha que fez explodir a guerra foi o terror dos nazis .
Estupros dos capangas do Pravy Sektor Nazi nas mãos da polícia política do SBU.

“Eles arrastaram-me para fora do porão e acorrentaram-me num ginásio onde havia outra mulher chamada Galina Stepenienka. Ela estava com a cabeça inchada e contou-me que foi repetidamente estuprada e espancada por soldados bêbados.
Fomos proibidos de falar uma com a outra, sob pena de morte, mas pudemos fazê-lo. Fiquei lá, de vez em quando vinha um soldado para nos pontapear ou insultar, e deram-me comida, um médico militar ucraniano desamarrou as minhas mãos no décimo primeiro dia, não aguentei mais.
Fiquei 19 dias de detenção, incluindo sete dias sem comida, só vitaminas num copo de água e 11 dias com as mãos atadas, até hoje tenho as sequelas. Eles bateram-me com paus e mãos nuas, quase todos os meus dentes superiores foram partidos. Eles lançavam-me para o chão , batiam-me em sessões terríveis. Não fui ao médico até ao décimo primeiro dia, não tive permissão para ir ao banheiro. Fiz as minhas necessidades sobre mim mesma.
Em 19 dias perdi muitos quilos e não conseguia mais andar. Eles quebraram e viraram todas as minhas unhas e eu tenho um cisto nas costas por causa dos pontapés.
Eles também me cortaram levemente com uma faca que pressionaram contra a minha testa para obter respostas. À noite fui lançada numa cave. Estávamos nas dependências de uma mina. Ouvi os gritos dos torturados, muitos homens, mas também algumas mulheres, esses gritos vão ressoar toda a minha vida na minha cabeça”.
Fui levada ao banheiro, mas não consegui lavar-me durante 19 dias. No décimo oitavo dia eles colocaram no nosso quarto um jovem prisioneiro que não estava muito espancado, logo percebemos que ele era um falso prisioneiro e um delator, de qualquer maneira o que eu tinha a dizer, eu não tinha feito nada!
Ainda ouvíamos todas as noites os gritos de meninas sendo estupradas e torturadas ou de homens sendo maltratados.” “No décimo nono dia, fui levada num estado lamentável para Druzhovka, perto de Kramatorsk, para uma sede da SBU(policia politica) ou algo assim.
As pessoas lá não estavam encapuzadas, prepararam um depoimento em que reconheci minhas actividades separatistas e o facto de eu ser coordenador de artilharia, estava pronta para qualquer coisa depois desse tratamento e aí não mudou nada, assinei o papel.
Eu pensei que eles iam me levar para a prisão como outra mulher que estava lá com o nome de Yulia Michiouka em Mariupol ou em outro lugar, mas eles soltaram-me no meio da noite. Fui levado de volta por um jovem soldado ucraniano que estava assustado com a minha aparência e com o que havia sido feito comigo.
“Quando me levavam, passava por um quarto onde uma jovem, talvez 25 anos, estava deitada, o nome dela era Carla ou Christina, algo assim.
Ela estava completamente nua e amarrada a uma cama, os carrascos vinham estuprá-la , ela chorava baixinho chamando a sua mãe "Mamioulia, Mamioula, por favor, não me machuque mais...", foi aterrorizante.
Os carrascos disseram-me que ela era uma "sniper" e que eu não precisava saber mais, eles a estupraram por muito tempo, no final ela estava gemendo e quando a estupravam, ouvia a cabeceira da cama batendo na parede, eu estava do outro lado.

Joaquim de Freitas disse...

Suite:Fui então trancada num porão, um dia, o jovem torturado havia desaparecido, não sei o que fizeram com ele. Nesse novo buraco, fiquei dois dias, não havia aquecimento, não conseguia dormir por causa do frio, o local estava coberto de sangue seco, buracos de bala literalmente crivados em uma das paredes, certamente era um lugar de tortura e execução de prisioneiros, dezenas de preservativos usados ​​podiam ser vistos por toda parte no chão, lançados lá após os estupros. Havia outras garotas gritando, mas eu não conseguia vê-las."
Ele disse-me que o Pravy Sektor ainda estava na área onde eu morava e que, mesmo que o tribunal me liberasse, eu iria desaparecer como muitas pessoas da minha aldeia; de facto vimos pessoas desaparecerem. pessoas como Sergei Vasilyevich Reznik , Vladimir Banderenka ou Alexander Uzakov e dezenas de outros".
No Ocidente, a Cruz Vermelha, a ONU e a OSCE sabiam de tudo.

A carta da Líbia

Naquela segunda metade da década de 70, as relações entre Portugal e os países árabes iam de vento em popa. Os mercados árabes, diluídas que...