quarta-feira, maio 18, 2022

Caras


Em janeiro de 2017, a imprensa internacional deu grande destaque a uma fotografia do “staff” da Casa Branca, com a tristeza marcada na cara pela saída de Barack Obama, o presidente com quem tinham trabalhado. E, talvez ainda mais, pela chegada de Donald Trump.

Das três mulheres no centro dessa fotografia, só reconheci a do meio: era Susan Rice, “Nacional Security Advisor”, antiga embaixadora na ONU. Mas recordei e fixei, para sempre, a cara sofrida da mulher de cabelo comprido. 

Quatro anos passaram. Trump, embora a custo e, pelo menos, até ver, saiu da Casa Branca. Chegou Joe Biden. E a tal mulher de “cara sofrida” viria a surgir, agora quase sempre com um sorriso, como porta-voz do presidente, um dos mais exigentes cargos do interface entre a presidência americana e o exterior. 

O seu nome é Jen Psaki, de origem grego-polaca. Ao longo deste ano, no número considerável de briefings que parcialmente acompanhei pela televisão, pude apreciar a sua qualidade profissional, testada nessa presença quase constante perante os jornalistas, com a necessidade de “ir a todas” e o risco de poder dizer uma palavra em falso, comprometendo a administração. Psaki, contudo, era muito experiente: tinha trabalhado na diplomacia, no “State Department” e na equipa de Obama.

Psaki aguentou mais de um ano. Fez 224 briefings, mais do que todos os porta-vozes nos quatro anos de Trump, cobrindo 91% dos dias úteis! Na memória de muitos ficaram as tensas trocas de palavras com os jornalistas da Fox News, essa constante tribuna crítica de Joe Biden. Jen Psaki parte agora para outra tarefa, no campo do jornalismo televisivo, passando para “o outro lado”, imagino que cansada deste desgastante ano. 

À saída, Jen Psaki manteve o sorriso recuperado. Por mim, que sou um incurável curioso destes ”fait divers”, recordei o contraste da cara nas fotografias.

1 comentário:

Flor disse...

Da cara e da cor do modelito:)

A carta da Líbia

Naquela segunda metade da década de 70, as relações entre Portugal e os países árabes iam de vento em popa. Os mercados árabes, diluídas que...