sexta-feira, 29 de maio de 2020

Como está?

Está desconfinado? Eu não. Estou desconfiado.

5 comentários:

Anónimo disse...

Os portugueses são muito obedientes, confinam, desconfinam...até parece que são cumpridores.
Um pouco de inteligência era bom.
O vírus só continua a circular se houver um hospedeiro. Sem vacina ou medicamento eficaz o que temos ao nosso dispor, são as máscaras. O seu uso deve ser eficiente, é para usar SEMPRE em locais públicos fechados. Restaurantes incluídos! Entendo a reabertura, mas, quem tem cérebro não vai entrar.
Somos muitos os que podemos ficar em casa, para que cada vez mais, possam outros seguir as suas vidas.
Todos os que podemos ficar em casa, podemos sair quando nos apetecer, se cumprirmos as regras.

- Usar máscara (tapar boca e nariz)
- Lavar as mãos (parece um filme de terror esta recomendação, o pessoal é porco)

Em locais fechados o ar condicionado deve estar ligado, se estiver muito quente, as máscaras são muito incômodas e tornam se ineficazes com a transpiração.
Inventam tanta regra impossível de cumprir e esquecem o essencial.
A vida como a conhecemos está congelada. Detesto.

Jaime Santos disse...

E está muito bem. Proteja-se...

Só tenho pena daqueles que ficarão doentes por causa dos disparates que os seus próximos cometerão, sem nenhuma culpa da sua parte...

Mas haverá sempre um Lavoura a consolá-los, dizendo-lhes que se morrerem é porque estão com os pés para a cova e que a morte é parte da vida e coisa e tal!

Isto nem como sátira se atura!

Lúcio Ferro disse...

Já somos três. Todavia, advogo que se mantenha uma certa calma olímpica. Dêmos mais 15 dias, deixá-los sair à grande até porque é impossível que não saiam e, dentre de duas três semanas, logo se reavalia e se percebe o impacto da "desconfinação".

Anónimo disse...

Eu ficaria feliz de ver o governo elaborar a nível nacional, um plano rigoroso e eficaz de uma maior arborização das aldeias, vilas e cidades
com o objetivo de que a plantação de árvores permitiria a criação de grande quantidade de zonas de sombra onde os habitantes desses locais poderiam passar mais tempo ao ar livre em convívio, atividades de lazer ou outras, e devidamente abrigados do sol
isso também serviria para a proteção dos visitantes tendo em conta que as alterações climáticas tornam o Verão mais perigoso para a saúde humana
talvez uma maior quantidade de árvores fosse útil para espalhar para longe e destruir (pelo fenómeno de ventilação natural) vestígios do virus que nos afeta imenso e que não sabemos como combater de maneira totalmente eficazmente

Anónimo disse...

Também eu! Sobretudo quando vejo um número de mortes diário em Potugal proporcionalmente maior do que o de Itália e de Espanha. Mas não vejo um estremecimentozinho nem ao nível da comunicação social. Coitados, sempre a dormirmos na forma...