sábado, 9 de maio de 2020

A Europa


Hoje, 9 de maio, é o Dia da Europa. Era muito bom que este ano, 2020, viesse a ser conhecido, no futuro, como o Ano da Europa. Mas tenho pouca esperança.

6 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

Senhor Embaixador: Faltam os Homens capazes de dar um novo impulso à Europa.

Curiosamente, 2020 é um ano simbólico dos aniversários do nascimento (1890), da morte (1970) de Charles De Gaulle e do Apelo de 18 de Junho (1940). uma oportunidade para fazer um balanço do que é o legado gaullista em França em 2020, 50 anos depois, pois que foi um dos seus artesãos, com outro Grand Homem de Estado, que foi Adenauer.

De Gaulle, um grande estadista, o maior que saiu das fileiras da burguesia francesa desse tempo.
Líder da França livre, que se tornou, ao mesmo tempo, em Maio de 1958, o presidente autocrático da Quinta República... e a "besta negra" de Washington e alguns círculos oligárquicos da França!

Já cá estava e vi-o agir, e mesmo se não estava de acordo com tudo o que decidiu, admirei o oficial apaixonado por uma "certa ideia da França" que, em Junho de 1940, tinha enfrentado a sua classe, a grande burguesia que tinha seguido maciçamente Pétain, para apelar aos franceses ainda sob as bandeiras para continuarem a luta a todo o custo: o famoso apelo de 18 de Junho de 1940 sob a qual o oficial rebelde foi logo, à revelia, condenado à morte por Vichy.

Mas De Gaulle foi também a grande burguesia de direita que, se tornou Presidente do Conselho de Libertação, tentou obstruir a implementação do programa social da R.N.R. e que de repente se demitiu para não ter de contrabalançar o pacote de reformas progressistas levadas a cabo pelos seus ministros comunistas Thorez, Paul, Croizat, Bileux e Casanova: no centro dessas reformas estava a nova Segurança Social inspirada no princípio comunista "De cada um de acordo com os seus meios, para cada um de acordo com as suas necessidades."

Na política estrangeira, personificou tudo que falta à Europa hoje: Ao mesmo tempo que recusou o sufocante “abraço” norte-americano no mundo ocidental da pós-guerra, O General retirou a França do comando integrado da NATO (1966) e expulsou de solo francês as tropas norte-americanas estacionadas aqui desde 1945: já, sob a Ocupação, o homem de 18 de Junho tinha sido capaz de medir a extrema hipocrisia do "apoio" anglo-saxónico à França.

Na Europa, depois de sonhar com um condomínio europeu franco-alemão com Adenauer, De Gaulle acabou por se opor ao deslize, encorajado pelos EUA, rumo à Europa supranacional; gostei mito da sua imagem do "cabrito pulando nas suas cadeiras gritando "Europa, Europa, Europa!" .

Boicotou as reuniões de Bruxelas e até recusou, não sem grande discernimento histórico, a entrada da Inglaterra (e com ela, a de toda a Comunidade!) no Mercado Comum. Em termos de financiamento global, a França gaullista estava a obstruir o estabelecimento de um comércio livre global desejado por Washington: recusou, entre outras coisas, que o dólar, desligado do padrão de ouro, se tornasse a moeda de referência mundial.

Senhor Embaixador, faltam homens assim à Europa.
A UE, tal como se apresenta hoje, esta prisão dos povos e da NATO, esta aliança belicosa dominada pelos irresponsáveis campeões da guerra mundial que dominam Washington.

Pois que vamos celebrar a data dentro em breve, o desembarque de 6 de Junho foi o negócio dos anglo-saxões de onde a França foi excluída. Estavam determinados a instalar-se na França como em território inimigo. Como tinham acabado de fazer em Itália e como estavam prestes a fazer na Alemanha!

Tinham preparado a sua AMGOT, que era governar a França soberanamente à medida que os seus exércitos avançavam. Tinham impresso a moeda falsa, que teria sido forçada. Teriam se comportado num país conquistado. Como fazem hoje na Europa, do Atlântico ao Báltico e ao Mar Negro.

E é por isso que a Europa deve ser reconstruída. Entre europeus. A Europa, ou é soberana ou nao é.

" R y k @ r d o " disse...

Bom dia:- Pode ser que aconteça
.
Um domingo feliz
Cuide-se... Proteja-se.

josé ricardo disse...

Não gosto do nome "Dia da Europa", quando se quer referir "Dia da União Europeia". A Europa não é a União Europeia, ou melhor, a União Europeia não é a Europa.

Anónimo disse...

Não é o ano da Europa , é o ano do Mundo Inteiro , pois todos os Países ( portanto todos os Continentes ) estão metidos no mesmo barco ...

Anónimo disse...

Europa para nós signfica ter acesso a dinheiro de graça. Nessa perspectiva, somos muito europeístas!

Anónimo disse...

José Ricardo tem razão. A utilização de estas duas disignações de forma imprecisa não tem ajudado ninguém.