sexta-feira, 30 de março de 2018

O garfo do Tavares


No final dos anos 70, numa visita de trabalho a Jerusalem, permiti-me comentários de analista sobre o conflito israelo-palestino. Um diplomata local retorquiu-me: “Sem aqui ter nascido, é impossível ter uma noção exata da realidade”. Poucos anos depois, numa ida turística a Berlim, ainda em tempo de Guerra Fria, mandei “bitaites” impressionistas sobre a realidade que se projetava no muro. Um berlinense ocidental, com muita memória sofrida, disse-me uma frase idêntica. Um dia, em 2003, em Seul, num almoço com Ban Ki Moon, que me parecia ainda longe de sonhar ser secretário-geral da ONU, fiz juízos de valor sobre as razões no conflito coreano. E lá surgiu de novo a tal máxima. Há dois anos, numa visita à Estónia, procurei desdramatizar, numa conversa com um académico local, a tensão com a Rússia: “Sem aqui ter nascido, é impossível ter uma noção exata da realidade”.

Não sei que “exatidão” existia na visão comprometida de todos aqueles meus interlocutores – e tive conversas similares em outros cenários de conflito. Uma coisa tenho por certa: se acaso tivesse falado com quem estava do outro lado da barreira, a narrativa seria contrastante, mas a frase seria porventura a mesma. A cultura emocional modela as razões e, por definição, embota a racionalidade. Mas, na teoria da negociação, também se aprende que as emoções são parte integrante da economia dos conflitos, que nunca se resolvem sem as ter em conta. Por esse motivo, a objetividade do observador distanciado é, as mais das vezes, uma virtude que serve de muito pouco.

Vem isto a talhe de foice, imaginem!, a propósito do Brasil. Há uns tempos, um grande amigo brasileiro, de visita a Lisboa, quis jantar comigo no restaurante Tavares. Perdi o amor à bolsa e verguei-me à memória “ecista” (no Brasil, não há “queirosianos”) do local, que também dizia muito ao meu parceiro de refeição. E até lhe apontei a mesa em que tivera lugar uma famosa conversa, embora sem consequências históricas evidentes, entre o antigo presidente Juscelino Kubitschek e o plumitivo conservador Carlos Lacerda. O nosso “papo” ia bom até ao momento em que fiz vir à baila o nome de Lula. O meu amigo tinha sentimentos muito fortes sobre aquela figura. Vi a cara dele ficar encarnada – e não era da pimenta numa qualquer iguaria, nem do calor da sala. Olhando-lhe a mão, vi-o torcer lentamente, com silenciosa fúria, um garfo, até o utensílio ficar em ângulo reto. No instante, percebi que, também ele, me queria dizer, com a sua raiva, que eu não tinha direito a ter uma opinião sobre uma realidade a que não pertencia. Pelo menos, uma opinião diferente da dele...

(Artigo publicado na edição de hoje do “Jornal de Notícias”)

2 comentários:

Anónimo disse...

No caso de Israel uma parte considerável dos judeus, sobretudo dos dirigentes dos primeiros 50anos, não tinham nascido lá, ao contrário dos palestinos que eles expulsaram. Assim essa frase talvez explique a política israelita
Fernando Neves

Carlos de Jesus disse...

Não conheço bem a política brasileira, mas pelo que tenho visto, ouvido e lido, e a avaliar pelas reações epidérmicas dos anti Lula com quem me tenho cruzado, diria que o ódio ao homem é um ódio de classe social que se sente ameaçada nas suas prerrogativas.