domingo, 4 de março de 2018

O acagaçado


  

Naquele ano de 1984, o embaixador de Portugal em Angola, António Pinto da França, decidira fazer uma deslocação oficial a Benguela, onde tínhamos um consulado e uma significativa comunidade. Eu acompanhá-lo-ia. Ao saber dessa ida, um empresário português, de seu nome Pena, proprietário de uma avioneta, piloto com grande experiência desde o tempo colonial, ofereceu-se para nos levar na viagem de ida, sendo o regresso feito num voo regular pela TAAG. A paisagem única que esse voo privado proporcionava era o principal aliciante. 

Em regra, não tenho o menor medo de viajar de avião. Já experimentei companhias aéreas bem “sinistras”, já usei cintos de segurança que se apertavam com um nó, vi portas de aeronaves que fechavam com mecanismos improvisados, durmo que nem um anjo com turbulência. O meu grande receio é sobreviver num acidente, pelo “estado” em que posso ficar depois de “aterrar”. Mas aquela ida a Benguela não me estava a “cheirar bem”.

O Arlindo era um piloto de helicópteros da Força Aérea portuguesa, que eu conhecia dos tempos do MFA e que, por esses anos, estava a trabalhar em Angola. Numa das noites anteriores à viagem, tive-o a jantar na minha casa de Luanda. Quando lhe contei a aventura em que estava prestes a embarcar, alarmou-se: “O quê! Num monomotor? Sobre a ‘banheira’? Vocês são malucos!”

Não percebi o que ele queria dizer com aquilo da “banheira”. Com um mapa de Angola em frente, explicou-me. Um avião daquele tipo voava a uma altitude relativamente baixa. Porque, na zona entre Luanda e Benguela, havia várias regiões com forte presença da Unita, cujos guerrilheiros podiam ser tentados a mandar umas rajadas de metralhadora para o aparelho, o mais provável era o piloto decidir “cortar” pelo caminho mais curto, pelo meio do mar, pela “banheira”. Ora isso seria muito arriscado, porque um monomotor, se acaso tivesse uma avaria, despenhava-se, sem apelo nem agravo, no Atlântico. “Eu, se fosse a ti, nem ia nem deixava que o embaixador fosse”.

No dia seguinte, procurei convencer o António Pinto da França da insensatez da viagem. Qual quê! O seu espírito aventureiro estava já mobilizado e nada o demovia. E riu-se das minhas preocupações.

Nessa tarde, por um acaso, o Pena vinha ver-me ao meu gabinete, por um outro assunto. Decidi então inventar uma mentirola inocente. Disse-lhe que o embaixador se me mostrara algo preocupado com um eventual trajeto sobre o mar, mas que não lhe queria dizer isso diretamente, para não parecer que estava a pôr em causa o seu sentido de responsabilidade. Assim, tanto quanto possível, e para o sossegar, pedia-lhe que a viagem fosse sempre feita sobre a linha de costa. (Eu, cá por mim, “preferia” um tiro da Unita aos dentes dos tubarões). Mas pedia-lhe que o assunto ficasse “entre nós”. O Pena acedeu, sem especial reação e eu fiquei menos ansioso.

Dias depois, o embaixador e eu, com as respetivas mulheres, bem como a adida comercial da embaixada, Élia Rodrigues, lá fomos no pequeno avião do Pena, a caminho de Benguela. Eu ia ao lado do piloto, com os quatro passageiros atrás. A viagem corria normalmente, com ele a mostrar-me, divertido, umas praias onde, no passado, tinha aterrado de emergência... Comecei, contudo, a inquietar-me, e mais nervoso fiquei, quando, a certa altura, o vi guinar bem para cima do mar, distanciando-se da costa, provavelmente para evitar alguma zona tida como perigosa em matéria de segurança.

“Ó senhor Pena! Veja lá não se afaste muito!”, alertei. Ele então voltou-se e, falando sobre a barulheira do motor, berrou, lá da frente, para o António Pinto da França: “O senhor embaixador importa-se que eu fuja um pouco da costa, por uma meia hora?”. Eu estava furibundo e mais fiquei quando ouvi o meu embaixador responder: “O amigo Pena é que sabe! Tenho plena confiança em si.”

O Pena percebeu, nesse segundo, quem é que, na realidade, tinha dúvidas sobre a opção do trajeto. E voltando-se para mim, disse: “Afinal, parece que o ‘acagaçado’ aqui é o senhor doutor...”

Sem comentários: