sábado, 2 de janeiro de 2021

Carlos do Carmo e a manhã


Num filme, há pouco, ouvi Rui Vieira Nery ironizar, numa conversa com Carlos do Carmo, pelo facto de o não poder convidar para ir assistir a uma aula sobre o fado, num curso que dava na universidade. É que as aulas eram às oito da manhã e a manhã não era o “forte” de Carlos do Carmo! O cantor sorriu, silencioso.

Um dia, em Paris, depois de um espetáculo que fez no Chatelêt, perguntei a Carlos do Carmo se, por acaso, estaria disponível para almoçar connosco, no dia seguinte, na embaixada. Respondeu-me: “Não leve a mal, embaixador, mas eu nunca aceito almoços. A minhas manhãs são sempre muito longas... Mas tenho muito gosto em que possamos jantar. Almoçar, não me dá jeito!”

Passaram poucos meses. Eu já vivia em Lisboa. Ia a sair do “Ibo”, um restaurante no Cais do Sodré, e cruzei, na esplanada, Carlos do Carmo e Júlio Pomar, a jantar com as respetivas mulheres. “Ó Júlio! Um dia, em Paris, eu disse ao nosso embaixador que não podia aceitar um convite dele para almoçar. Na altura, fiquei preocupado em que ele tivesse ficado ofendido pela minha recusa. Quero que sejas minha testemunha de que eu só janto!”. E Júlio Pomar, seu grande amigo, confirmou, com aquela gargalhada enrolada que tinha. 

Sem comentários: