segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

10 “tweets” da noite eleitoral


* A direita não ganhou esta eleição. O vencedor matemático desta eleição chama-se bloco central e concorreu sob o heterónimo de Marcelo Rebelo de Sousa.

* Muito a sério: é importante que Ana Gomes tenha ficado à frente de André Ventura. (Porque há prioridades em política, não contribuí para isso). Pode ser só simbolismo, mas o simbolismo é significativo em política.

* Marcelo Rebelo de Sousa (31.5.19). ”Há uma forte possibilidade de haver uma crise na direita portuguesa nos próximos anos. (Por isso é que) “o Presidente (...) é importante para equilibrar os poderes”.

* No dia em que Rio sair (o que pode acontecer com um resultado desastroso nas autárquicas), o “passismo” (com o próprio ou alguém por ele) regressará. Nessa altura, a IL desaparecerá e o balão Ventura desinflará. Mas o Chega veio para ficar e será com certeza aliado desse PSD.

* Com sincera pena o digo: o CDS é, nos dias de hoje, uma mera realidade virtual.

* O discurso de Rui Rio é das maiores ficções políticas desta temporada.

* Ventura teve um excelente resultado mas isso não deve ser lido em termos de eleições legislativas. Nele votou muita gente PSD que quis punir não só Rio mas também Marcelo, na certeza que tinha de que este último ganharia. Em legislativas, tudo será diferente.

* O PCP tem hoje um dia histórico, mas não pelas melhores razões.

* Ventura deve fazer parte dos “homens de bem” que o slogan do Chega apregoa. E, como é sabido, as pessoas de bem cumprem sempre a sua palavra. Assim, se ficar atrás de Ana Gomes, o seu partido fica esta noite sem líder, porque vai demitir-se, não é?

* Brinquem, brinquem, mas se não fosse o apoio do CDS, Marcelo estava agora a lutar pelo segundo lugar. Essa é que é essa!

15 comentários:

Jaime Santos disse...

Com o devido respeito. Sr. Embaixador, essa de que o Bloco Central ganhou as eleições é quase tão boa como as saídas do Xicão ou de Rui Rio... Ou de Vital Moreira, dizendo que António Costa é o outro grande vencedor da eleição.

Há dois grandes vencedores. Primeiro, Marcelo Rebelo de Sousa, que fará desta vitória o que quiser.

E André Ventura. Como alguém dizia ontem, meio milhão de Portugueses votaram em quem quer destruir o SNS e o sistema público de educação e tem um discurso racista, sexista e homofóbico.

Pelo menos o PCP foi capaz de assumir que perdeu as eleições. Todos os restantes partidos parece que vivem na terra do faz-de-conta. Eles e uma data de comentadores políticos.

Depois queixem-se...

Tony disse...

Que se saiba, Marcelo, sendo de Centro Direita, faz parte do chamado Bloco Central, a outra direita é estremada. Embora tenha vindo, maioritariamente do PSD e CDS. Não é errado, portanto, considerar-se a sua eleição surgida do Bloco Central. Onde, já agora, convém lembrar que seguramente, a maior fatia de votos que teve, vieram do PS!.

Jaime Santos disse...

O caro Tony quer convencer-me que a vitória de um candidato do centro-direita é também a de um Partido que não o apoiou?

A vitória de Marcelo deve-se sem dúvida ao eleitorado do Bloco Central. Outra coisa é dizer que António Costa é outro dos vencedores da noite. AC e o PS demitiran-se de tomar posição e na ausência de uma candidatura consistente de Centro-Esquerda (votei Ana Gomes, mas a sua campanha foi miserável, caracterizando-se pelo seu habitual populismo inconsequente que não convence quase ninguém à Esquerda), abriu-se espaço a André Ventura, como avisava há muito Porfírio Silva.

Seria essa candidatura de Centro-Esquerda para perder? Muito provavelmente, face ao mandato positivo de MRS. Mas só perde verdadeiramente quem desiste de lutar...

Julgo que foi Dante que escreveu que há um lugar muito quente no Inferno para os que assumiram a neutralidade...

Tony disse...

Caríssimo Jaime Santos. Espero, não ir parar ao inferno, nem ser condenado à morte. Mas é minha firme convicção que o candidato de centro direita vitorioso, teve, grande parte dos votos do PS, que oficialmente, não apoiou, e porque grande parte dos seus votantes, não se reviam na candidata em que o Sr. votou. Como o Partido, não teve, portanto, candidato próprio, deu liberdade de voto, aos votantes tradicionais do Partido. Reafirmo, que a maior fatia de votos vieram do partido que não o apoiou, e não dos pobres partidos que oficialmente o apoiaram. Entre eles o trita xicão, que, na discursata da noite, até pareceu, que foi ele que ganhou a eleição.

Jaime Santos disse...

Meu caro Tony, Deus me livre de o querer julgar, sob pena de eu também ser condenado às labaredas infernais :) .

Concordo com tudo o que diz, mas nada do que diz implica que a vitória de MRS seja uma vitória do PS.

Vitória do PS seria a de um candidato apoiado pelo PS, da área do PS.

Ou de um independente apoiado por PS e PSD, por exemplo... Vem-me o nome de Eanes (em 1976) à memória.

Como o PS decidiu não apoiar Ana Gomes (o que se compreende), perdeu a eleição por falta de comparência, em vez de a perder às claras. Mais, houve seguramente muitas pessoas que votam tradicionalmente no PSD e no CDS que fugiram para Ventura, porque sabiam que a eleição estava ganha para MRS e não se reviam nele (não houve voto útil à Direita enquanto à Esquerda o que houve foi para impedir Ventura de ter o segundo lugar).

Só que essas pessoas podem por lá ficar o que cria um grande problema à Direita democrática em primeiro lugar e à democracia em geral logo a seguir...

Mas estava o PS obrigado a apoiar Ana Gomes? Claro que não, bastava que houvesse um candidato/a em termos...

Era para perder? Era. Mas pelo menos encostava-se o facho à Direita e obrigava-se a dita a votar Marcelo...

aamgvieira disse...

Preocupação deve ser a vacinação , mas soube-se hoje o que começou por ser só o PR, PM e PAR, ... agora já vai o governo todo, os deputados, os trabalhadores da AR, do governo e da PR...que não têm registo de qualquer morte!

Para trás ficam aqueles velhos que morrem; assim libertam as reformas para pagar a estes novos prioritários!

Tony disse...

Caro Jaime Santos. Peço desculpa, por insistir. Sou de convicções e gosto muito, de ver tudo esclarecido. Ou seja, que não sobrem dúvidas do que digo, mas se calhar a culpa é minha, que não fui suficientemente claro. O PS, não teve vitória coisíssima nenhuma. Nem tinha Candidato oficial!. O que pretendi dizer e de que continuo convicto é que a "maioria" dos habituais votantes no PS, foram, desta vez, dar o voto a MRS. Já agora, complemento. Muitos votantes do PSD (que oficialmente apoiou MRS), foram colocar o voto no Chega, e que até o Rui Rio idolatrou na sua discursata da noite. Esclarecido?. para terminar, não gostava nada, que a ambição de poder, passasse aqui, o que se passou nos Açores. Mas fico com muitíssimas duvidas. Mais uma vez, peço desculpa pela massada. Obrigado.

Jaime Santos disse...

Caro Tony, Concordo consigo em absoluto. Marcelo recolhe uma percentagem maior dos seus votos entre eleitores do PS do que entre eleitores do PSD, quase metade de facto, ou seja, mais de 50% daqueles que votaram no PS em 2019 deram o seu voto agora a MRS.

Ver aqui: https://www.jn.pt/nacional/infografias/se-as-legislativas-fossem-hoje-como-seriam-os-resultados-13277278.html

O meu ponto é só que não existe um Bloco Central de eleitores.

Só se tivesse havido um candidato comum apoiado por PS e PSD é que faria sentido falar-se numa vitória do Bloco Central...

As declarações de Carlos César na noite das eleições estão pois ao nível das de Rui Rio ou de Chicão...

Tony disse...

Admito, sem quaisquer esforço, em concordar, com a referência que faz às declarações do Presidente do PS. Não esteve, igualmente, muito bem.

Francisco Seixas da Costa disse...

Não percebo o que diz Tony. Não vi as declarações de CC. Só ouvi RR e vi referências sobre o que disse FRS. Não ouvi mais ninguém, na noite eleitoral. Nem o vencedor, em quem tinha votado.

Tony disse...

Sr. Embaixador. Falou o CC, sim senhor. Acho até, que foi o primeiro a fazer declarações. Não sei em que canal. Estive na SIC, na RTP3 e fui alertado por um amigo a informar-me que CMTV, estava a dar cartas, na evolução da informação, mudei para lá. Realmente, com quadros, muito explícitos. Se calhar, foi nessa estação que o CC fez a intervenção?.

Francisco Seixas da Costa disse...

Eu não disse que CC falou ou não falou. O que eu disse é que não vi nem ouvi. Como disse.

Tony disse...

Bom dia Sr. Embaixador. Peço desculpa, por não ter entendido devidamente o que disse sobre as declarações de CC, na noite eleitoral. Já agora, esclareço o que quis dizer, quando fiz a referência a CC de que "não esteve, particularmente, muito bem". Sabendo bem que fora pelos votantes do PS, que MRS, obteve tamanha votação, apesar disso, achei que CC exagerou nessa tónica: "O PS votou de forma esmagadora; saúdo o candidato que mereceu a confiança dos eleitores do PS, que nas últimas eleições, foram para cima de 2 milhões; foi graças aos eleitores do PS, que só houve uma 1ª volta; a vitória de MRS, foi boa notícia para o PS, etc." Foi este o meu ponto. Achei, da parte de CC, ter havido uma exagerada exaltação vitoriosa de MRS, pois que, oficialmente, não teve, o PS, candidato próprio. É a minha opinião.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Tony. Eu não vi o comentário de CC, repito pela última vez.

Francisco Seixas da Costa disse...

Tony. Eu não vi o comentário de CC, repito pela última vez. E, por isso, eu não disse rigorosamente nada sobre isso. Por isso, o Tony esteve por aqui a falar de um tema que não foi aqui tratado.