terça-feira, março 28, 2023

Saudar

Um abraço solidário para a comunidade ismaelita em Portugal.

5 comentários:

Flor disse...

Que em Paz descansem as duas mulheres portuguesas assassinadas. Tristeza!

Luís Lavoura disse...

Recordar também com tristeza os três filhos do assassino, que já não tinham mãe e agora vão ficar sem pai.

Unknown disse...

Isto é terrível. Tem de se ver bem se o Estado falhou e onde no apoio, para melhorar e evitar estes casos de desespero.

Unknown disse...

Vejo nas notícias que o "jornalista" e " comentador", também PR, avançou já uma explicação para o infeliz acontecimento: "uma reacção perante a intervenção de instituições quanto ao exercício do poder parental". Acrescento eu: instituições que às vezes tiram os filhos aos pais, em vez de lhes proporcionar condições, inclusivamente financeiras, para poderem ter os filhos com eles. Na minha opinião, primeiro apoia-se financeiramente, como deve ser (e não com ninharias) um pai desempregado com 3 filhos. E só depois, se ele se revelar incompetente, de todo, é que se lhe retira ( ou se ameaça fazê-lo) os filhos e se colocam os mesmos numa instituição. Sucede que em Portugal se faz com os pobres desgraçados muito o contrário, talvez porque o país não tenha recursos suficientes. Mas vamos ver o que, de facto, aconteceu.

Unknown disse...

A propósito da denúncia de uma ucraniana de que lhe foi retirado um filho em Portugal , O Observador dá conta que Pavlo Sadokha, presidente da asssociação de ucranianos, garante que o testemunho da denunciante relata uma situação “real”. “Conhecendo o caso, sei que a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) tinha de agir para proteger as crianças. Mas não é nenhuma discriminação nem de nacionalidade, nem de origem”, contou ao Observador. È disto que falava nos posts anteriores e é isto que receio. Retirar filhos a estrangeiros desempregados é na minha opinião uma atitude abominável, que deve ser aplicada em casos extremos. Que tal estar com atenção às "ajudas " da nossa segurança social ?

Que Praga!

Ainda bem que o jogo acabou. Estava farto de ouvir chamar Chéquia à República Checa.