domingo, março 19, 2023

Independência

Independência é poder dizer isto: é obscena e criminosa a exploração mediática, feita pelo regime russo, das crianças levadas da Ucrânia; é patético ver o presidente americano aplaudir a decisão do TPI, quando a América se recusa a submeter-se ao tribunal. É preciso um desenho?

5 comentários:

Anónimo disse...

Apoiado
Fernando Neves

João Cabral disse...

Como se costuma dizer, dois errados não fazem um bom.

manuel campos disse...


Totalmente de acordo.
o TPI também incluíu, como era natural, a comissária para os direitos das crianças Maria Lvova-Belova, o que não tenho visto muito mencionado.

Quanto ao TPI, onde reina alguma "pouca clarificação" entre os que assinaram e ratificaram, os que assinaram e não ratificaram e os que nem assinaram nem ratificaram, era bom que se tivesse mais consciência de quem são estes últimos antes de os louvar.
É só googlar.

JA disse...

Leio habitualmente estes seus escritos. Umas vezes concordo com a sua opinião, outras não. Contudo, aprendo sempre alguma coisa. Desta vez, discordo do título que dá ao "post". É que, no meu entender, não bastará distribuir "paulada" pelos dois contentores, para se poder falar de "independência". Até pode dar-se o caso de estar a avaliar situações qualitativamente desiguais do ponto de vista do impacto público, como forma de beneficiar uma das partes, qualquer delas, não sei! Preferia perceber como avalia a posição do TPI, no caso, face à ausência de qualquer decisão desse organismo no que concerne à invasão do Iraque que já criticou. As Instituições só serão respeitadas e terão valor se se derem ao respeito, pela coerência/independência do/no trabalho que desenvolvem. Ora, suspeito que não será o caso do TPI, infelizmente.

Joaquim de Freitas disse...

Oh Senhor Embaixador: Quando um governante atinge o limite de idade…


É preciso ouvir Joe Biden considerar “justificado” o mandado de prisão do Tribunal Penal Internacional contra Vladimir Putin ..

E o mundo dos lacaios gritar a sua compreensão, eles que permaneceram plácidos diante das centenas de milhares de assassinatos perpetrados pelos seus amigos políticos, em todo o mundo, no Vietname, na América Latina, no Iraque, no Afeganistão.

Mesmo sabendo que se o Tribunal Penal Internacional emitiu na sexta-feira um mandado de prisão contra o presidente russo, instituição internacional que não é, no entanto, oficialmente reconhecida pelos Estados Unidos…

Que miséria, Senhor Embaixador ! Um crime de guerra americano, numa lista de 450: O secretário de Defesa, Lloyd Austin, lançou uma investigação sobre os ataques aéreos dos EUA em 18 de Março de 2019 em Baghuz, na Síria, após as revelações do New York Times de que mataram dezenas de mulheres e crianças.

As forças armadas americanas tentaram por todos os meios encobrir o crime. Escavadeiras enterraram os corpos de mulheres e crianças no local do ataque. O relatório público do Inspetor-Geral do Pentágono foi censurado. E um denunciante que tentou passar provas da atrocidade ao Congresso foi afastado de seu cargo.

Este caso mostra a impunidade sistémica que prevaleceu nos mais altos escalões da hierarquia militar por décadas. Esta é a norma quando os Estados Unidos estão em guerra.

Biden está seguindo a política externa de Trump, que ele condenou repetidamente. Seu apoio a Israel também é incondicional. Ele arma as forças sauditas e dos Emirados que mataram dezenas de milhares de civis em ataques aéreos no Iémen.

Sem falar de Guantanamo, Mi Lay, Abu Grahib, e tantos outros, há os outros crimes.

Que requintada contenção os nossos belos cavalheiros têm quando nações inteiras são dizimadas por doenças e fome, vítimas dos bloqueios e embargos de toda a espécie que o imperador de Washington lança a todos os ventos.Pela mesma razão, os democratas no Congresso justificaram os bombardeios israelenses contra alvos civis em Gaza.

Vendo a pouca vergonha do mundo mediático ocidental submisso, que esconde tais crimes, que tentam confundir desordenadamente com as virtudes cívicas e os valores do Ocidente, tenho vergonha às vezes de pertencer a esta sociedade ocidental, maculada aos olhos da Historia pela vizinhança impura desses homens perversos que se misturam nas fileiras dos sinceros defensores da humanidade.

Apregoando combates pela Democracia, com revoluções coloridas, quando era apenas uma questão de dividir as nações para o saque, em vez de torná-las livres e prósperas.

Mestres na carreira do crime que imputam a outros, preferem recusar o próprio Tribunal Internacional, que expor a sua cabeça ao acusador na tribuna da Humanidade.

Eu concebo que é fácil para a liga dos imperialistas, emitir um mandado de prisão para subjugar um único homem; mas um homem que pertence a um povo que demonstrou num passado recente, que sabe morrer defendendo a causa da raça humana.

É forte, o império dos imperialistas armados e grande a legião dos vassalos, tal é a influência da sua aliança com todos os homens corruptos, sempre inclinados a servi-los.

Que Praga!

Ainda bem que o jogo acabou. Estava farto de ouvir chamar Chéquia à República Checa.