domingo, março 19, 2023

O dia do meu pai


O meu pai tinha nascido em 25 de novembro de 1910. "Já pela data do meu nascimento se devia pressentir que eu ia ser republicano", dizia, sorrindo, mas com orgulho pela indefectível opção cívica que dele herdei. 

"O teu avô era da Maçonaria, andou de armas na mão a combater as invasões da Traulitânia, na Monarquia do Norte. Era do partido de Álvaro de Castro". 

Nem o meu pai nem eu fomos tentados a seguir os rumos do "grande arquiteto universal". Mas, para uma família em que, nas gerações dos meus avós e tios paternos, todos haviam nascido em Ponte de Lima, terra de forte tendência monárquica, não deixa de ser assinalável este saudável desvio coletivo para as belas cores da República.

O meu pai morreu com 97 anos. Há dias, ofereceram-me esta sua fotografia, tirada meses antes do seu último dia. Aqui a deixo, com esta brevíssima memória, neste dia do pai.

4 comentários:

Flor disse...

Linda memória. Os meus cumprimentos.

Francisco de Sousa Rodrigues disse...

Belos pergaminhos!

O meu avô materno também nasceu em 1910, só que 12 de agosto, ainda em tempos de D.Manuel II.
Infelizmente a imprudência ao volante veio ao seu encontro enquanto caminhava num passeio, a uma semana dos 85, e não teve a alegria de ver o seu amado PS ganhar as eleições de 1995.

Anónimo disse...

Que bonita homenagem. Certamente as saudades da sua presença são muitas!

maitemachado59 disse...

E Ponte da Barca? Os fidalgos da Barca pedem aos senhores de Ponte de Lima que digam aos pescadores de Viana que mandem peixe para cima.

Hoje, na minha opiniao o melhor de Pote de Lima e o sarrabulho

maitemachado59

Que Praga!

Ainda bem que o jogo acabou. Estava farto de ouvir chamar Chéquia à República Checa.