sexta-feira, 28 de maio de 2021

Recordando Salazar

Há pouco, numa velha pasta com papelada, encontrei um projeto de artigo que, em fins de 1970, tinha preparado para o jornal de Vila Real, “A Voz de Trás-os-Montes”. 

O diretor desse jornal da diocese, o padre Henrique Maria dos Santos, aceitava, com grande generosidade, desde 1968, textos que eu lhe enviava de Lisboa, onde vivia. De início, todos os artigos eram publicados. Depois, com o tempo e com certas “ousadias” da minha parte, constatava que alguns textos “caíam”. O padre Henrique explicava-me que o censor local, o capitão Medeiros, andava cada vez mais “de pé atrás” face àquilo que aparecia subscrito por mim. É que já tinha levado uns “apertões”, de “lá de cima, de Lisboa”, por ter caído em algumas “habilidades” minhas.

O texto que agora encontrei, tem uma nota manuscrita, à margem, de que foi “censurado pelo Medeiros, segundo me disse o padre Henrique”. O artigo não trazia nada de especialmente gravoso para o regime e tratava corretamente o “presidente do Conselho”, Marcello Caetano. Porém, ao referi-lo, eu “esclarecia” que ele era a pessoa “que substituiu António de Oliveira Salazar, um académico de Coimbra que, como os mais velhos ainda terão na memória, chefiou o governo do país por algum tempo”... Salazar tinha morrido cerca de três meses antes! 

Uma obviedade daquelas era demais para o pobre do Medeiros! 

Sem comentários: