domingo, 23 de maio de 2021

Mais um vizinho


Hoje, domingo, deu-nos para visitar um outro restaurante da vizinhança, o “Clube dos Jornalistas”, na rua das Trinas, na Madragoa.

No edifício de uma antiga escola primária, tem um interior diferente do expectável, decorado com gosto sóbrio, em madeiras e tons fortes (atenção a um degrau entre duas dependências, onde já uma vez me “esbardalhei”, como se diz na minha terra). 

Ao longo da sua já longa existência, notei que o restaurante teve já várias encarnações mas, vale a pena dizer, sempre com uma qualidade apreciável. Recordo-me de que chegou a andar por mãos bascas (oferecia, então, uns dentes de alho imersos em azeite, deliciosos, porque que lhes atenuava o caráter agreste e se trincavam com gosto), com propostas originais e interessantes. Agora, ao que reparei já há tempos, mudou de rumo gastronómico, mas não se perdeu na inventividade, talvez antes pelo contrário.

Nos anos 90, costumava ter por lá muitos almoços. Em um deles, a dois, Mário Soares revelou-me histórias curiosas, algumas quase proibidas, dos bastidores históricos do PS. Lembro-me também de que ali organizei uma jantarada da nossa “fornada” diplomática de 1975. E até um dia ocupámos o espaço com um casamento de amigos.

O “Clube de Jornalistas” beneficia de um espetacular pátio traseiro com jacarandás, abrigado de ventanias, onde, em dias de sol, se almoça (e, ajudando o clima, se janta) magnificamente.

Tinha passado lá, há meses, numa pausa da pandemia e regressei agora. A lista atual é muito criativa, com pratos bem apresentados, com toques de originalidade culinária, que revelam uma mão segura na cozinha. O serviço é sereno, educado e sabedor, conferindo um bom ambiente ao espaço.

O “Clube dos Jornalistas” é um segredo (talvez demasiado) bem guardado em Lisboa. Pela qualidade da sua oferta, pelo ambiente e por todo o seu conjunto é um lugar que merece ser mais conhecido e frequentado. Ah! E peçam o tinto do Douro “Dois” (indicação do meu amigo Fernando Neves). Vivamente recomendo.



1 comentário:

Luís Lavoura disse...

atenção a um degrau entre duas dependências

Isso é muito feio. Deveria no mínimo dos mínimos estar assinalado com um aviso. Seria altamente recomendável que substituíssem o degrau por uma rampa. Até para permitir o acesso a cadeiras de rodas.