segunda-feira, 31 de maio de 2021

A direita

Deliberadamente ou não, Passos Coelho converteu-se no maior problema da direita. Faz lembrar uma “allumeuse”: nem vai a jogo, nem sai de jogo. Ao não deixar de ser o dom Sebastião por que (quase) toda a direita suspira, seca em permanência o campo político à sua volta. Quem agora estivesse disposto a avançar para contestar a atual liderança do PSD (e, por consequência, da direita), fá-lo-ia “by default”, isto é, apenas porque a Passos Coelho não lhe apetece ir. Essa figura iria ser sempre um “second best”, um genérico de Passos Coelho. Faria recordar as lideranças peronistas sem Perón.

A direita está farta de Rui Rio, o qual, aliás, está farto de dizer que não é de direita, começando a não se perceber bem o que é que, afinal, ele é. Mas já se percebeu que está ali à espera que alguma coisa corra mal a António Costa, na mesmíssima aposta de contar com o desgaste de quem está no poder, que já foi seguida por Durão Barroso. Se Rio sofrer um desastre nas eleições autárquicas, vai acabar por sair pela direita baixa. Percebe-se que Passos Coelho não lhe queira suceder nessa ocasião: depois de ele próprio ter saído de cena como consequência de umas autárquicas em que levou uma “abada” do PS, seria quase irónico que pudesse voltar encavalitado numa derrota similar do seu sucessor. Mas quem vier a seguir a Rio, se este for substituído, será sempre o líder escolhido apenas porque Passos Coelho o não quis o lugar.

Ventura é um imenso incómodo para a direita. É uma figura pouco apresentável, com um discurso desagradável para muita gente decente, a quem não apetece, por compreensíveis razões, misturar-se com aquilo que o líder do Chega hoje representa. Outros, contudo, para quem “tudo menos a esquerda” é o lema, estão disponíveis para mandarem a ética democrática às malvas e dão-lhe ou acabarão por dar-lhe a mão - vê-se isso, a toda a hora, no “Observador”. O Chega é um produto de antigos votantes mais primários do PSD, ao passo que os liberais, de idêntica extração partidária, são um pouco mais urbanos e “finos”. Mas enquanto Ventura pode já ter segurado os seus num registo próprio, pressente-se que os liberais, se acaso o PSD viesse a adquirir uma liderança apelativa e congregadora, ficariam na nossa pequena história política como um epifenómeno passageiro.

Volto ao início. Passos Coelho está a fazer muito mal à direita. E se, como tudo indica, se está a “bater” a Belém em 2026, para o que terá Portas como concorrente óbvio (a gravata agora constante e a “gravitas” crescente já não enganam) numas informais “primárias afetivas” da direita, com isso vai conduzir a sua família política a um tempo próximo muito desagradável.

Para o presidente da República, que ganharia algum espaço de manobra se o governo estivesse a ser melhor “marcado” por uma potencial alternativa à direita, o tempo que aí vem deve ser de alguma expetativa. Marcelo Rebelo de Sousa não quer crises e faz figas para que o PCP e alguns votos esparsos possam ir viabilizando os orçamentos, para o país sair o melhor possível no pós-pandemia. Deixar o PSD no poder, em 2026, será, com toda a certeza, um seu natural objetivo. Isso permitir-lhe-ia fazer o país recordar que Cavaco deixou a “geringonça” a mandar e que foi com ela e, depois, com o seu sucedâneo “soft” atual, que teve de haver-se.

2 comentários:

AV disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jaime Santos disse...

Sr. Embaixador, sejamos justos com Passos Coelho. Ele é o D. Sebastião por quem quase toda a Direita suspira porque esta foi incapaz de gerar alguém que estivesse à altura dele.

Santana Lopes ou Luís Montenegro? Poupem-me. Só vejo duas figuras que podem ombrear com Coelho e que permanecem na política activa. Carlos Moedas, e ainda está para se ver de que fibra é feito com a candidatura a Lisboa e o confronto com Medina (que aí também joga o futuro político) e Jorge Moreira da Silva, que me parece alguém com mais arcaboiço político que Moedas. Mas nem um nem outro se chegaram à frente no PSD.

E talvez o Presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, mas esse dorme ainda no casulo do futuro.

Há claro, Mesquita Nunes, mas pertence ao Partido errado, é liberal e assumidamente gay, o que o torna tóxico para os centristas, que ainda cheiram muito a água benta.

E porventura Cecília Meireles, uma deputada combativa, inteligente e competente, mas de novo, não pode aspirar a mais do que a ser líder de um Partido desgraçadamente moribundo.

Os Portugueses também aspiravam por D. Sebastião só quando não havia ninguém que os salvasse do desastre. O PSD pode (e deve) evocar sempre a memória de Sá Carneiro, mas superou o trauma assim que um belo dia, o homem que haveria de ocupar o poder por mais tempo em Portugal até hoje (não, não é António Costa, pelo menos por agora) decidiu ir rodar o carro para a Figueira da Foz e remeteu o PS para 10 anos de Oposição.

Isto depois de Mário Soares ter mandado chamar o FMI por causa dos desmandos de um certo Silva das Finanças, Ministro do Cavaco, durante o Governo da AD :) ...

A Direita não tem por isso muito de que se queixar...