sábado, 29 de maio de 2021

"Uma Família Inglesa" revisited


5 comentários:

Luís Lavoura disse...

Há duas semanas os adeptos do Sporting fizeram o mesmo.

Jaime Santos disse...

Não há uma cláusula qualquer do acordo do Brexit que permita deportar esta gente de regresso à procedência, como parece que a Priti Patel tem andado a fazer com cidadãos da UE que visitam o RU para entrevistas de trabalho, uma das excepções que o próprio serviço de fronteiras britânico considera como válida para visitar o RU?

Em relação a hooligans, eu sou todo a favor da reposição de fronteiras :) ...

Unknown disse...

Lá voltámos a fazer o trabalho sujo que os outros recusam. E contentinhos.
MB

josé neves disse...

Claro,não podia deixar de vir ao de cimo, como água poluída, a mesquinhez trombuda do portuguesinho incapaz de festejar, beber e cantar em plena alegria as vitórias dos seus clubes e ídolos tal como festejam e cantam no seu país e todos os lugares onde estejam alguns súbditos juntos de sua majestade inglesa.
As imagens de tv com paleio manhoso e mentiroso de locutores a lutar por audiências igualmente feitos moralistas falsos incapazes também eles de festejar a alegria própria como hão-de compreender os festejos de alegria dos outros; nenhum comerciante se queixou de distúrbios ou mobiliário partido ou vandalizado e mesmo assim as cassandras de tv face a 50 ou 100 pessoas juntas falavam de "multidão" em pancadaria e distúrbios, a um ou dois perdidos de bêbados algemados para os poderem melhor levar para o hotel ou avião as mesmas cassandras passavam e repassavam essas imagens enquanto repetem e repetem slogans com signicados denotando bandidos à solta e coisas semelhantes.
Bandidos à solta só existiu na paranóia televisiva que de tudo e nada faz uma algazarra de "caos", "desastre", "colapso". "banditismo" para depois opinarem sobre responsabilidades e culpas afim de os sempre prontos comentadores de serviço pedirem demissões de ministros.
Não reparam como os mesmos ingleses fazem precisamente o mesmo em Londres ou outras cidades inglesas sem serem incomodados à bastonada por isso? Quantas vezes não é a própria presença de polícia armada até aos dentes que se torna uma provocação ameaçadora que despoleta os distúrbios citadinos habituais nas democracias liberais?
Deixemo-nos de ser surumbáticos e mesquinhos incapazes de festejar em plena alegria (na antiga Grécia e Roma a festa e alegria até tinha nome de deus e deu origem ao teatro) as nossas felicidades, pequenas ou grandes, sem nos armarmos em falsos moralistas de boca para pela calada encorajar ou mesmo praticar imoralidades ou mesmo ilegalidades e corrupções.
Já tivemos os falsos moralismos do salazarismo e cavaquismo e parece que desejamos mais do mesmo.

AV disse...

Estereótipos e xenofobia alimentados pela pobreza dos noticiários televisivos portugueses.
E a festa de um clube português há uns dias atrás ...?