terça-feira, 1 de junho de 2021

O “Ribas”, na Ericeira



Tenho a sensação que, de todas as vezes que almocei ou jantei na Ericeira, acabei por assentar num sítio diferente (verdade seja que gosto de “saltitar” entre restaurantes). Na minha vida, não recordo ter comido muito por lá, talvez uma dúzia de ocasiões. Faço uma ressalva para os três meses de tropa em Mafra, em que se ia jantar com frequência à Ericeira, para tentar atenuar o trauma gastronómico do “almoço” no Refeitório dos Frades -cmas isso ainda foi num tempo em que alguns militantes mais velhos do Chega talvez ainda andassem pela Ação Nacional Popular.

Sempre que amigos e conhecidos me pediam uma recomendação na Ericeira, fiados no mito de que conheço muitos restaurantes, eu hesitava bastante e, a medo, lá acabava por indicar uma ou outra marisqueira - o que é sempre um comodismo fácil em terra de peixe e marisco. Mas, confesso, embora a terra tenha coisas estimáveis, fazia-o sempre sem grande convicção.

Isso acabou este fim de semana! Graças à dica de um amigo que sabe da poda, tive uma experiência magnífica no “Ribas”, bem no centro, junto à muralha onde, em vários anos, ia de propósito de Lisboa, em romagem, comemorar o 5 de outubro, no meu republicanismo radical. 

O “Ribas” tem uma sala ampla, confortável e com decoração elegante, com todas as condições de segurança sanitária, importante para os tempos que correm. O serviço é discreto, eficiente, educado, por profissionais muito bem “equipados”, dando nota de uma cuidada “ordem unida” (expressão herdada do meu tempo militar por ali).

E, o que é mais importante, come-se lindamente no “Ribas”! Tem excelente peixe (mas não só), numa lista onde havia muitos mariscos (que, contudo, não experimentei), tudo com uma bela apresentação. A lista é muito equilibrada, tem uma seleção de vinhos muito boa. Os preços são o expectável para uma qualidade geral bem acima da média.

Vou voltar, logo que puder, ao “Ribas”. E, finalmente, já vou poder recomendar, sem hesitar, uma mesa na Ericeira.

1 comentário:

AV disse...

Saudades da Ericeira e das suas marisqueiras que frequentei muitas vezes nos finais dos anos 80 e inícios dos anos 90, antes de ter saído do País.
(As minhas desculpas ter inicialmente por lapso colocado o comentário noutro post sobre um assunto muito diferente)