quinta-feira, 14 de abril de 2011

Leitaria

Tem o nome curioso de "Leitaria Estrela de Celavisa" (o que, desde logo, me faz lembrar, imperativamente, a clássica "Leitaria Estrela d'Alva", de Ribeirinho e Vasco Santana, em "O Pátio das Cantigas). Fica na rua Tomás da Anunciação, em Campo de Ourique, em Lisboa.

Há dias, passando à porta, assisti a um sururu, com uma senhora e familares a tentarem retirar do estabelecimento um cavalheiro em elevado grau de etilização. A graça está na frase que a senhora, angustiadamente, repetia: "Nunca mais te vou deixar voltar à leitaria!".

O leite já não é o que era...

5 comentários:

Julia Macias-Valet disse...

Senhor embaixador, na minha terra abrem pastelarias umas atras das outras mas nas esplanadas dessas casas comerciais os pastéis têm "un drôle de look" : sao servidos ao copo, têm cor amarela e estao cobertos por uma espuma branca ; )

José disse...

O ditado reza, "nunca bebas leite em cervejarias nem cerveja em pastelarias"...

patricio branco disse...

um nome inocente para as bebidas que lá se servem e causam alguns incómodos familiares.

Na lenta revolução da doçaria de pastelaria e café portuguesa, igual há 50 anos (pastel de nata, bola de berlim, palmier, queque, bolo de arroz) somaram-se agora umas novidades constituidas por uns queques cobertos de cremes de várias cores, apresentados de forma mais vanguardista, e os tais copos de vidro (ou plastico) com um 1º nivel amarelo ou doutra cor cobertos (2º nivel)por essa espuma branca de que fala JMV.
Dentro de 50 anos, novas novidades (pleonasmo) na pastelaria portuguesa de cafés e leitarias aparecerão.
Quanto aos salgados, rissol, croquete, pastel de bacalhau e chamuça (esta nos ultimos 15 anos)servidos frios.

Anónimo disse...

Pelo contrário!!!...

Deve é ser tão delicioso que faz as pessoas ficarem por tudo...

Até serem arrancadas pelas "gruas" familiares... Dos locais de venda

Logo que possa vou lá experimentar, também quero ver...

Isabel Seixas

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador,
Campo de Ourique, o meu bairro de eleição, tem os melhores "sitios" para pecados gastronómicos, a que me dedico com afinco!
Mas estou com de alma e coração com o comentário de Patrício Branco quando se refere a essas "dengosas importações que só estragam o produto nacional.
Nos salgados, ao rol acrescentaria os rissois quentes de leitão, que são uma delícia para quando já cá não tivermos o FMI.