quinta-feira, 7 de abril de 2011

Jaime Gama

Ontem, ficou-se a saber que Jaime Gama, presidente da Assembleia da República e figura proeminente na vida política portuguesa, desde antes da revolução de 25 de abril de 1974, não vai recandidatar-se a deputado à Assembleia da República, abandonando a vida pública.

Conheço Jaime Gama há mais de 40 anos, dos tempos de tertúlias no café Grã-fina, um lugar de encontro de universitários, em Entrecampos. Ele era então líder clandestino dos jovens socialistas e viria a ser preso pela polícia política, tal como já acontecera nos Açores, anos antes. Social-democrata assumido, esteve na primeira linha da atividade da oposição democrática e na génese daquilo que viria a ser o Partido Socialista. Foi professor e jornalista profissional no "República", com escritos publicados também em "O Tempo e o Modo". No 25 de abril, estava, como eu, a cumprir serviço militar obrigatório. Em democracia, foi ininterruptamente deputado, desde a Assembleia Constituinte, tendo assumido cargos ministeriais na Administração Interna, Negócios Estrangeiros e Defesa. Por duas vezes à frente da diplomacia portuguesa, Jaime Gama fica na história como um dos políticos que, em Portugal, mais tempo ocuparam esse posto.

Em 1995, fui convidado por Jaime Gama para seu secretário de Estado, funções que exerci por mais de cinco anos. Reconheço nele a figura que mais marcou a política externa portuguesa em democracia, em que muito prestigiou o país e onde contribuiu para afirmar uma doutrina de relações externas que faz hoje parte do nosso património político.

Pessoalmente, Jaime Gama é uma figura muito diferente da imagem que algum país dele fixou. É um conversador excecional, imensamente divertido, com uma cultura enciclopédica e profunda, apreciador requintado das boas coisas da vida. Tem ideias próprias muito arraigadas, que às vezes se chocam com algum convencionalismo, o que o não preocupa minimamente. Tenho muito orgulho em me considerar seu amigo. 

A saída de Jaime Gama - a mais bem preparada figura política da minha geração - da cena pública constitui um imenso empobrecimento para a nossa vida cívica.

15 comentários:

Anónimo disse...

Tive oportunidade de ver alguns programas televisivos em que o Dr.Jaime Gama participou e franca-mente o seu anticonvencionalismo esteve a prova com criticas mordazes aos espanhois,americanos e ingle-ses.Sera que vai deixar a politica poque o seu filho,professor da Catolica, acaba de ser nomeado assessor politico do Presidente da Republica?Quanto ao facto de ter moldado a nossa politica externa e um tema que mereceria ponderacao.Os "Wi-kileaks" demonstram bem o que e a nos-sa politica externa.

Anónimo disse...

Jaime Gama era um bom politico. Mas o pais é este: "Muito bom dia, hoje hà Liga Europa, mas o assunto do dia é mesmo o pedido de ajuda à Europa, jà là vamos à Liga Europa" - abertura, hà minutos do "Bom dia Portugal" (RTP)...

jmc disse...

Gosto deste blog e a observação a seguir pode ser ocnsiderada de mau gosto, mas... aqui vai: já só faltam 229!

Gil disse...

Conheço Jaime Gama há 48 anos, sou seu amigo e concordo com a apreciação que dele faz quanto à vastíssima e rica cultura, o enorme e mordaz senso de humor, a coragem de tomar posições minoritárias.
Desde a nossa juventude, passando pelo seu desempenho ministerial e acabando nas suas orientações políticas, estive frequentemente em desacordo com ele.
O anúncio da sua “reforma” política entristece-me – até porque me recorda as minhas próprias limitações gerontológicas.
Agora, como o leão moribundo da fábula, vai suportar alguns coices de burro, como já se nota nesta caixa de comentários.
A serenidade búdica do JG vai prevalecer; afinal, não é por acaso que lhe chamavam Dalai Gama.

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
Tem toda a razão. Jaime Gama é alguem de quem Portugal - e não apenas o PS - se deve orgulhar.
É um homem extremamente culto e com grande sentido de humor.
Jaime Gama e Oliveira Martins são dois socialistas por quem tenho um enorme respeito. Há outros felizmente. Mas são pouco conhecidos porque decidiram não fazer da sua vida uma exposição mediática. Ainda bem!

Frangipani disse...

Jaime Gama é um Homem com sentido de Estado,o que não é, INFELIZMENTE, característica de muitos políticos da actualidade.Não sou socialista, mas confesso que estava com muita esperança de que ele ajudasse a "agarrar" o país. É uma pena, para nós todos, que ele tencione terminar a sua carreira política.Quem sabe ? ...

Liberal Correia disse...

Jaime Gama e alem de optimo politico e bom cidadao, Grande com sentido do dever no servico publico Acor/portugues e amigo
Uma perda nos dia que correm
Conheco-o a mais de cinquenta anos nao so
da pagina cultural do Correio dos Acores A sua partida da politica enche-me de tristeza
A vida

Anónimo disse...

Não conheço o Dr. Jaime Gama pessoalmente, daí que a minha opinião é apenas enquanto político - considero-o culto, honesto e muito imparcial nas suas funções.

Corroboro a opinião da HSC quanto ao apreço pelo Dr. Jaime Gama e Dr. Oliveira Martins, são dois socialistas e políticos na verdadeira acepção da palavra.

O Dr. Jaime Gama parece-me uma figura com perfil para candidato a Presidente da República e, não sendo analista política, penso que daqui a 5 anos o será!

Isabel BP

Anónimo disse...

Senhor Embaixador: permita-me que
refira aqui um pequeno episódio de natureza pessoal. O Dr. António Macedo-tenaz oposicionista a ditadura,frequentemente esquecido,e de cuja amizade tive o privilégio de beneficiar-disse-me um dia que o DR. Mário Soares se referia a Jaime Gama como sendo um "pexe de águas profundas"
Creio que a frase é suficientemente elucidativa acerca da dimensão do nosso Presidente da
A.R.
Embora já tenham passado uns bons anos sobre essa conversa todo o percurso subsequente de Jaime Gama
confirmou o acerto da apreciação.
EGR.

Santiago Macias disse...

Texto bonito, o seu.
É mais frequente ver nºs 2 em bicos de pés.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Santiago Macias: com ironia: eu era n. 3...

ARD disse...

Nº 3?
Se bem me lembro, havia "o Bem-Amado", o "Mal-Amado" e o "Amado propriamente dito"...

Jos+e Martins disse...

Graças ao Prof. Jaima Gama que eu ganhei alguma identidade ao serviço da diplomacia portuguesa em Banguecoque.
Depois de seguir a colher a maçã dos porcos, durante 15 anos, como eventual e assalariado, passei à função pública em 1999, melhorando a minha situação e consegui uma reformazita que me dá, sem grandeza, viver o meu dia a dia.

Anónimo disse...

Acreditam mesmo que o Dr. Jaime Gama se reformou da política? Eu não!
Daqui a 5 anos saberemos a
resposta.

JR

Helena Oneto disse...

Tenho pena que Jaime Gama se afaste no momento em que o país e o PS mais precisam dele.