domingo, 9 de fevereiro de 2020

Confissão impopular

Ainda não me decidi sobre se Rui Pinto deve ser louvado pelo facto de ter permitido o acesso a informações que podem ajudar a pôr a nu grandes traficâncias e trafulhices, pelo que deve ser solto e pode ajudar as autoridades no combate às redes criminosas ou se é, ele próprio, um simples criminoso que, movido por interesses pessoais, praticou delitos graves na área do crime informático, que devem levá-lo a passar uns bons anos na cadeia.

Verdade seja que o facto de eu não ser adepto do Benfica ou do Porto não favorece muito a minha tomada de decisão.

11 comentários:

hélio loureiro disse...

já somos dois ! se por um lado me assusta a ideia que alguém possa anda a espiar assuntos de Estado, por outro se não fosse ele nada saberíamos do que se passa e a forma como se domina a Causa Publica e somos dominados por outros interesses ...

forte abraço

hélio loureiro disse...

já somos dois !!! forte abraço

Jaime Santos disse...

Eu diria que se Rui Pinto colaborar com as autoridades, coisa que não tem feito (os advogados dele parece que ainda não lhe explicaram que essa coisa dos acordos não existe em Portugal) isso deve ser levado em conta por quem o julgar. Mas deve ir à mesma para a cadeia espiar o crime de extorsão, se for considerado culpado, a chantagem não é algo bonito. Pinto não é nenhum Snowden...

Anónimo disse...

É tudo isso. E também já devia ter desaparecido da circulação mediática para estar a trabalhar para os nossos serviços secretos. Um "ativo" destes e o país não o aproveita? Irra!

jorge neves disse...

O Sr. Embaixador gosta do Robin dos Bosques? e do José do Telhado? eu gosto. Por isso acho que devem deixar o rapaz em paz e investigar A SÈRIO "as lavercas levantadas". Mas aí é que "a porca torce o rabo" porque é conveniente não agitar as águas, há muito lodo no fundo.

Jaime Santos disse...

Perdão, queria dizer 'expiar' e não 'espiar', que é o que Pinto tem feito até agora :-) ... A língua portuguesa é muito traiçoeira e o teclado qwerty é ainda mais...

Anónimo disse...

É essencial acabar com essa treta das "provas inválidas". Se são provas, têm de ser aceites. Agora, se a obtenção das ditas foi ilegal, então, quem as conseguiu deve ser punido. Mas as provas têm de ser válidas!

Jaime Santos disse...

Cabe explicar que existe uma coisa chamada 'Princípio da Legalidade Processual' que obriga a que a obtenção de prova seja feita dentro da Lei. É assim cá e é assim em todas as democracias do mundo. No limite, se esse princípio não fosse válido, a prova sob tortura poderia ser aceite em tribunal.

A Justiça não consiste somente no ato de condenar ou absolver baseado na prova apresentada pela acusação, mas também no processo que leva a tal.

A não ser que quem assim fala seja a mesma pessoa que não percebeu que a Doutora Manuela Ferreira Leite estava a ironizar quando sugeriu que a democracia deveria ser suspensa por 6 meses.

Só que se calhar, essa pessoa considera que deveria ser no mínimo suspensa por 48 anos...

Anónimo disse...

Parece-me ser mais ou menos consensual que, pese embora alguns procedimentos menos adequados por parte de Rui Pinto, efetivamente deveria ser reabilitado, colaborando com a investigação.
Também me parece óbvia a razão, pela qual está detido - Por a nu a lamentável e vergonhosa verdade!
Relativamente ao Rui Pinto, estou 100% ao lado de Ana Gomes.

Anónimo disse...

Cabe explicar ao moralista mascarado "Jaime Santos", que tem de ser capaz de ler os comentários dos outros sem viés. Quando se lê as coisas em modo de birra, não se lhes percebe o ceonteúdo.

Quanto ao comentário sobre os 48 anos, só serve para cimentar a ideia de que estamos perante mais um "esquerdalho" daqueles que dispara "fascista" a todos os que se atrevem a não gostar da mesam sobremesa. Irra! Já tínhamos um em Grenoble...

Anónimo disse...

Tão jovem e tão superdotado naquela área específica, poderiam separar as coisas. E, já que ninguém, da Judiciária e afins, consegue entrar nos ficheiros ou seja lá o quê, do rapaz, o que deveriam era fazer um acordo de desconto de tempo na pena que lhe venha a ser aplicada, em troca de trabalhar para a Judiciária, em vez de passar todo o tempo da PRISÃO PREVENTIVA a olhar para as paredes, o que lhe deve fazer mal em termos de saúde física e psíquica. De quem será mais tarde a responsabilidade?
Não gosto de teorias conspirativas à portuguesa, mas a verdade é que o rapaz, novíssimo, deveria ser tratado como um sobredotado.