segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Uma questão de decência


Já se percebeu que a sociedade portuguesa só reage e atua sob pressão do escândalo. O caso Marega é uma extraordinária ocasião para suscitar um saudável movimento nacional contra o racismo, com impacto nas escolas, na comunicação social, em toda a sociedade. Importante, contudo, é evitar que o tema se torne refém de agendas políticas e de oportunismos. Lutar contra o racismo é apenas uma questão de decência.

6 comentários:

Francisco de Sousa Rodrigues disse...

Nem mais!

Anónimo disse...

Lá está FSC com o seu idealismo de querer tudo ao mesmo tempo...

Anónimo disse...

Actualização de Previsões para 2020:

1. Poderá estalar a qualquer momento um conflito armado entre os Estados Unidos e o Irão;
2. Carlos Ghosn continuara a aguardar em domiciliaria, no Japão, o julgamento;
3. Lula da Silva não ira deixar a prisão;
4. O regime de Luanda continuara firme e não haverá o risco de subir a Presidente Adalberto da Costa Junior;
5. Passos Coelho não cedera a tentação de um regresso a política e continuara, tranquilo, a docência no ISCSP, antiga Escola Colonial, depois ISCSPU;
6. Augusto Santos Silva continuara fremoso e não seguro no leme do MNE;
7. Marcelo Rebelo de Sousa não continuara o período de reflexão para alem do que seria normal poder esperar;
8. Carlos Alexandre não processara Antonio Costa;
9. Os carros não serao tirados da baixa lisboeta;
10. A ministra da Cultura não sera elogiada por todos quantos lhe não são adversários;
11. Duas figuras distintas da magistratura, ninguem sucumbira a tentação de comparar a presente e a preterita Procuradora-Geral.

Nao temos livro de reclamações.

Jaime Santos disse...

Ser-se decente é uma ambição bem modesta...

Aqui há uns anos, uma equipa inteira de futebol italiana, sendo a Itália um País onde o racismo nos estádios abunda, abandonou o campo da equipa adversária em face dos insultos racistas dirigidos a um dos jogadores. Aqui em Portugal ninguém seguiu o exemplo do Marega. Bravo Marega!

Anónimo disse...

Tem toda a razão senhor embaixador.contudo parece-me ser importante definir muito bem o que é “racismo” porque e tal como há tempos referiu e bem, os jornalistas nem sempre fazem o trabalho de casa e a ideia que se propaga é a de que se as afirmações/atitudes forem dirigidas a um negro são racistas se forem a um branco, amarelo, etc, etc já não o são...ora essa! E se partirem de um negro, são o quê? Por acaso estou totalmente à vontade porque sempre achei de uma riqueza enorme a convivência entre diferentes raças e etnias mas não é isto o que se está a passar, senão vejamos: e então não se referem os gestos obscenos que o Marega fez para os adeptos?, esses gestos são o quê? Por favor não sejamos justos e como ontem li num comentário aqui no blog “ o Rei vai nu”!!! Mas há muitos anos e ninguém viu...Bem haja senhor embaixador

AV disse...

É verdade, a sociedade portuguesa só actua sob pressão do escândalo, sobretudo se fôr internacional. Este episódio vem mostrar que continua estruturalmente racista, o que é deplorável. Não deveria ter sido só Marega a abandonar o campo. É vergonhoso que se tenha encontrado na situação de ter que o fazer sozinho.