quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

O CDS e os cravos


Há uns anos, quando era embaixador em Paris, decidi comemorar o 25 de abril convidando para um almoço na embaixada os representantes dos partidos políticos portugueses em França. Ali tive pessoas do Bloco de Esquerda, do CDS, do PCP, do PS e do PSD. tudo pessoas com as quais tinha, aliás, uma excelente relação pessoal.

Os partidos políticos são a cara institucional da democracia. Não foi por acaso que a ditadura salazarista sempre diabolizou os partidos, como igualmente não é por acaso que o discurso populista que anda pelas redes sociais - quase sempre travestido de demagógica “indignação” - os tem por alvo constante. Os “bons espíritos” encontram-se sempre.

A homenagem que então quis prestar às forças partidárias representadas na Assembleia da República fazia-se na comemoração da data da liberdade.

À chegada à mesa, cada convidado tinha um cravo vermelho ao lado do seu lugar. O representante do CDS foi o único que recusou a flor. Impressionou-me o gesto de repúdio, mas aceitei-o. Embora eles não saibam, e nunca o possam entender, o 25 de abril também foi feito para aqueles que dele não gostam.

10 comentários:

Dulce Oliveira disse...

Acho repugnante a maneira como certas forças partidárias ainda lidam com os cravos vermelhos

Anónimo disse...

Depois de a esquerda se apropriar do cravo vermelho e de o associar aos desmandos que se seguiram ao 25 de Abril ( incluindo a tentativa de ilegalização do CDS), penso que não será de estranhar a repulsa por aquele símbolo. O 25 de Abril devolveu a liberdade mas trouxe outras coisas bem negativas.

Anónimo disse...

O 25 sim o 11 de Março já não. Vois-là la diference de l'opinion des uns et des autres.

Anónimo disse...

@Dulce

Acho repugnante a maneira como certas forças partidárias ainda lidam com os amigos do 25 de Novembro de 1975

Luís Lavoura disse...

O CDS não repudia o 25 de Abril; caso repudiasse, não teria ido à embaixada comemorá-lo. Nem participaria nas comemorações anuais na Assembleia da República.
O que o CDS repudia são os cravos vermelhos, que simbolizam algo mais do que o, e algo diferente do, 25 de Abril.

Anónimo disse...

Os cravos não de Marco, são do 25 de Abril
Fernando Neves

Joaquim de Freitas disse...

Claro que há aqueles que teriam preferido ver flores-de-lis nos canos das espingardas dos soldados do MFA, no 25 de Abril…
Mas foi com cravos vermelhos que foram libertados os presos das prisões fascistas.
Os saudosistas ainda não digeriram…
É talvez este “algo mais” que o CDS repudia, e que o Sr. Luís Lavoura nota no seu comentário.

alvaro silva disse...

Coitado do homem era alérgico ao perfume do dito independentemente da cor. Se fosse o cravo que a Josephine Baker usava num sítio que não digo, tínhamos homem!

Anónimo disse...

Luis lavoura
"O que o CDS repudia são os cravos vermelhos, que simbolizam algo mais do que o, e algo diferente do, 25 de Abril."

Não entendi. Os cravos vermelhos simbolizam o quê, então?

Anónimo disse...

Os cravos vermelhos são mesmo uma flor feia ... é obrigatório gostar de cravos vermelhos ? Ainda se fossem brancos , amarelos , mas vermelhos ? Quem não gosta não usa , isto é que é democracia ...