19.2.20

Contra o vento


Vivemos num país de emoções: fortes, definitivas e superlativas. Com fervor quase militante, esgaravatamos o quotidiano para encontrar razões para nos mantermos em estado fervente, sempre escandalizados com “eles”, auto-flagelatórios com tudo “isto”. Se um país corrente, comum, tão igual como os outros, com defeitos e virtudes, ameaça emergir no horizonte, saltamos logo da trincheira: ou somos os melhores do mundo ou somos a escória e a vergonha da vizinhança. Ai de quem nos insulte chamando-nos normais!

Nunca Portugal viveu melhor, em toda a sua História, nunca a generalidade dos seus cidadãos, em média, teve uma vida tão confortável, em matéria de direitos, de segurança, de rendimentos ou de bem-estar. E, no entanto, se olharmos alguns títulos e o caráter façanhudo de certas pantalhas televisivas, dá ideia que o país está a caminho dos níveis de Aleppo. O nosso serviço público de saúde é notado como um dos mais eficazes do mundo, mas são as suas falhas, que sempre existiram, mas eram aturadas em silêncio, que agora fazem a notícia. Quando as estatísticas de segurança interna esmagam a boataria dos números falsos da criminalidade, não há quem não lembre que teve uma prima vítima de esticão na mala de mão, como se pudesse passar pela cabeça de alguém haver o menor orgulho em sermos o terceiro país mais seguro do mundo. Passámos décadas a gastar milhões para trazer turistas de fora, para atenuar a conversa dos comerciantes de que “isto este ano está pior do que no ano passado”. Um dia, os turistas vieram: “São demais! Lá se vai a nossa identidade! Invadem-nos a cidade!”.

E então, a corrupção? Não temos? Claro que temos, como temos o combate à corrupção, cada vez mais eficaz, o que a torna mais visível, infelizmente nunca tão eficaz que consiga erradicá-la por completo. Mas ninguém tem a coragem de dizer, alto e bom som, que os níveis de corrupção em Portugal estão perfeitamente na média dos países com o nosso grau de desenvolvimento. Espera aí! Mas a estatísticas não dizem que estamos no “topo”? Não dá jeito ler bem, não é? É que confundir deliberadamente corrupção efetiva com “perceção de corrupção”, que é o que tem sido alegado, é muito confortável para o achismo da “conversa de taxista” e vai muito com o ar do tempo e o discurso tremendista dos indignados profissionais.

É bom ser português. Tenho a ideia de que, nos dias de hoje, há muita gente que, pensando isso intimamente, teme dizê-lo alto, de tão policiado que anda pelos profissionais do pessimismo.

A polémica do dia

Pronto! Com a decisão australiana sobre o tenista sérvio está criado um folhetim com todos os ingredientes: vedetas, política, teorias da co...