segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Eu e a eutanásia

Confesso que não tenho uma posição firme sobre a eutanásia, embora, por prudência íntima, alimente, à partida, uma predisposição bastante reticente na matéria. Mas, ao ver pessoas que respeito, e com filosofias de vida muito diversas da minha, favoráveis à ideia, admito poder rever a minha atitude.

Tenho, no entanto, uma firme certeza: sou 1000% contra a ideia de submeter esta questão (ou qualquer outra, diga- se!) ao demagógico instituto do referendo, um caldeirão fácil de preconceitos e emoções.

Portugal é uma democracia representativa. Elegemos para a Assembleia da República deputados que, em nosso nome, votam as leis, que passam depois pelo crivo do chefe de Estado e, se necessário, pelo Tribunal Constitucional.

Eu confio na democracia.