sábado, fevereiro 18, 2023

A luz de João Salgueiro



João Salgueiro, que ontem morreu aos 88 anos, morava quase em frente a mim. Desde sempre, em todas as noites do ano, duas da janelas da sua casa permaneciam com a luz acesa. Tive sempre curiosidade de saber porquê, mas nunca lhe perguntei.

Salgueiro foi um brilhante jovem membro do governo de Marcelo Caetano. Fundador da Sedes, viria a ser, depois do 25 de Abril, uma importante figura dentro do PPD/PSD, a cuja liderança chegou a ser candidato. Mas ganhou Cavaco Silva. Ocupou o cargo de ministro das Finanças, de presidente do Banco de Fomento Nacional e da Caixa Geral de Depósitos, tendo sido igualmente professor universitário.

Conheci Salgueiro em 1979, na Noruega. Uma década depois, ao tempo em que era presidente do Banco de Fomento Nacional, desafiou-me para uma "aventura" na área bancária que decidi não aceitar, trocando-a pela ida para a embaixada em Londres. Em 2012, ambos integrámos a comissão que preparou o anterior Conceito Estratégico de Defesa Nacional. A partir do ano seguinte, voltámos a cruzar-nos, com regularidade, numa tertúlia "discussante", bastante matutina, que Miguel Lobo Antunes reunia na Culturgest, da qual resultaram debates públicos e que produziu documentos coletivos que foram publicados na imprensa. Quando Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa mostraram interesse em conhecer os trabalhos desse grupo, foi João Salgueiro o nosso eloquente porta-voz, nas reuniões que tivemos em Belém e S. Bento.

João Salgueiro era um homem frontal, sem receio de dizer o que pensava - e pensava muito bem. Tinha uma leitura clara, às vezes bastante cética, sobre as coisas da pátria, cujos destinos levava muito a sério. Extraordinariamente inteligente e sempre atualizado sobre a vida económica, portuguesa e internacional, era um profundo conhecedor da área bancária, tendo sido presidente da Associação Portuguesa de Bancos. Sobre o projeto europeu, assunto que muito o interessava, alimentava algumas justificáveis, e creio que crescentes, reticências. E não o escondia. Por algumas vezes, em torno do tema, convidou-me a colaborar nas aulas de Economia que dava a alunos estrangeiros, na Universidade Nova de Lisboa.

A nossa tertúlia, como acontece com tudo, acabou um dia. Aos poucos, fui também deixando de encontrar João Salgueiro pela nossa rua comum, como sucedeu por vários anos. Há momentos, olhei para a casa. A luz já está apagada.

5 comentários:

Flor disse...

Que descanse em Paz.

manuel campos disse...


Após ler o que aqui escreveu, minha mulher comentou não ter ideia que João Salgueiro já tivesse 88 anos e perguntou-me se eu tinha essa ideia.
Respondi que também não mas que, lembrando-me que ele estaria no princípio dos seus anos 30 quando eu estava no princípio dos meus anos 20, era fácil de imaginar que ele teria aquela idade se eu hoje tenho esta.
É curioso como perdemos a noção das idades daqueles com quem não nos damos ou que deixamos de encontrar.

Eu já cheguei à fase de, em alguns aspectos, ligar os acontecimentos ao carro que tinha na altura, uma estranha técnica mnemónica que me dá ali uma margem de 4 ou 5 anos para o facto a identificar.
Ainda ontem, num quiosque aqui da área onde em tempos fizemos a belíssima (e hoje raríssima) colecção completa das miniaturas de "Mercedes" para o nosso neto mais velho, a propósito de outras colecções que andam por aí, o dono perguntou por ele.
Quando lhe dissemos que idade agora tem e o que faz na vida, o senhor ía tendo uma coisa má, só dizia "eu ainda o estou a ver pequenino aqui pela mão da avó".

João Cabral disse...

Um homem frontal, verdadeiro e independente como poucos.

Nuno Figueiredo disse...

all things considered, fez bem em não aceitar.

maitemachado59 disse...

Homemde um so parecer, um so rosto, uma so fe ..... (de Sa de Miranda

maitemachado59

Hélder

Hélder Macedo é uma grande figura da cultura portuguesa. Fixou-se em Londres há seis décadas e aí construiu uma notável carreira académica, ...