quinta-feira, janeiro 05, 2023

Nota necrológica

Marcelo fez muito bem em ir ao funeral do papa Bento XVI. O chefe de um Estado com uma população esmagadoramente católica não podia estar ausente desta cerimónia. Escrevo isto, claro, como ateu que sou.

7 comentários:

carlos cardoso disse...

A população portuguesa não é maioritariamente católica, e mesmo que fosse o presidente da república não tinha nada que ir ao funeral de um representante de uma religião, seja ela qual for. Já que Portugal tem um embaixador junto da Santa Sé (o que considero um anacronismo), que esse embaixador represente Portugal nesta ocasião.

José disse...

A seguir o raciocínio, qualquer PR devia ser automaticamente feito sócio do Benfica e com lugar à disposição no Estádio da Luz onde teria de comparecer pelo menos uma vez por mês.

Mas há que convir que é uma lógica que se enquadra perfeitamente na matriz populista do atual Presidente.

aguerreiro disse...

"ateu que sou"
graças a Deus!

Francisco de Sousa Rodrigues disse...

Totalmente de acordo, Sr. Embaixador!
No meu caso estou em conflito de interesses enquanto católico.

Flor disse...

O Presidente da República ficou na primeira fila a dois passos dos Reis da Bélgica nem sei se houve cumprimentos ou até se já se conheciam antes.

Luís Lavoura disse...

Disparate. O chefe de Estado não representa o povo, as pessoas. O chefe de Estado é chefe disso mesmo, o Estado. O qual é laico.

maitemachado59 disse...

Carlos Cardoso

O Vaticano e um estado e o Papa e o chefe desse estado. Ratzinger "abdicou". mas nao deixou de ter sido chefe desse estado. Tambem poria objeccoes se o nosso presidente fosse ao enterro de Juan Carlos de Espanha?
E uma questao de protocolo e nao de religiao ou falta dela

maitemachado59

Que Praga!

Ainda bem que o jogo acabou. Estava farto de ouvir chamar Chéquia à República Checa.