quinta-feira, 1 de abril de 2021

Escrevi isto há sete anos!

Em 2014, publiquei no saudoso “Diário Económico” este artigo. Veremos se sobrevive:

“Falemos claro. Está criado em largos setores da sociedade portuguesa o sentimento de que José Sócrates é culpado. O “esquema” das ligações financeiras, que alguém passou à comunicação social para credibilizar a “operação Marquês”, caiu como “sopa no mel” na convicção de quantos, de há muito, tinham o antigo primeiro-ministro como um potencial, ou mesmo consumado, delinquente. O que agora sucedeu só vem confortar aquilo em que sempre acreditaram. Julgo mesmo que, para essas pessoas, dificilmente é concebível outro desfecho que não seja a prisão por longo tempo de José Sócrates.
José Sócrates não beneficia assim da presunção de inocência, em grande parte da opinião pública. Pelo contrário, há mesmo uma forte presunção de culpabilidade que o afeta e que, nos dias de hoje, leva muitas pessoas a tentar apenas saber como se passaram as coisas e, em nenhuma hipótese, se esses factos são ou não verídicos ou se, sendo-o, pode haver para eles alguma simples e plausível justificação.

A perplexidade perante as acusações a José Sócrates atingem também, não vale a pena escondê-lo, muita gente que tem por ele um real apreço e que valoriza muito daquilo que fez como governante. Gente que não se revê no labéu de um Sócrates “coveiro” do país e que tem a sua leitura para o que aconteceu em termos financeiros até 2011. Inundadas por notícias que remam todas no mesmo sentido, muitas dessas pessoas mantêm a esperança de que Sócrates seja capaz de clarificar tudo e desmontar a operação instalada à sua volta. Outros há ainda que, escudados no que foi a falta de fundamento para outras acusações surgidas no passado, alimentam a tese de uma cabala urdida pelos operadores judiciários.

Muito se tem falado sobre o papel da comunicação social neste processo. Grande parte dos meios de comunicação, confessando-o ou não, já tomou partido e esse partido não é o de José Sócrates. Não vale a pena negar nos editoriais o que os títulos não escondem. 

Sobre este assunto eu sei tanto como o leitor, isto é, nada. Como me recuso a deixar-me cair no “achismo”, vou acompanhando as notícias, sou delas dependente e procuro pensar friamente.
Tenho, porém, duas certezas.

Se José Sócrates fosse culpado por atos que tivesse cometido no exercício das suas funções de Estado, por ações ou omissões dolosas que pudessem ter traído a confiança que milhões de portugueses nele depositaram, tratar-se-ia de algo muito mais grave do que os próprios delitos. A vida pública concede a um grupo restrito de cidadãos a possibilidade de, por mandato de outros, gerirem o país. Quem trai este compromisso merece o opróbrio definitivo.

Se o caso contra José Sócrates não for suficientemente sólido, se do trabalho dos acusadores viesse a sair apenas um novelo de suspeições circunstanciais, um pacote de meras convicções, estaríamos perante uma canalhice sem nome, uma ação miserável sobre um homem, que credibilizaria então todas as suspeições que existem sobre a instrumentalização do setor da Justiça.”

Agora, resta-nos esperar.

3 comentários:

josé ricardo disse...

A recente inculpabilidade de Lula da Silva veio despertar, nas mentes dos inquisidores da nossa praça, a continuação de um intratável labéu relativamente a José Sócrates. Mas agora, tal como o vírus, sob novas variantes: José Sócrates pode ser inocentado, mas somente porque existem dúvidas ou, então, porque existem amoldadas dúvidas. Para eles, José Sócrates estará para sempre morto politicamente.
Ainda não li os jornais de hoje, mas estou quase certo que a narrativa lá plantada siga este postulado. Pelo exemplo da primeira página do Expresso...

Lúcio Ferro disse...

Aguardemos.

Unknown disse...

Senhor embaixador
Percebo o "tom" do seu texto; penso que percebo...
Mas, como muitos, apesar de tudo, procuro pensar pela minha cabeça, naturalmente com (e só) os dados que me chegam - e só chegam pela comunicação social.
Mas, senhor embaixador, no caso de José Sócrates, o que não sou capaz de não tomar em conta é que em todas as situações "duvidosas" que sobre ele se levantaram, em nenhum caso as explicações dele e das autoridades (judiciais, e outras) foram convincentes. Em nenhuma, senhor embaixador.
"Et pour cause"...
MB