segunda-feira, 19 de abril de 2021

“Todos à molhada!”

Foi preciso que aristocracia do futebol europeu tivesse revelado, em todo o seu esplendor, a sua insuportável arrogância para que os três principais clubes portugueses (pronto! já sei! há o Braga, o Boavista e os ”loosers” de luxo - a Académica e o Belenenses) conseguissem juntar-se, num gesto de orgulho ofendido, unidos em torno de um novo “mapa cor-de-bola”, que possa resgatar a honra de uma pátria em chuteiras (valha-nos, como nunca, a metáfora do Nelson Rodrigues). Há quem chame desporto àquela belíssima arte coreografada sobre a relva, só que, de quando em vez, eventos como estes mostram-nos, muito claramente, que estamos apenas perante um negócio (estive tentado a escrever “mundo cão”, mas hesitei) de emoções irracionais, arrebanhadas de forma ululante.