sábado, 17 de abril de 2021

Memória asiática


Em 1976, fui colocado na “repartição” da África, Ásia e Oceania, da direção-geral dos Negócios Económicos do MNE. 

Ali nos chegavam então, na “mala diplomática” quinzenal, oriundos do nosso consulado-geral de Hong Kong, uns “ofícios” que traziam, em anexo agrafado, recortes de um importante jornal do enclave, o “South China Morning Post”, dedicados a temas económicos.

Líamos aquilo e davamos-lhes, também através de ofícios que tinham de ser assinados pelo nosso diretor-geral, o destino adequado. Os recortes seguiam para os “ministérios sectoriais” (é assim que, nas Necessidades, se tratava, com óbvia sobranceria, o “resto” da nossa Administração Pública - e espero que este bom hábito se não tenha perdido), que o “despacho” do chefe de repartição (tivemos um chefe que “despachava” a lápis, confessando que era para poder emendar mais tarde, se se enganasse...) ou o nosso jovem bom senso determinasse.

Os ofícios de Hong Kong eram assinados por Francisco Manuel dos Reis Caldeira, o cônsul-geral, nome dactilografado no fundo da página, a que se sobrepunha uma assinatura que sempre qualifiquei de “gesticulada”, porque alguns dos extremos do grafismo manuscrito subiam pelo teor do texto, personalizando-o de uma forma que era considerada ímpar na casa. 

Um dia, nesse idos da segunda metade dos anos 70, entrou-nos na sala uma figura baixa, de cabeça levantada, olhar grave, na casa dos quarenta, com uma postura bem afirmativa. Deu dois passos, estacou e sob a atenção coletiva, olhou para o fundo, para a secretária que ficava entre as duas janelas que davam para o pátio central do palácio das Necessidades e, apontando, disse, com voz forte, ao funcionário que aí tomava assento: “Esse lugar já foi meu!”. 

O jovem diplomata que aí oficiava - que, por acaso, era eu - percebeu que estava perante um colega mais velho que ali vinha em missão de memória saudosa. E, porque as regras então eram outras, levantou-se e saudou-o. 

O Reis Caldeira, porque é dele que estamos a falar, deve ter então cumprimentado o resto da trupe que ocupava o espaço: a única beleza da sala, a Ivone de Carvalho, o Mário Santos, o Ribeiro Gomes (tenho tantas saudades do sorriso aberto do Ribeiro Gomes!) e, com escassa probabilidade, o “Ina” Amaral Neto, que raramente nos dava o privilégio da sua companhia, até que um dia se deixou daquilo e rumou aos negócios, onde sei que é feliz.

A figura do Reis Caldeira, que comigo coincidia (e isso era tudo aquilo em que coincidia) em ser oriundo do ISCSPU (com “U”), chamar-se Francisco Manuel e ter uma mulher assistente social, era a tal pessoa que nos remetia, pela “mala”, os famosos recortes do “South China Morning Post”. Ficámos, finalmente, a conhecê-lo! 

Confesso que perdi de atenção o futuro profissional do Reis Caldeira. O facto de, mais tarde, ter publicado um livro com o título “O mito do saneamento ou a contra-revolução silenciosa”, sobre as intrigas internas do MNE, assinado “Francisco dos Reis Sapim”, acabou, sem surpresas, por não se constituir como um “boost” para o resto do seu percurso profissional.

Hoje, deu-me para recordar o Reis Caldeira, os seus ofícios de Hong Kong, graficamente tão expressivos na sua assinatura, que “capeavam” (que bela que era a linguagem burocrática do antanho) os recortes do “South China Morning Post”.

Mas por que diabo estará este tipo a falar tanto daquele jornal? Ora essa!? Porque acabo de dar uma entrevista que me foi pedida pelo “South China Morning Post”. Se isto não é uma razão, não sei o que será!

2 comentários:

Francisco Seixas da Costa disse...

Um colega que, conjunturalmente, não consegue ter aspeto a este espaço dá-me conta de que Reis Caldeira, referíndo-se a Hong Kong, escrevia às vezes: “esta cidade sínica sob administração britânica”.

maitemachado59 disse...

O Reis Caldeira!
Conheci-o quando ele andava no antigo ISEU e eu ia la porque estudava Sanscrito com a DRa D. Margarida Paiva e Pona Correia de Lacerda. O curso de administracao colonial era so para rapazes mas Snacrito, Arabe, Teto e Ronga estavam abertos a qualquer. A professora tinha sido a 1a mulher do Delio Santos que era meu professor na Faculdade. Assim eu era colega do Stichini Vlela (que varias vezes tem aparecido nesta freguesia) e do R C - isto anda tudo ligado! Quando vim para Londres, perdi o contacto Soube por um dos meus irmaos - vosso colega e tambem Francisco!- que tinha entrado para a carreira.
A certa altura a Camara Municipal de Lisboa deu uma recepcao AO PR Americo Tomas e as Faculdades/Institutos foram convidados a enviarem 2 alunos. O Director do ISEU, parece-me que era o Fontoura escolheu o RC, presidente da associacao de alunos e a mim. E ficamos amigos. E a partir dai enquanto que dantes a rapaziada que se apinhava a porta do deificio nos intervalos fazia uma grande algazarra quando eu entrava, deixaram-se dissso e passou a haver respeitinho que e uma coisa muito bonita.

Penso que nao foi pessoa que lhe tivesse caido nas suas boas gracas mas, apesar disso, aqui deixo o meu testemunho

maitemachado59













E a partir dai, enquanto que dantes a rapaziada que se apinhava a port do edificio nos intervalos e que fazia uma grande algazarra quando eu entravadeixaram-se disso e passou a haver repeitinho, que e uma coisa muito bonita.

Penso que o RC nao foi pessoa que lhe tivesse caido nas suas boas gracas, mas aqui fica o meu testemunho