terça-feira, 9 de julho de 2019

A Quinta Vigia


Aquela cara dizia-me alguma coisa. Olhámos um para o outro, quando nos cruzámos, a dois passos do velho Café Apolo, no centro do Funchal, há dois dias. Ele também me conheceu. 

Todos cultivamos imensos “déjà vu”, fruto de memórias incompletas. Não sou exceção. Andei as horas seguintes a maturar de onde conhecia aquele tipo. À noite, “caiu a ficha”: não sei quem ele é ou o que faz na vida, mas sei bem como o conheci.

Foi há duas décadas. Tinha ido à Madeira para uma qualquer função oficial, nesses tempos em que andava pelo governo. Chegado de manhã, era minha intenção sair da ilha ao final da tarde. Mas, ainda no aeroporto, fui confrontado com uma situação inesperada: o então presidente do governo regional, Alberto João Jardim, tinha organizado um jantar para mim na Quinta Vigia, para o qual tinha convidado diversas pessoas. Garantiam-me que podia regressar a Lisboa, no último avião, depois do jantar. Aceitei o gesto de simpatia, claro.

O jantar, que iria ser muito agradável, tinha aí uma dúzia de convivas. Jardim, no que recordo ser uma espécie de terraço, ia-me apresentando os convidados que eu não conhecia. Foi o caso de um cavalheiro, cujo nome nunca fixei (palavra!), que teria uma função local qualquer, oficial ou não, que também não anotei.

Estávamos os três numa breve conversa quando Jardim se saiu com esta, voltando-se para mim: “Aqui este nosso amigo anda aí numas brincadeiras... com uma pequena! Ele julga que eu não sei!”. O homem pareceu mudar de cor e reagiu, surpreso: “Ó Alberto João, deixa-te disso! O senhor secretário de Estado pode julgar que estás a falar a sério!”. O presidente não lhe poupou o embaraço, que se viu crescente: “E então não estou? Mas eu sou teu amigo e da tua família, não conto mais nada, está descansado!”. E passou à frente, como se nada tivesse dito.

Durante o jantar, o homem olhou para mim de viés, várias vezes, com ar preocupado. Eu retribuía-lhe a mirada com uma expressão neutra, não fosse o homem pensar que eu pudesse vir a explorar a “boca” do presidente. 

A pessoa com quem, há dois dias, me cruzei no centro do Funchal era precisamente a mesma a quem eu fora apresentado por Alberto João Jardim. Quem será? Que faria, à época? Ainda terá o “affaire” ou tudo não passava de uma “blague” de Alberto João Jardim?

2 comentários:

Anónimo disse...

Que belíssima foto!!!!

Anónimo disse...

se o affaire continua passado este tempo todo ou deu em casamento ou o homem esta mal casado...