quarta-feira, 3 de julho de 2019

Joana Gomes Cardoso


Uma figura risível da política extremista, a quem o voto deu recentemente a lição democrática devida, lançou agora por aí que Joana Gomes Cardoso, atual presidente da EGEAC, teria ascendido ao cargo em virtude de proteção familiar.

Conheço a Joana há muitos anos e, por isso, sou testemunha das diversas fases de uma carreira pessoal feita a pulso, nas áreas do jornalismo e da cultura, numa cumulação de experiências que apenas deve ao reconhecimento do seu mérito e qualidade profissionais. Por essa razão, acho que insinuações deste jaez, cuja origem também ajuda a auto-desqualificar, merecem apenas ser denunciadas e votadas ao desprezo. E deixo aqui uma abraço amigo à Joana.

A propósito deste caso, lembrei-me de reproduzir um texto que, aqui e no meu blogue, publiquei há uns meses, curiosamente motivada por uma notícia em que Joana Gomes Cardoso era igualmente envolvida. Ele aqui fica, de novo:

Há pouco, numa primeira página de jornal, sob o título “Tudo em família”, deparei com algo que, por muito que possa sugerir-se como jornalismo, não passa de uma mera insídia: a criação da ideia de que a carreira profissional dos filhos de gente conhecida, lá no fundo, tem sempre a ver com a notoriedade conseguida pelos pais. Um pouco adiante, dentro do jornal, a coisa aparece adociada com uma nota de chamada mais normal: “Já diz o provérbio popular: filho de peixe sabe nadar”. Porém, no cômputo geral do que ficou escrito, com o título da capa a marcar tudo, a “suspeitazinha” ficou instilada.

Nesse mundo doentio dos mitómanos das teorias da conspiração, do “não é por acaso que”, do “não há coincidências”, do “toda a gente sabe que”, da ideia recorrente de que a corrupção e o tráfico de influências andam hoje aí por todo o lado, de tanta gente frustrada com o quotidiano de si e dos seus, aberta ao despeito pelo sucesso alheio, o efeito ficou conseguido. E, claro, para um leitor, nada é mais cómodo do que deparar com uma notícia que conforta os seus preconceitos. Depois, no conjunto de casos citados, alguém virá pescar um ou outro tido como suspeito, como argumento generalizador para lançar lama sobre todos os restantes. E a nenhum foi dada a hipótese do contraditório para poderem dizer a sua parte da verdade.

Há sempre, neste tipo de artigos, uma inescapável componente de apelo à inveja, um dos mais medíocres sentimentos comuns da espécie humana. Por detrás da revelação escandalizada das ligações pais-filhos, tenta-se sempre sedimentar, de forma implícita, a sugestão de que, não fora o destaque dos pais, aos respetivos filhos a vida não teria corrido tão bem, que o sucesso destes se deve, essencialmente, à saliência pública dos primeiros. 

É óbvio que não é possível negar que, algumas vezes, isso pode ter ocorrido. Por essa razão, sempre entendi importante que fosse denunciado, alto e bom som, quem usufruiu de “cunhas” ou de empurrões profissionais indevidos. Mas, atenção!, sempre devendo prová-lo, caso contrário ficamos no mero campo da difamação, que hoje tem pasto adubado na “cultura” das redes sociais. O “achismo” e a conversa de café, dos que “ouviram dizer que”, não passam disso. De intriguistas e difamadores.

O tipo de insinuações como o que decorre da notícia de que acima falei é profundamente injusto para filhos ou filhas de gente com algum nome público, mas que subiram na vida exclusivamente por mérito e pelo seu valor pessoal, que têm uma confirmada e reconhecida qualidade própria e que até, algumas vezes, chegaram mesmo a ver a sua afirmação pessoal prejudicada pelo “ruído” criado no seu percurso profissional pelo nome do seu progenitor ou progenitora. 

Escrevi o que acabei de escrever sabendo bem que este texto não vai bem com o “trend” prevalecente nas redes sociais, que os “likes” hoje não abundarão. Mas é isto o que penso e, para mim, isso é o mais importante.”

(Em tempo” lembrei-me que Joana Gomes Cardoso é a atual presidente, eleita por unanimidade dos representantes dos professores, alunos e administrativos, do Conselho de Faculdade da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Sucedeu no lugar a Francisco Pinto Balsemão. Está-se “mesmo a ver” que também foi por “cunha”...)

2 comentários:

Cardeal disse...

Será que os filhos dos famosos podem ser gente desqualificada? Às vezes são, mas às vezes não são. A filha de um ministro ou de outro famoso qq, sendo competente, não pode integrar o governo de que o pai faça parte? É certo que as nomeações para os governos por vezes obedecem demasiado a critérios partidários e quando assim é a situação torna-se menos transparente, mas quando o critério é a competência, que diabo porque não nomear o filho do sr. ministro? Está em causa o bem do país ou não será assim?
Quanto à nomeação de JGC parece-me uma ótima decisão tanto pela sua competência como pela sua beleza, que está às vezes também é uma areia no sapato: a o inveja.
Muitas felicidades para a JGC é que, principalmente, faça um bom trabalho.

Anónimo disse...

A Joana é uma lindissima “ miúda “ , certamente muito competente , e a Mãe , goste-se ou não das suas opções politicas , uma super Mulher , sem papas na lingua , diz o que pensa , o que é que as pessoas têm a vêr com isso ?
Muitas felicidades à Joana e muitos parabéns .