quarta-feira, 17 de julho de 2019

O discurso sobre o Estado

Ouvido a alguém, insuspeito de simpatias pela esquerda: "Recomendo sempre aos meus amigos políticos que moderem o seu discurso contra o Estado. Eles não percebem que a maioria do eleitorado tem ligações ao setor público, por via profissional, familiar ou outra dependência, pelo que suscitam nessas pessoas a ideia de que, se chegados ao poder, irão pôr em causa os seus direitos e interesses".

A moda liberal que por cá emergiu, nos últimos anos, explora a dualidade artificial entre o cidadão e o Estado, colocando este como maléfico esbanjador dos recursos gerados pela sociedade dita civil. Isso é evidente em grupúsculos que ora tentam penetrar no espaço de representação institucional, com apoios empresariais e mediáticos, que têm por agenda diminuir o peso do Estado e do funcionalismo público, reduzir ao mínimo as funções estatais e, de caminho, proceder a umas propaladas "reformas estruturais".

O tempo da troika, sob prevalência obsessiva dessa ideologia, pareceu a alguns ser o momento certo para pôr em prática essa receita. Colocar a tutela do Estado nas mãos de quem o detesta teve, contudo, as consequências trágicas que se viram. E, quando alguém procurou desmontar o "bluff", percebeu-se que o rei ia nu: o célebre "Guião para a Reforma do Estado", uma peça de involuntário humor caricato, aí ficou como a prova provada da vacuidade ideológica que suportava o preconceito.

Não sei se o Estado é grande ou pequeno em Portugal. Provavelmente, precisaríamos de o diminuir aqui ou ali, reforçando-a noutras áreas. Temos de estar abertos ao debate, fazendo-o apenas sob juízos de racionalidade e eficácia. E há, claro, a obrigação de termos de ser muito exigentes quanto aos serviços pagos pelos nossos impostos, tanto mais que eles não podem continuar a ser capturados pela lógica egoísta das corporações, quase esquecendo os seus objetivos: fala-se mais de professores do que do ensino, das greves dos médicos e enfermeiros do que dos serviços que estes prestam.

Tenho uma certeza: num país com largos setores populacionais que ainda padecem de grande fragilidade, o Estado continua a ser essencial para sustentar políticas que promovam uma solidariedade que o mercado, pela sua natureza, não pode assegurar.

Quando se observa que o afã guloso pelos financiamentos públicos, nomeadamente os fundos estruturais, surge frequentemente naqueles que mais diabolizam o Estado, fico a pensar se o lema dessa gente, afinal, não será: "Menos Estado, melhor Estado e o que sobrar que seja para nós..."

1 comentário:

Anónimo disse...

Noticias da Silly Season:

- Passos Coelho diz que é demasiado cedo para ser condecorado: ainda vamos a meio da semana;
- PSD quer criar ministério da promoção da saúde, não havendo o da Qualidade de Vida para poder oferecer;
- Marques Mendes: igual a si proprio;
- Marco Antonio Costa pede refrescamento ao PSD - derivado ao calor estival;
- Jorge Moreira da Silva na OCDE, em Paris: "'ta-se bem"...;
- PAN: futuro casamento de oportunidade e não de amor com o PS;
- Carlos César certo nos Negócios Estrangeiros no futuro governo, Santos Silva vai a Vice-Primeiro-Ministro;
- Se for menina, tem que ser Elisa Ferreira futura Comissária;
- Adivinha quem sai de S. Bento para o gabinete do Alto Representante.