segunda-feira, 1 de julho de 2019

A festa de um amigo


Recordo-me que foi na Bahia, no Brasil, que conheci o Jorge Rebelo de Almeida, vai para 15 anos, num almoço organizado pela cônsul-geral Filomena Bordalo.

O Jorge, que chegou a exercer advocacia, é hoje um dos principais industriais da hotelaria portuguesa, à frente do grupo Vila Galé. Às vezes, abro um jornal e lá surge um novo hotel Vila Galé. Quando me acontece (e tem acontecido frequentes vezes) reservar um quarto num dos hotéis do grupo - e há-os de Sintra ao Porto, da Ericeira a Évora, de Braga ao Algarve, entre muitos e muitos outros, alguns no Brasil - telefono ou escrevo uma SMS ao Jorge com as minhas impressões. 

Há dias, fui seu convidado para a inauguração de uma nova unidade Vila Galé, que agora abriu em Elvas. Sou (por isso) naturalmente suspeito na minha apreciação, mas achei o hotel excelente. Tratou-se “apenas” da conversão de uma ruína que manchava o panorama urbano e que passou a ser, sem contestação, a melhor unidade hoteleira local.

Mas não era bem sobre isso que queria falar.

É que o Jorge Rebelo de Almeida representa, no mundo empresarial privado português, um “estilo” que é muito raro e que muito aprecio. Ao longo destes anos, vi o Jorge conseguir fazer acontecer as coisas, agarrar-se aos projetos com uma determinação muito pouco comum, não descansando enquanto cada passo não fosse concluído. Dizem-me que, no negócio, sabe de tudo, vai ao pormenor, mobiliza as equipas, entusiasma os colaboradores. 

Mas - e é isso que quero, essencialmente, destacar - o Jorge não faz parte dos queixinhas, dos “reclamadores” por atitude, daqueles que acham que tudo lhes é devido, dos que passam os dias a protestar contra tudo e contra todos. Raramente tenho visto alguém tão positivo na forma de atuar, procurando superar as dificuldades pelo diálogo incessante, sem arrogância mas com determinação, sempre com humor, espalhando uma “boa onda” que frequentemente derruba muros que uma outra atitude seguramente preservaria. Além disso, o Jorge não é muito sensível ao “ar do tempo”: no difícil período da “troika”, decidiu investir e remar contra a maré, fazendo apostas arriscadas, ou que só o não foram porque ele “sabe da poda”.

Há dias, na inauguração de Elvas, foi interessante ver que eram os trabalhadores do Vila Galé aqueles que mostravam o maior entusiasmo. A festa do Jorge era, claramente, também a deles.

2 comentários:

josé ricardo disse...

o de Coimbra, de 4 estrelas, não oferece
sumo de laranja natural. nem uma maquineta para espremer as laranjas tem.

Cardeal disse...

Estou curioso para conhecer o Vila Galé de Elvas, cidade que há muitos anos omerecia.