segunda-feira, 15 de julho de 2019

Os gritos


Por detrás de belas casas do centro de Londres, construídas nos séculos XVIII ou XIX, situam-se os "mews", espaços de antigas cavalariças ou de guarda de carros de cavalos, hoje, muitas vezes, transformados em luxuosos apartamentos, com um discreto acesso por ruas laterais.

A caminho do pátio das traseiras da residência da Embaixada de Portugal em Londres, em Belgrave Square, existem requintados "mews", habitações de gente abastada, a avaliar pela qualidade dos automóveis que por lá se acolhem e pelos preços que se sabe serem praticados na área.

Um dia, o Gabriel, cozinheiro do embaixador, procurou-me, na minha qualidade de “número dois” da embaixada, dando-me nota de uma “coisa desagradável" que se passava num dos "mews" adjacente ao nosso prédio: em algumas manhãs, uma senhora dava berros terríveis, “guinchos” que se ouviam por toda a vizinhança. Ele vivia num pequeno apartamento nas traseiras da residência e os “ruídos” da senhora acordavam a sua criança e infernizavam-lhe o início do dia. Contudo, ao que me disse, os factos tinham lugar aperiodicamente; havia semanas com muita “gritaria”, intervaladas com tempos completamente silenciosos. Ele até já tinha pensado chamar a polícia, mas preferiu dar-me conta pessoal do sucedido.

Como não me voluntariei para testemunhar matinalmente os factos, nem o próprio embaixador me falara do assunto, procurei saber junto dos restantes ocupantes do anexo da residência se os confirmavam. Todos anuíram, embora, por estarem mais distantes, as suas queixas fossem bastante mais limitadas.

Fiquei intrigado e, confesso, cheguei a suspeitar de vícios ocultos de alguma vizinha, numa qualquer pouco comum e errática prática matinal. Até que alguém, já não sei bem como, me resolveu o mistério: a tal vizinha dos “gritos” era, nem mais nem menos, a fabulosa soprano americana Jessye Norman, que ensaiava a sua voz aos alvores dos dias em que passava por Londres, no curso das suas tournées. A casa dos “mews” adjacente à nossa residência pertencia-lhe, sendo o seu “pied-à-terre” naquela cidade.

Imaginem que tínhamos chamado a polícia ou eu tinha pedido para que ela se calasse...

4 comentários:

Portugalredecouvertes disse...

Boa crónica :)
o Gabriel tinha um "São Carlos" à porta e não sabia !!!

António disse...

Até certo ponto compreendo a queixa. Norman tem uma voz potente, e muito possivelmente estaria a fazer exercícios vocais, que não são música. E o volume devia ser maior que uma azeda rixa doméstica.
Tenho um vizinho que dá lições de piano em horário pós-laboral. Quando o tempo está bom abre as janelas e ouve-se bem. Gosto de o ouvir noite fora - já aos alunos, nem tanto.

Anónimo disse...

A crianca, ja adulta, gostara de opera ou ficou "vacinada"?��.

Saudades de Londres
F. Crabtree

dor em baixa disse...

Se esse tormento contribuiu para cantar as fantásticas "4 últimas canções" de Richard Strauss, que seja em desconto dos seus pecados.