domingo, 14 de julho de 2019

Neste blogue, faz hoje 10 anos



Há já uns bons anos, na década de 90, cheguei à noite a Paris, ido de comboio de Bruxelas, no 14 de Julho, a festa nacional francesa. Não me tinha apercebido da data. Devia sair cedo para o aeroporto, logo na manhã seguinte, para apanhar um voo para outro continente. Tinha tentado reservar um hotel próximo do "Périphérique", mas isso havia-se revelado impossível, pelo que tive de optar pelo único que tinha lugares disponíveis: o Raphael, na Avenue Kléber, perto do Arco do Triunfo. O preço era o que vigorava antes da remodelação, esclareço...

O motorista que me aguardava na Gare du Nord foi-me dizendo que não ia ser fácil atravessar a Étoile. Tinha razão. O trânsito estava impossível e, chegados ao Arco do Triunfo, foi preciso parlamentar longamente com uns polícias para atravessar a praça. O homem invocou mesmo o meu estatuto político, para conseguir “furar”. Mas lá conseguimos arribar ao destino.

O homem tinha-me entretanto chamado a atenção para o interesse em não perder o fogo de artifício dessa noite, o maior e mais imponente que se projeta nos céus de Paris. Desde sempre, desde as festas da Senhora da Agonia em Viana do Castelo, passando pelo "4 de Julho" em Manhattan, sempre fui um fã das sessões de fogo de artifício, essa maravilhosa arte efémera que alegra as noites de verão.

Com a sugestão ainda no ouvido, mas consciente de que a hora do espectáculo se aproximava, perguntei na recepção do hotel se me aconselhavam algum local de onde ainda pudesse ver o espectáculo. A reacção do rececionista foi de uma snobeira tipicamente parisiense. Depois de me dar a chave do quarto, olhou para o relógio e adiantou, num tom algo displicente: "As pessoas acham que o terraço do nosso hotel é, com toda a certeza, o melhor local de Paris para ver o fogo de artifício do 14 de Julho. Aliás, o espetáculo desta noite começa daqui a 15 minutos e vamos servir champanhe no terraço, aos nossos hóspedes, dentro de... 3 minutos".

Foi uma noite memorável, com técnicas de pirotecnia que então não imaginava possíveis. Presumo que, de lá para cá, tudo esteja ainda mais requintado no fogo da festa parisiense, tanto mais que, este ano, a Torre Eiffel, que comemora os seus 120 anos, será ainda mais o centro principal do evento. Ainda não sei onde vou, logo à noite, ver o fogo de artifício do 14 de Julho. Mas não excluo, em absoluto, tentar-me fazer convidado para o terraço do Raphael...”


Pela minha memória, acabei a passear a pé pelas ruas...

2 comentários:

Armando Pires disse...

Conheço o fogo de artifício de Viana do Castelo, não conheço o de Paris.
Recomendo a passagem de ano no Funchal, dos que conheço é sem dúvida, de todos o melhor espetáculo de fogo de artifício que alguma vez eu pude assistir.
É aconselhável fazer reserva de hotel, durante o mês de Outubro.

Anónimo disse...

Boa tarde

Ao vivo ao vivo nao conheco os fogos de artificio do 14 de Julho ou da Senhora da Agonia.
Vivo ao vivo so os de Macau ha muitos anos na passagem do ano. Varios dias com varios paises a competir. Num dos dias chovia a potes mas recusei sair do local e ir ver ao hotel na TV. Uma alegria.

Paris 14 de Julho recordo os 200 anos da Revolucao em 1989 com Jessy Norman a cantar a Marselhesa. Nao estava la mas fiquei colada a televisao.

Aqui chove.

Saudades de Londres

F. Crabtre