terça-feira, 30 de julho de 2019

Pê-ésse

Farto-me de dizer que sempre subestimamos a (estava para escrever “notável”) capacidade dos governos socialistas para darem tiros nos pés (ou para terem no seu seio quem o faça a seu débito, com arte e pontaria). 

Perguntarão: e os outros, não dão? Claro que sim, mas cada um sabe dos seus...

1 comentário:

Anónimo disse...

Por vezes, basta ouvir falar por uns minutos um político para, assim pela rama, lhe tirarmos "a pinta". Temos aquela sensação de que aquela criatura não tem os saberes necessários para ocupar o lugar. É incompetênte, um "nabo". Não sei justa ou injustamente, mas o atual MAI é um desses. O senhor, que apenas conheço da TV esbanja azelhice política, vacuidades e por aí fora. Um zero à esquerda. E se António Costa acha que criaturas assim, por muito amigas e fieis que sejam, podem ser deputados, secretários de estado e, até, imagine-se, ministros, não merece mesmo a maioria absoluta. Isto para não falar daquilo que vem a reboque do ministro, como sejam o secretário de estado, os adjuntos dos secretário de estado, o filho do secretário de estado, o padeiro, a presidente da junta...enfim o desfile habitual...

David Caldeira