quarta-feira, 17 de julho de 2019

As roscas


Aos anos que eu as procurava e, afinal, elas ali estavam, à mão de semear, em Monção! São as roscas. Andava distraído e só agora dei por elas, no concurso de doçaria regional da RTP. É para isto, afinal, que existe um serviço público!

Vou explicar melhor. Quando eu era pequeno e ia de férias grandes para Viana do Castelo, a minha avó paterna, uma senhora que sempre conheci velhinha e que assim morreu aos 93 anos, comigo ainda criança, tinha no seu quarto um grande armário do qual, em momentos que recordo felizes, fazia sair uma caixa paralelipipédica, uma lata vermelha.

Dela emergiam então, com a parcimónia das coisas verdadeiramente importantes, para alimento da minha eterna memória gustativa, as roscas. Os netos - imagino que os outros netos também, embora a equidade no racionamento dessa doçaria fosse, confesso, a minha última preocupação - tinham então direito a uma dose de roscas: duas ou três. “Não comas muitas roscas!” é uma advertência dos meus pais que me ficou no ouvido e cuja pertinência meço na avaliação semestral da minha taxa de glicémia.

As roscas eram umas argolas de massa doce, com uma textura que recordo menos crocante e mais macia, revestidas, no exterior, por “manchas” de açúcar. As roscas eram boas quando estavam frescas, perdiam graça quando humedeciam a camada do açúcar ou quando secavam, tornando-se borrachosas. Sei imenso de roscas, conheço-lhes o sabor ao pormenor e, contudo, não como uma rosca aí há 55 anos, acreditem!

Para quem, como eu, chegava para férias, as roscas que a minha avó de Viana me dava eram a delícia do mundo. Claro que, lá por Vila Real, na Gomes ou no Lapão, havia doces magníficos. Mas as coisas, em férias, tinham (têm) outro sabor. E então as roscas!

Sei lá bem porquê, cultivo a tese, que ninguém me confirma, de que as roscas que havia em casa da minha avó eram adquiridas numa confeitaria na esquina da Avenida (em Viana, aliás como em Vila Real, quando se diz “a Avenida”, ninguém precisa de esclarecimento toponímico) com a rua dos Manjovos, uma casa que entretanto mudou de nome e alargou o objeto comercial. Muita gente me diz que não, que eram compradas no Natário (no Manuel, não no Zé), em frente ao Laranjeira, onde a minha avó mandava a Arménia, filha da empregada lá de casa, a Senhora Conceição. Outros, acham que, tal como o pão, era no Dantas, na rua de S. Sebastião, nome que o meu pai sempre deu à rua Manuel Espregueira. Eu continuo a pensar que não, que só eu é que tenho razão, mas a tragédia dos anos é que, em definitivo, já perdemos há muito quem nos possa dar conforto à teimosia das nossas caturreiras.

Daqui a semanas, lá vou eu a Monção comer roscas. Isso é que me importa!

1 comentário:

Anónimo disse...

as roscas são bem boas. mas o crocante nem por isso, talvez o estaladiço fique melhor.